Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia

Departamento de Química e Exatas – Campus Jequié
Disciplina: nor!"nica #$% DQE&'() *arm+cia
COMPOSTOS INORGÂNICOS E SUAS CORES
Por que alguns compostos em solução são coloridos?
,s cores dos complexos e a lu- visível. /u- 0ranca: se voc1 passar a lu- 0ranca por
um prisma ela se divide em todas as cores do arco&íris.
, lu- visível é apenas uma pequena parte de um espectro eletroma!nético2 que
compreende a maioria das quais n3o podemos ver & os raios !ama2 raios 42
in5ravermelho2 ondas de r+dio e assim por diante. Cada uma delas tem um
comprimento de onda particular2 variando de $6
&$7
metros nos raios !ama a v+rias
centenas de metros nas ondas de r+dio. , lu- visível tem comprimentos de onda de
cerca de 866 a 9)6 nm. #$ nan:metro ; $6
&(
metros%.
< dia!rama mostra uma aproxima=3o com o espectro de lu- visível.
>ota: as cores e os seus limites representados acima é uma aproxima=3o do espectro real ?til para 5ins
did+ticos
Violeta: 400 - 420 nm
Indigo: 420 - 440 nm
Azul: 440 - 490 nm
Verde: 490 - 570 nm
Amarelo: 570 - 585 nm
Laranja: 585 - 620 nm
Vermenlho: 620 - 780 nm
Absorção de luz visível por um omple!o
Porque uma solução de cobre (II) é azul?
Se a lu- 0ranca2 por exemplo2 lu- solar comum2 passa através de co0re #%2 na
solu=3o de sul5ato2 a lu- de certos comprimentos de onda da é a0sorvida pela solu=3o.
< íon co0re #% em solu=3o a0sorve lu- na re!i3o vermelha do espectro. , lu- que
passa através da solu=3o e é re5letida2 vai re5letir ter todas as cores2 exceto para o
vermelho. @emos essa mistura de comprimentos onda como um a-ul p+lido. <
esquema a0aixo d+ uma no=3o do que ocorre com a solu=3o de sul5ato de co0re.
>a roda de cores a0aixo2 as cores diretamente opostas s3o as cores complementares.
, re!i3o do a-ul escuro #índi!o% e parte violeta s3o complementares ao amareloA
vermelha e verde s3o complementares entre si2 e assim s3o o vermelho&tiBolo e o a-ul
claro2 etc. Cistura de duas cores complementares de lu- vai lhe dar a lu- 0ranca. >a
realidade2 as cores na roda deveriam variar de um tom claro para escuro #dé!radé%
para dar uma melhor no=3o da complementaridade. Cediante a roda de cores
podemos dedu-ir que2 se a solu=3o do íon co0re apresenta a cor a-ul&clara é porque
est+ a0sorvendo na re!i3o do vermelho&tiBolo. Experimentalmente2 quando medido por
um espectro5ot:metro U@&@is2 o espectro de a0sor=3o da solu=3o de CuS<8
apresenta um pico de a0sor=3o m+xima em 766 nm.
, se!uir podemos ver na 5i!ura a0aixo um espectro de a0sor=3o de duas solu=Des
#629) $ $26 mol./
&$
% de EFi#H'O%7G
HI
coletado por um aparelho espectro5ot:metro U@&@is.
<0serve que o m+ximo de a0sor=3o é de 8(6 nm. Como a amostra a0sorve mais
5ortemente nas re!iDes do verde e amarelo do espectro visível2 a sua cor aos olhos
parece ser vermelha.
*i!ura. Espectro de a0sor=3o na re!i3o do visível de solu=Des $26 e 629) mol./
&$
de
EFi#H'O%7G
HI
#le!enda: a0sor0ance ; a0sorv"nciaA Javelen!th ; comprimento de ondaA
units ; unidades%
A ori"em d#s ores dos omple!os de me$#is de $r#%sição &Teori# do C#mpo
Cris$#li%o ' TCC(
O que é um metal de transição?
Cuitas ve-es2 casualmente2 ouvimos 5alar so0re os metais de transi=3o como as do
meio da ta0ela periKdica2 onde or0itais d s3o preenchidos2 mas estes devem
realmente ser chamados de elementos de 0loco LdM2 em ve- de elementos de transi=3o
#ou metais%. , de5ini=3o usual de um metal de transi=3o é: & aquele que possui um ou
mais íons est+veis e apresentam or0itais d preenchidos de 5orma incompleta. , vers3o
a0reviada da Fa0ela NeriKdica a0aixo mostra a primeira linha do 0loco d2 onde os
or0itais Hd est3o sendo preenchidos:
< elemento do 0loco&d Oinco #On%2 com a estrutura eletr:nica2 E,rGHd
$6
8s
'
n3o é visto
como um metal de transi=3o2 independentemente da de5ini=3o usada. >esse metal2 o
nível Hd est+ preenchido. Quando se 5orma o íon On
'I
2 os seus dois elétrons 8s s3o
perdidos & o nível HD continua completamente preenchido #E,rGHd
$6
%. >o inicio da linha2
o esc"ndio #E,rGHd
$
8s
'
% tam0ém n3o conta como um metal de transi=3o. Em0ora haBa
um nível d do metal parcialmente preenchido2 quando este metal 5orma íons Sc
HI
2 ele
perde os tr1s elétrons exteriores2 5icando com a con5i!ura=3o #E,rGHd
6
%. < íon Sc
HI
n3o
é considerado como um íon de metal de transi=3o2 porque o seu nível Hd est+ va-io.
<0serve que nas cinco solu=Des dos íons hexaaqua&complexos a0aixo todas se
apresentam incolores #0rancos ou 0rancos acin-entados%. ,s tr1s primeiras solu=Des
s3o de metais representativos dos 0locos s e p #n3o&transi=3o%2 e as duas ?ltimas
solu=Des dos de íons complexos On#% e Sc#%2 todas as solu=Des apresentam a
mesma característica – a de n3o a0sorverem ener!ia de comprimento de onda na
re!i3o da lu- visível2 ou seBa2 n3o se apresentam colorida.
J+ as cinco solu=Des dos íons complexos que v1m na série a se!uir #a0aixo% s3o todos
coloridos.
,l!uns2 como o hexaaquaman!an1s #% e hexaaqua5erro #% #n3o mostrados%2 s3o
5racamente coloridos. Ent3o2 concluímos que os íons de metais de transi=3o a0sorvem
em comprimentos de onda da lu- visível #causando cor%2 enquanto íons de metais
representativos n3o o 5a-em. E o0servamos tam0ém que a cor varia de íon para íon.
Nesquisando a ori!em da cor nos íons complexos contendo metais de transi=3o2 vimos
que os Pons complexos contendo metais de transi=3o s3o !eralmente coloridos2
enquanto que os íons similares de metais de n3o&transi=3o n3o apresentam qualquer
cor. sso su!ere que os or0itais d parcialmente preenchidos devem estar envolvidos no
5en:meno da !era=3o de cor. @amos considerar os complexos octaédricos2 nos quais
existem seis li!antes arranBados em torno do íon do metal posicionado no centro.
Qepare no íon complexo hexaaquaníquel #% representado a0aixo2 trata&se de um
composto octaédrico.
OH
2
O H
2
OH
2
OH
2
O H
2
OH
2
Ni
2+
Pon hexaaquaníquel #% #desenho 5eito no ChemSRetch $'.6%
d
z
2
z
x
y
d
x
2
- y
2
y
x
z
x
d
xy
d
xz
d
yz
y
z
<r0itais at:micos d dos metais de transi=3o #ChemSRetch%
, FCC prev1 que2 quando os seis li!antes se li!am com o íon de metal de
transi=3o2 ao lon!o dos eixos x2 S2 -2 haver+ repuls3o entre os elétrons dos li!antes e
os elétrons nos or0itais d do íon met+lico2 e2 isso provoca um aumento da ener!ia dos
or0itais d #de!enerados%. >o entanto2 devido T 5orma como os or0itais d s3o dispostos
no espa=o #5i!ura acima%2 essa repuls3o eletrost+tica n3o eleva #ou a0aixa% as
ener!ias dos cinco or0itais #d
-
'2 d
x
'&
S
'2 d
xS
2 d
S-
2 d
-x
% i!ualmente. Esses or0itais2
inicialmente com a mesma ener!ia para o mesmo nível de ener!ia2 so5rem um
desdo0ramento que os divide or0itais em dois !rupos. <s tr1s or0itais d
xS
2 d
S-
e d
-x
2
chamados de or0itais t)"2 s3o menos repelidos pelos elétrons dos li!antes e ocupam
um nível de ener!ia menor do que os or0itais d
-
' e d
x
'&
S
'2 chamados de or0itais eg. <s
lo0os dos or0itais eg apontam 5rontalmente para as nuvens eletr:nicas dos li!antes2
porque esses lo0os se posicionam nos mesmos eixos #x2 S2 -% dos li!antes no espa=o.
>íveis de ener!ia dos or0itais d em um complexo octaédrico com o desdo0ramento de ener!ia
do campo li!ante ∆o ; $6 Dq. Cada quadrado2 que é um or0ital2 pode ocupar dois elétrons.
< tamanho do gap de ener!ia entre os or0itais desdo0rados #∆o ; $6 Dq% varia de
acordo com a nature-a do íon met+lico de transi=3o2 seu estado de oxida=3o #se é HI
ou 'I2 por exemplo%2 0em como a nature-a dos li!antes e a !eometria do complexo.
Quando um complexo é exposto T lu- de 5requ1ncia adequada2 um elétron dos or0itais
t)" pode ser promovido #excitado% para um dos or0itais eg de ener!ia mais alta e a lu-
é a0sorvida. , ener!ia molar do desdo0ramento do campo cristalino pode ser
determinada pelo comprimento de onda #o inverso da 5requ1ncia% da lu- a0sorvida
pelo complexo2 λ #la0da% em nan:metros #nm ; $6
&(
m%.
<nde2 >, ; 726'' x $6
'H
mol
&$
#constante de ,vo!rado%A h ; 727'7 x $6
&H8
J.s #cte. de
NlancR%A c = '2((U x $6
U
m.s
&$
#velocidade da lu-%.
, di5eren=a de ener!ia entre os or0itais eg e t)"2 qualquer que seBa seu valor em
termos de RJ mol
&$
2 é de5inida como $6 Dq ou Vo e denomina&se desdo0ramento do
campo cristalino. O alor num!ri"o da energia "orre#$ondente a %0 &' ! uma medida da
(or)a do campo eletro#t*ti"o+ ,#te alor $ode #er determinado a $artir de dado# e#$e"trai#
-a.#or)/o0+ Nor exemplo2 o complexo hexaaquatit"nio #% possui um ?nico elétron d
que pode ser excitado do or0ital t)" para um dos or0itais eg2 a0sorvendo lu- de
comprimento de onda de )$6 nm #ver !r+5ico na p+!ina H%. , ener!ia de
desdo0ramento do campo cristalino #∆o% é i!ual a
Este complexo apresentar+ a cor vermelha2 que é a cor complementar a de
a0sor=3o #verde% em )$6 nm #ver roda das cores%.
Comple!os $e$r#*drios
, Feoria do Campo Cristalino pode ser aplicada tam0ém T complexos tetraédricos2
neste caso o desdo0ramento dos or0itais at:micos do íon met+lico ser+ 5eito de uma
5orma di5erente2 na verdade2 de 5orma oposta ao que ocorre para complexos
octaédricos. >o caso da !eometria tetraédrica2 os li!antes se aproximar3o do íon
met+lico pelas as dia!onais. <s or0itais do íon met+lico que so5rer3o mais o e5eito da
repuls3o ser3o aqueles que n3o est3o dispostos ao lon!o do eixo de coordenadas2 ou
seBa2 os or0itais2 d
xS
2 d
x-
e d
S-
2 com isso2 estes or0itais ser3o desesta0ili-ados em 8 Dq
e os or0itais d
x
' &
S
' e o d
-
' ser3o esta0ili-ados em 7 Dq2 pois eles n3o est3o
participando diretamente da li!a=3o.
<s níveis de ener!ia de um complexo tetraédrico2 como o desdo0ramento do campo cristalino
Dt.
O v#lor de +, -. pode ser i%/lue%i#do por #l"u%s /#$ores0 $#is omo1
$. Simetria do campo eletrost+tico: quanto mais simétrico 5or o campo
eletrost+tico2 maior ser+ o valor de $6 Dq. Uma simetria maior si!ni5ica um maior
n?mero de li!antes em torno do íon met+lico2 exemplo disso é a !eometria
octaédrica com n?mero de coordena=3o #>C;7% contra a !eometria tetraédrica
#>C;8%. < desdo0ramento dos complexos octaédricos s3o maiores do que os
tetraédricos.
'. >?mero qu"ntico principal do metal2 ou seBa2 quanto maior 5or o nível
eletr:nico do metal2 maior ser+ o valor de $6 Dq. Exemplo2 íons com con5i!ura=3o
eletr:nica )d possui maior $6 Dq do que íons com con5i!ura=3o 8d ou Hd. ,
se!uir temos a ordena=3o de al!uns íons met+licos se!undo o aumento de $6 Dq:
Cn
'I
W @
'I
W Co
'I
W *e
HI
W >i
'I
W *e
'I
W Co
HI
W Cn
8I
W Qu
HI
W Qu
'I
Wr
HI
W Nt
8I
H. >?mero de oxida=3o do íon2 quanto maior 5or o >ox do íon met+lico2
maior ser+ a intera=3o metal&li!ante #maior atra=3o do n?cleo do metal%2 assim2
maior ser+ o valor de $6 Dq. >ote que os íons met+licos da primeira série de
transi=3o #íons Hd% podem 5ormar complexos de spin 0aixo ou de spin alto2
dependendo do campo exercido pelos li!antes. Entretanto2 os íons Qu
HI
e Qu
'I
#íons 8d% e r
HI
e Nt
8I
#íons )d%2 que apresentam acentuado acoplamentos spin&
Kr0ita #este conceito pode ser visto na re5er1ncia )%2 o que contri0ui para
aumentar o valor de $6 Dq2 independentemente do campo exercido pelos
li!antes.
8. >ature-a do li!ante2 os li!antes s3o classi5icados2 se!undo dados
experimentais espectrométricos2 na chamada série espectroquímica:
&
W Br
&
W S
'&
WX SC>
&
W Cl

W ><H

W*

W <Y

W oxW Y'< W pS X>YH W en W dipS W ><'

W C>

W
C< . < li!ante C< é o que produ- maior desdo0ramento do campo cristalino2 pois
este li!ante possui or0itais pi #π% livres que possi0ilitam a ocorr1ncia de
retrodoa=3o de elétrons entre o li!ante e o íon met+lico #5en:meno explicado pela
teoria do campo li!ante%.
Referencias Consultadas:
$ & N+!ina QuiPadInorg!nica" http:ZZ-eus.qui.u5m!.0rZXquipadZinoZindex.html
#acesso 6)Z6)Z'6$6%.
' & B,QQ<S2 Y.C. Química inor!"nica& Uma introdu=3o. $[ edi=3o2 Belo Yori-onte2
$(().
H & C<FF<>2 *.,.A \/]>S<>2 ^. Química inor!"nica. Ed. /ivros técnicos e
cientí5icos2 $[ edi=3o2 Qio de Janeiro2 $(9U.
8 & ,F]>S2 N.A /<QEFF,2 J. Nrincípios de Química: Questionando a vida
moderna e o meio am0iente. 'ed. Norto ,le!re: BooRman2 '66$.
) &D<U^/,S2 BodieA CCD,>E/2 DarlA ,/E4,>DEQ2 John. Concepts and Codels
o5 nor!anic ChemistrS2 Fhird Edition. John \ileS _ Sons2 nc. >`2 $((8.