EMPREENDEDORES

DA MODA
Rede de Atendimento
ao Empreendedor
O DIA A DIA DO
MICROEMPREENDEDOR
INDIVIDUAL
O DIA A DIA DO
MICROEMPREENDEDOR
INDIVIDUAL:
ROTINAS ADMINISTRATIVAS E
CONTÁBEIS NA PONTA DO LÁPIS
VOL. 1
O DIA A DIA DO
MICROEMPREENDEDOR
INDIVIDUAL
ROTINAS ADMINISTRATIVAS E
CONTÁBEIS NA PONTA DO LÁPIS
VOL. 1
FICHA TÉCNICA
2013 – SEBRAE MINAS
Todos os direitos reservados. É permitida a reprodução total
ou parcial, de qualquer forma ou por qualquer meio, desde que
divulgadas as fontes.
SEBRAE MINAS
Lázaro Luiz Gonzaga
Presidente do Conselho Deliberativo
Afonso Maria Rocha
Diretor-superintendente
Luiz Márcio Haddad Pereira Santos
Diretor-técnico
Fábio Veras Souza
Diretor de Operações
UNIDADE DE ATENDIMENTO INDIVIDUAL AO EMPREENDEDOR
Mara Regina Veit
Gerente
Ariane Maira Chaves Vilhena
Arnou dos Santos
Augusto Manso de Andrade
Beatriz de Carvalho
Haroldo Santos Araújo
Laurana Silva Viana
Luciana Cristine de Carvalho Lessa
Viviane Soares da Costa
Equipe Técnica
Chaves Vilhena Sociedade de Advogados
Consultoria Jurídica
Casa de Editoração e Arte
Editoração Eletrônica
Sílvia Aguiar
Revisão
SUMÁRIO
Rotinas administrativas e contábeis
Obtenção de alvará de funcionamento definitivo
Obtenção de Inscrições Municipal e Estadual
Contratação de um funcionário
Atividades diárias
Atividades mensais
Atividades anuais
Migração de Microempreendedor Individual para Simples Nacional
Alteração de Registro
Encerramento das Atividades
Como gerenciar seu negócio
Gestão financeira
Gestão de marketing
O Sebrae Minas e a gestão do seu negócio
Produtos e serviços de atendimento do Sebrae Minas
7
8
9
9
10
12
17
24
25
26
27
27
27
30
31
06 07
APRESENTAÇÃO
Prezado Empreendedor Individual,
Desde que surgiu a figura do Empreendedor Individual, em 2008, muito se tem
divulgado sobre as facilidades de se formalizar e os benefícios previdenciários e
tributários. Essas são questões importantes, mas como prosseguir após a forma-
lização? O que fazer? Como gerenciar esse negócio? Quais os próximos passos?
Pensando nisso, o Sebrae Minas vem desenvolvendo produtos e serviços para
ajudá-lo na gestão da sua empresa.
Em 2010, foi lançada a Série Empreendedor Individual, composta por dez cartilhas
relacionadas às atividades de maior interesse dos empreendedores. Nelas, você
encontrará dicas específicas sobre os negócios, orientações de como calcular o
preço de seus produtos e serviços, como fazer o controle de caixa, entre outros.
Visando auxiliá-lo nas questões burocráticas, o Sebrae Minas elaborou esta carti-
lha, que tem como objetivo responder algumas dúvidas sobre o dia a dia da empre-
sa. Aqui você encontrará respostas sobre emissão de Nota Fiscal, contratação de
funcionário, migração de Empreendedor Individual para outra forma empresarial,
alteração de dados e orientações sobre as rotinas de uma empresa.
O Sebrae está à disposição para dar orientações por meio do portal
www.sebraemg.com.br, pela Central de Relacionamento (0800 570 800) e nos
Pontos de Atendimento localizados em diferentes municípios do Estado de
Minas Gerais.
Boa leitura.
Mara Regina Veit
Gerente da Unidade de Atendimento Individual ao Empreendedor do Sebrae Minas
06 07
ROTINAS ADMINISTRATIVAS
E CONTÁBEIS NA PONTA DO LÁPIS
Após a formalização, existem alguns controles que precisam ser elaborados e
acompanhados, tais como validade de licenças, pagamento de impostos, contrata-
ção de funcionário, entre outros. Além desses controles, existem algumas obriga-
ções que precisam ser cumpridas.
A obrigação principal é o pagamento mensal do DAS – Documento de Arrecadação
do Simples Nacional. As outras obrigações são: o preenchimento do relatório men-
sal de receitas brutas; emissão de Nota Fiscal para pessoas jurídicas; entrega da
DASN-SIMEI – Declaração Anual de Faturamento.
Caso tenha um funcionário será necessário, também, entregar a RAIS – Relação
Anual de Informações Sociais e entregar a SEFIP – Sistema Empresa de Recolhi-
mento do FGTS e Informaçôes à Previdência Social.
Parece complicado, mas no decorrer da cartilha serão dadas as orientações neces-
sárias para que você possa cumprir com todos os seus compromissos.
A responsabilidade de prestação de serviço gratuito do contador (apenas os op-
tantes pelo Simples Nacional) para com o Microempreendedor Individual se res-
tringe ao Registro e a primeira Declaração Anual de Faturamento (DASN). Qual-
quer outro serviço é pago e o contador deverá ser consultado.
08 09
ALVARÁ
OBTENÇÃO DE ALVARÁ DE FUNCIONAMENTO DEFINITIVO
Ao se formalizar como Microempreendedor Individual, automaticamente, será
emitido um alvará provisório para que o seu negócio possa funcionar. Mas a prefei-
tura tem um prazo de até 180 dias para emitir o alvará definitivo. Após esse prazo é
necessário que você procure a prefeitura para pegar este documento.
Em Belo Horizonte é possível emitir o alvará através do site portal7.pbh.gov.br/alfi,
informando o número da consulta prévia aprovada e o CNPJ de sua empresa.
O estabelecimento estará sujeito a algumas fiscalizações, portanto fique atento
ao prazo de validade dos alvarás e deixe-os sempre em locais visíveis. Veja alguns
órgãos e o que eles fiscalizam:
*O alvará sanitário é necessário para empresas que trabalhem, por exemplo, com alimen-
tos, medicamentos, produtos de limpeza, cosméticos e agrotóxicos.
ÓRGÃO O QUE FISCALIZA
Prefeitura Alvará de funcionamento
Corpo de Bombeiros
Auto de Vistoria do Corpo de Bombeiros
- AVCB
Vigilância Sanitária* Alvará sanitário
08 09
OBTENÇÃO DE INSCRIÇÕES MUNICIPAL E ESTADUAL
Toda empresa formalizada deve possuir, assim como o Cadastro Nacional da
Pessoa Jurídica (CNPJ), as inscrições municipal, se serviços, e/ou estadual, se co-
mércio/indústria. É através dessas inscrições que a prefeitura e a fazenda estadual
controlam o funcionamento da empresa e os impostos que são gerados por ela.
Veja como obter as inscrições:
Inscrição Municipal
A Inscrição Municipal é emitida pela prefeitura local. Em Belo Horizonte o prazo é
de três dias úteis após o cadastro. Para mais informações acesse www.fazenda.
pbh.gov.br/fic/requerimento.asp
Inscrição Estadual
A Inscrição Estadual é emitida pela Secretaria Estadual da Fazenda e o prazo de
liberação é de três dias úteis após o cadastro. Para mais informações acesse
www.sintegra.fazenda.mg.gov.br/consulta_empresa_pesquisa.asp.
CONTRATAÇÃO DE UM FUNCIONÁRIO
Para que a contratação do empregado seja formalizada, você deverá solicitar ao
trabalhador a apresentação de alguns documentos que, além de ajudar na identi-
ficação dessa pessoa, possibilitarão o correto cumprimento das obrigações traba-
lhistas. Seguem alguns deles:
a) Carteira de Trabalho e Previdência Social (CTPS);
b) Título de eleitor (para os maiores de 18 de anos; opcional para maiores de 16
anos e menores de 18 anos);
c) Certificado de reservista ou de alistamento militar para os empregados brasi-
leiros do sexo masculino, com idade entre 18 e 45 anos;
d) Certidão de nascimento ou casamento;
e) Registro Geral – RG ou Registro de Identidade Civil – RIC;
f) Cadastro de Pessoa Física (CPF);
10 11
g) Documento de inscrição no PIS/PASEP (DIPIS) ou anotação correspondente
na CTPS. Caso o empregado não seja inscrito no PIS é responsabilidade da
empresa inscrevê-lo;
h) Cópia da certidão de nascimento de filhos menores de 14 anos, para fins de
recebimento de salário-família;
i) Cartão da Criança – que, a partir de 1/7/91, substitui a carteira de vacinação.
Deve ser apresentado o Cartão original dos filhos entre 1 e 7 anos de idade e/
ou comprovação semestral de frequência escolar dos filhos de 7 a 14 anos;
j) Carteira Nacional de Habilitação – CNH para os empregados que exercerão o
cargo de motorista ou qualquer outra função que envolva a condução de veí-
culo de propriedade da empresa. Lembre-se de que na carteira deve constar a
observação “exerce a atividade remunerada”;
k) Cartas de referência, se achar necessário;
l) Uma foto 3x4.
ATIVIDADES DIÁRIAS
• Faça um controle de tudo o que você recebe e tudo o que você paga diaria-
mente. Se possível, faça uma planilha com os campos para recebimentos em
dinheiro e em cartão. Esse controle dará uma visão de quanto dinheiro você
realmente tem no seu caixa e quanto você tem a receber a prazo.
• Guarde todos os comprovantes de recebimentos com cartões de crédito ou
débito. Esses comprovantes não devem ser descartados até que os valores
sejam depositados na sua conta. Não deixe de conferir todos os lançamentos.
IMPORTANTE
A rotina que envolve a contratação e a manutenção de um funcionário é bastante
minuciosa e diferenciada; dependendo do ramo de atividade, haverá convenção
coletiva de trabalho e outros benefícios estipulados por lei. Caso realmente pre-
cise de um ajudante, procure os serviços de um contador, pois as atividades são
muito detalhadas, incluindo a emissão das guias para pagamento de taxas. O
pagamento com atraso gera multas.
10 11
Exemplo de controle diário de caixa

Emissão de Nota Fiscal
O Microempreendedor Individual, obrigatoriamente, deverá emitir Nota Fiscal
nas vendas de produtos e nas prestações de serviços realizadas para pessoas
jurídicas (empresas) de qualquer porte, ficando dispensado desta emissão para
o consumidor final, pessoa física. Entretanto, a emissão da Nota Fiscal para pes-
soas físicas não é proibida, ficando a critério do empreendedor a sua emissão,
caso seja solicitada.
Como e onde acessar a Nota Fiscal
Indústria e Transporte Intermunicipal ou Interestadual:
A indústria somente poderá emitir NF avulsa por meio eletrônico, que deve
ser solicitada no portal da Secretaria de Estado da Fazenda (SEF) no seguin-
te endereço eletrônico: https://www2.fazenda.mg.gov.br/sol/ctrl/SOL/NFAE/
SERVICO_007?ACAO=NOVO&ACESSO_EXTERNO=1, sendo gratuita a emissão.
Comércio:
As atividades de comércio têm a possibilidade de emitir NF Avulsa por meio
eletrônico (mesmo procedimento da indústria) e Série D.
A nota série D, utilizada para vendas em que a mercadoria é retirada pelo con-
sumidor final na loja, deverá ser solicitada junto à gráfica de sua livre escolha.
Basta levar na gráfica o Certificado de Condição de Microempreendedor Indi-
CONTROLE DIÁRIO DE CAIXA - ANEXO 1
Empresa:
CONTROLE DIÁRIO DE CAIXA Mês/Ano
Dia Histórico Entradas Saídas Saldo
Saldo inicial
SALDO A TRANSPORTAR
12 13
vidual e imprimir a quantidade de blocos necessários para o desempenho de
suas atividades.
Serviço:
Para emissão de NF de serviços é necessário procurar a Secretaria de Finanças da
prefeitura da sua cidade, pois cada município possui um procedimento específico.
ATIVIDADES MENSAIS
• Pagamento do Documento de Arrecadação Simplificada (DAS). Esse pa-
gamento é referente aos impostos (ICMS e/ou ISS) e INSS que são pa-
gos pelo Microempreendedor Individual. Esta guia deverá ser paga até o
dia 20 de cada mês e poderá ser emitida através do Portal do Empreende-
dor: http://www.portaldoempreendedor.gov.br
• Preenchimento do Relatório Mensal de Receitas Brutas. Receita bruta é o valor
total de vendas de produtos ou de prestações de serviços. Caso você tenha
o hábito de fazer o controle diário de caixa, esta tarefa ficará bem mais fácil.
RESUMO MENSAL
Esta planilha será muito útil para que você consiga acompanhar o desempenho do
seu negócio. Através desse resumo mensal será possível visualizar facilmente se
a sua empresa está dando lucro.
O lucro é tudo o que sobra depois que se paga todos os compromissos, ou seja, des-
pesas (água, luz, telefone, aluguel, impostos, funcionário) e compras (fornecedores).
DIA TOTAL VENDAS (R$) TOTAL COMPRAS (R$) TOTAL DESPESAS (R$)
01
02
03
04
05
12 13
DIA TOTAL VENDAS (R$) TOTAL COMPRAS (R$) TOTAL DESPESAS (R$)
06
07
08
09
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31
TOTAL MÊS (R$) TOTAL MÊS (R$) TOTAL MÊS (R$)
14 15
EXEMPLO DO RELATÓRIO MENSAL DE RECEITAS BRUTAS
O modelo está disponível no Portal do Empreendedor:
www.portaldoempreendedor.gov.br.
RELATÓRIO MENSAL DE RECEITAS BRUTAS
CNPJ:
Microempreendedor Individual:
Período de apuração:
RECEITA BRUTA MENSAL - COMÉRCIO
1- Revenda de mercadorias com dispensa de NF (pessoas físicas) R$
2- Revenda de mercadorias com emissão de NF (pessoas jurídicas) R$
3- Total de recebimento das receitas (1+2) R$
RECEITA BRUTA MENSAL - INDÚSTRIA
4- Revenda de mercadorias com dispensa de NF (pessoas físicas) R$
5- Revenda de mercadorias com emissão de NF (pessoas jurídicas) R$
6- Total de recebimento das receitas (4+5) R$
RECEITA BRUTA MENSAL - SERVIÇO
7- Revenda de mercadorias com dispensa de NF (pessoas físicas) R$
8- Revenda de mercadorias com emissão de NF (pessoas jurídicas) R$
9- Total de recebimento das receitas (7+8) R$
Local e data: Assinatura:
ENCONTRAM-SE ANEXADAS A ESTE RELATÓRIO:
• As Notas Fiscais que comprovam as entradas de mercadorias e serviços tomados
no período;
• As Notas Fiscais emitidas referentes às vendas de mercadorias e serviços presta-
dos no período.
14 15
IMPOSTOS MENSAIS
Caso tenha um funcionário você precisará:
• Pagar a guia GPS (referente ao pagamento do INSS) no dia 20 de cada mês.
Caso não haja expediente bancário nesse dia, o pagamento o pagamento de-
verá ser antecipado;
• Elaborar o contracheque e efetuar o pagamento do salário até o 5º dia útil;
• Preencher e pagar a GFIP (referente ao recolhimento do FGTS) até o dia 7 de
cada mês. Caso o dia 7 não seja dia útil, o pagamento deverá ser antecipado.
Procure uma das agências da Caixa Econômica Federal para orientá-lo sobre
como baixar o sistema. Os arquivos gerados devem, obrigatoriamente, ser
transmitidos pela internet por meio do canal eletrônico “conectividade social”.
Acesse: https://conectividade.caixa.gov.br.
ATIVIDADE ECONÔMICA
DO MICROEMPREENDEDOR
INDIVIDUAL
RECOLHIMENTO
FIXO MENSAL
TRIBUTOS INCLUÍDOS
Comércio
R$ 34,90
ICMS: R$ 1,00
Contribuição Previdenciária Individual
1
:
R$ 33,90 Indústria
Prestação de Serviço R$ 38,90
ISS: R$ 5,00
Contribuição Previdenciária Individual
1
:
R$ 33,90
Atividade Mista
(comércio ou indústria
e prestação de serviço)
R$ 39,90
CMS: R$ 1,00
ISS: R$ 5,00
Contribuição Previdenciária Individual
1
:
R$ 33,90
Acesse o site www.sebraemg.com.br e baixe a cartilha do Sebrae Minas intitu-
lada “Como contratar funcionários”. Neste material você encontrará informações
detalhadas sobre o processo de registro e manutenção do funcionário
1
.
1 A base de cálculo refere-se ao salário mínimo vigente em jan/2013 (R$ 678,00).
16 17
DESPESAS COM FUNCIONÁRIO
2
O valor especificado acima refere-se apenas às despesas mensais. Além desse
valor, o funcionário recebe, uma vez por ano, férias, 1/3 de férias e 13º salário. Veja
o exemplo nas informações referentes às atividades anuais.
DESPESA VALOR
Salário mínimo R$ 678,00
3% INSS R$ 20,34
8% FGTS R$ 54,24
TOTAL R$ 752,58
O valor total das despesas com funcionário poderá sofrer alteração, pois depen-
dendo do caso, ainda será necessário o pagamento do vale-transporte e outros
benefícios obrigatórios estipulados em convenções coletivas de sindicatos.
Para fazer esse cálculo, preencha a tabela de cálculo do custo com empregado
– Microempreendedor Individual disponível no site www.sebraemg.com.br.
Lembre-se de que os cálculos exemplificados neste manual foram feitos com base
no salário mínimo – mas existem categorias, principalmente do comércio, que pos-
suem piso salarial diferenciado.
Para saber qual é o sindicato da sua categoria e ter acesso às convenções coletivas
procure o Ministério do Trabalho: portal.mte.gov.br/delegacias/mg/.
2 Despesas calculadas com base no salário mínimo vigente em jan/2013. Verifique no sindi-
cato o valor do piso salarial da sua categoria.
CONVENÇÕES COLETIVAS DE TRABALHO
16 17
EXEMPLO DE RECIBO DE SALÁRIO/CONTRACHEQUE
* O valor recebido pelo funcionário referente ao vale-transporte não consta no contrache-
que, pois o mesmo não pode ser pago em dinheiro. No contracheque consta apenas o valor
do desconto e a empresa fornece o cartão ou outra forma de conceder o benefício, lembran-
do que o valor do desconto não pode ser superior a 6% do salário.
RECIBO DE PAGAMENTO DE SALÁRIO
Empregador: Mês/Ano:
Empregado: CBO:
Descrição Vencimentos Descontos
Salário
Vale-transporte*
INSS
R$ 678,00
R$ 40,68
R$ 54,24
Total de vencimentos
R$ 678,00+
Total de descontos
R$ 94,92-
Total líquido R$ 583,08
Salário-base
R$ 678,00
Sal. Contr. INSS
R$ 678,00
Base Cálc. FGTS
R$ 678,00
FGTS do mês
R$ 54,24
ATIVIDADES ANUAIS
• Pagamento da Taxa de Fiscalização de Localização e Funcionamento – TFLF,
enviada pela prefeitura local.
• Pagamento da Taxa de Fiscalização Sanitária – TFS, enviada pela prefeitura local
(somente quando houver alvará sanitário).
• Pagamento da Taxa de Fiscalização de Engenho de Publicidade – TFEP, enviada
pela prefeitura local (caso a sua empresa possua placa ou letreiro luminoso).
• Declaração Anual do Microempreendedor DASN-SIMEI, realizada pelo Portal
Receita Federal do Brasil no mês de janeiro.
Acesse http://www8.receita.fazenda.gov.br/SIMPLESNACIONAL/ .
18 19
Essa declaração pode ser feita até o final de maio, mas os empreendedores
só conseguem imprimir as guias de pagamento mensal após a entrega da
declaração.
Dessa forma, é recomendado que ela seja feita no mês de janeiro para evitar
o pagamento de multas.
A multa pelo atraso na entrega é de R$ 50,00 por ano. Além da multa, o Empreen-
dedor que ficar inadimplente com o carnê de pagamento não terá a contagem dos
períodos em atraso para fins de carência para obtenção dos benefícios previdenci-
ários respectivos – ou seja, ficará sem a devida cobertura previdenciária.
Lembre-se de que, para fazer a primeira declaração, você poderá pedir a ajuda de
um contador optante pelo Simples Nacional e, somente nessa ocasião, este servi-
ço não poderá ser cobrado.
No Portal do Empreendedor há uma relação de contabilistas inscritos para esta
atividade.Para mais informações acesse www.portaldoempreendedor.gov.br.
18 19
Caso tenha um funcionário, você precisará:
• Gerar GFIP/SEFIP em dezembro, relativa ao 13º salário, de competência 13;
• Pagar a GPS (referente ao pagamento do INSS) até o dia 20 de dezembro,
relativa ao 13º salário;
• Preencher a Relação Anual de Informações Sociais - RAIS até 28 de fevereiro.
Mesmo que o funcionário tenha sido contratado no fim do ano, é obrigatório
declarar a RAIS. Acesse http://rais.com.br;
• Pagar a Guia de Recolhimento de Contribuição Sindical (GRCS) em abril, com
retenção em março. Caso o empregado tenha sido contratado após essa data
o recolhimento deverá ser feito no primeiro salário do funcionário, a não ser
que o empregado comprove outra retenção no ano.
• Atualizar a carteira de trabalho do funcionário registrando férias, alterações de
salário e outras mudanças ocorridas durante o ano.
20 21
É permitida a contratação de um segundo funcionário “por prazo determinado”
caso ocorra o afastamento do(a) funcionário(a) por licença médica ou materni-
dade. O contrato temporário deverá ser finalizado no retorno das atividades do
funcionário afastado.
As férias serão concedidas a cada 12 meses de contrato de trabalho, na época que me-
lhor atender o empregador, sendo comunicada ao empregado por escrito com no míni-
RECIBO DE FÉRIAS
Empregador: Mês/Ano:
Empregado:
Período aquisitivo:
Período de gozo: Dias gozados:
Descrição Vencimentos Descontos
Férias normais
1/3 férias
INSS
R$ 678,00
R$ 226,00
R$ 72,32
Total de vencimentos
R$ 904,00+
Total de descontos
R$ 72,32-
Total líquido R$ 831,68
Recebi de (nome da empresa) a importância de R$ 831,68 (oitocentos e trinta e um
reais e sessenta e oito centavos), conforme demonstrativo, relativa ao período aquisi-
tivo de férias acima especificado.
Pela clareza, firmo o presente dando plena e geral quitação.
Cidade, (dia) de (mês) de (ano).
_____________________________________ _____/_____/_____
Nome do funcionário Data
Exemplo de recibo de férias
20 21
LEMBRE-SE
Exemplo de contracheque com pagamento de 13º salário proporcional
RECIBO DE PAGAMENTO DE 13º SALÁRIO PROPORCIONAL
Empregador: Mês/Ano:
Empregado: CBO:
Descrição Vencimentos Descontos
Salário
13º salário (7/12)*
R$ 678,00
R$ 395,00
Vale-transporte R$ 40,68
INSS normal
INSS 13º
R$ 54,24
R$ 31,64
Total de vencimentos
R$ 1.073,00+
Total de descontos
R$ 126,56-
Total líquido R$ 946,44
Salário-base
R$ 678,00
Sal. Contr. INSS
R$ 1.073,00
Base Cálc. FGTS
R$ 1.073,00
FGTS do mês
R$ 85,88
Além do valor das férias dado no exemplo (R$ 831,68) você deverá pagar tam-
bém o salário referente ao mês trabalhado (R$ 623,76), que deverá vir sem o
desconto de vale-transporte.
mo 30 dias de antecedência e pagas até 2 dias antes do início das férias, acrescidas de
1/3 do salário. Poderá o empregado optar por vender no máximo 10 dias de suas férias.
Para mais informações procure o Ministério do Trabalho ou o sindicato da categoria.
*O exemplo acima é referente ao pagamento do 13º proporcional pago em duas parcelas, ou
seja, contracheque referente ao mês de novembro.
22 23
O 13º salário pode ser pago:
• Em duas parcelas, sendo a primeira paga entre os meses de fevereiro a no-
vembro ou por ocasião das férias do funcionário (quando ele solicitar). Já a 2ª
parcela será paga até 20 de dezembro, lembrando que o funcionário poderá
requerer a antecipação no mês de janeiro;
• Parcela única: para funcionários que foram contratados após o dia 17 de no-
vembro ou em dezembro, o pagamento será em parcela única, até o dia 20
de dezembro. O valor do 13º é pago proporcionalmente aos meses trabalhados.
Exemplo: se o seu funcionário trabalhou o ano inteiro ele receberá o 13º salário
integral. Caso ele tenha trabalhado apenas 7 meses no ano ele receberá 7/12 avos.
RESCISÃO DE CONTRATO DE TRABALHO
O comunicado da dispensa do empregado acontece por meio de um documento
chamado aviso prévio. Este documento é uma comunicação por escrito da extin-
ção do contrato de trabalho, que pode ser dada tanto pelo empregado quanto pelo
empregador.
O aviso prévio pode ser indenizado ou concedido. Se for indenizado (pagamento
sem trabalho), obriga o empregador a fazer o acerto rescisório com o trabalhador
no prazo máximo de 10 dias. Se o aviso for cumprido (trabalhado), o acerto deve ser
feito um dia após o término do contrato de trabalho.
Quando cumprido, o trabalhador poderá optar pela redução de duas horas por dia
durante o cumprimento do aviso prévio, ou sete dias ao final do prazo (23 dias),
para procurar novo emprego.
Não se esqueça de que, para cada ano de trabalho, o funcionário receberá 3
dias a mais de aviso prévio, ou seja, 2 anos + 6 dias; 3 anos + 9 dias, e assim
por diante.
Para aviso prévio trabalhado será necessário consultar o MTE ou o Sindicato
22 23
da categoria. Para romper o contrato de trabalho será necessário seguir alguns
procedimentos:
• Solicitar o exame demissional, que é obrigatório no ato da dispensa do funcio-
nário (ver a CLT art. 168);
• Preencher e assinar comunicação de dispensa ou pedido de demissão;
• Registrar desvinculação de emprego na carteira de trabalho e livro de funcionário;
• Preencher e assinar, em duas vias (um para empregador e outra para o empre-
gado), o Termo de Rescisão do Contrato de Trabalho de acordo com o modelo
disponibilizado pelo Ministério do Trabalho;
• Preencher e assinar, em quatro vias (uma para o empregador e três para o
empregado), o Termo de Quitação de Rescisão do Contrato de Trabalho, para
empregados com menos de um ano de serviço de acordo com o modelo dis-
ponibilizado pelo Ministério do Trabalho;
• Preencher e assinar, em quatro vias (uma para o empregador e três para o
empregado), o Termo de Homologação de Rescisão do Contrato de Trabalho,
para empregados com mais de um ano de serviço de acordo com o modelo
disponibilizado pelo Ministério do Trabalho;
• Entregar chave de conectividade para possibilitar ao empregado sacar o
FGTS, que é gerado pelo programa GRRF (somente no caso de dispensa
sem justa causa), lembrando que nesse caso a empresa paga uma multa
de 50% sobre o FGTS, mas o empregado recebe apenas 40% do benefício;
• Entregar o Perfil Profissiográfico Previdenciário (PPP). Para mais informações
consulte a Previdência Social ou o seu contador.
Conectividade Social é um canal eletrônico de troca de informações entre a Caixa
Econômica e as empresas que são obrigadas a recolher FGTS ou prestar informa-
ções à Previdência Social. Para mais informações procure uma agência da Caixa
Econômica Federal na sua cidade ou um contador.
FIQUE ATENTO
Ao contratar ou demitir um empregado toda empresa deverá comunicar o fato ao
Ministério do Trabalho - MTE até o dia 7 do mês seguinte, por meio do formulário
Cadastro Geral de Empregados e Desempregados - Caged.
24 25
MIGRAÇÃO DO MICROEMPREENDEDOR INDIVIDUAL PARA
SIMPLES NACIONAL
O desenquadramento do regime como Microempreendedor Individual ocorre
quando a empresa não mais cumpre as regras do regime do MEI, sendo os
casos mais comuns: faturamento superior ao limite de R$ 60.000,00 por ano,
interesse em contratar mais de um funcionário, ter sócio, abrir uma filial ou
mudar para outra forma de empresa.
Se o faturamento for superior ao limite, o MEI deverá realizar os seguintes
procedimentos:
• Faturamento ultrapassado em menos de 20%, ou seja, até R$ 72.000,00:
Em janeiro, realizar a declaração (DASN) como MEI. Desta forma, a empresa
será desenquadrada já em janeiro e o próprio sistema irá gerar o DAS referente
ao recolhimento dos tributos com base no Simples Nacional. O imposto devido
é calculado sobre o valor excedente até os R$ 12.000,00, e deverá ser pago em
única parcela, ainda em janeiro.
• Faturamento superior a 20%, ou seja, mais de R$ 72.000,00: Caso o exce-
dente do faturamento ocorra em dezembro, solicitar o desenquadramento em
janeiro do ano seguinte. Neste caso, o empresário deverá recolher os tributos
com efeitos retroativos a janeiro do ano anterior, com base no Simples Nacio-
nal. O imposto devido será calculado sobre o valor total que foi faturado no ano
e também será pago em uma única parcela em janeiro, incluindo juros e multa.
Caso o excedente do faturamento ocorra em qualquer outro mês, realizar o desen-
quadramento imediatamente. Neste caso, o empresário deverá recolher os tribu-

O aviso prévio pode ser dado à empresa pelo empregado. Nesse caso, ele deve
cumpri-lo ou pagá-lo.
Caso o funcionário tenha mais de um ano de serviço, a rescisão precisa ser feita
no sindicato (se houver) ou perante a autoridade do Ministério do Trabalho ou
Fórum.
NÃO SE ESQUEÇA:
24 25
tos com efeitos retroativos, desde o início do ano, com juros e multa, com base no
valor total que foi faturado até o momento e seguirá recolhendo impostos como
optante do Simples Nacional durante o ano vigente.
Nos demais casos (contratação de funcionário, opção por sócio, abertura de filial
ou mudança de tipo de empresa), o empreendedor deverá seguir os mesmos pro-
cedimentos do caso de faturamento superior a 20%.
No caso de ter um sócio, abrir uma filial ou mudar a forma da empresa, além das
instruções acima, deverá também dar entrada na Junta Comercial com a documen-
tação, por meio de um contador.
ALTERAÇÃO DE REGISTRO
O Microempreendedor Individual poderá efetuar a alteração de dados do registro
no site www.portaldoempreendedor.gov.br.
As alterações permitidas são referentes a endereço, atividades, forma de atuação
e nome fantasia e o Roteiro para Alteração está disponível no próprio site.
FIQUE ATENTO
No caso de alteração de endereço, atividade e forma de atuação será necessário
efetuar nova consulta prévia na prefeitura local.
Depois de realizado o procedimento no Portal do Empreendedor é necessário pro-
curar a prefeitura para solicitar a alteração nesse órgão.
IMPORTANTE
• O desenquadramento do Simples Nacional (SIMEI) é realizado no endereço:
http://www8.receita.fazenda.gov.br/SIMPLESNACIONAL/Servicos/Grupo.
aspx?grp=t&area=2.
• É obrigatória a contratação de um contador para assinar a documentação
fiscal da empresa.
26 27
A alteração do nome empresarial será realizada nos seguintes casos:
1) Mudança de nome de solteira para nome de casada;
2) Mudança de nome de casada para nome de solteira (quando for divorciada);
3) Reconhecimento de paternidade.
Para a mudança especial do nome em função do divórcio ou reconhecimento de
paternidade é necessária uma mudança judicial, ou seja, aprovação de um juiz.
Depois você deverá procurar a Receita Federal para fazer a atualização do
nome no CPF e, posteriormente, realizar o processo de alteração no Portal do
Empreendedor.
ENCERRAMENTO DAS ATIVIDADES
O Microempreendedor Individual poderá efetuar a baixa no site
www.portaldoempreendedor.gov.br onde está disponível o Roteiro para Baixa.
Para realizar este procedimento é importante que você quite todos os DAS desde o
período em que abriu a empresa até o mês em que decidiu dar baixa no seu CNPJ.
Além disso, é preciso fazer a Declaração Anual de Faturamento (DASN) marcando
a opção “situação especial” informando a data da baixa.
Depois de realizado o procedimento no portal do empreendedor é necessário
procurar a prefeitura para solicitar a baixa nesse órgão.
26 27
COMO GERENCIAR
SEU NEGÓCIO
Sabemos que a rotina de um Microempreendedor Individual é muito pesada,
pois você tem que se desdobrar ao longo do dia para dar conta de tudo o que
precisa ser feito.
Mas para que tenha sucesso no seu negócio é preciso que você não descuide
de alguns aspectos importantes, tais como gestão financeira, marketing, ven-
das, relacionamento com o cliente, entre outros.
GESTÃO FINANCEIRA
Não descuide do controle diário de caixa, pois é através dele que será possível
conferir se pagamentos e recebimentos realmente aconteceram e se o saldo
no final do dia confere com o registro de entradas e saídas de dinheiro no caixa
da empresa.
Outro fator importante na gestão financeira é avaliar a necessidade de crédito. Em
muitos casos não há a necessidade de dinheiro, mas sim de organização e controle
dos gastos financeiros.
Fazer empréstimo não é mau negócio, desde que seja para investir na empresa
e não para apagar incêndios. Essa alternativa é interessante, por exemplo, caso
você precise comprar uma nova máquina, produtos diferenciados para atender à
demanda dos clientes ou fazer uma reforma no imóvel.
GESTÃO DE MARKETING
Ao contrário do que muitos pensam, marketing não é apenas propaganda. Ele
também é responsável, dentre várias coisas, por avaliar o comportamento do
consumidor e identificar o que os clientes compram, que preço estão dispos-
tos a pagar, qual a melhor forma de divulgar o produto e atingir o cliente e
como o cliente é atendido.
28 29
Prestar atenção no comportamento do consumidor e nas mudanças do mercado
é muito importante para que você possa sair na frente da concorrência. Isso inclui
fazer comparativos entre a sua empresa e a de seus concorrentes no que se refere
a atendimento, forma de pagamento, promoção, serviços oferecidos, entre outros.
Através da diferenciação você atrai o cliente para a sua empresa.
VENDAS
O importante é vender e receber, não é mesmo? Veja algumas alternativas para
que isso aconteça:
• Quando aceitar cheques, peça o máximo de informações possíveis (identida-
de, CPF, referências pessoais, entre outras);
• Ofereça outras formas de pagamento, como cartões de crédito e débito, que
podem inclusive contribuir para aumentar as vendas e diminuir a inadimplência.
Não aceitamos cheque
Leis Estaduais 14.126/01 e 15.443/2005
Aceitamos cheques somente de clientes já cadastrados
Leis Estaduais 14.126/01 e 15.443/2005
Aceitamos cheques somente após consulta ao SPC
Leis Estaduais 14.126/01 e 15.443/2005
FIQUE ATENTO
Caso você não aceite alguma forma de pagamento, como por exemplo o cheque,
você deverá informar para o cliente antes mesmo que ele faça a compra.
Coloque uma placa em local visível. Veja os exemplos:
28 29
RELACIONAMENTO COM O CLIENTE
Hoje em dia é muito fácil encontrar o que precisamos. As lojas e os prestadores
de serviço oferecem praticamente os mesmos produtos e serviços. Então, o que
fazer para que não haja perda clientes?
Além da diferenciação de preços, promoções e um atendimento cordial, será pre-
ciso investir no relacionamento com os clientes.
E, para estabelecer este relacionamento, é importante que você fique o mais pró-
ximo do cliente e, sempre que possível, chame-o pelo nome. Para ajudá-lo nessa
tarefa crie um banco de dados com as informações de todos, como nome, telefo-
ne, endereço, CPF, aniversário, estado civil, aniversário de casamento etc. Essas
informações servirão para o envio de mala-direta ou e-mail marketing para os clien-
tes nas datas comemorativas.
Crie uma caixa de sugestões e reclamações, mas preste atenção: apenas ofereça
esta caixa se você realmente for dar atenção ao que os clientes dizem.

O assunto não acabou, e ainda temos muito que conversar. Existem várias coisas
importantes que você precisa saber sobre o gerenciamento de um negócio.
O 2º volume da cartilha trará mais informações e dicas sobre o assunto.
30 31
O SEBRAE MINAS E A GESTÃO
DO SEU NEGÓCIO
CONSULTORIA DE GESTÃO
Atendimento individual, pela internet, por telefone ou presencial, realizados por
técnicos especialistas do Sebrae Minas.
OFICINAS E CARTILHAS SEI –
SEBRAE EMPREENDEDOR INDIVIDUAL
SEI Comprar
SEI Controlar meu dinheiro
SEI Empreender
SEI Planejar
SEI Unir forças para melhorar
SEI Vender
*Para participar das oficinas verifique a disponibilidade de agenda na sua cidade
**As cartilhas estão disponíveis no site www.sebraemg.com.br.
MAIS INFORMAÇÕES
Acesse www.sebraemg.com.br ou ligue 0800 570 0800.
30 31
PRODUTOS E SERVIÇOS DE
ATENDIMENTO DO SEBRAE MINAS
ATENDIMENTO PRESENCIAL:
Pontos de Atendimento
Consultoria de Gestão Individual
• Atendimento pré-agendado realizado por técnicos especialistas em gestão de
pequenos negócios.
Orientação de Negócio
• Atendimento pré-agendado sobre os projetos, produtos e serviços oferecidos
pelo Sebrae, realizado pela equipe de atendentes.
ATENDIMENTO A DISTÂNCIA:
Central de Relacionamento
• Atendimento telefônico sobre todos os projetos, produtos e serviços do
Sebrae e parceiros, realizado pela equipe de atendentes.
Consultoria de Gestão On-line - Chat
• Salas de interação técnica sobre temas de gestão de micro e pequenos negó-
cios, realizada por técnicos de atendimento.
Consultoria de Gestão - Telefone
• Atendimento a distância, pelo telefone, com duração de até 20 minutos, pré
agendado pela Central de Relacionamento e realizado pelos técnicos de aten-
dimento.
Atendimento On-line e Fale com o Sebrae
• Atendimento virtual realizado pelos atendentes da Central de Relacionamento.
Central de Relacionamento: 0800 570 0800
Portal Sebrae Minas: www.sebraemg.com.br
32 33
REFERÊNCIAS
Cadastro Brasileiro de Ocupação.
Disponível em:<http://www.mtecbo.gov.br/cbosite/pages/home.jsf>.
Acesso em: 24 fev. 2011.
Cadastro Geral de Empregados e Desempregados – Caged.
Disponível em: <https://www.caged.gov.br>
Acesso em: 24 fev. 2011.
Caderno do Empreendedor Individual: orientações para quem agora é um Em-
preendedor Individual. Rio de Janeiro: SEBRAE, 2011.
Caixa Econômica Federal.
Disponível em: <http://caixa.gov.br>
Acesso em: 1 mar. 2011.
Ministério da Previdência Social.
Disponível em: <http://www.previdencia.gov.br>.
Acesso em: 22 fev. 2013.
Ministério do Trabalho e Emprego.
Disponível em: <http://portal.mte.gov.br/delegacias/mg>.
Acesso em: 22 fev. 2013.
Portal do Empreendedor.
Disponível em: <http://www.portaldoempreendedor.gov.br>.
Acesso em: 22 fev. 2013.
Receita Federal.
Disponível em: <http://receita.fazenda.gov.br>
Acesso em: 22 fev. 2013.
Rede de Atendimento
ao Empreendedor