You are on page 1of 46

Desmistificando a

inovação: o que todo


gestor de TI precisa saber
para uma estratégia da
informação vencedora

Cláudio Marinho
Porto Marinho Ltda.

Pós-graduação em Gestão de TI - Cin/UFPE


Recife, 1 de março de 2008
Gestão e gerência no SUS
• Para efeito de entendimento das funções no SUS
segundo as NOB (Normas Operacionais Básicas):
– "gerência“: a administração de uma unidade ou órgão
de saúde (ambulatório, hospital, instituto, fundação
etc) que se caracterizam como prestadores do
Sistema;
– "gestão“: a atividade e responsabilidade de comandar
um sistema de saúde (municipal, estadual ou
nacional) exercendo as funções de coordenação,
articulação, negociação, planejamento,
acompanhamento, controle, avaliação e
auditoria.
estratégia de/para informação
[segundo Sílvio Meira]
estratégia de administração de informação

+
estratégia de sistemas de informação

+
estratégia de tecnologias de informação

=
estratégia de informação
Ultimately innovation is
about delighting the
customer, and that results in
great economic returns for
Xerox. If you innovate and it
doesn't end up as something
that the customer benefits
from, then it's not
innovation.
Sophie Vandebroek, Xerox CTO,
Fortune, june/07
Empreendedores
inovam. A inovação é
o instrumento
específico do
empreendedorismo. É
o ato de atribuir aos
recursos a
capacidade de criar
riqueza. Na realidade,
a inovação cria um
recurso. Não há esse
tal de “recurso” até
que o homem
encontra um uso para
alguma coisa na
natureza e portanto
lhe atribui um valor
econômico.
Empreendedores
bem-sucedidos têm
objetivos ousados.
Eles não se contentam
em melhorar o que já
existe. Eles tentam
criar novos e
diferentes valores,
novas e diferentes
satisfações.
Convertem
“materiais” em
“recursos” ou
combinam recursos
existentes em novas e
mais produtivas
configurações.
Velhas partes, mas um
todo novo: uma nova
forma de compor
tecnologias existentes
também é inovação
Rebecca Henderson, do
MIT, e Kim Clark, de
Harvard, chamam de
“inovação arquitetônica”
a maneira de ligar os
componentes de um
produto sem modificar
os conceitos do design
original (deixando
intacto o conhecimento
que dá conteúdo aos
componentes)
As 7 fontes de oportunidades para a
inovação segundo Drucker
1. O inesperado – o sucesso inesperado, o
fracasso inesperado, o evento externo
inesperado
2. As incongruências – entre a realidade
com ela é e aquilo que se assume que é,
ou que “devia ser”
3. A inovação baseada na necessidade do
processo
4. Mudanças inesperadas na estrutura da
indústria ou do mercado 11
As 7 fontes de oportunidades para a
inovação segundo Drucker
5. Demografia – mudanças populacionais
6. Mudanças de percepção, maneiras de
ser e significado
7. Novo conhecimento – tanto científico
como não-científico (social)

12
Um roteiro de
mudança
organizacional para
inovar
1) Permitir o trabalho
conceitual na
empresa e em casa
2) Dar sinais claros de
que é possível
assumir os riscos
da inovação
(combater o
sentimento de
culpa do fracasso)
Um roteiro de
mudança
organizacional para
inovar
3) Encorajar as
discussões
criativas no
trabalho (volume x
qualidade das
idéias)
4) Permitir que as
pessoas se
inspirem no seu
próprio mundo ou
no de outros (fora
do trabalho)
Um roteiro de
mudança
organizacional para
inovar
5) Dar tempo, licença
e “espaço” para o
trabalho de
inovação
6) Transformar o
gerenciamento da
criação e
desenvolvimento
de idéias de
subordinados e
colegas numa
tarefa central dos
executivos
Os desafios da inovação em
um mundo em
transformação: a
competitividade é um alvo
móvel

17
A economia exponencial
Uma característica da Era do Conhecimento

Copyright SRI International 2002


Deslindando o futuro

As tecnologias nunca se movem em linha


reta. Elas fazem curvas. Elas se polinizam
mutuamente. E criam oportunidades que
você nem pode suspeitar.

Paul Saffo, Business 2.0, Junho 2002


A nova geoeconomia global
22
998
Fliplog

997
Africa

995
Infant survival rate up to 1 (per 1,000 live births)--

Americas

990
Republic of Korea 1960 Arab
countries
980
China 1960
970 Asia

950 Europa

900

Brazil 1960
800

India 1911 Japan 1920


560
308 1 000 3 000 5 000 10 000 20 000 60 000
GDP per capita in 1995 international dollars Log

1910
1909
1908
1907
1906
1905
1904
1903
1902
1901
1900
1919
1918
1917
1916
1915
1914
1913
1912
1959
1958
1957
1956
1955
1954
1953
1952
1951
1950
1949
1948
1947
1946
1945
1944
1943
1942
1941
1940
1939
1938
1937
1936
1935
1934
1933
1932
1931
1930
1929
1928
1927
1926
1925
1924
1923
1922
1921
1920
2001
2000
1999
1998
1997
1996
1995
1994
1993
1992
1991
1990
1989
1988
1987
1986
1985
1984
1983
1982
1981
1980
1979
1978
1977
1976
1975
1974
1973
1972
1971
1970
1969
1968
1967
1966
1965
1964
1963
1962
1961
1960
1911
Edward Burtynsky – www.ted.com
Será que dá, Brasil?
31
All the water and air in the world, Dr Adam Nieman,
33
Visions of Science, telegraph.co.uk
Daniel Beltra/Greenpeace

Seca na Amazônia!
0,2 % da
área do
Saara

56% dos
nutrientes
minerais da
Amazônia
A (re)construção da identidade numa
sociedade em rede: o imperativo
ético do entendimento

Imago 36
A era das identidades em redes
• Manter forte relacionamento com quem
partilhamos inquietações
• Encontrar nosso nicho numa teia
ecológica de aliados
• Cuidar da qualidade em torno de nós
• Construir narrativas sedutoras sobre
nós mesmos
Fernando Flores

37
A sociedade em rede e a construção
da identidade dos jovens
• Cuide dos seus filhos – eles são boas pessoas
até que os façamos maus
• Eles precisam da combinação de valores
fundamentais – como a tolerância – com uma
personalidade flexível
• Educação, educação, educação – não a
educação tradicional mas aprender a aprender,
ter a capacidade de se adaptar

Manuel Castells
38
E o gestor de TI a ver
com isso??
Antes de mais nada, deve
usar a TI para
acompanhar essas
mudanças, ajudando a
definir um estratégia de
informação para a empresa.
40
Como? O que eu posso
fazer é abrir o meu desktop
para vocês verem o meu
método. Aí vocês definem
como vão fazer – e me
dizem como já fazem.
Assim a gente aprende
juntos.
41
42
43
Em resumo, o gestor de TI compromissado
com uma estratégia de informação
vencedora deve:
• Cuidar da qualidade na sua atividade cotidiana, sem
perder de vista as transformações em torno de nós
[Um olho no padre, outro na missa] ;
• Apoiar a empresa em que trabalha e também a sua
região, pois as duas competem numa economia sem
fronteiras onde a inovação é a regra do jogo [O
mundo é plano]
• Cuidar da capacitação dos seus colaboradores para
identificar oportunidades de inovação, procurando
sempre o trabalho cooperativo em redes sociais de
interesses convergentes [A busca constante do
empreendedorismo inovador]
E não se esqueçam de
construir uma narrativa
sedutora para o seu
negócio
Cláudio Marinho
cmarinho@gmail.com
cmarinho.wordpress.com