A Evoluçã o do

Desporto




Docente: Ana Silva
Ano Letivo: 2013/2014
Trabalho realizado por:
Ana Maciel nº3 / 11ºB
Flávio Branco nº11 / 11ºB
O Homem desde os primórdios da sua existência, sente a necessidade de se
movimentar e trabalhar para sobreviver. Este exercício realizado de forma involuntária
e necessária permitiu ao Homem ancestral desenvolver as suas capacidades físicas sem
que isso toma-se consciência direta. À medida que a civilização humana foi evoluindo,
as tarefas dos ancestrais como caçar, nadar, pescar, lutar evoluíram também até
perderem o papel principal de subsistência (actividade física) ganhando um carácter
lúdico (desporto), o que lhe permitiu cada vez mais “controlar” a Natureza,
demonstrar capacidades, entreter um público, entre outras coisas.
Desde a época dos primatas que o Homem exerce atividade física, contudo os
exercícios evoluíram com o passar dos tempos. As primeiras actividades físicas
praticadas pelo ser humano eram fugas de animais predadores e lutas por áreas. Essas
atividades deram um começo ao que chamamos de “Desporto”.
Acredita-se que os gregos e os persas foram os pioneiros na prática desportiva.
Os indícios apontam a antiga Grécia como o berço do desporto. Na Grécia antiga,
viveu-se uma época dourada, em que o desporto era considerado uma forma de culto
de beleza corporal. Os jogos, nessa civilização, tinham como objectivo homenagear os
deuses, prestando culto à beleza e à força física dos homens. Assim, a aristocracia
grega dedicava a maior parte do dia à prática desportiva. Os Jogos Olímpicos são vistos
como o ponto mais alto da cultura grega. Nessa época, o deporto era parte integrante
da sociedade, cuja importância se pode comprovar pelo facto de aparecer no legado
histórico e artístico, deixando marcas culturais que ainda hoje vigoram.
Mas o desporto não foi encarado da mesma forma em todas as épocas e em
todas civilizações. Assim, ao longo dos tempos, o desporto revestiu-se de diferentes
formas de expressão e com fins muito distintos, tal como ocorreu no Império Romano,
onde foi utilizado como forma de preparação para a guerra, preparação física e
mental. Aí, a preparação do soldado consistia no treino e manejo das armas e da
marcha.
Os tempos modificaram, mas desde aquela era o ser humano vem se
interessando cada vez mais em ter uma boa qualidade de vida através da exercitação.
A luta corpo a corpo surgiu entre os egípcios por volta de 2.700 a.C. As
Cruzadas, organizadas pela Igreja durante os séculos XI, XII e XIII, exigiam um preparo
militar que era constituído por exercícios corporais, ou seja, exercício físico. Entre as
práticas, constavam alguns exercícios úteis para as guerras, tais como a luta, o manejo
do arco e flecha, a escalada, corrida e saltos. Gravuras egípcias de como lutar corpo a
corpo
A primeira competição desportiva a que se tem conhecimento foi uma corrida
ocorrida no ano de 776 a.C., na Grécia. O futebol e ténis, desportos bastante
difundidos nos dias de hoje, tiveram sua origem na Idade Média. Uma das primeiras
artes marciais foi o Kung Fu, há mais ou menos 5 mil anos, na China.
A nutrição faz parte da vida dos atletas desde a Antiguidade, só recentemente é que se
conheceu a importância desta para a melhoria do desempenho do atleta (Probat, Bird
& Parker, 1993). O primeiro estudo a este respeito, em 1924/1925 e foi feito com
atletas corredores, esta investigação demonstrou a importância da ingestão de
hidratos de carbono durante exercícios prolongados.
No Brasil, a nutrição evoluiu muito nos últimos 40 anos juntamente com a
nutrição desportiva. Um dos primeiros trabalhos voltados para a nutrição no desporto
foi feito pelo Dr. Sérgio Miguel Zucas, na década de 60 e 70. Nos anos 80 foi criado o
“Projecto Futuro”, que contou com o trabalho de uma das nutricionistas pioneiras na
área do desporto, Dra. Tânia Rodrigues. Nos anos 90 a nutrição desportiva foi
divulgada entre os nutricionistas e actualmente esse campo de actuação profissional
tem aumentando consideravelmente.
A maioria dos atletas profissionais contam com acompanhamento nutricional e
os clubes e equipas desportivas têm requerido cada vez mais a orientação nutricional
para a conquista de um melhor desempenho nos treinos e nas competições.
Na actualidade, o Desporto possui cada vez mais um papel importantíssimo na nossa
sociedade, focando-se na sua vertente saudável, como promotor de saúde (física e
mental), de anti-stress, de melhoramento das relações sócio afectivas e económicas,
“choque” de civilizações e promoção da paz.