LEI ORGÂNICA

DO
MUNICÍPIO DE SÃO PAULO
(Atualizada até a Emenda 37/13)















SECRETARIA DE DOCUMENTAÇÃO
Equipe de Documentação do Legislativo
- Fevereiro de 2014 -
LEI ORGÂNI CA DO MUNI CÍ PI O DE SÃO PAULO

2
SUMÁRIO

PREÂMBULO

TÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES (art. 1º-4º)

TÍTULO II DO PODER MUNICIPAL (art. 5º-11)

TÍTULO III DA ORGANIZAÇÃO DOS PODERES

CAPÍ TULO I DO PODER LEGI SLATI VO

Seção I DA CÂMARA MUNI CI PAL ( ar t . 12- 14)
Seção I I DOS VEREADORES ( ar t . 15- 23)
Seção I I I DA MESA DA CÂMARA ( ar t . 24- 28)
Seção I V DAS SESSÕES ( ar t . 29- 31)
Seção V DAS COMI SSÕES ( ar t . 32- 33)
Seção VI DO PROCESSO LEGI SLATI VO ( ar t . 34- 46)
Seção VI I DA FI SCALI ZAÇÃO CONTÁBI L, FI NANCEI RA E
ORÇAMENTÁRI A ( ar t . 47- 53)
Seção VI I I DOS CONSELHOS DE REPRESENTANTES ( ar t . 54- 55)

CAPÍ TULO I I DO PODER EXECUTI VO

Seção I DO PREFEI TO E DO VI CE- PREFEI TO ( ar t . 56- 68)
Seção I I DAS ATRI BUI ÇÕES DO PREFEI TO ( ar t . 69- 71)
Seção I I I DA RESPONSABI LI DADE DO PREFEI TO ( ar t . 72- 74)
Seção I V DOS AUXI LI ARES DO PREFEI TO ( ar t . 75- 79)

TITULO IV DA ORGANIZAÇÃO MUNICIPAL

CAPÍ TULO I DA ADMI NI STRAÇÃO MUNI CI PAL ( ar t . 80- 88)
CAPÍ TULO I I DOS SERVI DORES MUNI CI PAI S ( ar t . 89- 109)
CAPÍ TULO I I I DOS BENS MUNI CI PAI S ( ar t . 110- 114)
CAPÍ TULO I V DAS NORMAS ADMI NI STRATI VAS ( ar t . 115- 122)
CAPÍ TULO V DAS OBRAS, SERVI ÇOS E LI CI TAÇÕES ( ar t . 123- 129)
CAPÍ TULO VI DA ADMI NI STRAÇÃO TRI BUTÁRI A E FI NANCEI RA

Seção I DA TRI BUTAÇÃO ( ar t . 130- 136)
Seção I I DOS ORÇAMENTOS ( ar t . 137- 142)

CAPÍ TULO VI I DO PLANEJ AMENTO MUNI CI PAL

Seção I DO PROCESSO DE PLANEJ AMENTO ( ar t . 143)
Seção I I DOS I NSTRUMENTOS DO PLANEJ AMENTO MUNI CI PAL
( ar t . 144- 146)
Seção I I I DA PARTI CI PAÇÃO NAS ENTI DADES REGI ONAI S
( ar t . 147)

TÍTULO V DO DESENVOLVIMENTO DO MUNICÍPIO

CAPÍ TULO I DA POLÍ TI CA URBANA ( ar t . 148- 159)
CAPÍ TULO I I DO EXERCÍ CI O DA ATI VI DADE ECONÔMI CA
( ar t . 160- 166)
CAPÍ TULO I I I DA HABI TAÇÃO ( ar t . 167- 171)
CAPÍ TULO I V DO TRANSPORTE URBANO ( ar t . 172- 179)
CAPÍ TULO V DO MEI O AMBI ENTE ( ar t . 180- 190)
LEI ORGÂNI CA DO MUNI CÍ PI O DE SÃO PAULO

3
CAPÍ TULO VI DA CULTURA E DO PATRI MÔNI O HI STÓRI CO E
CULTURAL ( ar t . 191- 199)

TÍTULO VI DA ATIVIDADE SOCIAL DO MUNICÍPIO

CAPÍ TULO I DA EDUCAÇÃO ( ar t . 200- 211)
CAPÍ TULO I I DA SAÚDE ( ar t . 212- 218)
CAPÍ TULO I I I DA SEGURANÇA DO TRABALHO E SAÚDE DO
TRABALHADOR ( ar t . 219- 220)
CAPÍ TULO I V DA PROMOÇÃO E ASSI STÊNCI A SOCI AL ( ar t . 221- 229)
CAPÍ TULO V DO ESPORTE, LAZER E RECREAÇÃO ( ar t . 230- 236)
CAPÍ TULO VI DA DEFESA DOS DI REI TOS HUMANOS ( ar t . 237- 238)


DISPOSIÇÕES GERAIS E TRANSITÓRIAS







LEI ORGÂNI CA DO MUNI CÍ PI O DE SÃO PAULO

4
LEI ORGÂNICA
DO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO


PREÂMBULO



Nós, r epr esent ant es do povo do Muni cí pi o de São Paul o,
r euni dos em Assembl éi a Const i t ui nt e, r espei t ando os pr ecei t os
da Const i t ui ção da Repúbl i ca Feder at i va do Br asi l , pr omul gamos,
sob a pr ot eção de Deus, a pr esent e Lei Or gâni ca, que const i t ui
a Lei Fundament al do Muni cí pi o de São Paul o, como obj et i vo de
or gani zar o exer cí ci o do poder e f or t al ecer as i nst i t ui ções
democr át i cas e os di r ei t os da pessoa humana.



TÍTULO I
DI SPOSI ÇÕES PRELI MI NARES

Art. 1º - O Muni cí pi o de São Paul o, par t e i nt egr ant e da
Repúbl i ca Feder at i va do Br asi l e do Est ado de São Paul o,
exer cendo a compet ênci a e a aut onomi a pol í t i ca, l egi sl at i va,
admi ni st r at i va e f i nancei r a, assegur adas pel a Const i t ui ção da
Repúbl i ca, or gani za- se nos t er mos dest a Lei .

Parágrafo único - São símbolos do Município a bandeira, o
brasão e o hino.
(Alterado pela Emenda 06/91)

Art. 2º - A or gani zação do Muni cí pi o obser var á os
segui nt es pr i ncí pi os e di r et r i zes:

I - a pr át i ca democr át i ca;
I I - a sober ani a e a par t i ci pação popul ar ;
I I I - a t r anspar ênci a e o cont r ol e popul ar na ação do
gover no;
I V - o r espei t o à aut onomi a e à i ndependênci a de at uação
das associ ações e movi ment os soci ai s;
V - a pr ogr amação e o pl anej ament o si st emát i cos;
VI - o exer cí ci o pl eno da aut onomi a muni ci pal ;
VI I - a ar t i cul ação e cooper ação com os demai s ent es
f eder ados;
VI I I - a gar ant i a de acesso, a t odos, de modo j ust o e
i gual , sem di st i nção de or i gem, r aça, sexo, or i ent ação sexual ,
cor , i dade, condi ção econômi ca, r el i gi ão, ou qual quer out r a
di scr i mi nação, aos bens, ser vi ços, e condi ções de vi da
i ndi spensávei s a uma exi st ênci a di gna;
I X - a acol hi da e o t r at ament o i gual a t odos os que, no
r espei t o da l ei , af l uampar a o Muni cí pi o;
X - a def esa e a pr eser vação do t er r i t ór i o, dos r ecur sos
nat ur ai s e do mei o ambi ent e do Muni cí pi o;
LEI ORGÂNI CA DO MUNI CÍ PI O DE SÃO PAULO

5
XI - a pr eser vação dos val or es hi st ór i cos e cul t ur ai s da
popul ação.
XII – a moralidade administrativa;
XIII – a idoneidade dos agentes e dos servidores públicos.
(Acrescentados pela Emenda 35/12)

Art. 3º - Est a l ei est abel ece nor mas aut o- apl i cávei s,
excet uadas aquel as que expr essament e dependam de out r os
di pl omas l egai s ou r egul ament ar es.

Art. 4º - O Muni cí pi o, r espei t ados os pr i ncí pi os f i xados
no ar t . 4º da Const i t ui ção da Repúbl i ca, mant er á r el ações
i nt er naci onai s, at r avés de convêni os e out r as f or mas de
cooper ação.


TÍTULO II
DO PODER MUNI CI PAL

Art. 5º - O Poder Muni ci pal per t ence ao povo, que o exer ce
at r avés de r epr esent ant es el ei t os par a o Legi sl at i vo e o
Execut i vo, ou di r et ament e, segundo o est abel eci do nest a Lei .

§ 1º - O povo exer ce o poder :

I - pel o suf r ági o uni ver sal e pel o vot o di r et o e secr et o;
I I - pel a i ni ci at i va popul ar em pr oj et os de emenda à Lei
Or gâni ca e de l ei de i nt er esse especí f i co do Muni cí pi o, da
ci dade ou de bai r r os;
I I I - pel o pl ebi sci t o e pel o r ef er endo.

§ 2º - Os r epr esent ant es do povo ser ão el ei t os at r avés dos
par t i dos pol í t i cos, na f or ma pr evi st a no i nci so I do par ágr af o
ant er i or .

Art. 6º - Os poder es Execut i vo e Legi sl at i vo são
i ndependent es e har môni cos, vedada a del egação, de poder es
ent r e si .

Par ágr af o úni co - O ci dadão i nvest i do na f unção de umdos
poder es não poder á exer cer a de out r o, sal vo as exceções
pr evi st as nest a Lei .

Art. 7º - É dever do Poder Muni ci pal , emcooper ação coma
Uni ão, o Est ado e com out r os Muni cí pi os, assegur ar a t odos o
exer cí ci o dos di r ei t os i ndi vi duai s, col et i vos, di f usos e
soci ai s est abel eci dos pel a Const i t ui ção da Repúbl i ca e pel a
Const i t ui ção Est adual , e daquel es i ner ent es às condi ções de
vi da na ci dade, i nser i dos nas compet ênci as muni ci pai s
especí f i cas, emespeci al no que r espei t a a:

I - mei o ambi ent e humani zado, sadi o e ecol ogi cament e
equi l i br ado, bem de uso comum do povo, par a as pr esent es e
f ut ur as ger ações;
I I - di gnas condi ções de mor adi a;
I I I - l ocomoção at r avés de t r anspor t e col et i vo adequado,
medi ant e t ar i f a acessí vel ao usuár i o;
LEI ORGÂNI CA DO MUNI CÍ PI O DE SÃO PAULO

6
I V - pr ot eção e acesso ao pat r i môni o hi st ór i co, cul t ur al ,
t ur í st i co, ar t í st i co, ar qui t et ôni co e pai sagí st i co;
V - abast eci ment o de gêner os de pr i mei r a necessi dade;
VI - ensi no f undament al e educação i nf ant i l ;
VI I - acesso uni ver sal e i gual à saúde;
VI I I - acesso a equi pament os cul t ur ai s, de r ecr eação e
l azer .

Par ágr af o úni co - A cr i ança e o adol escent e são
consi der ados pr i or i dade absol ut a do Muni cí pi o.

Art. 8º - O Poder Muni ci pal cr i ar á, por l ei , Consel hos
compost os de r epr esent ant es el ei t os ou desi gnados, a f i m de
assegur ar a adequada par t i ci pação de t odos os ci dadãos emsuas
deci sões.

Parágrafo único. É vedado o exercício da função de
representante ou conselheiro por pessoas que incidam nos casos
de inelegibilidade, nos termos da legislação federal, inclusive
nos Conselhos Tutelares e Municipais.
(Acrescentado pela Emenda 35/12)

Art. 9º - A l ei di spor á sobr e:

I - o modo de par t i ci pação dos Consel hos, bem como das
associ ações r epr esent at i vas, no pr ocesso de pl anej ament o
muni ci pal e, em especi al , na el abor ação do Pl ano Di r et or , do
Pl ano Pl ur i anual , das di r et r i zes or çament ár i as e do or çament o
anual ;
I I - a f i scal i zação popul ar dos at os e deci sões do Poder
Muni ci pal e das obr as e ser vi ços públ i cos;
I I I - a par t i ci pação popul ar nas audi ênci as públ i cas
pr omovi das pel o Legi sl at i vo ou pel o Execut i vo.

Art. 10 - O Legi sl at i vo e o Execut i vo t omar ão a i ni ci at i va
de pr opor a convocação de pl ebi sci t os ant es de pr oceder à
di scussão e apr ovação de obr as de val or el evado ou que t enham
si gni f i cat i vo i mpact o ambi ent al , segundo est abel eci do eml ei .

Art. 11 - Qual quer muní ci pe, par t i do pol í t i co, associ ação
ou ent i dade é par t e l egí t i ma par a denunci ar i r r egul ar i dades à
Câmar a Muni ci pal ou ao Tr i bunal de Cont as, bemcomo aos ór gãos
do Poder Execut i vo.




TÍTULO III
DA ORGANI ZAÇÃO DOS PODERES

CAPÍTULO I
DO PODER LEGI SLATI VO

SEÇÃO I
DA CÂMARA MUNI CI PAL

Art. 12 - O Poder Legi sl at i vo é exer ci do pel a Câmar a
Muni ci pal , compost a de 55 ( ci nquent a e ci nco) Ver eador es
LEI ORGÂNI CA DO MUNI CÍ PI O DE SÃO PAULO

7
el ei t os dent r e os ci dadãos mai or es de 18 ( dezoi t o) anos e no
exer cí ci o dos di r ei t os pol í t i cos.

Art. 13 - Cabe à Câmara, com sanção do Prefeito, não
exigida esta para o especificado no artigo 14, dispor sobre as
matérias de competência do Município, especialmente:
(Alterado pela Emenda 05/91)

I - l egi sl ar sobr e assunt os de i nt er esse l ocal ;
I I - supl ement ar a l egi sl ação f eder al e est adual , no que
couber ;
I I I - l egi sl ar sobr e t r i but os muni ci pai s, bem como
aut or i zar i senções, ani st i as f i scai s e r emi ssão de dí vi das;
I V - vot ar o pl ano pl ur i anual , as di r et r i zes or çament ár i as
e o or çament o anual , bemcomo aut or i zar a aber t ur a de cr édi t os
supl ement ar es e especi ai s;
V - del i ber ar sobr e obt enção e concessão de empr ést i mos e
oper ações de cr édi t o, bem como sobr e a f or ma e os mei os de
pagament o;
VI - aut or i zar a concessão de auxí l i os e subvenções;
VI I - aut or i zar a concessão de ser vi ços públ i cos;
VI I I - aut or i zar a concessão do di r ei t o r eal de uso de
bens muni ci pai s;
I X - aut or i zar a concessão admi ni st r at i va de uso de bens
muni ci pai s;
X - autorizar a alienação de bens imóveis municipais,
exceptuando-se as hipóteses previstas nesta Lei Orgânica;
(Alterado pela Emenda 26/05)
XI - aut or i zar a aqui si ção de bens i móvei s, sal vo quando
se t r at ar de doação semencar gos;
XI I - cr i ar , or gani zar e supr i mi r di st r i t os e
subdi st r i t os, obser vadas as l egi sl ações est adual e muni ci pal ;
XI I I - cr i ar , al t er ar , e ext i ngui r car gos, f unções e
empr egos públ i cos e f i xar a r emuner ação da admi ni st r ação
di r et a, aut ár qui ca e f undaci onal ;
XI V - apr ovar as di r et r i zes ger ai s de desenvol vi ment o
ur bano, o Pl ano Di r et or , a l egi sl ação de cont r ol e de uso, de
par cel ament o e de ocupação do sol o ur bano;
XV - di spor sobr e convêni os com ent i dades públ i cas,
par t i cul ar es e aut or i zar consór ci os comout r os muni cí pi os;
XVI - cr i ar , est r ut ur ar e at r i bui r f unções às Secr et ar i as
e aos ór gãos da admi ni st r ação públ i ca;
XVII - autorizar, nos termos da lei, a alteração de
denominação de próprios, vias e logradouros públicos;
(Alterado pela Emenda 10/91)
XVI I I - l egi sl ar sobr e a cr i ação, or gani zação e
f unci onament o de Consel hos e Comi ssões;
XI X - del i mi t ar o per í met r o ur bano e o de expansão ur bana;
XX - apr ovar o Códi go de Obr as e Edi f i cações;
XXI - denominar as vias e logradouros públicos obedecidas
as normas urbanísticas aplicáveis.
(Acrescentado pela Emenda 03/90)

Art. 14 - Compet e pr i vat i vament e à Câmar a Muni ci pal :

I - el eger sua Mesa, bem como dest i t uí - l a, na f or ma
r egi ment al ;
I I - el abor ar o seu Regi ment o I nt er no;
LEI ORGÂNI CA DO MUNI CÍ PI O DE SÃO PAULO

8
I I I - di spor sobr e sua or gani zação, f unci onament o,
pol í ci a, cr i ação, t r ansf or mação ou ext i nção dos car gos,
empr egos e f unções de seus ser vi ços e f i xação da r espect i va
r emuner ação, obser vados os par âmet r os est abel eci dos na l ei de
di r et r i zes or çament ár i as;
I V - dar posse ao Pr ef ei t o e ao Vi ce- Pr ef ei t o, conhecer de
sua r enúnci a e af ast á- l os, def i ni t i vament e, do exer cí ci o do
car go, nos t er mos dest a Lei ;
V - conceder l i cença, par a af ast ament o, ao Pr ef ei t o, ao
Vi ce- Pr ef ei t o e aos Ver eador es;
VI - fixar, por lei de sua iniciativa, para cada exercício
financeiro, os subsídios do Prefeito, Vice-Prefeito e
Secretários Municipais, limitados a 90,25% (noventa inteiros e
vinte e cinco centésimos por cento) do subsídio mensal dos
Ministros do Supremo Tribunal Federal, bem como, para viger na
legislatura subseqüente, o subsídio dos Vereadores, observado
para estes, a razão de, no máximo, 75% (setenta e cinco por
cento) daquele estabelecido, em espécie, para os Deputados
Estaduais, respeitadas as disposições dos arts. 37, incisos X e
XI e § 12, 39, § 4º e 57, § 7º, da Constituição Federal,
considerando-se mantido o subsídio vigente, na hipótese de não
se proceder à respectiva fixação na época própria, atualizado o
valor monetário conforme estabelecido em lei municipal
específica;
(Alterado pelas Emendas 24/01 e 32/09)
VI I - aut or i zar o Pr ef ei t o a ausent ar - se do Muni cí pi o por
mai s de 15 ( qui nze) di as consecut i vos;
VI I I - cr i ar Comi ssões Par l ament ar es de I nquér i t o, nos
t er mos do ar t . 33;
I X - convocar os Secr et ár i os Muni ci pai s ou r esponsávei s
pel a admi ni st r ação di r et a e i ndi r et a par a pr est ar i nf or mações
sobr e mat ér i a de sua compet ênci a, sem pr ej uí zo do di spost o no
ar t . 32, § 2º, i nci so I V;
X - aut or i zar a convocação de r ef er endo e pl ebi sci t o,
excet o os casos pr evi st os nest a Lei ;
XI - deci di r sobr e a per da do mandat o de Ver eador ,
r essal vado o di spost o no ar t . 18, § 3º;
XI I - t omar e j ul gar as cont as do Pr ef ei t o, da Mesa da
Câmar a Muni ci pal e do Tr i bunal de Cont as do Muni cí pi o;
XI I I - zel ar pel a pr eser vação de sua compet ênci a
l egi sl at i va, sust ando os at os nor mat i vos do Execut i vo que
exor bi t emdo poder r egul ament ar ;
XI V - j ul gar o Pr ef ei t o, o Vi ce- Pr ef ei t o e os Ver eador es,
nos casos pr evi st os nest a Lei ;
XV - f i scal i zar e cont r ol ar di r et ament e os at os do Poder
Execut i vo, i ncl uí dos os da admi ni st r ação i ndi r et a, acompanhando
sua gest ão e aval i ando seu r esul t ado oper aci onal , como auxí l i o
do Tr i bunal de Cont as do Muni cí pi o, sempr e que sol i ci t ado;
XVI - escol her 3 ( t r ês) dos membr os do Tr i bunal de Cont as
do Muni cí pi o, após ar gui ção emsessão públ i ca;
XVI I - apr ovar pr evi ament e, após ar gui ção em sessão
públ i ca, a escol ha dos t i t ul ar es dos car gos de Consel hei r os do
Tr i bunal de Cont as, i ndi cados pel o Pr ef ei t o;
XVI I I - exer cer a f i scal i zação f i nancei r a, or çament ár i a,
oper aci onal e pat r i moni al do Muni cí pi o, auxi l i ada, quando
sol i ci t ado, pel o Tr i bunal de Cont as do Muni cí pi o;
XI X - conceder t í t ul o de ci dadão honor ár i o ou qual quer
out r a honr ar i a ou homenagemà pessoa que r econheci dament e t enha
pr est ado ser vi ço ao Muni cí pi o, medi ant e decr et o l egi sl at i vo
LEI ORGÂNI CA DO MUNI CÍ PI O DE SÃO PAULO

9
apr ovado pel o vot o de, no mí ni mo 2/ 3 ( doi s t er ços) de seus
membr os;
XX - pr oceder à t omada de cont as do Pr ef ei t o por mei o de
Comi ssão Especi al quando não apr esent adas à Câmar a no pr azo e
f or ma est abel eci das na Lei ;
XXI - cr i ar , or gani zar e di sci pl i nar o f unci onament o dos
Consel hos e Comi ssões da Câmar a Muni ci pal ;
XXII - votar moção de censura pública aos secretários
municipais e aos subprefeitos em relação ao desempenho de suas
funções.
(Acrescentado pela Emenda 08/91)


SEÇÃO II
DOS VEREADORES

Art. 15 - No pr i mei r o ano de cada l egi sl at ur a, no di a 1º
de j anei r o, às 15 ( qui nze) hor as, em sessão de i nst al ação,
i ndependent e de númer o, sob a pr esi dênci a do Ver eador mai s
i doso dent r e os pr esent es, os Ver eador es pr est ar ão compr omi sso
e t omar ão posse.

§ 1º - No at o da posse os Ver eador es dever ão
desi ncompat i bi l i zar - se e, na mesma ocasi ão, bemcomo ao t ér mi no
do mandat o, dever ão f azer a decl ar ação públ i ca de seus bens, a
ser t r anscr i t a eml i vr o pr ópr i o, const ando de at a o seu r esumo,
e publ i cada no Di ár i o Of i ci al do Muni cí pi o, no pr azo máxi mo de
30 ( t r i nt a) di as.

§ 2º - O Ver eador que não t omar posse, na sessão pr evi st a
nest e ar t i go, dever á f azê- l o no pr azo de 15 ( qui nze) di as,
r essal vados os casos de mot i vo j ust o e acei t o pel a Câmar a.

Art. 16 - Os Ver eador es gozam de i nvi ol abi l i dade por suas
opi ni ões, pal avr as e vot os no exer cí ci o do mandat o, na
ci r cunscr i ção do Muni cí pi o.

Par ágr af o úni co - Os Ver eador es não ser ão obr i gados a
t est emunhar sobr e i nf or mações r ecebi das ou pr est adas em r azão
do exer cí ci o do mandat o, nem sobr e as pessoas que l hes
conf i ar amou del es r eceber ami nf or mações.

Art. 17 - O Ver eador não poder á:

I - desde a expedi ção do di pl oma:
a) f i r mar ou mant er cont r at o com ór gãos da admi ni st r ação
di r et a, aut ar qui a, empr esa públ i ca, soci edade de economi a
mi st a, f undação i nst i t uí da ou mant i da pel o Poder Públ i co, ou
empr esa concessi onár i a de ser vi ço públ i co, sal vo quando o
cont r at o obedecer à cl áusul as uni f or mes;
b) acei t ar ou exer cer car go, f unção ou empr ego r emuner ado,
i ncl usi ve os de que sej a demi ssí vel " ad nut um" , nas ent i dades
const ant es da al í nea ant er i or , r essal vado o di spost o na
Const i t ui ção da Repúbl i ca e nest a Lei ;

I I - desde a posse:
a) ser pr opr i et ár i o, cont r ol ador ou di r et or de empr esa que
goze de f avor decor r ent e de cont r at o com pessoa j ur í di ca de
di r ei t o públ i co, ou nel a exer cer f unção r emuner ada;
LEI ORGÂNI CA DO MUNI CÍ PI O DE SÃO PAULO

10
b) ocupar car go ou f unção de que sej a demi ssí vel " ad
nut um" , nas ent i dades r ef er i das no i nci so I , al í nea " a" , dest e
ar t i go, r essal vado o di spost o na Const i t ui ção da Repúbl i ca e
nest a Lei ;
c) pat r oci nar causa em que sej a i nt er essada qual quer das
ent i dades a que se r ef er e o i nci so I , al í nea " a" , dest e ar t i go;
d) ser t i t ul ar de mai s de um car go ou mandat o públ i co
el et i vo emqual quer ní vel .

Art. 18 - Per der á o mandat o o Ver eador :

I - que i nf r i ngi r qual quer das pr oi bi ções est abel eci das no
ar t i go ant er i or ;
I I - cuj o pr ocedi ment o f or decl ar ado i ncompat í vel com o
decor o par l ament ar ;
I I I - que dei xar de compar ecer , em cada sessão
l egi sl at i va, à t er ça par t e das sessões or di nár i as, sal vo
l i cenças ou mi ssão aut or i zada pel a Câmar a;
I V - que per der ou t i ver suspensos os di r ei t os pol í t i cos;
V - quando o decr et ar a J ust i ça El ei t or al ;
VI - que sof r er condenação cr i mi nal emsent ença t r ansi t ada
emj ul gado, que i mpl i que emr est r i ção à l i ber dade de l ocomoção.

§ 1º - É i ncompat í vel com o decor o par l ament ar , al ém dos
casos def i ni dos no Regi ment o I nt er no, o abuso das pr er r ogat i vas
assegur adas a membr os da Câmar a Muni ci pal ou a per cepção de
vant agens i ndevi das.

§ 2º - Nos casos dos i nci sos I , I I e VI dest e ar t i go,
acol hi da a acusação pel a mai or i a absol ut a dos Ver eador es, a
per da do mandat o ser á deci di da pel a Câmar a, por quór um de 2/ 3
( doi s t er ço) , assegur ado o di r ei t o de def esa.

§ 3º - Nos casos dos i nci sos I I I a V, a per da ser á
decl ar ada pel a Mesa, de of í ci o ou medi ant e pr ovocação de
qual quer dos membr os da Câmar a ou de par t i do pol í t i co nel a
r epr esent ado, assegur ado o di r ei t o de def esa.

§ 4º - A Câmara Municipal disporá sobre o procedimento a
ser obedecido nos processos de perda de mandato decididos pela
Câmara, e sobre aplicação de outras penalidades, assegurado o
contraditório.
(Alterado pela Emenda 15/93)

Art. 19 - A Câmar a Muni ci pal i nst i t ui r á o Códi go de Ét i ca
dos Ver eador es.

Art. 20 - O Ver eador poder á l i cenci ar - se:

I - por mot i vo de doença devi dament e compr ovada;
I I - emf ace de l i cença- gest ant e ou pat er ni dade;
I I I - par a desempenhar mi ssões t empor ár i as de i nt er esse do
Muni cí pi o;
IV – para tratar, com prejuízo dos seus vencimentos, de
interesses particulares, por prazo determinado, não superior a
120 (cento e vinte) dias por sessão legislativa, não podendo
reassumir o exercício do mandato antes do término da licença.
(Alterado pela Emenda 33/09)

LEI ORGÂNI CA DO MUNI CÍ PI O DE SÃO PAULO

11
§ 1º - Par a f i ns de r emuner ação consi der ar - se- á como em
exer cí ci o o Ver eador :

I - l i cenci ado nos t er mos dos i nci sos I e I I do " caput "
dest e ar t i go;
I I - l i cenci ado na f or ma do i nci so I I I , se a mi ssão
decor r er de expr essa desi gnação da Câmar a ou t i ver si do
pr evi ament e apr ovada pel o Pl enár i o.

§ 2º - A l i cença- gest ant e e pat er ni dade ser á concedi da
segundo os mesmos cr i t ér i os e condi ções est abel eci dos par a os
f unci onár i os públ i cos muni ci pai s.

Art. 21 - Não per der á o mandat o, consi der ando- se
aut omat i cament e l i cenci ado, o Ver eador i nvest i do na f unção de
Mi ni st r o de Est ado, Secr et ár i o de Est ado, Secr et ár i o Muni ci pal
ou chef e de mi ssão di pl omát i ca t empor ár i a, devendo opt ar pel os
venci ment os do car go ou pel a r emuner ação do mandat o.

Art. 22 - No caso de vaga, de i nvest i dur a pr evi st a no
ar t i go ant er i or ou de l i cença de Ver eador super i or a 30
( t r i nt a) di as, o Pr esi dent e convocar á i medi at ament e o supl ent e.

§ 1º - O supl ent e convocado dever á t omar posse dent r o de
15 ( qui nze) di as, sal vo mot i vo j ust o acei t o pel a Câmar a.

§ 2º - Emcaso de vaga, não havendo supl ent e, o Pr esi dent e
comuni car á o f at o, dent r o de 48 ( quar ent a e oi t o) hor as,
di r et ament e ao Tr i bunal Regi onal El ei t or al .

Art. 23 - No exer cí ci o de seu mandat o, o Ver eador t er á
l i vr e acesso às r epar t i ções públ i cas muni ci pai s, podendo
di l i genci ar pessoal ment e j unt o aos ór gãos da admi ni st r ação
di r et a e i ndi r et a, i ncl usi ve j unt o ao Tr i bunal de Cont as do
Muni cí pi o, devendo ser at endi do pel os r espect i vos r esponsávei s,
na f or ma da Lei .


SEÇÃO III
DA MESA DA CÂMARA

Art. 24 - I medi at ament e após a posse, os Ver eador es
r euni r - se- ão sob a pr esi dênci a do mai s i doso dos pr esent es e,
havendo mai or i a absol ut a dos membr os da Câmar a, el eger ão os
component es da Mesa, que f i car ão aut omat i cament e empossados.

Par ágr af o úni co - Não havendo númer o l egal , o Ver eador
mai s i doso dent r e os pr esent es per manecer á na Pr esi dênci a e
convocar á sessões di ár i as, at é que sej a el ei t a a Mesa.

Art. 25 - A el ei ção par a r enovação da Mesa r eal i zar - se- á
no di a 15 de dezembr o e a posse dos el ei t os dar - se- á no di a 1º
de j anei r o do ano subsequent e.

Par ágr af o úni co - O Regi ment o I nt er no di spor á sobr e a
el ei ção e as at r i bui ções dos membr os da Mesa, que ser á compost a
por 5 ( ci nco) membr os t i t ul ar es e 2 ( doi s) supl ent es.

LEI ORGÂNI CA DO MUNI CÍ PI O DE SÃO PAULO

12
Art. 26 - O mandat o da Mesa ser á de 1 ( um) ano, per mi t i da
uma r eel ei ção.

Par ágr af o úni co - Pel o vot o de 2/ 3 ( doi s t er ços) dos
membr os da Câmar a, qual quer component e da Mesa poder á ser
dest i t uí do, quando negl i gent e ou omi sso no desempenho de suas
at r i bui ções r egi ment ai s, el egendo- se out r o Ver eador par a
compl et ar o mandat o.

Art. 27 - À Mesa, dent r e out r as at r i bui ções compet e:

I - t omar a i ni ci at i va nas mat ér i as a que se r ef er e o
i nci so I I I do ar t . 14, nos t er mos do Regi ment o I nt er no;
I I - supl ement ar , medi ant e at o, as dot ações do or çament o
da Câmar a, obser vado o l i mi t e da aut or i zação const ant e da Lei
Or çament ár i a, desde que sej ampr oveni ent es de anul ação t ot al ou
par ci al de suas dot ações or çament ár i as;
I I I - apr esent ar pr oj et os de l ei di spondo sobr e aber t ur a
de cr édi t os supl ement ar es ou especi ai s, at r avés de anul ação
par ci al ou t ot al da dot ação da Câmar a;
I V - devol ver à Tesour ar i a da Pr ef ei t ur a o sal do de cai xa
exi st ent e na Câmar a no f i nal do exer cí ci o;
V - envi ar ao Tr i bunal de Cont as do Muni cí pi o, at é o di a
31 de mar ço, as cont as do exer cí ci o ant er i or ;
VI - nomear , pr omover , comi ssi onar , conceder gr at i f i cação
e l i cenças, pôr em di sponi bi l i dade, exoner ar , demi t i r ,
aposent ar e puni r ser vi dor es da Câmar a Muni ci pal , nos t er mos da
Lei ;
VI I - decl ar ar a per da do mandat o de Ver eador na f or ma do
§ 3º do ar t . 18 dest a Lei ;
VI I I - i nst al ar na f or ma do Regi ment o I nt er no, Tr i buna
Popul ar , onde r epr esent ant es de ent i dades e movi ment os da
soci edade ci vi l , i nscr i t os pr evi ament e, debat er ão com os
Ver eador es quest ões de i nt er esse do Muni cí pi o.

Art. 28 - Ressal vados os pr oj et os de l ei de i ni ci at i va
pr i vat i va, a mat ér i a const ant e de pr oj et o de l ei r ej ei t ado
soment e poder á ser r eapr esent ada, na mesma sessão l egi sl at i va,
medi ant e pr opost a da mai or i a absol ut a dos membr os da Câmar a
Muni ci pal .



SEÇÃO IV
DAS SESSÕES

Art. 29 - A Câmar a Muni ci pal r euni r - se- á anual ment e emsua
sede, emsessão l egi sl at i va or di nár i a, de 1º de f ever ei r o a 30
de j unho, e de 1º de agost o a 15 de dezembr o.

§ 1º - A sessão l egi sl at i va or di nár i a não ser á
i nt er r ompi da sema apr ovação dos pr oj et os de l ei s de di r et r i zes
or çament ár i as e do or çament o.

§ 2º - A Câmar a se r euni r á em sessões or di nár i as,
ext r aor di nár i as ou sol enes, conf or me di spuser o seu Regi ment o
I nt er no.

LEI ORGÂNI CA DO MUNI CÍ PI O DE SÃO PAULO

13
§ 3º - As sessões ext r aor di nár i as ser ão convocadas, na
f or ma r egi ment al , em sessão ou f or a del a, e, nest e caso,
medi ant e comuni cação pessoal e escr i t a aos Ver eador es, pel o
Pr esi dent e da Câmar a, com ant ecedênci a mí ni ma de 24 ( vi nt e e
quat r o) hor as.

§ 4º - As sessões ext r aor di nár i as e sol enes não ser ão, em
hi pót ese al guma, r emuner adas.

Art. 30 - As sessões da Câmar a ser ão públ i cas, sal vo
del i ber ação em cont r ár i o, t omada por 2/ 3 ( doi s t er ços) de seus
membr os, quando ocor r er mot i vo r el evant e.

Art. 31 - No per í odo de r ecesso, a Câmar a poder á ser
ext r aor di nar i ament e convocada:

I - pel o Pr ef ei t o;
I I - pel a mai or i a absol ut a dos Ver eador es.

§ 1º - A convocação ser á f ei t a medi ant e of í ci o ao
Pr esi dent e da Câmar a, par a r euni r - se, no mí ni mo, dent r o de 2
( doi s) di as.

§ 2º - Dur ant e a sessão l egi sl at i va ext r aor di nár i a, a
Câmar a del i ber ar á excl usi vament e sobr e a mat ér i a par a a qual
f oi convocada.


SEÇÃO V
DAS COMI SSÕES

Art. 32 - A Câmar a t er á Comi ssões per manent es e
t empor ár i as, const i t uí das na f or ma e com as at r i bui ções
pr evi st as no r espect i vo Regi ment o ou no at o de que r esul t ar a
sua cr i ação.

§ 1º - Em cada Comi ssão ser á assegur ada, t ant o quant o
possí vel , a r epr esent ação pr opor ci onal dos par t i dos que
par t i ci pamda Câmar a.

§ 2º - Às Comi ssões, em r azão da mat ér i a de sua
compet ênci a, cabe:

I - est udar pr oposi ções submet i das ao seu exame, na f or ma
do Regi ment o;
I I - f i scal i zar , i ncl usi ve ef et uando di l i gênci as,
vi st or i as e l evant ament os " i n l oco" , os at os da admi ni st r ação
di r et a e i ndi r et a, nos t er mos da l egi sl ação per t i nent e, em
especi al par a ver i f i car a r egul ar i dade, a ef i ci ênci a e a
ef i cáci a dos seus ór gãos no cumpr i ment o dos obj et i vos
i nst i t uci onai s, r ecor r endo ao auxí l i o do Tr i bunal de Cont as,
sempr e que necessár i o;
I I I - sol i ci t ar ao Pr ef ei t o i nf or mações sobr e assunt os
i ner ent es à admi ni st r ação;
I V - convocar os Secr et ár i os Muni ci pai s, os r esponsávei s
pel a admi ni st r ação di r ei t a e i ndi r et a e os Conselheiros do
Tribunal de Contas para prestar informações sobre assuntos
inerentes às suas atribuições;
LEI ORGÂNI CA DO MUNI CÍ PI O DE SÃO PAULO

14
(Ação Direta de Inconstitucionalidade 11.754-0/6 - O
Tribunal de Justiça julgou procedente em parte a demanda para o
fim de declarar a inconstitucionalidade do final do inciso IV
do parágrafo 2º, do art. 32, a partir de "e os Conselheiros do
Tribunal de Contas para prestar informações sobre assuntos
inerentes às suas atribuições".)

V - acompanhar , j unt o ao Execut i vo, os at os de
r egul ament ação, vel ando por sua compl et a adequação;
VI - acompanhar , j unt o ao Execut i vo, a el abor ação da
pr opost a or çament ár i a, bemcomo a sua post er i or execução;
VI I - di scut i r e vot ar pr oj et o de l ei que di spensar , na
f or ma do Regi ment o, a compet ênci a do Pl enár i o, sal vo com
r ecur so de 1/ 10 ( umdéci mo) dos membr os da Casa;
VI I I - r eal i zar audi ênci as públ i cas;
I X - sol i ci t ar i nf or mações ou depoi ment os de aut or i dade ou
ci dadãos;
X - r eceber pet i ções, r ecl amações, r epr esent ações ou
quei xas de associ ações e ent i dades comuni t ár i as ou de qual quer
pessoa cont r a at os e omi ssões de aut or i dades muni ci pai s ou
ent i dades públ i cas;
XI - apr eci ar pr ogr amas de obr as, pl anos r egi onai s e
set or i ai s de desenvol vi ment o e sobr e el es emi t i r par ecer ;
XI I - r equi si t ar , dos r esponsávei s, a exi bi ção de
document os e a pr est ação dos escl ar eci ment os necessár i os;
XI I I - sol i ci t ar ao Pr esi dent e do Tr i bunal de Cont as
i nf or mações sobr e assunt os i ner ent es à at uação admi ni st r at i va
desse ór gão.

§ 3º - As Comi ssões per manent es dever ão, na f or ma
est abel eci da pel o Regi ment o I nt er no, r euni r - se em audi ênci a
públ i ca especi al ment e par a ouvi r r epr esent ant es de ent i dades
l egal ment e const i t uí das, ou r epr esent ant es de no mí ni mo 1. 500
( um mi l e qui nhent os) el ei t or es do Muni cí pi o que subscr evam
r equer i ment o sobr e assunt o de i nt er esse públ i co, sempr e que
essas ent i dades ou el ei t or es o r equer er em.

§ 4º - A Câmara Municipal de São Paulo deverá criar uma
Comissão Permanente voltada especificamente para o exercício da
fiscalização e do controle dos atos do Poder Executivo,
incluídos os da Administração Indireta, sem prejuízo das
competências constitucionais atribuídas ao Plenário da Câmara e
ao Tribunal de Contas do Município.
(Acrescentado pela Emenda 29/07)

Art. 33 - As Comi ssões Par l ament ar es de I nquér i t o t er ão
poder es de i nvest i gação pr ópr i os das aut or i dades j udi ci ai s,
al ém de out r os pr evi st os no Regi ment o I nt er no, em mat ér i a de
i nt er esse do Muni cí pi o, e ser ão cr i adas pel a Câmar a, medi ant e
r equer i ment o de 1/ 3 ( um t er ço) de seus membr os, aprovados por
maioria absoluta, par a apur ação de f at o det er mi nado, em pr azo
cer t o, adequado à consecução dos seus f i ns, sendo suas
concl usões, se f or o caso, encami nhadas ao Mi ni st ér i o Públ i co,
par a que pr omova a r esponsabi l i dade ci vi l ou cr i mi nal dos
i nf r at or es.
(Ação Direta de Inconstitucionalidade 055.218.0/2 - O
Tribunal de Justiça julgou procedente a demanda, decretando a
inconstitucionalidade da expressão "aprovados por maioria
absoluta", constante do art. 33.)
LEI ORGÂNI CA DO MUNI CÍ PI O DE SÃO PAULO

15

§ 1º - As Comi ssões Par l ament ar es de I nquér i t o, no
i nt er esse da i nvest i gação, al ém das at r i bui ções pr evi st as nos
i nci sos I I , I V, I X e XI I do § 2º do ar t . 32 e daquel as
pr evi st as no Regi ment o I nt er no, poder ão:

I - t omar depoi ment o de aut or i dade muni ci pal , i nt i mar
t est emunhas e i nqui r í - l as sob compr omi sso, nos t er mos dest a
Lei ;
I I - pr oceder as ver i f i cações cont ábei s em l i vr os, papéi s
e document os de ór gãos da admi ni st r ação di r et a, i ndi r et a e
f undaci onal .

§ 2º - O Regi ment o I nt er no pr ever á o modo de f unci onament o
das Comi ssões Par l ament ar es de I nquér i t o.


SEÇÃO VI
DO PROCESSO LEGI SLATI VO

Art. 34 - O Pr ocesso Legi sl at i vo compr eende a el abor ação
de:

I - emendas à Lei Or gâni ca;
I I - l ei s;
I I I - decr et os l egi sl at i vos;
I V - r esol uções.

Art. 35 - As deliberações da Câmara Municipal e das suas
Comissões se darão sempre por voto aberto.
(Alterado pela Emenda 19/01)


Art. 36 - A Lei Or gâni ca poder á ser emendada medi ant e
pr opost a:

I - de 1/ 3 ( um t er ço) , no mí ni mo, dos membr os da Câmar a
Muni ci pal ;
I I - do Pr ef ei t o;
I I I - de ci dadãos, medi ant e i ni ci at i va popul ar assi nada
por , no mí ni mo 5%( ci nco por cent o) dos el ei t or es do Muni cí pi o.

§ 1º - A Lei Or gâni ca não poder á ser emendada na vi gênci a
de est ado de def esa, est ado de sí t i o ou i nt er venção.

§ 2º - A proposta será discutida e votada em 2 (dois)
turnos, considerando-se aprovada quando obtiver, em ambas as
votações, o voto favorável de 2/3 (dois terços) dos membros da
Câmara Municipal, com um intervalo mínimo de 48 (quarenta e
oito) horas entre um turno e outro obrigatoriamente.
(Alterado pela Emenda 14/93)

§ 3º - A emenda apr ovada ser á pr omul gada pel a Mesa da
Câmar a Muni ci pal , como r espect i vo númer o de or dem.

§ 4º - A mat ér i a const ant e de emenda r ej ei t ada ou havi da
por pr ej udi cada não poder á ser obj et o de nova pr opost a na mesma
sessão l egi sl at i va.

LEI ORGÂNI CA DO MUNI CÍ PI O DE SÃO PAULO

16
Art. 37 - A i ni ci at i va das l ei s cabe a qual quer membr o ou
Comi ssão per manent e da Câmar a Muni ci pal , ao Pr ef ei t o e aos
ci dadãos, na f or ma e nos casos pr evi st os nest a Lei Or gâni ca.

§ 1º - Compet e excl usi vament e à Câmar a Muni ci pal a
i ni ci at i va das l ei s que di sponham sobr e os Consel hos de
Repr esent ant es, pr evi st os na seção VI I I dest e capí t ul o.

§ 2º - São de i ni ci at i va pr i vat i va do Pr ef ei t o as l ei s que
di sponhamsobr e:

I - cr i ação, ext i nção ou t r ansf or mação de car gos, f unções
ou empr egos públ i cos na admi ni st r ação di r et a, aut ár qui ca e
f undaci onal ;
I I - f i xação ou aument o de r emuner ação dos ser vi dor es;
I I I - ser vi dor es públ i cos, muni ci pai s, seu r egi me
j ur í di co, pr ovi ment o de car gos, est abi l i dade e aposent ador i a;
IV - organização administrativa e matéria orçamentária;
(Alterado pela Emenda 28/06)
V - desaf et ação, aqui si ção, al i enação e concessão de bens
i móvei s muni ci pai s.

Art. 38 - O Pr ef ei t o poder á sol i ci t ar que os pr oj et os de
sua i ni ci at i va t r ami t ememr egi me de ur gênci a.

§ 1º - Se a Câmar a Muni ci pal não del i ber ar em at é 30
( t r i nt a) di as, o pr oj et o ser á i ncl uí do na Or dem do Di a,
sobr est ando- se a del i ber ação quant o aos demai s assunt os, at é
que se ul t i me a vot ação.

§ 2º - Os pr azos do par ágr af o ant er i or não cor r em nos
per í odos de r ecesso, nemse apl i camaos pr oj et os de códi go.

Art. 39 - O Regi ment o I nt er no da Câmar a Muni ci pal
di sci pl i nar á os casos de decr et o l egi sl at i vo e de r esol ução.

Art. 40 - A di scussão e vot ação de mat ér i a const ant e da
Or dem do Di a só poder á ser ef et uada com a pr esença da mai or i a
absol ut a dos membr os da Câmar a.

§ 1º - A apr ovação da mat ér i a em di scussão, sal vo as
exceções pr evi st as nest a Lei Or gâni ca, depender á do vot o
f avor ável da mai or i a dos Ver eador es pr esent es à sessão.

§ 2º - Os pr oj et os de l ei e a apr ovação e al t er ação do
Regi ment o I nt er no ser ão apr eci adas em 2 ( doi s) t ur nos de
di scussão e vot ação.

§ 3º - Depender ão do vot o f avor ável da mai or i a absol ut a
dos membr os da Câmar a a apr ovação e as al t er ações das segui nt es
mat ér i as:

I - mat ér i a t r i but ár i a;
I I - Códi go de Obr as e Edi f i cações e out r os Códi gos;
I I I - Est at ut o dos Ser vi dor es Muni ci pai s;
I V - cr i ação de car gos, f unções e empr egos da
admi ni st r ação di r et a, aut ár qui ca e f undaci onal , bem como sua
r emuner ação;
V - concessão de ser vi ço públ i co;
LEI ORGÂNI CA DO MUNI CÍ PI O DE SÃO PAULO

17
VI - concessão de di r ei t o r eal de uso;
VI I - al i enação de bens i móvei s;
VI I I - aut or i zação par a obt enção de empr ést i mo de
par t i cul ar , i ncl usi ve par a as aut ar qui as, f undações e demai s
ent i dades cont r ol adas pel o Poder Públ i co;
I X - l ei de di r et r i zes or çament ár i as, pl ano pl ur i anual e
l ei or çament ár i a anual ;
X - aqui si ção de bens i móvei s por doação comencar go;
XI - cr i ação, or gani zação e supr essão de di st r i t os e
subdi st r i t os, e di vi são do t er r i t ór i o do Muni cí pi o em ár eas
admi ni st r at i vas;
XI I - cr i ação, est r ut ur ação e at r i bui ção das Secr et ar i as,
Subpr ef ei t ur as, Consel hos de Repr esent ant es e dos ór gãos da
Admi ni st r ação Públ i ca;
XI I I - r eal i zação de oper ações de cr édi t o par a aber t ur a de
cr édi t os adi ci onai s, supl ement ar es ou especi ai s com f i nal i dade
pr eci sa;
XI V - r ej ei ção de vet o;
XV - Regi ment o I nt er no da Câmar a Muni ci pal ;
XVI - al t er ação de denomi nação de pr ópr i os, vi as e
l ogr adour os públ i cos;
XVI I - i senções de i mpost os muni ci pai s;
XVI I I - t odo e qual quer t i po de ani st i a;
XIX - concessão administrativa de uso.
(Acrescentado pela Emenda 11/91)

§ 4º - Depender ão do vot o f avor ável de 3/ 5 ( t r ês qui nt os)
dos membr os da Câmar a as segui nt es mat ér i as:

I - zoneament o ur bano;
I I - Pl ano Di r et or ;
III - Zoneamento geo-ambiental.
(Acrescentado pela Emenda 20/01)

§ 5º - Depender ão do vot o f avor ável de 2/ 3 ( doi s t er ços)
dos membr os da Câmar a a apr ovação e al t er ações das segui nt es
mat ér i as:

I - r ej ei ção do par ecer pr évi o do Tr i bunal de Cont as,
r ef er i do no ar t . 48, i nci so I ;
I I - dest i t ui ção dos membr os da Mesa;
I I I - emendas à Lei Or gâni ca;
I V - concessão de t í t ul o de ci dadão honor ár i o ou qual quer
out r a honr ar i a ou homenagem;
V - moção de censura pública aos secretários e
subprefeitos referida no inciso XXII do art. 14.
(Acrescentado pela Emenda 08/91)

Art. 41 - A Câmar a Muni ci pal , at r avés de suas Comi ssões
Per manent es, na f or ma r egi ment al e medi ant e pr évi a e ampl a
publ i ci dade, convocar á obr i gat or i ament e pel o menos 2 ( duas)
audi ênci as públ i cas dur ant e a t r ami t ação de pr oj et os de l ei s
que ver semsobr e:

I - Pl ano Di r et or ;
I I - pl ano pl ur i anual ;
I I I - di r et r i zes or çament ár i as;
I V - or çament o;
V - mat ér i a t r i but ár i a;
LEI ORGÂNI CA DO MUNI CÍ PI O DE SÃO PAULO

18
VI - zoneament o ur bano, geo- ambi ent al e uso e ocupação do
sol o;
VI I - Códi go de Obr as e Edi f i cações;
VI I I - pol í t i ca muni ci pal de mei o- ambi ent e;
I X - pl ano muni ci pal de saneament o;
X - si st ema de vi gi l ânci a sani t ár i a, epi demi ol ógi ca e de
saúde do t r abal hador .
XI – atenção relativa à Criança, ao Adolescente e ao
Jovem.
(Acrescentado pela Emenda 17/94 e alterado pela Emenda
37/13)

§ 1º - A Câmar a poder á convocar uma só audi ênci a
engl obando doi s ou mai s pr oj et os de l ei s r el at i vos à mesma
mat ér i a.

§ 2º - Ser ão r eal i zadas audi ênci as públ i cas dur ant e a
t r ami t ação de out r os pr oj et os de l ei s medi ant e r equer i ment o de
0, 1%( umdéci mo por cent o) de el ei t or es do Muni cí pi o.

Art. 42 - Apr ovado o pr oj et o de l ei , na f or ma r egi ment al ,
ser á envi ado ao Pr ef ei t o que, aqui escendo, o sanci onar á e
pr omul gar á.

§ 1º - Se o Pr ef ei t o j ul gar o pr oj et o, no t odo ou em
par t e, i nconst i t uci onal ou cont r ár i o ao i nt er esse públ i co,
vet a- l o- á t ot al ou par ci al ment e, no pr azo de 15 ( qui nze) di as
út ei s cont ados da dat a do r ecebi ment o, e comuni car á, dent r o de
48 ( quar ent a e oi t o) hor as, ao Pr esi dent e da Câmar a Muni ci pal
os mot i vos do vet o.

§ 2º - Sendo negada a sanção, as r azões do vet o ser ão
comuni cadas ao Pr esi dent e da Câmar a Muni ci pal e publ i cadas.

§ 3º - Decor r i do o pr azo de 15 ( qui nze) di as, sema sanção
do Pr ef ei t o, obser var - se- á o di spost o no § 7º dest e ar t i go.

§ 4º - Esgot ado, sem del i ber ação, o pr azo est abel eci do no
par ágr af o ant er i or , o vet o ser á i ncl uí do na Or dem do Di a da
sessão i medi at a, sobr est adas as demai s pr oposi ções, at é sua
vot ação f i nal .

§ 5º - A Câmar a Muni ci pal del i ber ar á sobr e o vet o, em um
úni co t ur no de vot ação e di scussão, no pr azo de 30 ( t r i nt a)
di as de seu r ecebi ment o, só podendo ser r ej ei t ado pel o vot o da
mai or i a absol ut a dos ver eador es.

§ 6º - Se o vet o não f or mant i do, ser á o pr oj et o envi ado
ao Pr ef ei t o par a, em48 ( quar ent a e oi t o) hor as, pr omul gá- l o.

§ 7º - Se a l ei não f or pr omul gada pel o Pr ef ei t o, nos
casos dos §§ 3º e 5º, o Pr esi dent e da Câmar a Muni ci pal a
pr omul gar á e, se est e não o f i zer em i gual pr azo, caber á aos
demai s membr os da Mesa, nas mesmas condi ções, f azê- l o,
obser vada a pr ecedênci a dos car gos.

Art. 43 - O pr oj et o de l ei que r eceber par ecer cont r ár i o,
quant o ao mér i t o, de t odas as Comi ssões, ser á t i do como
LEI ORGÂNI CA DO MUNI CÍ PI O DE SÃO PAULO

19
r ej ei t ado, sal vo com r ecur so par a o Pl enár i o, nos t er mos do
Regi ment o I nt er no.

Art. 44 - A i ni ci at i va dos ci dadãos pr evi st a nos ar t s. 5º,
36 e 37 dest a Lei , ser á exer ci da obedeci dos os segui nt es
pr ecei t os:

I - par a pr oj et os de emendas à Lei Or gâni ca e de l ei de
i nt er esse especí f i co do Muni cí pi o, da ci dade ou de bai r r os,
ser á necessár i a a mani f est ação de pel o menos 5% ( ci nco por
cent o) do el ei t or ado;
I I - par a r equer er à Câmar a Muni ci pal a r eal i zação do
pl ebi sci t o sobr e quest ões de r el evant e i nt er esse do Muni cí pi o,
da ci dade ou de bai r r os, bem como par a a r eal i zação de
r ef er endo sobr e l ei , ser á necessár i a a mani f est ação de pel o
menos 1%( umpor cent o) do el ei t or ado.

§ 1º - O Regi ment o I nt er no da Câmar a Muni ci pal assegur ar á
t r ami t ação especi al e ur gent e às pr oposi t ur as pr evi st as nos
i nci sos I e I I dest e ar t i go, gar ant i ndo a def esa or al a
r epr esent ant e dos seus r espect i vos r esponsávei s.

§ 2º - A Câmar a emi t i r á par ecer sobr e o Requer i ment o de
que t r at a o i nci so I I dest e ar t i go e encami nhar á, numpr azo não
super i or a 30 ( t r i nt a) di as, o pedi do de r eal i zação do
pl ebi sci t o ou do r ef er endo ao Tr i bunal Regi onal El ei t or al ,
assegur ada a di vul gação dos ar gument os f avor ávei s e cont r ár i os
à l ei ou à pr opost a a ser submet i da à consul t a popul ar .

Art. 45 - As questões relevantes aos destinos do Município
poderão ser submetidas a plebiscito ou referendo por proposta
do Executivo, por 1/3 (um terço) dos vereadores ou por pelo
menos 2% (dois por cento) do eleitorado, decidido pelo Plenário
da Câmara Municipal.
(Alterado pela Emenda 24/01)

Art. 46 - A legislação referente ao Plano Diretor e ao
zoneamento urbano, poderá ser alterada uma vez por ano,
observado o disposto no art. 41 desta Lei.

§ 1º - Para os efeitos do presente artigo será considerado
o ano em que a lei tenha sido aprovada pela Câmara Municipal.

§ 2º - Ficam excluídas do disposto no "caput" deste artigo
as alterações constantes de leis específicas que atendam às
seguintes condições:

a) sejam aprovadas com o quorum estabelecido para a
alteração da Lei Orgânica do Município; e
b) contenham dispositivo que autorize a exclusão do
previsto no "caput" deste artigo."
(Alterado pela Emenda 18/95)





SEÇÃO VII
DA FI SCALI ZAÇÃO CONTÁBI L, FI NANCEI RA
LEI ORGÂNI CA DO MUNI CÍ PI O DE SÃO PAULO

20
E ORÇAMENTÁRI A

Art. 47 - A f i scal i zação cont ábi l , f i nancei r a,
or çament ár i a, oper aci onal e pat r i moni al do Muni cí pi o e das
ent i dades da admi ni st r ação di r et a e i ndi r et a, quant o à
l egal i dade, l egi t i mi dade, economi ci dade, apl i cação das
subvenções e r enúnci a de r ecei t as, ser á exer ci da pel a Câmar a
Muni ci pal , medi ant e cont r ol e ext er no e pel o si st ema de cont r ol e
i nt er no dos Poder es Execut i vo e Legi sl at i vo.

§ 1º - Pr est ar á cont as qual quer pessoa f í si ca ou j ur í di ca,
de di r ei t o públ i co ou de di r ei t o pr i vado, que ut i l i ze,
ar r ecade, guar de, ger enci e ou admi ni st r e di nhei r o, bens e
val or es públ i cos ou pel as quai s o Muni cí pi o r esponda, ou que,
emnome dest e, assuma obr i gações de nat ur eza pecuni ár i a.

§ 2º - As contas do Município ficarão disponíveis,
inclusive por meios eletrônicos, durante todo o exercício, na
Câmara Municipal e no órgão técnico responsável pela sua
elaboração, para consulta e apreciação pelos cidadãos e
instituições da sociedade, os quais poderão questionar-lhe a
legitimidade, nos termos da lei.
(Alterado pela Emenda 24/01)

Art. 48 - O cont r ol e ext er no, a car go da Câmar a Muni ci pal ,
ser á exer ci do como auxí l i o do Tr i bunal de Cont as do Muni cí pi o
de São Paul o, ao qual compet e:

I - apreciar contas prestadas anualmente pelo Prefeito,
pela Mesa da Câmara e pelo próprio Tribunal, que serão
apresentadas obrigatoriamente até 31 de março de cada
exercício, mediante parecer prévio informativo, que deverá ser
elaborado e enviado à Câmara Municipal no prazo máximo de 120
(cento e vinte) dias, contados da data de seu recebimento, já
incluídos nesse prazo eventuais diligências e apreciação
definitiva de recursos administrativos.
(Alterado pela Emenda 29/07)

II - apreciar, através de parecer, as contas dos
administradores e demais responsáveis por dinheiro, bens e
valores públicos, da administração direta, autarquias, empresas
públicas e sociedades de economia mista, incluídas as fundações
instituídas ou mantidas pelo Poder Público Municipal, e as
contas daqueles que derem causa a perda, extravio ou outra
irregularidade de que resulte prejuízo ao erário;
I I I - apr eci ar , par a f i ns de r egi st r o, a l egal i dade dos
at os de admi ssão de pessoal , a qual quer t í t ul o, na
admi ni st r ação di r et a e i ndi r et a, excet uadas as nomeações par a
car go de pr ovi ment o em comi ssão, bem como a das concessões de
aposent ador i as e pensões, r essal vadas as mel hor i as post er i or es
que não al t er emo f undament o l egal do at o concessór i o;
I V - r eal i zar , nas uni dades admi ni st r at i vas dos Poder es
Legi sl at i vo e Execut i vo e nas demai s ent i dades r ef er i das no
i nci so I I , i nspeções e audi t or i as de nat ur eza cont ábi l ,
f i nancei r a, or çament ár i a, oper aci onal e pat r i moni al , por
i ni ci at i va pr ópr i a e, ai nda, quando f or emsol i ci t adas;
a) pel a Câmar a Muni ci pal , por qual quer de suas Comi ssões;
b) por ci dadãos que subscr ever em r equer i ment o de pel o
menos 1%( umpor cent o) do el ei t or ado do Muni cí pi o;
LEI ORGÂNI CA DO MUNI CÍ PI O DE SÃO PAULO

21
V - f i scal i zar a apl i cação de r ecur sos de qual quer
nat ur eza, r epassados ao Muni cí pi o, pel a Uni ão, pel o Est ado, ou
qual quer out r a ent i dade, medi ant e convêni o, acor do, aj ust e e
out r os i nst r ument os congêner es;
VI - mani f est ar - se, no pr azo de 30 ( t r i nt a) di as, sobr e os
empr ést i mos a ser em cont r aí dos pel o Muni cí pi o quando f or
sol i ci t ado pel a Câmar a Muni ci pal ;
VI I - pr est ar i nf or mações sol i ci t adas pel a Câmar a
Muni ci pal por suas Comi ssões ou l i der anças par t i dár i as, sobr e a
f i scal i zação cont ábi l , f i nancei r a, or çament ár i a, oper aci onal e
pat r i moni al e sobr e os r esul t ados de audi t or i as e i nspeções que
t enhamsi do r eal i zadas;
VI I I - apl i car aos r esponsávei s as sanções pr evi st as em
l ei , em caso de i l egal i dade de pr ocedi ment o no que t ange às
r ecei t as, despesas ou i r r egul ar i dades das cont as;
I X - assi nal ar pr azo par a que o ór gão ou ent i dade adot e as
pr ovi dênci as necessár i as ao exat o cumpr i ment o da l ei , sob pena
de i nci di r nas sanções l egai s cabí vei s pel a desobedi ênci a.
X - sust ar , se não at endi do, a execução do at o i mpugnado,
comuni cando a deci são à Câmar a Muni ci pal , empr azo não super i or
a 15 ( qui nze) di as, r essal vado o di spost o no § 1º, dest e
ar t i go;
XI - r epr esent ar ao Poder compet ent e sobr e i r r egul ar i dades
ou abusos apur ados;
XII - encaminhar ao legislativo sugestão de criação,
transformação e extinção de cargos, empregos e funções do
Quadro de Pessoal do Tribunal, bem como a fixação da respectiva
remuneração, observados os níveis de remuneração dos servidores
da Câmara Municipal.
(Ação Direta de Inconstitucionalidade 11.754-0/6 - O
Tribunal de Justiça julgou procedente em parte a demanda para o
fim de declarar a inconstitucionalidade dos incisos II e XII do
art. 48.)

§ 1º - No caso de cont r at o, o at o de sust ação ser á adot ado
di r et ament e pel a Câmar a Muni ci pal que sol i ci t ar á, de i medi at o,
ao Poder Execut i vo, as medi das cabí vei s.

§ 2º - Par a ef ei t o da apr eci ação pr evi st a no i nci so I I , as
ent i dades nel e r ef er i das dever ão encami nhar ao Tr i bunal os seus
bal anços e demai s demonst r at i vos at é 5 ( ci nco) meses segui nt es
ao t ér mi no do exer cí ci o f i nancei r o.

§ 3º - Par a os f i ns pr evi st os no i nci so I I I , os ór gãos e
ent i dades nel e r ef er i dos encami nhar ão ao Tr i bunal de Cont as,
semest r al ment e, seus quadr os ger ai s de pessoal , bem como as
al t er ações havi das, no pr azo máxi mo de 30 ( t r i nt a) di as a
cont ar da dat a emque as mesmas ocor r er em.

§ 4º - As deci sões do Tr i bunal de que r esul t em i mput ação
de débi t o ou mul t a t er ão ef i cáci a de t í t ul o execut i vo.

§ 5º - O Tr i bunal encami nhar á à Câmar a Muni ci pal r el at ór i o
de suas at i vi dades, t r i mest r al ment e e, anual ment e, as suas
cont as par a j ul gament o.

§ 6º - Decorrido o prazo de 120 (cento e vinte) dias,
contados da data do recebimento do parecer prévio do Tribunal,
sem que tenha havido deliberação, as contas referidas no inciso
LEI ORGÂNI CA DO MUNI CÍ PI O DE SÃO PAULO

22
I serão incluídas na Ordem do Dia, sobrestando-se a deliberação
quanto aos demais assuntos, até que se ultime a votação.
(Alterado pela Emenda 29/07)

Art. 49 - O Tr i bunal de Cont as, ór gão de auxí l i o da Câmar a
Muni ci pal , i nt egr ado por 5 ( ci nco) consel hei r os, t em sede no
Muni cí pi o de São Paul o e quadr o pr ópr i o de pessoal , exer cendo
as at r i bui ções pr evi st as na Const i t ui ção da Repúbl i ca, no que
couber , e nest a Lei , emt odo o Muni cí pi o.

Par ágr af o úni co - Os Consel hei r os do Tr i bunal de Cont as do
Muni cí pi o de São Paul o ser ão nomeados dent r e br asi l ei r os que
sat i sf açamos segui nt es r equi si t os:

I - mai s de 35 ( t r i nt a e ci nco) e menos de 65 ( sessent a e
ci nco) anos de i dade;
I I - i donei dade mor al e r eput ação i l i bada;
I I I - not ór i os conheci ment os j ur í di cos, cont ábei s,
econômi cos e f i nancei r os ou de admi ni st r ação públ i ca;
I V - mai s de 10 ( dez) anos de exer cí ci o de f unção ou de
f or mação pr of i ssi onal que exi j a os conheci ment os menci onados no
i nci so ant er i or .
V – não incidam nos casos de inelegibilidade, nos termos
da legislação federal.
(Acrescentado pela Emenda 35/12)

Art. 50 - Os Consel hei r os do Tr i bunal de Cont as ser ão
escol hi dos, obedeci das as segui nt es condi ções:

I - 2 ( doi s) pel o Pr ef ei t o, com apr ovação da Câmar a
Muni ci pal ;
I I - 3 ( t r ês) pel a Câmar a Muni ci pal .

§ 1º - Ocor r endo vaga par a Consel hei r o, a i ndi cação dever á
ser f ei t a no pr azo de at é 15 ( qui nze) di as, del i ber ando a
Câmar a Muni ci pal pel a apr ovação ou não do nome i ndi cado, no
pr azo de 30 ( t r i nt a) di as.

§ 2º - A subst i t ui ção dos Consel hei r os, em suas f al t as e
i mpedi ment os, ser á def i ni da por l ei .

§ 3º - Os Consel hei r os do Tr i bunal de Cont as do Muni cí pi o
f ar ão decl ar ação de bens, no at o da posse e no t ér mi no do
exer cí ci o do car go.

Art. 51 - A Câmara Municipal exercerá a fiscalização sobre
os atos internos do Tribunal de Contas do Município podendo, a
qualquer momento, por deliberação de seu Plenário, realizar
auditorias, inspeções ou quaisquer medidas que considere
necessárias.
(Ação Direta de Inconstitucionalidade 11.754-0/6 - O
Tribunal de Justiça julgou procedente em parte a demanda para o
fim de declarar a inconstitucionalidade do art. 51.)

Art. 52 - A Câmar a Muni ci pal , por suas Comi ssões
Per manent es, di ant e de despesas não aut or i zadas, ai nda que sob
a f or ma de i nvest i ment os não pr ogr amados ou subsí di os não
apr ovados, poder á sol i ci t ar à aut or i dade muni ci pal r esponsável
LEI ORGÂNI CA DO MUNI CÍ PI O DE SÃO PAULO

23
que, no pr azo de 5 ( ci nco) di as, pr est e os escl ar eci ment os
necessár i os.

§ 1º - Não pr est ados os escl ar eci ment os, ou consi der ados
i nsuf i ci ent es, sol i ci t ar á ao Tr i bunal par ecer sobr e a mat ér i a,
no pr azo de 30 ( t r i nt a) di as.

§ 2º - Ent endendo o Tr i bunal i r r egul ar a despesa, as
Comi ssões Per manent es, se j ul gar em que o gast o possa causar
dano i r r epar ável ou gr ave l esão à economi a públ i ca, pr opor ão à
Câmar a sua sust ação.

Art. 53 - Os Poder es Execut i vo e Legi sl at i vo mant er ão, de
f or ma i nt egr ada, si st ema de cont r ol e i nt er no, com a f i nal i dade
de:

I - aval i ar o adequado cumpr i ment o das met as pr evi st as no
pl ano pl ur i anual , a execução dos pr ogr amas de gover no e dos
or çament os do Muni cí pi o;
I I - compr ovar a l egal i dade e aval i ar os r esul t ados quant o
à ef i cáci a e à ef i ci ênci a da gest ão or çament ár i a, f i nancei r a e
pat r i moni al dos ór gãos da admi ni st r ação di r et a e i ndi r et a, bem
como de apl i cação de r ecur sos públ i cos por ent i dades de di r ei t o
pr i vado;
I I I - exer cer o cont r ol e das oper ações de cr édi t o, avai s e
gar ant i as, bemcomo dos di r ei t os e haver es do Muni cí pi o;
I V - apoi ar o cont r ol e ext er no, no exer cí ci o de sua mi ssão
i nst i t uci onal , o qual t er á acesso a t oda e qual quer i nf or mação,
document os ou r egi st r o que r eput e necessár i os par a o
cumpr i ment o de sua f unção;
V - or gani zar e execut ar , por i ni ci at i va pr ópr i a ou por
sol i ci t ação do Tr i bunal de Cont as do Muni cí pi o, pr ogr amação
t r i mest r al de audi t or i as cont ábi l , f i nancei r a, or çament ár i a,
oper aci onal e pat r i moni al nas uni dades admi ni st r at i vas sob seu
cont r ol e.

§ 1º - Par a f i ns do di spost o nest e ar t i go, a Câmar a
Muni ci pal e o Tr i bunal de Cont as do Muni cí pi o t er ão acesso
di r et o, at r avés de si st ema i nt egr ado de pr ocessament o de dados,
às i nf or mações pr ocessadas em t odos os ór gãos da admi ni st r ação
di r et a e i ndi r et a do Muni cí pi o.

§ 2º - Os r esponsávei s pel o cont r ol e i nt er no, ao t omar em
conheci ment o de qual quer i r r egul ar i dade, i l egal i dade ou of ensa
ao ar t . 37 da Const i t ui ção da Repúbl i ca, dever ão r epr esent ar à
aut or i dade compet ent e, dando ci ênci a à Câmar a Muni ci pal , sob
pena de r esponsabi l i dade sol i dár i a.


SEÇÃO VIII
DOS CONSELHOS DE REPRESENTANTES

Art. 54 - A cada ár ea admi ni st r at i va do Muni cí pi o, a ser
def i ni da em l ei , cor r esponder á um Consel ho de Repr esent ant es,
cuj os membr os ser ão el ei t os na f or ma est abel eci da na r ef er i da
l egi sl ação.

Art. 55 - Aos Consel hos de Repr esent ant es compet e, al émdo
est abel eci do eml ei , as segui nt es at r i bui ções:
LEI ORGÂNI CA DO MUNI CÍ PI O DE SÃO PAULO

24

I - par t i ci par , em ní vel l ocal , do pr ocesso de
Pl anej ament o Muni ci pal e em especi al da el abor ação das
pr opost as de di r et r i zes or çament ár i as e do or çament o muni ci pal
bemcomo do Pl ano Di r et or e das r espect i vas r evi sões;
I I - par t i ci par , em ní vel l ocal , da f i scal i zação da
execução do or çament o e dos demai s at os da admi ni st r ação
muni ci pal ;
I I I - encami nhar r epr esent ações ao Execut i vo e à Câmar a
Muni ci pal , a r espei t o de quest ões r el aci onadas com o i nt er esse
da popul ação l ocal .


CAPÍTULO II
DO PODER EXECUTI VO

SEÇÃO I
DO PREFEI TO E DO VI CE- PREFEI TO

Art. 56 - O Poder Execut i vo é exer ci do pel o Pr ef ei t o,
auxi l i ado pel os Secr et ár i os Muni ci pai s e pel os Subpr ef ei t os.

Art. 57 - O Pr ef ei t o e o Vi ce- Pr ef ei t o ser ão el ei t os
si mul t aneament e, dent r e br asi l ei r os mai or es de 21 ( vi nt e e um)
anos e no exer cí ci o de seus di r ei t os pol í t i cos.

§ 1º - Ser á consi der ado el ei t o Pr ef ei t o o candi dat o que
obt i ver mai or i a absol ut a de vot os, não comput ados os br ancos e
os nul os.

§ 2º - Se nenhum candi dat o al cançar mai or i a absol ut a na
pr i mei r a vot ação, f ar - se- á nova el ei ção at é 20 ( vi nt e) di as
após a pr ocl amação do r esul t ado, concor r endo os 2 ( doi s)
candi dat os mai s vot ados e consi der ando- se el ei t o aquel e que
t i ver a mai or i a dos vot os vál i dos.

§ 3º - Se, ant es de r eal i zado o segundo t ur no, ocor r er
mor t e, desi st ênci a ou i mpedi ment o l egal do candi dat o, convocar -
se- á, dent r e os r emanescent es, o de mai or vot ação.

§ 4º - Se, na hi pót ese dos par ágr af os ant er i or es,
r emanescer , emsegundo l ugar , mai s de umcandi dat o coma mesma
vot ação, qual i f i car - se- á o mai s i doso.

Art. 58 - O Pr ef ei t o e o Vi ce- Pr ef ei t o t omar ão posse e
assumi r ão o exer cí ci o na sessão sol ene de i nst al ação da Câmar a
Muni ci pal , no di a 1º de j anei r o do ano subsequent e à el ei ção e
pr est ar ão compr omi sso de cumpr i r e f azer cumpr i r a Const i t ui ção
da Repúbl i ca, a Const i t ui ção Est adual , a Lei Or gâni ca do
Muni cí pi o e a l egi sl ação emvi gor , def endendo a j ust i ça soci al ,
a paz e a i gual dade de t r at ament o a t odos os ci dadãos

§ 1º - Se, decor r i dos 10 ( dez) di as da dat a f i xada par a a
posse, o Pr ef ei t o ou o Vi ce- Pr ef ei t o, sal vo mot i vo de f or ça
mai or , não t i ver assumi do o car go, est e ser á decl ar ado vago.

§ 2º - No at o da posse e ao t ér mi no do mandat o, o pr ef ei t o
e o Vi ce- Pr ef ei t o f ar ão decl ar ação públ i ca, ci r cunst anci ada, de
seus bens, a qual ser á t r anscr i t a em l i vr o pr ópr i o, const ando
LEI ORGÂNI CA DO MUNI CÍ PI O DE SÃO PAULO

25
de at a o seu r esumo e publ i cada no Di ár i o Of i ci al do Muni cí pi o,
no pr azo máxi mo de 30 ( t r i nt a) di as.

§ 3º - O Pr ef ei t o e o Vi ce- Pr ef ei t o dever ão
desi ncompat i bi l i zar - se no at o da posse.

Art. 59 - O Pr ef ei t o não poder á sob pena de per da do
mandat o:

I - desde a expedi ção do di pl oma:

a) f i r mar ou mant er cont r at o com ór gãos da admi ni st r ação
di r et a, aut ar qui as, empr esas públ i cas, soci edades de economi a
mi st a, f undações i nst i t uí das ou mant i das pel o Poder Públ i co e
concessi onár i as de ser vi ço públ i co, sal vo quando o cont r at o
obedecer a cl áusul as uni f or mes;
b) acei t ar ou exer cer car go, f unção ou empr ego r emuner ado,
i ncl usi ve os de que sej a demi ssí vel " ad nut um" , nas ent i dades
const ant es no i nci so ant er i or , r essal vada a posse emvi r t ude de
concur so públ i co e obser vado, no que couber , o di spost o no ar t .
38 da Const i t ui ção da Repúbl i ca;
I I - desde a posse:
a) ser t i t ul ar de mai s umcar go ou mandat o el et i vo;
b) pat r oci nar causas em que sej a i nt er essado o Muni cí pi o
ou qual quer das ent i dades r ef er i das no i nci so I dest e ar t i go;
c) ser pr opr i et ár i o, cont r ol ador ou di r et or de empr esa que
goze de f avor decor r ent e de cont r at o com pessoa j ur í di ca de
di r ei t o públ i co, ou nel a exer cer f unção r emuner ada;
d) f i xar domi cí l i o f or a do Muni cí pi o.

Art. 60 - Ser á de 4 ( quat r o) anos o mandat o do Pr ef ei t o e
do Vi ce- Pr ef ei t o, a i ni ci ar - se no di a 1º de j anei r o do ano
subsequent e ao da el ei ção.

Art. 61 - São i nel egí vei s par a os mesmos car gos, no
per í odo subsequent e, o Pr ef ei t o e quem o houver sucedi do ou
subst i t uí do nos 6 ( sei s) meses ant er i or es à el ei ção.

Art. 62 - O Vi ce- Pr ef ei t o subst i t ui o Pr ef ei t o emcaso de
l i cença ou i mpedi ment o e o sucede no caso de vaga ocor r i da após
a di pl omação.

Art. 63 - Em caso de i mpedi ment o do Pr ef ei t o e do Vi ce-
Pr ef ei t o, ou vacânci a dos r espect i vos car gos, ser á chamado ao
exer cí ci o da Pr ef ei t ur a o Pr esi dent e da Câmar a Muni ci pal ou seu
subst i t ut o l egal .

Art. 64 - Vagando os car gos de Pr ef ei t o e Vi ce- Pr ef ei t o,
f ar - se- á el ei ção 90 ( novent a) di as depoi s de aber t a a úl t i ma
vaga.

§ 1º - Ocor r endo a vacânci a nos 2 ( doi s) úl t i mos anos de
mandat o, a el ei ção par a ambos os car gos ser á f ei t a pel a Câmar a
Muni ci pal , 30 ( t r i nt a) di as depoi s de aber t a a úl t i ma vaga, na
f or ma da Lei .

§ 2º - Emqual quer dos casos, os el ei t os dever ão compl et ar
o per í odo dos seus ant ecessor es.

LEI ORGÂNI CA DO MUNI CÍ PI O DE SÃO PAULO

26
Art. 65 - O Pr ef ei t o, ou o Vi ce- Pr ef ei t o quando em
exer cí ci o, não poder á ausent ar - se do Muni cí pi o ou af ast ar - se do
car go, sem l i cença da Câmar a Muni ci pal , sob pena de per da do
car go, sal vo por per í odo não super i or a 15 ( qui nze) di as
consecut i vos.

Art. 66 - O Pr ef ei t o poder á l i cenci ar - se:

I - quando a ser vi ço ou em mi ssão de r epr esent ação do
Muni cí pi o;
I I - quando i mpossi bi l i t ado do exer cí ci o do car go, por
mot i vo de doença devi dament e compr ovada ou em l i cença gest ant e
e pat er ni dade, obser vado quant o a est as o ar t . 20, § 2º dest a
Lei .

§ 1º - O pedi do de l i cença, ampl ament e j ust i f i cado,
i ndi car á as r azões, e, em casos de vi agem, t ambém o r ot ei r o e
as pr evi sões de gast os, devendo a pr est ação de cont as ser
publ i cada no Di ár i o Of i ci al do Muni cí pi o at é 10 ( dez) di as após
o r et or no.

§ 2º - Nos casos pr evi st os nest e ar t i go, o Pr ef ei t o
l i cenci ado t er á di r ei t o aos venci ment os.

Art. 67 - O Pr ef ei t o dever á r esi di r no Muni cí pi o de São
Paul o.

Art. 68 - A ext i nção ou a per da do mandat o do Pr ef ei t o e
do Vi ce- Pr ef ei t o ocor r er ão na f or ma e nos casos pr evi st os na
Const i t ui ção da Repúbl i ca e nest a Lei .



SEÇÃO II
DAS ATRI BUI ÇÕES DO PREFEI TO

Art. 69 - Compet e pr i vat i vament e ao Pr ef ei t o, al ém de
out r as at r i bui ções pr evi st as nest a Lei :

I - i ni ci ar o pr ocesso l egi sl at i vo na f or ma e nos casos
nel a pr evi st os;
I I - exer cer , com os Secr et ár i os Muni ci pai s, os
Subpr ef ei t os e demai s auxi l i ar es a di r eção da admi ni st r ação
muni ci pal ;
III - sancionar, promulgar e fazer publicar as leis, bem
como, no prazo nelas estabelecido, não inferior a trinta nem
superior a cento e oitenta dias, expedir decretos e
regulamentos para sua fiel execução, ressalvados os casos em
que, nesse prazo, houver interposição de ação direta de
inconstitucionalidade contra a lei publicada;
(Alterado pela Emenda 31/08)

I V - vet ar pr oj et os de l ei s, t ot al ou par ci al ment e, na
f or ma pr evi st a;
V - nomear e exoner ar os Secr et ár i os Muni ci pai s e demai s
auxi l i ar es;
VI - convocar ext r aor di nar i ament e a Câmar a Muni ci pal , no
r ecesso, emcaso de r el evant e i nt er esse muni ci pal ;
LEI ORGÂNI CA DO MUNI CÍ PI O DE SÃO PAULO

27
VI I - subscr ever ou adqui r i r ações, r eal i zar ou aument ar o
capi t al de soci edades de economi a mi st a ou empr esas públ i cas,
na f or ma da l ei ;
VI I I - di spor , a qual quer t í t ul o, no t odo ou empar t e, de
ações ou capi t al que t enha subscr i t o, adqui r i do, r eal i zado ou
aument ado, medi ant e aut or i zação expr essa da Câmar a Muni ci pal ;
I X - apr esent ar à Câmar a Muni ci pal pr oj et o de l ei di spondo
sobr e o r egi me de concessão ou per mi ssão de ser vi ços públ i cos;
X - pr opor à Câmar a Muni ci pal pr oj et os de l ei s r el at i vos
ao pl ano pl ur i anual , di r et r i zes or çament ár i as, or çament o anual ,
dí vi da públ i ca e oper ações de cr édi t o;
XI - encami nhar ao Tr i bunal de Cont as, at é o di a 31 de
mar ço de cada ano, a sua pr est ação de cont as, bem como o
bal anço do exer cí ci o f i ndo;
XI I - encami nhar aos ór gãos compet ent es os pl anos de
apl i cação e as pr est ações de cont as exi gi das eml ei ;
XI I I - apr esent ar à Câmar a Muni ci pal , at é 45 ( quar ent a e
ci nco) di as após a sua sessão i naugur al , mensagem sobr e a
si t uação do Muni cí pi o, sol i ci t ando as medi das de i nt er esse
públ i co que j ul gar necessár i as;
XI V - pr opor à Câmar a Muni ci pal a cont r at ação de
empr ést i mos par a o Muni cí pi o;
XV - apr esent ar , anual ment e, à Câmar a Muni ci pal , r el at ór i o
sobr e o andament o das obr as e ser vi ços muni ci pai s;
XVI - pr opor à Câmar a Muni ci pal pr oj et os de l ei s sobr e
cr i ação, al t er ação das Secr et ar i as Muni ci pai s e Subpr ef ei t ur as,
i ncl usi ve sobr e suas est r ut ur as e at r i bui ções;
XVI I - nomear Consel hei r os do Tr i bunal de Cont as do
Muni cí pi o, obser vado o di spost o nest a Lei Or gâni ca, emespeci al
o pr azo f i xado no § 3º do ar t . 42;
XVI I I - pr opor à Câmar a Muni ci pal a cr i ação de f undos
dest i nados ao auxí l i o no f i nanci ament o de ser vi ços e/ ou
pr ogr amas públ i cos.

Ar t . 69- A. O Pr ef ei t o, el ei t o ou r eel ei t o, apr esent ar á o
Pr ogr ama de Met as de sua gest ão, at é novent a di as após sua
posse, que cont er á as pr i or i dades: as ações est r at égi cas, os
i ndi cador es e met as quant i t at i vas par a cada um dos set or es da
Admi ni st r ação Públ i ca Muni ci pal , Subpr ef ei t ur as e Di st r i t os da
ci dade, obser vando, no mí ni mo, as di r et r i zes de sua campanha
el ei t or al e os obj et i vos, as di r et r i zes, as ações est r at égi cas
e as demai s nor mas da l ei do Pl ano Di r et or Est r at égi co.
§ 1º O Pr ogr ama de Met as ser á ampl ament e di vul gado, por
mei o el et r ôni co, pel a mí di a i mpr essa, r adi of ôni ca e t el evi si va
e publ i cado no Di ár i o Of i ci al da Ci dade no di a i medi at ament e
segui nt e ao do t ér mi no do pr azo a que se r ef er e o " caput " dest e
ar t i go.
§ 2º O Poder Execut i vo pr omover á, dent r o de t r i nt a di as
após o t ér mi no do pr azo a que se r ef er e est e ar t i go, o debat e
públ i co sobr e o Pr ogr ama de Met as medi ant e audi ênci as públ i cas
ger ai s, t emát i cas e r egi onai s, i ncl usi ve nas Subpr ef ei t ur as.
§ 3º O Poder Execut i vo di vul gar á semest r al ment e os
i ndi cador es de desempenho r el at i vos à execução dos di ver sos
i t ens do Pr ogr ama de Met as.
§ 4º O Pr ef ei t o poder á pr oceder a al t er ações pr ogr amát i cas
no Pr ogr ama de Met as sempr e emconf or mi dade coma l ei do Pl ano
LEI ORGÂNI CA DO MUNI CÍ PI O DE SÃO PAULO

28
Di r et or Est r at égi co, j ust i f i cando- as por escr i t o e di vul gando-
as ampl ament e pel os mei os de comuni cação pr evi st os nest e
ar t i go.
§ 5º Os i ndi cador es de desempenho ser ão el abor ados e
f i xados conf or me os segui nt es cr i t ér i os:
a) pr omoção do desenvol vi ment o ambi ent al ment e, soci al ment e
e economi cament e sust ent ável ;
b) i ncl usão soci al , com r edução das desi gual dades
r egi onai s e soci ai s;
c) at endi ment o das f unções soci ai s da ci dade com mel hor i a
da qual i dade de vi da ur bana;
d) pr omoção do cumpr i ment o da f unção soci al da
pr opr i edade;
e) pr omoção e def esa dos di r ei t os f undament ai s i ndi vi duai s
e soci ai s de t oda pessoa humana;
f ) pr omoção de mei o ambi ent e ecol ogi cament e equi l i br ado e
combat e à pol ui ção sob t odas as suas f or mas;
g) uni ver sal i zação do at endi ment o dos ser vi ços públ i cos
muni ci pai s com obser vânci a das condi ções de r egul ar i dade;
cont i nui dade; ef i ci ênci a, r api dez e cor t esi a no at endi ment o ao
ci dadão; segur ança; at ual i dade com as mel hor es t écni cas,
mét odos, pr ocessos e equi pament os; e modi ci dade das t ar i f as e
pr eços públ i cos que consi der em di f er ent ement e as condi ções
econômi cas da popul ação.
§ 6º Ao f i nal de cada ano, o Pr ef ei t o di vul gar á o
r el at ór i o da execução do Pr ogr ama de Met as, o qual ser á
di sponi bi l i zado i nt egr al ment e pel os mei os de comuni cação
pr evi st os nest e ar t i go.
( Acr escent ado pel a Emenda 30/ 08)

Art. 70 - Compet e ai nda ao Pr ef ei t o:

I - r epr esent ar o Muni cí pi o nas suas r el ações j ur í di cas,
pol í t i cas e admi ni st r at i vas;
I I - pr over car gos e f unções públ i cas e pr at i car at os
admi ni st r at i vos r ef er ent es aos ser vi dor es muni ci pai s, na f or ma
da Const i t ui ção da Repúbl i ca e dest a Lei Or gâni ca;
I I I - i ndi car os di r i gent es de soci edades de economi a
mi st a e empr esas públ i cas na f or ma da l ei ;
I V - apr ovar pr oj et os de edi f i cação e pl anos de l ot eament o
e ar r uament o, obedeci das as nor mas muni ci pai s;
V - pr est ar à Câmar a Muni ci pal as i nf or mações sol i ci t adas,
no pr azo de 30 ( t r i nt a) di as, na f or ma est abel eci da por est a
Lei Or gâni ca;
VI - admi ni st r ar os bens, a r ecei t a e as r endas do
Muni cí pi o, pr omover o l ançament o, a f i scal i zação e ar r ecadação
de t r i but os, aut or i zar as despesas e os pagament os dent r o dos
r ecur sos or çament ár i os e dos cr édi t os apr ovados pel a Câmar a
Muni ci pal ;
VI I - col ocar à di sposi ção da Câmar a Muni ci pal , dent r o de
15 ( qui nze) di as de sua r equi si ção, as quant i as que devem ser
di spendi das de uma só vez, e, at é o di a 20 ( vi nt e) de cada mês,
a par cel a cor r espondent e ao duodéci mo de sua dot ação
or çament ár i a;
LEI ORGÂNI CA DO MUNI CÍ PI O DE SÃO PAULO

29
VI I I - pr opor à Câmar a Muni ci pal al t er ações da l egi sl ação
de par cel ament o, uso e ocupação do sol o, bemcomo de al t er ações
nos l i mi t es das zonas ur banas e de expansão ur bana;
I X - apl i car mul t as pr evi st as em l ei s e cont r at os, bem
como cancel á- l as quando i mpost as i r r egul ar ment e;
X - pr opor à Câmar a Muni ci pal o Pl ano Di r et or ;
XI - of i ci al i zar e denomi nar as vi as e l ogr adour os
públ i cos, obedeci das as nor mas ur baní st i cas apl i cávei s;
XI I - sol i ci t ar o auxí l i o da pol í ci a do Est ado, par a
gar ant i a de seus at os;
XI I I - expedi r decr et os, por t ar i as e out r os at os
admi ni st r at i vos, bemcomo det er mi nar sua publ i cação;
XI V - di spor sobr e a est r ut ur a, a or gani zação e o
f unci onament o da admi ni st r ação muni ci pal , na f or ma est abel eci da
por est a Lei Or gâni ca;
XV - pr opor a cr i ação, a or gani zação e a supr essão de
di st r i t os e subdi st r i t os, obser vada a l egi sl ação est adual e
cr i t ér i os a ser emest abel eci dos eml ei .

Parágrafo único - As competências definidas nos incisos
VIII, X e XI deste artigo não excluem a competência do
Legislativo nessas matérias.
(Alterado pela Emenda 02/90)

Art. 71 - O Pr ef ei t o poder á, por decr et o, del egar a seus
auxi l i ar es f unções admi ni st r at i vas que não sej am de sua
compet ênci a excl usi va.


SEÇÃO III
DA RESPONSABI LI DADE DO PREFEI TO

Art. 72 - O Pr ef ei t o e o Vi ce- Pr ef ei t o ser ão pr ocessados e
j ul gados:

I - pel o Tr i bunal de J ust i ça do Est ado nos cr i mes comuns e
nos de r esponsabi l i dade, nos t er mos da l egi sl ação f eder al
apl i cável ;
I I - pel a Câmar a Muni ci pal nas i nf r ações pol í t i co-
admi ni st r at i vas nos t er mos da l ei , assegur ados, dent r e out r os
r equi si t os de val i dade, o cont r adi t ór i o, a publ i ci dade, ampl a
def esa, com os mei os e r ecur sos a el a i ner ent es, e a deci são
mot i vada que se l i mi t ar á a decr et ar a cassação do mandat o do
Pr ef ei t o.

§ 1º - Admi t i r - se- á a denúnci a por Ver eador , por par t i do
pol í t i co e por qual quer muní ci pe el ei t or .

§ 2º - A denúnci a ser á l i da em sessão at é 5 ( ci nco) di as
após o seu r ecebi ment o e despachada par a aval i ação a uma
Comi ssão especi al el ei t a, compost a de 7 ( set e) membr os,
obser vadas, t ant o quant o possí vel , a pr opor ci onal i dade da
r epr esent ação par t i dár i a.

§ 3º - A Comi ssão a que al ude o i nci so ant er i or dever á
emi t i r par ecer no pr azo de 10 ( dez) di as, i ndi cando se a
denúnci a deve ser t r ansf or mada emacusação ou não.

LEI ORGÂNI CA DO MUNI CÍ PI O DE SÃO PAULO

30
§ 4º - Admi t i da a acusação, por 3/ 5 ( t r ês qui nt os) dos
membr os da Câmar a Muni ci pal , ser á const i t uí da Comi ssão
Pr ocessant e, compost a por 7 ( set e) Ver eador es.

§ 5º - A per da do mandat o do Pr ef ei t o ser á deci di da por ,
pel o menos, 2/ 3 ( doi s t er ços) dos membr os da Câmar a Muni ci pal .

§ 6º - Não par t i ci par á do pr ocesso, nem do j ul gament o o
Ver eador denunci ant e.

§ 7º - Se decor r i dos 90 ( novent a) di as da acusação e o
j ul gament o não est i ver concl uí do, o pr ocesso ser á ar qui vado.

§ 8º - O Pr ef ei t o, na vi gênci a de seu mandat o, não pode
ser r esponsabi l i zado por at os est r anhos ao exer cí ci o de suas
f unções.

§ 9º - A l ei def i ni r á os pr ocedi ment os a ser emobser vados
desde o acol hi ment o da denúnci a.

Art. 73 - O Pr ef ei t o per der á o mandat o, por cassação, nos
t er mos do i nci so I I e dos par ágr af os do ar t i go ant er i or ,
quando:

I - i nf r i ngi r qual quer das pr oi bi ções est abel eci das no
ar t . 59;
I I - i nf r i ngi r o di spost o no ar t . 66;
I I I - r esi di r f or a do Muni cí pi o;
I V - at ent ar cont r a:
a) a aut onomi a do Muni cí pi o;
b) o l i vr e exer cí ci o da Câmar a Muni ci pal ;
c) o exer cí ci o dos di r ei t os pol í t i cos, i ndi vi duai s e
soci ai s;
d) a pr obi dade na admi ni st r ação;
e) a l ei or çament ár i a;
f ) o cumpr i ment o das l ei s e das deci sões j udi ci ai s.

Art. 74 - O Pr ef ei t o per der á o mandat o, por ext i nção,
decl ar ada pel a Mesa da Câmar a Muni ci pal quando:

I - sof r er condenação cr i mi nal em sent ença t r ansi t ada em
j ul gado, nos t er mos da l egi sl ação f eder al ;
I I - per der ou t i ver suspensos os di r ei t os pol í t i cos;
I I I - o decr et ar a J ust i ça El ei t or al , nos casos pr evi st os
na Const i t ui ção da Repúbl i ca;
I V - r enunci ar por escr i t o, consi der ada t ambémcomo t al o
não compar eci ment o par a a posse no pr azo pr evi st o nest a Lei
Or gâni ca.



SEÇÃO IV
DOS AUXI LI ARES DO PREFEI TO

Art. 75 - São auxi l i ar es di r et os do Pr ef ei t o:

I - os Secr et ár i os Muni ci pai s;
I I - os Subpr ef ei t os.

LEI ORGÂNI CA DO MUNI CÍ PI O DE SÃO PAULO

31
Art. 76 - Os Secr et ár i os Muni ci pai s e os Subpr ef ei t os
ser ão nomeados pel o Pr ef ei t o, ent r e ci dadãos mai or es de 18
( dezoi t o) anos, no pl eno exer cí ci o de seus di r ei t os pol í t i cos.

§ 1º - São vedados a nomeação e o exercício das funções
constantes do ‘caput’ deste artigo, por pessoas que incidam nos
casos de inelegibilidade, nos termos da legislação federal.

§ 2º - O número e a competência das Secretarias Municipais
serão definidos em lei, que também determinará os deveres e as
responsabilidades dos Secretários.

§ 3º - Os Secretários Municipais e Subprefeitos deverão
comprovar que estão em condições de exercício do cargo, nos
termos do § 1º, por ocasião da nomeação, bem como ratificar
esta condição, anualmente, até 31 de janeiro.

§ 4º - Aplicam-se as disposições contidas no § 1º às
pessoas que vierem a substituir os Secretários Municipais ou os
Subprefeitos, em seus afastamentos temporários.
(Parágrafo único renumerado para § 2º e § 1º, § 3º e § 4º
acrescentados pela Emenda 35/12)

Art. 77 - A admi ni st r ação muni ci pal ser á exer ci da, em
ní vel l ocal , at r avés de Subpr ef ei t ur as, na f or ma est abel eci da
em l ei , que def i ni r á suas at r i bui ções, númer o e l i mi t es
t er r i t or i ai s, bem como as compet ênci as e o pr ocesso de escol ha
do Subpr ef ei t o.

Art. 78 - Ao Subpr ef ei t o compet e, al émdo est abel eci do em
l egi sl ação, as segui nt es at r i bui ções:

I - coor denar e super vi si onar a execução das at i vi dades e
pr ogr amas da Subpr ef ei t ur a, de acor do com as di r et r i zes,
pr ogr amas e nor mas est abel eci das pel o Pr ef ei t o;
I I - suger i r à admi ni st r ação muni ci pal , com a apr ovação
do Consel ho de Repr esent ant es, di r et r i zes par a o pl anej ament o
muni ci pal ;
I I I - pr opor à admi ni st r ação muni ci pal , de f or ma i nt egr ada
com os ór gãos set or i ai s compet ent es e apr ovação do Consel ho de
Repr esent ant es, pr i or i dades or çament ár i as r el at i vas aos
ser vi ços, obr as e at i vi dades a ser em r eal i zadas no t er r i t ór i o
da Subpr ef ei t ur a.

Art. 79 - As Subpr ef ei t ur as cont ar ão com dot ação
or çament ár i a pr ópr i a.


TÍTULO IV
DA ORGANI ZAÇÃO MUNI CI PAL

CAPÍTULO I
DA ADMI NI STRAÇÃO MUNI CI PAL

Art. 80 - A Admi ni st r ação Públ i ca Muni ci pal compr eende:

LEI ORGÂNI CA DO MUNI CÍ PI O DE SÃO PAULO

32
I - admi ni st r ação di r et a, i nt egr ada pel o Gabi net e do
Pr ef ei t o, Secr et ar i as, Subpr ef ei t ur as e demai s ór gãos
auxi l i ar es, pr evi st os eml ei ;
I I - admi ni st r ação i ndi r et a, i nt egr ada pel as aut ar qui as,
f undações, empr esas públ i cas e soci edades de economi a mi st a, e
out r as ent i dades dot adas de per sonal i dade j ur í di ca.

Par ágr af o úni co - Os ór gãos da admi ni st r ação di r et a e as
ent i dades da admi ni st r ação i ndi r et a, ser ão cr i ados por l ei
especí f i ca, f i cando est as úl t i mas vi ncul adas às Secr et ar i as ou
ór gãos equi par ados, em cuj a ár ea de compet ênci a est i ver
enquadr ada sua pr i nci pal at i vi dade.

Art. 81 - A administração pública direta e indireta
obedecerá aos princípios e diretrizes da legalidade,
impessoalidade, moralidade, publicidade, eficiência,
razoabilidade, unidade, indivisibilidade e indisponibilidade do
interesse público, descentralização, democratização,
participação popular, transparência e valorização dos
servidores públicos.
(Alterado pela Emenda 24/01)

§ 1º - As entidades sem fins lucrativos que mantiverem
contratos ou receberem verbas públicas deverão comprovar que
seus dirigentes não incidem nas hipóteses de inelegibilidade,
previstas na legislação federal.

§ 2º - Cabe ao Município promover a modernização da
administração pública, buscando assimilar as inovações
tecnológicas, com adequado recrutamento e desenvolvimento dos
recursos humanos necessários.
(Parágrafo único renumerado para § 2º e § 1º acrescentado
pela Emenda 35/12)

Art. 82 - Todos os ór gãos da admi ni st r ação di r et a e
i ndi r et a, i ncl usi ve o Pr ef ei t o e o Tr i bunal de Cont as do
Muni cí pi o, f i cam obr i gados a f or necer i nf or mações, de qual quer
nat ur eza, quando r equi si t adas, por escr i t o e medi ant e
j ust i f i cat i va, pel a Câmar a Muni ci pal at r avés da Mesa, das
Comi ssões ou dos Ver eador es.

§ 1º - É fixado o prazo máximo de 30 (trinta) dias para
que o Executivo e o Tribunal de Contas do Município prestem as
informações requisitadas pelo Poder Legislativo, na forma do
disposto no "caput" deste artigo.
(Alterado pela Emenda 29/07)

§ 2º - É cabí vel r ecur so j udi ci al par a o cumpr i ment o do
" caput " dest e ar t i go, se não obser vado o pr azo est i pul ado no
par ágr af o ant er i or , sempr ej uí zo das sanções pr evi st as eml ei .

Art. 83 - Par a a or gani zação da admi ni st r ação públ i ca
di r et a e i ndi r et a é obr i gat ór i o, al émdo pr evi st o nos ar t s. 37
e 39 da Const i t ui ção da Repúbl i ca, o cumpr i ment o das segui nt es
nor mas:

I - par t i ci pação de r epr esent ant es dos ser vi dor es públ i cos
e dos usuár i os nos ór gãos di r et i vos, na f or ma da l ei ;
LEI ORGÂNI CA DO MUNI CÍ PI O DE SÃO PAULO

33
I I - nas ent i dades da admi ni st r ação i ndi r et a, os ór gãos de
di r eção ser ão compost os por um col egi ado, com a par t i ci pação
de, no mí ni mo, um di r et or el ei t o ent r e os ser vi dor es e
empr egados públ i cos, na f or ma da l ei , sem pr ej uí zo da
const i t ui ção de Comi ssão de Repr esent ant es, i gual ment e el ei t os
ent r e os mesmos;
I I I - são consi der ados car gos de conf i ança na
admi ni st r ação i ndi r et a excl usi vament e aquel es que compor t em
encar gos r ef er ent es à gest ão do ór gão;
I V - na admi ni st r ação di r et a e f undaci onal , j unt o aos
ór gãos de di r eção, ser ão const i t uí das, na f or ma da l ei ,
Comi ssões de Repr esent ant es dos ser vi dor es el ei t os dent r e os
mesmos;
V - é obr i gat ór i a a decl ar ação públ i ca de bens, no at o da
posse e no desl i gament o de t odo di r i gent e da admi ni st r ação
di r et a e i ndi r et a;
VI - os órgãos da administração direta, indireta e
fundacional ficam obrigados a constituir, nos termos da lei,
comissões internas visando à prevenção de acidentes e, quando
assim o exigirem suas atividades, o fornecimento de equipamento
de proteção individual e o controle ambiental, para assegurar a
proteção da vida, do meio ambiente e de adequadas condições de
trabalho de seus servidores;
(Alterado pela Emenda 24/01)
VI I - a i nvest i dur a emcar go ou empr ego públ i co depende de
apr ovação pr évi a em concur so públ i co de pr ovas ou pr ovas e
t í t ul os, r essal vadas as nomeações par a car go em comi ssão
decl ar ado eml ei de l i vr e nomeação e exoner ação.

§ 1º - A par t i ci pação na Comi ssão de Repr esent ant es ou nas
Comi ssões pr evi st as no i nci so VI não poder á ser r emuner ada a
nenhumt í t ul o.

§ 2º - Os ser vi dor es e os empr egados públ i cos gozar ão, na
f or ma da l ei , de est abi l i dade no car go ou empr ego desde o
r egi st r o da candi dat ur a par a o exer cí ci o de car go de
r epr esent ação si ndi cal ou nos casos pr evi st os no i nci so I I
dest e ar t i go, at é 1 ( um) ano após o t ér mi no do mandat o, se
el ei t o, ai nda que supl ent e, sal vo se comet er f al t a gr ave
def i ni da eml ei .

§ 3º - Para fins de preservação da probidade pública e
moralidade administrativa, é vedada a admissão e nomeação, para
cargo, função ou emprego público, de pessoas que incidam nas
hipóteses de inelegibilidade, previstas na legislação federal.

§ 4º - Para fins da aplicação das disposições contidas no
§ 3º deste artigo, serão observadas as peculiaridades e a forma
constitutiva dos órgãos da administração pública indireta.

§ 5º - Os servidores ocupantes de cargos em comissão
deverão comprovar, por ocasião da nomeação, que estão em
condições de exercício do cargo ou função, nos termos do § 3º,
bem como ratificar esta condição anualmente, até 31 de janeiro.

§ 6º - No caso de servidores efetivos e dos empregados
públicos, a comprovação das condições de exercício do cargo e
função pública, a que se refere o § 3º, será feita no momento
da posse ou admissão.
LEI ORGÂNI CA DO MUNI CÍ PI O DE SÃO PAULO

34

§ 7º - Aplicam-se as disposições previstas nos §§ 3º, 5º e
6º aos órgãos da administração direta e indireta, inclusive à
Câmara Municipal e ao Tribunal de Contas do Município.
(Acrescentados pela Emenda 35/12)

Art. 84 - Todo ór gão ou ent i dade muni ci pal pr est ar á aos
i nt er essados, no pr azo de l ei e sob pena de r esponsabi l i dade,
as i nf or mações de i nt er esse par t i cul ar , col et i vo ou ger al ,
r essal vadas aquel as cuj o si gi l o sej a i mpr esci ndí vel , nos casos
r ef er i dos na Const i t ui ção da Repúbl i ca.

Par ágr af o úni co - I ndepender á do pagament o de t axa o
exer cí ci o do di r ei t o de pet i ção em def esa de di r ei t os cont r a
i l egal i dade ou abuso de poder , bemcomo a obt enção de cer t i dões
j unt o a r epar t i ções públ i cas par a a def esa de di r ei t os e
escl ar eci ment os de si t uações de i nt er esse pessoal .

Art. 85 - A publ i ci dade das at i vi dades, pr ogr amas, obr as,
ser vi ços e campanhas da admi ni st r ação públ i ca di r et a, i ndi r et a,
f undaci onal e ór gão cont r ol ado pel o Poder Muni ci pal ,
i ndependent e da f ont e f i nanci ador a, dever á t er car át er
educat i vo, i nf or mat i vo ou de or i ent ação soci al , del a não
podendo const ar nomes, sí mbol os ou i magens que car act er i zem
pr opaganda par t i dár i a, pr omoção pessoal de aut or i dade ou
ser vi dor es públ i cos.

Art. 86 - A cr i ação, t r ansf or mação, f usão, ci são,
i ncor por ação, pr i vat i zação ou ext i nção das soci edades de
economi a mi st a, das empr esas públ i cas, e, no que couber , das
aut ar qui as e f undações, bem como a al i enação das ações das
empr esas nas quai s o Muni cí pi o t enha par t i ci pação depende de
pr évi a apr ovação, por mai or i a absol ut a, da Câmar a Muni ci pal .

Par ágr af o úni co - Depende de aut or i zação l egi sl at i va, em
cada caso, a cr i ação de subsi di ár i as das ent i dades menci onadas
nest e ar t i go, assi m como a par t i ci pação de qual quer del as em
empr esas pr i vadas.

Art. 87 - A Pr ocur ador i a Ger al do Muni cí pi o t em car át er
per manent e, compet i ndo- l he as at i vi dades de consul t or i a e
assessor ament o j ur í di co do Poder Execut i vo, e, pr i vat i vament e,
a r epr esent ação j udi ci al do Muni cí pi o a i nscr i ção e a cobr ança
j udi ci al e ext r a- j udi ci al da dí vi da at i va e o pr ocessament o dos
pr ocedi ment os r el at i vos ao pat r i môni o i móvel do Muni cí pi o, sem
pr ej uí zo de out r as at r i bui ções compat í vei s com a nat ur eza de
suas f unções.

Par ágr af o úni co - Lei de or gani zação da Pr ocur ador i a Ger al
do Muni cí pi o di sci pl i nar á sua compet ênci a, dos ór gãos que a
compõe e, em especi al , do ór gão col egi ado de Pr ocur ador es e
def i ni r á os r equi si t os e a f or ma de desi gnação do Pr ocur ador
Ger al .

Art. 88 - O Município manterá sua Guarda Municipal, a qual
se denomina Guarda Civil Metropolitana, destinada à proteção da
população da cidade, dos bens, serviços e instalações
municipais, e para a fiscalização de posturas municipais e do
meio ambiente.
LEI ORGÂNI CA DO MUNI CÍ PI O DE SÃO PAULO

35
§ 1º Os seus integrantes serão aposentados, de forma
voluntária, nos termos do art. 40, § 4º, II e III, da
Constituição da República, sem limite de idade, com paridade e
integralidade do último salário que receber, desde que
comprovem:
I - 25 (vinte e cinco) anos de contribuição, contando com
pelo menos 15 (quinze) anos de efetivo exercício em cargo da
Carreira de Guarda Civil Metropolitano, para mulher;
II - 30 (trinta) anos de contribuição, contando com pelo
menos 20 (vinte) anos de efetivo exercício em cargo da Carreira
de Guarda Civil Metropolitano, para homem.
§ 2º A Guarda Civil Metropolitana poderá exercer dentro de
suas funções a segurança e proteção nas escolas públicas
municipais, no âmbito da cidade de São Paulo.
(Alterado pela Emenda 36/13)


CAPÍTULO II
DOS SERVI DORES MUNI CI PAI S

Art. 89 - É f unção do Muni cí pi o pr est ar umser vi ço públ i co
ef i ci ent e e ef i caz, com ser vi dor es j ust ament e r emuner ados e
pr of i ssi onal ment e val or i zados.

§ 1º - Para fins de preservação da probidade pública e
moralidade administrativa, é vedada a nomeação ou admissão de
pessoas que incidam nas hipóteses de inelegibilidade, previstas
na legislação federal.

§ 2º - Os servidores ocupantes de cargos em comissão
deverão comprovar, por ocasião da nomeação, que estão em
condições de exercício do cargo, nos termos do § 1º, bem como
ratificar esta condição, anualmente, até 31 de janeiro.
(Acrescentados pela Emenda 35/12)

Art. 90 - A admi ni st r ação públ i ca muni ci pal , na el abor ação
de sua pol í t i ca de r ecur sos humanos, at ender á ao pr i ncí pi o da
val or i zação do ser vi dor públ i co, i nvest i ndo na sua capaci t ação,
no seu apr i mor ament o e at ual i zação pr of i ssi onal , pr epar ando- o
par a seu mel hor desempenho e sua evol ução f unci onal .

Art. 91 - A l ei f i xar á o l i mi t e máxi mo e a r el ação ent r e a
mai or e menor r emuner ação dos ser vi dor es públ i cos muni ci pai s,
obser vado o di spost o no ar t . 37, i nci so XI , da Const i t ui ção da
Repúbl i ca.

Art. 92 - A r emuner ação dos ser vi dor es públ i cos ser á
est abel eci da com vi st as a gar ant i r o at endi ment o de suas
necessi dades bási cas de mor adi a, al i ment ação, educação, saúde,
l azer , vest uár i o, hi gi ene, t r anspor t e e pr evi dênci a soci al e
obedecer á aos segui nt es cr i t ér i os:

I - pi so sal ar i al def i ni do em comum acor do ent r e a
admi ni st r ação e a r epr esent ação si ndi cal dos ser vi dor es
muni ci pai s;
I I - ser á assegur ada a pr ot eção da r emuner ação, a qual quer
t í t ul o, dos ser vi dor es públ i cos cont r a os ef ei t os
i nf l aci onár i os, i ncl usi ve com a cor r eção monet ár i a dos
pagament os emat r aso;
LEI ORGÂNI CA DO MUNI CÍ PI O DE SÃO PAULO

36
I I I - os venci ment os dos ser vi dor es públ i cos muni ci pai s,
at i vos, i nat i vos ou aposent ados são i r r edut í vei s;
I V - o r eaj ust e ger al da r emuner ação dos ser vi dor es f ar -
se- á sempr e na mesma dat a, sem di st i nção de í ndi ces ent r e a
admi ni st r ação di r et a, aut ár qui ca e f undaci onal .

Art. 93 - É gar ant i do ao ser vi dor públ i co muni ci pal o
di r ei t o à l i vr e associ ação si ndi cal , nos t er mos do ar t . 8º da
Const i t ui ção da Repúbl i ca.

Par ágr af o úni co - Às ent i dades de car át er si ndi cal , que
pr eencham os r equi si t os est abel eci dos em l ei , ser á assegur ado
descont o em f ol ha de pagament o das cont r i bui ções dos
associ ados, apr ovadas emassembl éi a ger al .

Art. 94 - As vant agens de qual quer nat ur eza só poder ão ser
i nst i t uí das por l ei e quando at endam ef et i vament e ao i nt er esse
e às exi gênci as do ser vi ço públ i co.

Art. 95 - Ser á concedi da aos ser vi dor es muni ci pai s, na
f or ma da l ei , gr at i f i cação de di st ânci a pel o exer cí ci o de car go
ou f unção em uni dades de t r abal ho consi der adas de di f í ci l
acesso.

Art. 96 - Os servidores e empregados da administração
pública municipal direta, indireta e fundacional terão plano de
carreira.

Parágrafo único - Aplica-se aos servidores ocupantes de
cargo público da administração direta, das autarquias e das
fundações o disposto no artigo 7º, incisos IV, VII, VIII, IX,
X, XII, XIII, XV, XVI, XVII, XVIII, XIX, XX, XXII, XXIII, XXV,
XXVI, XXVII, XXVIII, XXX e XXXI, relativos aos direitos
sociais, bem como o disposto nos artigos 40 e 41, todos da
Constituição da República.
(Alterado pela Emenda 24/01)

Art. 97 - Ao ser vi dor públ i co muni ci pal é assegur ado o
per cebi ment o do adi ci onal por t empo de ser vi ço públ i co,
concedi do por qüi nqüêni o, bem como a sext a- par t e dos
venci ment os i nt egr ai s, concedi da aos vi nt e anos de ef et i vo
exer cí ci o no ser vi ço públ i co, que se i ncor por ar ão aos
venci ment os par a t odos os ef ei t os, não sendo comput ados nem
acumul ados par a f i ns de concessão de acr ésci mos ul t er i or es sob
o mesmo t í t ul o ou i dênt i co f undament o.

Art. 98 - Ficam asseguradas à servidora e à empregada
gestante, sem prejuízos de vencimentos e demais vantagens do
cargo ou emprego:

I - mudança de função, pelo tempo necessário, por
recomendação médica;
II - dispensa do horário de trabalho pelo tempo necessário
para realização de, no mínimo, seis consultas medicas e demais
exames complementares.
(Alterado pela Emenda 24/01)

Art. 99 - Ficam assegurados o ingresso e o acesso das
pessoas com deficiência na forma da lei, aos cargos, empregos e
LEI ORGÂNI CA DO MUNI CÍ PI O DE SÃO PAULO

37
funções administrativas da administração direta e indireta do
Município, garantindo-se as adaptações necessárias para sua
participação nos concursos públicos.
(Alterado pela Emenda 29/07)

Art. 100 - Os ser vi dor es e empr egados da admi ni st r ação
di r et a e i ndi r et a que i ncor r er em na pr át i ca do r aci smo ou de
qual quer out r o t i po de di scr i mi nação at ent at ór i a aos di r ei t os e
l i ber dades f undament ai s, ser ão puni dos na f or ma da l ei , podendo
ser demi t i dos a bemdo ser vi ço públ i co, sempr ej uí zo de out r as
penal i dades a que est i ver emsuj ei t os.

Art. 101 - O pedi do de aposent ador i a vol unt ár i a bem como
as pendênci as r espect i vas dever ão ser apr eci ados no pr azo
máxi mo de 60 ( sessent a) di as após o seu pr ot ocol ament o, na
f or ma da l ei .

Art. 102 - Cabe ao Muni cí pi o assegur ar uma est r ut ur a
pr evi denci ár i a e de assi st ênci a médi co- hospi t al ar que vi abi l i ze
os pr i ncí pi os pr evi st os na Const i t ui ção da Repúbl i ca,
gar ant i ndo a par t i ci pação dos segur ados na sua gest ão.

Par ágr af o úni co - A di r eção e o ger enci ament o dos r ecur sos
dest i nados a assegur ar os di r ei t os r el at i vos à pr evi dênci a do
ser vi dor ser ão exer ci dos por ór gãos col egi ados que t er ão sua
composi ção, or gani zação e compet ênci a f i xadas eml ei , gar ant i da
a par t i ci pação dos ser vi dor es muni ci pai s, el ei t os pel os
segur ados.

Art. 103 - Os r ecur sos pr oveni ent es dos descont os
compul sór i os dos ser vi dor es públ i cos muni ci pai s, bem como a
cont r apar t i da do Muni cí pi o, dest i nados à f or mação de f undo
pr ópr i o de pr evi dênci a, dever ão ser post os, mensal ment e, à
di sposi ção da ent i dade muni ci pal r esponsável pel a pr est ação do
benef í ci o, na f or ma que a l ei di spuser .

Art. 104 - É vedado ao Muni cí pi o de São Paul o pr oceder ao
pagament o de mai s de um benef í ci o da pr evi dênci a soci al , a
t í t ul o de aposent ador i a, a ocupant es de car gos e f unções
públ i cas, i ncl usi ve de car gos el et i vos, sal vo os casos de
acumul ação per mi t i da na Const i t ui ção da Repúbl i ca.

Art. 105 - É vedada ao Muni cí pi o de São Paul o a cr i ação ou
manut enção, com r ecur sos públ i cos de car t ei r as especi ai s de
pr evi dênci a soci al par a ocupant es de car gos el et i vos.

Par ágr af o úni co - Os ver eador es poder ão se vi ncul ar à
pr evi dênci a muni ci pal , obser vadas as nor mas apl i cávei s aos
ser vi dor es públ i cos e o di spost o no ar t . 202 da Const i t ui ção da
Repúbl i ca.

Art. 106 - É vedada a est i pul ação de l i mi t e de i dade par a
i ngr esso por concur so públ i co na admi ni st r ação di r et a e
i ndi r et a, r espei t ando- se apenas o l i mi t e const i t uci onal par a
aposent ador i a compul sór i a.

Art. 107 - Os concur sos públ i cos de i ngr esso de ser vi dor es
ser ão r eal i zados por ent i dades di ssoci adas da admi ni st r ação e,
LEI ORGÂNI CA DO MUNI CÍ PI O DE SÃO PAULO

38
par a a composi ção das comi ssões or gani zador as, dever ão ser
pr evi ament e ouvi das as ent i dades de cl asse do f unci onal i smo.

Art. 108 - As contratações por tempo determinado a serem
efetuadas na forma da lei para atender a necessidades
temporárias, de excepcional interesse público, não serão
superiores a 12 (doze) meses, e obedecerão, obrigatoriamente, a
processo seletivo prévio.
(Alterado pela Emenda 04/91 e posteriormente pela Emenda
22/01)

Parágrafo único - As contratações por tempo determinado
efetivadas na área da Saúde, até o mês de novembro de 1993,
ficam prorrogadas, uma única vez, por mais 6 (seis) meses.
(Acrescentado pela Emenda 16/94)

Art. 109 - Lei def i ni r á a r esponsabi l i dade e penal i dades
cabí vei s aos ser vi dor es e empr egados da admi ni st r ação di r et a e
i ndi r et a, que, por ação ou omi ssão:

I - t endo conheci ment o de at os e pr át i cas que cont r ar i em
os pr i ncí pi os pr evi st os nest a Lei , emespeci al no ar t . 81, não
t omar emas pr ovi dênci as cabí vei s ao seu ní vel hi er ár qui co;
I I - cont r i buí r em com at os que i mpl i quem na degr adação
ambi ent al e da qual i dade de vi da.


CAPÍTULO III
DOS BENS MUNI CI PAI S

Art. 110 - Const i t uem bens muni ci pai s t odas as coi sas
móvei s e i móvei s, semovent es, di r ei t os e ações que, a qual quer
t í t ul o, per t ençamao Muni cí pi o.

§ 1º - Per t encem ao pat r i môni o muni ci pal as t er r as
devol ut as que se l ocal i zemdent r o de seus l i mi t es.

§ 2º - Os bens muni ci pai s dest i nar - se- ão pr i or i t ar i ament e
ao uso públ i co, assegur ando o r espei t o aos pr i ncí pi os e nor mas
de pr ot eção ao mei o ambi ent e, ao pat r i môni o hi st ór i co, cul t ur al
e ar qui t et ôni co, gar ant i ndo- se sempr e o i nt er esse soci al .

Art. 111 - Cabe ao Pr ef ei t o a admi ni st r ação dos bens
muni ci pai s, r espei t ada a compet ênci a da Câmar a Muni ci pal quant o
àquel es ut i l i zados emseus ser vi ços.
Parágrafo único. A Câmara Municipal, através de resolução,
fixará os bens municipais necessários aos seus serviços,
afetados ao seu uso especial e administração exclusivos.
(Acrescentado pela Emenda 34/11)

Art. 112 – A alienação de bens municipais, subor di nada à
exi st ênci a de i nt er esse públ i co devi dament e j ust i f i cado, ser á
sempr e pr ecedi da de aval i ação e obedecer á às segui nt es nor mas:


§ 1º - A venda de bens imóveis dependerá sempre de
avaliação prévia, de autorização legislativa e de licitação, na
modalidade de concorrência, salvo nos seguintes casos:

LEI ORGÂNI CA DO MUNI CÍ PI O DE SÃO PAULO

39
I – Fica dispensada de autorização legislativa e de
licitação:
a) a alienação, concessão de direito real de uso e cessão
de posse, prevista no §3º do art. 26 da Lei Federal nº
6.766/79, introduzido pela Lei Federal nº 9.785/99, de imóveis
construídos e destinados ou efetivamente utilizados no âmbito
de programas habitacionais de interesse social desenvolvidos
por órgãos ou entidades da Administração Pública criados
especificamente para esse fim;
b) venda ao proprietário do único imóvel lindeiro de área
remanescente ou resultante de obra pública, área esta que se
tornar inaproveitável isoladamente, por preço nunca inferior ao
da avaliação.
II – Independem de licitação os casos de:
a)venda, permitida exclusivamente para outro órgão ou
entidade da Administração Pública de qualquer esfera de
governo;
b)dação em pagamento;
c)doação, desde que devidamente justificado o interesse
público, permitida para outro órgão ou entidade da
Administração Pública, de qualquer esfera de governo ou para
entidades de fins sociais e filantrópicos, vinculada a fins de
interesse social ou habitacional, devendo, em todos os casos,
constar da escritura de doação os encargos do donatário, o
prazo para seu cumprimento e cláusula de reversão e
indenização;
d)permuta por outro imóvel a ser destinado ao atendimento
das finalidades precípuas da administração, cujas necessidades
de instalação e localização condicionem a sua escolha, desde
que o preço seja compatível com o valor de mercado, segundo
avaliação prévia.

§ 2º - A alienação de bens móveis dependerá de avaliação
prévia e de licitação, dispensada esta nos seguintes casos:

I – doação, permitida exclusivamente para fins e uso de
interesse social, após avaliação de sua oportunidade e
conveniência socioeconômica, relativamente à escolha de outra
forma de alienação;
II – venda de ações em bolsa, observada a legislação
específica e após autorização legislativa;
III – permuta;
IV – venda de títulos, na forma da legislação pertinente e
condicionada à autorização legislativa;
V – venda de bens produzidos ou comercializados por órgãos
ou entidades da Administração, em virtude de suas finalidades.

§ 3º - O Município, preferentemente à venda ou doação de
seus bens imóveis, outorgará concessão de direito real de uso,
mediante prévia autorização legislativa e concorrência.

§ 4º - A concorrência a que se refere o parágrafo anterior
poderá ser dispensada por lei, quando o uso se destinar à
concessionária de serviço público ou quando houver relevante
interesse público e social, devidamente justificado;

§ 5º - Na hipótese prevista no § 1º, inciso I, letra “b”
deste artigo, a venda dependerá de licitação se existir mais de
um imóvel lindeiro com proprietários diversos.
LEI ORGÂNI CA DO MUNI CÍ PI O DE SÃO PAULO

40
(Alterado pela Emenda 26/05)

Art. 113 - A aqui si ção de bens i móvei s, por compr a ou
per mut a, depender á de pr évi a aval i ação e aut or i zação
l egi sl at i va.

Art. 114 – Os bens municipais poderão ser utilizados por
terceiros, mediante concessão, permissão, autorização e locação
social, conforme o caso e o interesse público ou social,
devidamente justificado, o exigir.

§ 1º - A concessão administrativa de bens públicos depende
de autorização legislativa e concorrência e será formalizada
mediante contrato, sob pena de nulidade do ato.

§ 2º - A concorrência a que se refere o § 1º será
dispensada quando o uso se destinar a concessionárias de
serviço público, entidades assistenciais ou filantrópicas ou
quando houver interesse público ou social devidamente
justificado.

§ 3º - Considera-se de interesse social a prestação de
serviços, exercida sem fins lucrativos, voltados ao atendimento
das necessidades básicas da população em saúde, educação,
cultura, entidades carnavalescas, esportes, entidades
religiosas e segurança pública.

§ 4º - A permissão de uso, que poderá incidir sobre
qualquer bem público, independe de licitação e será sempre por
tempo indeterminado e formalizada por termo administrativo.

§ 5º - A autorização será formalizada por portaria, para
atividades ou usos específicos e transitórios, pelo prazo
máximo de 90 (noventa) dias, exceto quando se destinar a formar
canteiro de obra ou de serviço público, caso em que o prazo
corresponderá ao da duração da obra ou do serviço.

§ 6º - A locação social de unidades habitacionais de
interesse social produzidas ou destinadas à população de baixa
renda independe de autorização legislativa e licitação e será
formalizada por contrato.

§ 7º - Também poderão ser objeto de locação, nos termos da
lei civil, os imóveis incorporados ao patrimônio público por
força de herança vacante ou de arrecadação, até que se ultime o
processo de venda previsto no §5º do art. 112 desta lei.

§ 8º - O Prefeito deverá encaminhar anualmente à Câmara
Municipal relatório contendo a identificação dos bens
municipais objeto de concessão de uso, de permissão de uso e de
locação social, em cada exercício, assim como sua destinação e
o beneficiário.

§ 9º - Serão nulas de pleno direito as concessões,
permissões, autorizações, locações, bem como quaisquer outros
ajustes formalizados após a promulgação desta lei, em desacordo
com o estabelecido neste artigo.

LEI ORGÂNI CA DO MUNI CÍ PI O DE SÃO PAULO

41
§ 10 – A autorização legislativa para concessão
administrativa deixará de vigorar se o contrato não for
formalizado, por escritura pública, dentro do prazo de 3 (três)
anos, contadas da data da publicação da lei ou da data nela
fixada para a prática do ato.
(§8º acrescentado pela Emenda 09/91; a Emenda 26/05
alterou todo o artigo; a Emenda 27/05 alterou o §3º,
anteriormente alterado pela Emenda 26/05)


CAPÍTULO IV
DAS NORMAS ADMI NI STRATI VAS

Ar t . 115 - A publ i cação das l ei s e at os admi ni st r at i vos
ser á f ei t a pel o ór gão of i ci al do Muni cí pi o.

§ 1º - A publ i cação dos at os não nor mat i vos poder á ser
r esumi da.

§ 2º - Os at os de ef ei t os ext er nos só pr oduzi r ão ef ei t os
após a sua publ i cação.

Art. 116 - Todas as compr as ef et uadas e ser vi ços
cont r at ados pel o Execut i vo e Legi sl at i vo, na admi ni st r ação
di r et a ou i ndi r et a, ou pel o Tr i bunal de Cont as do Muni cí pi o,
ser ão obj et o de publ i cação mensal no Di ár i o Of i ci al ,
di scr i mi nando- se, r esumi dament e, obj et o, quant i dade e pr eço.

Art. 117 - Os edi t ai s e publ i cações of i ci ai s da Pr ef ei t ur a
Muni ci pal de São Paul o, edi t ados nos j or nai s de gr ande
ci r cul ação l ocal , poder ão ser t r anscr i t os nos j or nai s de bai r r o
onde a mat ér i a apr esent e mai or i nt er esse, na f or ma da l ei .

Art. 118 - O Poder Execut i vo publ i car á e envi ar á ao Poder
Legi sl at i vo, no máxi mo 30 ( t r i nt a) di as após o encer r ament o de
cada semest r e, r el at ór i o compl et o sobr e os gast os publ i ci t ár i os
da admi ni st r ação di r et a e i ndi r et a, par a f i ns de aver i guação do
cumpr i ment o do di spost o no § 1º, do ar t . 37 da Const i t ui ção da
Repúbl i ca.

§ 1º - As empr esas est at ai s que sof r er em concor r ênci a de
mer cado dever ão r est r i ngi r sua publ i ci dade ao seu obj et i vo
soci al .

§ 2º - O não cumpr i ment o do di spost o no par ágr af o ant er i or
i mpl i car á i nst aur ação i medi at a de pr ocedi ment o admi ni st r at i vo
par a sua apur ação, sempr ej uí zo da suspensão da publ i ci dade.

Art. 119 - O Muni cí pi o não conceder á l i cença ou
aut or i zação, e as cassar á, quando, em est abel eci ment os,
ent i dades, r epr esent ações ou associ ações, f i car pr ovada a
di scr i mi nação r aci al , bem como qual quer out r a pr át i ca
at ent at ór i a aos di r ei t os f undament ai s, at r avés de sóci os,
ger ent es, admi ni st r ador es e pr epost os.

Art. 120 - A admi ni st r ação é obr i gada a at ender às
r equi si ções j udi ci ai s no pr azo f i xado pel a aut or i dade
j udi ci ár i a, bemcomo a f or necer a qual quer ci dadão, par a def esa
de seus di r ei t os e escl ar eci ment os de si t uações de seu
LEI ORGÂNI CA DO MUNI CÍ PI O DE SÃO PAULO

42
i nt er esse pessoal , no pr azo máxi mo de 20 ( vi nt e) di as út ei s,
cer t i dão de at os, cont r at os e deci sões, sob pena de
r esponsabi l i dade do ser vi dor que r et ar dar a sua expedi ção.

Art. 121 - Os ór gãos da admi ni st r ação di r et a, i ndi r et a e
f undaci onal , i ncl ui ndo a Câmar a Muni ci pal e o Tr i bunal de
Cont as do Muni cí pi o, publ i car ão, separ ada e anual ment e, no
Di ár i o Of i ci al do Muni cí pi o, o val or da r emuner ação dos seus
car gos, empr egos e f unções, o númer o de ser vi dor es e
f unci onár i os at i vos e i nat i vos e quadr os- r esumos da composi ção
de ser vi dor es segundo as f ai xas de r emuner ação.

Art. 122 - Nas r epar t i ções públ i cas muni ci pai s, i ncl usi ve
na Câmar a Muni ci pal e no Tr i bunal de Cont as do Muni cí pi o,
naquel as uni dades de at endi ment o à popul ação ser á af i xado em
l ugar vi sí vel ao públ i co quadr o comnomes de seus ser vi dor es e
f unci onár i os, car gos que ocupame hor ár i o de t r abal ho.


CAPÍTULO V
DAS OBRAS, SERVI ÇOS E LI CI TAÇÕES

Ar t . 123 - Os ser vi ços públ i cos const i t uem dever do
Muni cí pi o.

Par ágr af o úni co - Ao usuár i o f i ca gar ant i do ser vi ço
públ i co compat í vel com sua di gni dade humana, pr est ado com
ef i ci ênci a, r egul ar i dade, pont ual i dade, uni f or mi dade, conf or t o
e segur ança, semdi st i nção de qual quer espéci e.

Art. 124 - A r eal i zação de obr as e ser vi ços muni ci pai s
dever á ser adequada às di r et r i zes do Pl ano Di r et or .

Art. 125 - Const i t uemser vi ços muni ci pai s, ent r e out r os:

I - admi ni st r ar o ser vi ço f uner ár i o e os cemi t ér i os
públ i cos, f i scal i zando aquel es per t encent es às ent i dades
pr i vadas;
II - administrar a coleta, a reciclagem, o tratamento e o
destino do lixo;
(Alterado pela Emenda 25/02)
I I I - ef et uar a l i mpeza das vi as e l ogr adour os públ i cos.

Art. 126 - Os ser vi ços públ i cos muni ci pai s ser ão pr est ados
pel o Poder Públ i co, di r et ament e ou sob r egi me de concessão ou
per mi ssão, nos t er mos dest a l ei .

§ 1º - O não cumpr i ment o dos encar gos t r abal hi st as, bem
como das nor mas de saúde, hi gi ene e segur ança do t r abal ho e de
pr ot eção do mei o ambi ent e pel a pr est ador a de ser vi ços públ i cos
i mpor t ar á a r esci são do cont r at o semdi r ei t o a i ndeni zação.

§ 2º - A l ei f i xar á e gr aduar á as sanções a ser emi mpost as
às per mi ssi onár i as ou concessi onár i as que desat ender em o
di spost o no § 1º, pr evendo, i ncl usi ve, as hi pót eses de não
r enovação da per mi ssão ou concessão.

§ 3º - O di spost o nest e ar t i go não i mpede a l ocação de
bens ou ser vi ços, por par t e da Admi ni st r ação Di r et a ou
LEI ORGÂNI CA DO MUNI CÍ PI O DE SÃO PAULO

43
I ndi r et a, com o i nt ui t o de possi bi l i t ar a r egul ar e ef i caz
pr est ação de ser vi ço públ i co.

Art. 127 - A par al i sação das obr as públ i cas i ni ci adas
depender á de pr évi a aut or i zação l egi sl at i va.

Art. 128 - Lei Muni ci pal di spor á sobr e:

I - o r egi me das concessões e per mi ssões de ser vi ços
públ i cos, o car át er especi al do r espect i vo cont r at o ou at o, o
pr azo de dur ação e event ual pr or r ogação, admi t i da est a apenas
excepci onal ment e, bem como as condi ções de caduci dade,
f i scal i zação e r esci são da concessão e da per mi ssão;
I I - os di r ei t os dos usuár i os;
I I I - a pol í t i ca t ar i f ár i a;
I V - a obr i gação de mant er ser vi ço adequado.

§ 1º - O di spost o nest e ar t i go não i ni be a admi ni st r ação
di r et a ou i ndi r et a de ut i l i zar out r as f or mas ou i nst r ument os
j ur í di cos par a t r ansf er i r a t er cei r os a oper ação di r et a do
ser vi ço públ i co.

§ 2º - O Muni cí pi o poder á r et omar , sem i ndeni zação, os
ser vi ços a que se r ef er e o " caput " dest e ar t i go, desde que
const at ado que sua execução não at enda às condi ções
est abel eci das no at o de per mi ssão ou cont r at o de concessão.

Art. 129 - As l i ci t ações e os cont r at os cel ebr ados pel o
Muni cí pi o par a compr as, obr as e ser vi ços ser ão di sci pl i nados
por l ei , r espei t adas as nor mas ger ai s edi t adas pel a Uni ão, os
pr i ncí pi os da i gual dade dos par t i ci pant es, da publ i ci dade, da
pr obi dade admi ni st r at i va, da vi ncul ação ao i nst r ument o
convocat ór i o, do j ul gament o obj et i vo do i nt er esse públ i co e dos
que l he são cor r el at os.

§ 1º - A l egi sl ação or di nár i a est abel ecer á l i mi t es
di f er enci ados par a a r eal i zação de l i ci t ações pel as uni dades
descent r al i zadas da admi ni st r ação muni ci pal , bem como os casos
de di spensa e i nexi gênci a de l i ci t ação.

§ 2º - As obr as e ser vi ços muni ci pai s dever ão ser
pr ecedi dos dos r espect i vos pr oj et os ou est udos ai nda quando se
t r at ar de di spensa ou i nexi gi bi l i dade de l i ci t ação, sob pena de
i nval i dação de cont r at o.


CAPÍTULO VI
DA ADMI NI STRAÇÃO TRI BUTÁRI A E FI NANCEI RA

SEÇÃO I
DA TRI BUTAÇÃO

Art. 130 - Compet e ao Muni cí pi o i nst i t ui r :

I - os i mpost os pr evi st os na Const i t ui ção da Repúbl i ca
como de compet ênci a muni ci pal ;
I I - t axas, emr azão do exer cí ci o do poder de pol í ci a, ou
pel a ut i l i zação ef et i va ou pot enci al de ser vi ços públ i cos de
LEI ORGÂNI CA DO MUNI CÍ PI O DE SÃO PAULO

44
sua at r i bui ção, especí f i cos e di vi sí vei s, pr est ados ao
cont r i bui nt e ou post os à sua di sposi ção;
I I I - cont r i bui ção de mel hor i a, decor r ent e de obr as
públ i cas;
I V - cont r i bui ção cobr ada de seus ser vi dor es, par a
cust ei o, em benef í ci o del es, de si st emas de pr evi dênci a e
assi st ênci a soci al .

§ 1º - Sempr e que possí vel , os i mpost os t er ão car át er
pessoal e ser ão gr aduados segundo a capaci dade econômi ca do
cont r i bui nt e, f acul t ado à admi ni st r ação t r i but ár i a,
especi al ment e par a conf er i r ef et i vi dade a esses obj et i vos,
i dent i f i car , r espei t ados os di r ei t os i ndi vi duai s e, nos t er mos
da l ei , o pat r i môni o, os r endi ment os e as at i vi dades econômi cas
do cont r i bui nt e.

§ 2º - As t axas não poder ão t er base de cál cul o pr ópr i a de
i mpost os.

§ 3º - A ar r ecadação e a f i scal i zação dos t r i but os
muni ci pai s são de compet ênci a do poder públ i co.

§ 4º - O Muni cí pi o coor denar á e uni f i car á ser vi ços de
f i scal i zação e ar r ecadação de t r i but os, bemcomo poder á del egar
à Uni ão, Est ados e out r os Muni cí pi os e del es r eceber encar gos
de f i scal i zação t r i but ár i a.

Art. 131 - Sempr ej uí zo de out r as gar ant i as assegur adas ao
cont r i bui nt e, é vedado ao Muni cí pi o:

I - exi gi r ou aument ar t r i but o seml ei que o est abel eça;
I I - i nst i t ui r t r at ament o desi gual ent r e cont r i bui nt es que
se encont r em em si t uação equi val ent e, pr oi bi da qual quer
di st i nção emr azão de ocupação pr of i ssi onal ou f unções por el es
exer ci das, i ndependent e da denomi nação j ur í di ca dos
r endi ment os, t í t ul os ou di r ei t os;
I I I - cobr ar t r i but os:

a) em r el ação a f at os ger ador es ocor r i dos ant es do i ní ci o
da vi gênci a da l ei que os houver i nst i t uí dos ou aument ado;
b) no mesmo exer cí ci o f i nancei r o em que haj a si do
publ i cada a l ei que os i nst i t ui u ou aument ou;

I V - ut i l i zar t r i but o comef ei t o de conf i sco;
V - est abel ecer l i mi t ação ao t r áf ego de pessoas ou bens,
por mei o de t r i but o;
VI - i nst i t ui r i mpost os sobr e:

a) pat r i môni o, r enda ou ser vi ços da Uni ão, dos Est ados, do
Di st r i t o Feder al e dos Muni cí pi os;
b) t empl os de qual quer cul t o;
c) pat r i môni o, r enda ou ser vi ços dos par t i dos pol í t i cos,
i ncl usi ve suas f undações, das ent i dades si ndi cai s, dos
t r abal hador es, das i nst i t ui ções de educação e de assi st ênci a
soci al semf i ns l ucr at i vos, at endi dos os r equi si t os da l ei ;
d) l i vr os, j or nai s, per i ódi cos e o papel dest i nado à sua
i mpr essão.

LEI ORGÂNI CA DO MUNI CÍ PI O DE SÃO PAULO

45
§ 1º - A pr oi bi ção do i nci so VI , al í nea " a" , é ext ensi va
às aut ar qui as e f undações i nst i t uí das ou mant i das pel o Poder
Públ i co, no que se r ef er e ao pat r i môni o, à r enda e aos
ser vi ços, vi ncul ados aos seus f i ns essenci ai s ou del es
decor r ent es.

§ 2º - As pr oi bi ções do i nci so VI , al í nea " a" e do
par ágr af o ant er i or não se apl i camao pat r i môni o, à r enda e aos
ser vi ços r el aci onados com expl or ação de at i vi dades econômi cas
r egi das pel as nor mas apl i cávei s a empr eendi ment os pr i vados, ou
em que haj a cont r apr est ação ou pagament o de pr eços ou t ar i f as
pel o usuár i o nemexoner a o pr omi t ent e compr ador da obr i gação de
pagar i mpost os r el at i vament e ao bemi móvel .

§ 3º - A cont r i bui ção de que t r at a o ar t . 130, i nci so I V,
só poder á ser exi gi da após decor r i dos 90 ( novent a) di as da
publ i cação da l ei que a houver i nst i t uí da ou modi f i cada, não se
l he apl i cando o di spost o no i nci so I I I , al í nea " b" , dest e
ar t i go.

§ 4º - As pr oi bi ções expr essas no i nci so VI , al í neas " b" e
" c" , compr eendem soment e o pat r i môni o, a r enda e os ser vi ços
r el aci onados com as f i nal i dades essenci ai s das ent i dades nel as
menci onadas.

§ 5º - A l ei det er mi nar á medi das par a que os consumi dor es
sej am escl ar eci dos acer ca dos i mpost os que i nci dam sobr e
mer cador i as e ser vi ços.

§ 6º - Qualquer subsídio ou isenção, redução de base de
cálculo, concessão de crédito presumido, anistia ou remissão,
relativos a impostos, taxas ou contribuições, só poderá ser
concedido mediante lei específica municipal, que regule
exclusivamente as matérias acima enumeradas ou o correspondente
tributo ou contribuição.
(Alterado pela Emenda 24/01)

§ 7º - A lei poderá atribuir ao sujeito passivo de
obrigação tributária a condição de responsável pelo pagamento
de imposto ou contribuição, cujo fato gerador deva ocorrer
posteriormente, assegurada a imediata e preferencial
restituição da quantia paga, caso não se realize o fato gerador
presumido.
(Acrescentado pela Emenda 24/01)

Art. 132 - É vedada a cobr ança de t axas:

I - pel o exer cí ci o do di r ei t o de pet i ção ao Poder Públ i co
emdef esa de di r ei t os cont r a i l egal i dade ou abuso do Poder ;
I I - par a obt enção de cer t i dões em r epar t i ções públ i cas,
par a def esa de di r ei t os e escl ar eci ment os de i nt er esse pessoal .

Art. 133 - Compet e ao Muni cí pi o i nst i t ui r i mpost os sobr e:

I - pr opr i edade pr edi al e t er r i t or i al ur bana;
I I - t r ansmi ssão " i nt er vi vos" a qual quer t í t ul o, por at o
oner oso, de bens i móvei s, por nat ur eza ou acessão f í si ca, e de
di r ei t os r eai s sobr e i móvei s, excet o os de gar ant i a, bem como
cessão de di r ei t os à sua aqui si ção;
LEI ORGÂNI CA DO MUNI CÍ PI O DE SÃO PAULO

46
III - vendas a varejo de combustíveis líquidos e gasosos,
exceto óleo diesel;
(Revogado pela Emenda 24/01)
I V - ser vi ços de qual quer nat ur eza, na f or ma da
Const i t ui ção da Repúbl i ca.

§ 1º - O imposto previsto no inciso I nos termos de lei
municipal, poderá ser:
I - progressivo de forma a assegurar o cumprimento da
função social da propriedade;
II - progressivo em razão do valor do imóvel;
III - ter alíquotas diferentes de acordo com a localização
e o uso do imóvel.
(Alterado pela Emenda 24/01)

§ 2º - O i mpost o pr evi st o no i nci so I I :

I - não i nci de sobr e a t r ansmi ssão de bens ou di r ei t os
i ncor por ados ao pat r i môni o de pessoa j ur í di ca em r eal i zação de
capi t al , nem sobr e a t r ansmi ssão de bens ou di r ei t os
decor r ent es de f usão, i ncor por ação, ci são ou ext i nção de
pessoas j ur í di cas, sal vos se, nesses casos, a at i vi dade
pr eponder ant e do adqui r ent e f or a compr a e venda desses bens ou
di r ei t os, l ocação de bens i móvei s ou ar r endament o mer cant i l ;
I I - i nci de sobr e a t r ansmi ssão por at o oner oso
" i nt er vi vos" de bens i móvei s e di r ei t os a el es r el at i vos de
i móvei s si t uados no t er r i t ór i o do Muni cí pi o.

§ 3º - O imposto previsto no inciso III não exclui a
incidência do imposto estadual previsto no art. 155, inciso I,
alínea "b", da Constituição da República, sobre a mesma
operação.
(Revogado pela Emenda 24/01)

Ar t . 134 - Os r ecur sos admi ni st r at i vos em mat ér i a
t r i but ár i a ser ão obr i gat or i ament e j ul gados por ór gão col egi ado
a ser cr i ado por l ei .

Ar t . 135 - O Muni cí pi o di vul gar á, at é o úl t i mo di a do mês
subsequent e ao da ar r ecadação, os mont ant es de cada um dos
t r i but os ar r ecadados e das t r ansf er ênci as r ecebi das.

Art. 136 - A i senção, ani st i a e r emi ssão r el at i vas a
t r i but os e penal i dades só poder ão ser concedi das em car át er
genér i co e f undadas em i nt er esse públ i co j ust i f i cado, sob pena
de nul i dade do at o.

SEÇÃO II
DOS ORÇAMENTOS

Art. 137 - Lei s de i ni ci at i va do Poder Execut i vo Muni ci pal
est abel ecer ão:

I - o pl ano pl ur i anual ;
I I - as di r et r i zes or çament ár i as;
I I I - os or çament os anuai s.

§ 1º - A l ei que i nst i t ui r o pl ano pl ur i anual
est abel ecer á, de f or ma r egi onal i zada, as di r et r i zes, obj et i vos
LEI ORGÂNI CA DO MUNI CÍ PI O DE SÃO PAULO

47
e met as da admi ni st r ação públ i ca muni ci pal par a as despesas de
capi t al , e out r as del as decor r ent es, e par a as r el at i vas aos
pr ogr amas de dur ação cont i nuada.

§ 2º - A l ei de di r et r i zes or çament ár i as compr eender á as
met as e pr i or i dades da admi ni st r ação públ i ca muni ci pal ,
i ncl ui ndo as despesas de capi t al par a o exer cí ci o f i nancei r o
subsequent e, or i ent ar á a el abor ação da l ei or çament ár i a anual e
di spor á sobr e as al t er ações na l egi sl ação t r i but ár i a.

§ 3º - O Poder Execut i vo Muni ci pal publ i car á, at é 30
( t r i nt a) di as após o encer r ament o de cada bi mest r e, r el at ór i o
r esumi do da execução or çament ár i a.

§ 4º - Os pl anos e pr ogr amas muni ci pai s, r egi onai s e
set or i ai s pr evi st os na Lei Or gâni ca ser ão el abor ados em
consonânci a com o pl ano pl ur i anual e apr eci ados pel a Câmar a
Muni ci pal .

§ 5º - A l ei or çament ár i a anual compr eender á:

I - o or çament o f i scal r ef er ent e aos poder es do Muni cí pi o,
seus f undos, ór gãos e ent i dades da admi ni st r ação di r et a e
i ndi r et a;
I I - o or çament o de i nvest i ment o das empr esas em que o
Muni cí pi o, di r et a ou i ndi r et ament e, det enha a mai or i a do
capi t al soci al comdi r ei t o a vot o.

§ 6º - O pr oj et o de l ei or çament ár i a ser á acompanhado de
demonst r at i vo do ef ei t o, sobr e as r ecei t as e as despesas,
decor r ent e de i senções, ani st i as, r emi ssões, subsí di os e
benef í ci os de nat ur eza f i nancei r a, t r i but ár i a e cr edi t í ci a.

§ 7º - A l ei or çament ár i a anual não cont er á di sposi t i vo
est r anho à pr evi são da r ecei t a e à f i xação da despesa, não se
i ncl ui ndo na pr oi bi ção a aut or i zação par a aber t ur a de cr édi t os
supl ement ar es e cont r at ação de oper ações de cr édi t o, ai nda que
por ant eci pação de r ecei t a, nos t er mos da l ei .

§ 8º - A l ei or çament ár i a anual i dent i f i car á,
i ndi vi dual i zando- os, os pr oj et os e at i vi dades, segundo a sua
l ocal i zação, di mensão, car act er í st i cas pr i nci pai s e cust o.

§ 9º - As leis orçamentárias a que se refere este artigo
deverão incorporar as prioridades e ações estratégicas do
Programa de Metas e da lei do Plano Diretor Estratégico.

§ 10. - As diretrizes do Programa de Metas serão
incorporadas ao projeto de lei que visar à instituição do plano
plurianual dentro do prazo legal definido para a sua
apresentação à Câmara Municipal.
(Acrescentados pela Emenda 30/08)

Art. 138 - Os pr oj et os de l ei r el at i vos ao pl ano
pl ur i anual , às di r et r i zes or çament ár i as, ao or çament o anual e
aos cr édi t os adi ci onai s ser ão apr eci ados pel a Câmar a Muni ci pal ,
na f or ma do Regi ment o I nt er no.

LEI ORGÂNI CA DO MUNI CÍ PI O DE SÃO PAULO

48
§ 1º - Caber á à Comi ssão de Fi nanças e Or çament o:

I - exami nar e emi t i r par ecer sobr e os pr oj et os r ef er i dos
nest e ar t i go e sobr e as cont as apr esent adas anual ment e pel o
Pr ef ei t o;
I I - exami nar e emi t i r par ecer sobr e os pl anos e pr ogr amas
muni ci pai s e set or i ai s pr evi st os nest a Lei Or gâni ca, e exer cer
o acompanhament o e a f i scal i zação or çament ár i a.

§ 2º - As emendas ser ão apr esent adas na Comi ssão de
Fi nanças e Or çament o, que sobr e el as emi t i r á par ecer , e ser ão
apr eci adas, na f or ma r egi ment al , pel o pl enár i o da Câmar a
Muni ci pal .

§ 3º - As emendas ao pr oj et o de l ei do or çament o anual ou
aos pr oj et os que o modi f i quemsoment e podemser apr ovadas caso:

I - sej am compat í vei s com o pl ano pl ur i anual e com a l ei
de di r et r i zes or çament ár i as;
I I - i ndi quemos r ecur sos necessár i os, admi t i dos apenas os
pr oveni ent es de anul ação de despesas, excl uí das as que i nci dam
sobr e:
a) dot ações par a pessoal e seus encar gos;
b) ser vi ços da dí vi da; ou

I I I - sej amr el aci onadas:
a) coma cor r eção de er r os ou omi ssões ou;
b) comos di sposi t i vos do t ext o do pr oj et o de l ei .

§ 4º - As emendas ao pr oj et o de l ei de di r et r i zes
or çament ár i as não poder ão ser apr ovadas quando i ncompat í vei s
como pl ano pl ur i anual .

§ 5º - O Pr ef ei t o poder á envi ar mensagem à Câmar a
Muni ci pal par a pr opor modi f i cações nos pr oj et os a que se r ef er e
est e ar t i go enquant o não i ni ci ada a vot ação, na Comi ssão
Per manent e, da par t e cuj a al t er ação é pr opost a.

§ 6º - Os projetos de lei do plano plurianual, das
diretrizes orçamentárias e do orçamento anual serão enviadas
pelo Prefeito à Câmara Municipal, nos termos da lei, e nos
seguintes prazos:

I - diretrizes orçamentárias: 15 de abril;
(Alterado pela Emenda 24/01)
I I - pl ano pl ur i anual e or çament o anual : 30 de set embr o.

§ 7º - Apl i cam- se aos pr oj et os menci onados nest e ar t i go,
no que não cont r ar i ar o di spost o nest a seção, as demai s nor mas
r el at i vas ao pr ocesso l egi sl at i vo.

§ 8º - Os r ecur sos que, emdecor r ênci a de vet o, emenda ou
r ej ei ção do pr oj et o de l ei or çament ár i a anual , f i car em sem
despesas cor r espondent es poder ão ser ut i l i zados, conf or me o
caso, medi ant e cr édi t os especi ai s ou supl ement ar es, com pr évi a
e especí f i ca aut or i zação l egi sl at i va.

§ 9º - O projeto de lei de diretrizes orçamentárias
encaminhado à Câmara Municipal no prazo previsto no inciso I do
LEI ORGÂNI CA DO MUNI CÍ PI O DE SÃO PAULO

49
§ 6º deste artigo será votado e remetido à sanção até 30 de
junho.

§ 10 - O projeto de lei do plano plurianual encaminhado à
Câmara Municipal no prazo previsto no inciso II do § 6º deste
artigo será votado e remetido à sanção até 31 de dezembro.
(Acrescentados pela Emenda 24/01)

Art. 139 - Não t endo o Legi sl at i vo r ecebi do a pr opost a de
or çament o anual at é a dat a pr evi st a no i nci so I I do § 6º do
ar t i go ant er i or , ser á consi der ado como pr oj et o a l ei
or çament ár i a vi gent e, pel os val or es de sua edi ção i ni ci al ,
monet ar i ament e cor r i gi dos pel a apl i cação de í ndi ce
i nf l aci onár i o of i ci al , r espei t ado o pr i ncí pi o do equi l í br i o
or çament ár i o.

Art. 140 - Apl i car - se- á, par a o ano subsequent e, a l ei
or çament ár i a vi gent e, pel os val or es de edi ção i ni ci al ,
monet ar i ament e cor r i gi dos pel a apl i cação de í ndi ce
i nf l aci onár i o of i ci al , caso o Legi sl at i vo, at é 31 de dezembr o,
não t enha vot ado a pr opost a de or çament o.

Art. 141 - O Poder Execut i vo encami nhar á à Câmar a
Muni ci pal , at é o úl t i mo di a de cada mês, a posi ção da " Dí vi da
Fundada I nt er na e Ext er na" e da " Dí vi da Fl ut uant e" do
Muni cí pi o, no mês ant er i or , i ndi cando, ent r e out r os dados, o
t i po de oper ação de cr édi t o que a or i gi nou, as i nst i t ui ções
cr edor as, as condi ções cont r at uai s, o sal do devedor e o per f i l
de amor t i zação.

Art. 142 - O bal ancet e r el at i vo à r ecei t a e despesa do mês
ant er i or ser á encami nhado à Câmar a pel o Execut i vo e publ i cado
mensal ment e at é o di a 20 ( vi nt e) , no ór gão of i ci al de i mpr ensa
do Muni cí pi o.

Par ágr af o úni co - A concessão de qual quer vant agem ou
aument o de r emuner ação, a cr i ação de car gos ou al t er ação de
est r ut ur a de car r ei r as, bem como a admi ssão de pessoal , a
qual quer t í t ul o, pel os ór gãos e ent i dades da admi ni st r ação
di r et a e i ndi r et a, i ncl usi ve f undações i nst i t uí das e mant i das
pel o Poder Públ i co, só poder ão ser f ei t as:

I - se houver pr évi a dot ação or çament ár i a suf i ci ent e par a
at ender às pr oj eções de despesas de pessoal e aos acr ésci mos
del as decor r ent es;
I I - se houver aut or i zação l egi sl at i va especí f i ca na l ei
de di r et r i zes or çament ár i as, r essal vadas as empr esas públ i cas e
as soci edades de economi a mi st a.


CAPÍTULO VII
DO PLANEJ AMENTO MUNI CI PAL

SEÇÃO I
DO PROCESSO DE PLANEJ AMENTO

Art. 143 - O Muni cí pi o or gani zar á sua admi ni st r ação e
exer cer á suas at i vi dades combase numpr ocesso de pl anej ament o,
de car át er per manent e, descent r al i zado e par t i ci pat i vo, como
LEI ORGÂNI CA DO MUNI CÍ PI O DE SÃO PAULO

50
i nst r ument o de democr at i zação da gest ão da ci dade, de
est r ut ur ação da ação do Execut i vo e or i ent ação da ação dos
par t i cul ar es.

§ 1º - Consi der a- se pr ocesso de pl anej ament o a def i ni ção
de obj et i vos det er mi nados em f unção da r eal i dade l ocal e da
mani f est ação da popul ação, a pr epar ação dos mei os par a at i ngi -
l os, o cont r ol e de sua apl i cação e a aval i ação dos r esul t ados
obt i dos.

§ 2º - Os pl anos i nt egr ant es do pr ocesso de pl anej ament o
dever ão ser compat í vei s ent r e si e segui r as pol í t i cas ger ai s e
set or i ai s segundo as quai s o Muni cí pi o or gani za sua ação.

§ 3º - É assegur ada a par t i ci pação di r et a dos ci dadãos, em
t odas as f ases do pl anej ament o muni ci pal , na f or ma da l ei ,
at r avés das suas i nst ânci as de r epr esent ação, ent i dades e
i nst r ument os de par t i ci pação popul ar .

§ 4º - Lei di sci pl i nar á a r eal i zação, a di scussão, o
acompanhament o da i mpl ant ação, a r evi são e at ual i zação dos
pl anos i nt egr ant es do pr ocesso de pl anej ament o.


SEÇÃO II
DOS I NSTRUMENTOS DO PLANEJ AMENTO
MUNI CI PAL

Ar t . 144 - I nt egr am o pr ocesso de pl anej ament o os
segui nt es pl anos:

I - o Pl ano Di r et or , de el abor ação e at ual i zação
obr i gat ór i as, nos t er mos da Const i t ui ção da Repúbl i ca;
I I - o pl ano pl ur i anual ;
I I I - os pl anos set or i ai s, r egi onai s, l ocai s e
especí f i cos.

Ar t . 145 - Os pl anos vi ncul am os at os de ór gãos e
ent i dades da admi ni st r ação di r et a e i ndi r et a.

Par ágr af o úni co - A l ei di spor á sobr e os pr ocedi ment os e
mei os necessár i os à vi ncul ação dos at os da admi ni st r ação aos
pl anos i nt egr ant es do pr ocesso de pl anej ament o.

Art. 146 - Compet e ao Muni cí pi o i mpl ant ar e mant er
at ual i zado o si st ema muni ci pal de i nf or mações soci ai s,
cul t ur ai s, econômi cas, f i nancei r as, pat r i moni ai s,
admi ni st r at i vas, f í si co- t er r i t or i ai s, i ncl usi ve car t ogr áf i cas e
geol ógi cas, ambi ent ai s e out r as de r el evant e i nt er esse par a o
Muni cí pi o, assegur ada sua ampl a e per i ódi ca di vul gação, e
gar ant i ndo seu acesso aos muní ci pes.

§ 1º - O si st ema de i nf or mações deve at ender aos
pr i ncí pi os da si mpl i f i cação, economi ci dade, pr eci são e
segur ança, evi t ando- se dupl i cações de mei os e i nst r ument os.

§ 2º - Os agent es públ i cos e pr i vados f i cam obr i gados a
f or necer ao Muni cí pi o, nos t er mos da l ei , t odos os dados e
i nf or mações necessár i as ao si st ema.
LEI ORGÂNI CA DO MUNI CÍ PI O DE SÃO PAULO

51

§ 3º - O si st ema de i nf or mações est abel ecer á i ndi cador es
econômi cos, f i nancei r os, soci ai s, ur baní st i cos e ambi ent ai s,
ent r e out r os, mant endo- os at ual i zados e di vul gando- os
per i odi cament e, de f or ma a per mi t i r a aval i ação, pel a
popul ação, dos r esul t ados da ação da admi ni st r ação.




SEÇÃO III
DA PARTI CI PAÇÃO NAS ENTI DADES
REGI ONAI S

Art. 147 - O Muni cí pi o, a par t i ci par das est r ut ur as
r egi onai s cr i adas pel o Est ado, nos t er mos do que di spõem a
Const i t ui ção da Repúbl i ca e a Est adual , f ar á val er os
pr i ncí pi os e os i nt er esses de seus habi t ant es.

§ 1º - O Muni cí pi o f avor ecer á a f or mação e o f unci onament o
de consór ci os ent r e muni cí pi os vi sando ao t r at ament o e à
sol ução de pr obl emas comuns.

§ 2º - O Muni cí pi o compat i bi l i zar á, quando de i nt er esse
par a a sua popul ação, seus pl anos e nor mas de or denament o do
uso e ocupação do sol o aos pl anos e nor mas r egi onai s e as
di r et r i zes est abel eci das por compr omi ssos consor ci ai s.



TÍTULO V
DO DESENVOLVI MENTO DO MUNI CÍ PI O

CAPÍTULO I
DA POLÍ TI CA URBANA

Art. 148 - A pol í t i ca ur bana do Muni cí pi o t er á por
obj et i vo or denar o pl eno desenvol vi ment o das f unções soci ai s da
ci dade, pr opi ci ar a r eal i zação da f unção soci al da pr opr i edade
e gar ant i r o bem- est ar de seus habi t ant es, pr ocur ando
assegur ar :

I - o uso soci al ment e j ust o e ecol ogi cament e equi l i br ado
de seu t er r i t ór i o;
I I - o acesso de t odos os seus ci dadãos às condi ções
adequadas de mor adi a, t r anspor t e públ i co, saneament o bási co,
i nf r a- est r ut ur a vi ár i a, saúde, educação, cul t ur a, espor t e e
l azer e às opor t uni dades econômi cas exi st ent es no Muni cí pi o;
I I I - a segur ança e a pr ot eção do pat r i môni o pai sagí st i co,
ar qui t et ôni co, cul t ur al e hi st ór i co;
I V - a pr eser vação, a pr ot eção e a r ecuper ação do mei o
ambi ent e;
V - a qual i dade est ét i ca e r ef er enci al da pai sagemnat ur al
e agr egada pel a ação humana.

Art. 149 - O Muni cí pi o, par a cumpr i r o di spost o no ar t i go
ant er i or , pr omover á i gual ment e:

LEI ORGÂNI CA DO MUNI CÍ PI O DE SÃO PAULO

52
I - o cont r ol e da i mpl ant ação e do f unci onament o das
at i vi dades i ndust r i ai s, comer ci ai s, i nst i t uci onai s, de
ser vi ços, do uso r esi denci al e da i nf r a- est r ut ur a ur bana,
cor r i gi ndo deseconomi as ger adas no pr ocesso de ur bani zação;
I I - a cor r et a ut i l i zação de ár eas de r i sco geol ógi co e
hi dr ol ógi co, e out r as def i ni das em l ei , or i ent ando e
f i scal i zando o seu uso e ocupação, bem como pr evendo si st emas
adequados de escoament o e i nf i l t r ação das águas pl uvi ai s e de
pr evenção da er osão do sol o;
I I I - o uso r aci onal e r esponsável dos r ecur sos hí dr i cos
par a quai squer f i nal i dades desej ávei s;
I V - a cr i ação e manut enção de ár eas de especi al i nt er esse
hi st ór i co, ur baní st i co, soci al , ambi ent al , ar qui t et ôni co,
pai sagí st i co, cul t ur al , t ur í st i co, espor t i vo e de ut i l i zação
públ i ca, de acor do coma sua l ocal i zação e car act er í st i cas;
V - ações pr eci puament e di r i gi das às mor adi as col et i vas,
obj et i vando dot á- l as de condi ções adequadas de segur ança e
sal ubr i dade;
VI - o combat e a t odas as f or mas de pol ui ção ambi ent al ,
i ncl usi ve a sonor a e nos l ocai s de t r abal ho;
VI I - a pr eser vação dos f undos de val e de r i os, cór r egos e
l ei t os em cur sos não per enes, par a canal i zação, ár eas ver des e
passagemde pedest r es.

Par ágr af o úni co - O Muni cí pi o f or mul ar á o Pl ano Muni ci pal
de Saneament o Bási co e par t i ci par á, i sol adament e, ou em
consór ci o comout r os Muni cí pi os da mesma baci a hi dr ogr áf i ca, do
si st ema i nt egr ado de ger enci ament o de r ecur sos hí dr i cos
pr evi st os no ar t . 205 da Const i t ui ção Est adual .

Art. 149-A - A lei ordenará a paisagem urbana, promovendo-
a em seus aspectos estético, cultural, funcional e ambiental, a
fim de garantir o bem-estar dos habitantes do Município,
considerando, de modo integrado, o conjunto de seus elementos,
em especial os sistemas estruturais, viário e de transporte
público, a topografia, os cursos d'água, as linhas de drenagem
e os fundos de vales, como eixos básicos estruturadores da
paisagem.
(Acrescentado pela Emenda 24/01)

Art. 150 - O Pl ano Di r et or é o i nst r ument o gl obal e
est r at égi co da pol í t i ca de desenvol vi ment o ur bano e de
or i ent ação de t odos os agent es públ i cos e pr i vados que at uamna
ci dade.

§ 1º - O Pl ano Di r et or deve abr anger a t ot al i dade do
t er r i t ór i o do Muni cí pi o, def i ni ndo as di r et r i zes par a o uso do
sol o e par a os si st emas de ci r cul ação, condi ci onados às
pot enci al i dades do mei o f í si co e ao i nt er esse soci al , cul t ur al
e ambi ent al .

§ 2º - Ser á assegur ada a par t i ci pação dos muní ci pes e suas
ent i dades r epr esent at i vas na el abor ação, cont r ol e e r evi são do
Pl ano Di r et or e dos pr ogr amas de r eal i zação da pol í t i ca ur bana.

Art. 151 - A pr opr i edade ur bana cumpr e a sua f unção soci al
quando at ende às exi gênci as f undament ai s de or denação da ci dade
expr essas no Pl ano Di r et or e na l egi sl ação ur baní st i ca del e
decor r ent e.
LEI ORGÂNI CA DO MUNI CÍ PI O DE SÃO PAULO

53

§ 1º - Par a assegur ar o cumpr i ment o da f unção soci al da
pr opr i edade o Muni cí pi o dever á:

I - pr eveni r di st or ções e abusos no desf r ut e econômi co da
pr opr i edade ur bana e coi bi r o uso especul at i vo da t er r a como
r eser va de val or ;
I I - assegur ar o adequado apr ovei t ament o, pel a at i vi dade
i mobi l i ár i a, do pot enci al dos t er r enos ur banos, r espei t ados os
l i mi t es da capaci dade i nst al ada dos ser vi ços públ i cos;
I I I - assegur ar a j ust a di st r i bui ção dos ônus e encar gos
decor r ent es das obr as e ser vi ços da i nf r a- est r ut ur a ur bana e
r ecuper ar par a a col et i vi dade a val or i zação i mobi l i ár i a
decor r ent e da ação do Poder Públ i co.

§ 2º - O di r ei t o de const r ui r ser á exer ci do segundo os
pr i ncí pi os pr evi st os nest e Capí t ul o e cr i t ér i os est abel eci dos
eml ei muni ci pal .

Art. 152 - O Muni cí pi o poder á, na f or ma da l ei , obt er
r ecur sos j unt o à i ni ci at i va pr i vada par a a const r ução de obr as
e equi pament os, at r avés das oper ações ur banas.

Art. 153 - O Poder Públ i co Muni ci pal , medi ant e l ei
especí f i ca par a ár ea i ncl uí da no Pl ano Di r et or , poder á exi gi r
do pr opr i et ár i o do sol o ur bano não edi f i cado, subut i l i zado ou
não ut i l i zado que pr omova seu adequado apr ovei t ament o, sob
pena, sucessi vament e, de:

I - par cel ament o ou edi f i cação compul sór i os, no pr azo
f i xado eml ei muni ci pal ;
I I - i mpost o sobr e a pr opr i edade pr edi al e t er r i t or i al
ur bana, pr ogr essi vo no t empo;
I I I - desapr opr i ação com pagament o medi ant e t í t ul os da
dí vi da públ i ca de emi ssão pr evi ament e apr ovada pel o Senado
Feder al , compr azo de r esgat e de at é 10 ( dez) anos empar cel as
anuai s, i guai s e sucessi vas, assegur ados o val or r eal da
i ndeni zação e os j ur os l egai s.

§ 1º - Ent ende- se por sol o ur bano aquel e compr eendi do na
ár ea ur bana e na ár ea de expansão ur bana.

§ 2º - A al i enação de i móvel post er i or à dat a da
not i f i cação não i nt er r ompe o pr azo f i xado par a o par cel ament o,
a edi f i cação e a ut i l i zação compul sór i os.

Art. 154 - O Muni cí pi o, par a assegur ar os pr i ncí pi os e
di r et r i zes da pol í t i ca ur bana, poder á ut i l i zar , nos t er mos da
l ei , dent r e out r os i nst i t ut os, o di r ei t o de super f í ci e, a
t r ansf er ênci a do di r ei t o de const r ui r , a r equi si ção
ur baní st i ca, a cont r i bui ção de mel hor i a.

Par ágr af o úni co - Equi par a- se aos i nst r ument os de que
t r at a o " caput " , par a i dênt i cas f i nal i dades, o i nst i t ut o do
usucapi ão especi al de i móvei s ur banos, de acor do com o que
di spuser a l ei .

Art. 155 - Par a a ef et i vação da pol í t i ca de
desenvol vi ment o ur bano, o Muni cí pi o adot ar á l egi sl ação de
LEI ORGÂNI CA DO MUNI CÍ PI O DE SÃO PAULO

54
or denament o do uso do sol o ur bano, compat í vel comas di r et r i zes
do Pl ano Di r et or .

Art. 156 - A r eal i zação de obr as, a i nst al ação de
at i vi dades e a pr est ação de ser vi ços por ór gãos públ i cos
muni ci pai s, est aduai s ou f eder ai s e ent i dades par t i cul ar es não
poder ão cont r ar i ar as di r et r i zes do Pl ano Di r et or e depender ão
de pr évi a apr ovação do Muni cí pi o, at endi dos seus i nt er esses e
conveni ênci as.

Par ágr af o úni co - A pr est ação de ser vi ços e a r eal i zação
de obr as públ i cas por ent i dades vi ncul adas ao Muni cí pi o, ao
Est ado ou à Uni ão dever ão ser obr i gat or i ament e submet i das ao
Muni cí pi o par a apr ovação ou compat i bi l i zação r ecí pr oca.

Art. 157 - O Muni cí pi o i nst i t ui r á a di vi são geogr áf i ca de
sua ár ea em di st r i t os, a ser em adot ados como base par a a
or gani zação da pr est ação dos di f er ent es ser vi ços públ i cos.

Art. 158 - Os bens públ i cos muni ci pai s domi ni ai s não
ut i l i zados ser ão pr i or i t ar i ament e dest i nados, na f or ma da l ei ,
a assent ament os da popul ação de bai xa r enda e à i nst al ação de
equi pament os col et i vos, assegur ada a pr eser vação do mei o
ambi ent e.

Art. 159 - Os pr oj et os de i mpl ant ação de obr as ou
equi pament os, de i ni ci at i va públ i ca ou pr i vada, que t enham, nos
t er mos da l ei , si gni f i cat i va r eper cussão ambi ent al ou na i nf r a-
est r ut ur a ur bana, dever ão vi r acompanhados de r el at ór i o de
i mpact o de vi zi nhança.

§ 1º - Cópi a do r el at ór i o de i mpact o de vi zi nhança ser á
f or neci da gr at ui t ament e quando sol i ci t ada aos mor ador es da ár ea
af et ada e suas associ ações.

§ 2º - Fi ca assegur ada pel o ór gão públ i co compet ent e a
r eal i zação de audi ênci a públ i ca, ant es da deci são f i nal sobr e o
pr oj et o, sempr e que r equer i da, na f or ma da l ei , pel os mor ador es
e associ ações menci onadas no par ágr af o ant er i or .
CAPÍTULO II
DO EXERCÍ CI O DA ATI VI DADE ECONÔMI CA

Art. 160 - O Poder Muni ci pal di sci pl i nar á as at i vi dades
econômi cas desenvol vi das emseu t er r i t ór i o, cabendo- l he, quant o
aos est abal eci ment os comer ci ai s, i ndust r i ai s, de ser vi ços e
si mi l ar es, dent r e out r as, as segui nt es at r i bui ções:

I - conceder e r enovar l i cenças par a i nst al ação e
f unci onament o;
I I - f i xar hor ár i os e condi ções de f unci onament o;
I I I - f i scal i zar as suas at i vi dades de manei r a a gar ant i r
que não se t or nempr ej udi ci ai s ao mei o ambi ent e e ao bem- est ar
da popul ação;

I V - est abel ecer penal i dades e apl i cá- l as aos i nf r at or es;
V - r egul ament ar a af i xação de car t azes, anúnci os e demai s
i nst r ument os de publ i ci dade;
VI - nor mat i zar o comér ci o r egul ar , o comér ci o ambul ant e
por pessoa f í si ca e j ur í di ca nas vi as e l ogr adour os públ i cos e
LEI ORGÂNI CA DO MUNI CÍ PI O DE SÃO PAULO

55
a at i vi dade mer cant i l t r ansi t ór i a em pont os f i xos e em l ocai s
pr evi ament e det er mi nados sempr ej uí zo das par t es envol vi das;
VI I - r egul ament ar a execução e cont r ol e de obr as,
i ncl uí das as edi f i cações, as const r uções, r ef or mas, demol i ções
ou r econst r uções, os equi pament os, as i nst al ações e os
ser vi ços, vi sando a obser vânci a das nor mas ur baní st i cas de
segur ança, hi gi ene e qual i dade de vi da emdef esa do consumi dor
e do mei o ambi ent e;
VI I I - out or gar a per mi ssão de uso eml ocai s apr opr i ados,
i ncl usi ve vi as e l ogr adour os públ i cos, par a os ser vi ços de
i nt er esse da col et i vi dade, nos t er mos a ser emdef i ni dos eml ei .

§ 1º - As di r et r i zes e nor mas r el at i vas à execução de
obr as, pr est ação de ser vi ços, f unci onament o de at i vi dades, e ao
desenvol vi ment o ur bano dever ão cont empl ar r egr as de pr eser vação
do pat r i môni o ambi ent al , ar qui t et ôni co, pai sagí st i co, hi st ór i co
e cul t ur al ur bano.

§ 2º - O i ní ci o das at i vi dades pr evi st as no par ágr af o
ant er i or depender á de l i cença pr évi a dos ór gãos compet ent es e,
se f or o caso, de apr ovação do est udo pr évi o de i mpact o
ambi ent al e sóci o- ener gét i co, gar ant i da a r eal i zação de
audi ênci as públ i cas.

Art. 161 - O Muni cí pi o def i ni r á espaços t er r i t or i ai s
dest i nados à i mpl ant ação de at i vi dades e pr oj et os de pesqui sa e
desenvol vi ment o da i ndúst r i a de t ecnol ogi a de pont a, na f or ma
da l ei .

Art. 162 - O Poder Públ i co est i mul ar á a subst i t ui ção do
per f i l i ndust r i al das empr esas l ocal i zadas no Muni cí pi o,
i ncent i vando a t r ansf or mação par a i ndúst r i as de menor i mpact o
ambi ent al , f i cando vedada a i nst al ação ou desenvol vi ment o de
qual quer nova at i vi dade, compr ovadament e pol ui dor a, a par t i r da
pr omul gação da pr esent e Lei .

Art. 163 - As mi cr oempr esas r eceber ão por par t e do Poder
Públ i co Muni ci pal t r at ament o di f er enci ado vi sando i ncent i var a
sua mul t i pl i cação e f oment ar o seu cr esci ment o pel a
si mpl i f i cação das suas obr i gações admi ni st r at i vas e
t r i but ár i as.

Art. 164 - O Muni cí pi o pr omover á o t ur i smo como f at or de
desenvol vi ment o econômi co.

Art. 165 - O Muni cí pi o pr omover á, na f or ma da l ei , a
def esa do consumi dor , emação coor denada comór gãos e ent i dades
que t enhamat r i bui ções de pr ot eção e pr omoção dos dest i nat ár i os
f i nai s de bens e ser vi ços.

Art. 166 - O Poder Execut i vo f i car á i ncumbi do da
or gani zação, de f or ma coor denada com a ação do Est ado e da
Uni ão, de si st ema de abast eci ment o de pr odut os no t er r i t ór i o do
Muni cí pi o.


CAPÍTULO III
DA HABI TAÇÃO

LEI ORGÂNI CA DO MUNI CÍ PI O DE SÃO PAULO

56
Art. 167 - É de compet ênci a do Muni cí pi o com r el ação à
habi t ação:

I - el abor ar a pol í t i ca muni ci pal de habi t ação, i nt egr ada
à pol í t i ca de desenvol vi ment o ur bano, pr omovendo pr ogr amas de
const r ução de mor adi as popul ar es, gar ant i ndo- l hes condi ções
habi t aci onai s e de i nf r a- est r ut ur a que assegur em um ní vel
compat í vel coma di gni dade da pessoa humana;
I I - i nst i t ui r l i nhas de f i nanci ament o bemcomo r ecur sos a
f undo per di do par a habi t ação popul ar ;

I I I - ger enci ar e f i scal i zar a apl i cação dos r ecur sos
dest i nados a f i nanci ament o par a habi t ação popul ar ;
I V - pr omover a capt ação e o ger enci ament o de r ecur sos
pr oveni ent es de f ont es ext er nas ao Muni cí pi o, pr i vadas ou
gover nament ai s;
V - pr omover a f or mação de est oques de t er r as no Muni cí pi o
par a vi abi l i zar pr ogr amas habi t aci onai s.

Par ágr af o úni co - Par a o cumpr i ment o do di spost o nest e
ar t i go, o Muni cí pi o buscar á a cooper ação f i nancei r a e t écni ca
do Est ado e da Uni ão.

Art. 168 - A pol í t i ca muni ci pal de habi t ação dever á pr ever
a ar t i cul ação e i nt egr ação das ações do Poder Públ i co e a
par t i ci pação popul ar das comuni dades or gani zadas at r avés de
suas ent i dades r epr esent at i vas, bem como os i nst r ument os
i nst i t uci onai s e f i nancei r os par a sua execução.

Par ágr af o úni co - O pl ano pl ur i anual do Muni cí pi o, as
di r et r i zes or çament ár i as e o or çament o anual dar ão pr i or i dade
ao at endi ment o das necessi dades soci ai s na di st r i bui ção dos
r ecur sos públ i cos, dest i nando ver bas especi ai s par a pr ogr amas
de habi t ação par a a popul ação de bai xa r enda segundo aval i ação
sóci o- econômi ca r eal i zada por ór gão do Muni cí pi o.

Art. 169 - Lei Muni ci pal est abel ecer á os equi pament os
mí ni mos necessár i os à i mpl ant ação dos conj unt os habi t aci onai s
de i nt er esse soci al .

Art. 170 - O Muni cí pi o, a f i m de f aci l i t ar o acesso à
habi t ação, apoi ar á a const r ução de mor adi as popul ar es,
r eal i zada pel os pr ópr i os i nt er essados, por cooper at i vas
habi t aci onai s e at r avés de modal i dades al t er nat i vas.

Par ágr af o úni co - O Muni cí pi o apoi ar á o desenvol vi ment o de
pesqui sa de mat er i ai s e si st emas const r ut i vos al t er nat i vos e de
padr oni zação de component es, vi sando gar ant i r o bar at eament o da
const r ução.

Art. 171 - Consi der a- se par a os ef ei t os dest a l ei ,
habi t ação col et i va pr ecár i a, de al uguel , a edi f i cação al ugada
no t odo ou em par t e, ut i l i zada como mor adi a col et i va
mul t i f ami l i ar , com acesso aos cômodos habi t ados e i nst al ações
sani t ár i as comuns.

§ 1º - As habi t ações col et i vas mul t i f ami l i ar es, com
cadast r o especí f i co a ser i nst i t uí do, ser ão submet i das a
LEI ORGÂNI CA DO MUNI CÍ PI O DE SÃO PAULO

57
cont r ol e dos ór gãos muni ci pai s, vi sando mel hor ar as condi ções
de segur ança e hi gi ene dos i móvei s.

§ 2º - As i r r egul ar i dades, nos t er mos da l egi sl ação
pr ópr i a, comet i das por pr opr i et ár i os, subl ocador es ou t er cei r os
que t omemo l ugar dest es emi móvei s al ugados que se const i t uam
emhabi t ações col et i vas pr ecár i as, acar r et ar ão aos mesmos, al ém
das sanções ci vi s e cr i mi nai s cabí vei s, out r as penal i dades e
pr ovi dênci as admi ni st r at i vas pr evi st as eml ei .


CAPÍTULO IV
DO TRANSPORTE URBANO

Art. 172 - Compet e à Pr ef ei t ur a pl anej ar , or gani zar ,
i mpl ant ar e execut ar , di r et ament e ou sob r egi me de concessão,
per mi ssão, ou out r as f or mas de cont r at ação, bem como
r egul ament ar , cont r ol ar e f i scal i zar o t r anspor t e públ i co, no
âmbi t o do Muni cí pi o.

Par ágr af o úni co - Lei di spor á sobr e a or gani zação e a
pr est ação dos ser vi ços de t r anspor t es públ i cos, que t êmcar át er
essenci al , r espei t adas as i nt er dependênci as com out r os
Muni cí pi os, o Est ado e a Uni ão.

Art. 173 - O si st ema de t r anspor t e ur bano compr eende:

I - o t r anspor t e públ i co de passagei r os;
I I - as vi as de ci r cul ação e sua si nal i zação;
I I I - a est r ut ur a oper aci onal ;
I V - mecani smos de r egul ament ação;
V - o t r anspor t e de car gas;
VI - o t r anspor t e col et i vo compl ement ar .

Art. 174 - O si st ema l ocal de t r anspor t e dever á ser
pl anej ado, est r ut ur ado e oper ado de acor do como Pl ano Di r et or ,
r espei t adas as i nt er dependênci as com out r os Muni cí pi os, o
Est ado e a Uni ão.

§ 1º - Lei di spor á sobr e a r ede est r ut ur al de t r anspor t es,
que dever á ser apr esent ada pel o Poder Execut i vo, em conj unt o
como Pl ano Di r et or e per i odi cament e at ual i zada.

§ 2º - No pl anej ament o e i mpl ant ação do si st ema de
t r anspor t es ur banos de passagei r os, i ncl uí das as vi as e a
or gani zação do t r áf ego, t er ão pr i or i dade a ci r cul ação do
pedest r e e o t r anspor t e col et i vo.

§ 3º - O Pl ano Di r et or dever á pr ever t r at ament o
ur baní st i co par a vi as e ár eas cont í guas à r ede est r ut ur al de
t r anspor t es como obj et i vo de gar ant i r a segur ança dos ci dadãos
e do pat r i môni o ambi ent al , pai sagí st i co e ar qui t et ôni co da
ci dade.

Art. 175 - A r egul ament ação do t r anspor t e públ i co de
passagei r os dever á cont empl ar :

I - o pl anej ament o e o r egi me de oper ação;
I I - o pl anej ament o e a admi ni st r ação do t r ânsi t o;
LEI ORGÂNI CA DO MUNI CÍ PI O DE SÃO PAULO

58
I I I - nor mas par a o r egi st r o das empr esas oper ador as;
I V - os di r ei t os e os dever es dos usuár i os e das
oper ador as, consi der ando o conf or t o e a segur ança dos usuár i os
e oper ador es dos veí cul os;
V - nor mas r el at i vas à f i scal i zação da pr est ação do
ser vi ço adequado de t r anspor t e e o t r ânsi t o est abel ecendo
penal i dades par a oper ador es e usuár i os;
VI - nor mas r el at i vas ao pessoal das empr esas oper ador as,
enf at i zando os aspect os concer nent es ao t r ei nament o;
VI I - nor mas r el at i vas às car act er í st i cas dos veí cul os;
VI I I - padr ão de oper ação do ser vi ço de t r anspor t es,
i ncl ui ndo i nt egr ação f í si ca, t ar i f ár i a e oper aci onal ;

I X - padr ão de segur ança e manut enção do ser vi ço;
X - as condi ções de i nt er venção e de desapr opr i ação par a
r egul ar i zar def i ci ênci as na pr est ação dos ser vi ços ou i mpedi r -
l hes a descont i nui dade, cabendo nesses casos ao Execut i vo
comuni car i medi at ament e à Câmar a Muni ci pal ;
XI - a met odol ogi a, as r egr as de t ar i f ação e as f or mas de
subsí di os.

Art. 176 - Nos casos em que a oper ação di r et a do ser vi ço
est i ver a car go de par t i cul ar , o oper ador , sem pr ej uí zo de
out r as obr i gações, dever á:

I - cumpr i r a l egi sl ação muni ci pal ;
I I - vi ncul ar ao ser vi ço os mei os mat er i ai s e humanos
ut i l i zados na sua pr est ação, como veí cul os, gar agens, of i ci nas,
pessoal e out r os, aut omat i cament e com a si mpl es assi nat ur a do
cont r at o, t er mo ou out r o i nst r ument o j ur í di co.

Art. 177 - Ao oper ador di r et o não ser á admi t i da a ameaça
de i nt er r upção, nem a sol ução de cont i nui dade ou def i ci ênci a
gr ave na pr est ação do ser vi ço públ i co essenci al de t r anspor t e
col et i vo ur bano.

§ 1º - Par a assegur ar a cont i nui dade do ser vi ço ou par a
sanar def i ci ênci a gr ave na r espect i va pr est ação, o Poder
Públ i co ou seu del egado poder á i nt er vi r na oper ação do ser vi ço,
assumi ndo- o t ot al ou par ci al ment e, at r avés do cont r ol e dos
mei os mat er i ai s e humanos vi ncul ados ao mesmo, como veí cul os,
of i ci nas, gar agens, pessoal e out r os.

§ 2º - I ndependent ement e da pr evi são do § 1º dest e ar t i go,
poder á ser desde l ogo r esci ndi do o ví ncul o j ur í di co pel o qual o
par t i cul ar passou a oper ar o ser vi ço.

Art. 178 - As t ar i f as dos ser vi ços públ i cos de t r anspor t e
são de compet ênci a excl usi va do Muni cí pi o, e dever ão ser
f i xadas pel o Execut i vo, de conf or mi dade com o di spost o no ar t .
7º, i nci so I I I dest a Lei .

Parágrafo único - Até 5 (cinco) dias úteis antes da
entrada em vigor da tarifa, o Executivo enviará a Câmara
Municipal as planilhas e outros elementos que lhe servirão de
base, divulgando amplamente para a população os critérios
observados.
(Alterado pela Emenda 07/91)

LEI ORGÂNI CA DO MUNI CÍ PI O DE SÃO PAULO

59
Art. 179 - Ao Muni cí pi o compet e or gani zar , pr omover ,
cont r ol ar e f i scal i zar :

I - o t r ânsi t o no âmbi t o do seu t er r i t ór i o, i ncl usi ve
i mpondo penal i dades e cobr ando mul t as ao i nf r at or das nor mas
sobr e ut i l i zação do si st ema vi ár i o, seus equi pament os e i nf r a-
est r ut ur as;
I I - o t r anspor t e f r et ado, pr i nci pal ment e de escol ar es;
I I I - o ser vi ço de t áxi s e l ot ações, f i xando a r espect i va
t ar i f a;
I V - o ser vi ço de t r anspor t e de car gas dent r o do seu
t er r i t ór i o, di spondo especi al ment e sobr e descar ga e t r ansbor do
de car gas de peso e per i cul osi dade consi der ávei s, f i xando em
l ei as condi ções par a ci r cul ação das mesmas nas vi as ur banas.


CAPÍTULO V
DO MEI O AMBI ENTE

Art. 180 - O Muni cí pi o, em cooper ação com o Est ado e a
Uni ão, pr omover á a pr eser vação, conser vação, def esa,
r ecuper ação e mel hor i a do mei o ambi ent e.

Art. 181 - O Muni cí pi o, medi ant e l ei , or gani zar á,
assegur ada a par t i ci pação da soci edade, si st ema de
admi ni st r ação da qual i dade ambi ent al , pr ot eção, cont r ol e e
desenvol vi ment o do mei o ambi ent e e uso adequado dos r ecur sos
nat ur ai s, par a coor denar , f i scal i zar e i nt egr ar as ações de
ór gãos e ent i dades da admi ni st r ação públ i ca di r et a e i ndi r et a,
no que r espei t a a:

I - f or mul ação de pol í t i ca muni ci pal de pr ot eção ao mei o
ambi ent e;
I I - pl anej ament o e zoneament o ambi ent ai s;
I I I - est abel eci ment o de nor mas, cr i t ér i os e padr ões par a
a admi ni st r ação da qual i dade ambi ent al ;
I V - consci ent i zação e educação ambi ent al e di vul gação
obr i gat ór i a de t odas as i nf or mações di sponí vei s sobr e o
cont r ol e do mei o ambi ent e;
V - def i ni ção, i mpl ant ação e cont r ol e de espaços
t er r i t or i ai s e seus component es a ser em especi al ment e
pr ot egi dos, sendo a sua al t er ação e/ ou supr essão per mi t i dos
soment e at r avés de l ei especí f i ca.

Parágrafo único - O Executivo deverá apresentar e prestar
contas anualmente à Câmara Municipal de São Paulo e à população
projeto contendo metas sobre a preservação, defesa,
recuperação, conservação e melhoria do meio ambiente.
(Acrescentado pela Emenda 13/92)

Art. 182 - O Muni cí pi o coi bi r á qual quer t i po de at i vi dade
que i mpl i que em degr adação ambi ent al e quai squer out r os
pr ej uí zos gl obai s à vi da, à qual i dade de vi da, ao mei o
ambi ent e:

I - cont r ol ando e f i scal i zando a i nst al ação, pr ot eção,
est ocagem, t r anspor t e, comer ci al i zação e ut i l i zação de
t écni cas, mét odos e subst ânci as que compor t em r i sco ef et i vo ou
pot enci al à qual i dade de vi da e ao mei o ambi ent e;
LEI ORGÂNI CA DO MUNI CÍ PI O DE SÃO PAULO

60
I I - r egi st r ando, acompanhando e f i scal i zando as
concessões e di r ei t os de pesqui sa e expl or ação de r ecur sos
nat ur ai s, r enovávei s ou não, no t er r i t ór i o do Muni cí pi o;

I I I - r eal i zando per i odi cament e audi t or i as nos si st emas de
cont r ol e de pol ui ção, de r i scos de aci dent es das i nst al ações e
at i vi dades de si gni f i cat i vo pot enci al de degr adação ambi ent al .
IV - apresentando Plano Diretor da limpeza urbana,
mediante projeto de lei a ser aprovado pela Câmara Municipal de
São Paulo.
(Acrescentado pela Emenda 12/91)

Parágrafo único - O Executivo publicará anualmente no
Diário Oficial do Município, até 60 (sessenta) dias após cada
exercício, as realizações levadas a efeito, contidas no Plano
Diretor.
(Acrescentado pela Emenda 12/91)

Art. 183 - As pessoas j ur í di cas, públ i cas ou pr i vadas, e
as pessoas f í si cas são r esponsávei s, per ant e o Muni cí pi o, pel os
danos causados ao mei o ambi ent e, devendo o causador do dano
pr omover a r ecuper ação pl ena do mei o ambi ent e degr adado, sem
pr ej uí zo das demai s r esponsabi l i dades decor r ent es.

§ 1º - As condut as e at i vi dades que degr adem o mei o
ambi ent e suj ei t ar ão os i nf r at or es, na f or ma da l ei , a sanções
admi ni st r at i vas, i ncl uí da a r edução do ní vel de at i vi dade e
i nt er di ção, cumul ados commul t as di ár i as e pr ogr essi vas emcaso
de cont i nui dade da i nf r ação ou r ei nci dênci a.

§ 2º - É vedada a concessão de qual quer t i po de i ncent i vo,
i senção ou ani st i a a quemt enha i nf r i ngi do nor mas e padr ões de
pr ot eção ambi ent al , dur ant e os 24 ( vi nt e e quat r o) meses
segui nt es à dat a da const at ação de cada i nf r i ngênci a.

§ 3º - As medi das mi t i gador as dos i mpact os negat i vos,
t empor ár i os ou per manent es, apr ovadas ou exi gi das pel os ór gãos
compet ent es, ser ão r el aci onadas na l i cença muni ci pal , sendo que
a sua não i mpl ement ação, sem pr ej uí zo de out r as sanções,
i mpl i car á na suspensão da at i vi dade ou obr a.

Art. 184 - O Muni cí pi o f i scal i zar á em cooper ação com o
Est ado e a Uni ão, a ger ação, o acondi ci onament o, o
ar mazenament o, a ut i l i zação, a col et a, o t r ânsi t o, o t r at ament o
e o dest i no f i nal de mat er i al r adi oat i vo empr egado em
f i nal i dades de cunho medi ci nal , de pesqui sa e i ndust r i al no
Muni cí pi o, bem como subst ânci as, pr odut os e r esí duos em ger al ,
pr eveni ndo seus ef ei t os sobr e a popul ação.

Art. 185 - Os Parques Municipais, o Parque do Povo, a
Serra da Cantareira, o Pico do Jaraguá, a Mata do Carmo, as
Represas Billings e Guarapiranga, a Área de Proteção Ambiental
do Capivari-Monos, a Fazenda Santa Maria, outros mananciais, os
rios Tietê e Pinheiros e suas margens, nos segmentos
pertencentes a este Município, constituem espaços especialmente
protegidos.
(Alterado pela Emenda 24/01)

LEI ORGÂNI CA DO MUNI CÍ PI O DE SÃO PAULO

61
Art. 186 - O Muni cí pi o dever á r ecuper ar e pr omover o
aument o de ár eas públ i cas par a i mpl ant ação, pr eser vação e
ampl i ação de ár eas ver des, i ncl usi ve ar bor i zação f r ut í f er a e
f oment ador a da avi f auna.

Par ágr af o úni co - O Muni cí pi o adot ar á, como cr i t ér i o
per manent e na el abor ação de novos pr oj et os vi ár i os e na
r eest r ut ur ação dos j á exi st ent es, a necessi dade do pl ant i o e a
conser vação de ár vor es.

Art. 187 - O Poder Públ i co est i mul ar á a cr i ação e
manut enção de uni dades pr i vadas de conser vação do mei o ambi ent e
emt er r i t ór i o do Muni cí pi o, na f or ma da l ei .

Art. 188 - O Muni cí pi o coi bi r á o t r áf i co de ani mai s
si l vest r es, exót i cos e de seus subpr odut os e sua manut enção em
l ocai s i nadequados, bem como pr ot eger á a f auna l ocal e
mi gr at ór i a do Muni cí pi o de São Paul o, nest a compr eendi dos t odos
os ani mai s si l vest r es ou domést i cos, nat i vos ou exót i cos.

§ 1º - Fi cam pr oi bi dos os event os, espet ácul os, at os
públ i cos ou pr i vados, que envol vam maus t r at os e cr uel dade de
ani mai s, assi mcomo as pr át i cas que possamameaçar de ext i nção,
no âmbi t o dest e Muni cí pi o, as espéci es da f auna l ocal e
mi gr at ór i a.

§ 2º - O Poder Públ i co Muni ci pal , em col abor ação com
ent i dades especi al i zadas, execut ar á ações per manent es de
pr ot eção e cont r ol e da nat al i dade ani mal , com a f i nal i dade de
er r adi car as zoonoses.

Art. 189 - O Muni cí pi o est i mul ar á as associ ações e
movi ment os de pr ot eção ao mei o ambi ent e.

Par ágr af o úni co - As ent i dades r ef er i das nest e ar t i go
poder ão, na f or ma da l ei , sol i ci t ar aos ór gãos muni ci pai s
compet ent es a r eal i zação de t est es ou o f or neci ment o de dados,
desde que a sol i ci t ação est ej a devi dament e j ust i f i cada.

Art. 190 - As nor mas de pr ot eção ambi ent al est abel eci da
nest a Lei , bemcomo as del a decor r ent es, apl i cam- se ao ambi ent e
nat ur al , const r uí do e do t r abal ho.


CAPÍTULO VI
DA CULTURA E DO PATRI MÔNI O HI STÓRI CO E CULTURAL

Art. 191 - O Muni cí pi o de São Paul o gar ant i r á a t odos o
exer cí ci o dos di r ei t os cul t ur ai s e o acesso às f ont es de
cul t ur a, obser vado o pr i ncí pi o da descent r al i zação, apoi ando e
i ncent i vando a val or i zação e a di f usão das mani f est ações
cul t ur ai s.

Art. 192 - O Muni cí pi o adot ar á medi das de pr eser vação das
mani f est ações e dos bens de val or hi st ór i co, ar t í st i co e
cul t ur al , bem como das pai sagens nat ur ai s e const r uí das,
not ávei s e dos sí t i os ar queol ógi cos.

LEI ORGÂNI CA DO MUNI CÍ PI O DE SÃO PAULO

62
Par ágr af o úni co - O di spost o nest e ar t i go abr ange os bens
de nat ur eza mat er i al e i mat er i al , t omados i ndi vi dual ment e, ou
emconj unt o, r el aci onados coma i dent i dade, a ação e a memór i a
dos di f er ent es gr upos f or mador es da soci edade, i ncl uí dos:

I - as f or mas de expr essão;
I I - os modos de cr i ar , f azer e vi ver ;
I I I - as cr i ações ci ent í f i cas, ar t í st i cas e t ecnol ógi cas;
I V - as obr as, obj et os, document os, edi f i cações e demai s
espaços dest i nados à mani f est ações cul t ur ai s;
V - os conj unt os ur banos e sí t i os de val or hi st ór i co,
pai sagí st i co, ar t í st i co, ar queol ógi co, pal eont ol ógi co,
ecol ógi co, ci ent í f i co, t ur í st i co e ar qui t et ôni co;
VI - as conf or mações geomor f ol ógi cas, os vest í gi os e
est r ut ur as de ar queol ogi a hi st ór i ca, a t oponí mi a, os edi f í ci os
e conj unt os ar qui t et ôni cos, as ár eas ver des e os
aj ar di nament os, os monument os e as obr as escul t ór i cas, out r os
equi pament os e mobi l i ár i os ur banos det ent or es de r ef er ênci a
hi st ór i co- cul t ur al .

Art. 193 - O Poder Públ i co Muni ci pal pr omover á at r avés dos
ór gãos compet ent es:

I - a cr i ação, manut enção, conser vação e aber t ur a de:
si st emas de t eat r os, bi bl i ot ecas, ar qui vos, museus, casas de
cul t ur a, cent r os de document ação, cent r os t écni co- ci ent í f i cos,
cent r os comuni t ár i os de novas t ecnol ogi as de di f usão e bancos
de dados, como i nst i t ui ções bási cas, det ent or as da ação
per manent e, na i nt egr ação da col et i vi dade com os bens
cul t ur ai s;
I I - a pr ot eção das mani f est ações r el i gi osas, das cul t ur as
popul ar es, i ndí genas e af r o- br asi l ei r as e as de out r os gr upos
par t i ci pant es do pr ocesso de f or mação da cul t ur a naci onal ;
I I I - a i nt egr ação de pr ogr amas cul t ur ai s com os demai s
muni cí pi os;
I V - pr ogr amas popul ar es de acesso a espet ácul os
ar t í st i cos- cul t ur ai s e acer vos das bi bl i ot ecas, museus,
ar qui vos e congêner es;
V - pr omoção do aper f ei çoament o e val or i zação dos
pr of i ssi onai s que at uamna ár ea de cul t ur a;
VI - a par t i ci pação e gest ão da comuni dade nas pesqui sas,
i dent i f i cação, pr ot eção e pr omoção do pat r i môni o hi st ór i co e no
pr ocesso cul t ur al do Muni cí pi o.

Art. 194 - O Poder Muni ci pal pr ovi denci ar á, na f or ma da
l ei , a pr ot eção do pat r i môni o hi st ór i co, cul t ur al , pai sagí st i co
e ar qui t et ôni co, at r avés de:

I - pr eser vação dos bens i móvei s, de val or hi st ór i co, sob
a per spect i va de seu conj unt o;
I I - cust ódi a dos document os públ i cos;
I I I - si nal i zação das i nf or mações sobr e a vi da cul t ur al e
hi st ór i ca da ci dade;
I V - desapr opr i ações;
V - i dent i f i cação e i nvent ár i o dos bens cul t ur ai s e
ambi ent ai s;

Par ágr af o úni co - A l ei di spor á sobr e sanções par a os at os
r el at i vos à evasão, dest r ui ção e descar act er i zação de bens de
LEI ORGÂNI CA DO MUNI CÍ PI O DE SÃO PAULO

63
i nt er esses hi st ór i co, ar t í st i co, cul t ur al , ar qui t et ôni co ou
ambi ent al , exi gi ndo a r ecuper ação, r est aur ação ou r eposi ção do
bemext r avi ado ou dani f i cado.

Art. 195 - O Muni cí pi o est i mul ar á, na f or ma da l ei , os
empr eendi ment os pr i vados que se vol t em à cr i ação ar t í st i ca, à
pr eser vação e r est aur ação do pat r i môni o cul t ur al e hi st ór i co.
Art. 196 - O Muni cí pi o poder á conceder , na f or ma da l ei ,
f i nanci ament o, i ncent i vos e i senções f i scai s aos pr opr i et ár i os
de bens cul t ur ai s e ambi ent ai s t ombados ou suj ei t os a out r as
f or mas l egai s de pr eser vação que pr omovam o r est aur o e a
conser vação dest es bens, de acor do com a or i ent ação do ór gão
compet ent e.

Par ágr af o úni co - Aos pr opr i et ár i os de i móvei s ut i l i zados
par a obj et i vos cul t ur ai s poder ão ser concedi das i senções
f i scai s, enquant o mant i ver emo exer cí ci o de suas f i nal i dades.

Art. 197 - As obr as públ i cas ou par t i cul ar es que venhama
ser r eal i zadas nas ár eas do cent r o hi st ór i co de São Paul o e em
sí t i os ar queol ógi cos, nas del i mi t ações e l ocal i zações
est abel eci das pel o Poder Públ i co, ser ão obr i gat or i ament e
submet i das ao acompanhament o e or i ent ação de t écni cos
especi al i zados do ór gão compet ent e.

Ar t . 198 - Os espaços cul t ur ai s e os t eat r os muni ci pai s
poder ão ser cedi dos às mani f est ações ar t í st i cas e cul t ur ai s
amador as.

Art. 199 - A cessão de espaços cul t ur ai s e t eat r os
muni ci pai s a gr upos pr of i ssi onai s se dar á, na f or ma da l ei , aos
que est i ver eml egal ment e r egul ar i zados, bemcomo o seu cor po de
f unci onár i os.


TÍTULO VI
DA ATI VI DADE SOCI AL DO MUNI CÍ PI O

CAPÍTULO I
DA EDUCAÇÃO

Art. 200 - A educação mi ni st r ada com base nos pr i ncí pi os
est abel eci dos na Const i t ui ção da Repúbl i ca, na Const i t ui ção
Est adual e nest a Lei Or gâni ca, e i nspi r ada nos sent i ment os de
i gual dade, l i ber dade e sol i dar i edade, ser á r esponsabi l i dade do
Muni cí pi o de São Paul o, que a or gani zar á como si st ema dest i nado
à uni ver sal i zação do ensi no f undament al e da educação i nf ant i l .

§ 1º - O si st ema muni ci pal de ensi no abr anger á os ní vei s
f undament al e da educação i nf ant i l est abel ecendo nor mas ger ai s
de f unci onament o par a as escol as públ i cas muni ci pai s e
par t i cul ar es nest es ní vei s, no âmbi t o de sua compet ênci a.

§ 2º - Fi ca cr i ado o Consel ho Muni ci pal de Educação, ór gão
nor mat i vo e del i ber at i vo, comest r ut ur a col egi ada, compost o por
r epr esent ant es do Poder Públ i co, t r abal hador es da educação e da
comuni dade, segundo l ei que def i ni r á i gual ment e suas
at r i bui ções.
LEI ORGÂNI CA DO MUNI CÍ PI O DE SÃO PAULO

64

§ 3º - O Plano Municipal de Educação previsto no art. 241
da Constituição Estadual será elaborado pelo Executivo em
conjunto com o Conselho Municipal de Educação, com consultas a:
órgãos descentralizados de gestão do sistema municipal de
ensino, comunidade educacional, organismos representativos de
defesa de direitos de cidadania, em específico, da educação, de
educadores e da criança e do adolescente e deverá considerar as
necessidades das diferentes regiões do Município.
(Alterado pela Emenda 24/01)

§ 4º - O Plano Municipal de Educação atenderá ao disposto
na Lei Federal nº 9.394/96 e será complementado por um programa
de educação inclusiva cujo custeio utilizará recursos que
excedam ao mínimo estabelecido no artigo 212, § 4º, da
Constituição Federal.

§ 5º - A lei definirá as ações que integrarão o programa
de educação inclusiva referido no parágrafo anterior.
(Acrescentados pela Emenda 24/01)

Art. 201 - Na or gani zação e manut enção do seu si st ema de
ensi no, o Muni cí pi o at ender á ao di spost o no ar t . 211 e
par ágr af os da Const i t ui ção da Repúbl i ca e gar ant i r á gr at ui dade
e padr ão de qual i dade de ensi no.

§ 1º - A educação i nf ant i l , i nt egr ada ao si st ema de
ensi no, r espei t ar á as car act er í st i cas pr ópr i as dessa f ai xa
et ár i a, gar ant i ndo umpr ocesso cont í nuo de educação bási ca.

§ 2º - A or i ent ação pedagógi ca da educação i nf ant i l
assegur ar á o desenvol vi ment o psi comot or , sóci o- cul t ur al e as
condi ções de gar ant i r a al f abet i zação.

§ 3º - A car ga hor ár i a mí ni ma a ser of er eci da no si st ema
muni ci pal de ensi no é de 4 ( quat r o) hor as di ár i as em5 ( ci nco)
di as da semana.

§ 4º - O ensi no f undament al , at endi da a demanda, t er á
ext ensão de car ga hor ár i a at é se at i ngi r a j or nada de t empo
i nt egr al , emcar át er opt at i vo pel os pai s ou r esponsávei s, a ser
al cançada pel o aument o pr ogr essi vo da at ual ment e ver i f i cada na
r ede públ i ca muni ci pal .

§ 5º - O at endi ment o da hi gi ene, saúde, pr ot eção e
assi st ênci a às cr i anças ser á gar ant i do, assi mcomo a sua guar da
dur ant e o hor ár i o escol ar .

§ 6º - É dever do Muni cí pi o, at r avés da r ede pr ópr i a, com
a cooper ação do Est ado, o pr ovi ment o em t odo o t er r i t ór i o
muni ci pal de vagas, emnúmer o suf i ci ent e par a at ender à demanda
quant i t at i va e qual i t at i va do ensi no f undament al obr i gat ór i o e
pr ogr essi vament e à da educação i nf ant i l .

§ 7º - O di spost o no § 6º não acar r et ar á a t r ansf er ênci a
aut omát i ca dos al unos da r ede est adual par a a r ede muni ci pal .

LEI ORGÂNI CA DO MUNI CÍ PI O DE SÃO PAULO

65
§ 8º - Compet e ao Muni cí pi o r ecensear os educandos do
ensi no f undament al , f azer - l hes a chamada e zel ar , j unt o aos
pai s e r esponsávei s, pel a f r equênci a à escol a.

§ 9º - A at uação do Muni cí pi o dar á pr i or i dade ao ensi no
f undament al e de educação i nf ant i l .

Art. 202 - Fi ca o Muni cí pi o obr i gado a def i ni r a pr opost a
educaci onal , r espei t ando o di spost o na Lei de Di r et r i zes e
Bases da Educação e l egi sl ação apl i cável .

§ 1º - O Muni cí pi o r esponsabi l i zar - se- á pel a i nt egr ação
dos r ecur sos f i nancei r os dos di ver sos pr ogr amas em
f unci onament o e pel a i mpl ant ação da pol í t i ca educaci onal .

§ 2º - O Muni cí pi o r esponsabi l i zar - se- á pel a def i ni ção de
nor mas quant o à aut or i zação de f unci onament o, f i scal i zação,
super vi são, di r eção, coor denação pedagógi ca, or i ent ação
educaci onal e assi st ênci a psi col ógi ca escol ar , das i nst i t ui ções
de educação i nt egr ant es do si st ema de ensi no no Muni cí pi o.

§ 3º - O Muni cí pi o dever á apr esent ar as met as anuai s de
sua r ede escol ar em r el ação à uni ver sal i zação do ensi no
f undament al e da educação i nf ant i l .

Art. 203 - É dever do Município garantir:

I - educação igualitária, desenvolvendo o espírito crítico
em relação a estereótipos sexuais, raciais e sociais das aulas,
cursos, livros didáticos, manuais escolares e literatura;
II - educação infantil para o desenvolvimento integral da
criança até seis anos de idade, em seus aspectos físico,
psicológico, intelectual e social;
III - ensino fundamental gratuito a partir de 7 (sete)
anos de idade, ou para os que a ele não tiveram acesso na idade
própria;
IV - educação inclusiva que garanta as pré-condições de
aprendizagem e acesso aos serviços educacionais, a reinserção
no processo de ensino de crianças e jovens em risco social, o
analfabetismo digital, a educação profissionalizante e a
provisão de condições para que o processo educativo utilize
meios de difusão, educação e comunicação;
V - a matrícula no ensino fundamental, a partir dos 6
(seis) anos de idade, desde que plenamente atendida a demanda a
partir de 7 (sete) anos de idade.

Parágrafo único - Para atendimento das metas de ensino
fundamental e da educação infantil, o Município diligenciará
para que seja estimulada a cooperação técnica e financeira com
o Estado e a União, conforme estabelece o art. 30, inciso VI,
da Constituição da República.
(Alterado pela Emenda 24/01)

Art. 204 - O Muni cí pi o gar ant i r á a educação vi sando o
pl eno desenvol vi ment o da pessoa, pr epar o par a o exer cí ci o
consci ent e da ci dadani a e par a o t r abal ho, sendo- l he
assegur ado:

I - i gual dade de condi ções de acesso e per manênci a;
LEI ORGÂNI CA DO MUNI CÍ PI O DE SÃO PAULO

66
I I - o di r ei t o de or gani zação e de r epr esent ação
est udant i l no âmbi t o do Muni cí pi o, a ser def i ni do no Regi ment o
Comumdas Escol as.

Par ágr af o úni co - A l ei def i ni r á o per cent ual máxi mo de
ser vi dor es da ár ea de educação muni ci pal que poder ão ser
comi ssi onados emout r os ór gãos da admi ni st r ação públ i ca.

Art. 205 - O Muni cí pi o pr over á o ensi no f undament al
not ur no, r egul ar e adequado às condi ções de vi da do al uno que
t r abal ha, i ncl usi ve par a aquel es que a el e não t i ver am acesso
na i dade pr ópr i a.

Art. 206 - O atendimento especializado às pessoas com
deficiência dar-se-á na rede regular de ensino e em escolas
especiais públicas, sendo-lhes garantido o acesso a todos os
benefícios conferidos à clientela do sistema municipal de
ensino e provendo sua efetiva integração social.

§ 1º - O atendimento às pessoas com deficiência poderá ser
efetuado suplementarmente, mediante convênios e outras
modalidades de colaboração com instituições sem fins
lucrativos, sob supervisão dos órgãos públicos responsáveis,
que objetivem a qualidade de ensino, a preparação para o
trabalho e a plena integração da pessoa deficiente, nos termos
da lei.

§ 2º - Deverão ser garantidas às pessoas com deficiência
as eliminações de barreiras arquitetônicas dos edifícios
escolares já existentes e a adoção de medidas semelhantes
quando da construção de novos.
(Alterado pela Emenda 29/07)

Art. 207 - O Muni cí pi o per mi t i r á o uso pel a comuni dade do
pr édi o escol ar e de suas i nst al ações, dur ant e os f i ns de
semana, f ér i as escol ar es e f er i ados, na f or ma da l ei .

§ 1º - É vedada a cessão de pr édi os escol ar es e suas
i nst al ações par a f unci onament o do ensi no pr i vado de qual quer
nat ur eza.

§ 2º - Toda área contígua às unidades de ensino do
Município, pertencente à Prefeitura do Município de São Paulo,
será preservada para a construção de quadra poliesportiva,
creche, centros de educação e cultura, bibliotecas e outros
equipamentos sociais públicos, como postos de saúde.
(Alterado pela Emenda 24/01)

Art. 208 - O Município aplicará, anualmente, no mínimo 31%
(trinta e um por cento) da receita resultante de impostos,
compreendida a proveniente de transferências, na manutenção e
desenvolvimento do ensino fundamental, da educação infantil e
inclusiva.

§ 1º - O Município desenvolverá planos e diligenciará para
o recebimento e aplicação dos recursos adicionais, provenientes
da contribuição social do salário-educação de que trata o art.
212, § 5º, da Constituição da República, assim como de outros
LEI ORGÂNI CA DO MUNI CÍ PI O DE SÃO PAULO

67
recursos, conforme o art. 211, § 1º da Constituição da
República.

§ 2º - A lei definirá as despesas que se caracterizam como
de manutenção e desenvolvimento do processo de ensino-
aprendizagem, bem como da educação infantil e inclusiva.

§ 3º - A eventual assistência financeira do Município às
instituições de ensino filantrópicas, comunitárias ou
confessionais, não poderá incidir sobre a aplicação mínima
prevista no "caput" deste artigo.
(Alterado pela Emenda 24/01, que também revogou os §§ 4º e
5º)

Art. 209 - O Muni cí pi o publ i car á, at é 30 ( t r i nt a) di as
após o encer r ament o de cada semest r e, i nf or mações compl et as
sobr e r ecei t as ar r ecadadas, t r ansf er ênci as e r ecur sos r ecebi dos
e dest i nados à educação nesse per í odo, bemcomo a pr est ação de
cont as das ver bas ut i l i zadas, di scr i mi nadas por pr ogr amas.

Art. 210 - A l ei do Est at ut o do Magi st ér i o di sci pl i nar á as
at i vi dades dos pr of i ssi onai s do ensi no.

Ar t . 211 - Nas uni dades escol ar es do si st ema muni ci pal de
ensi no ser á assegur ada a gest ão democr át i ca, na f or ma da l ei .


CAPÍTULO II
DA SAÚDE

Ar t . 212 - A saúde é di r ei t o de t odos, assegur ado pel o
Poder Públ i co.

Ar t . 213 - O Muni cí pi o, com par t i ci pação da comuni dade,
gar ant i r á o di r ei t o à saúde, medi ant e:

I - pol í t i cas que vi sem ao bem est ar f í si co, ment al e
soci al do i ndi ví duo e da col et i vi dade, a r edução e a busca da
el i mi nação do r i sco de doenças e out r os agr avos, abr angendo o
ambi ent e nat ur al , os l ocai s públ i cos e de t r abal ho;
I I - acesso uni ver sal e i gual i t ár i o às ações e ser vi ços de
saúde, emt odos os ní vei s de compl exi dade;
I I I - at endi ment o i nt egr al do i ndi ví duo, abr angendo a
pr omoção, pr eser vação e r ecuper ação da saúde.

Art. 214 - O conj unt o de ações e ser vi ços de saúde de
abr angênci a muni ci pal , i nt egr am a r ede r egi onal i zada e
hi er ar qui zada do si st ema úni co de saúde, nos t er mos do di spost o
no ar t . 198 da Const i t ui ção da Repúbl i ca.

§ 1º - A di r eção do si st ema úni co de saúde ser á exer ci da
no âmbi t o do Muni cí pi o pel o ór gão muni ci pal compet ent e.

§ 2º - O si st ema úni co de saúde, no âmbi t o do Muni cí pi o,
ser á f i nanci ado comr ecur sos do Muni cí pi o, do Est ado, da Uni ão,
da segur i dade soci al e de out r as f ont es que const i t uemumf undo
especí f i co r egul ado por l ei muni ci pal .

LEI ORGÂNI CA DO MUNI CÍ PI O DE SÃO PAULO

68
§ 3º - É vedada a dest i nação de r ecur sos públ i cos
muni ci pai s par a auxí l i o, i ncent i vos f i scai s ou subvenções às
i nst i t ui ções pr i vadas comf i ns l ucr at i vos.

§ 4º - É vedada a nomeação ou desi gnação, par a car go ou
f unção de chef i a ou assessor ament o na ár ea de saúde, em
qual quer ní vel , da pessoa que par t i ci pe na di r eção, ger ênci a ou
admi ni st r ação de ent i dade ou i nst i t ui ção que mant enha cont r at o
como si st ema úni co de saúde ou sej a por el e cr edi t ada.

§ 5º - Par a at endi ment o de necessi dades col et i vas,
ur gent es e t r ansi t ór i as, decor r ent es de si t uação de per i go
i mi nent e, de cal ami dade públ i ca ou de ocor r ênci a de epi demi as,
o Poder Públ i co poder á r equi si t ar bens e ser vi ços, de pessoas
nat ur ai s e j ur í di cas, sendo- l hes assegur adas j ust a i ndeni zação.

Art. 215 - As ações e ser vi ços de saúde são de r el evânci a
públ i ca, cabendo ao Muni cí pi o di spor sobr e sua r egul ament ação,
f i scal i zação e cont r ol e.

§ 1º - As ações e ser vi ços de saúde ser ão execut adas
pr ef er enci al ment e de f or ma di r et a pel o poder públ i co e
supl et i vament e at r avés de t er cei r os, assegur ando o est abel eci do
no ar t . 199, da Const i t ui ção da Repúbl i ca.

§ 2º - É vedado cobr ar do usuár i o pel a pr est ação das ações
e dos ser vi ços no âmbi t o do si st ema úni co de saúde.

§ 3º - A assi st ênci a à saúde é l i vr e à i ni ci at i va pr i vada,
vedada a par t i ci pação di r et a e i ndi r et a de empr esas ou capi t ai s
est r angei r os, nos t er mos do ar t i go 199 da Const i t ui ção da
Repúbl i ca.

§ 4º - As i nst i t ui ções pr i vadas, ao par t i ci par em do
si st ema úni co de saúde, f i cam suj ei t as às suas di r et r i zes
ger ai s.

Art. 216 - Compet e ao Muni cí pi o, at r avés do si st ema úni co
de saúde, nos t er mos da l ei , al émde out r as at r i bui ções:

I - a assi st ênci a i nt egr al à saúde, ut i l i zando- se do
mét odo epi demi ol ógi co par a o est abel eci ment o de pr i or i dades,
i nst i t ui ção de di st r i t os sani t ár i os, al ocação de r ecur sos e
or i ent ação pr ogr amát i ca;
II - a identificação e o controle dos fatores
determinantes e condicionantes da saúde individual e coletiva,
mediante especialmente ações referentes à vigilância sanitária
e epidemiológica, saúde do trabalhador, do idoso, da mulher, da
criança e do adolescente, das pessoas com deficiência, saúde
mental, odontológica e zoonoses;
(Alterado pela Emenda 29/07)
I I I - per mi t i r aos usuár i os o acesso às i nf or mações de
i nt er esse da saúde, e di vul gar , obr i gat or i ament e, qual quer dado
que col oque emr i sco a saúde i ndi vi dual ou col et i va;
I V - par t i ci par da f i scal i zação e i nspeção de al i ment os,
compr eendi do i ncl usi ve o cont r ol e de seu t eor nut r i ci onal , bem
como bebi das e água par a o consumo humano;
V - par t i ci par da f i scal i zação e cont r ol e da pr odução,
ar mazenament o, t r anspor t e, guar da e ut i l i zação de subst ânci as e
LEI ORGÂNI CA DO MUNI CÍ PI O DE SÃO PAULO

69
pr odut os psi coat i vos, t óxi cos e t er at ogêni cos, bem como de
out r os medi cament os, equi pament os i munobi ol ógi cos,
hemoder i vados e i nsumos;
VI - assegur ar à mul her a assi st ênci a i nt egr al à saúde,
pr é- nat al , no par t o e pós- par t o, bem como nos t er mos da l ei
f eder al , o di r ei t o de evi t ar e i nt er r omper a gr avi dez, sem
pr ej uí zo par a a saúde, gar ant i ndo o at endi ment o na r ede públ i ca
muni ci pal de saúde;
VI I - r esguar dar o di r ei t o à aut o- r egul ação da f er t i l i dade
com l i vr e deci são do homem, da mul her ou do casal , t ant o par a
exer cer a pr ocr i ação como par a evi t á- l a, pr ovendo mei os
educaci onai s, ci ent í f i cos e assi st enci ai s par a assegur á- l o,
vedada qual quer f or ma coer ci t i va ou de i ndução por par t e de
i nst i t ui ções públ i cas ou pr i vadas;
VI I I - par t i ci par , no âmbi t o de sua at uação, do Si st ema
Naci onal de Sangue, component es e der i vados;
I X - f oment ar , coor denar e execut ar pr ogr amas de
at endi ment o emer genci al ;
X - cr i ar e mant er ser vi ços e pr ogr amas de pr evenção e
or i ent ação cont r a ent or pecent es, al cool i smo e dr ogas af i ns;
XI - coor denar os ser vi ços de saúde ment al abr angi dos pel o
si st ema úni co de saúde, desenvol vendo i ncl usi ve ações
pr event i vas e ext r a- hospi t al ar es e i mpl ant ando emer gênci as
psi qui át r i cas, r esponsávei s pel as i nt er nações psi qui át r i cas,
j unt o às emer gênci as ger ai s do Muni cí pi o;
XI I - f i scal i zar e gar ant i r o r espei t o aos di r ei t os de
ci dadani a do doent e ment al , bem como vedar o uso de cel as-
f or t es e out r os pr ocedi ment os vi ol ent os e desumanos, pr oi bi ndo
i nt er nações compul sór i as, excet o aquel as pr evi st as eml ei ;
XI I I - f aci l i t ar , nos t er mos da l ei , a r emoção de ór gãos,
t eci dos e subst ânci as humanas par a f i ns de t r anspl ant e.

Par ágr af o úni co - O ser vi ço de at endi ment o médi co do
Muni cí pi o poder á of er ecer ao usuár i o, quando possí vel , f or mas
de t r at ament o de assi st ênci a al t er nat i va, r econheci das.

Art. 217 - O si st ema úni co de saúde do Muni cí pi o de São
Paul o pr omover á, na f or ma da l ei , a Conf er ênci a Anual de Saúde
e audi ênci as públ i cas per i ódi cas, como mecani smos de cont r ol e
soci al de sua gest ão.

Art. 218 - Fi ca cr i ado o Consel ho Muni ci pal de Saúde,
ór gão nor mat i vo e del i ber at i vo, com est r ut ur a col egi ada,
compost o por r epr esent ant es do Poder Públ i co, t r abal hador es da
saúde e usuár i os que, dent r e out r as at r i bui ções dever á pr omover
os mecani smos necessár i os à i mpl ement ação da pol í t i ca de saúde
nas uni dades pr est ador as de assi st ênci a, na f or ma da l ei .


CAPÍTULO III
DA SEGURANÇA DO TRABALHO E SAÚDE DO TRABALHADOR

Art. 219 - O Muni cí pi o, coor denando sua ação coma Uni ão,
o Est ado e as ent i dades r epr esent at i vas dos t r abal hador es,
desenvol ver á ações vi sando à pr omoção, pr ot eção, r ecuper ação e
r eabi l i t ação da saúde dos t r abal hador es submet i dos aos r i scos e
agr avos advi ndos das condi ções de t r abal ho, at r avés de:

LEI ORGÂNI CA DO MUNI CÍ PI O DE SÃO PAULO

70
I - cont r ol e das condi ções de segur ança, r edução e
el i mi nação das noci vi dades do t r abal ho, pr omovendo condi ções
di gnas e segur as de t r abal ho;
I I - vi gi l ânci a sani t ár i a e epi demi ol ógi ca;
I I I - assi st ênci a às ví t i mas de aci dent es do t r abal ho e
por t ador es de doenças pr of i ssi onai s e do t r abal ho.

§ 1º - É gar ant i do aos t r abal hador es o di r ei t o de
acompanhar , at r avés de suas r epr esent ações si ndi cai s e de
l ocai s de t r abal ho, as ações de cont r ol e e aval i ação dos
ambi ent es e das condi ções de segur ança de t r abal ho.

§ 2º - Emcondi ções de r i sco gr ave ou i mi nent e no l ocal de
t r abal ho, ser á l i ci t o ao empr egado i nt er r omper suas at i vi dades,
sempr ej uí zo de quai squer di r ei t os, at é el i mi nação do r i sco.

§ 3º - As l i cenças par a const r ui r , os aut os de concl usão e
as l i cenças par a i nst al ação e f unci onament o soment e ser ão
expedi dos medi ant e pr évi a compr ovação de que f or amat endi das as
exi gênci as l egai s especí f i cas, a cada caso, r el at i vas à
segur ança, i nt egr i dade e saúde dos t r abal hador es e usuár i os.

§ 4º - O aut o de vi st or i a de segur ança dever á ser r enovado
per i odi cament e, par a ver i f i cação de obedi ênci a ao di spost o no
par agr af o ant er i or .

Art. 220 - O Muni cí pi o assegur ar á a par t i ci pação de
r epr esent ant es dos t r abal hador es nas deci sões em t odos os
ní vei s emque a segur ança do t r abal ho e a saúde do t r abal hador
sej amobj et o de di scussão e del i ber ação.


CAPÍTULO IV
DA PROMOÇÃO E ASSI STÊNCI A SOCI AL

Art. 221 - A assistência social, política de seguridade
social, que afiança proteção social como direito de cidadania
de acordo com os artigos 203 e 204 da Constituição Federal,
regulamentados pela Lei Federal 8.742/93, deve ser garantida
pelo município cabendo-lhe:

I - estabelecer a assistência social no município como
política de direitos de proteção social a ser gerida e operada
através de: comando único com ação descentralizada nas regiões
administrativas do município; reconhecimento do Conselho
Municipal da Assistência Social e do Fundo Municipal de
Assistência Social dentre outras formas participativas;
subordinação a Plano Municipal de Assistência Social aprovado
pelo Conselho Municipal; integração e adequação das ações
estaduais e federais no campo da assistência social no âmbito
da cidade; articulação intersetorial com as demais políticas
sociais, urbanas, culturais e de desenvolvimento econômico do
município; manutenção da primazia da responsabilidade pública
face às organizações sem fins lucrativos;
II - garantir políticas de proteção social não
contributivas através de benefícios, serviços, programas e
projetos que assegurem a todos os cidadãos mínimos de
cidadania, além dos obtidos pela via do trabalho, mantendo
sistema de vigilância das exclusões sociais e dos riscos
LEI ORGÂNI CA DO MUNI CÍ PI O DE SÃO PAULO

71
sociais de pessoas e segmentos fragilizados e sem acesso a bens
e serviços produzidos pela sociedade;
III - regulamentar e prover recursos para manter o sistema
não contributivo de transferência de renda através de
benefícios a quem dele necessitar, tais como:
a) para complementação de renda pessoal e familiar;
b) apoio à família com crianças e adolescentes em risco
pessoal e social;
c) complementação a programas e projetos sociais dirigidos
a adolescentes, jovens, desempregados, população em situação de
abandono e desabrigo;
d) benefícios em catáter eventual para situações de
emergência como: decorrentes de calamidades públicas, morte
familiar (auxílio-funeral) e necessidades circunstanciais
consideradas de risco pessoal e social;
e) auxílio-natalidade para famílias mono e multinucleares
em situação de risco;
IV - manter diretamente ou através de relação conveniada
de parceria rede qualificada de serviços sócio-assistenciais
para acolhida, convívio e desenvolvimento de capacidades de
autonomia aos diversos segmentos sociais, atendendo o direito à
eqüidade e ao acesso em igualdade às políticas e serviços
municipais;
V - manter programas e projetos integrados e
complementares a outras áreas de ação municipal para qualificar
e incentivar processos de inclusão social;
VI - estabelecer relação conveniada, transparente e
participativa com organizações sem fins lucrativos, assegurando
padrão de qualidade no atendimento e garantia do caráter
público na ação;
VII - manter sistema de informações da política de
assistência social da cidade, publicizando e subsidiando a ação
do Conselho Municipal, as Conferências Municipais, a rede
sócio-assistencial. Compor tal sistema com: indicadores sobre a
realidade social da cidade, índices de desigualdade, risco,
vulnerabilidade e exclusão social; avaliação da efetividade e
eficácia da ação desenvolvida; cadastro informatizado da rede
sócio-assistencial da cidade com acesso pela rede mundial de
computadores.
(Alterado pela Emenda 24/01)

Art. 222 - O Muni cí pi o poder á pr est ar , de f or ma
subsi di ár i a e conf or me pr evi st o em l ei , assi st ênci a j ur í di ca à
popul ação de bai xa r enda, podendo cel ebr ar convêni os com essa
f i nal i dade.

Art. 223 - O Muni cí pi o gar ant i r a à popul ação de bai xa
r enda, na f or ma da l ei , a gr at ui dade do sepul t ament o e dos
mei os e pr ocedi ment os a el e necessár i os.

Art. 224 - O Muni cí pi o, de f or ma coor denada como Est ado,
pr ocur ar á desenvol ver pr ogr amas de combat e e pr evenção à
vi ol ênci a cont r a a mul her buscando gar ant i r :

I - assi st ênci a soci al , médi ca, psi col ógi ca e j ur í di ca às
mul her es ví t i mas de vi ol ênci a;
I I - a cr i ação e manut enção de abr i gos par a as mul her es e
cr i anças ví t i mas de vi ol ênci a domést i ca;

LEI ORGÂNI CA DO MUNI CÍ PI O DE SÃO PAULO

72
Art. 225 - O Muni cí pi o pr ocur ar á assegur ar a i nt egr ação
dos i dosos na comuni dade, def endendo sua di gni dade e seu bem-
est ar , na f or ma da l ei , especi al ment e quant o:

I - ao acesso a t odos os equi pament os, ser vi ços e
pr ogr amas cul t ur ai s, educaci onai s, espor t i vos, r ecr eat i vos, bem
como a r eser va de ár eas emconj unt os habi t aci onai s dest i nados à
convi vênci a e l azer ;
I I - a assi st ênci a médi ca ger al e ger i át r i ca;
I I I - a gr at ui dade do t r anspor t e col et i vo ur bano, par a os
mai or es de 65 ( sessent a e ci nco) anos, e aposent ados de bai xa
r enda, vedada a cr i ação de qual quer t i po de di f i cul dade ou
embar aço ao benef i ci ár i o;

I V - a cr i ação de núcl eos de convi vênci a par a i dosos;
V - o at endi ment o e or i ent ação j ur í di ca, no que se r ef er e
a seus di r ei t os.

Art. 226 - O Município buscará garantir à pessoa
deficiente sua inserção na vida social e econômica, através de
programas que visem o desenvolvimento de suas potencialidades,
em especial:
(Alterado pela Emenda 29/07)

I - a assi st ênci a, desde o nasci ment o, at r avés da
est i mul ação pr ecoce, da educação gr at ui t a e especi al i zada,
i ncl usi ve pr of i ssi onal i zant e, seml i mi t e de i dade;
I I - o acesso a equi pament os, ser vi ços e pr ogr amas
cul t ur ai s, educaci onai s, espor t i vos e r ecr eat i vos;
I I I - a assi st ênci a médi ca especi al i zada, bem como o
di r ei t o à pr evenção, habi l i t ação e r eabi l i t ação, at r avés de
mét odos e equi pament os necessár i os;
IV - a formação de recursos humanos especializados no
tratamento e assistência das pessoas com deficiência;
(Alterado pela Emenda 29/07)
V - o di r ei t o à i nf or mação e à comuni cação, consi der ando-
se as adapt ações necessár i as.

Art. 227 - O Município deverá garantir aos idosos e
pessoas com deficiência o acesso a logradouros e a edifícios
públicos e particulares de frequência aberta ao público, com a
eliminação de barreiras arquitetônicas, garantindo-lhes a livre
circulação, bem como a adoção de medidas semelhantes, quando da
aprovação de novas plantas de construção, e a adaptação ou
eliminação dessas barreiras em veículos coletivos.
(Alterado pela Emenda 29/07)

Art. 228 - O Município poderá conceder, na forma da lei,
incentivos às empresas que adaptarem seus equipamentos para
trabalhadores com deficiência.
(Alterado pela Emenda 29/07)

Art. 229 - O Município promoverá programas de atenção
integral à criança, ao adolescente e ao jovem, mediante
políticas específicas, admitida a participação de entidades não
governamentais.
§ 1º O Município estimulará, apoiará e, no que couber,
fiscalizará as entidades e associações comunitárias que
LEI ORGÂNI CA DO MUNI CÍ PI O DE SÃO PAULO

73
mantenham programas dedicados às crianças, aos adolescentes,
aos jovens, aos idosos e às pessoas com deficiência.
§ 2º O Município garantirá o acesso à escola ao
trabalhador adolescente e jovem.
§ 3º O Município deverá desenvolver programas de prevenção
ao consumo de drogas em geral e entorpecentes, e atendimento
especializado à criança, ao adolescente e ao jovem dependente.
(Alterado pelas Emendas 29/07 e 37/13)

Art. 229-A - O Poder Público Municipal assegurará, em
absoluta prioridade, programas que garantam à criança, ao
adolescente e ao jovem o direito à vida, à saúde, à
alimentação, à educação, ao lazer, à profissionalização, à
cultura, à dignidade, ao respeito, à liberdade e à convivência
familiar e comunitária, colocando-os a salvo de toda forma de
negligência, discriminação, exploração, violência, crueldade e
opressão.
(Acrescentado pela Emenda 37/13)

Art. 229-B - Lei estabelecerá o Plano Municipal da Criança
e do Adolescente, e o Plano da Política Municipal da Juventude,
com duração decenal, visando à ação articulada e integrada
entre os órgãos do Poder Público para a elaboração e execução
das Políticas Públicas e estabelecendo cronograma de
investimentos, prioridades e programas a serem implementados.
(Acrescentado pela Emenda 37/13)


CAPÍTULO V
DO ESPORTE, LAZER E RECREAÇÃO

Art. 230 - É dever do Muni cí pi o apoi ar e i ncent i var , com
base nos f undament os da educação f í si ca, o espor t e, a
r ecr eação, o l azer , a expr essão cor por al , como f or mas de
educação e pr omoção soci al e como pr át i ca sóci o- cul t ur al e de
pr eser vação da saúde f í si ca e ment al do ci dadão.

Art. 231 - As unidades esportivas do Município deverão
estar voltadas ao atendimento esportivo, cultural, da recreação
e do lazer da população, destinando atendimento específico às
crianças, aos adolescentes, aos idosos e às pessoas com
deficiência.
(Alterado pela Emenda 29/07)

Art. 232 - O Município, na forma da lei, promoverá
programas esportivos destinados às pessoas com deficiência,
cedendo equipamentos fixos em horários que lhes permitam vencer
as dificuldades do meio, principalmente nas unidades
esportivas, conforme critérios definidos em lei.
(Alterado pela Emenda 29/07)

Art. 233 - O Muni cí pi o dest i nar á r ecur sos or çament ár i os
par a i ncent i var :

I - o espor t e f or mação, o espor t e par t i ci pação, o l azer
comuni t ár i o, e, na f or ma da l ei , o espor t e de al t o r endi ment o;
I I - a pr át i ca da educação f í si ca como pr emi ssa
educaci onal ;
LEI ORGÂNI CA DO MUNI CÍ PI O DE SÃO PAULO

74
I I I - a cr i ação e manut enção de espaços pr ópr i os e
equi pament os condi zent es às pr át i cas espor t i vas, r ecr eat i vas e
de l azer da popul ação;

IV - a adequação dos locais já existentes e previsão de
medidas necessárias quando da construção de novos espaços,
tendo em vista a prática dos esportes, da recreação e do lazer
por parte das pessoas com deficiência, idosos e gestantes, de
maneira integrada aos demais cidadãos.
(Alterado pela Emenda 29/07)

Art. 234 - O Execut i vo, at r avés do ór gão compet ent e,
el abor ar á, di vul gar á e desenvol ver á, at é o mês de f ever ei r o de
cada ano, pr ogr ama t écni co- pedagógi co e cal endár i o de event os
de at i vi dades espor t i vas compet i t i vas, r ecr eat i vas e de l azer
do ór gão e de suas uni dades educaci onai s.

Art. 235 - O Poder Muni ci pal , obj et i vando a i nt egr ação
soci al , mant er á e r egul ament ar á, na f or ma da l ei , a exi st ênci a
dos cl ubes despor t i vos muni ci pai s, com a f i nal i dade pr i mor di al
de pr omover o desenvol vi ment o das at i vi dades comuni t ár i as no
campo despor t i vo, da r ecr eação e do l azer , em ár eas de
pr opr i edade muni ci pal .

Par ágr af o úni co - Par a f azer j us a quai squer benef í ci os do
Poder Públ i co, bem como aos i ncent i vos f i scai s da l egi sl ação
per t i nent e, os cl ubes despor t i vos muni ci pai s dever ão obser var
condi ções a ser emest abel eci das por l ei .

Art. 236 - Lei def i ni r á a pr eser vação, ut i l i zação pel a
comuni dade e os cr i t ér i os de mudança de dest i nação de ár eas
muni ci pai s ocupadas por equi pament os espor t i vos de r ecr eação e
l azer , bemcomo a cr i ação de novas.


CAPÍTULO VI
DA DEFESA DOS DIREITOS HUMANOS

Art. 237 - É dever do Município de São Paulo apoiar e
incentivar a defesa e a promoção dos Direitos Humanos, na forma
das normas constitucionais, tratados e convenções
internacionais.

Art. 238 - Fica criada a Comissão Municipal de Direitos
Humanos, órgão normativo, deliberativo e fiscalizador, com
estrutura colegiada, composto por representantes do poder
público e da sociedade civil, que deverá definir, apoiar e
promover os mecanismos necessários à implementação da política
de direitos humanos na cidade de São Paulo, segundo lei que
definirá suas atribuições e composição.
(Capítulo VI e artigos 237 e 238 acrescentados pela Emenda
21/01)



DISPOSIÇÕES GERAIS E TRANSITÓRIAS


LEI ORGÂNI CA DO MUNI CÍ PI O DE SÃO PAULO

75
Art. 1º - O Pr ef ei t o, o Vi ce- Pr ef ei t o e os Ver eador es
pr est ar ão o compr omi sso de mant er , def ender e cumpr i r est a Lei ,
no at o e dat a de sua pr omul gação.

Art. 2º - Nos 10 ( dez) pr i mei r os anos da pr omul gação dest a
Lei Or gâni ca, o Poder Execut i vo Muni ci pal desenvol ver á esf or ços
com a mobi l i zação de t odos os set or es or gani zados da soci edade
e coma apl i cação de, pel o menos 50% ( ci nquent a por cent o) dos
r ecur sos a que se r ef er e o ar t . 208 dest a Lei Or gâni ca, par a
el i mi nar o anal f abet i smo e uni ver sal i zar o ensi no muni ci pal .

Art. 3º - O cadast r o de t er r as publ i cas muni ci pai s dever á
ser at ual i zado e publ i cado a cada ano, a cont ar da dat a da
pr omul gação dest a Lei Or gâni ca.

Art. 4º - O Poder Execut i vo f ar á um l evant ament o das
concessões admi ni st r at i vas e per mi ssões de uso de i móvei s
públ i cos muni ci pai s em vi gênci a, at é a dat a da pr omul gação
dest a Lei .

Par ágr af o úni co - O r ef er i do l evant ament o dever á ser
concl uí do no pr azo máxi mo de 12 ( doze) meses após a pr omul gação
da Lei Or gâni ca.

Art. 5º - O Execut i vo di spor á de um pr azo máxi mo de 10
( dez) meses par a submet er ao Legi sl at i vo umnovo Pl ano Di r et or
do Muni cí pi o.

Art. 6º - A Câmar a Muni ci pal cr i ar á no pr azo de 15
( qui nze) di as da dat a da pr omul gação dest a Lei , uma Comi ssão
Especi al par a pr oceder a r evi são do seu Regi ment o I nt er no,
obser vando, na composi ção da Comi ssão, a pr opor ci onal i dade de
r epr esent ação par t i dár i a.

Art. 7º - O Poder Muni ci pal pr oceder á a r evi são e
consol i dação da l egi sl ação exi st ent e e à el abor ação de novos
di pl omas l egai s decor r ent es dest a Lei Or gâni ca no pr azo de at é
24 ( vi nt e e quat r o) meses a cont ar da dat a de sua pr omul gação.

§ 1º - Ser ão cr i adas Comi ssões Especi ai s par a as
f i nal i dades pr evi st as no " caput " , dest e ar t i go, no pr azo de 60
( sessent a) di as.

§ 2º - No desenvol vi ment o de seus t r abal hos as Comi ssões
r eal i zar ão audi ênci as públ i cas.

Art. 8º - O mandat o da Mesa da Câmar a Muni ci pal , pr evi st o
no ar t . 26 dest a Lei , passar á a vi gi r par a a sessão l egi sl at i va
a se i ni ci ar em1º de j anei r o de 1991.

Art. 9º - O Muni cí pi o dever á pr omover a i mpl ant ação
gr adat i va da j or nada de 2 ( doi s) t ur nos nas Escol as Muni ci pai s,
pr i or i zando i ni ci al ment e set or es da popul ação de bai xa r enda.

Art. 10 - A composi ção da Câmar a Muni ci pal pr evi st a no
ar t . 12 dest a Lei vi gor ar á par a a l egi sl at ur a a se i ni ci ar em
1º de j anei r o de 1993.

LEI ORGÂNI CA DO MUNI CÍ PI O DE SÃO PAULO

76
Art. 11 - As empr esas j á i nst al adas no Muni cí pi o e que
desenvol vem at i vi dades de gr ande i mpact o ambi ent al t er ão que
apr esent ar no pr azo de 6 ( sei s) meses a par t i r da pr omul gação
dest a Lei , pl ano de r ecuper ação do mei o ambi ent e degr adado,
f i cando suj ei t as às sanções est abel eci das eml ei .

Art. 12 - A r evi são da pr esent e Lei ser a f ei t a 3 ( t r ês)
meses após o t ér mi no da r evi são da Const i t ui ção da Repúbl i ca
pr evi st a no ar t . 3º das suas Di sposi ções Tr ansi t ór i as.

Art. 13 - O per cent ual da r ecei t a r esul t ant e de i mpost os
dest i nados à manut enção e desenvol vi ment o do ensi no ser á
el evado anual ment e de f or ma gr adual , a par t i r do l i mi t e mí ni mo
f i xado par a o Muni cí pi o no ar t . 212 da Const i t ui ção da
Repúbl i ca, at é at i ngi r , no pr azo de 3 ( t r ês) anos, o
est abel eci do no ar t . 208 dest a Lei .

Art. 14 - O Muni cí pi o pr ocur ar á cel ebr ar convêni o com o
Est ado obj et i vando cr i ar a Assessor i a de Assi st ênci as Mi l i t ar es
j unt o ao Pr ef ei t o e à Pr esi dênci a da Câmar a Muni ci pal .

Art. 15 - O Muni cí pi o or gani zar á um si st ema i nt egr ado de
def esa ci vi l par a pr est ar socor r o e assi st ênci a à popul ação na
i mi nênci a, ou após ocor r ênci a de event os desast r osos, no
at endi ment o das necessi dades mat er i ai s i medi at as da popul ação,
bem como par a at uar na r ecuper ação de ár eas at i ngi das pel os
mesmos, def i ni ndo em l ei a sua or gani zação, f or mas de
mobi l i zação, compet ênci a e at r i bui ções.

Art. 15-A - O Município organizará um Sistema Integrado de
Segurança Urbana para prestar pronto atendimento, primário e
preventivo à população.


Parágrafo único - O órgão básico de execução do Sistema
será a Guarda Civil, definindo o Município através de lei, a
organização, competência e atribuições do Sistema.
(Acrescentado pela Emenda 23/01)

Art. 16 - A muni ci pal i dade pr omover á convêni os com o
Gover no do Est ado de São Paul o no sent i do de f i scal i zar
pr odut os e ser vi ços l i gados à vi gi l ânci a sani t ár i a, cont r ol e de
qual i dade e pr evenção de danos ao consumi dor conf or me di spost o
no ar t . 165 dest a Lei .

Art. 17 - O Muni cí pi o mant er á car át er educat i vo,
ar t í st i co, i nf or mat i vo e cul t ur al , ser vi ço de r adi odi f usão
sonor a e de sons e i magens, emr egi me f undaci onal , que venha a
ser concedi da ao Muni cí pi o pel a Uni ão, com a par t i ci pação do
poder públ i co e da soci edade emsua gest ão e cont r ol e, na f or ma
da l ei .

Art. 18 - A cr i ação de novos l ei t os psi qui át r i cos dar - se- á
pr ef er enci al ment e, na r ede públ i ca de ser vi ços, at r avés da
i mpl ement ação de uni dades psi qui át r i cas de pequeno por t e em
hospi t ai s ger ai s, subst i t ui ndo- se gr adat i vament e os mani cômi os
por uma r ede de at endi ment o à saúde ment al .

LEI ORGÂNI CA DO MUNI CÍ PI O DE SÃO PAULO

77
Art. 19 - Aos Pr ocur ador es do I nst i t ut o de Pr evi dênci a
Muni ci pal , desde que com i ngr esso medi ant e concur so públ i co,
f i cam assegur ados os mesmos di r ei t os e dever es, gar ant i as e
pr er r ogat i vas, pr oi bi ções e i mpedi ment os, at i vi dade
cor r eci onal , venci ment os e di sposi ções at i nent es à car r ei r a de
Pr ocur ador do Muni cí pi o.

Art. 20 - A l ei que decl ar ar a ext i nção do car go de
car r ei r a est abel ecer á concomi t ant ement e cor r el ação com car go
equi val ent e par a ef ei t o de est i pul ação dos venci ment os e demai s
vant agens do ser vi dor emdi sponi bi l i dade.

Par ágr af o úni co - Apl i ca- se a est e ar t i go o di spost o no
ar t . 40, § 4º, da Const i t ui ção da Repúbl i ca.

Art. 21 - As 3 ( t r ês) pr i mei r as vagas que vi er ema ocor r er
no Tr i bunal de Cont as do Muni cí pi o a par t i r da pr omul gação da
pr esent e Lei Or gâni ca ser ão pr eenchi das por i ndi cação da Câmar a
Muni ci pal .

Art. 22 - O di spost o no ar t . 97 não t er á ef ei t o r et r oat i vo
par a os f i ns de pagament o da sext a par t e, r el at i vament e aos
per í odos excedent es de 20 ( vi nt e) anos de ef et i vo exer cí ci o, j á
compl et ados por aquel es que t enhamou venhama t er assegur ado o
di r ei t o à sua per cepção.

Art. 23 – Ficam mantidas todas as concessões
administrativas e concessões de direito real de uso,
formalizadas até 02 de janeiro de 2003, mesmo que sem
concorrência pública, desde que o concessionário venha
utilizando a área para os fins previstos no ato de concessão ou
atividades ligadas às suas finalidades estatutárias e atenda
aos §§ 2º e 3º do art. 114 desta lei.

§ 1º - Justificado o interesse público ou social, o
Executivo poderá prorrogar as concessões de que trata este
artigo, mediante autorização legislativa e retribuição
pecuniária ou contrapartida obrigacional, salvo as destinadas
às instituições de utilidade pública, assistência social sem
fins lucrativos e atividades compreendidas no art. 114, § 3º
desta lei.

§ 2º - Havendo interesse público ou social, devidamente
justificado, as concessões administrativas e de direito real de
uso, já autorizadas e não formalizadas, deverão ser revistas e
submetidas pelo Executivo à nova apreciação do Legislativo.

Art. 24 – A licitação poderá ser dispensada por lei,
quando a venda tiver por objeto áreas públicas já utilizadas
pelo particular mediante contrato de concessão ou termo de
permissão de uso, formalizado até 02 de janeiro de 2015, pelo
valor de avaliação do terreno e das benfeitorias realizadas
pelo concessionário, a ser efetivada pelo órgão competente da
Secretaria dos Negócios Jurídicos.
(Alterado pela Emenda 37/13)

§ 1º - No caso de concessão administrativa ou de direito
real de uso, será descontada, da avaliação das benfeitorias
LEI ORGÂNI CA DO MUNI CÍ PI O DE SÃO PAULO

78
realizadas pelo concessionário, o valor proporcional ao tempo
restante até o termo final do contrato.

§ 2º - A aquisição do imóvel, na forma prevista no “caput”
deste artigo, dependerá da expressa manifestação do
interessado, no prazo improrrogável de 360 (trezentos e
sessenta) dias da data da promulgação deste dispositivo.

§ 3º - O valor da alienação poderá, a critério do
Executivo, ser parcelado em até 6 (seis) anos, em parcelas
trimestrais, sempre corrigidas pelo IPCA – Índice de Preços ao
Consumidor Amplo, ou outro índice oficial que venha a
substituí-lo.

§ 4º - A transferência do domínio dar-se-á somente após o
integral pagamento do valor da alienação, considerando-se
rescindido de pleno direito o ajuste, dispensada qualquer
notificação ou aviso, com o não-pagamento de qualquer das
parcelas no prazo de 60 (sessenta) dias do vencimento.

§ 5º - Do produto da alienação dos bens a que se refere o
“caput” deste artigo, 50% (cinqüenta por cento) será depositado
em Fundo Municipal destinado ao gerenciamento e gestão do
patrimônio imobiliário do Município.
(Artigos 23 e 24 acrescentados pela Emenda 26/05)


São Paul o, 4 de abr i l de 1990.

Gi l ber t o Nasci ment o - Pr esi dent e
Wal t er Abr ahão - Vi ce- Pr esi dent e
Devani r Ri bei r o - Secr et ár i o
Ar nal do de Abr eu Madei r a - Rel at or
Fr anci sco Whi t aker Fer r ei r a - Rel at or
Lui z Car l os Mour a - Rel at or
Adr i ano Di ogo
Al ber t i no Al ves Nobr e
Al do Rebel o
Al ex Fr eua Net t o
Al mi r Gui mar ães de Ol i vei r a
Ant ôni o Car l os Car uso
Ant oni o J osé da Si l va Fi l ho - Bi r o- Bi r o
Ant oni o Noguei r a Sampai o
Ar sel i no Tat t o
Aur el i no Soar es de Andr ade
Br uno Feder
Éder J of r e
Eduar do Mat ar azzo Supl i cy
Faust o Tomaz de Li ma
Gabr i el Mar t i ns Or t ega
Ger al do Bl ot a
Henr i que Pacheco
I r ede Car doso
Í t al o Car doso de Ar auj o
J ami l Achôa
J oão Apar eci do de Paul a
J oão Br asi l Vi t a
J ooj i Hat o
J osé Gui l her me Gi anet t i
LEI ORGÂNI CA DO MUNI CÍ PI O DE SÃO PAULO

79
J osé Í ndi o Fer r ei r a do Nasci ment o
J osé Lui z Bel l egar de de Andr ade Fi guei r a
J osé Vi vi ani Fer r az
J ucel i no Si l va Net o
J úl i o Cesar Cal i gi ur i Fi l ho
Lí di a Cor r ea da Si l va
Mar cos Mendonça
Már i o Masanobu Noda
Maur í ci o Far i a
Nel son Guer r a
Osval do Gi annot t i
Osval do Sanches
Paul o Kobayashi
Pedr o Bohomol et z de Abr eu Dal l ar i
Rober t o Tr í pol i
Robson Tuma
Ter eza Cr i st i na de Souza Laj ol o
Ti t a Di as
Ushi t ar o Kami a
Val f r edo Fer r ei r a Si l va
Wal t er Fel dman
Abel Fer r ei r a Cast i l ho
Al f r edo Mar t i ns
Ar mel i ndo Passoni
Avani r Dur an Gal har do
Fr anci sco dos Sant os Bat i st a Fi l ho
Gi l son Bar r et o
Mar cos Ker t zmann
Maur o Ai l t on Puer r o
Nayl or Tel es de Ol i vei r a
Ter ezi nha Mar t i ns
Vi t al Nol asco
Ver eador es emexer cí ci o de car go de Secr et ár i o Muni ci pal :
J oão Car l os Al ves
J uar ez Soar ez
" I n Memor i an"
Fr anci sco Al t i no Li ma

OBSERVAÇÃO: O pr esent e t ext o i ncor por a as modi f i cações
i nt r oduzi das pel a Emenda à Lei Or gâni ca nº 1/ 90, apr ovada em
Sessão da Câmar a Muni ci pal de 05/ 04/ 90.
LEI ORGÂNI CA DO MUNI CÍ PI O DE SÃO PAULO

80
ÍNDICE TEMÁTICO E REMISSIVO



A

_______________________________________________________________


ABORTO
ar t . 216, VI

ACUMULAÇÃO DE FUNÇÃO
- vedação
ar t . 6º, par ágr af o úni co

Adi ci onal
ver SERVIDOR PÚBLICO
- vant agens

ADMINISTRAÇÃO MUNICIPAL
ar t . 80
ar t . 88
- cer t i dão de at os, cont r at os, deci sões: obr i gação de
f or necer
ar t . 120
- compet ênci a
ar t . 83
ar t . 172
- composi ção
ar t . 80, I , I I
- di r et r i zes e pr i ncí pi os
ar t . 81, caput
- exer cí ci o
ar t . 69, I I
ar t . 77
- or gani zação
ar t . 83
- pl anos: vi ncul ação de at os dos ór gãos e ent i dades
ar t . 145
- pr est ação de escl ar eci ment os
ar t . 82, caput
- pr est ação de escl ar eci ment os: pr azo
ar t . 82, §§ 1º, 2º
- pr est ação de escl ar eci ment os: pr azo esgot ado: r ecur so e
sanções penai s
ar t . 82, § 2º
- publ i ci dade gover nament al : car át er educat i vo
ar t . 85
- publ i ci dade gover nament al : pr omoção pessoal ou par t i dár i a:
pr oi bi ção
ar t . 85
- ser vi dor es: par t i ci pação emór gãos di r et i vos
ar t . 83, I
LEI ORGÂNI CA DO MUNI CÍ PI O DE SÃO PAULO

81
- ser vi dor es: publ i cação de r el ação de r emuner ação e car gos
ar t . 121
- ser vi dor es: val or i zação
ar t . 89
ar t . 90

ver t ambémMUNICÍPIO

ADMINISTRAÇÃO MUNICIPAL DIRETA
ar t . 80, I
- comi ssão de r epr esent ant es
ar t . 83, I V
- Ór gãos
ar t . 80, I

ADMINISTRAÇÃO MUNICIPAL INDIRETA
ar t . 80, I I
- car go de conf i ança
ar t . 83, I I I
- comi ssão de r epr esent ant es
ar t . 83, I I
- ent i dades
ar t . 80, I I
- ór gão de di r eção: col egi ado
ar t . 83, I I

ver t ambémAUTARQUIA MUNICIPAL
EMPRESA COM PARTICIPAÇÃO DO MUNICÍPIO
EMPRESA PÚBLICA
ENTIDADE PÚBLICA
FUNDAÇÃO INSTITUÍDA OU MANTIDA PELO PODER
MUNICIPAL
SOCIEDADE DE ECONOMIA MISTA

ALIMENTOS
- abast eci ment o
ar t . 166

ANALFABETISMO
- er r adi cação
ar t . 2º D. T

ANIMAIS
- maus t r at os: pr oi bi ção
ar t . 188, § 1º

ARBORIZAÇÃO
ar t . 186

ver t ambémMEIO AMBIENTE
- pr eser vação

ÁREAS VERDES
- i mpl ant ação, ampl i ação e pr eser vação
ar t . 186

ver t ambémMEIO AMBIENTE
- pr eser vação

LEI ORGÂNI CA DO MUNI CÍ PI O DE SÃO PAULO

82
Assent ament o da popul ação
ver POPULAÇÃO DE BAIXA RENDA
- assent ament o

Assi st ênci a à cr i ança
ver CRIANÇA

ASSISTÊNCIA AO ESCOLAR
ar t . 201, § 5º
ar t . 208, § 3º

ASSISTÊNCIA MÉDICO-HOSPITALAR
- segur ado: par t i ci pação na gest ão
ar t . 102

ASSISTÊNCIA MILITAR
- assessor i a
ar t . 14 D. T.

ASSISTÊNCIA À MULHER
ar t . 224, I

ASSISTÊNCIA SOCIAL
ar t . 221

ASSOCIAÇÕES REPRESENTATIVAS
- par t i ci pação no pr ocesso de pl anej ament o muni ci pal
ar t . 9º, I

ATIVIDADES ECONÔMICAS
- i mpact o ambi ent al
ar t . 160, § 2º

ATO LEGAL
- publ i cação
ar t . 115

AUDIÊNCIAS PÚBLICAS
ar t . 9º, I I I
ar t . 32, § 3º
ar t . 41
ar t . 159, § 2º
ar t . 217
ar t . 7º, § 2º D. T.

AUTARQUIA MUNICIPAL
- cr i ação
ar t . 80, par ágr af o úni co
ar t . 86, caput
- cr i ação de subsi di ár i as: aut or i zação l egi sl at i va
ar t . 86, par ágr af o úni co
- par t i ci pação emempr esas pr i vadas: aut or i zação l egi sl at i va
ar t . 86, par ágr af o úni co
- t r ansf or mação, f usão, ci são, i ncor por ação, pr i vat i zação,
ext i nção
ar t . 86, caput
- t r i but os: l i mi t ação ao poder de l egi sl ar
ar t . 131, §§ 1º, 2º
- vi ncul ação
LEI ORGÂNI CA DO MUNI CÍ PI O DE SÃO PAULO

83
ar t . 80, par ágr af o úni co

ver t ambémADMINISTRAÇÃO MUNICIPAL INDIRETA



B
____________________________________________________________


Bandei r a
ver SÍMBOLOS MUNICIPAIS

BENS MUNICIPAIS
ar t . 110
ar t . 114
ar t . 23, D. T.
ar t . 24, D. T.
- admi ni st r ação
ar t . 111
- al i enação
ar t . 112
- aqui si ção
ar t . 113
- aut or i zação de uso
ar t . 114
- cadast r o
ar t . 3º, D. T.
- concessão e per mi ssão de uso
ar t . 40, § 3º XI X
ar t . 112, § 1º
ar t . 114
- concessão e per mi ssão de uso: l evant ament o
ar t . 4º, par ágr af o úni co D. T.
- concessão e per mi ssão de uso: r el at ór i o do Pr ef ei t o
ar t . 114, § 8º
- concessão de uso: di spensa de concor r ênci a
ar t . 112, § 2º
ar t . 114, § 2º
- denomi nação
ar t . 13, XVI I
- não ut i l i zados
ar t . 158
- r egul ament ação de uso
ar t . 110, § 2º
ar t . 114
- t er r as devol ut as
ar t . 110, § 1º

BENS E SERVIÇOS
- r equi si ção: at endi ment o da col et i vi dade
ar t . 214, § 5º

Br asão
ver SÍMBOLOS MUNICIPAIS



LEI ORGÂNI CA DO MUNI CÍ PI O DE SÃO PAULO

84
C
____________________________________________________________


CALAMIDADE PÚBLICA
- at endi ment o ur gent e
ar t . 214, § 5º

CÂMARA MUNICIPAL
- acesso às i nf or mações pr ocessadas por Òr gãos da
admi ni st r ação Di r et a e I ndi r et a do Muni cí pi o
ar t . 53, § 1º
- aut or i zação par a par al i sação de obr as
ar t . 127
- bens muni ci pai s: concessão de uso
ar t . 40, § 3º, XI X
- comi ssão especi al par a r evi são do Regi ment o
ar t . 6º, D. T
- Comi ssão Per manent e de Fi nanças e Or çament o: compet ênci a
ar t . 138, §§ 1º, 2º
- comi ssões: compet ênci a
ar t . 32, § 2º
- comi ssões: cr i ação, or gani zação e f unci onament o
ar t . 14, XXI
- comi ssões: del i ber ações
ar t . 35
- comi ssões: pr est ação de escl ar eci ment os
ar t . 82, caput
- comi ssões: r epr esent ação pr opor ci onal dos par t i dos
ar t . 32, § 1º
- Comi ssões Par l ament ar es de I nquér i t o
ar t . 33
- Comi ssões Par l ament ar es de I nquér i t o: compet ênci a
ar t . 33, caput , § 1º, I , I I
- Comi ssões Par l ament ar es de I nquér i t o: cr i ação
ar t . 14, VI I I
- comi ssões per manent es
ar t . 32, caput , §§ 3º e 4º
ar t . 41
- comi ssões t empor ár i as
ar t . 32, caput
- compet ênci a
ar t . 13
ar t . 14
ar t . 18, § 4º
ar t . 37, § 1º
ar t . 70, par ágr af o úni co
ar t . 86
ar t . 111
- compet ênci a l egi sl at i va
ar t . 14, XI I I
- compet ênci a pr i vat i va
ar t . 14
- composi ção
ar t . 12
ar t . 10 D. T.
- Consel hei r o do Tr i bunal de Cont as do Muni cí pi o: escol ha
ar t . 50, I I , § 1º
LEI ORGÂNI CA DO MUNI CÍ PI O DE SÃO PAULO

85
ar t . 21 D. T.
- consel hos: cr i ação, or gani zação e f unci onament o
ar t . 14, XXI
- convocação ext r aor di nár i a
ar t . 31
ar t . 69, VI
- del i ber ações
ar t . 35
- f i scal i zação dos at os i nt er nos do Tr i bunal de Cont as do
Muni cí pi o
ar t . 51
- f i scal i zação cont ábi l , f i nancei r a, or çament ár i a,
oper aci onal e pat r i moni al do Muni cí pi o
ar t . 14, XVI I I
ar t . 47, caput
ar t . 48
ar t . 51
- f i scal i zação e cont r ol e dos at os do Poder Execut i vo
ar t . 14, XV
- i ni ci at i va das l ei s
ar t . 37, caput , § 1º
- i r r egul ar i dades: denúnci a
ar t . 11
- l egi sl at ur a
ar t . 15, caput
- mai or i a
ar t . 40, § 1º
- mai or i a absol ut a
ar t . 40, caput , § 3º
- Mesa: compet ênci a
ar t . 27
- Mesa: dest i t ui ção
ar t . 26, par ágr af o úni co
- Mesa: el ei ção
ar t . 14, I
ar t . 24
ar t . 25
- Mesa: mandat o
ar t . 8º D. T.
- Mesa: mandat o: dur ação
ar t . 26, caput
- Mesa: membr os
ar t . 25, par ágr af o úni co
- Mesa: pr esi dênci a
ar t . 24
- Mesa: pr est ação de cont as
ar t . 48, I
- Mesa: pr est ação de escl ar eci ment os
ar t . 82, caput
- Mesa: r eel ei ção
ar t . 26, caput
- or demdo di a
ar t . 40, caput
- Pr esi dent e: exer cí ci o da Pr ef ei t ur a
ar t . 63
- pr est ação de escl ar eci ment os
ar t . 52, caput , § 1º
ar t . 82, caput
- pr ocesso l egi sl at i vo
LEI ORGÂNI CA DO MUNI CÍ PI O DE SÃO PAULO

86
ar t . 34
- publ i ci dade: r el at ór i o dos gast os gover nament ai s
ar t . 118, caput
- r ecesso par l ament ar
ar t . 29, caput
ar t . 31
- Regi ment o I nt er no: el abor ação
ar t . 14, I I
- Regi ment o I nt er no: pr oj et o de l ei , apr ovação e al t er ação
ar t . 40, § 2º
- secr et ár i o muni ci pal : censur a ao desempenho da f unção
ar t . 40, § 5º, V
- ser vi ços: or gani zação e f unci onament o
ar t . 14, I I I
- ser vi dor : car go: cr i ação, t r ansf or mação ou ext i nção
ar t . 14, I I I
- ser vi dor : r emuner ação: f i xação
ar t . 14, I I I
- sessão ext r aor di nár i a
ar t . 29, §§ 2º, 3º, 4º
ar t . 31
- sessão de i nst al ação
ar t . 15, caput
- sessão or di nár i a
ar t . 29, caput , § 2º
- sessão públ i ca
ar t . 30
- sessão sol ene
ar t . 29, §§ 2º, 4º
- sessão sol ene de i nst al ação
ar t . 58, caput
- subpr ef ei t o: censur a ao desempenho da f unção
ar t . 40, § 5º, V
- sust ação de despesa
ar t . 52, § 2º

ver t ambémPODER LEGISLATIVO

Car go emComi ssão
ver SERVIDOR PÚBLICO
- car go emcomi ssão

Car go de Conf i ança
ver SERVIDOR PÚBLICO
- car go de conf i ança

Car go Públ i co
ver SERVIDOR PÚBLICO
- car go

CARTEIRA PREVIDENCIÁRIA
- pr oi bi ção
ar t . 105, caput

CEMITÉRIOS
ar t . 125, I



LEI ORGÂNI CA DO MUNI CÍ PI O DE SÃO PAULO

87
CÓDIGO DE ÉTICA DOS VEREADORES
ar t . 19

Col egi ado
ver ÓRGÃO COLEGIADO

Col egi ado de Pr ocur ador es
ver PROCURADORIA GERAL DO MUNICÍPIO
- ór gão col egi ado

COMISSÃO INTERNA
- pr evenção de aci dent es e cont r ol e ambi ent al
ar t . 83, VI
- pr evenção de aci dent es e cont r ol e ambi ent al : pr oi bi ção de
r emuner ação
ar t . 83, § 1º

COMISSÃO MUNICIPAL DE DIREITOS HUMANOS
- ar t . 238

COMISSÃO DE REPRESENTANTES
- Admi ni st r ação Muni ci pal Di r et a e Fundaci onal
ar t . 83, I V
- Admi ni st r ação Muni ci pal I ndi r et a
ar t . 83, I I
- r emuner ação: pr oi bi ção
ar t . 83, § 1º


COMPETÊNCIA
- Admi ni st r ação Muni ci pal
ar t . 83
ar t . 172
- Câmar a Muni ci pal
ar t . 13
ar t . 14
ar t . 37, § 1º
ar t . 70, par ágr af o úni co
ar t . 86
ar t . 111
- Comi ssão Per manent e de Fi nanças e Or çament o da Câmar a
Muni ci pal
ar t . 138, §§ 1º, 2º
- comi ssões da Câmar a Muni ci pal
ar t . 32, § 2º
- Comi ssões Par l ament ar es de I nquér i t o da Câmar a Muni ci pal
ar t . 33, caput , § 1º, I , I I
- Consel ho de r epr esent ant es
ar t . 55
Mesa da Câmar a Muni ci pal
ar t . 27
- Muni cí pi o
ar t . 7º
ar t . 81, § 2º
ar t . 89
ar t . 102, caput
ar t . 123, caput
ar t . 130, I a I V, §§ 3º, 4º
ar t . 133, I a I V
LEI ORGÂNI CA DO MUNI CÍ PI O DE SÃO PAULO

88
ar t . 146, caput
ar t . 149
ar t . 165
ar t . 167, I a V
ar t . 178, caput
ar t . 179
ar t . 200, caput
ar t . 201, §§ 6º, 8º
ar t . 203, I a I I I
ar t . 208, caput
ar t . 216, caput
ar t . 221, caput
ar t . 230
- Poder Execut i vo
ar t . 166
ar t . 4º D. T.
ar t . 5º D. T.
- Poder Muni ci pal
ar t . 7º
ar t . 151, § 1º, I I I
ar t . 153, caput
ar t . 160, caput
ar t . 162
ar t . 168, caput
ar t . 177, § 1º
ar t . 187
ar t . 188, § 2º
ar t . 193
ar t . 194, caput , I a V
ar t . 197
ar t . 2º D. T.
- Pr ef ei t o
ar t . 69
ar t . 70
ar t . 111
- Pr ocur ador i a Ger al do Muni cí pi o
ar t . 87
- Subpr ef ei t o
ar t . 78
- Tr i bunal de Cont as do Muni cí pi o
ar t . 48, I a XI I

COMPRAS PÚBLICAS
- l i ci t ação
ar t . 129, caput
- publ i cação
ar t . 116

Concessi onár i a de Tr anspor t e Col et i vo
ver TRANSPORTE COLETIVO URBANO
- oper ador di r et o

CONCURSO PÚBLICO
- car go ou empr ego públ i co: acesso e i nvest i dur a
ar t . 83, VI I
- l i mi t e de i dade: vedação
ar t . 106
- r eal i zação: ent i dades di ssoci adas da admi ni st r ação
ar t . 107
LEI ORGÂNI CA DO MUNI CÍ PI O DE SÃO PAULO

89

CONFERÊNCIA ANUAL DE SAÚDE
ar t . 217

Conj unt o habi t aci onal de i nt er esse soci al
ver MORADIA POPULAR

CONSELHO MUNICIPAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL
ar t . 221, I e VI I

CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO
- cr i ação
ar t . 200, § 2º

CONSELHO MUNICIPAL DE SAÚDE
- cr i ação
ar t . 218

CONSELHO DE REPRESENTANTES
ar t . 54
ar t . 55
- compet ênci a
ar t . 55
- exer cí ci o: vedação
ar t . 8º, par ágr af o úni co
- membr os
ar t . 54
- par t i ci pação nas deci sões gover nament ai s
ar t . 8º
- par t i ci pação no pr ocesso de pl anej ament o muni ci pal
ar t . 9º, I

CONSÓRCIO INTERMUNICIPAL
ar t . 147

CONTRATOS
- sust ação
ar t . 48, § 1º

CONTRIBUIÇÃO DE MELHORIA
ar t . 130, I I I
ar t . 154, caput

ver t ambémTRIBUTOS

CONTRIBUIÇÃO DE SISTEMA DE PREVIDÊNCIA E ASSISTÊNCIA SOCIAL
ar t . 130, I V

ver t ambémTRIBUTOS

CONVÊNIOS
- Gover no do Est ado
ar t . 16 D. T.

Cor t i ço
ver MORADIA COLETIVA MULTIFAMILIAR

CRIANÇA
- pr ot eção
LEI ORGÂNI CA DO MUNI CÍ PI O DE SÃO PAULO

90
ar t . 41, XI

CULTURA
- acesso
ar t . 191




D
____________________________________________________________


Danos ao Mei o Ambi ent e
ver INDÚSTRIA
- danos ao mei o ambi ent e
OBRAS PARTICULARES
- danos ao mei o ambi ent e
OBRAS PÚBLICAS
- danos ao mei o ambi ent e

DECLARAÇÃO DE BENS
- Consel hei r o do Tr i bunal de Cont as do Muni cí pi o
ar t . 50 § 3º
- di r i gent es da Admi ni st r ação Muni ci pal : obr i gat or i edade
ar t . 83, V
- Pr ef ei t o
ar t . 58, § 2º
- Ver eador
ar t . 15, § 1º
- Vi ce- Pr ef ei t o
ar t . 58, § 2º

DECORO PARLAMENTAR
- pr ocedi ment o i ncompat í vel
ar t . 18, I I , § 1º

DECRETO LEGISLATIVO
- el abor ação
ar t . 34, I I I

DEFESA CIVIL
- or gani zação
ar t . 15 D. T.

DEFESA DO CONSUMIDOR
ar t . 131, § 5º
ar t . 165
ar t . 16 D. T.
- acesso à cul t ur a e ao l azer
ar t . 226, I I
- acesso a edi f í ci os
ar t . 227
- acesso e i ngr esso aos car gos, empr egos e f unções públ i cas
ar t . 99
- adapt ação dos edi f í ci os escol ar es
ar t . 206, § 2º
- adapt ação dos edi f í ci os e l ogr adour os públ i cos
LEI ORGÂNI CA DO MUNI CÍ PI O DE SÃO PAULO

91
ar t . 227
- assi st ênci a médi ca
ar t . 226, I I I
- assi st ênci a soci al
ar t . 226
- at endi ment o especi al i zado
ar t . 206, §§ 1º, 2º

DEFICIENTE FÍSICO
- benef í ci o
ar t . 206, §§ 1º, 2º
ar t . 226
ar t . 227
ar t . 229
- di r ei t o à i nf or mação
ar t . 226, V
- ensi no
ar t . 226, I
- pr ogr amas espor t i vos
ar t . 229

DESAPROPRIAÇÃO
- i ndeni zação emt í t ul os da dí vi da públ i ca
ar t . 153, I I I

DESENVOLVIMENTO URBANO
- pai sagemur bana
ar t . 149- A
- pol í t i ca: di r et r i zes
ar t . 148
ar t . 154, caput
- pol í t i ca: obj et i vos
ar t . 148, caput

DIREITO DE CONSTRUIR
ar t . 151, § 2º
ar t . 154, caput

DIREITO DE PREEMPÇÃO
ar t . 154, caput

DIREITO DE SUPERFÍCIE
ar t . 154, caput

DIREITO DO TRABALHADOR
- par t i ci pação nas deci sões
ar t . 220

DIREITOS E DEVERES INDIVIDUAIS E COLETIVOS
- acesso à i nf or mação
ar t . 84, caput
- di r ei t o de obt enção de at os, cont r at os e deci sões j unt o a
r epar t i ções públ i cas
ar t . 120
- di r ei t o de obt enção de cer t i dões j unt o a r epar t i ções
públ i cas
ar t . 84, par ágr af o úni co
- di r ei t o de pet i ção
ar t . 84, par ágr af o úni co
LEI ORGÂNI CA DO MUNI CÍ PI O DE SÃO PAULO

92
- t axas: vedação de cobr ança
ar t . 132

DIREITOS HUMANOS
ar t . 237
- Comi ssão Muni ci pal de Di r ei t os Humanos
ar t . 238

DIRETRIZES ORÇAMENTÁRIAS
- dest i nação de ver bas especi ai s: habi t ação
ar t . 168, par ágr af o úni co
- l ei
ar t . 137, § 2º
- pr oj et o de l ei : emendas
ar t . 138, § 4º
- pr oj et o de l ei : pr azo
ar t . 138, § 6º
- pr oj et o de l ei : r emessa à sanção
ar t . 138, §9º

ver t ambémORÇAMENTO
ORÇAMENTO ANUAL
PLANO PLURIANUAL

DISCRIMINAÇÃO
- pr át i ca
ar t . 119

ver t ambémSERVIDOR PÚBLICO
- di scr i mi nação: pr át i ca






E

_______________________________________________________________


EDITAIS E PUBLICAÇÕES OFICIAIS
- t r anscr i ção emj or nai s de bai r r o
ar t . 117

EDUCAÇÃO
ar t . 200, caput
ar t . 203
- acesso
ar t . 204, I
- di r ei t o
ar t . 201, caput
- gar ant i a
ar t . 204, caput
- pl ano muni ci pal
ar t . 200, §3º
- pol í t i ca: el abor ação e i mpl ant ação
ar t . 202, caput , §§ 1º, 2º
LEI ORGÂNI CA DO MUNI CÍ PI O DE SÃO PAULO

93

EDUCAÇÃO FÍSICA
- ensi no
ar t . 230

EDUCAÇÃO INFANTIL
ar t . 200, § 1º
ar t . 201, §§ 1º, 2º, 9º
ar t . 203, I I
- pr i or i dade
ar t . 201, § 9º

ELEIÇÃO
- Pr ef ei t o
ar t . 57
ar t . 64
- Vi ce Pr ef ei t o
ar t . 57, caput
ar t . 64

EMENDAS À LEI ORGÂNICA DO MUNICÍPIO
ar t . 34, I
ar t . 36

Empr egado públ i co
ver SERVIDOR PÚBLICO

Empr ego públ i co
ver SERVIDOR PÚBLICO
- car go

Empr esa Est at al
ver EMPRESA PÚBLICA

EMPRESA COM PARTICIPAÇÃO DO MUNICÍPIO
- ações: al i enação
ar t . 86, caput
- or çament o de i nvest i ment o
ar t . 137, § 5º, I I

ver t ambémADMINISTRAÇÃO MUNICIPAL INDIRETA
SOCIEDADE DE ECONOMIA MISTA

EMPRESA PRIVADA
- i ncent i vo: adapt ação de equi pament os par a t r abal hador es
def i ci ent es
ar t . 228

EMPRESA PÚBLICA
- cr i ação
ar t . 80, par ágr af o úni co
ar t . 86, caput
- cr i ação de subsi di ár i as: aut or i zação l egi sl at i va
ar t . 86, par ágr af o úni co
- par t i ci pação emempr esas pr i vadas: aut or i zação l egi sl at i va
ar t . 86, par ágr af o úni co
- publ i ci dade: r est r i ções
ar t . 118, §§ 1º, 2º
LEI ORGÂNI CA DO MUNI CÍ PI O DE SÃO PAULO

94
- t r ansf or mação, f usão, ci são, i ncor por ação, pr i vat i zação,
ext i nção
ar t . 86, caput
- vi ncul ação
ar t . 80, par ágr af o úni co

ver t ambémADMINISTRAÇÃO MUNICIPAL INDIRETA

ENSINO
- car ga hor ár i a
ar t . 201, § 4º
- def i ci ent e f í si co
ar t . 206, caput
- gr at ui dade
ar t . 201, caput
- i nst i t ui ções: assi st ênci a f i nancei r a
ar t . 208, § 3º
- r ecur sos: apl i cação
ar t . 208, § 1º
- r ecur sos: apl i cação: sal ár i o- educação
ar t . 208, § 1º
- r ecur sos: ar r ecadação: publ i cação
ar t . 209, caput
- r ecur sos dest i nados
ar t . 209, caput
ar t . 13, D. T.
- si st ema
ar t . 200, § 1º

ENSINO FUNDAMENTAL
ar t , 203, I I I e V
- car ga hor ár i a
ar t . 201, § 4º
- gr at ui dade
ar t . 203, I
- not ur no
ar t . 205, caput
- pr i or i dade
ar t . 201, § 9º

ENTIDADE PÚBLICA
- car go de conf i ança
ar t . 83, I I I
- cr i ação de subsi di ár i as: aut or i zação l egi sl at i va
ar t . 86, par ágr af o úni co
- par t i ci pação emempr esas pr i vadas: aut or i zação l egi sl at i va
ar t . 86, par ágr af o úni co
- pr est ação de escl ar eci ment os
ar t . 84, caput
- t r ansf or mação, f usão, ci são, i ncor por ação, pr i vat i zação,
ext i nção
ar t . 86, caput
- vi ncul ação
ar t . 80, par ágr af o úni co

ver t ambémADMINISTRAÇÃO MUNICIPAL INDIRETA



LEI ORGÂNI CA DO MUNI CÍ PI O DE SÃO PAULO

95
ESCOLA PÚBLICA
- ár ea cont í gua: apr ovei t ament o
ar t . 207, § 2º
- cessão ao ensi no pr i vado: vedação
ar t . 207, § 1º
- j or nada de doi s t ur nos
ar t . 9º D. T.
- uso pel a comuni dade
ar t . 207, caput
- vagas
ar t . 201, § 6º

ESPAÇO CULTURAL
- cessão
ar t . 198
ar t . 199

ESPORTE
- ár ea de l azer : adequação
ar t . 233, I V
- cal endár i o de event os
ar t . 234
- cl ube despor t i vo muni ci pal
ar t . 235
- cl ube despor t i vo muni ci pal : i ncent i vos f i scai s
ar t . 235, par ágr af o úni co
- i ncent i vo
ar t . 233
ar t . 234
ar t . 235

Est at al
ver EMPRESA PÚBLICA



F
____________________________________________________________


FAUNA
- pr ot eção
ar t . 188, caput , § 1º

ver t ambémMEIO AMBIENTE
- pr eser vação

FISCALIZAÇÃO CONTÁBIL, FINANCEIRA, ORÇAMENTÁRIA, OPERACIONAL E
PATRIMONIAL DO MUNICÍPIO
ar t . 14, XVI I I
ar t . 47
ar t . 48
- cont r ol e ext er no
ar t . 47, caput
ar t . 48
- cont r ol e i nt er no
ar t . 47, caput
LEI ORGÂNI CA DO MUNI CÍ PI O DE SÃO PAULO

96
ar t . 53

Fi scal i zação popul ar
ver PARTICIPAÇÃO POPULAR

FISCALIZAÇÃO TRIBUTÁRIA
- coor denação e del egação
ar t . 130, § 4º

Função de conf i ança
ver SERVIDOR PÚBLICO
- car go de conf i ança

Função públ i ca
ver SERVIDOR PÚBLICO
- car go
SERVIDOR PÚBLICO
- f unção

FUNÇÃO SOCIAL DA PROPRIEDADE
ar t . 148
ar t . 151

Funci onár i o Públ i co
ver SERVIDOR PÚBLICO

FUNDAÇÃO INSTITUÍDA OU MANTIDA PELO PODER MUNICIPAL
- comi ssão de r epr esent ant es
ar t . 83, I V
- cr i ação
ar t . 80, par ágr af o úni co
ar t . 86, caput
- cr i ação de subsi di ár i as: aut or i zação l egi sl at i va
ar t . 86, par ágr af o úni co
- par t i ci pação emempr esas pr i vadas: aut or i zação l egi sl at i va
ar t . 86, par ágr af o úni co
- t r ansf or mação, f usão, ci são, i ncor por ação, pr i vat i zação,
ext i nção
ar t . 86, caput
- t r i but os: l i mi t ação ao poder de l egi sl ar
ar t . 131, §§ 1º, 2º
- vi ncul ação
ar t . 80, par ágr af o úni co

ver t ambémADMINISTRAÇÃO MUNICIPAL INDIRETA

G
____________________________________________________________


Gr at i f i cação
ver SERVIDOR PÚBLICO
- vant agens

GUARDA MUNICIPAL
ar t . 88
ar t . 15- A, par ágr af o úni co, D. T.
LEI ORGÂNI CA DO MUNI CÍ PI O DE SÃO PAULO

97

H
____________________________________________________________


HABITAÇÃO
- pol í t i ca
ar t . 168, caput


Habi t ação popul ar
- ver MORADIA POPULAR
POPULAÇÃO DE BAIXA RENDA
- habi t ação: pr ogr amas

Hi no
ver SÍMBOLOS MUNICIPAIS

Homenagem
ver HONRARIA

HONRARIA
- concessão
ar t . 14, XI X





I
____________________________________________________________


IDOSO
- assi st ênci a j ur í di ca
ar t . 225, V
- assi st ênci a médi ca
ar t . 225, I I
- benef í ci o
ar t . 225, I , I V
ar t . 227
- núcl eo de convi vênci a
ar t . 225, I V
- t r anspor t e col et i vo: gr at ui dade
ar t . 225, I I I

I mpact o ambi ent al
ver INDÚSTRIA
- danos ao mei o ambi ent e
OBRAS PARTICULARES
- danos ao mei o ambi ent e
OBRAS PÚBLICAS
- danos ao mei o ambi ent e

LEI ORGÂNI CA DO MUNI CÍ PI O DE SÃO PAULO

98
IMPOSTOS
ar t . 130, I
- di r ei t os i ndi vi duai s
ar t . 130, § 1º
- gr aduação segundo o poder econômi co
ar t . 130, § 1º
- i nci dênci a
ar t . 131, § 5º
- sobr e Pr opr i edade Pr edi al e Ter r i t or i al Ur bana: al í quot a
pr ogr essi va
ar t . 133, I
ar t . 153, I I
- sobr e Ser vi ços de Qual quer Nat ur eza
ar t . 133, I V
- sobr e Tr ansmi ssão I nt er vi vos
ar t . 133, I I , § 2º, I I
- sobr e Tr ansmi ssão I nt er vi vos: i senção
ar t . 133, § 2º, I

ver t ambémTRIBUTOS

INCENTIVOS FISCAIS
ar t . 196

INDÚSTRIA
- danos ao mei o ambi ent e
ar t . 162

INDÚSTRIA DE TECNOLOGIA DE PONTA
- at i vi dades e pr oj et os de pesqui sa: ár ea
ar t . 161

INELEGIBILIDADE
- consel hei r o do Tr i bunal de Cont as do Muni cí pi o
ar t . 49, V
- di r i gent e de ent i dade semf i ns l ucr at i vos
ar t . 81, § 1º
- Pr ef ei t o
ar t . 61
- Consel ho de Repr esent ant es: membr os
ar t . 8º, par ágr af o úni co
- secr et ár i o muni ci pal
ar t . 76, § 1º
- subpr ef ei t o
ar t . 76, § 1º
- ser vi dor
ar t . 83, § 3º
ar t . 89, § 1º

I ni ci at i va l egi sl at i va popul ar
ver PARTICIPAÇÃO POPULAR
- pr oj et os de l ei

I nvi ol abi l i dade
ver VEREADOR
- i muni dade



LEI ORGÂNI CA DO MUNI CÍ PI O DE SÃO PAULO

99


IRREGULARIDADES
- denúnci a
ar t . 11
ar t . 53, § 2º
ar t . 109



L
____________________________________________________________


LEGISLAÇÃO
- r evi são e consol i dação
ar t . 7º D. T.

LEI
- Câmar a Muni ci pal : i ni ci at i va
ar t . 37, caput
- el abor ação
ar t . 34, I I
- Pr ef ei t o: i ni ci at i va
ar t . 37, caput , § 2º
ar t . 69, I X, X, XVI
ar t . 137, caput
- publ i cação
ar t . 115, caput

Lei Or çament ár i a Anual
ver ORÇAMENTO ANUAL

LEI ORGÂNICA DO MUNICÍPIO
- aut o- apl i cabi l i dade
ar t . 3º
- emendas
ar t . 5º, § 1º, I I
ar t . 34, I
ar t . 36
ar t . 44, I
- emendas: pr oi bi ção
ar t . 36, § 1º
- emendas: vot ação
ar t . 36, § 2º
- r evi são
ar t . 7º D. T.

LICITAÇÃO
- compr as, obr as e ser vi ços públ i cos
ar t . 129, caput
- di spensa e i nexi gi bi l i dade
ar t . 129, §§ 1º, 2º
- nor mas
ar t . 129, § 1º

LEI ORGÂNI CA DO MUNI CÍ PI O DE SÃO PAULO

100


LIXO
- col et a, r eci cl ageme t r at ament o
ar t . 125, I I

LOGRADOUROS PÚBLICOS
- denomi nação
ar t . 13, XVI I , XXI
- l i mpeza
ar t . 125, I I I

Lot ação
ver TRANSPORTE COLETIVO URBANO
- t áxi s e l ot ações



M
____________________________________________________________


MANANCIAIS
- pr ot eção
ar t . 185

ver t ambémMEIO AMBIENTE
- pr eser vação

MATERIAL RADIOATIVO
- cont r ol e
ar t . 184

MEIO AMBIENTE
- ar bor i zação
ar t . 186
- ár eas ver des: i mpl ant ação, ampl i ação e pr eser vação
ar t . 186
- associ ações e movi ment os de pr ot eção: i ncent i vo
ar t . 189, par ágr af o úni co
- cont r ol e e or gani zação
ar t . 181
ar t . 182
- danos: i ndúst r i a
ar t . 162
- danos: obr as par t i cul ar es
ar t . 159
- danos: obr as públ i cas
ar t . 159
ar t . 160, § 2º
- danos: penal i dades
ar t . 183
- danos: r esponsabi l i dade
ar t . 183, caput
- f auna: pr ot eção
ar t . 188, caput , § 1º
- l i mpeza ur bana
ar t . 182, I V
LEI ORGÂNI CA DO MUNI CÍ PI O DE SÃO PAULO

101
- mananci ai s: pr ot eção
ar t . 185
- pr eser vação
ar t . 109, I I
ar t . 158
ar t . 159
ar t . 162
ar t . 180
ar t . 181, par ágr af o úni co
- Rel at ór i o de I mpact o de Vi zi nhança
ar t . 159
- r ecuper ação
ar t . 11 D. T.
ar t . 181, par ágr af o úni co
- uni dades de conser vação: cr i ação
ar t . 187

MATERIAL RADIOATIVO
- cont r ol e
ar t . 184

MICROEMPRESA
- t r at ament o di f er enci ado
ar t . 163

MORADIA COLETIVA MULTIFAMILIAR
ar t . 171
- i r r egul ar i dades: penal i dades
ar t . 171, § 2º

MORADIA POPULAR
- const r ução al t er nat i va
ar t . 169
ar t . 170

MULHER
- ví t i ma de vi ol ênci a
ar t . 224

MUNICÍPIO
- at i vi dades econômi cas: di r et r i zes
ar t . 160
- compet ênci a
ar t . 7º
ar t . 81, § 2º
ar t . 89
ar t . 102, caput
ar t . 123, caput
ar t . 130, I a I V, §§ 3º e 4º
ar t . 133, I a I V
ar t . 146, caput
ar t . 149
ar t . 165
ar t . 167, I a V
ar t . 178, caput
ar t . 179
ar t . 200, caput
ar t . 201, §§ 6º, 8º
ar t . 203, I a I I I
LEI ORGÂNI CA DO MUNI CÍ PI O DE SÃO PAULO

102
ar t . 208, caput
ar t . 216, caput
ar t . 221, caput
ar t . 230
- compet ênci a comumcoma Uni ão e o Est ado
ar t . 166
- compet ênci a pr i vat i va
ar t . 178
ar t . 179
- cont as: apr eci ação
ar t . 47, § 2º
- cooper ação coma Uni ão e o Est ado
ar t . 167
ar t . 184
ar t . 219
- cooper ação coma Uni ão, o Est ado, o Di st r i t o Feder al e
Muni cí pi os
ar t . 7º, caput
ar t . 166
- di vi são emdi st r i t os
ar t . 157
- or gani zação
ar t . 1º, caput
ar t , 2º
- or gani zação: di r et r i zes e pr i ncí pi os
ar t . 2º
- r ecur sos: apl i cação
ar t . 208, § 2º
- r el ações i nt er naci onai s
ar t . 4º
- ser vi ço de r adi odi f usão sonor a e de sons e i magens:
concessão pel a Uni ão
ar t . 17 D. T.
- t r i but os: l i mi t ação ao poder de l egi sl ar
ar t . 131
- uni dades espor t i vas
ar t . 231

ver t ambémADMINISTRAÇÃO MUNICIPAL



O
____________________________________________________________


OBRAS PARTICULARES
- danos ao mei o ambi ent e
ar t . 159
ar t . 160, § 2º

OBRAS PÚBLICAS
- compat i bi l i dade comPl ano Di r et or
ar t . 124
ar t . 156
- danos ao mei o ambi ent e
ar t . 159
ar t . 160, § 2º
LEI ORGÂNI CA DO MUNI CÍ PI O DE SÃO PAULO

103
- l i ci t ação
ar t . 129, caput
- obt enção de r ecur sos
ar t . 152
- par al i sação
ar t . 127
- pr oj et o
ar t . 129, § 2º

Ôni bus
ver TRANSPORTE COLETIVO URBANO

ORÇAMENTO
- bal ancet e: encami nhament o e publ i cação
ar t . 142, caput
- Dí vi da Fl ut uant e: posi ção mensal
ar t . 141
- Dí vi da Fundada I nt er na e Ext er na: posi ção mensal
ar t . 141
- emendas: apr eci ação
ar t . 138, § 2º
- execução: r el at ór i o: publ i cação
ar t . 137, § 3º
- l ei
ar t . 137
- pr evi são
ar t . 142
- pr oj et o de l ei : apr eci ação
ar t . 138, caput
- pr oj et o de l ei : pr opost as par a modi f i cação
ar t . 138, § 5º

ver t ambémDIRETRIZES ORÇAMENTÁRIAS
ORÇAMENTO ANUAL
PLANO PLURIANUAL

ORÇAMENTO ANUAL
- apr ovação: pr azo
ar t . 140
- at ual i zação monet ár i a
ar t . 139
ar t . 140
- cr édi t os supl ement ar es: aber t ur a
ar t . 137, § 7º
- dest i nação de ver bas especi ai s: habi t ação
ar t . 168, par ágr af o úni co
- f i scal
ar t . 137, § 5º, I
- i dent i f i cação de pr oj et os e at i vi dades
ar t . 137, § 8º
- i nvest i ment o de empr esas compar t i ci pação do Muni cí pi o
ar t . 137, § 5º, I I
- l ei
ar t . 137, § 5º, I , I I , §§ 7º, 8º
- oper ações de cr édi t o: cont r at ação
ar t . 137, § 7º
- pr oj et o de l ei : apr ovação de emendas
ar t . 138, § 3º
- pr oj et o de l ei : pr azo
LEI ORGÂNI CA DO MUNI CÍ PI O DE SÃO PAULO

104
ar t . 138, § 6º
- pr oj et o de l ei : r ecur sos semdespesas cor r espondent es
ar t . 138, § 8º

ver t ambémDIRETRIZES ORÇAMENTÁRIAS
ORÇAMENTO
PLANO PLURIANUAL

ORGANIZAÇÃO ESTUDANTIL
- di r ei t o
ar t . 204, I I

ÓRGÃO COLEGIADO
- da Admi ni st r ação Muni ci pal I ndi r et a
ar t . 83, I I
- par t i ci pação de ser vi dor es: est abi l i dade
ar t . 83, § 2º
- r ecur sos admi ni st r at i vos
ar t . 134

ÓRGÃO PÚBLICO
ar t . 80, I
- cr i ação
ar t . 80, par ágr af o úni co
- i r r egul ar i dades: denúnci a
ar t . 11
- pr est ação de escl ar eci ment os
ar t . 82, caput
ar t . 84, caput
- publ i ci dade: car át er educat i vo
ar t . 85
- publ i ci dade: pr omoção pessoal ou par t i dár i a: pr oi bi ção
ar t . 85



P
____________________________________________________________


PARTICIPAÇÃO POPULAR
- associ ações r epr esent at i vas
ar t . 9º, I
- audi ênci as públ i cas
ar t . 9º, I I I
ar t . 32, § 3º
ar t . 41
ar t . 159, § 2º
ar t . 217
ar t . 7º, § 2º D. T.
- audi ênci as públ i cas: convocação
ar t . 41
- consel ho de r epr esent ant es
ar t . 9º, I
- deci sões gover nament ai s
ar t . 8º
- mei o ambi ent e
LEI ORGÂNI CA DO MUNI CÍ PI O DE SÃO PAULO

105
ar t . 181
- ór gãos di r et i vos da Admi ni st r ação Muni ci pal
ar t . 83, I
- pl anej ament o muni ci pal
ar t . 9º, I
ar t . 143, § 3º
- pl ano di r et or
ar t . 150, § 2º
- Pl ano Muni ci pal de Educação
ar t . 200, § 3º
- pl ebi sci t o
ar t . 5º, § 1º, I I I
ar t . 10
ar t . 14, X
ar t . 44, I I , § 2º
ar t . 45
- pol í t i ca de habi t ação
ar t . 168, caput
- pr oj et os de l ei
ar t . 5º, § 1º, I I
ar t . 36, I I I
ar t . 37, caput
ar t . 44, caput , I
- r ef er endo
ar t . 5º, § 1º, I I I
ar t . 14, X
ar t . 44, I I , § 2º
ar t . 45

PARTIDO POLÍTICO
- el ei ção dos r epr esent ant es do povo
ar t . 5º, § 2º

PATRIMÔNIO AMBIENTAL , ARQUITETÔNICO, PAISAGÍSTICO HISTÓRICO E
CULTURAL
- pr eser vação
ar t . 160, § 1º
ar t . 174, § 3º

PATRIMÔNIO HISTÓRICO, ARTÍSTICO E CULTURAL
- danos: penal i dades
ar t . 194, par ágr af o úni co
- pr eser vação
ar t . 192
ar t . 193
- pr eser vação: i ncent i vos f i scai s
ar t . 196

Pat r i môni o Muni ci pal
ver BENS MUNICIPAIS

Per mi ssi onár i a de t r anspor t e col et i vo
ver TRANSPORTE COLETIVO URBANO
- oper ador di r et o

PLANEJAMENTO MUNICIPAL
ar t . 143, caput
- par t i ci pação popul ar
ar t . 9º, I
LEI ORGÂNI CA DO MUNI CÍ PI O DE SÃO PAULO

106
ar t . 143, § 3º
- pl anos: r eal i zação e at ual i zação
ar t . 143, § 4º
- pl anos: vi ncul ação de at os públ i cos
ar t . 145
- pr ocesso
ar t . 143

PLANO DIRETOR
ar t . 144, I
ar t . 150, caput
- abr angênci a
ar t . 150, § 1º
- apr esent ação: pr azo
ar t . 5º D. T.
- cont abi l i zação
ar t . 174, caput , § 1º
- l egi sl ação: al t er ação
ar t . 46
- l ei or çament ár i a
ar t . 137, §9º
- par t i ci pação popul ar
ar t . 150, § 2º
- uso e ocupação do sol o: di r et r i zes
ar t . 150, § 1º

PLANO DE METAS
Ar t . 69- A
Ar t . 137, §§9º e 10

PLANO MUNICIPAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL
ar t . 221, I

PLANO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO
ar t . 200, §§ 3º a 5º
- par t i ci pação popul ar
ar t . 200, § 3º

PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO
ar t . 149, par ágr af o úni co

PLANO PLURIANUAL
ar t . 144, I I
- compat i bi l i zação compl anos e pr ogr amas muni ci pai s
ar t . 137, § 4º
- dest i nação de ver bas especi ai s: habi t ação
ar t . 168, par ágr af o úni co
- l ei
ar t . 137, § 1º
- Pl ano de Met as
ar t . 137, §10
- pr oj et o de l ei : pr azo
ar t . 138, § 6º
- pr oj et o de l ei : r emessa à sanção
ar t . 138, § 10

ver t ambémDIRETRIZES ORÇAMENTÁRIAS
ORÇAMENTO
ORÇAMENTO ANUAL
LEI ORGÂNI CA DO MUNI CÍ PI O DE SÃO PAULO

107

PLANOS SETORIAIS, REGIONAIS, LOCAIS E ESPECÍFICOS
ar t . 144, I I I


PLEBISCITO
ar t . 5º, § 1º, I I I
ar t . 10
ar t . 14, X
ar t . 44, I I , § 2º
ar t . 45


PODER EXECUTIVO
ar t . 56
- acumul ação de f unção: vedação
ar t . 6º, par ágr af o úni co
- compet ênci a
ar t . 166
ar t . 4º D. T.
- del egação de poder es: vedação
ar t . 6º, caput
- f i scal i zação
ar t . 32, § 4º

ver t ambémPODER MUNICIPAL


PODER LEGISLATIVO
ar t . 12
- acumul ação de f unção: vedação
ar t . 6º, par ágr af o úni co
- del egação de poder es: vedação
ar t . 6º, caput

ver t ambémCÂMARA MUNICIPAL
PODER MUNICIPAL

PODER MUNICIPAL
- compet ênci a
ar t . 151, § 1º, I I I
ar t . 153, caput
ar t . 160, caput
ar t . 162
ar t . 168, caput
ar t . 177, § 1º
ar t . 187
ar t . 188, § 2º
ar t . 193
ar t . 194
ar t . 197
ar t . 2º D. T.
- exer cí ci o
ar t . 5º
- r epr esent ant es do povo
ar t . 5º, caput
- r epr esent ant es do povo: el ei ção
ar t . 5º, § 2º

LEI ORGÂNI CA DO MUNI CÍ PI O DE SÃO PAULO

108
ver t ambémPODER EXECUTIVO
PODER LEGISLATIVO

POLUIÇÃO
- cont r ol e
ar t . 162

POPULAÇÃO DE BAIXA RENDA
- assent ament o
ar t . 158
- assi st ênci a j ur í di ca
ar t . 222
- habi t ação: pr ogr amas
ar t . 168, par ágr af o úni co
- sepul t ament o: gr at ui dade
ar t . 223

Pr édi o escol ar
ver ESCOLA PÚBLICA

PREFEITO
ar t . 56
- af ast ament o
ar t . 14, I V
ar t . 65
- ausênci a do Muni cí pi o: aut or i zação
ar t . 14, VI I
ar t . 65
- compet ênci a
ar t . 69
ar t . 70
ar t . 111
- consel hei r o do Tr i bunal de Cont as do Muni cí pi o: escol ha
ar t . 50, I
- decl ar ação de bens
ar t . 58, § 2º
- del egação de compet ênci a
ar t . 71
- desi ncompat i bi l i zação
ar t . 58, § 3º
- el ei ção
ar t . 57
ar t . 64
- el ei ção: desi st ênci a
ar t . 57, § 3º
- el ei ção: i mpedi ment o l egal
ar t . 57, § 3º
- el ei ção: mor t e
ar t . 57, § 3º
- el ei ção: qual i f i cação do mai s i doso
ar t . 57, § 4º
- el ei ção: qual i f i cação do mai s vot ado
ar t . 57, § 3º
- el ei ção emdoi s t ur nos
ar t . 57, § 2º
- Guar da Muni ci pal : subor di nação
ar t . 88
- i dade mí ni ma
ar t . 57, caput
LEI ORGÂNI CA DO MUNI CÍ PI O DE SÃO PAULO

109
- i mpedi ment os
ar t . 59
- i ni ci at i va das l ei s
ar t . 37, caput , § 2º
ar t . 69, I X, X, XVI
ar t . 137, caput
- i nel egi bi l i dade
ar t . 61
- j ul gament o
ar t . 14, XI V
ar t . 72
- l i cença
ar t . 66
- l i cença: concessão
ar t . 14, V
- mandat o: cassação
ar t . 73
- mandat o: dur ação
ar t . 60
- mandat o: ext i nção
ar t . 68
ar t . 74
- mandat o: per da
ar t . 59
ar t . 65
ar t . 68
ar t . 72, § 5º
ar t . 73
ar t . 74
- or çament o: pr opost a par a modi f i cação
ar t . 138, § 5º
- posse
ar t . 14, I V
ar t . 58
- posse: compr omi sso
ar t . 58, caput
ar t . 1º D. T.
- Pl ano de Met as
ar t . 69- A
ar t . 137, §§ 9º e 10
- pr est ação de cont as
ar t . 48, I
ar t . 69, XI
pr est ação de escl ar eci ment os
ar t . 82, caput
- pr ocesso
ar t . 72
- pr oj et o de l ei : sol i ci t ação de ur gênci a
ar t . 38
- r eel ei ção: vedação
ar t . 61
- r emuner ação: f i xação
ar t . 14, VI
- r enúnci a
ar t . 14, I V
- r esi dênci a no muni cí pi o
ar t . 67
- sanção
ar t . 13, caput
LEI ORGÂNI CA DO MUNI CÍ PI O DE SÃO PAULO

110
ar t . 42, caput , §§ 2º, 3º
ar t . 69, I I I
- subst i t ui ção
ar t . 62
- sucessão
ar t . 62
- t omada de cont as
ar t . 14, XI I , XX
- vacânci a do car go
ar t . 58, § 1º
ar t . 63
ar t . 64
- vet o
ar t . 42, §§ 1º, 2º, 4º, 5º, 6º
ar t . 69, I V

Pr ef ei t ur a
ver ADMINISTRAÇÃO MUNICIPAL

PRESTAÇÃO DE CONTAS
- Mesa da Câmar a Muni ci pal
ar t . 48, I
- Pr ef ei t o
ar t . 48, I
ar t . 69, XI
- r esponsabi l i dade
ar t . 47, § 1º
- Tr i bunal de Cont as do Muni cí pi o
ar t . 48, I , § 5º
ar t . 51

PREVIDÊNCIA MUNICIPAL
- acumul ação pr evi denci ár i a: vedação
ar t . 104
- ani st i a f i scal
ar t . 131, § 6º
- car t ei r as especi ai s: pr oi bi ção
ar t . 105, caput
- di r eção e ger enci ament o de r ecur sos
ar t . 102, par ágr af o úni co
- f undo pr evi denci ár i o
ar t . 103
- segur ado: par t i ci pação na gest ão
ar t . 102
- ser vi dor es: cont r i bui ção
ar t . 103
- Ver eador : vi ncul ação f acul t at i va
ar t . 105, par ágr af o úni co

PROCURADOR GERAL DO MUNICÍPIO
- desi gnação e r equi si t os
ar t . 87, par ágr af o úni co

PROCURADOR DO INSTITUTO DE PREVIDÊNCIA MUNICIPAL
- di r ei t os e dever es
ar t . 19, D. T.

PROCURADORIA GERAL DO MUNICÍPIO
- compet ênci a
LEI ORGÂNI CA DO MUNI CÍ PI O DE SÃO PAULO

111
ar t . 87
- composi ção
ar t . 87, par ágr af o úni co
- or gani zação
ar t . 87, par ágr af o úni co
- ór gão col egi ado
ar t . 87, par ágr af o úni co

PROJETO DE LEI
- apr ovação
ar t . 42, caput
- or çament o
ar t . 137, § 6º
- or çament o: apr eci ação
ar t . 138, caput
- or çament o anual : apr ovação de emendas
ar t . 138, § 3º
- or çament o anual : at ual i zação monet ár i a de l ei vi gent e
ar t . 139
- or çament o anual : r ecur sos semdespesas cor r espondent es
ar t . 138, § 8º
- par t i ci pação popul ar
ar t . 5º, § 1º, I I
ar t . 36, I I I
ar t . 37, caput
ar t . 44, caput , I
- pr omul gação
ar t . 42, caput , § 6º
- r eapr esent ação
ar t . 28
- r ej ei ção
ar t . 28
ar t . 43
- sanção
ar t . 13, caput
ar t . 42, caput , §§ 2º, 3º
ar t . 69, I I I
- sol i ci t ação de ur gênci a
ar t . 38
- vet o
ar t . 42, §§ 1º, 2º, 4º, 5º, 6º
ar t . 69, I V

Pr opaganda
ver PUBLICIDADE

PROPRIEDADE URBANA
- al i enação
ar t . 153, § 2º
- apr ovei t ament o: exi gênci as
ar t . 153, caput
- desapr opr i ação: i ndeni zação da dí vi da públ i ca
ar t . 153, I I I
- edi f i cação compul sór i a
ar t . 153, I
- edi f i cação compul sór i a: pr azo
ar t . 153, § 2º
- f unção soci al
ar t . 148, caput
LEI ORGÂNI CA DO MUNI CÍ PI O DE SÃO PAULO

112
ar t . 151
- i mpost o pr ogr essi vo
ar t . 153, I I
- não edi f i cada ou subut i l i zada: exi gênci as e penal i dades
ar t . 153, I a I I I
- par cel ament o compul sór i o
ar t . 153, I
- par cel ament o compul sór i o: pr azo
ar t . 153, § 2º

PUBLICIDADE
- empr esa públ i ca: r est r i ções
ar t . 118, §§ 1º, 2º
- gast os gover nament ai s: r el at ór i o par a o l egi sl at i vo
ar t . 118, caput
- gover nament al : car át er educat i vo
ar t . 85
- gover nament al : pr omoção pessoal ou par t i dár i a: pr oi bi ção
ar t . 85



Q
____________________________________________________________


Qual i dade de Vi da
ver MEIO AMBIENTE
- pr eser vação



R
____________________________________________________________


Raci smo
ver DISCRIMINAÇÃO
SERVIDOR PÚBLICO
- di scr i mi nação: pr át i ca

RADIODIFUSÃO DE SONS E IMAGENS
ar t . 17 D. T.

REFERENDO
ar t . 5º, § 1º, I I I
ar t . 14, X
ar t . 44, I I , § 2º
ar t . 45

REGIMENTO INTERNO
- Comi ssão Especi al de Revi são
ar t . 6º D. T.

REPRESENTAÇÃO ESTUDANTIL
- di r ei t o
ar t . 204, I I
LEI ORGÂNI CA DO MUNI CÍ PI O DE SÃO PAULO

113

REQUISIÇÃO URBANÍSTICA
ar t . 154, caput

RESOLUÇÃO
- el abor ação
ar t . 34, I V



S
____________________________________________________________


Sal ár i o
ver SERVIDOR PÚBLICO
- Remuner ação

SAÚDE
- acesso
ar t . 213, I I
- di r ei t o
ar t . 212
ar t . 213, I a I I I
- i ni ci at i va pr i vada
ar t . 215, §§ 1º, 4º
- pr est ação de ser vi ços
ar t . 215, § 1º a § 4º
- r egul ament ação: f i scal i zação e cont r ol e
ar t . 215, caput
- ser vi ços: gr at ui dade
ar t . 215, § 2º
- Si st ema Úni co: acesso à i nf or mação
ar t . 216, I I I
- Si st ema Úni co: assi st ênci a i nt egr al
ar t . 216, I
- Si st ema Úni co: assi st ênci a à mul her
ar t . 216, VI
- Si st ema Úni co: at endi ment o de emer gênci a
ar t . 216, I X
- Si st ema Úni co: at r i bui ções emâmbi t o muni ci pal
ar t . 216
- Si st ema Úni co: cont r ol e e f i scal i zação de subst ânci as e
pr odut os
psi coat i vos, t óxi cos e t er at ogêni cos
ar t . 216, V
- Si st ema Úni co: di r ei t o e aut o- r egul ação da f er t i l i dade
ar t . 216, VI I
- Si st ema Úni co: di r eção emâmbi t o muni ci pal
ar t . 214, § 1º
- Si st ema Úni co: doent e ment al
ar t . 216, XI , XI I
ar t . 18 D. T.
- Si st ema Úni co: f i scal i zação e i nspeção de al i ment os
ar t . 216, I V
- Si st ema Úni co: gr at ui dade de ser vi ço
ar t . 215, § 2º
- Si st ema Úni co: i nst i t ui ções pr i vadas
LEI ORGÂNI CA DO MUNI CÍ PI O DE SÃO PAULO

114
ar t . 215, § 4º
- Si st ema Úni co: i nt egr ação muni ci pal
ar t . 214, caput
- Si st ema Úni co: par t i ci pação de empr esas ou de capi t al
est r angei r o:
vedação
ar t . 215, § 3º
- Si st ema Úni co: par t i ci pação no Si st ema Naci onal de Sangue
ar t . 216, VI I I
- Si st ema Úni co: pr evenção cont r a o al cool i smo
ar t . 216, X
- Si st ema Úni co: pr evenção cont r a ent or pecent es
ar t . 216, X
- Si st ema Úni co: r ecur sos
ar t . 214, § 2º
- Si st ema Úni co: r ecur sos: vedação
ar t . 214, § 3º
- Si st ema Úni co: t r anspl ant es de ór gãos, t eci dos e
subst ânci as humanas
ar t . 216, XI I I
- Si st ema Úni co: vi gi l ânci a sani t ár i a e epi demi ol ógi ca
ar t . 216, I I
ar t . 16 D. T.


SAÚDE MENTAL
- at endi ment o
ar t . 18 D. T.

ver t ambémSAÚDE
- Si st ema Úni co: doent e ment al

SECRETARIA MUNICIPAL
ar t . 76, § 2º

SECRETÁRIO MUNICIPAL
ar t . 56
ar t . 75, I
- censur a ao desempenho da f unção
ar t . 14, XXI I
ar t . 40, § 5º, V
- nomeação
ar t . 69, V
ar t . 76, caput , §§ 1º, 3º, 4º
- nomeação: vedação
ar t . 76, §§ 1º, 3º
- pr est ação de i nf or mações
ar t . 14, I X
- r emuner ação: f i xação
ar t . 14, VI

SEGURANÇA E HIGIENE DO TRABALHO
- at i vi dades pr event i vas
ar t . 219, I , I I , I I I , § 1º
- di r ei t o de aval i ação
ar t . 219, §§ 1º, 2º
- vi st or i a
ar t . 219, §§ 3º, 4º

LEI ORGÂNI CA DO MUNI CÍ PI O DE SÃO PAULO

115
SEGURANÇA URBANA
ar t . 15- A, D. T.

SEPULTAMENTO
- popul ação de bai xa r enda: gr at ui dade
ar t . 223

SERVIÇO FUNERÁRIO
ar t . 125, I

SERVIÇOS
- l i ci t ação
ar t . 129, caput
- publ i cação da cont r at ação
ar t . 116

SERVIÇOS PÚBLICOS
- cemi t ér i o
ar t . 125, I
- concessão ou per mi ssão
ar t . 126, caput
ar t . 128, § 1º
- concessão ou per mi ssão: nor mas
ar t . 128, I
- concessão ou per mi ssão: penal i dades
ar t . 126, § 2º
- concessão ou per mi ssão: r esci são de cont r at o
ar t . 126, § 1º
ar t . 128, § 2º
- l i xo: col et a e t r at ament o
ar t . 125, I I
- l ocação
ar t . 126, § 3º
- l ogr adour os públ i cos: l i mpeza
ar t . 125, I I I
- pr est ação
ar t . 89
ar t . 123, par ágr af o úni co
ar t . 126, caput
- pr oj et o
ar t . 129, § 2º
- ser vi ço f uner ár i o
ar t . 125, I

SERVIDOR PÚBLICO
- aposent ador i a: i r r edut i bi l i dade de venci ment os
ar t . 92, I I I
- aposent ador i a: vedação de acumul ação pr evi denci ár i a
ar t . 104
- aposent ador i a compul sór i a: l i mi t e de i dade
ar t . 106
- aposent ador i a vol unt ár i a: pr azo par a apr eci ação do pedi do
ar t . 101
- bol sa de est udo
ar t . 208, § 5º
- car go: acesso e i nvest i dur a
ar t . 83, VI I
- car go: ext i nção
ar t . 20 D. T.
LEI ORGÂNI CA DO MUNI CÍ PI O DE SÃO PAULO

116
- car go: i ngr esso e acesso do def i ci ent e f í si co
ar t . 99
- car go emcomi ssão
ar t . 83, VI I
ar t . 83, § 5º
ar t . 89, § 2º
- car go emcomi ssão: ár ea da educação
ar t . 204, par ágr af o úni co
- car go de conf i ança na Admi ni st r ação Muni ci pal I ndi r et a
ar t . 83, I I I
- cont r at o por t empo det er mi nado
ar t . 108
- cont r i bui ção: Pr evi dênci a e Assi st ênci a Soci al
ar t . 130, I V
ar t . 131, §§ 3º, 6º
- cont r i bui ção si ndi cal : descont o emf ol ha de pagament o
ar t . 93, par ágr af o úni co
- decl ar ação de bens de di r i gent es: obr i gat or i edade
ar t . 83, V
- def i ci ent e f í si co: i ngr esso e acesso aos car gos, empr egos
e f unções
públ i cas
ar t . 99
- despesas compessoal : pr evi são or çament ár i a
ar t . 142
- dever es
ar t . 109
- di r ei t o à l i vr e associ ação si ndi cal
ar t . 93, caput
- di r ei t os soci ai s
ar t . 96, par ágr af o úni co
- di scr i mi nação: pr át i ca
ar t . 100
- di sponi bi l i dade
ar t . 20 D. T.
- est abi l i dade si ndi cal
ar t . 83, § 2º
- f i l i ação si ndi cal
ar t . 93, caput
- f unção: di r ei t o à mudança
ar t . 98, I
- gest ant e: di r ei t o à mudança de f unção
ar t . 98, I
- gest ant e: di spensa do hor ár i o de t r abal ho
ar t . 98, I I
- i nat i vo: i r r edut i bi l i dade de venci ment os
ar t . 92, I I I
- i ngr esso: vedação ao l i mi t e de i dade
ar t . 106
- i r r edut i bi l i dade de venci ment os
ar t . 92, I I I
- i r r egul ar i dades: denúnci a
ar t . 109
- nomeação: vedação
ar t . 214, § 4º
ar t . 83, §§ 3º, 4º, 5º, 6º, 7º
ar t . 89, §§ 1º, 2º
- nomeação emcar go ou empr ego públ i co
ar t . 83, VI I
LEI ORGÂNI CA DO MUNI CÍ PI O DE SÃO PAULO

117
- par t i ci pação emcol egi ado
ar t . 83, I I
- par t i ci pação emcol egi ado: est abi l i dade
ar t . 83, § 2º
- par t i ci pação emcomi ssão de r epr esent ant es
ar t . 83, I I , I V
- par t i ci pação emcomi ssão: r emuner ação: pr oi bi ção
ar t . 83, § 1º
- par t i ci pação nos ór gãos di r et i vos da admi ni st r ação
muni ci pal
ar t . 83, I
- pi so sal ar i al
ar t . 92, I
- pl ano de car r ei r a
ar t . 96, caput
- Pr evi dênci a Muni ci pal : cont r i bui ção
ar t . 103
- Pr evi dênci a Muni ci pal e assi st ênci a médi co- hospi t al ar :
par t i ci pação
na gest ão
ar t . 102
- pr ot eção à vi da e ao mei o ambi ent e
ar t . 109, I I
- r el ação: af i xação
ar t . 122
- r emuner ação
ar t . 20 D. T.
- r emuner ação: adi ci onal por t empo de ser vi ço públ i co
ar t . 97
- r emuner ação: at endi ment o das necessi dades bási cas
ar t . 92, caput
- r emuner ação: cr i t ér i os
ar t . 92
- r emuner ação: i r r edut i bi l i dade
ar t . 92, I I I
- r emuner ação: l i mi t es máxi mos
ar t . 91
- r emuner ação: pi so
ar t . 92, I
- r emuner ação: Pr ocur ador do I nst i t ut o de Pr evi dênci a
Muni ci pal
ar t . 19 D. T.
- r emuner ação: pr ot eção cont r a i nf l ação
ar t . 92, I I
- r emuner ação: publ i cação
ar t . 121
- r emuner ação: r eaj ust e: mesmo í ndi ce e dat a
ar t . 92, I V
- r emuner ação: sext a- par t e
ar t . 97
- r emuner ação j ust a
ar t . 89
- r epr esent ação si ndi cal : est abi l i dade
ar t . 83, § 2º
- sext a- par t e
ar t . 97
- si ndi cal i zação
ar t . 93, caput
- val or i zação
LEI ORGÂNI CA DO MUNI CÍ PI O DE SÃO PAULO

118
ar t . 89
ar t . 90
- vant agens: adi ci onal por t empo de ser vi ço públ i co
ar t . 97
- vant agens: cr i t ér i os par a concessão
ar t . 94
- vant agens: gr at i f i cação de di st ânci a
ar t . 95
- vant agens: sext a- par t e
ar t . 97

SERVIDOR PÚBLICO
- Car go

ver t ambémSERVIDOR PÚBLICO
- f unção

SERVIDOR PÚBLICO
- Di scr i mi nação

ver t ambémDISCRIMINAÇÃO

SERVIDOR PÚBLICO
- Função

ver t ambémSERVIDOR PÚBLICO
- car go

SÍMBOLOS MUNICIPAIS
ar t . 1º, par ágr af o úni co

SINDICATO
- f i l i ação si ndi cal de ser vi dor es
ar t . 93, caput
- r epr esent ação si ndi cal : est abi l i dade
ar t . 83, § 2º

SISTEMA INTEGRADO DE SEGURANÇA URBANA
Ar t . 15- A, D. T.

SISTEMA MUNICIPAL DE INFORMAÇÕES
ar t . 146

Si st ema Úni co de Saúde
ver SAÚDE
- Si st ema Úni co

SITUAÇÕES DE EMERGÊNCIA
- at endi ment o ur gent e
ar t . 214, § 5º

SOCIEDADE DE ECONOMIA MISTA
- cr i ação
ar t . 80, par ágr af o úni co
ar t . 86, caput
- cr i ação de subsi di ár i as: aut or i zação l egi sl at i va
ar t . 86, par ágr af o úni co
- par t i ci pação emempr esas pr i vadas: aut or i zação l egi sl at i va
ar t . 86, par ágr af o úni co
LEI ORGÂNI CA DO MUNI CÍ PI O DE SÃO PAULO

119
- t r ansf or mação, f usão, ci são, i ncor por ação, pr i vat i zação,
ext i nção
ar t . 86, caput
- vi ncul ação
ar t . 80, par ágr af o úni co

ver t ambémADMINISTRAÇÃO MUNICIPAL INDIRETA
EMPRESA COM PARTICIPAÇÃO DO MUNICÍPIO

Sol o Ur bano não edi f i cado ou subut i l i zado
ver PROPRIEDADE URBANA
- não edi f i cada ou subut i l i zada

SUBPREFEITO
ar t . 56
ar t . 75, I I
- censur a ao desempenho de f unção
ar t . 14, XXI I
ar t . 40, § 5º, V
- compet ênci a
ar t . 78
- nomeação
ar t . 69, V
ar t . 76, caput , §§ 1º, 3º, 4º
- nomeação: vedação
ar t . 76, §§ 1º, 3º

SUBPREFEITURA
ar t . 77
- dot ação or çament ár i a
ar t . 79

SUFRÁGIO UNIVERSAL
ar t . 5º, § 1º, I



T

_______________________________________________________________


TAXAS
ar t . 130, I I
- base de cál cul o
ar t . 130, § 2º
- cer t i dões públ i cas: vedação de cobr ança
ar t . 132, I I
- di r ei t o de pet i ção: vedação de cobr ança
ar t . 132, I

ver t ambémTRIBUTOS

Taxi s
ver TRANSPORTE COLETIVO URBANO
- t axi s e l ot ações


LEI ORGÂNI CA DO MUNI CÍ PI O DE SÃO PAULO

120
TEATRO MUNICIPAL
- cessão
ar t . 198
ar t . 199

Tí t ul o de Ci dadão Honor ár i o
ver HONRARIA

TRÂNSITO
- or gani zação
ar t . 174, § 2º
ar t . 179, I

Tr anspor t e Col et i vo Ur bano - Empr esa
ver TRANSPORTE COLETIVO URBANO
- oper ador di r et o

TRANSPORTE COLETIVO URBANO
- i doso: gr at ui dade
ar t . 225, I I I
- i nt er venção
ar t . 177, § 1º
- oper ador di r et o: dever es
ar t . 176, I , I I
ar t . 177, caput
- oper ador di r et o: penal i dades
ar t . 177, §§ 1º, 2º
- oper ador di r et o: r esci são de cont r at o
ar t . 177, § 2º
- pr est ação de ser vi ço
ar t . 172
ar t . 177, caput
- r egul ament ação
ar t . 175
- si st ema
ar t . 173, I a VI
ar t . 174, §§ 1º, 2º
- t ar i f as: f i xação
ar t . 178, par ágr af o úni co
- t axi s e l ot ações
ar t . 179, I I I

TRANSPORTE DE CARGAS
- r egul ament ação
ar t . 179, I V

Tr anspor t e de escol ar es
ver TRANSPORTE FRETADO

TRANSPORTE FRETADO
ar t . 179, I I

TRIBUNAL DE CONTAS DO MUNICÍPIO
- acesso às i nf or mações pr est adas nos ór gãos da
Admi ni st r ação Di r et a e I ndi r et a do Muni cí pi o
ar t . 53, § 1º
- compet ênci a
ar t . 48, I a XI I
- Consel hei r o
LEI ORGÂNI CA DO MUNI CÍ PI O DE SÃO PAULO

121
ar t . 49
ar t . 50
- Consel hei r o: apr ovação de i ndi cação
ar t . 14, XVI I
- Consel hei r o: decl ar ação de bens
ar t . 50, § 3º
- Consel hei r o: escol ha
ar t . 14, XVI
ar t . 50
ar t . 21 D. T.
- Consel hei r o: r equi si t os
ar t . 49, par ágr af o úni co
- Consel hei r o: subst i t ui ção
ar t . 50, § 2º
- Consel hei r o: vacânci a do car go
ar t . 50, § 1º
- f i scal i zação de at os i nt er nos
ar t . 51
- f i scal i zação cont ábi l , f i nancei r a, or çament ár i a,
oper aci onal e pat r i moni al do Muni cí pi o
ar t . 48
- i r r egul ar i dades: denúnci a
ar t . 11
- j ur i sdi ção
ar t . 49, caput
- par ecer
ar t . 52, § 1º
- pr est ação de cont as
ar t . 48, I , § 5º
ar t . 51
- pr est ação de escl ar eci ment os
ar t . 82, caput
- quadr o de pessoal
ar t . 49, caput
- r el at ór i o de at i vi dades
ar t . 48, § 5º
- sede
ar t . 49, caput

TRIBUTOS
- ani st i a f i scal
ar t . 136
- ani st i a f i scal e pr evi denci ár i a
ar t . 131, § 6º
- ar r ecadação: di vul gação da r ecei t a
ar t . 135
- ar r ecadação e f i scal i zação
ar t . 130, §§ 3º, 4º
- aut ar qui as e f undações i nst i t uí das ou mant i das pel o Poder
Muni ci pal : l i mi t ação ao poder de l egi sl ar
ar t . 131, §§ 1º, 2º
- base de cál cul o: r edução
ar t . 131, § 6º
- conf i sco
ar t . 131, I V
- cr édi t o pr esumi do
ar t . 131, § 6º
- ent i dades si ndi cai s: l i mi t ação ao poder de l egi sl ar
ar t . 131, VI , c, § 4º
LEI ORGÂNI CA DO MUNI CÍ PI O DE SÃO PAULO

122
- f at o ger ador
ar t . 131, I I I , a
- gar ant i a do cont r i bui nt e
ar t . 131, caput
- i nst i t ui ções de assi st ênci a soci al : l i mi t ação ao poder de
l egi sl ar
ar t . 131, VI , c, § 4º
- i nst i t ui ções educaci onai s: l i mi t ação ao poder de l egi sl ar
ar t . 131, VI , c, § 4º
- i senção
ar t . 131, § 6º
ar t . 132
ar t . 136
- l i mi t e de t r áf ego: vedação
ar t . 131, V
- l i vr os, j or nai s, per i ódi cos e papel de i mpr essão:
l i mi t ação ao poder de l egi sl ar
ar t . 131, VI , d
- Muni cí pi o: l i mi t ação ao poder de l egi sl ar
ar t . 131
- par t i dos pol í t i cos: l i mi t ação ao poder de l egi sl ar
ar t . 131, VI , c, § 4º
- pat r i môni o, r enda ou ser vi ços de ent i dades públ i cas:
l i mi t ação ao
poder de l egi sl ar
ar t . 131, VI , a
- pr i ncí pi o da anual i dade
ar t . 131, I I I , b
- pr i ncí pi o da i gual dade
ar t . 131, I I
- pr i ncí pi o da l egal i dade
ar t . 131, I
- r ecur sos admi ni st r at i vos
ar t . 134
- r emi ssão
ar t . 131, § 6º
ar t . 136
- ser vi dor es: cont r i bui ção pr evi denci ár i a e de assi st ênci a
soci al
ar t . 130, I V
ar t . 131, §§ 3º, 6º
- subsí di o
ar t . 131, § 6 º
- t empl os: l i mi t ação ao poder de l egi sl ar
ar t . 131, VI , b, § 4º

ver t ambémCONTRIBUIÇÃO DE MELHORIA
CONTRIBUIÇÃO DE SISTEMA DE PREVIDÊNCIA E
ASSISTÊNCIA SOCIAL
IMPOSTOS
TAXAS

TURISMO
- ar t . 164



LEI ORGÂNI CA DO MUNI CÍ PI O DE SÃO PAULO

123

U
____________________________________________________________


USO E OCUPAÇÃO DO SOLO
- compat i bi l i zação comcompr omi ssos consor ci ai s r egi onai s
ar t . 147, § 2º
- compat i bi l i zação comPl ano Di r et or
ar t . 155
- di r et r i zes
ar t . 150, § 1º
- l egi sl ação: al t er ação
ar t . 46



V
____________________________________________________________

Venci ment os
ver SERVIDOR PÚBLICO
- r emuner ação

VEREADOR
- acesso às r epar t i ções públ i cas muni ci pai s
ar t . 23
- car t ei r a especi al : pr oi bi ção
ar t . 105, caput
- Códi go de Ét i ca
ar t . 19
- decl ar ação de bens
ar t . 15, § 1º
- decor o par l ament ar : pr ocedi ment o i ncompat í vel
ar t . 18, I I , § 1º
- desi ncompat i bi l i zação
ar t . 15, § 1º
- exer cí ci o
ar t . 20, § 1º
ar t . 21
- i dade mí ni ma
ar t . 12
- i mpedi ment os desde a expedi ção do di pl oma
ar t . 17, I
- i mpedi ment os desde a posse
ar t . 17, I I
- i muni dade
ar t . 16
- i nvest i dur a emout r os car gos
ar t . 21
ar t . 22, caput
- j ul gament o
ar t . 14, XI V
- l i cença
ar t . 20
LEI ORGÂNI CA DO MUNI CÍ PI O DE SÃO PAULO

124
ar t . 21
ar t . 22, caput
- l i cença: concessão
ar t . 14, V
- l i cença r emuner ada
ar t . 20, § 1º
- mandat o: per da
ar t . 14, XI
ar t . 18
ar t . 21
- mai or i a
ar t . 40, § 1º
- mai or i a absol ut a
ar t . 40, caput , § 3º
- númer o
ar t . 12
- posse
ar t . 15
ar t . 22, § 1º
- posse: compr omi sso
ar t . 1º D. T.
- posse: pr azo
ar t . 15, § 2º
- pr est ação de escl ar eci ment os
ar t . 82, caput
- Pr evi dênci a Muni ci pal : vi ncul ação f acul t at i va
ar t . 105, par ágr af o úni co
- r emuner ação: f i xação
ar t . 14, VI
- supl ênci a
ar t . 22
- t est emunho
ar t . 16, § úni co
- vacânci a do car go
ar t . 22
- vot o aber t o
ar t . 35, caput

VICE-PREFEITO
- af ast ament o
ar t . 14, VI
ar t . 65
- ausênci a do Muni cí pi o: aut or i zação
ar t . 65
- decl ar ação de bens
ar t . 58, § 2º
- desi ncompat i bi l i zação
ar t . 58, § 3º
- el ei ção
ar t . 57
ar t . 64
- i dade mí ni ma
ar t . 57, caput
- j ul gament o
ar t . 14, XI V
ar t . 72
- l i cença: concessão
ar t . 14, V
- mandat o: dur ação
LEI ORGÂNI CA DO MUNI CÍ PI O DE SÃO PAULO

125
ar t . 60
- mandat o: ext i nção
ar t . 68
- mandat o: per da
ar t . 65
ar t . 68
- posse
ar t . 14, I V
ar t . 58
- posse: compr omi sso
ar t . 58, caput
ar t . 1º D. T.
- Pr ef ei t o: subst i t ui ção
ar t . 62
_ Pr ef ei t o: sucessão
ar t . 62
- pr ocesso
ar t . 72
- r emuner ação: f i xação
ar t . 14, VI
- r enúnci a
ar t . 14, I V
- vacânci a do car go
ar t . 63
ar t . 64

VIGILÂNCIA SANITÁRIA
ar t . 16 D. T.

ver t ambémSAÚDE
- Si st ema Úni co: vi gi l ânci a sani t ár i a

Vot ação
ver VOTO

VOTO
- moção de censur a públ i ca ao desempenho das f unções de
secr et ár i os muni ci pai s e subpr ef ei t os
ar t . 14, XXI I

VOTO ABERTO
- ar t . 35

VOTO DIRETO E SECRETO
ar t . 5º, § 1º, I



Z
____________________________________________________________

Zoneament o Ur bano
ver USO E OCUPAÇÃO DO SOLO

ZOONOSES
- er r adi cação
ar t . 188, § 2º