FACULDADE DE ENFERMAGEM DO HOSPITAL ISRAELITA ALBERT EINSTEIN

Susan Leite
Prevenção Da Bronoas!iração e" Crianças Hos!ita#i$a%as o" Nutrição
Entera#& Revisão Narrativa %a Literatura
São Pau#o
'()*
Trabalho de conclusão de curso para obtenção do
titulo de Especialista em Enfermagem Pediátrica e
Neonatal, apresentado à Faculdade do Hospital
Israelita lbert Einstein, como pr!"re#uisito para a
disciplina de Trabalho de conclusão de curso$
Orienta%ora% Prof& ndrea 'ampos
1 INTRODUÇÃO
(ma das necessidades básicas para a )ida humana ! a alimentação, todo
desen)ol)imento f*sico, ps*#uico e intelectual dependem de uma alimentação correta
e e#uilibrada, a sua import+ncia aumenta durante a inf+ncia e adolesc,ncia, onde o
ser humano encontra"se em crescimento e desen)ol)imento$
-
Para a manutenção da segurança do paciente, a enfermagem tem o papel
fundamental no gerenciamento de riscos atra)!s do mapeamento dos mesmos e
implantação de protocolos de segurança$
.
Na hospitali/ação di)ersos fatores fa)orecem as complicaç0es como
infecç0es hospitalares, pneumonias nosocomiais e broncoaspiração$ Ho1e a grande
meta dentro dos hospitais ! a pre)enção de riscos$ e#uipe de enfermagem de)e
estar preparada para reali/ar um trabalho seguro, minimi/ar o tempo de internação e
otimi/ar cuidados$
nutrição enteral consiste na administração de uma dieta l*#uida contendo
macro e micronutrientes, para pacientes com trato digesti)o funcionante, #ue não
#uerem, não podem ou não de)em alimentar"se por boca$ 2esta forma este tipo de
dieta )em sendo utili/ada cada )e/ mais em crianças hospitali/adas #ue
apresentam problemas #ue empeçam a alimentação de maneira natural, fa/em uso
deste tipo de nutrição$
utili/ação da dieta enteral te)e inicio na ci)ili/ação eg*pcia com o registro de
alimentação retal há mais de 3455 anos, para o tratamento de doentes e
preser)ação da sa6de$ Foi em -7-5, #ue Einhorm, criticou a t!cnica de alimentação
retal e introdu/iu a t!cnica de sondagem enteral, criou uma sonda fina com uma
ponta metálica #ue, por gra)idade, se mo)imenta)a ao longo do tubo digesti)o e
locali/a)a"se no 1e1uno$
-
pesar de ser confiá)el, a nutrição enteral em crianças causa complicaç0es,
e entre essas complicaç0es estão o risco para broncoaspiração, #ue se não
diagnosticada em tempo pode se tornar uma pneumonia$ 2esta forma ! de suma
import+ncia a e#uipe de enfermagem estar preparada para reali/ar os cuidados e
assist,ncia ideal para crianças #ue fa/em uso de nutrição enteral$
8 interesse em reali/ar essa pes#uisa surgiu da )i),ncia nos cuidados a
criança hospitali/ada com uso de nutrição enteral, e a relação da enfermagem na
pre)enção do risco de broncoaspiração, obser)ando"se a necessidade de melhoria
dos cuidados para e)itar o e)ento$
enfermagem tem papel fundamental no plane1amento da assist,ncia, e o
enfermeiro de)e possuir um conhecimento cient*fico, aprofundado sobre a
assist,ncia prestada$
3,9
2essa forma o enfermeiro e:erce um papel fundamental
como educador, o #ual de)e orientar a e#uipe, acompanhar as medidas pre)enti)as
e monitorar os e)entos ocorridos, oferecendo então uma assist,ncia segura$
Frente ao e:posto, o presente estudo tem por ob1eti)o tecer consideraç0es
te;ricas sobre as aç0es de enfermagem na pre)enção da broncoaspiração em
crianças hospitali/adas #ue recebem nutrição enteral$ Para o desen)ol)imento
desse estudo será reali/ado uma re)isão narrati)a
4
fundamentada em literatura
nacional dos 6ltimos 4 anos$
'+ OB,ETI-OS
Identificar os fatores #ue le)am à broncoaspiração em crianças hospitali/adas
#ue recebem nutrição enteral, por meio de re)isão de literatura<
2escre)er as condutas para pre)enir a ocorr,ncia de broncoaspiração na
administração de nutrição enteral$
*+ M.TODO
Trata"se de uma re)isão narrati)a da literatura por meio de publicaç0es
encontradas em peri;dicos$ analise utili/ada será a #ualitati)a descriti)a$
*+) Proe%i"entos !ara se#eção %os arti/os
Para a seleção dos artigos, será reali/ada uma busca na literatura, composta
por artigos encontrados em base de dados latino"americana =>I>'?@ e portal
=?ciE>8@, para alcançar o ob1eti)o proposto neste estudo$ Essa busca será reali/ada
de abril .5-3 a abril de .5-9, cu1as datas de publicação priori/adas serão de .55A à
.5-3 $
*+' An0#ise %os arti/os in#u1%os na revisão
8ptou"se pela análise dos artigos no idioma da l*ngua portuguesa, com a
apresentação dos resultados de estudos cu1a finalidade tenha contribu*do de alguma
forma para a pre)enção da broncoaspiração em crianças hospitali/adas #ue
recebem nutrição enteral$
'omo crit!rio de e:clusão adotou se os seguintes itens, estudos #ue
aborda)am somente risco de broncoaspiração em pacientes adultos< rtigos com o
risco de boncoaspiração durante o e:ame de broncoscopia$
2 RE-IS3O DE LITERATURA
2+) Nutrição entera#
nutrição enteral ! utili/ada há mais de 35 anos, como alternati)a à nutrição
parent!rica em doentes pediátricos em situaç0es cl*nicas espec*ficas$ Nos 6ltimos
anos o conceito )em sofrendo grandes alteraç0es, al!m de um grande
desen)ol)imento nas f;rmulas artificiais, tanto como nos materiais usados, e na
escolha criteriosa dos doentes a #ue se aplica
-
$ 2esta forma a escolha ade#uada da
terapia nutricional ao paciente enfermo au:ilia no tratamento cl*nico, melhora o
progn;stico e e)ita complicaç0es$
B

Para decidir sua utili/ação em rec!m"nascidos e crianças maiores
agudamente enfermas, de)e ser baseadas em% Cantagens e apoiada nos melhores
ind*cios sobre as conse#u,ncias do atraso do aporte nutricional e os riscos
associados à escolha da )ia da administração, à #uantidade e à )elocidade de
aumento da oferta$
A
Esta escolha apoia"se em )ários benef*cios aos pacientes como% a )ia mais
barata, a mais fisiol;gica, mais segura, pre)ine translocação bacteriana, e #ue
proporciona melhor e)olução do paciente$
D
2+)+) De4inição nutrição entera#
Terapia nutricional enteral ! um con1unto de procedimentos terap,uticos
utili/ados para a manutenção eEou recuperação do estado nutricional por meio da
nutrição enteral$
B
Entende"se por nutrição enteral, como a administração de alimento pela )ia
digesti)a, se1a oral, por sonda ou ostomia, sendo usado para este fim alimento
especial, com ingestão controlada de nutrientes, na forma isolada ou combinada,
)isando à s*ntese ou manutenção dos tecidos, ;rgãos ou sistemas$
A
nutrição enteral consiste na administração de uma dieta l*#uida contendo
macro e micronutrientes, para pacientes com trato digesti)o funcionante, #ue não
#uerem, não podem ou não de)em alimentar"se por boca$
7
Fesolução da gencia Nacional de Cigil+ncia ?anitária =NCI?@ a F'2 NG
B3, de B de 1ulho de .555, #ue regulamenta a terapia nutricional, define nutrição
enteral como%
Halimento para fins especiais, com ingestão controlada de nutrientes, na forma
isolada ou combinada, de composição definida ou estimada, especialmente
formulada e elaborada para uso por sondas ou )ia oral, industriali/ado ou não,
utili/ado e:clusi)a ou parcialmente para substituir ou complementar a alimentação
oral em pacientes desnutridos ou não, conforme suas necessidades nutricionais, em
regime hospitalar, ambulatorial ou domiciliar, )isando a s*ntese ou manutenção dos
tecidos, ;rgãos ou sistemasH$
resolução B3 de .555 al!m de normati/ar a Terapia Nutricional Enteral,
contribuiu e muito com os profissionais de sa6de ao oficiali/ar as atribuiç0es de cada
profissional dentro da e#uipe multiprofissional especiali/ada, #ue de)e estar
presente nas instituiç0es #ue utili/am a prática do suporte nutricional por cateteres$
D
nutrição enteral, ao contrário da parenteral, a1uda a preser)ar e recuperar a
estrutura e função do trato gastrointestinal, al!m de ser economicamente mais
)iá)el$
-5
lguns autores classificam a nutrição enteral como uma tecnologia dura, #ue
consiste apenas na introdução dos nutrientes de forma diferente, e:cluindo a
mastigação, o sabor, a sensação da deglutição e recebimento do alimento pelo
estImago, al!m da sociali/ação, con)i),ncia e afetos normalmente )i)idos durante
a alimentação$ ?endo ressaltado #ue ao alimentarem"se, os indi)*duos não estão
satisfa/endo somente suas necessidades fisiol;gicas, mas tamb!m muitas
necessidades psicossociais, #ue fa/em parte da constituição deste ser a #uem
destinamos o cuidado, portanto, afeta diretamente a integridade do ser em
tratamento$
7
Para o sucesso da terapia nutricional enteral, dois aspectos de grande
import+ncia de)em ser considerados% a )ia de acesso a ser escolhida e o tipo de
dieta a ser ofertada$
-,A,7,--

?endo assim ! importante salientar #ue a dieta mais ade#uada ! a#uela #ue
se adapta às necessidades espec*ficas da criança, de acordo com sua patologia e
condiç0es cl*nicas de digestão e absorção$
A,--
2+)+' In%iaç5es %a nutrição entera#
J poss*)el obser)ar na literatura pes#uisada, #ue os autores consideram #ue
a nutrição enteral ! o melhor m!todo, e o de prefer,ncia entre eles, principalmente
em crianças com o trato gastrointestinal funcionante$ nutrição enteral ! primeira
opção terap,utica para o cuidado nutricional do paciente, pois nela ocorre *ntima
relação entre a e:ist,ncia intraluminar de nutrientes e a manutenção da estrutura e
fisiologia do trato gastrointestinal$
D
administração de nutrientes por sonda enteral está indicada na presença ou
risco de desnutrição #uando a )ia oral ! insuficiente para e)itar a perda de peso e o
uso do trato gastrintestinal for )iá)el$
A
s principais indicaç0es de nutrição enteral na criança #ue ! hospitali/ada
são%
• Trato gastrointestinal *ntegro% prematuridade, insufici,ncia respirat;ria,
doenças catab;licas =c+ncer, sepse, grandes #ueimaduras@, doenças neurol;gicas
=anore:ia, incoordenação da deglutição, desmielini/ação@$
A,7,-5
• lteraç0es do trato gastrointestinal% diarreia crInica e desnutrição, fibrose
c*stica, doenças inflamat;rias intestinais, insufici,ncia pancreática e biliar, condiç0es
cir6rgicas =intestino curto, f*stulas, preparo para cirurgias@$
B,A,-5,--,-.
• 'ondiç0es cl*nicas especiais% doenças metab;licas cong,nitas$
A,--
• Preparo pr!"operat;rio com dieta elementar, terapia para o c+ncer,
con)alescença, coma, semiconsci,ncia, condiç0es hipermetab;licas, alcoolismo,
depressão crInica, cirurgia ma:ilofacial e cer)ical, paralisia esofágica ou
orofar*ngea, e alguns casos de retardo mental$
B
• nutrição enteral ! indicada em duas situaç0es básicas% Kuando hou)er
risco de desnutrição, ou se1a, #uando a ingestão oral for inade#uada para pro)er de
dois terços a tr,s #uartos das necessidades diárias nutricionais$ 8 tempo de
inade#uação alimentar permitido poderá )ariar em função do estado nutricional
pr!)io e catabolismo, entre outros fatores$ outra situação onde ! necessária a
indicação da terapia de suporte ! #uando o trato digesti)o esti)er total ou
parcialmente funcional$ E:istem situaç0es cl*nicas em #ue o tubo digesti)o está
*ntegro, mas o paciente não #uer, não pode ou não de)e se alimentar pela boca$
D
'om bases nas indicaç0es fisiopatol;gicas a alimentação Enteral indicada
para crianças, conforme os estudos pes#uisados
B

-$ Lenor risco e custo em relação à nutrição parenteral<
.$ presença de alimentos na lu/ intestinal influ,ncia fa)ora)elmente a
integridade morfol;gica e funcional da mucosa intestinal normal e a adaptação do
intestino delgado ap;s grandes ressecç0es<
3$ Nutrição enteral por ga)agem cont*nua ! mais bem tolerada #ue a
alimentação em bolo #uando a superf*cie da mucosa intestinal esti)er se)eramente
pre1udicada, se há retarde do es)a/iamento gástrico, ou nos estados de
hipermotilidade<
9$ Na situação de intestino encurtado, os constituintes das dietas elementares
são mais absor)idos #uando administrados continuamente do #ue em bolo<
4$ 2ietas elementares diminuem a secreção pancreática e são absor)idas
mais pro:imalmente do #ue outras f;rmulas$ 'onse#uentemente, dietas elementares
podem ser 6teis na pancreatite, nas f*stulas intestinais e no paciente com doença
intestinal distal$


nutrição enteral pode ser indicada tamb!m conforme as sondas e sua
locali/ação, sendo di)idida, portanto como as sondas nasogástricas as #uais estão
indicadas em pacientes com trato gastrointestinal funcionante, impossibilidade de
alimentação por )ia oral, necessidade de gote1amento cont*nuo de)ido à s*ndrome
de má absorção, anore:ia, e estado hipermetab;licos$
-.
Má as sondas nasoenterais de)em ser utili/adas nos pacientes com alto risco
de aspiração, retardo do es)a/iamento gástrico, reflu:o gastresofágico importante,
)Imito por outras causas, cirurgia ou comprometimento cir6rgico no esIfago ou
estImago$
-.

nutrição enteral esta indicada para rec!m"nascidos e crianças em risco
nutricional em casos como%
Fec!m"nascidos de muito bai:o peso =peso de nascimento menor #ue
-$455g@< rec!m"nascidos de bai:o peso =peso de nascimento menor #ue .$455g@<
rec!m"nascidos de bai:o peso com doenças gastrintestinais, pulmonares ou
card*acas< com peso de nascimento menor do #ue dois des)ios padrão abai:o da
m!dia ou, ainda, abai:o do percentil 3 da cur)a de crescimento fetal utili/ada como
refer,ncia$
B
'om perda de peso ponderal aguda significati)a< com relação pesoE
comprimento menor #ue o percentil -5 da cur)a de crescimento referencial< crianças
#ue apresentam necessidades metab;licas alteradas, erros inatos do metabolismo,
dificuldade ou incapacidade de alimentação por )ia oral< com ganho de peso
inade#uado ou perda ponderal significati)a, considerando"se o percentil de
crescimento no #ual a criança se locali/a)a anteriormente< e nos casos de
comprometimento neurol;gico eEou alta probabilidade de broncoaspiração$
B
2+)+* Contra in%iaç5es
2e)e"se considera #ue ao optar pelo in*cio de uma terapia nutricional enteral,
)ários fatores de)em ser le)ados em consideração, principalmente as condiç0es #ue
contraindicam esta terap,utica, bem como a passagem das sondas utili/adas$
7
s principais contraindicaç0es relati)as ao uso da nutrição enteral são%
8bstrução intestinal< Nleo paral*tico< CImitos intratá)eis< Necessidade de agentes
inotr;picos positi)os em doses altas< Is#uemia gastrointestinal< Peritonite difusa<
2iarreia intratá)el< Fecusa do paciente$
-5,--,-9

nutrição enteral ! considerada um tratamento m!dico por lei$ Então !
necessária a autori/ação do paciente ou responsá)el legal =menor de idade ou com
incapacidade@$
-5
s contraindicaç0es da terapia enteral se di)idem em% bsolutas com fal,ncia
completa do trato intestinal, f*stula digesti)a de alto d!bito =O455ml@, colapso
metab;lico =alteração do metabolismo@, instabilidade hemodin+mica, incapacidade
completa de absorção, obstrução intestinal, *lio paral*tico e obstrução gástrica< e as
relati)as apresentadas com pancreatite aguda, *leo paralitico com obstrução total do
intestino em decorr,ncia de paralisia intestinal, ta:a de reflu:o ele)ada, )Imito
incontrolá)el, diarreia persistente =O-455mlEdia@$
D
2+)+2 Ti!os %e nutrição entera# e vias %e a%"inistração
nutrição enteral pode ser classificada #uanto ao seu sistema%
?istema aberto, ! a nutrição enteral #ue re#uer manipulação pr!)ia à sua
administração, para uso imediato ou atendendo à orientação do fabricante$
?istema fechado, ! a nutrição enteral industriali/ada, est!ril, acondicionada
em recipiente hermeticamente fechado e apropriado para cone:ão ao e#uipo de
administração$
-3
8s tipos de f;rmulas enterais são%
• Elementares =aminoácidos, glicose, lip*dios, )itaminas e minerais@ são
formulaç0es cu1a fonte proteica são aminoácidos li)res$ Essas dietas são
consideradas elementares somente no #ue se refere à fonte proteica, 1á #ue os
lip*dios e os carboidratos, apesar de serem de fácil digestibilidade, não são
completamente elementares$
B,--,-3
• 2ietas semi"elementares% ?ão f;rmulas em #ue a fonte proteica ! resultante
da hidr;lise de prote*nas mais comple:as, acrescida de carboidratos e lip*dios, todos
de fácil digestibilidade, estando indicado para crianças com dist6rbios absorti)os,
como s*ndrome do intestino curto, diarreia persistente ou crInica$
--,-3
• Polim!ricas =prote*nas, oligossacar*deos, ;leos )egetais, T'L, )itaminas e
minerais@ possuem bai:o custo em relação às semi e elementares$ maioria dos
pacientes pode beneficiar"se com este tipo de f;rmula$
B,--,-3
• 2ietas especiali/adas% 2esenhadas para disfunç0es org+nicas espec*ficas,
estresse metab;lico$
--,-3
• >eite de )aca modificado e f;rmulas de so1a$
-3
8s lactentes
preferencialmente recebem leite materno, se1am eles a termo ou prematuros, e:ceto
se hou)er alguma contraindicação$ Nesses casos, encontra"se dispon*)el no
mercado uma di)ersidade de f;rmulas com composiç0es espec*ficas para cada
caso$
A,--
Em pediatria a nutrição enteral ! di)idida da seguinte forma%
• limentação gástrica intermitente ou alimentação tr;fica% 'ompreende a
administração de pe#uenos )olumes de leite a cada duas ou tr,s horas atra)!s de
sonda naso ou oro gástrica$ Está indicada em di)ersas situaç0es e constitui um
m!todo mais fisiol;gico com conse#uente minimi/ação de riscos para a criança$
• limentação gástrica cont*nua% 'ompreende a administração de leite no
estImago atra)!s de sonda naso ou oro gástrica de forma cont*nua$ J uma opção
para crianças #ue não apresentam toler+ncia à alimentação intermitente e tamb!m
em alguns casos de insufici,ncia respirat;ria$ infusão cont*nua geralmente !
reali/ada com o au:*lio de uma bomba de infusão$
• limentação transpil;rica ou 1e1unal% 'ompreende a infusão de leite na
terceira porção duodenal ou no 1e1uno atra)!s de sonda$ Tem indicação restrita
de)ido a riscos associados a complicaç0es como dese#uil*brio da flora bacteriana e
comprometimento na absorção de certas subst+ncias como a gordura e alguns
eletr;litos$ 8 risco de perfuração intestinal está ameni/ado com a utili/ação de
sondas fle:*)eis, como poli)inil ou silicone$ J mais empregada nos casos de reflu:o
gastresofágico e crianças sob )entilação pulmonar mec+nica$ )elocidade e o
)olume administrado tamb!m estão controlados por uma bomba de infusão$
A
reali/ação da terapia nutricional e:ige algumas etapas, como a)aliação
nutricional, ob1eti)o, plane1amento, e:ecução e monitoramento, uma minuciosa
a)aliação do estado nutricional do paciente e a identificação dos fatores causais do
problema de alimentação, são fundamentais para o uso efeti)o da terapia
nutricional$
B,-.,-9
Kuanto ao tipo de nutrição enteral são di)ersos os tubos de alimentação #ue
estão dispon*)eis para administração de medicaç0es e dietas para os pacientes$ 8s
cateteres são tipicamente classificados pelo s*tio de inserção =por e:emplo% nasal,
oral, percut+neo@ e locali/ação da ponta distal do tubo =por e:emplo% estImago,
duodeno, 1e1uno@
9
$
escolha da melhor )ia de acesso depende de )ários fatores como as
patologias, a presença ou risco de es)a/iamento gástrico lentificado, aspiração$
D,7,-3
s sondas locali/adas mais inferiores, são utili/adas para e)itar os riscos de
)Imito e aspiração, em contenção f*sica ou )entilação mec+nica, coma e refle:o de
deglutição deprimido$
7,-9
No estImago, duodeno ou 1e1uno são onde podem ser colocadas as sondas,
de acordo com as facilidades t!cnicas, rotinas de administração, e alteraç0es
org+nicas e funcionais$
A,-3
posição intragástrica tolera uma )ariedade de f;rmulas, #uando comparada
com o intestino delgado, ela aceita grandes sobrecargas osm;ticas, al!m de ter
enorme capacidade de arma/enamento, aceitando mais facilmente dietas
intermitentes, por!m aumenta o risco de aspiração$
7

Má as )ias duodenal e 1e1unal são escolha para a#ueles pacientes com
gastroparesias, retardo no es)a/iamento gástrico, alto risco de aspiraç0es e em p;s"
operat;rio imediato$
-.
8 local ideal para alimentar o paciente ! o estImago, em função da
distensibilidade e presença de ácidos essenciais para a digestão$
-3
Este local
tamb!m ! mais utili/ado por ser mais con)eniente, bai:o custo, e por proporcionar
menor tempo de trabalho para os profissionais do #ue em relação a outras t!cnicas,
como as percut+neas$
7

8 estImago tamb!m ! capa/ de tolerar )árias medicaç0es e f;rmulas
enterais, incluindo as preparaç0es hipertInicas$
D
Pacientes #ue precisam de nutrição enteral, por um curto per*odo de tempo
=at! seis semanas@, utili/am comumente os cateteres com posicionamento
nasoenteral, pois eles são fáceis de instalar e de bai:o custo, os cateteres instalados
pela ca)idade nasal causam menos transtornos aos pacientes do #ue as
posicionadas atra)!s da ca)idade oral$
D,-.
s )ias alternati)as =enterostomias@" esofagostomia, gastrostomia e
1e1unostomia, são indicadas para alimentação em longo pra/o" per*odo superior a
seis semanas, entretanto de)emos atentar para as poss*)eis restriç0es de acesso
por estomas, o #ue fa/ com #ue o tratamento atra)!s de sondas nasais ou orais
permaneça por longos per*odos$
A,7
8 acesso p;s"pil;rico ou 1e1unal ao trato digesti)o, está indicada em doentes
com alto risco de broncoaspiração< gástrico *leo ou problemas de es)a/iamento
gástrico =cir6rgicos, mal nutrição se)era, 6lcera p!ptica, desordens metab;licas,
gastroparesia diab!tica, alteraç0es de motilidade de)ido a infiltraç0es tumorais@<
F*stula no trato superior =gástrico ou esofágico@< Pancreatite, particularmente
Pancreatite aguda, e f*stula pancreática< per*odo imediato p;s"operat;rio$
A,-.,-9
Há )árias maneiras de administrar e monitori/ar a nutrição enteral, o melhor
m!todo a escolher tem de ser indi)iduali/ado para cada paciente em função das
suas necessidades e condiç0es espec*ficas$
-
8 funcionamento e capacidade do trato gastrointestinal, a patologia, o tempo
de duração e o estado nutricional do paciente de)em ser ponderados para escolher
o m!todo mais apropriado de administração$
-.
8 tamanho e o tipo dos cateteres são itens importantes para o conhecimento
de #uem )ai administrar a nutrição enteral$ 8s cateteres podem possuir tamb!m
)ários lumens #ue possuem di+metros diferentes$ 8s di+metros são geralmente
medidos em French units =F@, - unidade de FrenchP 5$33mm.7$ 2esta forma
salienta a autora #ue o conhecimento da diferença entre o di+metro interno dos
cateteres ! significante para o profissional #ue as manipulam, pois um cateter com
lu/ interna mais redu/ida como os cateteres de silicone, apesar de proporcionarem
ao paciente maior conforto, potenciali/am os riscos de obstrução$
D
administração da dieta enteral esta di)idida em cont*nua e intermitente e
bolus$ 'ont*nua de)e ser infundida em um )olume má:imo de -55"-45 mlEhora,
fa/endo com #ue o )olume total se1a distribu*do nas .9 horas, a1udando o intestino a
se a1ustar com a concentração constante$ J uma forma prefer*)el para acesso
intestinal$ Intermitente" .55"955 ml de dieta de 9"B )e/es ao dia, por um per*odo
de . horas, por gra)idade ou bomba de infusão$
Em bolus está contraindicada em usuários com refle:o de tosse diminu*do,
pois consiste na administração de dieta com uso de seringa de forma rápida =4"-4
minutos@,
7,-5
nesta forma de administração esta indicado somente para pacientes
com cateteres gástricos, pois neste m!todo uma #uantidade grande de dieta !
infundida em um pe#ueno per*odo de tempo, o #ue re#uer do ;rgão #ue está
recebendo este l*#uido a complac,ncia suficiente para #ue não ha1a pre1u*/os ao
paciente e somente o estImago possui esta caracter*stica$
D
)elocidade de infusão da nutrição enteral dependerá de )ários fatores
como% Topografia dos cateteres, tipo de m!todo utili/ado para nutrir =cont*nuo,
intermitente@ e a gra)idade do paciente $
D,-.,-9
'onsiderando então a literatura, ! poss*)el obser)ar #ue independentemente
do tipo de sonda e locali/ação da mesma, a nutrição enteral baseia"se em duas
maneiras distintas de infusão, a cont*nua e a intermitente$
2+)+6 Co"!#iaç5es %a nutrição entera#
nutrição enteral apesar de todas as suas )antagens e benef*cios, não dei:a
de apresentar as suas complicaç0es, #uando instaladas e:ercem influ,ncia negati)a
sobre a recuperação do paciente e a #ualidade do ser)iço prestado$ 2esta forma !
de fundamental import+ncia #ue os profissionais de sa6de reconheçam tais
complicaç0es$
7
s complicaç0es #ue se apresentam com maior intensidades podem ser
ordens mec+nicas, gastrintestinais e metab;licas$
-,A,7,-5,--,-.,-9
s complicaç0es
mec+nicas de)em"se basicamente ao posicionamento errado da sonda$ s
complicaç0es referentes ao trato gastrintestinal relacionam"se fundamentalmente à
osmolalidade e à )elocidade de infusão da dieta$ s complicaç0es metab;licas
relacionam"se à inade#uação da f;rmula e ao modo de infusão da dieta$
'omo e:emplo de complicaç0es Lec+nicas% a 8bstrução da sonda<
spiração pulmonar< Lau posicionamento ou deslocamento da sonda< Femoção
acidental da sonda$ Qastrintestinais% 2iarreia< 2istensão abdominal< Náuseas e
)Imitos< 8bstipação intestinal< Letab;licas% Hiperglicemia< 2esidratação<
Hipopotassemia< Hiperpotassemia< Hipernatremia< Hipofosfatemia< Hipercapnia$
--
8 emprego de f;rmulas com alta osmolaridade e a falta de oferta h*drica em
pacientes com alteração no n*)el de consci,ncia podem causar desidratação, uremia
e hipernatremia$
A
s complicaç0es da nutrição enteral estão relacionadas principalmente ao tipo
e local de inserção da sonda$ Podendo ocorrer, tamb!m, mal posicionamento da
sonda, contaminação, administração inade#uada da dieta, intoler+ncia a dieta,
diarreia, al!m de obstrução da sonda$
-.,-3,-9
2+' Fatores %e rio !ara 7ronoas!iração
(m fator importante a ser obser)ado dentro da complicação ! #uanto ao fato
da broncoaspiração na nutrição enteral, tema al)o desta pes#uisa, desta forma será
dado uma maior ,nfase ao termo broncoaspiração$
broncoaspiração ! definida Rcomo a aspiração de conte6do gástrico ou
corpo estranho na ár)ore tra#ueobrIn#uica, podendo causar tra#ueobron#uite,
pneumonite, infecç0es pulmonares e obstrução das )ias a!reas por aspiração de
material s;lidoS$
A
aspiração do conte6do gástrico resulta em inflamação pulmonar, a
gra)idade da lesão dependerá do ph do conte6do gástrico e da #ualidade da
obstrução alimentar$ pneumonia se desen)ol)e em 45T dos pacientes #ue
aspiram, sendo a mortalidade de 45T$
A
'aso não se1a identificada e tratada de imediato a broncoaspiração pode
gerar a pneumonia aspirati)a sendo a mais obser)ada em pacientes submetidos à
infusão gástrica =sonda nasogástrica ou gastrostomia@$ 8 risco ! maior em pacientes
debilitados, sob )entilação mec+nica e tamb!m em pacientes com tosse$
-5
Há di)ersos fatores #ue aumentam o risco de aspiração de conte6do gástrico
em pacientes gra)emente doentes, sendo dif*cil a)aliar o papel de um fator isolado,
por#ue em geral m6ltiplos fatores estão presentes ao mesmo tempo$
A

diminuição do n*)el de consci,ncia ! o fator mais importante, por interferir
na habilidade em proteger as )ias a!reas de secreção de orofaringe e conte6do
gástrico, diminuir o es)a/iamento gástrico e ainda diminuir o tInus do esf*ncter
esofágico$
-.,-9
Fatores determinantes tamb!m podem le)ar a broncoaspiração com a
posição supina, presença de sonda gástrica, intubação tra#uealE)entilação pulmonar
mec+nica, mau posicionamento da sonda de alimentação, modo de infusão da dieta,
reflu:o gastresofágico, )Imitos e monitoração inade#uada pela enfermagem$
A
2+'+) Prevenção %o riso %e 7ronoas!iração
Na prática, a nutrição enteral de)e ser iniciada em .9 a 9D horas, ap;s a
estabili/ação dos sinais )itais e o paciente não de)e ter necessidade de e:pansão
de )olume ou uso de inotr;picos e )asopressores$
A

dieta de)e ser administrada por bomba de infusão, com aumentos graduais
de )olume$ ?ondas de poliuretano ou silicone de)em ser preferencialmente
utili/adas, pois podem permanecer por per*odos longos sem o risco de estenose ou
ader,ncias de esIfago$ ?e forem utili/adas sondas de poli)inil, estas de)erão ser
trocadas a cada tr,s dias$
--
pratica ouro para a pre)enção da broncoaspiração ! na administração da
dieta a criança de)erá permanecer em dec6bito ele)ado em 35 a 94 graus< na
nutrição por sonda intragástrica de)e"se )erificar o res*duo gástrico antes, de cada
infusão em bolos, e a cada tr,s horas na infusão cont*nua< ?e mais de .5T do
)olume pre)iamente administrado esti)er presente, a infusão seguinte de)e ser
suspensa$ ?e res*duos maiores #ue .5T ocorrerem repetidamente, a alimentação
de)e ser interrompida e a criança a)aliada #uanto à presença de sinais indicati)os
de enterocolite necrosante ou de obstrução intestinal$ Na alimentação p;s"pil;rica, a
posição correta da sonda de)e ser confirmada diariamente pela medida do pH do
l*#uido aspirado e, em caso de d6)ida, de)e"se solicitar radiografia de abdome$
A,7,-.,-4
Pode"se e)itar ou diminuir a aspiração, mantendo"se o tronco ele)ado em 35
graus durante a infusão e tamb!m por meio da ostomia ou inserção da sonda
distalmente ao estImago =duodeno e 1e1uno@<
-5
broncoaspiração muitas )e/es podem ser pre)enidas por meio da
monitori/ação e adoção dos seguintes cuidados de enfermagem necessários$
Nestes cuidados o primordial% )aliar grau de hidratação, presença de edema, sinais
de desidratação, n*)el de consci,ncia, cur)a t!rmica, caracter*stica das e)acuaç0es,
balanço h*drico, e acompanhamento de e:ames laboratoriais, como hemograma,
função renal, prote*nas plasmáticas, colesterol total e triglic!rides, no entanto os
cuidados de enfermagem relacionados a infusão são imprescind*)eis, onde será
abordada com maior detalhe no pr;:imo item deste estudo$
D,7
lguns itens são elencados na pre)enção de Uroncoaspiração entre eles
estão como mais importantes o fato de la)ar a sonda com água destilada ap;s
administração da dieta< (tili/ar bomba de infusão para administração da dieta$
Na ?onda Nasogástrica as autoras ressaltam #ue ! importante )erificar os
res*duos antes de cada infusão em bolo e a cada tr,s horas na infusão cont*nua< se
presente reinfundir e descontar do )olume a ser infundido$ Na ?onda P;s"Pil;rica
de)e"se confirmar a posição correta da sonda diariamente, atra)!s da medida do pH
do aspirado e, em caso de d6)ida, solicitar radiografia do abdome$ monitori/ação
de)e ser constante$
3
2+* Cui%a%os %e en4er"a/e" na a%"inistração %a nutrição entera#
responsabilidade da administração prescrição dos cuidados de enfermagem
em n*)el domiciliar, ambulatorial e hospitalar ! do enfermeiro$
-B
(m plano de cuidados e aç0es de)e ser adotado pelo enfermeiro e seguido
por todos integrantes da e#uipe de enfermagem, a risca, se empenhando para e)itar
poss*)eis complicaç0es com esta criança, desta forma, segue um plano de
cuidados, para administração de nutrição enteral, conforme os estudos pes#uisados$
A,7,-.,-9
V >a)ar as mãos$
V ?eparar a alimentação a ser administrada, #ue de)e estar à temperatura
ambiente$
V Feali/ar o e:ame f*sico, analisando padrão respirat;rio, ru*dos hidroa!reos,
distensão abdominal, alças intestinais )is*)eis ou palpá)eis$
V Cerificar o res*duo gástrico aspirando a sonda com uma seringa, obser)ando
o aspecto do res*duo e de)ol)endo"o em seguida$ 'aso o res*duo aspirado se1a
maior #ue .4T do )olume total a ser administrado, descontar do )olume a ser
oferecido$ Para se e)itar o risco de broncoaspiração<
V dministrar a ga)agem por ação da gra)idade, pelo per*odo apro:imado de
95 minutos, pois infus0es rápidas podem causar náuseas e )Imitos com risco de
aspiração$
V 8ferecer a chupeta, no caso de lactentes, para estimular o refle:o de sucção
=sucção não"nutriti)a@$
Lanter a criança em dec6bito )entral ou lateral direito com a sonda aberta e
ele)ada por uma hora$
V In1etar . ml de ar para e)itar #ue a dieta fi#ue no tra1eto da sonda, e, se
necessário, la)ar a sonda com água ap;s o t!rmino de cada dieta, restringindo o
)olume para não aumentar o res*duo gástrico$
V 8bser)ar distensão abdominal, náuseas e )Imitos, suspendendo a dieta
conforme orientação m!dica$
V Lanter registros durante a infusão da #uantidade administrada e dos d!bitos
da criança$
V Pesar a criança diariamente$
>e)ando em consideração as atribuiç0es do profissional de enfermagem, em
nutrição enteral
B
elenca os principais cuidados de enfermagem onde tais cuidados
de)em sempre ser aplicados e a)aliados de forma a tentar #ue se1a estabelecida
padroni/ação dos cuidados destinado a este tipo de dieta, sendo assim consistem
em%
)aliar res*duo gástrico, monitorar a )elocidadeE tempo de infusão,
posicionamento do paciente para alimentação, confirmar posicionamento da sonda,
conser)ação da dieta no posto, higiene oral e nasal, de)olução de res*duo, #uando
indicado, obser)ar as condiç0es #ue contraindicam a suspensão da dieta, al!m do
registro da dieta$
8 enfermeiro assume importante papel, dentro da e#uipe de sa6de e
multiprofissional de nutrição enteral, pois, ao desen)ol)er ati)idades relacionadas a
administração da dieta, e monitoramento do paciente, de)e ter em seu dom*nio os
aspectos relacionados a esta terapia, os #uais constituem re#uisitos da área de
#ualidade das 2iretri/es de Terapia Nutricional$
7
6+ CONSIDERA89ES FINAIS
nutrição enteral em crianças, se constitui um fator importante dentro da
instituição hospitalar, tendo em )ista ela a1uda no combate a desnutrição, causada
muitas )e/es pela hospitali/ação da criança$
Por se tratar de um tipo de menor custo e de fácil manipulação, ela )em sendo
mais utili/ada e melhorada ao longo dos anos, desta forma a e#uipe de
enfermagem, tem e de)e buscar caminhos e conhecimentos para prestar a melhor
assist,ncia a #uem fa/ uso desse tipo de nutrição$
Para uma melhor a)aliação e conduta a ser tomada o enfermeiro de)e
1untamente com uma e#uipe multiprofissional, elaborar um plano de ação e cuidados
para com a nutrição enteral$
'abe ao enfermeiro transmitir a sua e#uipe, todos os planos de cuidados
necessários, e sistemati/ação ade#uada a esses pacientes, principalmente em
pediatria, #ue muitas )e/es não falam, mas sentem as conse#u,ncias de um mal
cuidado$
Kuanto ao risco de broncoaspiração, foi poss*)el )erificar #ue temos ho1e
poucos estudos #ue abordam este tema, apesar de ser um risco muito perigoso
tendo em )ista se não diagnosticada e tratada em tempo pode se tornar uma
pneumonia, podendo le)ar at! morte$
Principalmente ao grupo de enfermeiros pes#uisadores se obser)a poucos
estudos sobre a nutrição enteral e suas complicaç0es, principalmente #uanto aos
cuidados, indispensá)eis a esta dieta muito usada dentro dos hospitais,
principalmente em crianças hospitali/adas e gra)es$
Pretende"se com este estudo aumentar o conhecimento das classes da
enfermagem, e incenti)ar mais estudos referentes a este tema$
:+ REFER;NCIAS
-$ ?oares M'$ Nutrição Ent!rica em Idade Pediátrica W (ma Fe)isão Te;rica
XmonografiaY$ Porto$ Faculdade de 'i,ncias da Nutrição e limentação< .557$
.$ ?antos Munior M$ Qestão de Fisco em Enfermagem Intensi)a % ?egurança do
'liente em Terapia Nutricional Enteral Cia ?ondagem Naso"orogástrica$ Fio de
Maneiro<.5-3$
3$ 'ardoso ?U$ ?ou/a TC$ 8 conhecimento da E#uipe de Enfermagem ?obre o
'uidado à 'riança em (so de Nutrição Enteral$ Fe)$ ?oc$ Uras$ Enferm$ Ped$
.554<4=.@%A"-9$
9$ Hermann P$ 'ru/ E2$ Enfermagem em Nutrição Enteral% In)estigação do
conhecimento e da Prática ssistencial em Hospital de Ensino$ 'ogitare Enferm$
.55D< -3=9@%4.5"4$
4$ Fother E2$ Fe)isão ?istemática Z Fe)isão Narrati)a$ ct Paul Enferm$
.55A<.5=.@%)$
B$ Felipe Q>, Uosco ?L2, Qraeff LTU, Paludo M$ Terapia nutricional enteral em
pediatria " uma re)isão bibliográfica$ Fe)$ Paul$ Pediatr$ p$ 4-"4B, .55D< .B=3@
A$ Telles Munior L, >eite HP$ Terapia Nutricional no Paciente Pediátrico Qra)e$
?ão Paulo% theneu$ .5-5$
D$ >isboa '2$ Preparo e dministração de Ledicamentos por ?ondas em
Pacientes #ue Fecebem Nutrição Enteral$ XdissertaçãoY$ Fio de Maneiro$ Faculdade
de Enfermagem da (ni)ersidade do Estado do Fio de Maneiro< .5--$
7$ 8li)eira, C'$ Prática 'l*nica de enfermagem em terapia de nutrição enteral
em hospitais de refer,ncia do estado do 'eará$ XdissertaçãoY$ Fortale/a$
(ni)ersidade Estadual do 'eará< .5-.$
-5$ 'unha ?F', 'Imodo F8, ?il)a Filho , Toma/ U, Fibas 2F, Larchini M?$
Terapia Nutrol;gica 8ral e Enteral em Pacientes com Fisco Nutricional$ .55D$
Pro1eto 2iretri/es$ ssociação L!dica Urasileira e 'onselho Federal de Ledicina
Xcesso em -5 out$ .5-3Y< http%EE[[[$pro1etodiretri/es $org$UrED\)olumeE3D"
Terapia$pdf$
--$ 'osta 'F$ Nutrição enteral em pediatria$ Hospital Fegional da sa
?ulE?E?E2F$ Xcesso em -5 out$ .5-3Y< http%EE[[[$paulomargotto$com$br
-.$ Qar;folo $ 2iretri/es para terapia nutricional em crianças com c+ncer em
situação cr*tica$ Fe)$ Nutr$, 'ampinas, -D=9@%4-3"4.A, 1ul$Eago$, .554$
13. 'iosa] ?I, Latsuba '?T, ?il)a L>T, ?erpa >F, Poltronieri LM$ cessos para
Terapia de Nutrição Parenteral e Enteral$ .5--$?ociedade Urasileira de Nutrição
Parenteral e Enteral ssociação Urasileira de Nutrologia$ Xcesso em% -5 out .5-3Y<
http%EE[[[$pro1etodiretri/es$org$brE7\)olumeEacessos\para\terapia\de\nutricao\par
enteral\e\enteral$pdf$
-9$ gencia Nacional de Cigil+ncia ?anitária =Urasil@$ Fesolução n$ B3, de B de
1ulho de .555$ Fegulamento T!cnico para a Terapia de Nutrição Enteral$ 2iário
8ficial da (nião da Fep6blica Federati)a do Urasil<


ANE<O )
'F8N8QFL
2elimitação >e)anta
mento
Elabora
ção
presenta
ção
'orreç0es Entrega
do tema de
artigos
do
pro1eto
de
resultados
finais
bril :
Laio
:
Munho
:
Mulho
:
gosto
:
:
?etembro :
8utubro :
No)embro :
de/embro
:
:
Maneiro
Fe)ereiro :
Larço :
bril :
Fonte& Susan Leite
ANEXO 2
Instrumento de coleta de dados:
TÍTULO DO
TRABALHO
Autores Principais critrios Resu!ta"os
Nutrição
Entérica em
Idade Pediátrica.
Soares JAC. Realizar uma revisão de
literatura sore a Nutrição
Entérica em Idade
Pediátrica! uscando
conceitos e mel"ores ti#os
de dietas.
$ estudo e #rescrição de #lanos
alimentares a#ro#riados %ue
#ossam ser e&ecutados em casa
e usados rotineiramente! ou
mesmo o uso de '(rmulas
es#ec)'icas nas situaç*es
cr)ticas! re%uerem um traal"o
cont)nuo e multidisci#linar.
+estão de Risco
em En'erma,em
Intensiva:
Se,urança do
Cliente em
-era#ia
Nutricional
Enteral .ia
Sonda,em
Nasoenterica
Santos Junior J. Realizar uma revisão da
literatura sore Riscos em
#acientes so cuidados
intesivos.
A en'erma,em como #a#el
'undamental na manutenção da
se,urança do #aciente! com o
ma#eamento de riscos!
desenvolvimento de #rotocolos.
$ Con"ecimento
da E%ui#e de
En'ema,em
Sore os
Cuidados /
Criança em 0so
de Nutrição
Enteral
Cardoso 1S.
Souza -..
Realizar uma revisão da
literatura sore os
con"ecimentos da e%ui#e
de en'erma,em 'rente aos
Riscos da Nutrição
Enteral
A en'erma,em encontra2se
des#re#arada #ara a
identi'icação de riscos e
,erenciamento dos mesmos.
En'erma,em em
Nutrição Enteral:
Investi,ação do
Con"ecimento e
da Pratica
Assistencial em
3os#ital de
Ensino
3ermann AP.
Cruz E4A.
A#resentar uma revisão
ilio,rá'ica sore os
con"ecimentos da e%ui#e
de en'erma,em sore
Nutrição Enteral.
5oi identi'icado 'al"as na
comunicação e re,istro de
en'erma,em! em como nos
cuidados relacionados ao
#aciente em uso de dieta
enteral.
Revisão
Sistemática 6
Revisão
Narrativa.
Rot"er E4. A#resentar uma de'inição
#ara revisão Narrativa
Escol"a da revisão narrativa
#or se tratar de uma %uestão
am#la de s)ntese %ualitativa.
-era#ia
nutricional
enteral em
#ediatria.
5eli#e +7! 1osco
S84! +rae''
8-1! Paludo J.
A#resentar uma revisão
ilio,rá'ica sore a
tera#ia nutricional
#ediátrica com dieta
enteral.
A tera#ia nutricional ade%uada
ao #aciente en'ermo au&ilia no
tratamento cl)nico! mel"ora o
#ro,n(stico e evita
com#licaç*es. Sendo assim o
su#orte nutricional deve ser
o9eto da atenção dos
#ro'issionais #ara otimizar os
resultados tera#:uticos.
Pre#aro e
administração de
medicamentos
#or sondas em
#acientes %ue
receem nutrição
enteral.
7isoa C4. Investi,ar o #adrão de
#re#aro e administração
dos medicamentos #or
cateter em #acientes %ue
receem nutrição enteral
concomitante.
Constataram a necessidade de
maior investimento de todos os
#ro'issionais envolvidos!
médicos! en'ermeiros e
'armac:uticos nas %uest*es %ue
envolvam a se,urança com
medicamentos assim como
re#ensar o #rocesso de traal"o
da en'erma,em.
Prática Cl)nica
de en'erma,em
em tera#ia de
nutrição enteral
em "os#itais de
$liveira .C.
Pes%uisar a #rática cl)nica
de en'erma,em na
-era#ia de Nutrição
Enteral.
$s resultados a#ontaram #ara
uma #rática sem #adr*es em
%ue cada en'ermeiro a#lica os
seus con"ecimentos.
Con"ecimentos esses em
re'er:ncia do
estado do Ceará.
al,uns momentos e%uivocados!
%ue #odem resultar na
ocorr:ncia de eventos adversos
ao usuário. 4emonstrou2se!
im#rescind)vel o incentivo de
estudos #osteriores %ue #ossam
mel"or esclarecer in'ormaç*es
ainda diver,entes na literatura o
%ue #ode contriuir #ara a
#rática 'ra,mentada dos
en'ermeiros.
Cun"a S5C!
C;modo AR$!
Silva 5il"o AA!
-omaz 1A!
Rias 45!
8arc"ini JS.
-era#ia
Nutrol(,ica $ral
e Enteral em
Pacientes com
Risco
Nutricional.
Cun"a S5C!
C;modo AR$!
Silva 5il"o AA!
-omaz 1A!
Rias 45!
8arc"ini JS.
$servar o mel"or ti#o de
avaliação nutrol(,ica ao
#aciente! a 'im de %ue
se9am institu)dos
tratamentos #recoces.
A indicação da tera#ia
nutrol(,ica! em #acientes com
várias a'ecç*es! #ela
su#lementação oral ou nutrição
enteral reduziu em cerca de <=
a ta&a de mortalidade nos
"os#itais #es%uisados!
re'letindo em custos menores
na internação e no tratamento
de cada #aciente.
Costa C5A.
Nutrição enteral
em #ediatria
Costa C5A.
A#resentar as indicaç*es
e Contraindicaç*es da
Nutrição enteral em
#ediatria.
As maiores indicaç*es
indicadas #elo autor 'oram /
#resença ou risco de
desnutrição! com#rometimento
neurol(,ico e>ou alta
#roailidade de
roncoas#iração. E as
contraindicaç*es 'oram
re'erentes ao ?leo #aral)tico
intestinal!
$strução intestinal ou
col;nica@ .;mitos incoerc)veis@
5)stulas enterocutAneas de alto
déito@ San,ramento
,astrintestinal.
$
con"ecimento
da e%ui#e de
en'erma,em
sore o cuidado
/ criança em uso
de nutrição
enteral.
Cardoso S1!
Souza -..
Identi'icar e analisar o
con"ecimento da e%ui#e
de en'erma,em sore uso
de nutrição #arenteral em
crianças "os#italizadas
em estado cr)tico! em uso
de nutrição enteral.
Conclu)ram %ue a e%ui#e de
en'erma,em #recisa atualizar2
se sore os con"ecimentos
inerentes a tera#ia enteral de
modo %ue o cuidado de
en'erma,em #ossa ser #restado
a criança com maior se,urança
e isenção de riscos.
4iretrizes #ara
tera#ia
nutricional em
crianças com
cAncer em
situação cr)tica.
+ar('olo A.
4iscutir alteraç*es
nutricionais e meta(licas
decorrentes dessa
condição! em como as
indicaç*es!
recomendaç*es!
contraindicaç*es e
com#licaç*es da tera#ia
nutricional Bnutrição
enteral e #arenteralC em
#acientes com cAncer.
Conclu)ram %ue "á necessidade
de maior incentivo ao
desenvolvimento da ci:ncia da
tera#ia de su#orte! como o
tratamento das in'ecç*es! a
tera#ia intensiva e a tera#ia
meta(lico2nutricional! #ara
%ue se am#liem as
#ossiilidades de cura de
crianças e adolescentes com
cAncer.
Acessos #ara
-era#ia de
Nutrição
Parenteral e
Enteral.
CiosaD SI!
8atsua CS-!
Silva 87-!
Ser#a 75!
Poltronieri 8J.
A#resentar as diretrizes
#ara cuidado do #aciente
%ue necessita de acesso
#ara tera#ia de nutrição
#arenteral e enteral! com
ase na evid:ncia
cient)'ica dis#on)vel.
Concluem %ue as sondas
enterais devem ser de
#oliuretano ou silicone!
radio#acas e!
#re'erencialmente! com
cone&ão em E. Recomendam o
uso de omas in'usoras!
#articularmente em caso de
sondas intestinais e
#re'erencialmente e&clusivas
#ara a -NE.
En'erma,em em
nutrição enteral:
investi,ação do
con"ecimento e
da #rática
assistencial em
"os#ital de
ensino.
3ermann AP!
Cruz E4A.
$servar a #rática
assistencial de
en'erma,em #restada em
NE! investi,ar o
con"ecimento da e%ui#e
sore NE e elaorar
material educativo a #artir
dos resultados dos
o9etivos anteriores.
Conclu)ram %ue a 'al"as na
comunicação e re,istros de
en'erma,em@ #osicionamento
da sonda e #rinc)#ios
assé#ticos. 5oi evidenciada a
'alta de con"ecimento
relacionada / estase ,ástrica!
asse#sia! identi'icação da dieta
e re,istros.