Reino Monera

Representantes
Bactérias
Cianobactérias
Arqueobactérias
Características
O Reino Monera representa os únicos seres procariontes, ou seja, o material genético não é
delimitado por uma membrana (carioteca).
Unicelulares
Ana/Aeróbicos – as bactérias que produzem o mau cheiro na boca são anaeróbicas.
Auto/Heterótrofos.
Célula
Possuem parede celular revestindo a membrana plasmática e uma cápsula que oferece
resistência às bactérias.
Em relação à locomoção, possuem flagelos e os cílios. Os cílios, além da locomoção, servem
para formar uma ponte citoplasmática chama de pile – usada para trocar material genético.
Nucleoide – região do citoplasma onde está disperso o material genético. As bactérias
possuem apenas um DNA, que formará um cromossomo circular.
Plasmídeo (DNA) – Moléculas circulares adicionais de DNA. Pedaço do DNA bacteriano que
serve para trocar com outras bactérias, responsável pela resistência aos antibióticos.
Ribossomos para síntese proteica.
Mesossomos – invaginações da membrana plasmática para respiração celular.
Antibiótico
A penicilina e alguns outros antibióticos impedem que certas bactérias produzam substâncias
componentes de sua parece celular. Ataca a parede celular, enfraquecendo-a. Impede o
processo de síntese proteica.

Quanto à nutrição
Bactérias heterotróficas: precisam se alimentar para obtenção de matéria orgânica.
Existem bactérias que são facultativas, ou seja, utilizam ou não o oxigênio na produção de ATP.
Três formas de obtenção de alimentos:
Saprofíticas: obtém o alimento de matéria orgânica em decomposição.
Parasitismo: prejudicando o individuo de onde retira o alimento.
Simbiose ou mutualismo: obtém o alimento sem prejudicar o hospedeiro.

Bactérias autotróficas: fabricam a própria glicose. Assim, fazem dois fenômenos químicos:
Fotossíntese nas bactérias: ausência de cloroplastos.
2H²S (gás sulfídrico) + CO² + Luz ------ bacterioclorofila ------- (CH²) + 2S + H²O
Não há formação de oxigênio, exceto nas cianobactérias. Doador de hidrogênios e fonte de
redução do gás carbônico: gás sulfídrico.
Quimiossíntese: bactérias e Arqueobactérias. Formação de energia, composto orgânico, na
ausência de luz.
Ao invés de utilizar da energia solar, utiliza a energia de algum composto inorgânico, como por
exemplo, o nitrito.
Composto inorgânico + O²  Composto inorgânico oxidado (nitrato) + energia química.
A segunda etapa é parecida com a fase escura da fotossíntese:
CO² + H²O + Energia química  Composto orgânico + O²

Reprodução
Tanto sexuadamente quando assexuadamente. Na reprodução assexuada não há variabilidade
genética, pois não há troca de material genético. Nessa reprodução, os filhos são idênticos aos
pais.
Assexuada:
1-Cissiparidade, Bipartição ou Divisão Binária: o individuo do reino monera duplica seu
material genético e após isso se divide em duas células idênticas.
2-Esporulação: algumas bactérias fazem esporulação. Quando o ambiente está ruim para a
bactéria, ela desidrata e se transforma em um esporo. Ao encontrar um ambiente propicio, ela
se reidrata e volta a fazer cissiparidade.

Sexuada:
1-Conjugação: troca de material genético entre as bactérias. A bactéria separa um pedaço de
seu DNA – plasmídeo – que serve para ser passado para outras bactérias, aumentando a
variabilidade genética. A bactéria que tem o plasmídeo é chamada de célula doadora, a que
não tem receptora.
As duas vão se parear através de uma ponte citoplasmática, por onde ocorre a transferência
do plasmídeo – que contém fragmento do DNA bacteriano. Com isso há produção de novas
proteínas, tornando-a mais resistente.
2-Transformação: Ocorre a lise celular e a fragmentação do DNA. Assim, esses fragmentos
ligam-se a outra célula bacteriana, incorporando-os ao seu DNA. Ocorreu uma transformação,
pois teve a incorporação de novos genes ao DNA da célula hospedeira.
3-Transdução: Utiliza-se dos vírus para gerar variabilidade genética. O DNA de um fago penetra
na célula de uma bactéria, incorporando-se ao DNA bacteriano. O DNA do fago integra-se ao
DNA da bactéria como um profago. Neste processo, a bactéria se torna escrava do vírus, início
do ciclo lítico: produção de novos vírus. Esses novos vírus irão conter tanto o material genético
da bactéria quanto do fago. Troca de material genético entre bactéria utilizando-se dos vírus.

Cianobactérias: algas do reino monera. Podem ter vários pigmentos, principalmente a clorofila
A. Realizam fotossíntese, mas não possuem cloroplastos. Se reproduzem por cissiparidade e
fragmentação de filamentos (homogônios).
Arqueobactérias: bactérias primitivas que vivem em locais inóspitos: grande concentração de
metano, lugares ácidos e de alta concentração salina. Deram origem aos seres eucariontes.
Doenças
Antraz, lepra, gonorreia, tifo,