UNIVERSIDADE DO ESTADO DA BAHIA – UNEB

Campus XIV - Departamento de Educação
Curso: Comunicação Social/Radialismo / 2013.2
Disciplina: Teorias da Comunicação
Docente: Nísia Alejandra Rizzo.
Discente: Ronilson Sapucaia.




1) Referência:
Wolf, Mauro. Teorias da Comunicação. Tradução: Maria Jorge Vilar de
Figueiredo. 5ª ed. Lisboa: Presença: 1999.

2) Notas sobre o autor:
Mauro Wolf formou-se em Florença e se tornou professor assistente na
Universidade de Urbino. A partir de 1975, ele ensinou em Bolonha, o
curso de Ciências da Comunicação como professor de Sociologia da
Comunicação, um papel que cumpriu até a sua morte em 1996, Em
1994 fundou e foi diretor da Biblioteca de Scienze della Comunicazione
do Centro de Estudos Baskerville. Ele também foi diretor científico dos
cursos de aperfeiçoamento da Escola Suíça italiana de Jornalismo.

3) Objetivo do texto:
Wolf objetiva sua análise referenciando justamente os desenvolvimentos
de pesquisas que conduziram ao abandono da teoria hipodérmica, já
que esta, até então, caracterizava o processo da comunicação de massa
de um ponto de vista mecânico e linear. Ele tenta evidenciar as
conclusões que fortalecem uma análise mais minuciosa da relação entre
os media e os receptores, desviando-se do conceito inicial hipodérmico.

4) Argumentação central:

Ele fala sobre a abordagem empírico-experimental ou da persuasão,
aliado à abordagem empírico de campo, fazendo com que se distancie
da teoria hipodérmica. Os estudos de experimentos psicológicos são
focados na revisão do processo comunicativo. Antigamente entendido
como uma relação mecanicista e imediata entre estímulo e resposta.
Mostra os avanços ocorridos nas relações entre media e receptores


5) Contraposições:

“ A audiência revelava-se intratável. As pessoas decidiam por si se
deviam ou não escutar. E mesmo quando escutavam a comunicação
podia não provocar qualquer efeito ou provocar efeitos opostos aos
previstos. Os investigadores eram obrigados a desviar progressivamente
a sua atenção da audiência a fim de compreenderem os indivíduos e o
contexto que a constituíam. ” (Bauer, 1958, 127/ pág.30)


6) Citações:

“ Persuadir os destinatários é um objetivo possível, se a forma e a
organização da mensagem forem adequadas aos fatores pessoais que o
destinatário ativa quando interpreta a própria mensagem.” (p. 31)


7) Juízo:

Ele mostra os avanços dos efeitos diretos e imediatos para os efeitos
indiretos e a médio e a longo prazo das mensagens. Antes da
abordagem empírico experimental e de campo, existia a teoria da agulha
hipodérmica, que sua característica principal era a relação mecanizada e
imediata, na qual, tudo gira em torno de um estímulo e uma resposta.
Depois, todos os estudos psicológicos e sociológicos realizados foram
voltados para uma interpretação mais apurada do receptor, ou seja,
existem várias formas de entender a mensagem. O olhar de cada um
difere o que se pensa sobre o resultado final. Podemos assistir a um
filme duas vezes e saber que a segunda será totalmente interpretada de
outra maneira.