You are on page 1of 11

CIÊNCIAS FÍSICO-QUÍMICAS

APONTAMENTOS

ESP – CFQ – 8ºC

-----------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

A – TRANSFORMAÇÕES FÍSICAS E TRANSFORMAÇÕES QUÍMICAS.
As substâncias podem experimentar dois tipos de transformações: 1 – TRANSFORMAÇÕES FÍSICAS: Não há aparecimento de novas substâncias, apenas se verifica a alteração de algumas propriedades físicas da substância. Por exemplo, quando colocamos uma garrafa com água, no estado líquido, no congelador do frigorífico verificamos que passado algum tempo continuamos a ter água mas no estado sólido. Para além de ter mudado de estado físico (líquido → sólido), verifica-se também que a densidade da água se modificou. Como a mesma quantidade de água no estado sólido ocupa mais espaço a sua densidade é menor. Alteração de densidade e estado físico de uma substância são exemplos de uma Transformação Física. Substâncias iniciais Transformação física Mesmas substâncias

2 – TRANSFORMAÇÕES QUÍMICAS Aqui verifica-se o aparecimento de novas substâncias e o desaparecimento de outras. Por exemplo, quando queimamos uma folha de papel verificamos que depois de arder, o papel se transformou em outras substâncias. Substâncias iniciais (Reagentes) Transformação química Novas substâncias (Produtos de reacção)

Nas transformações químicas, a que também chamamos reacções químicas, quando o reagente é só um dizemos que a reacção química se trata de uma decomposição. A ocorrência de reacções químicas pode ser identificada pelos nossos sentidos. Vamos exemplificar com a combustão de uma folha de papel. Trata-se de uma reacção química porque há o aparecimento de novas substâncias. No final da transformação, o papel desapareceu e apareceram novas substâncias… vamos ver quais e quais dos nossos sentidos nos informam de que ocorreu uma transformação química. Durante a combustão do papel verifica-se:
• • Surgimento de um som (detectado pela audição); Surgimento de uma nova cor, de branco para preto (detectado pela visão); Evidências de ocorrência de uma reacção química: - Formação de um gás. - Mudança de cor. - Aparecimento de um sólido.

M.

1

ESP – CFQ – 8ºC

• • que •

Surgimento de fumo (detectado pela visão e pelo olfacto); Surgimento de uma substância escura (papel queimado), se desfaz se lhe tocarmos (detectado pelo tacto e pela visão). Elevação da temperatura (detectada pelo tacto).

Tudo isto indica o aparecimento de novas substâncias (partículas de fumo, aumento da temperatura, luz e mudança de cor), bem como o desaparecimento do papel. Se fossemos provar o papel queimado também verificaríamos que tem um sabor diferente, mas em caso algum devemos colocar as substâncias na boca para verificarmos se houve, ou não, uma reacção química. Assim, é melhor deixarmos o paladar de fora!! B – FACTORES QUE PODEM DESENCADEAR UMA REACÇÃO QUÍMICA Para que uma reacção química ocorra tem de haver uma ou várias substâncias (reagentes), que se transformam noutras (produtos de reacção). Por vezes basta juntar os reagentes (por exemplo juntar esferovite com acetona), para que se dê uma reacção química outras vezes é preciso uma “ajudinha”. Essa “ajudinha” pode ser através da: 1 – ACÇÃO DO CALOR (TERMÓLISE) Exemplo: Termólise do bicarbonato de sódio. A termólise do bicarbonato de sódio é uma reacção química de decomposição em que o bicarbonato de sódio, sob a acção do calor, se decompõe dando origem a outras substâncias. Dizemos que é uma decomposição porque a substância inicial é só uma. A termólise do bicarbonato de sódio pode ser descrita através de uma: equação de palavras, Calor Bicarbonato de sódio (s) Dióxido de carbono (g) Carbonato de sódio (s) + Água (l) +

Esta equação de palavras que traduz a reacção química de decomposição do bicarbonato de sódio tem a seguinte: leitura da equação de palavras: O bicarbonato de sódio no estado sólido origina, sob a acção do calor, carbonato de sódio no estado sólido, água no estado líquido e dióxido de carbono no estado gasoso. Nesta reacção química temos: Reagente: bicarbonato de sódio. Produtos da reacção: carbonato de sódio, água e dióxido de carbono. 2 – ACÇÃO DA ELECTRICIDADE (ELECTRÓLISE) Exemplo: Electrólise da água. A electrólise da água é uma reacção de decomposição em que a água sob a acção da corrente eléctrica se decompõe dando origem a novas substâncias. A electrólise da água pode ser descrita através de uma: equação de palavras,

M.

2

ESP – CFQ – 8ºC

Electricid Água (s) ade

Oxigénio (g) + Hidrogénio (g)

Esta equação de palavras que traduz a reacção química de decomposição da água tem a seguinte: leitura da equação de palavras: A água no estado líquido, sob a acção de uma corrente eléctrica (electricidade), origina oxigénio no estado gasoso e hidrogénio no estado gasoso. Nesta reacção química temos: Reagente: água. Produtos da reacção: oxigénio e hidrogénio. 3 – ACÇÃO DA LUZ (FOTÓLISE) Exemplo: Fotossíntese (é um exemplo de fotólise). A fotossíntese não é uma reacção química de decomposição porque existe mais do que um reagente. Sob a acção da luz a água reage com o dióxido de carbono dando origem a novas substâncias. A fotossíntese pode ser descrita através de uma: equação de palavras, Luz Água (l) + Dióxido de carbono (g) (g) Esta equação de palavras que traduz a reacção química entre a água e o dióxido de carbono tem a seguinte: leitura da equação de palavras: Sob a acção da luz a água no estado líquido reage com o dióxido de carbono no estado gasoso originando glucose no “estado” aquoso e oxigénio no estado gasoso.
*Repara que aqui não se trata de uma decomposição. *Quando nos referimos a “estado” aquoso, queremos dizer que a substância se encontra dissolvida em água.

Glucose (aq) + Oxigénio

Nesta reacção química temos: Reagentes: água e dióxido de carbono. Produtos da reacção: glucose e oxigénio. 4 – ACÇÃO MECÂNICA Exemplo: Queimar a cabeça de um fósforo. Para acendermos um fósforo temos de friccionar a cabeça do fósforo numa superfície rugosa como a lixa que se encontra nos lados da caixa de fósforos para que ele acenda. Dizemos que friccionar o fósforo na lixa é uma acção mecânica e que é esse gesto que faz com que aconteça uma reacção química. A combustão da cabeça do fósforo pode ser descrita através de uma: equação de palavras, Clorato de potássio Fricçã (s) o Cloreto de potássio (s) + Oxigénio

(g)

M.

3

ESP – CFQ – 8ºC

Esta equação de palavras que traduz a reacção química entre o clorato de potássio e o oxigénio tem a seguinte: leitura da equação de palavras: O clorato de potássio no estado sólido por acção mecânica (fricção), origina cloreto de potássio no estado sólido e oxigénio no estado gasoso. Nesta reacção química temos: Reagentes: clorato de potássio. Produtos da reacção: cloreto de potássio e oxigénio. NESTA AULA DEMONSTRÁMOS EXPERIMENTALMENTE: 1 - Termólise do bicarbonato de sódio. Usámos o seguinte material: pinça de madeira para tubos de ensaio, tubo de ensaio e lamparina. 2 – Electrólise da água. Usámos um voltâmetro, cabos de ligação e uma fonte de alimentação (regulada para 12 Volt). 3 – Fotossíntese. Para veres a reacção da fotossíntese podes mergulhar a folha verde de uma árvore dentro de um copo cheio de água colocar o copo com a folha ao Sol. Passado algum tempo vais verificar o aparecimento de bolhas de gás na superfície da folha da árvore. Essas bolhas são de oxigénio. 4 – Combustão da cabeça de um fósforo Usámos um fósforo e a lixa da caixa de fósforos.

T.P.C.:
1 – Nos casos estudados indica quais as reacções que são decomposições. 2 – Exercícios 1 e 2 da Ficha 14 do caderno de actividades.

C – ESTUDO DE ALGUNS TIPOS ESPECIAIS DE REACÇÕES QUÍMICAS

1 – COMBUSTÕES
São reacções em que o oxigénio é um dos reagentes. Neste tipo de reacções químicas um dos reagentes é denominado o combustível e o outro é denominado o comburente. Nas reacções que vamos estudar o oxigénio é sempre o comburente, de forma que a substância que arde é o combustível. É claro que existem outras substâncias que também são comburentes como por exemplo o cloro mas o principal é o oxigénio e é com ele que vamos trabalhar. Como exemplos de combustíveis temos: carvão; gasolina; papel; gás de botija e madeira, etc. Exemplo: assim, quando temos o álcool de uma lamparina a arder, verifica-se uma reacção de combustão, em que o combustível é o álcool e o comburente é o oxigénio.

M.

4

ESP – CFQ – 8ºC

Ou seja:

Álcool a arder
Combustível → álcool Comburente → oxigénio

i) PODEMOS CLASSIFICAR AS COMBUSTÕES EM TRÊS TIPOS:
•COMBUSTÕES VIVAS

São caracterizadas por serem acompanhadas pela existência de uma chama. Libertam luz e calor. Exemplo: Gás do isqueiro a arder. •COMBUSTÕES EXPLOSIVAS São caracterizadas por serem acompanhadas por um estrondo possuindo também uma chama que não é tão duradoura como a das explosões vivas. Exemplo: Explosão da dinamite numa pedreira. •COMBUSTÕES LENTAS São caracterizadas por não haver um estrondo nem haver uma chama. São tão lentas que só percebemos que elas aconteceram com o passar do tempo. Exemplo 1: O ferro reage lentamente com o oxigénio formando o óxido de ferro a que nós chamamos, normalmente, ferrugem. Exemplo 2: A respiração das células também é um exemplo de uma combustão lenta.

Energi a Dióxido de carbono

Glucos e Oxigéni o

Célul a

Água
Fig. 1 – Respiração de uma célula.

Questão 1:
Considera a fig. 1 e responde às questões. Por que é que quando praticamos desporto, i) Ficamos mais quentes? ii) Por que é que respiramos mais depressa? iii) Por que é que ficamos a transpirar?

M.

5

ESP – CFQ – 8ºC

ii) EXEMPLOS DE COMBUSTÕES DE METAIS a) Combustão do ferro (enferrujamento), Equação de palavras: Oxigénio (g) + Ferro (s) b) Combustão do magnésio, Equação de palavras: Oxigénio (g) + Magnésio (s) magnésio (s) c) Combustão do sódio, Equação de palavras: Oxigénio (g) + Sódio (s) (s) Nestas três reacções de combustão apresentadas o oxigénio reage com um metal (ferro, magnésio e sódio são metais). O oxigénio e o metal são os reagentes e repara que o produto de reacção é sempre um óxido (no estado sólido), do respectivo metal: óxido de ferro, óxido de magnésio e óxido de sódio. Seguindo este raciocínio e sabendo que a prata é um metal temos que da reacção do oxigénio com a prata resulta o óxido de prata. Nem todos os metais reagem com a mesma velocidade com o oxigénio. Óxido de Sódio Óxido de Óxido de ferro (s)

Questão 2:
Escreve a equação de palavras da reacção entre o oxigénio e o potássio. O potássio é um metal! O oxigénio também pode reagir com outros elementos que não são metais, como por exemplo com o carbono e com o enxofre, formando também óxidos. O dióxido de enxofre e o trióxido de enxofre também são óxidos. d) Combustão do carbono, Equação de palavras: Oxigénio (g) + carbono (s) carbono (g) e) Combustão do enxofre, Equação de palavras: Oxigénio (g) + enxofre (s) Oxigénio (g) + enxofre (s) Dióxido de enxofre (g) Trióxido de Quando existe enxofre (g)
excesso de oxigénio

Dióxido de

M.

6

ESP – CFQ – 8ºC

As combustões pertencem a um tipo especial de reacções que se chamam reacções de oxidação-redução. Chamam-se reacções de oxidação-redução porque a um dos reagentes iniciais se liga o oxigénio. Ganha oxigénio. Por exemplo na reacção e) o enxofre que ao princípio não tinha oxigénio passa a ter oxigénio a si ligado quando forma o dióxido de enxofre: ganhou oxigénio logo ficou oxidado.

Questão 3:
i – Como se chama o tipo de reacção que ocorre entre um metal e o oxigénio? Indica um exemplo. ii – Como podemos impedir o processo de corrosão (oxidação), de um metal? iii – Traduz para equação de palavras a seguinte leitura de equação de palavras: O alumínio no estado sólido reage com o oxigénio no estado gasoso originando óxido de alumínio no estado sólido.

T.P.C.: 1 - Exercício 3,4,5 e 6 da Ficha 14 do caderno de actividades.

2 – REACÇÕES ÁCIDO-BASE
Aprendeste no ano passado que existem misturas homogéneas, heterogéneas e colóidais. Nas misturas homogéneas (também designadas por soluções), que são as que nos interessam, não é possível distinguir os componentes que as formam. As misturas homogéneas em que o solvente é a água têm o nome de soluções aquosas. A maior parte das substâncias do nosso dia-a-dia dissolvem-se bem em água formando soluções aquosas que podem ser: I – SOLUÇÕES ÁCIDAS Possuem substâncias dissolvidas denominadas ácidos que se caracterizam por ter um sabor ágrio. → ácido cítrico que existe nas laranjas e nos limões, por exemplo. → ácido acético que existe no vinagre, por exemplo, dando-lhe o cheiro característico. → ácido fosfórico que existe na coca-cola, por exemplo. II – SOLUÇÕES BÁSICAS OU ALCALINAS Possuem substâncias dissolvidas denominadas bases (ou alcalis), que se caracterizam por serem escorregadias ao tacto, ou sabem a sais de fruta, por exemplo.

M.

7

ESP – CFQ – 8ºC

→ hipoclorito de sódio que existe na lixívia, por exemplo, dando-lhe o cheiro característico. → bicarbonato de sódio que existe no fermento em pó, por exemplo. → amoníaco que existe no detergente limpa vidros, por exemplo. III – SOLUÇÕES NEUTRAS Possuem substâncias dissolvidas denominadas neutras que não são ácidos nem bases. → açúcar que existe na água açucarada, por exemplo. → sal de cozinha que existe na água salgada, por exemplo.
Não esquecer que uma solução aquosa é uma mistura homogénea em que o solvente é a água. Água com açúcar é uma solução homogénea em que o solvente é a água e o soluto é o açúcar, por exemplo.

IV – INDICADORES ÁCIDO-BASE Existem substâncias que quando são adicionadas às soluções aquosas fazem com que estas, nalguns casos, mudem de cor. Estas substâncias têm o nome de indicadores ácido-base. Alguns exemplos destas substâncias encontram-se descritos de seguida e dizemos que elas têm a capacidade de indicar o carácter ácido ou básico de uma solução aquosa.
INDICADOR AZUL DE TORNESOL OU TINTURA AZUL DE TORNASSOL

Carácter da solução aquosa
Ácido Neutro Básico

Cor adquirida pela solução aquosa por adição do indicador
vermelho azul arroxeado arroxeado

INDICADOR FENOLFTALEÍNA OU SOLUÇÃO ÁLCOOLICA DE FENOLFTALEÍNA

Carácter da solução aquosa
Básico Neutro Ácido

Cor adquirida pela solução aquosa por adição do indicador
Carmim Incolor Incolor

INDICADOR UNIVERSAL

Trata-se, normalmente de uma fita de papel cor-de-laranja em que substâncias indicadoras ácido-base se encontram misturadas na fita de papel do indicador

M.

8

ESP – CFQ – 8ºC

universal. Quando se molha a fita de papel do indicador universal as substâncias indicadoras de pH que se encontram no papel fazem com que este adquira uma cor diferente, conforme a solução seja mais ácida ou menos ácida, mais básica ou menos básica. Conforme a solução aquosa for menos ou mais ácida (ou básica), assim a cor da fita fica mais ou menos intensa. Este indicador dá mais informação do que os dois anteriores porque para além de informar se a solução aquosa é básica, ácida ou neutra dá uma indicação acerca do grau de acidez ou basicidade da solução.

Fig. 2 – Caixa do papel indicador universal com fita cor-de-laranja um pouco desenrolada.

O grau de acidez de uma solução é indicado através de uma escala própria denominada escala de pH. A escala de pH atribui valores às soluções um valor entre 0 e 14, isto à temperatura, de 25 ºC.

Fig. 3 – Escala de pH com as cores indicando o valor do pH.

Exemplo: No caso da fig.4, pretendia-se saber o valor do pH de uma solução aquosa de hidróxido de sódio. Mergulhamos uma vareta de vidro na solução aquosa de hidróxido de sódio e encostámo-la a um bocadinho da fita cor-de-laranja (de papel indicador universal), ilustrada na fig.2. Por comparação com a cor que está ilustrada na tampa da caixa verificamos que esta solução aquosa tem um pH=14. A solução é fortemente básica (ou fortemente alcalina).

Fig.4 – Determinação do valor do pH por comparação de cores. Neste caso o pH=14.

M.

9

ESP – CFQ – 8ºC

Na escala indicada na figura 4, a cor correspondente ao valor 7 (cor-de-laranja), indica que estamos na presença de uma solução aquosa com carácter neutro. Quanto mais baixo for o valor de pH de uma solução aquosa mais ácida é a solução. Também, uma solução com pH=12 é mais básica do que uma solução com pH=9, por exemplo.

T.P.C.:
1 – JÁ SEI – pág.92 do livro de texto. 2 – JÁ SEI – pág.97 do livro de texto. V – REACÇÕES ÁCIDO-BASE Quando misturamos substâncias com carácter ácido a substâncias com carácter básico (ou alcalinas), ocorre uma reacção química: são as chamadas de reacções ácido-base porque um dos reagentes tem carácter ácido e o outro tem carácter básico. As reacções ácido-base também podem ser chamadas de reacções de neutralização. VI – EXEMPLOS EXPERIMENTAIS Exemplo experimental 1: Se tivermos uma solução ácida num gobelé A e lhe adicionarmos um pouco e uma solução básica verificamos que o pH da solução ácida aumenta. É o que ilustra o seguinte exemplo. i) Gobelé A – solução aquosa de ácido clorídrico, pH=1 (carácter ácido) ii) Gobelé B – solução aquosa de hidróxido de sódio, pH=12 (carácter básico) iii) Adicão uma pequena quantidade da solução do gobelé B à solução contida no gobelé A, pH=1 → pH=3 iv) Adição de mais um pouco da solução do gobelé B à solução do gobelé A pH=3 → pH=5 v) Se repetirmos o procedimento verifica-se que os valores de pH observados são: pH=1 → pH=3 → pH=5 → pH=7 → pH=9 → pH= 11 Conclusão: a sucessiva adição da solução de hidróxido de sódio à solução de ácido clorídrico fez com que a solução do gobelé A fosse ficando cada vez menos ácida porque o hidróxido de sódio foi anulando (neutralizando), o efeito ácido do clorídrico. Quando a solução do gobelé A ficou com pH=7 a solução ficou neutra e dizemos que a solução aquosa de hidróxido de sódio neutralizou o ácido clorídrico. É por isso que se chama reacção de neutralização.

M.

1 0

ESP – CFQ – 8ºC

A partir desse valor o pH da solução do gobelé A passou a apresentar valores de pH maiores do que 7, ou seja com carácter básico (pH>7), porque agora o hidróxido de sódio que é básico neutralizou todo o ácido de tal forma que a certo ponto só já existe hidróxido de sódio. A reacção entre um ácido e uma base tem como produtos de reacção um sal e água. ÁCID OO

+

BAS E

SA L

+

ÁGU A

Exemplo experimental 2: Numa titulação temos uma solução de uma base dentro de um erlenmeyer, e uma solução de ácido dentro de uma bureta. Ao abrirmos a torneira da bureta adicionamos pequenas quantidades de ácido para o erlenmeyer e podemos verificar o aumento do pH da solução contida na bureta utilizando um aparelho medidor de pH. Bureta

Suporte Universal

Erlenmeye r

Fig.5 – Esquema da montagem de uma titulação.

M.

1 1