You are on page 1of 4

Mestrado em Teatro e

Laboratório Teatral – Teatro Fórum comunidade 2009

Planificação da Sessão ESTC

TEATRO E COMUNIDADE / TEATRO FÓRUM

Temática: A Sujidade do Bairro – Zona J de Chelas (Freguesia de Marvila)

Actores Sociais: Elementos da comunidade de Chelas – Zona J – moradores e
trabalhadores da zona J

Formadores: Filipa Albuquerque

Local: EB1 n.º 54– Ginásio da Escola Básica do 1º Ciclo n.º 54 de Lisboa

Data: 06/06/09 das 17.30 ás 19.30

1. PERSPECTIVA GLOBAL DA SESSÃO

TEATRO FÓRUM

Pretende-se sensibilizar a comunidade da zona J para a importancia da preservação do
espaço que habitamos. Deseja-se uma reflexão colectiva sobre as problemáticas
desencadeadas por um ambiente pouco higiénico e degradado. É nosso objectivo
desencadear um despertar da consciencia colectiva, através de uma acção participada
de cada elemento individualmente. As soluções para esta problemática estão ao alcance
de todos. Para transformar é necessário agir e é nessa prespectiva que convidamos a
comunidade a experiementar novas formas de estar comuns e a criar novas formas de
se respeitar e de respeitar o outro. A possibilidade de nos podermos ver de fora, de um
diferente ponto de vista, é em si, transformadora. A possibilidade de nos representarmos
a nós próprios, de nos representarmos no nosso eu utopico, é uma oferta do Teatro-
forum, que transforma em acção.

Noção de teatro fórum dentro da temática da falta de higiene dos espaços comuns do
Bairro.
Tónica: Percepção do grupo; consciência corporal; trabalhar a activação e memória dos
sentidos, sensibilização aos códigos teatrais.
Dar gramática de teatro imagem e teatro fórum através dos indutores de Viola Spolin:”O
Quê? Quem? Onde? e de algumas técnicas de recuperação de memória propostas por
stanislavski e reaproveitadas por Boal.
2. PLANIFICAÇÃO DA SESSÃO: ACTIVIDADES NO ESPAÇO E NO TEMPO

2.1- APRESENTAÇÃO DA ACTIVIDADE DE FORMA LÚDICA POR PARTE DO
FORMADOR
Jogos de quebra-gelo para auto-conhecimento do grupo e foco na temática da higiene
do bairro: Jogo social de aromas – relaciona nome e odor.
a) Jogo de apertos de mão – ninguém pode largar a mão de um elemento sem estar
já em toque de mão com outro elemento.
b) Em pequenos grupos cada elemento tentará reconhecer as pessoas do seu
grupo pelo cheiro da sua mão. (olhos fechados)
c) O jogo anterior vai alargar-se ao grande grupo criando uma grande comunidade
de reconhecimento pelo odor.

2.2- PÔR-SE EM CENA – AQUECIMENTO MOTOR /VOCAL E JOGO TEATRAL
Exercício de actividade muscular; jogo de ritmo e coordenação óculo-manual, jogo de
memória;

a) Cada elemento do grupo tenta apanhar objectos do chão, de cada vez que o faz
terá de ter consciência dos músculos que mexe e quais os mais activos em cada
posição.
b) Jogo com vassouras: dois elementos, frente a frente e com vassouras na mão
realizam um ritmo de tique-taque com as vassouras formando uma porta de
passagem (quando uma vai para cima a outra vai para baixo). Os restantes
elementos do grupo terão de passar pelas vassouras quando nesse ritmo elas
permitam uma passagem. O jogo pode ir-se dificultando acrescentando
vassouras no corredor de passagem.
c) Sentados numa cadeira, cada elemento vai tentar lembrar-se dos cheiros pelos
quais passou durante o dia. O formador vai dando indicações – “quando acordei,
hoje de manhã. Quando saí de casa… no caminho para o trabalho… nos
transportes… nas ruas do bairro…). Cada elemento deve ir fazendo sons e
movimentos (não forçados) à medida que se vai recordando dos odores pelos
quais passou durante o seu dia.

Competências:
- trabalhar o corpo enquanto elemento uno consciente dos seus processos
- trabalhar os tempos e o ritmo
- trabalhar a memória sensorial
- criar activadores sensoriais – em particular o sentido do odor
3. Desenvolvimento da actividade (gramática da criatividade /improvisação)

JOGO DE ESTÁTUAS:
Os elementos espalham-se pelo chão da sala de trabalho. Cada elemento dará forma
ao seu corpo, como se fosse lixo espalhado na rua. Cada pessoa terá de ter consciencia
de que peça de lixo exacta se trata.
Os escultores vão sendo escolhidos aleatóreamente. Cada escultor terá de construir
uma estátua reciclando as peças (os outros elementos do grupo) que encontra na sala.
Cada estátua é observada e vai sendo transformada ou acrescentada pelo próximo
escultor.

TEATRO IMAGEM :
Teatro Imagem em 6 tempos
1. Todos andam pela sala até que, em pares, se iniciam movimentos relacionado
com a limpeza do lixo.
2. O formador elege um dos pares e, num segundo momento, outros pares devem
juntar-se àquele movimento compequenos apontamentos do movimento realizado
antes. Agora em grupos de 4 elementos.
3. Vai-se acrescentando som aos movimentos
4. Movimento e palavra que deve nascer de forma orgânica
5. Jogo da máquina (o coro vai-se mecanizando em som e movimento de forma
integrada)
6. Criação de um final da acção

- Todos os elementos poderão ver o trabalho de cada grupo/máquina de
limpeza/reciclagem.

4. SESSÃO DE TEATRO FÓRUM

1ª Acção: À janela, num dos prédios da zona J , duas vizinhas falam da vida dos outros
e vão sujando a rua com cascas de laranja e outros objectos.
2ª Acção: Uma professora da escola queixa-se porque foi atingida por um pacote de
leite.
3ª Acção: Um rapaz passeia o cão e deixa-o fazer as suas necessidades no passeio
4ª Acção: uma criança tenta brincar no passeio, mas tem que se desviar de todas as
sujidades
5ª Acção: A mãe do rapaz ralha com o menino porque este se sujou.
6ª Acção: O pai do rapaz zanga-se com a mãe, porque acha que o menino não é o
culpado e dirige-se ao dono do cão para
a o chamarr à atenção
o.
7ª Acção: Todos discutem
d e chamam nomes e entretantto mais ob
bjectos vã
ão sendo
atirados para
p a rua por vizinho
os de outro
os andares
s.
O público
o assiste a todas as cenas. De
e seguida repetem
r ass acções e
em teatro fórum.
f O
publico va
ai substituir os protag
gonistas procurando resolver os
o conflitoss apresentados em
palco.

Relaxame
ento Criattivo / Avaliação vive
encial

Exercício de relaxamento porr partes doo corpo. En nergia bran
nca que peercorre o corpo
c de
baixo para
a cima, cuulminando numa saíd da de enerrgia suja acumulada
a , por uma abertura
imaginária
a no cimo do crânio o. O exercício funcio
onam como o uma form
ma de enc contrar o
centro do corpo, fun
ndar energia e levá-la
a às diferentes partes do corpo
o para o pu
urificar. A
energia branca
b insttala-se e toma o lugar da en nergia sujaa que saí deixando o corpo
limpo.

5. RECUR
RSOS NEC
CESSÁRIO
OS

Organiza
ação do es
spaço:

Espaço Físico:
F Connstrução do
d espaço vazio
v (limp
po, organizzado, dispo
onível)
Materiais
s cénicos: vassourass e adereços para teatro fórum
Multi-méd
dia: Leitor de
d CD, colunas e Cds de músicca escolhaa para cadaa função

NIZAÇÃO DA AVAL
6. ORGAN LIAÇÃO

- Converssa informal com o gru
upo sobre a sessão e recepção o das suas opiniões
- Registo vídeo da sessão
s e posterior vissionamentto para auto-avaliaçã
ão mais cu
uidada.

Filipa Isabel de Albuquerque A. C. Santos de Almeida
A

Related Interests