ESTADO NOVO

Nome com que é tradicionalmente designado na historiografia brasileira o período
ditatorial que, sob a égide de Getúlio Vargas, teve início com o golpe de estado de 10 de
novembro de 19! e se estendeu até a deposi"#o de Vargas, em $9 de outubro de 19%&'
(uas linhas b)sicas de interpreta"#o t*m prevalecido na maneira de situar essa fase
abertamente ditatorial no curso do processo político inaugurado pela +evolu"#o de 190'
,ma primeira interpreta"#o tende a situar o -stado Novo como um par*ntese ditatorial,
provocado por causas con.unturais internas e e/ternas, no processo de democrati0a"#o
das institui"1es políticas brasileiras iniciado em 190 e retomado em 19%&' 2 outra
interpreta"#o, ao contr)rio, v* o -stado Novo como resultante do prevalecimento da
vertente autorit)ria contida na pr3pria +evolu"#o de 190, vertente essa que e/pressaria
uma tend*ncia estrutural nos países de capitalismo retardat)rio e dependente' N#o ser#o
discutidos aqui os argumentos que fundamentam cada uma dessas interpreta"1es, mas
convém telas em mente quando da leitura dos t3picos seguintes e através dos quais ser)
e/aminado o -stado Novo'

(4N56472 89:;<472
7om a promulga"#o da 7onstitui"#o de 19%, a 1= de .ulho daquele ano, pela
2ssembléia Nacional 7onstituinte eleita no ano anterior, e com a elei"#o, pela mesma
2ssembléia, de Getúlio Vargas >até ent#o no e/ercício provis3rio do poder como chefe da
+evolu"#o de 190? para presidente constitucional do @rasil, com mandato de quatro
anos, vedada a reelei"#o, o país entrava na nova ordem .urídicoApolítica cu.a implanta"#o
constituía o ide)rio .ustificativo da +evolu"#o de 190'
B essa nova ordem .urídicoApolítica C que estabelecia o princípio da alterna"#o no
poder com base no voto direto e secreto, que consagrava o respeito aos direitos civis e
que garantia a liberdade de organi0a"#o e de e/press#o políticas C que seria posta D
prova pela dinEmica do processo político que iria culminar, pouco mais de tr*s anos
depois, no golpe que instaurou a ditadura de Vargas e impFs as institui"1es autorit)rias
codificadas na 7onstitui"#o outorgada ao país em 19!'
8ara entender as condicionantes desse processo político é necess)rio remontar ao
período de transi"#o que medeia a vit3ria da +evolu"#o de 190 e a promulga"#o da
7onstitui"#o de 19%' -ssa fase de transi"#o foi toda ela marcada por diferentes e
simultEneos movimentos de Gacomoda"#o políticaH, através dos quais os impulsos
renovadores .) presentes na década de 19$0, mas agora liberados pela +evolu"#o de
190, iriam chocarAse com as realidades sociais e políticas do país C para transform)Alas
parcialmente ou para serem por elas neutrali0ados' <ais movimentos, que assumiram no
caso específico da +evolu"#o 8aulista de 19$ o car)ter de conflito aberto, manifestaramA
se principalmente nos tr*s planos seguintesI o da redefini"#o parcial dos esquemas
políticoAolig)rquicos de domina"#o regional, o da coopta"#o do movimento tenentista
>através do qual se e/pressava a corrente GradicalH da +evolu"#o de 190? por Vargas em
alian"a com a hierarquia militar e o do início da moderni0a"#o do aparelho do -stado'
7onstituído e empossado o Governo 8rovis3rio em novembro de 190, procurou
ele imediatamente dotarAse dos instrumentos de poder necess)rios tanto D satisfa"#o
quanto ao controle dos interesses das for"as heter3clitas que se haviam aliado para fa0er
a +evolu"#o de 190' 8or decreto com data de 11 de novembro, o Governo 8rovis3rio se
atribuiu a compet*ncia para e/ercer o 8oder -/ecutivo e, simultaneamente, a autoridade
legislativa, e se capacitou também para nomear interventores federais que iriam e/ercer
poderes similares em todas as unidades da Jedera"#o' Jicavam abolidos, assim, todos os
3rg#os legislativos do país, do 7ongresso Nacional Ds cEmaras municipais, até que se
reali0asse a reclamada reforma eleitoral e fosse eleita uma assembléia constituinte para
dar novo ordenamento .urídico ao país' (essas medidas iniciais decorreram tr*s
conseqK*ncias políticas que iriam marcar toda a fase de transi"#o e que iriam se colocar
também na rai0 do desenvolvimento político subseqKenteI a? as for"as olig)rquicas até
ent#o na oposi"#o procuraram substituir, no Embito de seus respectivos estados, as suas
rivais deslocadas do poder pela +evolu"#oL b? os GtenentesH viram abrirAse as portas para
a ocupa"#o de algumas posi"1es de mando, se.a em plano federal, pela sua inser"#o no
aparelho do -stado, se.a enquanto interventores em alguns estados da Jedera"#o
>notadamente no Nordeste?L c? gra"as aos poderes e/cepcionais que enfei/ava em suas
m#os, Vargas se impFs como )rbitro das disputas intraAregionais, ao mesmo tempo em
que tendeu, quase que naturalmente, a personificar o poder central'
No que se refere ao primeiro ponto, e como regra geral, foram fortalecidas as
for"as políticas situacionistas nos estados que haviam apoiado a revolu"#o, houve
ascens#o de for"as olig)rquicas até ent#o minorit)rias naqueles estados nos quais as
Gsitua"1esH haviam permanecido fiéis a Mashington :uís e, em alguns estados, reali0aramA
se complicadas solu"1es de compromisso, mediadas ou n#o pelos interventores, alguns
dos quais come"aram a criar em torno de si pr3prios novos p3los de arregimenta"#o
política' -sses movimentos de ascenso e descenso de grupos no interior de um sistema
olig)rquico que era politicamente contestado, mas que n#o chegava a ser econFmica ou
socialmente amea"ado, até porque permaneceria intocada a estrutura da propriedade da
terra, tenderam a esgotar seu significado em seus respectivos planos regionais' 6as nem
por isso dei/aram de produ0ir efeitos para além das fronteiras estaduais, pois afetaram as
coliga"1es interestaduais e foram estas que determinaram os sistemas de apoio ou de
oposi"#o ao governo federal' 9 Gator políticoH continuou sendo ainda em larga medida o
sistema local de domina"#o, o que se tradu0ia, por e/emplo, na dificuldade de se
formarem partidos políticos nacionais'
Joi contra esse estado de coisas, D época difusamente percebido e confusamente
e/plicitado através de denúncias de Gtrai"#o da revolu"#oH, que o movimento tenentista
procurou reativarAse, se.a através do 7lube de 9utubro, se.a através da a"#o de alguns
de seus representantes, quando no e/ercício de postosAchave de alguns estados da
Jedera"#o >como foi o caso da passagem dos GtenentesH No#o 2lberto e 6iguel 7osta por
O#o 8aulo?' -nquanto os GtenentesH pressionavam para que se prolongasse a Gfase
revolucion)riaH >que lhes permitiria ampliar e consolidar suas posi"1es de poder? em nome
da necessidade de reali0a"#o de GreformasH que eles pr3prios n#o conseguiam definir com
clare0a, as for"as políticas tradicionais pressionavam para que se encerrasse rapidamente
a fase de e/ce"#o e, uma ve0 reformulado o 73digo -leitoral, se convocasse a
2ssembléia 7onstituinte' Vargas se situava no centro dessas press1es e, ao mesmo
tempo, tornouAse o )rbitro delas, procurando para tanto consolidar sua alian"a com a nova
hierarquia militar que despontava sob a lideran"a do general G3is 6onteiro, alian"a essa
que seria sempre contradit3ria e ambígua na medida em que ambos partilhavam da
mesma vis#o autorit)ria da organi0a"#o da sociedade e, ao mesmo tempo, ambos
aspiravam ao e/ercício pessoal do poder >o general G3is, chefe militar da +evolu"#o de
190, teria seu nome indicado para concorrer contra Vargas nas elei"1es para presidente
reali0adas no Embito da 2ssembléia 7onstituinte, seria o garante do golpe de ! e seria
pe"aAmestra também na deposi"#o de Vargas em 19%&?' Na fase que analisamos,
entretanto, era a ma/imi0a"#o das afinidades que prevalecia no relacionamento político
entre ambos, inclusive enquanto e/press1es do poder civil e do poder militar' 4sto se
manifestava na a"#o con.unta que empreenderam para cooptar o movimento tenentista
>que culminou com a liquida"#o do 7lube de 9utubro?, para debelar a +evolu"#o
8aulista de 19$ >e/press#o do conflito entre os que queriam prorrogar a fase
revolucion)ria e os que queriam encerr)Ala? e para Gmoderni0arH o aparelho do -stado e a
economia do país'
2 reorgani0a"#o do aparelho de -stado se processou em tr*s planos simultEneos,
todos tr*s concorrendo para a progressiva e crescente proemin*ncia do -/ecutivo federal
no processo decis3rio e no controle do processo político' 9 primeiro desses planos foi o da
cria"#o de comiss1es ad hoc >integradas por GtécnicosH civis e por militares?, para o
equacionamento de problemas econFmicos relacionados ao aproveitamento dos recursos
minerais e sua industriali0a"#o' 9 segundo di0 respeito ao reequipamento das for"as
armadas, que foi insistentemente solicitado por G3is 6onteiro em seus sucessivos
relat3rios enviados a Vargas do front paulista' 9 terceiro, finalmente, e que antecedeu
cronologicamente aos demais, foi o do enquadramento, através da cria"#o do 6inistério do
<rabalho e através da legisla"#o sindical, dos canais de representa"#o de interesses nas
0onas urbanas .) e/postas aos primeiros impactos do processo de industriali0a"#o' Oe
adicionarmos a isto as novas formas de interven"#o do -stado na gest#o do sistema
econFmico sob a press#o dos acontecimentos decorrentes da crise mundial de 19$9,
temos que, quando se encerrou a fase de transi"#o, através da convoca"#o da
2ssembléia 7onstituinte, convoca"#o para a qual contribuiu, ainda que derrotada, a
+evolu"#o 8aulista de 19$, .) estavam estabelecidas as bases para um conflito de novo
tipo no país e que seria politicamente resolvido através da implanta"#o do -stado NovoI o
conflito entre, de um lado, um e/ecutivo federal dotado de novos recursos de poder e cada
ve0 mais orientado, se.a pelos novos Gquadros técnicosH que incorporava ao aparelho de
-stado, se.a pela pr3pria nature0a das quest1es econFmicas e sociais que tinha que
resolver, por uma vontade Gmoderni0adoraH e por uma Gvis#o nacionalH dos problemas
brasileirosL e, de outro lado, por um lesgislativo ainda preponderantemente voltado para a
representa"#o de interesses regionais, perante os quais respondia politicamente e que,
por isso, tendia a conceber o poder central como uma simples emana"#o >e um
instrumento? do .ogo político que se processava no seio da Gconfedera"#o olig)rquicaH'
-sta, como se disse, embora enfraquecida por processos internos de acomoda"#o política
ap3s 190, processos aos quais se deve adicionar a inquieta"#o urbana e o impacto da
crescente diferencia"#o econFmica em curso no país, mal ou bem continuou sendo a
única teia capa0 de articular politicamente os diferentes subsistemas regionais no Embito
da na"#o'
6as esse conflito de novo tipo era latente e raramente aflorava nesses termos, no
debate político de ent#o' -m parte, porque a controvérsia política tendia a se centrali0ar
em torno da pessoa de Vargas e de suas inten"1es, o que se e/plica pelas formas
caudilhescas >pr3prias D sua cultura política? através das quais ele e/ercia o poderL em
parte porque tal conflito era como que abafado pela estrid*ncia dos movimentos de car)ter
ideol3gico >comunista e integralista? que passaram, no ato de tra0er a política para as
ruas, a povoar a imagina"#o das lideran"as políticas, despreparadas para lidar com o
fenFmeno urbano' Jrente a tais movimentos, as inova"1es introdu0idas pela +evolu"#o de
190 para estruturar e controlar a representa"#o de interesses em plano urbano >controle
dos sindicatos, representa"#o corporativa na 2ssembléia 7onstituinte? revelaram sua
precariedade' Oeria em nome da necessidade de combater os Ge/tremismos ideol3gicosH
que Vargas iria obter do 7ongresso, com amplo respaldo militar, sucessivas concess1es
ao -/ecutivo de poderes e/cepcionais' 7ome"ou a ser minada, assim, a nova ordem
constitucional que acabara de ser instituída, pavimentando a via que condu0iria D
implanta"#o do -stado Novo' 2 seguinte seqK*ncia de fatos é ilustrativa do que se afirma'
-m mar"o de 19& o 7ongresso armou o -/ecutivo com os poderes e/cepcionais
de uma severa :ei de Oeguran"a, que logo seria utili0ada' 7om efeito, em .ulho,
comemorando o anivers)rio do levante do forte de 7opacabana, em sess#o patrocinada
pela 2lian"a Nacional :ibertadora >2N:?, através da qual as lideran"as de esquerda
procuravam reprodu0ir no @rasil as e/peri*ncias dos fronts populaires, :uís 7arlos
8restes, em nome do 8artido 7omunista @rasileiro >87@?, acusou Vargas de trair os ideais
de 19$$ e lan"ou a palavra de ordem de Gtodo o poder D 2N:H' 9ito dias depois, com base
na :ei de Oeguran"a, Vargas fechou por seis meses a 2N:, retirando assim de grupos
urbanos de e/press#o redu0ida, mas de grande visibilidade política, um canal legal para a
manifesta"#o de seu descontentamento' -m $& de novembro, sob o clima da emo"#o
produ0ida pela tentativa fracassada do Putch comunista, o 7ongresso aprovou o pedido de
estado de sítio e introdu0iu emendas constitucionais que dotaram o -/ecutivo das
faculdades de demitir sumariamente funcion)rios e de intervir a seu .uí0o, através da
remo"#o ou da promo"#o na carreira da oficialidade das for"as armadas' No rastro da
repress#o generali0ada que se seguiu D aventura comunista de 19&, foi destituído e
preso o prefeito do +io de Naneiro, 8edro -rnesto @atista, detentor ent#o de grande
prestígio popular' -m mar"o de 19=, com a captura de 8restes e a apreens#o dos
documentos em seu poder, foram sumariamente presos um senador e quatro deputados,
ferindoAse a inviolabilidade parlamentar' <r*s meses depois o 7ongresso legali0ou esse
ato ao conceder a solicitada licen"a para process)Alos' -m setembro foi aprovada,
também pelo 7ongresso, a cria"#o >manifestamente inconstitucional? do <ribunal de
Oeguran"a Nacional' No curso do mesmo ano de 19= o 7ongresso prorrogaria por quatro
ve0es sucessivas, por 90 dias cada ve0, a vig*ncia do estado de sítio'
Joi nesse ambiente de sucessivas concess1es do 7ongresso ao -/ecutivo, de
.ulgamento do <ribunal de Oeguran"a, de inquieta"#o militar e de conflitos de rua inéditos
no país entre comunistas e integralistas >tiroteio no centro de O#o 8aulo, 1 mortos na
cidade fluminense de 7ampos? que se abriram no início de 19! as articula"1es políticas
para a sucess#o de Vargas e que se iria reali0ar a campanha eleitoral' -sta deveria
culminar, em .aneiro de 19P, na primeira elei"#o direta para a presid*ncia da +epública
sob as novas regras do .ogo instituídas pelo 73digo -leitoral de 19$ C a grande
conquista política da +evolu"#o de 190'
-stabeleceramAse, assim, como que tr*s cen)rios políticos superpostos, cada um
deles regido por Gl3gicasH e dinEmicas específicas' Num primeiro cen)rio se reali0ou a
arregimenta"#o de for"as políticas regionais, na sua forma tradicional, em torno de duas
candidaturasI de um lado, a do paulista 2rmando de Oales 9liveira >apoiado pelo 8artido
7onstitucionalista de O#o 8auloL pelo +io Grande do Oul do governador Nosé 2ntFnio
Jlores da 7unhaL e pelas fac"1es oposicionistas da @ahia e de 8ernambuco, formando a
,ni#o (emocr)tica @rasileira?L de outro, a do paraibano Nosé 2mérico de 2lmeida C
reunindo o situacionismo de 6inas, 8araíba, 8ernambuco e @ahia, e as fac"1es
oposicionistas do 8artido +epublicano 8aulista >8+8? e do 8artido :ibertador >8:? rioA
grandense' 9 segundo cen)rio foi constituído pelo palco no qual fac"1es das camadas
médias urbanas manifestavam nas ruas suas frustra"1es em face de uma configura"#o
eleitoral que redu0ia sua importEncia política, dado o avassalador predomínio do voto rural,
relegando suas lideran"as a uma mera mímica dos movimentos políticos internacionais
dos quais se nutriam ideologicamente' Jinalmente, o terceiro cen)rio foi o que se situou no
interior do aparelho do -stado e através do qual foram edificadas as bases de um novo e
centrali0ado sistema de decis1esI pela reestrutura"#o do servi"o público através da
introdu"#o do concurso e da carreira >:ei do +ea.ustamento, 19=?, pela cria"#o dos
3rg#os técnicos e conselhos que reuniam quadros da burocracia e empres)rios para
elabora"#o das grandes decis1es econFmicas >como o 7onselho Jederal de 7omércio
-/terior? e pelo progressivo avan"o da hierarquia militar no controle das for"as públicas
dos estados, na busca do controle e/clusivo para si dos meios de viol*ncia'
Vargas manobrou nos tr*s cen)riosI estimulou o lan"amento da candidatura Nosé
2mérico, mas recusouAse a apoiar oficialmente qualquer um dos candidatosL advertiu para
os perigos de a campanha eleitoral reacender as agita"1es de rua, mas cultivou o apoio
dos integralistasL e, sobretudo, consolidou lealdades pessoais em plano regional e no
interior do aparelho de -stado' Na verdade, antes mesmo do lan"amento da candidatura
Nosé 2mérico .) estava redigida >por Jrancisco 7ampos? a futura 7onstitui"#o de 19!' 2
etapa seguinte foi a da articula"#o do golpe no nível dos governadores >miss#o Negr#o de
:ima?, da consolida"#o do esquema militar >G3is foi nomeado para a chefia do -stadoA
6aior e o general (utra para o 6inistério da Guerra? e da espera do momento oportuno
para a a"#o' -ste surgiu sob a forma da GdescobertaH do 8lano 7ohen, solenemente
anunciada pelo general (utra D na"#o a 0 de setembro' No dia seguinte o 7ongresso
votou a suspens#o das garantias constitucionais e, duas semanas depois, o controle pelo
-/ército da milícia do +io Grande do Oul e a fuga do governador Jlores da 7unha para o
,ruguai liquidaram a última base de sustenta"#o da candidatura 2rmando Oales' @enedito
Valadares >ent#o governador de 6inas e articulador político de Vargas? diria mais tarde em
suas mem3rias, resumindo uma certa concep"#o política, típica de toda uma épocaI GB
interessante observar o ser possível fa0erAse uma revolu"#o (sic) Ds claras, sem o povo
desconfiar'H Oem provocar maiores resist*ncias, a 10 de novembro foi fechado o
7ongresso, outorgada a nova 7onstitui"#o e proclamado o -stado Novo' 2penas dois
governadores >Nuraci 6agalh#es, da @ahia, e :ima 7avalcanti, de 8ernambuco?
protestaram e renunciaram a seus cargos' 7om o fechamento de todos os partidos >$ de
de0embro? e a liquida"#o, ap3s o Putch fracassado de maio do ano seguinte, do
movimento integralista, o e/ercício da atividade política ficou condenado D clandestinidade
C ou se restringiu ao Embito do aparelho de -stado'

4(-9:9G42 - +-8+-O-N<2QR9 (- 4N<-+-OO-O
2 e/press#o -stado Novo foi empregada pela primeira ve0 por 9liveira Oala0ar, no
início da década de 190, para .ustificar o regime autorit)rio portugu*s' Oua utili0a"#o
alguns anos depois no @rasil, assim como a incorpora"#o D 7arta de 19! de dispositivos
das constitui"1es de regimes totalit)rios da época, chegou a ser apontada como evid*ncia
da subordina"#o ideol3gica da ditadura de Vargas ao fascismo europeu' Oe a matri0
ideol3gica era a mesma, no sentido de que ambos os regimes se fundamentaram a partir
de uma vis#o autorit)ria de governo e de organi0a"#o de sociedade, distintas eram as
dinEmicas hist3ricas que os engendraram e as pr)ticas políticas adotadas na -uropa e no
@rasil' 9 -stado Novo tinha em comum com o fascismo a mesma crítica D democracia
parlamentar, D pluralidade de partidos e D representa"#o autFnoma de interesses, assim
como tinha em comum com ele a mesma valori0a"#o do G-stado forteH, tutor da sociedade
civil' 6as o -stado Novo diferia substancialmente do fascismo europeu no plano das
pr)ticas políticas concretas, como, por e/emplo, na ine/ist*ncia de partido único, na
aus*ncia de intensa mobili0a"#o política de massas e na n#oAuniformi0a"#o da elite
dirigente' 2lém disso, o -stado Novo prescindiu de qualquer mecanismo, ainda que formal,
de legitima"#o >o plebiscito previsto na 7arta de 19! nunca chegou a ser reali0ado?, s3
procurou criar sua m)quina de propaganda dois anos depois de implantado C a cria"#o
do (epartamento de 4mprensa e 8ropaganda >(48? é de de0embro de 199 e a
glorifica"#o da pessoa de Vargas >Gpai dos pobresS?, mais folcl3rica do que mítica, s3 se
iniciou tr*s anos e meio depois de instaurada sua ditadura pessoal' -ssas diferen"as n#o
foram acidentaisI elas indicam fenFmenos políticos e realidades sociais distintas'
2 distEncia entre a inspira"#o ideol3gica e a pr)tica política talve0 tenha tido seu
e/emplo mais ilustrativo na consagra"#o do corporativismo como doutrina oficial do -stado
Novo' 7om efeito, o artigo 1%0 da 7arta de 19! estabelecia que Ga economia da produ"#o
ser) organi0ada em corpora"1es e estas, como entidades representativas das for"as do
trabalho nacional colocadas sob assist*ncia e prote"#o do -stado, s#o 3rg#os deste e
e/ercem fun"1es delegadas do poder públicoH' <al preceito, sobre ser incompatível com o
desenvolvimento do capitalismo brasileiro e os interesses estrangeiros a ele associados,
por mais incipientes que eles fossem D época, nunca teve sua implanta"#o de fato
cogitada' 2ssim, sua inclus#o na 7arta de 19!, com foros de doutrina oficial do -stado, é
significativa pelo que ela sugereI a incorpora"#o de idéias fascistas pelo -stado Novo
parece deverAse menos a uma estruturada convic"#o ideol3gica do que D percep"#o de
sua GutilidadeH, de um lado, para dar uma .ustificativa GmodernaH Ds tradicionais pr)ticas
autorit)rias de e/tra"#o caudilhesca, e, de outro, para fornecer, por analogia, o quadro de
refer*ncias políticas ao equacionamento de alguns dos problemas centrais de organi0a"#o
da na"#o que cabia ao -stado Novo resolver, inclusive como condi"#o para a pr3pria
e/pans#o do capitalismo no país' (entre esses problemas, dois se revestiram de particular
significa"#o'
9 primeiro deles di0 respeito D maneira de rearticular política e economicamente os
subsistemas regionais no Embito da na"#o' 7omo se disse, essa articula"#o se fi0era até
ent#o, e a partir da descentrali0a"#o republicana, através do .ogo de equilíbrios que se
processava no Embito da Gconfedera"#o olig)rquicaHL suas pe"as fundamentais eram a
Gpolítica dos governadoresH e a a"#o das GbancadasH C de cada estado no 7ongresso
Nacional' 8arte integrante das regras desse .ogo era o respeito D autonomia política dos
estados e a relativa autarqui0a"#o econFmica de cada um deles' 9 novo 73digo -leitoral
de 19$ e a cria"#o da Nusti"a -leitoral, assim como os processos de acomoda"#o política
que se seguiram D +evolu"#o de 190 >entre novembro de 190 e novembro de 19&, os
$0 estados tiveram =0 interventores ou governadores?, .) haviam abalado os fundamentos
desse .ogo' 2 partir de 19!, a supress#o dos 3rg#os legislativos e a submiss#o dos
interventores ao -/ecutivo federal, se n#o foram bastantes para liquidar localmente a
domina"#o olig)rquica, tornaram invi)vel a fun"#o, por ela antes e/ercida, de promover
também a articula"#o política dos subsistemas regionais em plano nacional' -ssa
integra"#o teria que ser promovida, portanto, através de outros meios e da quebra dos
valores que até ent#o haviam dado consist*ncia política D organi0a"#o federativa' 2s
no"1es de G-stado centrali0ado e forteH e de Greconstru"#o nacionalH, apropriadas na vaga
ideol3gica que cobria parte da -uropa, e que encontravam larga ressonEncia nas for"as
Gmoderni0adorasH, seriam os novos valores a serem contrapostos D concep"#o tradicional
de federa"#o' Joi em nome de ambos, por e/emplo, que se procedeu solenemente D
queima das bandeiras dos estados >símbolo de sua autonomia política?, e que a 7arta de
19! vedou a cria"#o de impostos interestaduais, instrumento de sua autarqui0a"#o
econFmica, duas disposi"1es que, para além de suas finalidades políticas imediatas,
teriam significativa importEncia para a e/pans#o do capitalismo no país' 7om efeito, a
liquida"#o da autonomia dos estados enfraqueceu aqueles grupos locais que logravam
identificar seus interesses particulares com a defesa da Geconomia da regi#oH, o que abriria
o caminho para que se reali0asse, sem maiores resist*ncias políticas estaduais, a
transfer*ncia de renda do setor agroe/portador para o setor industrialL da mesma forma, a
aboli"#o das barreiras tarif)rias interAregionais eliminariam um dos obst)culos D unifica"#o
do mercado interno'
2 a"#o desse G-stado centrali0ado e forteH em plano nacional, entretanto, iria
prescindir no @rasil da edifica"#o dos complicados mecanismos de controle que a
e/tens#o territorial do país faria prever' B e/ato que a presen"a nos estados dos
destacamentos do -/ército, sobretudo a partir do controle que ele passou a e/ercer sobre
as for"as públicas estaduais, pro.etou a presen"a do poder central nas diferentes regi1es
do país' 6as n#o menos importantes parecem ter sido os mecanismos de lealdades
pessoais que vinculavam os interventores a Vargas' <anto é assim que ficou praticamente
no papel a institui"#o dos departamentos administrativos >criados em abril de 199?, que
teriam por fun"#o aprovar atos do interventor e fiscali0ar a e/ecu"#o dos or"amentos
estaduais' <udo se passou, em síntese, como se a fidelidade política a Vargas em plano
nacional tivesse por pr*mio a autonomia administrativa em plano estadual' N#o eram
muito diferentes as pr)ticas políticas, vigentes durante a +epública Velha'
9 segundo problema para cu.a solu"#o as elites dirigentes da época foram buscar
no fascismo europeu sua fonte de inspira"#o foi o relativo D organi0a"#o da representa"#o
de interesses, notadamente de setores urbanos e no plano sindical' Joi nesse plano que
efetivamente se criaram formas imperfeitas >mas nem por isso menos efica0es, para aquilo
a que se destinavam? de organi0a"#o de tipo corporativista' 6as também aqui a fonte de
inspira"#o >que era a Carta del lavoro, de 6ussolini? foi como que submetida a uma
apropria"#o seletiva e pragm)tica'
2 tutela do -stado sobre a organi0a"#o sindical era e/ercida, basicamente, para
impedir a livre e/press#o de interesses, para restringir ou suprimir a utili0a"#o de certos
recursos políticos >sobretudo a greve? na defesa desses interesses e para cercear alian"as
intersindicais que propiciassem a cria"#o de centrais oper)rias autFnomas' Oe foi sob o
-stado Novo que o edifício da organi0a"#o sindical foi sendo aos poucos construído, suas
funda"1es .) haviam sido lan"adas imediatamente ap3s a +evolu"#o de 190, quando da
cria"#o do 6inistério do <rabalho' 9 cerceamento da representa"#o de interesses através
da tutela e/ercida pelo -stado sobre a organi0a"#o sindical iria ser construído a partir de
tr*s institui"1esI o monop3lio da representa"#o através da cria"#o do sindicato único para
cada categoria profissional, a Nusti"a do <rabalho e o imposto sindical' 2 seqK*ncia
através da qual tais controles foram instituídos revela o car)ter pragm)tico que revestia tal
constru"#o'
2 pluralidade sindical dei/ou de e/istir por decreto de agosto de 191, foi
restaurada pela 7onstitui"#o de 19% e foi novamente abolida pela 7arta de 19!' Neste
último caso, entretanto, isto se fe0 através de f3rmula sui generis: afirmouAse a
Gassocia"#o profissional ou sindical é livreH, mas que s3 o sindicato Gregularmente
reconhecido pelo -stado tem o direito de representa"#o legalH' O3 dois anos ap3s a
implanta"#o do -stado Novo é que se estipulou de forma ta/ativa que Gn#o ser)
reconhecido mais de um sindicato para cada profiss#oH >(ecreto nT 1'%0$, de & de .ulho de
199?' <ambém a Nusti"a do <rabalho, cu.as bases haviam sido lan"adas em 19$,
através das .untas de concilia"#o e .ulgamento, embora tivesse seu princípio reafirmado
pela 7arta de 19!, s3 seria efetivamente instituída em maio de 199' Jinalmente, o
imposto sindical, que tem fun"#o desmobili0adora e contribui para falsificar a
representa"#o sindical >por ser compuls3rio e descontado em folha garante recursos D
dire"#o sindical independentemente do número de filiados e da participa"#o destes nas
atividades sindicais?, s3 seria criado em .ulho de 19%0'
(ois tra"os s#o significativos' (e um lado, a nature0a progressiva da institui"#o
desses controles >que acabou gerando tal profus#o de leis, decretosAleis e portarias que se
impFs sua codifica"#o geral através da 7onsolida"#o das :eis do <rabalho, de 19%?
parece sugerir que o que se buscava n#o era a implementa"#o de um postulado
ideol3gico, mas a utili0a"#o pragm)tica das vantagens que a partir dele podiam ser
e/traídasL de outro lado, o fato de que a institui"#o de tais controles, n#o apenas precedeu
o -stado Novo como seria mantida ap3s sua derrocada, pois passou a constituir uma das
bases do populismo, indica claramente que a solu"#o autorit)ria, dada D organi0a"#o da
representa"#o de interesses de empregados e oper)rios, era menos uma característica
específica do -stado Novo do que parte integrante da cultura política das elites dirigentes'
Nesse sentido, a fun"#o do -stado Novo parece ter sido menos a de introdu0ir uma
inova"#o do que a de garantir, através da elimina"#o de resist*ncias políticas, a
consolida"#o de algo .) e/istente e que havia sido introdu0ido pela +evolu"#o de 190'
No que se refere D representa"#o de interesses no plano das associa"1es
patronais, e embora também elas fossem submetidas aos controles da legisla"#o sindical,
o problema se colocava em termos formalmente semelhantes porém substancialmente
distintos' -m grande parte porque a representa"#o de interesses e, além disso, a
participa"#o dos empres)rios no processo decis3rio reali0avamAse menos através da a"#o
de suas associa"1es de classe, enquanto tais, do que da participa"#o individual e direta de
seus representantes naqueles organismos criados no interior do aparelho do -stado e
onde eram discutidas e elaboradas as principais decis1es econFmicas' -sses G3rg#os
técnicosH >7onselho Jederal do 7omércio -/terior, 7onselho <écnico de -conomia e
Jinan"as etc'?, oficialmente criados com a fun"#o de assessorar a 8resid*ncia, logo se
transformaram numa arena específica, integrada por representantes do empresariado e da
burocracia civil e militar' Joi em seu Embito que se reali0ou a composi"#o de interesses
entre as fac"1es da elite dirigente, quando da formula"#o de políticas públicas' Joi desses
3rg#os que saíram as sugest1es inovadoras e as diretri0es >cria"#o de Volta +edonda, :ei
do 8etr3leo? para as principais reali0a"1es do -stado Novo no campo da promo"#o do
desenvolvimento econFmico' Oe esta foi uma pr)tica introdu0ida no início da década de
190 >através das Gcomiss1es mistasH?, foi sob o -stado Novo que ela foi consolidade e
e/pandida para cobrir também atividades econFmicas setoriais >cria"#o do 4nstituto do
2"úcar e do Ulcool, do 7acau, do 8inho, do Oal etc'?'
-m paralelo a essas inova"1es, que acabaram por reestruturar todo o sistema de
decis1es, processouAse, agora de forma sistem)tica, a profissionali0a"#o e moderni0a"#o
dos quadros do aparelho do -stado, notadamente através da cria"#o do (epartamento
2dministrativo do Oervi"o 8úblico >(2O8?' Nesse sentido, é possível locali0ar no -stado
Novo a g*nese da moderna tecnocracia brasileira e do seu padr#o de relacionamento com
os grupos empresariais'
7abe notar que a cone/#o entre a pr)tica corrente da representa"#o de interesses
do empresariado e a tutela estatal e/ercida sobre a organi0a"#o de suas associa"1es de
classe foi estabelecida através da e/ig*ncia legal de que as indica"1es dos
Grepresentantes de classeH que iriam integrar os 3rg#os técnicos >e, portanto, participar do
processo decis3rio? s3 poderiam partir das associa"1es de classe reconhecidas pelo
-stado' Vue o empresariado brasileiro se adaptou com facilidade tanto Ds vantagens
quanto Ds restri"1es dessas regras para a representa"#o de seus interesses, parece
demonstrado pelo número das associa"1es de classe que foram criadas >ou que
sobreviveram? sob o -stado Novo' 7om efeito, quando se reali0ou em 19%& a 4
7onfer*ncia das 7lasses 8rodutoras >7onfer*ncia de <eres3polis?, dela participaram
representantes de quase seiscentas associa"1es rurais, comerciais e industriais de todo o
país'
2 conseqK*ncia importante da institui"#o dessas regras e canais para a
representa"#o de interesses C que iriam construir um padr#o que, com maior ou menor
nitide0, sobreviveria ao -stado Novo C foi que os processos de articula"#o e de
agrega"#o de interesses >e, através deles, a política? deslocaramAse da Gsociedade civilH
para o Embito >e a tutela? do -stado'

9 -O<2(9 N9V9 - 9 79N<-W<9 4N<-+N2749N2:
9 -stado Novo n#o se e/plica apenas D lu0 dos processos internos de
transforma"#o por que passou o país a partir da +evolu"#o de 190' <anto o seu advento
quando a sua derrocada foram também marcados por processos que se originaram fora
das fronteiras do país' N#o se tratou apenas da tradicional e/posi"#o das camadas
dirigentes brasileiras Dquelas influ*ncias culturais e/ternas que elas metaboli0aram de
acordo com suas conveni*ncias locais, ou de condicionamentos e/ternos de nature0a
estritamente econFmicaL tratouAse, no caso, das mudan"as bem mais comple/as e amplas
provocadas pela con.untura hist3rica da Oegunda Guerra 6undial'
N) na etapa que precedeu a guerra, acontecimentos que eram habitualmente
assistidos de longe C o entrechoque violento de ideologias, o confronto entre regimes
políticos e formas de organi0a"#o da sociedade, os realinhamentos políticos provocados
pela disputa entre os poderes mundiais de ent#o C come"aram a ser percebidos como
anunciadores de transforma"1es que cedo ou tarde afetariam também o @rasil' Nesse
sentido, o movimento integralista, ao transpor para as ruas das cidades brasileiras as
cenas que até ent#o desfilavam apenas nas telas dos .ornais cinematogr)ficos, contribuiu,
a seu modo, para tornar mais real C e mais generali0ado C o sentimento de que os
eventos que ocorriam do outro lado do 2tlEntico .) invadiam, de alguma forma, a arena
política do país' N#o s3 isso' 2s pr3prias dimens1es com que se anunciava o conflito
fa0iam prever que, qualquer que fosse o vencedor, uma nova geometria de poder se
estabeleceria no mundo' N#o se tratava mais, agora, de aguardar o desfecho do conflito
europeu como mero e curioso espectador, mas de procurar antecip)Alo para dele retirar as
vantagens possíveis' 2ssim, a ado"#o por fac"1es das camadas dirigentes, inclusive
Vargas, quando do advento do -stado Novo, de um discurso de fundo fascista, n#o se
e/plica apenas pelas afinidades que nele elas encontravam ou pela utilidade interna que
para elas tal discurso pudesse ter' <ambém é parte da e/plica"#o a e/ist*ncia de uma
percep"#o, D época mais ou menos generali0ada, de que, em caso de conflito, a vit3ria
caberia Ds pot*ncias fascistas' -/istem na documenta"#o disponível indica"1es
ra0oavelmente convincentes de que este era, por e/emplo, o progn3stico oficial da
hierarquia militar' 2 acuidade instintiva de Vargas iria lev)Alo a detectar, e com acerto, .)
em pleno conflito mundial, a prov)vel mudan"a no curso da guerra C e a agir em
conseqK*nciaL o que Vargas seria incapa0 de perceber, ent#o, é que a confirma"#o de sua
previs#o selaria também a sorte do -stado Novo' 7abe aqui um breve relato factual'
-mbora Vargas tivesse endossado plenamente a proposta norteAamericana de
fortalecimento da unidade política continental >cria"#o de um mecanismo permanente de
consulta, estabelecimento do princípio de que uma amea"a D seguran"a de qualquer
-stado americano seria considerada uma amea"a D seguran"a de todos os demais?,
proposta essa apresentada pelos -stados ,nidos na 7onfer*ncia 4nteramericana reali0ada
em @uenos 2ires em 19=, as rela"1es do @rasil com a 2lemanha, nos anos que
precederam a Oegunda Guerra, eram menos problem)ticas do que as e/istentes com os
-stados ,nidos D época' 2 participa"#o da 2lemanha no total das importa"1es brasileiras,
por e/emplo, crescera de 11,%X para $%X entre 190 e 19! tornandoAa o maior
comprador de algod#o e o segundo mercado para o café e o cacau brasileiros' 2lém disso,
a depend*ncia dos militares brasileiros da 2lemanha, em matéria de doutrina e de
armamento, era praticamente total' 6esmo o incidente que determinou a retirada do ent#o
embai/ador alem#o no +io, em setembro de 19P, n#o impediu que, em .aneiro de 199, o
general G3is 6onteiro fosse convidado por Yitler, e um grupo de oficiais aviadores o fosse
por Goering, para visitar @erlim' No que se refere aos -stados ,nidos, ao contr)rio, o valor
das importa"1es brasileiras se havia redu0ido D metade no mesmo período, em parte
como conseqK*ncia de crise de 19$9, e as decis1es de suspender o pagamento da dívida
e/terna e de estabelecer o controle cambial, tomadas logo ap3s o golpe de 19!, haviam
criado séria )rea de atrito com os credores americanos' 9 mesmo general G3is, por outro
lado, manifestava claramente a Vargas sua hostilidade ao convite que também lhe havia
sido feito pelo chefe do -stadoA6aior do -/ército americano >ainda em .aneiro de 199?,
para visitar Mashington'
8artid)rios da 2lemanha e partid)rios dos -stados ,nidos que integravam o
governo Vargas iriam manobrar intensamente, sobretudo a partir da eclos#o da guerra,
para fortalecer, ou para inverter, conforme o caso, as bases desse cen)rio e das alian"as
internacionais nele contidas' 2poiandoAse na declara"#o de neutralidade em face do
conflito europeu endossado por todas as na"1es do continente, em setembro de 199
>reuni#o do 8aran)?, Vargas procurou manterAse eqKidistante da luta entre as duas
correntes' - apoiouAse em cada uma delas para negociar, simultaneamente, com os
-stados ,nidos e com a 2lemanha, a.uda econFmica para a implanta"#o da grande
siderurgia no @rasil, que passara a ser >ou era apresentada como sendo? uma Gaspira"#o
nacionalH' 9 compromisso do -/port 4mport @anZ >-/imbanZ? de financiar o que iria ser
Volta +edonda seria enfim obtido, no final de setembro de 19%0, ap3s longa e acidentada
negocia"#o' -ssa negocia"#o marcou também o come"o da apro/ima"#o, ainda que
inicialmente reticente e contradit3ria, da hierarquia militar brasileira com os -stados
,nidos' -m outubro de 19%1, por e/emplo, o chefe da 6iss#o 6ilitar NorteA2mericana
informou ao (epartamento de (efesa que, apesar das negocia"1es em curso para
fornecimento de material bélico ao @rasil, os militares brasileiros resistiam fortemente D
presen"a de tropas norteAamericanas em bases a serem construídas no Nordeste >na
verdade, tal resist*ncia n#o se prendia apenas a simpatias ideol3gicas com a 2lemanha,
mas resultava ainda do receio de uma repres)lia militar alem#?' <ambém Vargas, ainda
inseguro dos destinos da guerra, manteve, até meados de 19%1, e D revelia de seu
ministro do -/terior, 9svaldo 2ranha, negocia"1es paralelas com o embai/ador alem#o,
se.a para a compra de equipamento militar, se.a para obten"#o de créditos para a
siderurgia'
Joi o ataque a 8earl Yarbour, no final de 19%1, que n#o somente marcou o início
da revers#o do curso da guerra como também o da revers#o da atitude brasileira' Oob o
impacto da entrada dos -stados ,nidos na guerra >11 de de0embro de 19%1? reali0ouAse
no m*s seguinte, no +io de Naneiro, a 444 +euni#o de 7onsulta dos 7hanceleres das
+epúblicas 2mericanas' <r*s eram os ob.etivos dos -stados ,nidosI obter o rompimento
de todo o continente com os países do -i/o, tornar efetiva a coopera"#o militar e garantir o
suprimento de matériasAprimas estratégicas' 2 2rgentina se mostrou francamente hostil D
proposi"#o norteAamericana, o que aumentou a importEncia da posi"#o a ser adotada pelo
@rasil' Vendo ampliado seu poder de barganha, Vargas negociou ent#o, como condi"#o
implícita para aceitar demandas norteAamericanas >que incluíam a utili0a"#o das bases do
Nordeste, estreita colabora"#o militar e fornecimento de matériasAprimas?, uma série de
garantias militares, a libera"#o efetiva dos recursos necess)rios D constru"#o de Volta
+edonda e todo um con.unto de medidas de ordem comercial >acordos de Mashington?'
9s acordos de Mashington >assinados em mar"o de 19%$? constituíram um marco
político importante' (e um lado, porque eles puseram fim D fase de e/pectativa quanto ao
desfecho da guerra e de hesita"#o quanto ao enga.amento do @rasil lado aos 2liadosL de
outro porque, vencida essa hesita"#o, foi o pr3prio Vargas quem tomou a iniciativa de
tentar transformar esse enga.amento numa Galian"a privilegiadaH >em rela"#o aos demais
países da 2mérica :atina? com os -stados ,nidos e de estend*Ala aos campos político,
militar e econFmico' 2 nova postura internacional se tradu0iu, no plano político, na
demiss#o das principais figuras do governo que eram simpati0antes do -i/o e, isso, antes
mesmo da declara"#o de guerra do @rasil D 2lemanhaL no plano militar, no afastamento do
general G3is 6onteiro da chefia do -stadoA6aior, no declínio da corrente militar
nacionalista e conseqKente elabora"#o de uma nova Gdoutrina militarH de subordina"#o D
estratégia norteAamericana, e na iniciativa >de Vargas? de propor a +oosevelt o envio de
um corpo e/pedicion)rio D -uropa e, no plano econFmico, na vinda ao @rasil, também por
solicita"#o de Vargas, da primeira miss#o norteAamericana que formulou diretri0es globais
para o desenvolvimento econFmico do país >6iss#o 7ooZe? e nas primeiras press1es da
Otandard 9il para participar da e/plora"#o do petr3leo no @rasil' <udo isso se passou
entre mar"o de 19%$ e .aneiro de 19%' 7onvém notar que, nesse momento, a invas#o do
Norte da Ufrica pelos 2liados e a derrota alem# em -lA2lamein tornavam menos difícil
prever o desfecho da guerra'
2 reviravolta de Vargas n#o resultava apenas de considera"1es imediatas
decorrentes da percep"#o de que o curso da guerra havia mudado e que a 2lemanha seria
derrotada' Oua atitude também se pautava por uma preocupa"#o quanto ao p3sAguerra e D
conveni*ncia de o @rasil dispor da prote"#o e usufruir das vantagens de contar com um
aliado forte como os -stados ,nidos' Joi isto que ele e/plicou mais tarde >abril de 19%%?
em carta a G3is 6onteiro, quando afirmava que podia acontecer Gque os patr1es do
momento, aliados pelos interesses comuns da guerra, se desentendam amanh#, na hora
da pa0HL se tal ocorresse, Gé suficiente que os -stados ,nidos saibam que eles podem
contar conosco e que n3s este.amos seguros delesH' -ssa alian"a, logo transformada em
depend*ncia, foi advogada, em termos ainda mais amplos, porque estendida aos domínios
político e econFmico, por um estudo reali0ado no -stadoA6aior do -/ército, .) em .aneiro
de 19%, que figura no arquivo Vargas' - o pr3prio +oberto Oimonsen, que sempre
reivindicara ampla prote"#o para a indústria nacional, escreveria em agosto de 19%%I GNos
faltam capitais e m#oAdeAobra especiali0ada para a indústria, mas nem nossa legisla"#o
nem nossa organi0a"#o econFmica favorecem a imigra"#o e os investimentos
estrangeiros'H 7om o final da guerra, ou a apro/ima"#o dela, produ0iuAse, assim, uma
reorienta"#o política importante no Embito das elites brasileiras' -ssa reorienta"#o
engendraria também o fim do -stado Novo'
2 (-89O4QR9 (- V2+G2O
9 torpedeamento pelos alem#es do navio brasileiro Cairu, em mar"o de 19%$,
imediatamente ap3s a assinatura dos acordos de Mashington, foi motivo para uma grande
manifesta"#o popular de rua que culminou na pilhagem de estabelecimentos alem#es na
cidade do +io' No curso dos meses de maio, .unho e .ulho mais oito navios foram
afundados' 2 cada afundamento, estudantes reali0avam passeatas de protesto em
diferentes cidades do país' 8ela primeira ve0 sob o -stado Novo a a"#o política ganhava
as ruas' -ntre 1& e 1! de agosto, mais cinco navios foram atingidos, provocando a morte
de seiscentas pessoas' 2s manifesta"1es se sucediam em todo país, os estudantes do +io
ocuparam o prédio que seria por muitos anos a sede da ,ni#o Nacional dos -studantes
>,N-?, e as fai/as e carta0es, inicialmente apenas de condena"#o D 2lemanha, .) pediam,
embora de forma ainda ambígua, Go fim do fascismoH' 2 declara"#o de guerra D 2lemanha
>agosto de 19%$?, que era insistentemente pedida nas manifesta"1es de rua, contribuiu
para refor"ar a confian"a dos manifestantes na a"#o política' 2ssocia"1es foram criadas
>Oociedade dos 2migos da 2mérica, 19%? ou reativadas >:iga de (efesa Nacional, 19%?
em nome da necessidade de mobili0ar a popula"#o para o esfor"o de guerra' -ssas
associa"1es logo se converteriam em centros de debate político e em instrumentos de
mobili0a"#o popular para a redemocrati0a"#o do país' 9 governo se dividia, Vargas
hesitava' 9 -stado Novo estava preso em sua contradi"#oI enviar tropas ao e/terior para
defender a democracia e, ao mesmo tempo, reprimir os que reclamavam sua restaura"#o
no país' 9 espa"o entreaberto pelas manifesta"1es populares seria ampliado pelos
pronunciamentos das associa"1es profissionais e das fac"1es políticas que se opunham
ao regime autorit)rio' 8ela ve0, Gelei"1es, habeasAcorpus e garantias constitucionaisH eram
e/igidos claramente >Manifesto dos mineiros, outubro de 19%?' No m*s seguinte, o
presidente do 7entro 2cad*mico 11 de 2gosto, da Jaculdade de (ireito de O#o 8aulo,
pediu publicamente a destitui"#o de Vargas' 2 passeata de protesto que se seguiu D sua
pris#o foi reprimida com viol*ncia, fa0endo dois mortos e $& feridos' 9 ciclo manifesta"#oA
repress#oAprotesto come"ou a se reprodu0ir em diferentes estados' -m agosto de 19%%,
9svaldo 2ranha, ministro das +ela"1es -/teriores, que havia sido o grande artífice do
enga.amento do @rasil .unto aos 2liados, foi eleito viceApresidente da Oociedade dos
2migos da 2mérica' 8ara impedir sua posse e a manifesta"#o política que ela ense.aria, o
chefe de polícia do +io de Naneiro mandou fechar a associa"#o' 2ranha protestou .unto a
Vargas e demitiuAse do ministério' 2 demiss#o de 2ranha acarretou a de outros membros
do governo e acelerou a desagrega"#o política do -stado Novo' -m fevereiro de 19%&, o
.ornal Correio da Manhã publicou entrevista crítica do e/Acandidato Nosé 2mérico, sem
submet*Ala D censura' 9 governo foi surpreendido e n#o reagiu' 2 partir dessa data os
.ornais passaram a ignorar a censura e a oposi"#o ao regime ganhou novos meios de
e/press#o'
Vargas pareceu entender que estava diante de um curso novo, que n#o mais
conseguia controlar' - come"ou a ceder Ds demandas de redemocrati0a"#o' -m fevereiro
de 19%& foi editado o 2to 2dicional nT 9, estipulando que dentro de 90 dias seria fi/ada a
data para a reali0a"#o de elei"1es no país >efetivamente marcadas, posteriormente, para $
de de0embro de 19%&?' OeguiuAse a decreta"#o da anistia >abril de 19%&? e iniciouAse o
processo de constitui"#o dos partidos políticosI o 8artido Oocial (emocr)tico >8O(?, de
abril a .unho, a ,ni#o (emocr)tica Nacional >,(N?, de abril a agosto, e o 8artido
<rabalhista @rasileiro >8<@?, de agosto a setembro' 2 escolha de um candidato militar pela
oposi"#o >brigadeiro -duardo Gomes? foi a f3rmula encontrada pela ,(N para precaverAse
contra qualquer manobra continuísta de Vargas' 9s partidos da situa"#o >8O(A8<@?
responderam simetricamente com a candidatura do general (utra, ainda ministro da
Guerra' -mbora a escolha de (utra tivesse contado com o benepl)cito de Vargas, a falta
de empenho deste, quando teve início a campanha, em prol do candidato oficial, trou/e D
mem3ria dos políticos comportamento an)logo quando do epis3dio da candidatura Nosé
2mérico em 19!' (utra foi obrigado, no início de agosto, a se desincompatibili0ar do
6inistério da Guerra e sugeriu a Vargas, que aceitou a sugest#o, a nomea"#o de G3is
6onteiro para o posto' -le transformaria o -/ército em )rbitro de situa"#o'
Nesse meio tempo, mais e/atamente a partir de mar"o de 19%&, iniciouAse a
mobili0a"#o de massas em apoio a Vargas, com total respaldo dos comunistas' 8restes
saiu da cadeia para lan"ar a palavra de ordem de G7onstituinte com GetúlioH' 8ara
surpresa da oposi"#o, e receio dos partid)rios de (utra, a popularidade de Vargas cresceu
seguidamente no país' Vargas reali0ou comícios de mais de cem mil pessoas e tudo se
passava como se ele fosse o verdadeiro candidato' 9 movimento GqueremistaH >de
GVueremos Getúlio[H? se alastrou e procurou mostrar sua for"a política reali0ando
sucessivas manifesta"1es de rua, numa demonstra"#o implícita de n#oAaceita"#o dos dois
nomes consagrados nas conven"1es partid)rias como candidatos D presid*ncia'
2té ent#o a posi"#o norteAamericana era de apoio a Vargas e de confian"a na
promessa deste de garantir a reali0a"#o das elei"1es' 9 embai/ador norteAamericano no
@rasil, 2dolf @erle Nunior, chegou mesmo a tranqKili0ar o (epartamento de -stado quanto
D agita"#o política promovida pelos comunistas' @asicamente por duas ra01es' 8rimeiro,
porque as rela"1es dos -stados ,nidos com a ,ni#o Ooviética n#o haviam ainda entrado
na fase da guerra fria >o primeiro ato público de que 8restes participou, ao sair da pris#o,
foi na embai/ada americana, numa cerimFnia de homenagem ao presidente +oosevelt,
falecido dias antes?L segundo, por entender que a mobili0a"#o política poderia constituir
um elemento de press#o para que as elites dirigentes brasileiras reali0assem reformas
sociais no país' 2 posi"#o norteAamericana, entretanto, come"ou a mudar, a partir do
segundo semestre de 19%&, em face da e/pans#o do movimento popular pr3AVargas e da
amplia"#o das dúvidas quanto Ds reais inten"1es deste' Joi nesse conte/to que se inseriu
o discurso pronunciado pelo embai/ador @erle, no final de setembro, louvando a
Gpromessa solene de se reali0arem elei"1es livresH C o que soou como uma advert*ncia
americana a Vargas' -mbora o discurso tivesse sido previamente submetido a Vargas,
que a ele n#o fi0era ob.e"1es, este se surpreendeu com a repercuss#o da fala do
embai/ador e a considerou como uma interven"#o indébita dos -stados ,nidos nos
neg3cios internos do @rasil'
No final de outubro, a polícia do +io de Naneiro, por press#o da hierarquia militar,
proibiu a reali0a"#o de manifesta"1es de rua que pudessem ser interpretadas como de
condena"#o ao quadro eleitoral e/istente' <al atitude tinha um endere"o certoI o
movimento GqueremistaH' Jrente D situa"#o criada, Vargas manobrou para substituir o
chefe de polícia de ent#o, No#o 2lberto :ins de @arros, por alguém de sua confian"a
pessoalI por seu irm#o, @en.amim Vargas' -ste epis3dio seria o estopim' 7onhecida a
inten"#o de Vargas, ela foi considerada como o primeiro passo para refor"ar seu esquema
de poder a fim de boicotar as elei"1es e, utili0andoAse de sua forte popularidade .unto Ds
massas, permanecer no poder' 2 informa"#o tornouAse conhecida na manh# do dia $9 de
outubro' No mesmo dia, com a aprova"#o dos dois candidatos D presid*ncia, G3is
6onteiro acionou seu dispositivo militar e depFs Vargas, pondo fim ao -stado Novo' 2
presid*ncia foi entregue provisoriamente ao presidente do Oupremo <ribunal Jederal, Nosé
:inhares, e das elei"1es, reali0adas na data prevista, saiu vencedor o general (utra'
Visto de uma perspectiva mais ampla, fa0endoAse abstra"#o do que é epis3dico e,
coisa mais difícil, da personalidade de Vargas C o -stado Novo aparece, em síntese,
como desempenhando essencialmente duas fun"1es' 2 primeira foi a de filtro político,
destinado a controlar autoritariamente os processos de incorpora"#o de novas camadas
sociais D vida econFmica e de inclus#o de novos grupos D estrutura de poder, de modo a
tornar possível a passagem de uma economia agroe/portadora para uma economia
urbanoAindustrial, sem que se produ0isse a ruptura do esquema b)sico de domina"#o' 2
segunda fun"#o parece ter siso a de conter as tend*ncias contradit3rias que se
manifestavam no Embito das elites dirigentes, quanto Ds alian"as internacionais a serem
estabelecidas em face da con.untura da guerra mundial, até que a op"#o correta, ou se.a,
pelo vencedor, se impusesse a todos'
Luciano Martins
colabora"#o especial


J9N<-OI 2+V' G-<\:49 V2+G2OL 72689O, J' Estado; 72+9N-,
-' Estado; 79,<4NY9, :' eneral; (,::-O, N'!argas; Y4:<9N, O' "rasil e as
grandes; 62+<4NO, :' Pouvoir; 69+24O J4:Y9, -' Problema; O7Y64<<-+,
8'#nterest; O4:V2, Y' Ciclo; O469NO-N, +' Planifica$ão; V2:2(2+-O, @' %empos&