You are on page 1of 3

JORNAL JOVEM EDUCADOR

SOROCABA 08 DE SETEMBRO DE 2009

JOVENS EDUCADORES COM UM NOVO OLHAR EDUCACIONAL.
PG 1

Com uma nova visão sobre a educação bravos jovens empenham para poder garantir a transmissão dos conhecimentos para as futuras gerações. A educação passa por uma mudança que causa desconfiança, medo, incredulidade e os mais diversos sentimentos que brotam frente as mudanças, professores já formados, novatos, estudantes de licenciatura e alunos, todos tem suas opiniões sobre a educação e as divergências são grandes, uns não aceitam as mudanças outros pedem reestruturação outros acreditam que falta adequações simples, o fato é que todas mudanças feitas causaram impacto, seja no meio escolar-educacional seja na sociedade como um todo. Não cabe somente aos educadores a responsabilidade sobre a educação da sociedade, nem aos políticos, nem aos pais somente. A educação é tratada em nosso País somente como mais uma pasta, um secretariado, não tem a visão de construção de um País fundamentado no saber coletivo, importante são apenas números, estatísticas, que sugerem um melhoramento que pode da aos olhos do leigo um sentimento de evolução ou retardo total, a verdade é que somente o tempo dirá quais as atitudes foram as corretas e em qual situação se deve mexer, portanto olhar a situação com um foco fixo em uma determinada situação com julgamento pré estabelecido pode alterar reais conclusões do fato. A nova geração de professores tem em seus estudos um novo olhar sobre as situações, o punitivo, o tirar a melhor nota, “decoreba,”e outras situações corriqueiras no passado não muito distante já são analisadas com outros aspectos que não leva em conta apenas o resultado final mas todo processo que se sucedeu para tal resultado. O processo evolutivo na educação é demorado, não se faz educação do dia para noite, os primeiros passos já foram dados e devemos estar sempre interagindo buscando o aprimoramento no sacerdócio educativo.

Conseqüência Didática Variáveis metodologias.
Hoje em dia a melhor
maneira de configurar as atividades é traçar uma linha de seqüência que é uma nova maneira da metodologia de ensino onde o professor se baseia desde as atividades, provas e ate projetos. Pensar nesta linha de seqüência mostra que existem vários elementos que as compõe como: conjunto de atividades ordenadas, estruturadas e articuladas para a realização de certos objetivos educacionais, que tem um principio e um fim conhecido tanto pelos professores como pelos alunos.(Zabala) Com tempo os termos utilizados serão unidades didáticas, programação e intervenção pedagógica. Onde cada ema delas tem propriedades unitárias e a complexidade da pratica, englobando as três fases de todo o modelo reflexivo planejamento, aplicação e avaliação. Como vimos até agora, realizar uma nova maneira da pratica educativa, composta o trabalho de vários elementos pedagógicos. Neste sentindo mesmo que as atividades, e sobre tudo nas unidades de intervenção, estejam incluídas todas as variáveis metodologia seria adequadas identifica-las de forma de que se pudesse efetuar a análise de cada uma delas em separadas, mas levando em conta que sua avaliação não é possível se não forem examinadas em sua globalidade.

******************************************************** Noticia dada em Setembro/ 2020. A auto avaliação na metodologia está sendo adotada entre os educadores em sala de aula. Cada vez mais os métodos de ensino estão sendo revistos, analisados e discutidos entre os professores. Auto avaliação didática de ensino, seqüência de atividades, interrelação professor- aluno hoje são quesitos fundamentais adquiridos pelos professores e aperfeiçoados de forma brilhante em sala de aula. Nunca se viu um ensino tão abrangente a diferentes capacidades reflexivas dos estudantes.

Nosso ensino caminha para o ápice de sua ideologia, com profissionais reflexivos e processos educativos revolucionários. Por: Bruna Luz / Prática VI – Profª: Maria Ângela Bruna Carolina Luz Antunes 6° semestre – 02/09/09

Nome: Rodrigo Martinez

Curso: Matemática

Semestre: 6º

NOTÍCIA – DATA 02/09/2009

Elliot distingue duas formas muito diferentes de desenvolver à prática docente
A primeira forma ele determina que o professor empreende uma pesquisa sobre um problema prático, mudando sobre esta base algum aspecto de sua prática docente. Neste caso o desenvolvimento da compreensão precede a decisão de mudar as estratégias docentes. Na segunda forma o professor que modifica algum aspecto de sua prática docente como resposta a algum problema prático, depois de comprovar sua eficácia para resolvê-lo. Através da avaliação, a compreensão inicial do professor sobre problema se transforma. Portanto, a decisão de adotar uma estratégia de mudança precede o desenvolvimento da compreensão. A ação inicia a reflexão. Elliot considera que o primeiro tipo de professor constitui uma projeção das inclinações acadêmicas sobre o estudo do pensamento dos professores, que supõem que existe uma atuação racional na qual se selecionam ou escolhem as ações sobre a base de uma observação desvinculada e objetiva da situação; marco teórico em que pode se separar a investigação da prática. Para Elliot, o segundo tipo representa com mais exatidão a lógica natural do pensamento prático.