You are on page 1of 2

Page 1 of 2

   Artigo     
com novo endereço www.apagina.pt/ Dia-a-Dia

notícias do Dia-a-dia

 
Edição Impressa

 
  Último jornal

   A Página da Educação   Arquivo - Artigo  

Autor do Artigo
Nildo Viana
Professor da UEG Universidade Estadual de Goiás e Doutor em Sociologia pela UnB ? Universidade de Brasília

 

Ética e Orientação Acadêmica
Não existe uma ética absoluta e sim várias éticas. Isto não quer dizer que elas sejam equivalentes, pois uma ética autoritária é condenável diante de uma ética libertária e vice-versa. Assim, a ética humanista é que deve fundamentar o processo de orientação acadêmica, pois ela supera as éticas particularistas e suas relações com o poder.

 
Inf. sobre o artigo
Jornal "a Página" Nº 147
Ano 14 | Julho 2005 Pag. 6

 
Imprimir este artigo
Versão para impressão
Abre uma nova janela com este artigo numa versão mais amiga da impressora.

 
Nº 184 Dezembro 2008

 
Nº 184 em Formato PDF

 
PEDIDOS de assinatura do jornal ( Portugal e estrangeiro )

 
  Arquivo

 
ARQUIVO de jornais anteriores

 
TEXTOS arquivados por autores

 
HOJE: 6.508 textos on-line

 
  Pesquisar o arquivo

     

Ou

       

Frase

Pesquisar

 
Dos LEITORES

 
Para submeter artigos, ler regras aqui:

PROPOSTAS de publicação

 
INQUÉRITOS em votação

 

A orientação acadêmica é um ponto problemático nas universidades, pois ela é uma relação social na qual se colocam frente a frente o professororientador e o aluno-orientando na elaboração do trabalho final de um curso. Esta relação reproduz as relações de poder entre professor e aluno existentes nas salas de aula. É por isso que muitas vezes existe um conflito no processo de orientação, quando o   aluno não assume uma posição de subserviência e   docilidade ou então uma orientação pautada em procedimentos éticos por parte do professor. Daí a importância da ética no processo de orientação acadêmica. A ética é uma práxis, ou seja, é uma prática na qual o indivíduo coloca uma finalidade antes de realizála, e tal finalidade é constituída pelos valores fundamentais de um indivíduo, gerando uma coerência entre eles e a prática. Neste sentido, não existe uma ética absoluta e sim várias éticas. Isto não quer dizer que elas sejam equivalentes, pois uma ética autoritária é condenável diante de uma ética libertária e vice-versa. Assim, a ética humanista é que deve fundamentar o processo de orientação acadêmica, pois ela supera as éticas particularistas e suas relações com o poder. O caráter universal da ética humanista se revela no fato dela se voltar para a realização das potencialidades humanas, o que significa ser coerente com as necessidades radicais do ser humano, isto é, com a natureza humana. A partir da ética humanista é possível avaliar a orientação acadêmica. O orientador, neste caso,

   

  LIVRARIA    
PUBLICIDADE EXTERNA

 

http://www.apagina.pt/arquivo/Artigo.asp?ID=3977

1/9/2009

Page 2 of 2

INQUÉRITOS em arquivo

 
CONTACTOS e cartas à redacção

 

deve, em primeiro lugar, cumprir o seu papel de orientar. Apesar de em alguns dicionários orientar e dirigir sejam sinônimos, na verdade, são palavras com significados distintos. Orientar é indicar caminhos, rumos, enquanto que dirigir é determinar quais caminhos devem ser seguidos. Assim, o orientador deve evitar a tentação da direção e o orientando deve evitar a receptividade de esperar dele as diretrizes, bibliografia, etc. Mas isto não deve justificar o erro contrário do orientador, que é a omissão que, muitas vezes, é acompanhada pelo abandono do orientando na hora de defesa diante de um banca. A orientação não é direção nem omissão por parte do orientador e sim acompanhamento, indicações, sugestões, que podem ou não ser acatadas pelo aluno. Por isso, nada mais sem sentido do que a afirmação de alguns professores de que o produto da orientação (monografia, dissertação, tese) é uma “co-autoria”, pois o trabalho é do orientado, que é o único autor. Assim, o orientando deve buscar sua autonomia, pois este é o momento final de um curso, o que significa o estágio final de sua formação. A ausência de autonomia neste momento significa um processo de formação deficiente. No entanto, o orientador, quando se julga diretor, pode ser o maior obstáculo para o orientando e sua formação, ao lhe obstruir o desenvolvimento de sua autonomia e capacidade criativa. Assim, os vários problemas encontrados no processo da orientação acadêmica poderiam ser evitados com o orientador estando de posse de uma ética humanista. Somente assim ele poderia contribuir com a formação e autonomia do aluno e, portanto, realizar   efetivamente o seu papel de orientador.

http://www.apagina.pt/arquivo/Artigo.asp?ID=3977

1/9/2009