UNIVERSIDADE METODISTA DE SÃO PAULO

FACULDADE DE HUMANIDADES E DIREITO
CURSO DE FILOSOFIA EAD

MILENA TARZIA

ATIVIDADE DE AVALIAÇÃO MODULAR I: PROJETO DE ESTUDO

BAURU
2010

2 UNIVERSIDADE METODISTA DE SÃO PAULO FACULDADE DE HUMANIDADES E DIREITO CURSO DE FILOSOFIA EAD MILENA TARZIA (Matrícula 196688) PAIDÉIA E MISTÉRIOS: Estudos sobre os elementos educativos e iniciáticos no Banquete de Platão BAURU 2010 .

Faculdade de Humanidades e Direito. do segundo semestre do Curso de Filosofia EAD.3 MILENA TARZIA ATIVIDADE DE AVALIAÇÃO MODULAR I: PROJETO DE ESTUDO Conjunto de atividades apresentadas à Universidade Metodista de São Paulo. BAURU 2010 . como requisito de avaliação do primeiro módulo. sob a orientação dos professores Wesley Dourado e Luís Fernando Weffort.

..............................................................................................................................................9 Referências bibliográficas...................................................... 7 4.... Conclusão....................10 ................................................................................ Hipótese.............. Atividade de avaliação modular: projeto de estudo.................... Introdução........................................ Problema...................4 SUMÁRIO 1............................6 3........................................8 5.......5 2..........................................................................................

por meio da apresentação da hipótese. e a pertinência quanto a uma possível. Em breves investigações. de Platão. a relevância temática. sob a orientação dos professores Wesley Dourado e Luís Fernando Weffort. pretendeu-se explorar dois elementos básicos para a construção de um projeto de pesquisa. na obra O Banquete. a saber. INTRODUÇÃO A presente pesquisa tem por fundamento responder à atividade avaliação modular referente ao primeiro módulo do curso de Filosofia EAD da Universidade Metodista de São Paulo. . Concluiu-se o trabalho em apreço por meio da análise do conteúdo a seguir exposto. Da mesma forma. simultaneamente.5 1. específica e valiosa interpretação da obra. verificou-se a possibilidade de se firmar uma relação de homologia estrutural entre os pares mencionados. o problema e a hipótese. A apresentação do problema sugere como objeto de estudo a relação entre Paidéia e Mistérios. Buscou-se a exposição do contexto e.

Luís Fernando Weffort: Para realizar esta atividade. Proposição: após a leitura da obra O Banquete. de Platão. estudados nas primeiras aulas do módulo “Pesquisa em Filosofia Antiga”. contendo os seguintes elementos: • Apresentação de um problema (recorte temático) • Elaboração de uma hipótese Em vista da limitação do campo e tempo de investigação. ATIVIDADE DE AVALIAÇÃO MODULAR PROJETO DE ESTUDO: Aula do dia 31/08/2010 – Prof.6 2. elabore um breve projeto de estudo sobre um dos temas abordados nesta obra. o aluno deverá levar em conta os aspectos conceituais e metodológicos referentes à elaboração de um projeto de pesquisa. . sua hipótese poderá estar amparada no argumento de um dos personagens da obra.

Ainda. nos é imperioso considerar outras indagações: uma leitura que se realize por meio da compreensão dessa relação é adequada? Essa relação possui tão somente um caráter literário dialógico ou um objetivo platônico específico? Como o processo de ascensão eróticofilosófico do Banquete nos conduziria a um suposto relacionamento Paidéia-Mistérios? Nada podemos afirmar sobre a pretensão platônica. OBJETO DE ESTUDO (PROBLEMA): É possível traçar uma relação entre Paidéia e Mistérios no Banquete de Platão? A presente pesquisa tem por objetivo analisar e compreender diversas passagens do Banquete de Platão. Questionar qual fora a real intenção desse ilustre pensador grego nos parece um tanto precipitado. Por razões históricas. não nos parece difícil entender por que o interesse platônico se voltou para as esferas ética e política. Partindo do pressuposto e da exposição de que o Banquete contém menções iniciáticas. e suas relações com os antigos cultos de Mistério (Elêusis.7 3. é preciso que se compreenda o contexto em que Platão estava inserido e como se dava a experiência pedagógica naquele período. de modo a conceber a Filosofia como o verdadeiro conhecimento. Nesse sentido. parece-nos pertinente questionar se Platão teria intenção de conciliar Paidéia e Mistérios ou se sua proposta de Paidéia não seria. o trabalho em apreço pretende explorar a relação entre a Paidéia platônica e as práticas ritualísticas dessas seitas arcaicas. e por que ele procurou acrescentar à sua nova proposta educacional tais perspectivas. Dionisismo e Orfismo). e se tal apropriação teria caráter meramente metafórico. de modo que é necessário que observemos quais foram as influências órficas no pensamento . no entanto. sem. uma porta de entrada ao universo dos segredos. Da mesma forma. Entretanto. separá-las do modelo educativo a que se propõe o referido autor. per si. ressalta-se a importância em compreender como e se Platão se utiliza da sabedoria enigmática. É nesse contexto abrangente que se torna fundamental o estudo da obra em questão.

HIPÓTESE: Não nos parece que as referências platônicas aos ritos de iniciação dos Mistérios tenham a função de meros adornos literários. seria interessante observar quais as implicações que advêm dessa forma específica . CONCLUSÃO: . como projeto educativo e instrumento de formação. 4.e paidética . dá origem às mais belas e fecundas interpretações. da mesma forma que é inevitável abordar a perspectiva educacional platônica como objeto de transformação. de modo que se pretende pensar numa relação de homologia estrutural entre os pares mencionados a fim de que seja apaziguada a problemática em apreço. 5. Ora. Entendemos que a proposta de Paidéia platônica se sustenta justamente pela aproximação dos ritos iniciáticos que o próprio texto do Symposium estabelece.de leitura do Banquete.8 platônico e por que elas se mostraram relevantes do ponto de vista ético-político. que longe de deturpar um estilo único de criação. De igual modo. são inquestionáveis as semelhanças entre as descrições de cunho metafísico de ambos os lados.

do ponto de vista acadêmico e filosófico. Da mesma forma. Parecenos plausível relacionar Paidéia e Mistérios.9 O trabalho em apreço pretendeu explorar o ponto de intersecção entre as disciplinas ministradas no curso de Filosofia EAD. no segundo semestre. em consonância com o Banquete e com a perspectiva platônica. propor um novo modo de leitura e interpretação do referido diálogo não nos parece incoerente ou fantasioso. resta-nos. para que se possa dar continuidade à sugestão da atividade de avaliação e para que se possa botar em prática o aprendizado adquirido até o presente momento. Procurou-se estabelecer uma problemática que se inserisse no contexto do Banquete platônico e uma hipótese resolutiva que apaziguasse tal conflito. mas perfeitamente lógico. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS: . razão pela qual o interesse do trabalho descambou para a análise de tal relação. Ensaiou-se uma primeira possibilidade de pesquisa. de modo a conciliar elementos de pesquisa e História da Filosofia antiga. 6. prosseguir com os estudos e investigações. Entretanto. agora.

Paris: Presse Universitaires de France. ______. São Paulo: Iluminuras. UNESP. Mito. 2. Trad. Jean-François (Dir. Odisséia. 1993. Araraquara. 2001. 1945. La nascita mistica: riti e simboli d'iniziazione. W. O mito por trás do mito: sobre o Éros de Platão. Paris: Les Belles Lettres. H. São Paulo: EDUSP. Trad. MALHADAS. 1986. História da educação na Antiguidade. (Org. Trad. Roma: Bibliopolis. São Paulo: Martins Fontes. 1990. 1978. 1982.). Paris: Les Belles Lettres. CASTER. M. S. H. 1992. Trad. Os trabalhos e os dias: primeira parte. Paideia. 2003. ELIADE. Teogonia: a origem dos deuses. 1946. Platonic mysticism. BURKERT. 1980. São Paulo: Difusão Européia do Livro. Hymnes. 3. Platon: les mots et les mythes. Paris: François-Maspero. mai 1987.ed. V. Dublim Review. 1960. BRISSON. Ilíada. Antigos cultos de mistério.ed. 2007. Jean Humbert. Mélanges Societè Tolousaine d’Études Classics. BARRETO. Carlos Alberto Nunes. GOLDSCHIMIDT. Brescia: Morcelliana. 1985. MATTÉI. D. Mary de Camargo Neves Lafer. Rio de Janeiro: Ediouro. A religião de Platão. 1994. Mário Leônidas Casanova. CALOGERO.. LE PAPYRUS de Derveni. A. BORTOLOTTI. M. Miti ed amori platonici: Scritti minori di filosofia antica. La naissance de la raison en Grèce: Actes du Congrès de Nice. M.ed. ______. La religione nel pensiero di Platone dai primi dialoghi al Fedro.). Belo Horizonte: Núcleo de Filosofia Sônia Viegas. Trad. 3. Trad. L. M. Sílvia M. CARVALHO. Gabriela Guimarães Gazzinelli. Religião grega na época clássica e arcaica. Fabienne Jourdan. 2. W. ed. Jaa Torrano. ______. W. Trad. In: ANDRADE. São Paulo: EPU. FRAGMENTOS ÓRFICOS. Les deux derniers degrés de l’initiation philosophique dans Le “Banquet” de Platon. . Firenze: La Colombaria. 1941. O Hino a Deméter e os mistérios eleusinos. Carlos Alberto Nunes. I. 1996. Guido. A.10 ARMSTRONG. Trad. Lisboa: Serviço de educação – Fundação Calouste Gulbenkian. MARROU. JAEGER. H. HESÍODO. M. Belo Horizonte: UFMG. Armido Rizzi. 1963. Trad. 1991. 1990. BURKERT. São Paulo: Iluminuras. São Paulo: Melhoramentos. 2003. HOMERO. Trad.J Simões Loureiro. Dublin.

Le rôle d’Eros et d’Aphrodite dans les cosmogonies grecques. Athènes: Dodone. de Francisco Oliveira. v.4. Belém: Universidade Federal do Pará. 1997. Mênon. G. n. Phoenix. 1995. 4. J-P. 1963. 1976. E. L’experiénce religieuse chez Platon. PAPANOUTSOS. 1986. Trad. Journal of the History of Philosophy. ______. Lísis. ______. Trad. 1971. Carlos Alberto Nunes. Oeuvres Complètes. 2000. n. A República. 1951. ______. Trad. P. Trad. Trad. Maura Iglesias. 40.1. São Paulo: Loyola. v. 1990. . SMITH. 1973. Trad.1. Milano: Tascabili Bompiani. Platon et Dionysos. REALE.ed. 1986. El mito como estructura formal en Platón. ______. Plato’s use of myth in the education of philosophic man.11 MERLAN. 2007. Maria Helena da Rocha Pereira. E. P. 1969. 20. São Paulo: Loyola. RUDHART. VICAIRE. E. Bulletin de l'Association Guillaume Budé. Léon Robin. J. São Paulo: UNB. SPIEGEL. vol. 1958. J. The essence of Orphism and its place in Greek philosophy. Bolletino di Storia della Filosofia dell’ Università degli Studi di Lecce. 2. n. Brasília: UNB. n. Para uma nova interpretação de Platão – Releitura da metafísica dos grandes diálogos à luz das doutrinas não escritas. 4. G. [S. Paris: Presses Universitaires de France. 1986. ______. Diálogos: Teeteto e Crátilo.]:Éditions du Seuil. 4. VERNANT. PLATÃO. Paris: Société D’Edition “Les Belles Lettres”. n. N. Madrid: Publicaciones de la Universidad de Sevilla. Pitagorismo e formazione dell’idealismo platonico secondo la tradizione storiografica. Le Banquet. Storia della filosofia greca e romana – Orfismo e Presocratici naturalisti. RUIZ YAMUZA. Mythe et religion en Grèce ancienne. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian. PAPULI. ______. Fedon. Jerusalem. P. Maria Teresa Schiappa de Azevedo. Religion and Philosophy from Plato’s Phaedo to the Chaldaean oracles. 2004. 1976.l.

Sign up to vote on this title
UsefulNot useful