TÓPICO 04: DECISÕES NA ÁREA FINANCEIRA

É importante destacar as principais decisões da área financeira. Um
administrador financeiro, além de reconhecer sua principal meta, deve
entender as decisões a serem tomadas e suas extensões na organização.
Portanto, é recomendável classificar tais decisões, de maneira a sistematizá-
las e compreendê-las.
São mostradas aqui três classificações não excludentes entre si. Desta
forma, elas podem ser enquadradas em mais de uma classificação. Para os
propósitos aqui levantados, são sugeridas classificações quanto aos TIPOS,
PRAZOS E NÍVEIS DAS DECISÕES FINANCEIRAS. Cada uma delas é
explorada nos subitens a seguir.
Quanto aos tipos, são listadas as decisões de investimento,
financiamento e distribuição de lucros.
4.1 TIPOS DE DECISÃO
• AS DECISÕES DE INVESTIMENTOS
• AS DECISÕES DE FINANCIAMENTO
• AS DECISÕES DE DISTRIBUIÇÃO DE LUCROS
AS DECISÕES DE INVESTIMENTOS
As decisões de investimentos dizem respeito aos comprometimentos de
recursos necessários para a organização obter, em um momento futuro,
algum tipo de retorno. Sejam em ativos circulantes ou permanentes, sejam
em ativos financeiros ou em outras empresas, é fundamental decidir que
projetos receberão recursos, em que quantidade e quais são os retornos
esperados, tendo em vista os objetivos traçados pela empresa e os meios
necessários para atingi-los.
AS DECISÕES DE FINANCIAMENTO
Uma vez definidos em quais ativos serão investidos os recursos
financeiros, a próxima decisão refere-se ao seu financiamento. Geralmente,
há algumas fontes de financiamento disponíveis aos gestores e analisar a(s)
melhor(es) para as atividades da organização é a segunda grande decisão dos
administradores financeiros. Normalmente, estas decisões têm como meta
principal reduzir o custo de capital da organização, concorrendo, desta
forma, para a maximização do seu valor.
AS DECISÕES DE DISTRIBUIÇÃO DE LUCROS
A última subdivisão em termos de tipos de decisão engloba aquelas
relacionadas à distribuição de lucros. Um gestor financeiro deve decidir,
sobre o lucro observado em determinado período, que parcela será
distribuída na forma de dividendos ou em outra forma. Como consequência
desta decisão, tem-se o complemento desta parcela que será reinvestido para
financiar parte das atividades da organização.
Como pode ser percebido, esta última subclassificação apresenta relação
muito próxima às decisões de financiamento. Uma vez que a distribuição de
ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA ORÇAMENTÁRIA
AULA 01: OBJETIVOS DA ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA
DECISÃO OPERACIONAL
Uma decisão operacional é tipicamente de curto prazo, com impacto
pontual e envolve baixos volumes de recursos. São decisões que podem ser
tomadas por escalões mais baixos na hierarquia organizacional. Como
exemplos têm-se operações de tesouraria, pagamentos de despesas
operacionais e gerenciamento de contas a receber.
lucros decorre da disponibilização do capital próprio para a organização e de
sua consequente necessidade de remuneração, além de determinar em que
parcela os lucros obtidos serão reinvestidos ou distribuídos, não deixa de
configurar-se como uma decisão de financiamento. Na medida em que parte
dos lucros auferidos é reinvestida na organização, esta é, na realidade, um
tipo de financiamento com recursos próprios.
Observando um balanço patrimonial, podem ser verificadas as
operações relacionadas a investimentos (ativos circulantes, realizáveis a
longo prazo e ativos permanentes), a financiamento (passivo circulante,
exigível a longo prazo e patrimônio líquido) e distribuição de lucros
(patrimônio líquido).
4.2 PRAZOS DAS DECISÕES
As decisões financeiras também podem ser classificadas quanto ao
prazo. Tipicamente, elas podem ser enquadradas em curto e longo prazo.
AS DECISÕES DE CURTO PRAZO
As decisões de curto prazo têm uma amplitude temporal curta, de no
máximo alguns meses. Os ciclos envolvidos nestas decisões são executados
rapidamente e dentro desta classificação podem ser citadas, por exemplo,
as aplicações em fundos de curto prazo, operações de desconto,
investimento em duplicatas a receber e compras de matérias-primas. Estas
decisões impactam os ativos e passivos de curto prazo e são executadas
normalmente por níveis hierárquicos mais baixos na organização.
AS DECISÕES DE LONGO PRAZO
As decisões de longo prazo, por sua vez, são relacionadas a operações
cujas repercussões ocorrerão em horizontes temporais distantes. Aquisição
de bens de capital, financiamentos de longo prazo, abertura de capital e
construção de um prédio são exemplos de decisões com impactos no longo
prazo e, por conseguinte, são assim classificadas.
Estas duas classificações têm relação estreita com a classificação
contábil. Contabilmente, lançamentos com realização dentro do próximo
exercício fiscal são considerados de curto prazo.
4.3 NÍVEIS DAS DECISÕES
As decisões financeiras podem ser classificadas de acordo com seus
níveis dentro da organização. Elas podem ser operacionais, táticas ou
estratégicas.
DECISÕES TÁTICAS
Decisões táticas são aquelas que têm um impacto um pouco maior na
organização. São relacionadas a políticas financeiras que orientam as ações
dos gerentes financeiros e permitem, por exemplo, uma padronização entre
as ações tomadas em diferentes unidades de negócio.
DECISÕES ESTRATÉGICAS
As decisões financeiras estratégicas refletem o planejamento
estratégico organizacional. Elas devem manter coerência com os objetivos
estratégicos traçados pela organização e, por isto, têm impactos profundos
nela, até mesmo em função do volume significativo de recursos envolvidos.
Os níveis hierárquicos mais altos tomam tais decisões, que por sua
amplitude afetam posteriormente as decisões táticas e operacionais.
FONTES DAS IMAGENS
Responsável: Prof. Sérgio César de Paula Cardoso
Universidade Federal do Ceará - Instituto UFC Virtual