1

A CONTRIBUIÇÃO DO
PSICOPEDAGOGO NO
CONTEXTO ESCOLAR
Matheus Soares
1
Cléro Ce!ar Batsta Se"a
#
Resu$o
Cada vez mais se faz necessário inserir o psicopedagogo na instituição escolar, já que
seu papel é analisar e assinalar os fatores que favorecem, intervém ou prejudicam uma boa
aprendizagem em uma instituição. O papel da Psicopedagogia e da ducação é o de instituir
camin!os entre os opostos que liguem o saber e o não saber e estas aç"es devem acontecer
no #mbito do indiv$duo, do grupo, da instituição e da comunidade, visando a
aprendizagem e, portanto, é também tarefa da Psicopedagogia.
Pala%ras&'ha%e( a)re"*!a+e$, "sttu-.o es'olar, )s'o)e*a+o+o/
1/ INTRODUÇÃO
O presente estudo está centrado na contribuição do psicopedagogo no contexto
escolar, isto é, por meio de uma atuação diferenciada e pautada na formação do cidadão de
uma forma global. Neste processo de busca e reflexão faz-se necessário uma importante
indagação: ual é o real papel do psicopedagogo no contexto escolar!
"essa forma, refletir criticamente sobre a rele#$ncia do psicopedagogo dentro de uma
instituição nos desperta para a necessidade de se buscar uma educação de %ualidade e
consciente de %ue as crianças aprendem de formas distintas e %ue se faz necessário um
1
&specialista em 'sicopedagogia e &ducação &special (nclusi#a: &-mail: mat )eu so ar es11 *)o t mail. co m +
,estre em &ducação: 'sicologia da &ducação. &-mail: ceza r. s e n a * ) o t m ail . c o m
+
trabal)o diferenciado em cada unidade escolar com os alunos %ue apresentam sérias
dificuldades de aprendizagem ao decorrer da &ducação -ásica.
. importante também recon)ecer as mudanças %ue t/m ocorrido nas di#ersas fases de
desen#ol#imento da criança, pois a inf$ncia e a adolesc/ncia 0á re%uerem no#os ol)ares por
parte dos educadores, psicopedagogos, psic1logos e pediatras. "iante da realidade 0á citada é
primordial de %ue )a0a uma reflexão a respeito do processo da %ualidade da educação e a
contribuição de outros profissionais neste processo.
Nesse sentido, é extremamente rele#ante um trabal)o de estudo e análise %ue reflita
sobre a função e a contribuição de um psicopedagogo no contexto escolar, ou se0a, diante do
desafio de se lidar com as dificuldades de aprendizagem.
. importante ressaltar a psicopedagogia como complemento, %ue é a ci/ncia no#a %ue
estuda o processo de aprendizagem e dificuldades, muito tem contribu2do para explicar a
causa das dificuldades de aprendizagem, pois tem como ob0eti#o central de estudo o processo
)umano do con)ecimento: seus padr3es e#oluti#os normais e patologias bem como a
influ/ncia 4fam2lia, escola, sociedade5 no seu desen#ol#imento 467O8, 199+5.
'ortanto, diante das sérias dificuldades de aprendizagem dos educandos é muito
importante a atuação psicopedag1gica nas escolas.
:o0e no -rasil s1 poderão exercer a profissão de psicopedagogo os portadores de
certificado de conclusão em curso de especialização em psicopedagogia em n2#el de p1s-
graduação, expedido por instituiç3es de#idamente autorizadas ou credenciadas nos termos da
lei #igente - ;esolução 1+<=>, de ?@<1?<=> - %ue forma os especialistas, no caso, os então
c)amados Aespecialistas em psicopedagogiaA ou BpsicopedagogosC.
Dtualmente, a profissão de 'sicopedagogo, tendo em #ista o trabal)o de outras gest3es
da D-'p 4Dssociação -rasileira de 'sicopedagogia 5 e dessa Eltima, tem amparo legal no
71digo -rasileiro de Ocupação, ou se0a, 0á existe a ocupação de 'sicopedagogo, toda#ia, isso
não é suficiente. D profissão ainda precisa ser regulamentada, isto é, trata-se de mais um
desafio a ser enfrentado.
#/ O PAPEL DO PSICOPEDAGOGO NA SOCIEDADE
O psicopedagogo pode atuar em di#ersas áreas, de forma pre#enti#a e terap/utica, para
compreender os processos de desen#ol#imento e das aprendizagens )umanas, recorrendo a
#árias estratégias ob0eti#ando se ocupar dos problemas %ue podem surgir.
O psicopedagogo pode desempen)ar uma prática docente, en#ol#endo a preparação de
profissionais da educação, ou atuar dentro da pr1pria escola. 7abe também ao profissional
detectar poss2#eis perturbaç3es no processo de aprendizagemF participar da din$mica das
relaç3es da comunidade educati#a a fim de fa#orecer o processo de integração e trocaF
>
promo#er orientaç3es metodol1gicas de acordo com as caracter2sticas dos indi#2duos e
gruposF realizar processo de orientação educacional, #ocacional e ocupacional, tanto na forma
indi#idual %uanto em grupo.
"e acordo com Gonçal#es 4+??+, p.H+5 Bas relaç3es com o con)ecimento, a
#inculação com a aprendizagem, as significaç3es contidas no ato de aprender, são estudados
pela 'sicopedagogia a fim de %ue possa contribuir para a análise e reformulação de práticas
educati#as e para a ressignificação de atitudes sub0eti#asC.
O estudo psicopedag1gico atinge seus ob0eti#os %uando, ampliando a compreensão
sobre as caracter2sticas e necessidades de aprendizagem de determinado aluno, abre espaço
para %ue a escola #iabilize recursos para atender Is necessidades de aprendizagem. 'ara isso,
de#e analisar o 'ro0eto 'ol2tico-'edag1gico, sobretudo %uais as suas propostas de ensino e o
%ue é #alorizado como aprendizagem. Jale ressaltar de %ue o fazer psicopedag1gico se
transforma podendo se tornar uma ferramenta poderosa no aux2lio de aprendizagem.
7abe ao psicopedagogo perceber e#entuais perturbaç3es no processo aprendizagem,
participar da din$mica da comunidade educati#a, fa#orecendo a integração,
promo#endo orientaç3es metodol1gicas de acordo com as caracter2sticas e
particularidades dos indi#2duos do grupo, realizando processos de orientação. Ká %ue
no caráter assistencial, o psicopedagogo participa de e%uipes responsá#eis pela
elaboração de planos e pro0etos no contexto te1rico<prático das pol2ticas educacionais,
fazendo com %ue os professores, diretores e coordenadores possam repensar o papel
da escola frente a sua doc/ncia e Is necessidades indi#iduais de aprendizagem da
criança ou, da pr1pria ensinagem. 4-O66D, 199H, p +>5.
D 'sicopedagogia 0á #em atuando com muito sucesso nas di#ersas (nstituiç3es, se0am
escolas, )ospitais e empresas. D aprendizagem de#e ser ol)ada como a ati#idade de
indi#2duos ou grupos )umanos, %ue mediante a incorporação de informaç3es e o
desen#ol#imento de experi/ncias, promo#em modificaç3es está#eis na personalidade e na
din$mica grupal as %uais re#ertem no mane0o instrumental da realidade.
+.1 O D'O(O "D LD,MN(D NO ';O7&66O "& "&6&NJONJ(,&NOO "D 7;(DNPD
D fam2lia desempen)a um papel primordial no processo de aprendizagem dos alunos,
pois muitas #ezes os pais não %uerem enxergar a criança com as suas dificuldades. O #2nculo
afeti#o é primordial para o bom desen#ol#imento da criança. D atuação psicopedag1gica se
prop3e a incluir os pais no processo de desen#ol#imento dos seus fil)os, por intermédio de
reuni3es e possibilitando o acompan)amento do trabal)o realizado 0unto aos professores.
Os pais %uando colocam os seus fil)os na escola dese0am %ue elas se0am bem
sucedidas e por isso %uando este dese0o não se realiza como esperado, surge a frustração,
H
rotulando muitas #ezes a criança como incapaz, surgindo conse%uentemente as dificuldades
na aprendizagem.
"e acordo com 'olitQ 4+???5, uma criança pode desistir da escola por%ue aceita uma
responsabilidade emocional, encarregando-se do cuidado de algum membro da fam2lia. (sso
se produz, em resposta I depressão da mãe e da falta de disponibilidade emocional do pai %ue,
de maneira inconsciente, ratifica a necessidade %ue tem a esposa, %ue seu fil)o a cuide.
Ds crianças %ue apresentam dificuldades na escola, na compreensão de no#as
)abilidades, estão correndo o risco de terem problemas nas diferentes áreas escolares e na
#ida em geral, no seu desen#ol#imento cogniti#o, social e afeti#o, como um todo. Oais
dificuldades são de grande import$ncia, pois os problemas entre o potencial da criança e a sua
execução, de#em ser a#aliados com cuidado por um profissional especializado em
dificuldades de aprendizagem. 6e ao papel da fam2lia acrescentássemos o papel da escola
ter2amos a formação de uma rede, pois ambas são responsá#eis tanto pela aprendizagem como
pela não-aprendizagem do su0eito.
7ada ser )umano apresenta uma )ist1ria diferente, uma necessidade diferente, uma
expectati#a diferente %uando se relaciona com o outro, inclusi#e com o professor. 'or sua #ez,
o professor em sala de aula não #/ o aluno com o mesmo ol)ar de outro professor.
Nesta perspecti#a ao psicopedagogo cabe saber como se constitui o su0eito, como este
se transforma em suas di#ersas etapas de #ida, %uais os recursos de con)ecimento de %ue ele
disp3e e a forma pela %ual produz con)ecimento e aprende. . preciso, também, %ue o
psicopedagogo saiba o %ue é ensinar e o %ue é aprenderF como interferem os sistemas e
métodos educati#osF os problemas estruturais %ue inter#/m no surgimento dos transtornos de
aprendizagem e no processo escolar.
0/ O EDUCADOR E O EDUCANDO( A PR1TICA DOCENTE SOBRE O
OL2AR PSICOPEDAG3GICO
7ada criança tem o processo de desen#ol#imento diferente, algumas aprendem com
maior facilidade en%uanto outras aprendem mais de#agar. & nesse momento %ue é de
fundamental import$ncia %ue o professor analise indi#idualmente cada criança para poder
ade%uar os conteEdos conforme a necessidade de cada um.
Ds mudanças de estratégias de ensino podem contribuir para %ue todos aprendam. &m
alguns casos, as estratégias de ensino não estão de acordo com a realidade do aluno.
D prática do professor em sala de aula é decisi#a no processo de desen#ol#imento dos
educandos. &sse tal#ez se0a o momento do professor re#er a metodologia utilizada para
ensinar seu aluno, atra#és de outros métodos ou ati#idades ele poderá detectar %uem
realmente está com dificuldade de aprendizagem, e#itando os r1tulos muitas #ezes colocados
erroneamente, %ue pre0udicam a criança trazendo-l)e #árias conse%R/ncias, como a baixa-
estima e até mesmo o abandono escolar. BO %ue é ensinado e aprendido inconscientemente
tem mais probabilidade de permanecerC. 47O&N:O, 1999 p.1+5.
S
Dssim, de#e-se propiciar um ambiente fa#orá#el I aprendizagem, ou se0a, em %ue
se0am trabal)adas também a auto-estima, a confiança, o respeito mEtuo e a #alorização do
aluno.
Do entrarmos em contato com a 'sicopedagogia, percebemos, a partir das leituras e
estudos, principalmente dos escritos de Dl2cia Lernández, %ue: Bser ensinante significa abrir
um espaço para aprender. &spaço ob0eti#o e sub0eti#o em %ue se realizam dois trabal)os
simult$neos: a construção de con)ecimentos e a construção de si mesmo, como su0eito
criati#o e pensanteC. 4L&;NTN"&8, +??1, p.>?5.
'ortanto, ensinar e aprender são processos interligados. Não podemos pensar em um,
sem estar em relação ao outro. Dinda segundo Lernandez 4+??1, p.+95, Bentre o ensinante e o
aprendente, abre-se um campo de diferenças onde se situa o prazer de aprenderC. &nsinantes
são os pais, os irmãos, os tios, os a#1s e demais integrantes da fam2lia, como também, os
professores e compan)eiros da escola.
"e acordo com 6ena, 7onceição e Jieira 4+??H5, o processo de ressignificação da
prática pedag1gica se constr1i por meio de um processo %ue se efeti#a pela reflexão critico-
reflexi#a do professor sobre seu pr1prio trabal)o, isto é, a partir da base do contexto educati#o
real, nas necessidades reais dos su0eitos, nos problemas e dilemas relati#os ao ensino e I
aprendizagem.
O professor não apenas transmite os con)ecimentos ou faz perguntas, mas também
ou#e o aluno, de#e dar-l)e atenção e cuidar para %ue ele aprenda a expressar-se, a expor suas
opini3es.
6egundo Lirmino 4+??15 as e#id/ncias sugerem %ue um grande nEmero de alunos
possui caracter2sticas %ue re%uerem atenção educacional diferenciada. Neste sentido, um
trabal)o psicopedag1gico pode contribuir muito, auxiliando educadores a aprofundarem seus
con)ecimentos sobre as teorias do ensino e aprendizagem e as recentes contribuiç3es de
di#ersas áreas do con)ecimento, redefinindo-as e sintetizando-as numa ação educati#a.
4/ O PSICOPEDAGOGO INSTITUCIONAL( O SEU PAPEL NO
PLANE5AMENTO ESCOLAR
O papel da 'sicopedagogia no plane0amento escolar é refletir sobre as aç3es
pedag1gicas e suas interfer/ncias no processo de aprendizagem do aluno. Neste momento,
de#emos ter cuidado para %ue a reunião não se resuma I execução de situaç3es ditas
pedag1gicas e pautadas na mera reprodução de encontros anteriores. . importante %ue fi%ue
claro %ue, ao a#aliar, o professor não de#e prestar atenção somente no aluno e sim na
aprendizagem. 'ara isso, ele não precisa necessariamente fazer uso de testes e pro#as. ,as
das ati#idades de sala de aula como: trabal)os em grupo, exerc2cios, pro0etos e a obser#ação do
professor, podem re#elar muito sobre a aprendizagem dos educandos, %ue as simples pro#as ou
testes.
@
O conceito de plane0amento é algo bem amplo %ue pode ser compreendido de #árias
formas sendo %ue também pode ser compreendido como o define Jasconcellos 4+???, p. U95:
O plane0amento en%uanto construção-transformação de representaç3es é uma
mediação te1rica metodol1gica para ação, %ue em função de tal mediação passa a
ser consciente e intencional. Oem por finalidade procurar fazer algo #ir I tona, fazer
acontecer, concretizar, e para isto é necessário estabelecer as condiç3es ob0eti#as e
sub0eti#as pre#endo o desen#ol#imento da ação no tempo.
Ds escolas enfrentam um grande desafio: lidar com as dificuldades de aprendizagem e
ao mesmo tempo traçar uma proposta de inter#enção capaz de contribuir para a superação dos
problemas de aprendizagem dos alunos. "essa forma, defende-se a import$ncia do
'sicopedagogo (nstitucional, como um profissional %ualificado, %ue se baseia principalmente
na obser#ação e análise profunda de uma situação concreta, no sentido de não apenas
identificar poss2#eis perturbaç3es no processo de aprendizagem, mas para promo#er
orientaç3es didático-metodol1gicas no espaço escolar de acordo com as caracter2sticas dos
indi#2duos e grupos.
Dprender é o resultado da interação entre estruturas mentais e o meio ambiente.
O professor é co-autor do processo de aprendizagem dos alunos e por isso, o con)ecimento é
constru2do e reconstru2do continuamente. O con)ecimento como cooperação, criati#idade e
criticidade estimula a liberdade e a coragem para transformar, sendo %ue o aprendiz se torna
no su0eito ator como protagonista da sua aprendizagem. O professor exerce a sua )abilidade
de mediador das construç3es de aprendizagem. ,ediar é inter#ir para promo#er mudanças.
D participação do professor, por inteiro, 4corpo, organismo, intelig/ncia e dese0o5
nessa relação, na sala de aula, no processo ensino-aprendizagem demanda a
participação dos alunos também por inteiro. O organismo, trans#ersalizado pela
intelig/ncia e o dese0o, irá se mostrando em um corpo, e é deste modo %ue inter#ém
na aprendizagem, 0á corporizado. 4L&;NTN"&8, 199?, p.@+5.
Dinda segundo Lernández 419915 todo o indi#2duo tem a sua modalidade de
aprendizagem, ou se0a, meios, condiç3es e limites para con)ecer. 7ada ser )umano é uma
criação Enica, possuem uma série de talentos, capacidades e maneiras de aprender. 7ada um
ap1ia em diferentes sentidos para captar e organizar a informação, para aproximar dos ob0etos
de con)ecimento, %uando menciona em ob0eto refere-se a tudo o %ue é con)ecido como não-
eu.
O educador de#e promo#er a aprendizagem significati#a, incenti#ando as )abilidades
de seus aprendizes e mostrando para cada um deles a sua #erdadeira potencialidade. Ds
dificuldades encontradas no percurso ser#irão para torná-los fortes e capazes de transformar o
mundo em %ue #i#em.
U
&sta 0ornada pode ser muito prazerosa e surpreendente, pois cada um poderá contribuir
para a aprendizagem do outro. . imposs2#el ensinar liberdade por meio de uma didática
centrada no Aeu do professorA, 0á %ue todos são Enicos, possuem as suas pr1prias )abilidades e
podem aprender.
Nesta perspecti#a, refletir sobre a import$ncia do direito de aprender e da necessidade
de um psicopedagogo na instituição escolar é algo essencial no plane0amento escolar, isto é,
para %ue os professores e toda comunidade escolar possam pensar na busca por parcerias e até
mesmo na regulamentação de um psicopedagogo %ualificado na unidade escolar. Nib$neo
4199H, p. +++5 afirma %ue:
D ação de plane0ar, portanto, não se reduz ao simples preenc)imento de formulários
para controle administrati#o, é, antes, a ati#idade consciente da pre#isão das aç3es
pol2tico V pedag1gicas, e tendo como refer/ncia permanente Is situaç3es didáticas
concretas 4isto é, a problemática social, econWmica, pol2tica e cultural5 %ue en#ol#e a
escola, os professores, os alunos, os pais, a comunidade, %ue integram o processo de
ensino.
7ontribuir para o crescimento do processo da aprendizagem e auxiliar no %ue diz
respeito a %ual%uer dificuldade em relação ao rendimento escolar, também é do $mbito da
psicopedagogia, assim como dos educadores em geral. (sso significa %ue ter con)ecimento de
como o aluno constr1i seu saber, compreender as dimens3es das relaç3es com a escola, com
os professores, com o conteEdo e relacioná-los aos aspectos afeti#os e cogniti#os, permitirá
uma atuação mais precisa, segura e eficaz por parte de todos %ue são responsá#eis
diretamente pela aprendizagem de nossos alunos.
6egundo -ossa 4+???5, a presença de um psicopedagogo no contexto escolar é
essencial, ou se0a, ele tem muito %ue fazer na escola. D sua inter#enção inclui:
X Orientar os paisF
X Duxiliar os educadores e conse%Rentemente I toda comunidade aprendenteF
X -uscar instituiç3es parceiras 4en#ol#imento com toda a sociedade5F
X 7olaborar no desen#ol#imento de pro0etos 4Oficinas psicopedag1gicas5F
X Dcompan)ar a implementação e implantação de no#a proposta metodol1gica de
ensinoF
X 'romo#er encontros socializadores entre corpo docente, discente, coordenadores,
corpo administrati#o e de apoio e dirigentes.
O papel da psicopedagogia na formação de educadores %ue atuam diretamente com o
aluno é primordial no contexto escolar e consiste em prepará-los para lidar com as
dificuldades de aprendizagem com muita segurança. D didática com um ol)ar
psicopedag1gico inserida na sala de aula pode contribuir para uma aprendizagem realmente
significati#a. uando o educando se percebe como um personagem protagonista neste
processo de aprendizagem, o dese0o de aprender é muito maior.
D didática com um ol)ar psicopedag1gico nos faz refletir também sobre a inter-
relação professor-aluno. O educador também faz parte de um processo de participação,
=
integração, entrega e superação. O ato de plane0ar, assim assumido, deixará de ser um simples
estruturar de meios e recursos, para tornar-se o momento de decidir sobre a construção de um
futuro e principalmente, de %uebrar paradigmas. O desafio está lançado: D profissão precisa
ser regulamentada e conse%uentemente, ten)amos 'sicopedagogos %ualificados nas unidades
escolares de todo o pa2s.
4/ CONSIDERAÇ6ES 7INAIS
RE7ER8NCIAS BIBLIOGR17ICAS
BOSSA, Nádia. A Ps'o)e*a+o+a "o Brasl( 'o"tr9u-:es a )artr *a )r;t'a/ 'orto
Dlegre: Drtes ,édicas 6ul, 199H.
. D<'ul*a*es *e A)re"*!a+e$( o =ue s.o e 'o$o trat;&las. 'orto
Dlegre: D;O,&", +???.
COEL2O, ,aria Oeresa. Pro9le$as *e A)re"*!a+e$. &ditora Ttica, 1999.
L&;,(NO, Lernandes 6istoF -O;Y7:OJ(O:, &#elQF "(&:N, Oolaine Nucila Lin.
D<'ul*a*es *e a)re"*!a+e$ "o 'o"te>to )s'o)e*a+?+'o. 'etr1polis, ;K: Jozes, +??1
9
L&;NDN"&6, Dl2cia. D intelig/ncia Dprisionada. 'orto Dlegre: Drtmed, 199?.
. Os I*o$as *o A)re"*e"te( A";lse *e $o*al*a*es e"s"a"tes e$
<a$@las, es'olas e $eos *e 'o$u"'a-.o/ 'orto Dlegre: Drtmed, +??1.
LIBANEO, Kosé 7arlos, D*;t'a. 6ão 'aulo. &ditora 7ortez. 199H.
POLITB, &lizabet). Pe"sa"*o as *<'ul*a*es *e a)re"*!a+e$ C lu! *as rela-:es
<a$lares/ "ispon2#el em )ttp:<<ZZZ.psi c op e d a g o g ia onlin e . c om.b r. Dcesso em 11 de
no#embro de +?11.
SCOD, -. Ps'o)e*a+o+a e Real*a*e Es'olar/ 7ampinas: Jozes, 199@.
SENA, 7lério 7ezar -atista, CONCEIÇÃO, Nuiz ,ário da e EIEIRA, ,ariza 7ruz. O
e*u'a*or re<le>%o( re+stra"*o e re<let"*o/ ;ecife, &d. "oxa - +??H.
EASCONCELLOS, 7elso dos 6: 'lane0amento 'ro0eto de &nsino-Dprendizagem e 'ro0eto
'ol2tico-'edag1gico Nadermos Nibertad-1. U[ &d. 6ão 'aulo, +???