You are on page 1of 8

O HABITAT RURAL

____________________________________________________________________

1O espaço rural como fenómeno social: as suas funções


2As diferentes perspectivas de ruralidade
3A especificidade do espaço social rural
____________________________________________________________________

Minha roda s’tá parada Ó que calma vai caindo


Por falta de tocador Ai ó ceifadores do campo
Anda roda anda roda Meu amor que por lá anda
Que eu cá vou c’o meu amor Ai encostado ao lírio branco

Esta água s’tá parada Já são horas da merenda


Quem seria que parou Ai vamo-nos a merendar
Foi a mãe do meu amor Gaspachinho com vinagre
Qu’ esta noite aqui passou Ai para o peito refrescar

_________________________________________________________________

1O espaço rural como fenómeno social: as suas


funções

O espaço rural, ontem e hoje

O meio rural habitado pelos nossos antepassados era bem diferente do


actual.
•O espaço rural é produto da acção dos homens sobre o meio
natural
•No espaço rural, as relações sociais estão em constante
transformação

O espaço rural tradicional

Antes da Revolução Industrial (séc. XVIII):


•Agricultura (actividade económica dominante)
•Produção de alimentos para subsistência (função principal)
•Camponeses (grupo social de referência)
•Equilíbrio entre a natureza e a actividade humana

O mundo rural e a industrialização


Após a Revolução Industrial, com o predomínio da indústria e a
concentração da população nas cidades, o mundo rural:
•Perde a centralidade económica, social, política e simbólica
•A agricultura passa a produzir para o mercado, i.e., para os centros
urbanos
•As zonas rurais passam a fornecer mão-de-obra desqualificada e
barata para a indústria e serviços

O mundo rural e a modernização da agricultura (1)

A modernização da agricultura europeia, após a 2.ª GM, caracterizou-


se por:
•Aplicação da tecnologia à produção agrícola (redução dos
trabalhadores)
•Redimensionamento da propriedade agrícola (menos propriedades
mas de maior dimensão)
•Ajuda estatal (subsídios)

O mundo rural e a modernização da agricultura (2)

Efeitos positivos
•Aumento da produtividade agrícola, garantindo a auto-suficiência
alimentar da Europa
•Aumento dos rendimentos dos agricultores

Efeitos negativos
•Aumento das disparidades regionais e sociais
•Degradação ambiental (poluição e destruição de ecossistemas)

Aumento das disparidades regionais e sociais (divisão do


mundo rural)

Áreas rurais centrais:


•proximidade dos centros urbanos
•agricultura moderna
•crescimento e modernização

Áreas rurais periféricas:


•afastamento dos centros urbanos
•agricultura tradicional
•diminuição e envelhecimento da população, estagnação e
marginalização

Degradação ambiental

Áreas rurais centrais:


Exploração intensiva da natureza pondo em causa a sua capacidade de
renovação.

Áreas rurais periféricas:


O meio natural é abandonado a si próprio, com o abandono da
agricultura, dos terrenos de cultivo, das florestas.

O mundo rural na sociedade actual

A partir da década de 80 do séc. XX, emerge um novo “mundo rural


não agrícola” devido à:
•Localização de indústrias nos espaços rurais
•Valorização do património natural e cultural das áreas rurais

A “industrialização” das áreas rurais

•Nalguns casos, deveu-se à modernização da agricultura,


acompanhada do investimento público em infra-estruturas,
contribuindo assim para a criação de postos de trabalho;
•Noutros casos, apoiou-se nas pequenas explorações agrícolas
familiares existentes, desenvolvendo com elas relações de
complementaridade.

As áreas rurais como património natural e cultural

O mundo rural (em especial as áreas mais desfavorecidas),


transforma-se em objecto de consumo para os citadinos, que o
procuram, cada vez mais, para:
•Construção de residência secundária ou mesmo permanente;
•Passar férias ou fins-de-semana;
•Contactar com a Natureza;
•Conhecer a cultura tradicional
Transformações do mundo rural

•Diversificação das actividades da população rural — além da


agricultura, a indústria e o artesanato, os serviços (ligados sobretudo
ao turismo, lazer, etc.);
•Valorização do património natural e cultural das zonas rurais;
•Urbanização e rurbanização do espaço rural por pessoas que,
trabalham na cidade mas preferem viver no campo.

Funções do espaço rural

As funções do espaço rural têm evoluído com o tempo:


•No mundo rural tradicional ➲ produção de alimentos para a
subsistência;
•Após a Rev. Industrial ➲ produção de alimentos para os mercados
urbanos e fornecimento de mão-de-obra barata para a indústria;
•Após a 2.ª GM, com a modernização da agricultura ➲ cliente da
produção industrial (alfaias, adubos,…) e fornecedor de produtos
agrícolas para as indústrias agro-alimentares;
•Na actualidade ➲ novos sistemas de produção agrícola (apoiados na
biotecnologia, engenharia genética, informática) e outras funções tais
como, residência, turismo e lazer, conservação do património e
protecção do ambiente.

voltar ao início

2As diferentes perspectivas de ruralidade

•O que deve entender-se por “rural”?


–Paisagem bucólica?
–Zona remota, tradicional e atrasada?
–Lugar onde se cultivam géneros para alimentar a população
urbana?

•O conceito de ruralidade tem evoluído com o tempo.


Evolução histórica do conceito de ruralidade

•Nos anos 70, a modernização da agricultura dividiu o mundo rural em


duas realidades distintas: o mundo rural moderno (urbano-industrial) e
o mundo rural tradicional (rural).
•O conceito de ruralidade identificava-se com o mundo rural
tradicional, com uma população escassa e marginalizada, dedicado à
agricultura de subsistência.

•A partir da década de 80, verificam-se:


–Transformações no mundo rural tradicional (“industrialização”,
diversificação de actividades…)
–A valorização do património natural e cultural das zonas rurais e
dos modos de vida tradicionais
•O conceito de ruralidade passa a ser entendido como um espaço
social organizado e com valores próprios, cujo património natural e
cultural deve ser preservado.
Deixa de fazer sentido a oposição mundo rural/ mundo urbano,
estimulando-se a interdependência e a solidariedade entre ambos.

Perspectivas de ruralidade

•Perspectiva comportamental, que valoriza o comportamento dos


indivíduos de acordo com os valores e as práticas tradicionais;
•Perspectiva funcional, que sublinha a função económica,
considerando que no espaço rural predominam as actividades ligadas
ao sector primário;
•Perspectiva ecológica, que destaca a relação entre a sociedade, a
cultura e a natureza, sublinhando a importância da exploração
sustentável dos recursos, para o desenvolvimento do espaço rural

Críticas às perspectivas de ruralidade

•Perspectiva comportamental — Com a globalização, o mundo rural é


cada vez mais influenciado pelo exterior, perdendo-se os valores e as
práticas tradicionais.
•Perspectiva funcional — A pluriactividade actual do mundo rural
tradicional contradiz a ideia do predomínio de uma função.
•Perspectiva ecológica — Exagera ao considerar sempre a
intervenção do Homem como negativa para o ambiente.

Perspectiva actual de ruralidade

Considera o mundo rural como fenómeno complexo e


pluridimensional porque:
•Engloba comunidades e territórios distintos, embora interligados;
•Desempenha uma multiplicidade de actividades (agricultura,
artesanato, turismo, comércio); e
•Apresenta uma grande heterogeneidade (explorações modernas e
produtivas coexistindo com empresas familiares menos produtivas).

Desenvolvimento local

É uma nova forma de desenvolvimento rural que:


•Tem por base a rede de relações em que estão integrados os agentes
locais; e
•Pressupõe a participação das populações locais e a interdependência
de todos os intervenientes (privados e públicos, locais, nacionais e
internacionais).

voltar ao início

3A especificidade do espaço social rural


Apesar da sua heterogeneidade, o espaço rural apresenta algumas
especificidades comuns:
•Dependência relativamente aos processos naturais e ligação dos
agentes sociais ao espaço onde habitam;
•Importância das relações de interconhecimento;
•Persistência do grupo doméstico enquanto unidade de produção,
consumo e residência.

Dependência relativamente aos processos naturais e ligação


dos agentes sociais ao espaço onde habitam

•Persistência da relação agricultura/ natureza, apesar da


modernização da agricultura;
•Cooperação/ conflito na relação dos agentes sociais com a
natureza;
•Enfraquecimento da ligação dos agentes sociais ao espaço rural
em virtude das poucas oportunidades económicas e profissionais
que este lhes oferece;
•A terra continua a ser vista como factor de segurança e
estabilidade e o trabalho agrícola, como complemento do
orçamento familiar, particularmente pelos agricultores reformados e
os trabalhadores de outras actividades.
Importância das relações de interconhecimento

•Relações interpessoais densas e exclusivistas devido à reduzida


dimensão e densidade populacional do espaço rural;
•Exercício de um controlo social profundo da colectividade sobre
todos os seus membros;
•Partilha e aceitação de um conjunto de valores, normas e
comportamentos.
☞ Modernamente, no entanto, estes traços vão-se esbatendo devido
ao êxodo rural, ao impacto dos media, à presença de citadinos no
meio rural, etc.

Persistência do grupo doméstico enquanto unidade de


produção, consumo e residência (1)

•Anteriormente, o grupo doméstico — conjunto de pessoas que


habita a mesma casa e partilha as funções de produção, consumo e
reprodução — vivia exclusivamente da agricultura familiar.
•Com as transformações do espaço rural nas últimas décadas
(aparecimento de novas actividades, envelhecimento da população,
etc.), o grupo doméstico passa a dispor de outras fontes de
rendimento, para além da actividade agrícola:
–Pequena indústria, comércio, turismo;
–Pensões da segurança social e/ ou remessas dos emigrantes;
–Apoios comunitários.

Persistência do grupo doméstico enquanto unidade de


produção, consumo e residência (2)

Uma nova noção de família rural?


•Anteriormente, o grupo doméstico assentava numa família
numerosa (avós, pais, filhos, netos,…);
•Hoje, com o abandono dos campos e o envelhecimento da
população, o grupo doméstico já não tem por base uma família
extensa (nalguns casos, as pessoas vivem mesmo sozinhas);
“A família rural terá, então, de ser encarada também do ponto de
vista dos ausentes, que continuam a manter relações com o meio
rural de origem[…]”.

Persistência do grupo doméstico enquanto unidade de


produção, consumo e residência (3)

Relações do meio rural com o meio urbano


Para a aproximação do meio rural ao meio urbano contribuem:
•O desenvolvimento dos transportes;
•O incremento dos meios de comunicação (telefone, rádio,
televisão, internet);
•A expansão e o crescimento das cidades;
•A presença de citadinos nos espaços rurais;
•A necessidade de contactar serviços e instituições sediadas nas
cidades.
voltar ao início