You are on page 1of 9

Pontifícia Universidade Católica de São Paulo

“ESPELHOS ARDENTES, MAÇÃS VOADORAS E PLASMS IONIZADO.” ROTEIRO
• Cena 1

Em uma sala de aula, a professora repassa a matéria de um experimento com os alunos, referente a um assunto de físico outrora abordado. Os alunos se distribuíram em alguns grupos para discutirem e montarem um relatório sobre os experimentos e o assunto da aula. Professor (a): Vocês devem lembrar que após o procedimento, vocês vão calcular o Sen (1º) e o Sen (2º), depois de obter esses dados, soma-se o produto e tirar a média... Em um canto do lado direito da sala, encontra-se um grupo de quatro garotas, que conversavam paralelamente a explicação do professor (a). Danny Meu... Não adianta cara, isso, tipo, nunca vai entrar na minha cabeça. Jéssica É porque você, provavelmente é muito burra. (disse em meio a um bocejo) Danny dá um tapinha no ombro de Jéssica que responde com um sorriso. Larissa Ai, não fala assim, física é uma matéria super importante, e é provável que seja a que mais tem ligação conosco, ela é tipo...tecnologia cara, you know baby? Jéssica Oi meu nome é Larri, e eu sou, tipo, Geek Nerd’ s. (disse em meio a risos) Lia Meu, vocês fazem muito barulho, cara! Eu tentando dormir e vocês falando, caramba! Jéssica

Falo a doutora balada, alias como foi ontem? Disseram que o Bruno tava lá, você viu ele?

Lia Foi muito legal, o Dj que tava tocando fez um mix de Justice com Royksopp que ficou muito da hora, mas eu não vi o Bruno lá não, alias você não tinha desencanado dele? Jéssica Só perguntei por curiosidade, e outra acorda ai que você tem que ajudar a gente a fazer o trabalho, se não a Nerd pira! Um garoto de outro grupo passa um bilhete para Larrisa, que lê discretamente enquanto Lia e Jéssica conversam. Larissa Ah é, vou te mostrar quem é Nerd! Acabei de descobrir porque o Bruno não foi à Vegas Clube ontem. Dizendo isso, Larrisa pega um pequeno espelho de dentro da bolsa, e o posiciona de forma que elas pudessem ver o canto que correspondia ao local onde Bruno estava sentado. Larissa Ta vendo, o Julio me contou que ele saiu com a Alana ontem. Eu te disse que aquela garota não era flor que se cheire, e que física não é uma matéria inútil. Danny Dahh de graça pra você Larri, qualquer um sabe que um espelho reflete as imagens a nossa volta de acordo com a quantidade de luz! ( Em meio a risos) Larissa Você sabia que no ano de 214 a.C. Arquimedes utilizou de espelhos para queimar os barcos do general romano Marcelus? Um simples espelho pode garantir a vitória e a salvação da cidade de Siracusa. Danny Você sabe que isso é uma lenda! Larissa Como você pode afirmar que não é verdade? Jéssica Mas que vaca!! Danny, Larissa e Lia A gente te avisou!

Jéssica Vocês deviam ter sido mais insistentes! Larissa O que? Danny Meu a gente não tem culpa se ele é um cachorro, e ela é falsa! Lia se debruça sobre os livros e dorme.

Cena 2

Lia acorda e percebe que é noite. A sala de aula está vazia e a mobília perfeitamente arrumada. Lousa limpa, chão limpo, mesas e cadeiras perfeitamente organizadas. Ela se levantou e foi ate a porta da sala. Estava trancada, voltou para a carteira onde estava sentada e procurou o celular, mas ele estava descarregado e ela não tinha o carregador. Lia Mas que merda! Após um breve momento de pânico, onde Lia deu um grande chilique, e começou a pular e gritar, ela notou que próximo a sua carteira havia um livro. Tratava-se de um manuscrito já velho e surrado, de capa dura de couro, com as costuras soltas e páginas amarelas, não havia titulo. Lia pegou o livro e o folheou displicentemente. De alguma forma, sentiu que tinha de ler aquele livro. Folheio uma segunda vez, sentou-se distraidamente e começara a ler em voz alta. Lia No ano de 1687, Isaac Newton publicou sua mais importante obra, Philosophiae Naturalis Principia Mathematica, obra que trata, basicamente, de astronomia, mecânica e física. Lia sentiu uma vertigem muito grande. Sentiu as coisas tremerem e tudo girar de maneira brusca, os objetos e tudo ao seu redor começaram a girar, perdendo sua forma, cor e brilho, até que tudo o que ela podia ver era apenas uma luz branca, enquanto tudo girava cada vez mais rápido, girando, girando. E de repente, tudo cessou.

Cena 3

Lia caíra bruscamente em uma saleta muito escura. Paredes de madeira fosca com muitas estantes entulhadas de livros, volumes dos mais variados tipo e tamanhos dispostos de maneira uniforme. Ela levantou-se, ainda com um pouco de tontura e agora com um pouco de frio, notou que na parede oposta a que ela estava não havia estantes, mas cortinas muito grande de um pano vermelho muito grosso, próximo a essa parede, havia um jovem rapaz muito concentrado em sua leitura. Ele estava sentado á uma escrivaninha de madeira, e na frente dessa escrivaninha, havia uma cadeira com um grande painel branco. Nesse painel, batia um feixe de luz que vinha de uma pequena fresta da parede onde havia as cortinas. Lia se aproximou sorrateiramente do rapaz. Lia Desculpa, mas... Ele dera um pulo na cadeira onde estava. Lia ficou estática um momento. Ele usava roupas um tanto, “estranhas” ao ver de Lia. Isaac Newton Quem é você? O que faz aqui? Lia Desculpe-me, mesmo... É que, ai... Como explicar... Eu estava lendo um livro, e, de repente eu cai aqui, eu... Realmente não sei como explicar como isso aconteceu. Isaac Newton Honestamente, você não espere que eu ache muito comum garotas estranhas serem transportadas por... um livro, para o escritório de alguém,acha? Agora se me da licença, eu tenho um livro para terminar. Lia ficou estática um momento. Sentia-se muito constrangida e perplexa. Lia Ah, perdoe a intromissão, mas, só por curiosidade, o que você esta estudando? Isaac Newton

Olhe, eu não tenho tempo para ficar jogando conversa fora. Lia Não precisa ser grosso, educação é o pilar daqueles que se denominam... Intelectuais. Isaac Newton Esta bem. Você me convenceu, venha cá. Ele levantou alguns pedaços de papel onde havia alguns cálculos. Em sua mesa havia alguns livros empilhados de maneira nada ortodoxa, um tinteiro e uma pena, e uma pequena luneta de latão enferrujada. Isaac Newton Eu estava refletindo sobre algumas idéias, coisas que percebi, sobre a luz. Lia Hum, legal... No que pensava? Isaac Newton Bom, eu estava estudando um livro de óptica , quando, resolvi fazer alguns experimentos para... Aprofundar esses estudos. Lia Ah tah, que experimento você fez? Isaac Newton Bom, eu... Coloquei esse prisma em direção a um raio de luz do sol, e percebi que, quando a luz branca passa por ele, ela sofre dispersão e assim, vemos as cores que formam o arco-iris. Isto acontece por que, provavelmente, os corpúsculos da luz branca, ao passarem pelo prisma sofrem diferentes desvios e assim, corpúsculos de cores diferentes são separados. Lia Ah, entendi, mas, com todo o respeito, você não acha que por mais que seja um conceito que explica um fenômeno da natureza, não seria legal se tivesse, sei lá, uma aplicação?Coisa do gênero. Isaac Newton Mas eu estou trabalhando nisso, veja (ele pega um bloco de papel onde há vario desenhos e cálculos) eu estou pensando em, fazer algumas modificações no telescópio comum. Lia Que tipo de modificações? Isaac Newton Normalmente, quando olhamos um astro, estrela ou planeta com um telescópio comum, vê-se um brilho colorido nas bordas. Eu creio que isso aconteça devido a uma refração nas lentes. No entanto, se usarmos um espelho refletor, esse problema fica bem diminuído, e nisso que estou trabalhando.

Lia Nossa, olha a minha falta de educação, meu nome é Lia. E o seu é? Isaac Newton Eu sou Newton. Isaac Newton. Lia Newton, o físico? Lia teve a mesma sensação de quando leu o livro, a mesma vertigem forte e a sensação de estar dentro de um grande redemoinho, ela apertou os olhos com força para se sentir menos enjoada. E mais uma vez parou. • Cena 4 Lia voltara a sentir a mesma sensação de enjoou, mas dessa vez o frio cessara. Ela sentiu uma brancura muito forte arder em seus olhos, passara tanto tempo no escuro que seus olhos lacrimejaram. Ela levantou-se com um pouco de dificuldade. Percebeu que estava em um tipo de laboratório. Paredes brancas, longas mesas brancas com vários aparelhos elétricos que Lia desconhecia a utilidade, mas que a fizeram perceber que se tratava de um laboratório. Sentado a uma das mesas havia, o que Lia reconheceu como um cientista. Ele estava mexendo um longo filamento cilíndrico transparente muito fino. Lia Ola... desculpe a intromissão, mas... Engenheiro A saída é à direita, se você correr, talvez encontre o seu grupo escolar. Lia Senhor, eu, não estou com nenhum grupo escolar, eu... Ah, acho que me perdi, na verdade nem vou tentar explicar, você não acreditaria. Engenheiro Olha a maioria de vocês só vem aqui por que o Professor de vocês acredita de verdade que vocês têm algo na cabeça quando na verdade não tem. Lia Olha, eu não sou obrigada a ouvir esse discurso de que todos os adolescentes são vazios, fúteis e rebeldes sem causa, ta legal? Engenheiro Você pode? (indica a saída com um dedo, ainda sem olhar para ela). Ela dá uma volta pelo laboratório, e reconhece o material com que o homem trabalha. Lia

Com licença, isso é fibra óptica? Como a que se usa para internet? Engenheiro È sim, mas não se usa apenas com a internet. Lia Para que mais então? Engenheiro Muitos procedimentos cirúrgicos, por exemplo... Ah, o medico, utiliza de fibras ópticas em endoscópios para observar órgãos internos, como por exemplo, o estomago. Lia Ah, entendi, como ele faz isso? Engenheiro Venha cá, deixe te mostrar, um feixe de fibras ópticas desce pela boca ate o estomago da pessoa, juntamente com uma pequena fonte de luz que ilumina o local a ser examinado. Lia Ah, entendi. Eu sei um pouco sobre as fibras ópticas, eu tive de fazer um trabalho pra escola uma vez, na verdade eu nem fiz o trabalho, foi uma amiga que fez, de qualquer forma, era um trabalho sobre luz, mas eu confesso que não entendi direito essa coisa de índice de refração da luz, essas coisas. Engenheiro Olha um estreito feixe de luz, geralmente produzido por um laser, entra por uma das extremidades, e, como você pode ver, ela é muito fina, a incidência na superfície que separa o núcleo da parte externa se da por um ângulo maior do que o limite, assim, a luz sofre uma seqüência de reflexões totais e emerge pela outra extremidade. Lia Nossa, ficou um pouco mais claro, mas só um pouco. Engenheiro Bom, não é tão simples entender o comportamento da luz e ainda hoje se estuda muito para isso, mas com o que temos... é, é um pouco complicado. Lia E do que é feito à fibra óptica? Engenheiro A fibra óptica tem duas partes, essa camada que nos chamamos de casca, e essa que chamamos de núcleo, elas são basicamente de vidro ou plástico. Lia Então nos podemos dizer que as fibras ópticas são melhores que os condutores tradicionais? Engenheiro

Sim, nos temos “n” vantagens com a utilização desse material, por exemplo, baixa perda durante a transmissão, imunidades às interferências magnéticas, abundancia de matéria-prima, entre outras coisas.

Lia Ta ai uma boa aplicação tecnológica da física. Lia ouviu uma voz ao longe, uma voz de mulher, como se alguém estivesse chamando o nome dela, e de repente, ela só viu um luz branca muito forte. • Cena 5 Professor (a) Lia, acorde, Lia, acorda!

Lia levou um grande susto. Ela acordara no meio da aula de física. O professor (a) estava ao lado de sua carteira, com uma expressão que era um misto de reprovação e ironia. Lia sentiu-se muito constrangida. Professor (a) Escute Lia, eu não obrigo ninguém a gostar da minha matéria, mas eu exijo ser respeitada no meu local de trabalho. Lia Me desculpe professor(a), não encare isso como falta de respeito, digamos apenas que foi um pequeno deslize meu, e não vai se repetir. Professor (a) Olha, eu confesso que me impressiona a sua humildade. Você poderia me fazer um favor, apresente o que o seu grupo quer fazer como trabalho. As garotas olharam perplexas para Lia. Que parecia também estar a beira de um colapso. Lia Tudo bem. (gaguejando) Lia levantou-se, muito constrangida, então ela viu. O livro do seu sonho estava em cima de sua mesa sobre seu material. Lia Bom, eu... Pensei em fazermos um paralelo entre as primeiras descobertas da ciência sobre esse assunto, incluindo, os nomes de maior importância nesse assunto e as novas pesquisas feitas e suas aplicações, sendo que, como nos percebemos com mais facilidade, a tecnologia é uma dessas aplicações que esta mais próxima de nosso cotidiano. E, depois disso tudo, ver como a física, é uma matéria que vai muito alem do que apenas entender os fenômenos naturais e, tentar entender como isso implica no

seu comportamento com a natureza e com os outros seres humanos e, ate como é feita essa interação. Afinal de contas... A física é uma ciência humana.... Feita por homens.