You are on page 1of 5

UNIVERSIDADE FEDERAL DO TRIÂNGULO MINEIRO

Cursos de Licenciaturas e Serviço Social - Núcleo Comum


UT Comunicação, Educação e Tecnologias - Profa. Dra. Alexandra Bujokas

EXERCÍCIO - ANÁLISE DO DISCURSO FOTOGRÁFICO

ELEMENTOS ESTÉTICOS: incluem contraste de claro e escuro, cor, composição, forma/contorno,


figura/imagem, estase - paralisação.

PUNCTUM: este é o termo usado algumas vezes para reportar o "ponto do obturador" (intenção do
autor, foco central/principal) na fotografia. Freqüentemente o ponto central do assunto aparece no
centro do retrato. Mas lá pode haver mais um foco central, que servirá para munir a imagem com de-
talhes em outra parte da fotografia. Esses detalhes geralmente oferecem um indício importante. Eles
podem dar suporte ao título da narrativa da foto, ou aumentar problemas como desunião da continui-
dade -coesão foto/texto;

TEXTO: suplementa a foto com indícios adicionais e tem por funções direcionar e informar para uma
melhor interpretação do leitor (legenda, título, slogan, teaser);

INTENÇÃO DO FOTÓGRAFO: é frequentemente revelada através da escolha do título, composição


e qualidades estéticas, emoção evocada e o foco principal;

CONTEXTO HISTÓRICO: essencial para entendermos a mensagem fotográfica. A data da fotografia


é geralmente incluída no título, algumas vezes, longitudinalmente, com a localização. Além disso,
pode se retratar eventos históricos que caracterizam a pauta;

GÊNERO: diferentes tipos de fotografia incluem: fotojornalismo, arte fina, propaganda, retrato, co-
mercial, documentário, tablóide e etc;

VALORES EMOCIONAIS SUBJACENTES: a responsabilidade com a fotografia e impactos impor-


tantes podem desvendar um significado altamente subjetivo. É preciso olhar para a emoção repre-
sentada na fotografia e refletir sobre o que ela evoca no leitor. É necessário considerar se a resposta
emotiva do leitor pode ser diferente hoje se tivesse sido no passado;

ENQUADRAMENTO: é a ferramenta para o aumento de questões sobre as escolhas dos fotógrafos,


do processo criativo e seletivo, e para especular a respeito do que sobrou além das bordas e por-
quê;

(fonte: TYNER, kathleen. Literacy in a digital world. Londres: Lawrence Erlbaum Publisher, 1998.)
UNIVERSIDADE FEDERAL DO TRIÂNGULO MINEIRO
Cursos de Licenciaturas e Serviço Social - Núcleo Comum
UT Comunicação, Educação e Tecnologias - Profa. Dra. Alexandra Bujokas

ANÁLISE DO DISCURSO FOTOGRÁFICO - EXEMPLO

Soldado americano descansa em uma trin-


cheira no Afeganistão, imagem de Tim Het-
herington, publicada na revista Vanity Fair,
que levou o grande prêmio do World Press
Photo.

ELEMENTOS ESTÉTICOS: foto instantânea, levemente desfocada, com predominância de tonalidades escuras e apenas al-
guns pontos mais claros, no rosto e no quadril do soldado e numa parte da trincheira, imediatamente ao lado do corpo do sol-
dado.
PUNCTUM: a face as as mãos do soldado: olhar de cansaço, mão direita cobrindo a testa e o olho direito e mão esquerda com
aliança segurando o capacete.
TEXTO: legenda que informa o autor da foto (Tim Hetherington) e o fato de essa imagem ter sido a vencedora do World Press
Photo.
INTENÇÃO DO FOTÓGRAFO: pôr em evidência o lado humano e fraco da guerra no Afeganistão.
CONTEXTO HISTÓRICO: a foto foi tirada em outubro de 2006, quando a guerra dos Estados Unidos contra países do Oriente
Médio se aproximava dos cinco anos de duração. Diferente dos anos iniciais - quando a população norte-americana apoiava o
ataque à "terra dos terroristas", os últimos meses têm sido de pressão para que os EUA retirem as tropas da região. Matérias
jornalísticas e filmes têm tratado a guerra contra o terror num perspectiva mais crítica e é nesse contexto que a foto emerge.
GÊNERO: fotojornalismo, fotodocumentarismo
VALORES EMOCIONAIS SUBJACENTES: cansaço, fraqueza, nonsense
ENQUADRAMENTO: plano americano em contra-plongé de um soldado, que ocupa cerca de um terço da largura da foto. Os
outros dois terços são preenchidos com o cenário, que é uma trincheira. O centro da foto é preenchido por uma espécie de
curva e o soldado está deslocado para o lado esquerdo do leitor.
CONCLUSÃO: Trata-se de uma imagem que diminui a imagem do soldado e substitui a idéia de heroísmo na guerra pela idéia
de guerra sem sentido.
UNIVERSIDADE FEDERAL DO TRIÂNGULO MINEIRO
Cursos de Licenciaturas e Serviço Social - Núcleo Comum
UT Comunicação, Educação e Tecnologias - Profa. Dra. Alexandra Bujokas

OUTRAS LEITURAS DA FOTO

Folha de S. Paulo, 15/05/08 - Ilustrada


Vencedora é metáfora dos EUA pós-11/9
EDER CHIODETTO - COLABORAÇÃO PARA A FOLHA
A imagem: um soldado solitário visivelmente fatigado, meio sentado, meio deitado sobre a terra, com uma das mãos na testa
e a outra no capacete. Olho e boca em expressão de um desespero incontido, emoldurados por uma atmosfera quase mono-
cromática, reforçada pela luz rarefeita que aumenta a dramaticidade que envolve o bunker no vale Korengal, no Afeganistão,
próximo à divisa com o Paquistão.
É um dos mais perigosos e mortais do mundo, onde soldados americanos, ainda à procura de Osama Bin Laden, tentam
conter o ímpeto das forças talebans. A fotografia, realizada pelo fotógrafo britânico Tim Hetherington para a revista "Vanity Fair",
foi a grande vencedora desta edição do WPP. Curiosamente, quando a reportagem foi publicada, em 12 páginas da revista, a
imagem não foi usada.
A metáfora da exaustão do soldado ilustra de forma perspicaz a posição atual de falta de rumos do governo norte-americano
na condução política dos conflitos após o 11 de Setembro. Mais de seis anos depois, os Estados Unidos, assim como o soldado
na trincheira, não sabem mais por que estão ali, tampouco o que fazer para sair dessa situação.
Hetherington é um fotógrafo documentarista especializado em zonas de conflito. Em entrevista à "Times", após o anúncio do
prêmio, afirmou seguir a máxima do mítico fotógrafo de guerras Robert Capa (1913-54), que dizia: "Se suas fotos não são boas
o suficiente, é porque você não estava perto o suficiente". Tal epíteto o tornou um dos maiores repórteres-fotográficos da histó-
ria, mas também o levou à morte no Vietnã, ao pisar numa mina durante reportagem.
"Tento estar o mais próximo possível do conflito, consciente de que o mais importante são a reportagem e a minha segu-
rança", diz Hetherington.

Folha de S. Paulo, 22/05/08 - Ilustrada


Sábado no Sesc
O fotojornalismo nos força a descobrir uma densidade do instante que não queremos ver

CONTARDO CALLIGARIS
NO SÁBADO passado, estive no Sesc Pompéia, em São Paulo, para ver a exposição de fotojornalismo da World Press
Photo (até 15 de junho). A cada ano, essa organização atribui prêmios às melhores imagens entre as que são propostas por
profissionais do mundo inteiro. Se você está longe de São Paulo, entre no site www.worldpressphoto.nl e clique em "Winners
gallery 2008" (óbvio, a tela do computador não vale as imagens impressas).
A foto que ganhou o concurso deste ano é de Tim Hetherington, para "Vanity Fair". Representa um soldado dos Estados Uni-
dos, numa trincheira, no Afeganistão. Ele retirou seu capacete e leva a mão direita para a testa, num gesto mais de exaustão
que de desespero. A mão levantada tapa seu olho direito. O soldado não está nem ferido nem morto; não há sangue, apenas
desolação. A cena poderia resumir qualquer guerra. Um olho atônito se abre no meio de um fundo monocrômico, em que se
misturam a terra, o uniforme e os panos de camuflagem pendurados atrás do soldado: é a cor de uma angústia surda e talvez
da morte.
Será que Hetherington, na hora de fotografar, viu o que eu enxergo no resultado? A resposta não é simples. O processo foto-
gráfico (do momento em que alguém enquadra e focaliza até o trabalho de Photoshop) inventa ou aumenta a riqueza narrativa
do momento. Mas, antes disso, o olhar do fotógrafo deve ter reconhecido a qualidade especial do instante.
UNIVERSIDADE FEDERAL DO TRIÂNGULO MINEIRO
Cursos de Licenciaturas e Serviço Social - Núcleo Comum
UT Comunicação, Educação e Tecnologias - Profa. Dra. Alexandra Bujokas

EXERCÍCIO - ANÁLISE DO DISCURSO FOTOGRÁFICO


Considere a foto abaixo, identifique e analise os elementos do discurso fotográfico

Hasteando a bandeira em Iwo Jima é uma das mais fa-


mosas fotos da II Guerra Mundial, tirada pelo fotógrafo
Joe Rosenthal, em 23 de fevereiro de 1945. Essa ima-
gem inspirou monumentos, cartazes de filme e, até
hoje, é um dos ícones da II Guerra.

ELEMENTOS ESTÉTICOS:

PUNCTUM:

TEXTO:

INTENÇÃO DO FOTÓGRAFO:

CONTEXTO HISTÓRICO:

GÊNERO:

VALORES EMOCIONAIS SUBJACENTES:

ENQUADRAMENTO:

CONCLUSÃO:
UNIVERSIDADE FEDERAL DO TRIÂNGULO MINEIRO
Cursos de Licenciaturas e Serviço Social - Núcleo Comum
UT Comunicação, Educação e Tecnologias - Profa. Dra. Alexandra Bujokas

EXERCÍCIO - ANÁLISE DO DISCURSO FOTOGRÁFICO


Considere a foto abaixo, identifique e analise os elementos do discurso fotográfico

ELEMENTOS ESTÉTICOS:

PUNCTUM:

TEXTO:

INTENÇÃO DO FOTÓGRAFO:

CONTEXTO HISTÓRICO:

GÊNERO:

VALORES EMOCIONAIS SUBJACENTES:

ENQUADRAMENTO:

CONCLUSÃO: