Modelos atômicos

Modelos atômicos, conjuntos de hipóteses sobre a estrutura e o comportamento do átomo.
A teoria atômica moderna começa com John Dalton ao observar, em 18!, "ue os
elementos "u#micos li$am%se em proporç&es bem de'inidas e deste 'ato concluir "ue o
elemento "u#mico ( uma part#cula maciça indivis#vel e eletricamente neutra. )m 1*!,
Joseph John +homson su$eriu um modelo, o ,pudim de amei-as de +homson,, em "ue o
átomo era concebido como uma es'era de car$a positiva .o pudim/ dentro da "ual
encontravam%se pe"uenos n0cleos de car$a ne$ativa .as ameixas/. A car$a el(trica total do
,pudim, era nula. )ste modelo n1o resistiu 2s e-peri3ncias. )m 1*11, )rnest 4uther'ord
reali5ou um e-perimento "ue o levou a su$erir "ue o átomo de um elemento ( constitu#do
por car$as ne$ativas, os el(trons, "ue orbitam em torno de um n0cleo positivamente
carre$ado, um modelo similar ao 6istema 6olar. )sse modelo, aper'eiçoado por 7iels 8ohr,
( conhecido como modelo de 4uther'ord%8ohr. 9osteriormente, o modelo de 4uther'ord%
8ohr 'oi substitu#do pela moderna teoria "u:ntica do átomo, em "ue o el(tron li$ado ao
n0cleo positivo ( descrito por uma ,nuvem, de probabilidade, o orbital.
Rutherford of Nelson, Lord Ernest .18;1%1*!;/, '#sico brit:nico. 4ecebeu o 9r3mio
7obel de <#sica em 1*8, por seu trabalho em '#sica nuclear e por sua teoria da estrutura
atômica, "ue descreve o átomo como um n0cleo denso rodeado de el(trons.
Bohr, Niels .188=%1*>?/, '#sico dinamar"u3s "ue 'e5 contribuiç&es 'undamentais para a
'#sica nuclear e para a compreens1o da estrutura do átomo.
A teoria atômica de 8ohr, pela "ual recebeu o 9r3mio 7obel de <#sica em 1*??, 'oi
publicada em diversos arti$os entre 1*1! e 1*1=. 6eu trabalho partiu do modelo atômico de
4uther'ord, se$undo o "ual o átomo ( 'ormado por um n0cleo compacto cercado por uma
nuvem de el(trons mais leves. @ modelo de 8ohr 'e5 uso da teoria "u:ntica e da constante
de 9lancA, para estabelecer "ue um átomo emite radiaç1o eletroma$n(tica apenas "uando
um el(tron salta de um n#vel "u:ntico para outro. )sse modelo 'oi 'undamental para os
desenvolvimentos 'uturos da '#sica atômica teórica.

Átomos estão sempre unidos de maneira uniforme entre si?
@s a$rupamentos atômicos "ue 'ormam tudo "uanto nos rodeia podem ter propriedades
muito di'erentes. 6ubst:ncias como o dió-ido de carbono s1o $ases em temperatura
ambiente. @utras precisam de temperaturas de milhares de $raus para alcançar esse estado,
como ( o caso do dió-ido de sil#cio, embora ambas possuam praticamente a mesma
'órmula. )ste comportamento distinto, em compostos t1o similares, só pode ser e-plicado
pela e-ist3ncia de uma uni1o di'erente entre as part#culas das duas subst:ncias.
1. Estruturas de Lewis
@s "u#micos Balther Cossel .1888%1*=>/ e D.7. EeFis .18;=%1*G>/ 'oram os primeiros a
desenvolver um modelo eletrônico para as 'orças, chamadas li$aç&es, "ue mant3m os
átomos unidos. @ primeiro concentrou%se nas subst:ncias iônicas e o se$undo, nas
moleculares.
1a. Rera do octeto
Já os elementos, se$undo EeFis, tendem a ad"uirir el(trons at( possuir oito no n#vel mais
e-terno. )ste n0mero coincide com os el(trons e-ternos dos $ases nobres .estáveis e
bastante inertes/, com e-ceç1o do h(lio. Di'erentes 'ormas de ad"uirir el(trons ori$inam as
diversas classes de li$aç1o.
!. Lia"ão iônica
H a"uela em "ue ocorre trans'er3ncia de el(trons de um átomo para outro. 7este caso, há
sempre um elemento "ue tende a ceder .metal/ e outro "ue pode receber .n1o%metal e
hidro$3nio/. Iomo, ao perder el(trons, um átomo 'ica com car$a positiva, e o outro átomo,
o "ue recebe, 'ica com car$a ne$ativa, di5%se "ue a li$aç1o iônica dá ori$em a cátions .J/ e
:nions .K/ ou $enericamente a #ons.
!a. # modelo iônico
6e$undo este modelo, o elemento eletropositivo perde seus el(trons de val3ncia em 'avor
do elemento eletrone$ativo, como acontece com o cloreto de sódio.
!$. %ropriedades dos compostos iônicos
Devido 2 'orte atraç1o entre os #ons positivos e ne$ativos, os compostos iônicos s1o sólidos
cristalinos duros, mas 'riáveis. 9ossuem uma elevada temperatura de 'us1o e em estado
sólido n1o condu5em corrente el(trica. 9odem ser sol0veis em á$ua ou n1o. Iompostos
iônicos com ener$ia reticular .ener$ia do cristal/ muito alta n1o se dissolvem em soluç1o
a"uosa. Iom bai-a ener$ia se dissolvem mais 'acilmente, condu5indo corrente el(trica.
+amb(m a condu5em em estado l#"uido, ou seja, 'undidos, por tirar mobilidade das car$as.
&. Lia"ão co'alente
Luando dois átomos mais eletrone$ativos s1o i$uais ou "uando se encontram unidos
'ormando um composto ou um elemento, o modelo de li$aç1o iônica n1o ( aplicável. Msso
por"ue os dois átomos tendem a receber el(trons e s1o praticamente incapa5es de ced3%los.
&a. # modelo co'alente
7ele, os átomos ad"uirem os oito el(trons em seu n#vel e-terno por compartilhamento,
como indica a re$ra do octeto. @ cloro, por e-emplo, possui sete el(trons no n#vel e-terno e
atrai 'ortemente os el(trons situados nas pro-imidades. @ hidro$3nio possui um 0nico
el(tron e a 'orça com "ue atrai os el(trons ( moderada, mas su'iciente para "ue o cloro n1o
possa lhe tirar seu el(tron. A re$ra do octeto n1o ( válida para todos os elementos da tabela
periódica, mas se aplica bem aos seus elementos representativos. Da# sua utili5aç1o at(
hoje.
%ropriedades co'alentes N+odos os $ases e os l#"uidos s1o covalentes em temperatura
ambiente. +amb(m e-istem sólidos covalentes, mas suas propriedades s1o muito
irre$ulares. 7os sólidos dur#ssimos, como o diamante, as li$aç&es covalentes s1o em
cadeia. 7os sólidos de bai-o ponto de 'us1o, como o aç0car, a uni1o ( entre mol(culas
devido 2 sua polaridade. @s compostos covalentes polares s1o sol0veis em á$ua e os
apolares n1o. 71o condu5em a corrente el(trica em estado sólido, nem "uando dissolvidos
.há e-ceç&es, como os ácidos/ ou 'undidos.
(. Lia"ão met)lica
Ionsidera%se "ue um metal ( 'ormado por cristais entrecru5ados 'ormados por #ons
positivos. @s el(trons ,banham, esses #ons movendo%se livremente por todos os cristais,
como um $ás num recipiente 'echado. )sses el(trons s1o os chamados el(trons de val3ncia,
pouco unidos ao n0cleo nos elementos eletropositivos.)-plica tamb(m a condutividade
el(trica e t(rmica. A eletricidade e o calor s1o transmitidos pelos el(trons livres.
Estrutura atômica
*ara el+trica
Nature,a -alor relati'o Massa relati'a
%r.ton 9ositiva J1 1
N/utron 71o e-iste 1
El+tron 7e$ativa %1 1O18!>

*amadas eletrônicas
@s el(trons est1o distribu#dos em camadas ou n#veis de ener$iaN

N0cleo
*amada
1 L M N # % 2
1 ! & 3 4 ( 5
N6'el


70mero má-imo de el(trons nas camadas ou n#veis de ener$iaN

1 L M N # % 2
! 7 17 &! &! 17 !

8u$n6'eis de eneria
As camadas ou n#veis de ener$ia s1o 'ormados de subcamadas ou subn#veis de ener$ia,
desi$nados pelas letras s, p, d, f.

8u$n6'el s p d '
N0mero m)9imo de el+trons ? > 1 1G


6ubn#veis conhecidos em cada n#vel de ener$iaN

8u$n6'el 1s ?s ?p !s !p !d Gs Gp Gd G' =s =p =d =' >s >p >d ;s
N6'el
1 ? ! G = > ;
C E M 7 @ 9 L

6ubn#veis em ordem crescente de ener$iaN

1s !s !p &s &p 3s &d 3p 4s 3d 4p (s 3f 4d (p 5s 4f (d

# :ue são e para :ue ser'em os n0meros :u;nticos?
@s n0meros "u:nticos . "uanti5aç1o de ener$ia / indicam a ener$ia do el(tron no átomo e a
re$i1o de má-ima probabilidade de se encontrar o el(tron.
6ervem para desi$nar os el(trons e seu envolvimento com li$aç&es "u#micas e a ener$ia do
el(tron, s1o importantes na determinaç1o dos :n$ulos das li$aç&es "u#micas entre os
átomos e esta in'ormaç1o ( 0til para a determinaç1o das 'ormas $eom(tricas das mol(culas.
@ n0mero :u;ntico principal <n= indica o n#vel de ener$ia. Paria de n Q 1 a n Q ∞,
respectivamente, no 1R, ?R, !R, ... n#vel de ener$ia. @ n0mero má-imo de el(trons em cada
n#vel ( dado por !n
!
. )ntre os átomos conhecidos, no estado 'undamental, o n0mero
má-imo de el(trons num mesmo n#vel ( !?. @ n0mero :u;ntico secund)rio ou a,imutal
<l= indica a ener$ia do el(tron no subn#vel. 7os átomos conhecidos, no estado 'undamental,
há "uatro subn#veis, representados por s, p, d, ', em ordem crescente de ener$ia.

8u$n6'el 6 9 d '
N0mero :u;ntico a,imutal Q  Q 1  Q ?  Q ! 

#r$itais
@s subn#veis s1o 'ormados de orbitais. @rbital ( a re$i1o da eletros'era onde há maior
probabilidade de estar locali5ado o el(tron do átomo. @ n0mero má-imo de el(trons em
cada orbital ( ?. A cada orbital 'oi atribu#do um n0mero "u:ntico ma$n(tico .m/ cujo valor
varia de %l a Jl, passando por 5ero.

su$n6'el s um só orbital s ./
su$n6'el p tr3s orbitais p .%1/ ./ .J1/
su$n6'el d cinco orbitais d .%?/ .%1/ ./ .J1/ .J?/
su$n6'el f sete orbitais ' .%!/ .%?/ .%1/ ./ .J1/ .J?/ .J!/

@ orbital s tem 'orma es'(rica. @s orbitais p t3m 'orma de duplo ovóide e s1o
perpendiculares entre si .est1o diri$idos se$undo tr3s ei-os orto$onais -, S e 5.
8pin
8pin + o mo'imento de rota"ão do el+tron em torno de seu ei9o. 9ode ser paralelo ou
antiparalelo. A cada um deles 'oi atribu#do um n0mero "u:nticoN J 1O? e %1O?.
)l(tron de maior ener$ia ou el(tron de di'erenciaç1o ( o 0ltimo el(tron distribu#do no
preenchimento da eletros'era, de acordo com as re$ras estudadas.
Bi$liorafia>
Jonh 8. 4ussel, Lu#mica Deral volume 1, ?Rediç1o editora MaAron, p$s ?8G, ?8=.
FFF.vestibular1.com.br