You are on page 1of 14

VENTILAÇÃO VERTICAL EM

AMBIENTES

VENTILAÇÃO NATURAL

- A ventilação natural pode ser definida pela movimentação do ar no interior dos edifícios sem que haja a indução por sistemas mecânicos. Esta movimentação ocorre na presença de diferentes pressões de ar, seja por influência dos ventos ou por temperaturas distintas de densidades diferentes.

Contudo, para projetar espaços devidamente ventilados não basta apenas fazer o pé-direito alto, utilizar a ventilação cruzada ou saber que o ar quente sobe enquanto o ar frio desce, várias questões devem ser observadas antes dos traços iniciais de um projeto, relacionadas ao entorno e ao clima local.

Dentre as características físicas que influem na ventilação de uma edificação

podemos citar:

Ventos dominantes locais (frequência, direção e velocidade);

Radiação solar, de acordo com cada ambiente;

Umidade relativa do ar.

direção e velocidade);  ● Radiação solar, de acordo com cada ambiente;  ● Umidade relativa
direção e velocidade);  ● Radiação solar, de acordo com cada ambiente;  ● Umidade relativa
direção e velocidade);  ● Radiação solar, de acordo com cada ambiente;  ● Umidade relativa
direção e velocidade);  ● Radiação solar, de acordo com cada ambiente;  ● Umidade relativa
direção e velocidade);  ● Radiação solar, de acordo com cada ambiente;  ● Umidade relativa

VENTILAÇÃO POR DIFERENÇA DE TEMPERATURA DO AR

É fato conhecido que o ar quente sobe, pois é mais leve, e o ar frio, mais pesado, desce. Sistemas de indução térmica podem ser elaborados a partir

desta premissa. Entradas de ventilação próximas ao piso permitem a

entrada de ar fresco, que empurra o ar quente para cima, onde deverão estar localizadas saídas para o ar quente, na parede ou no teto. Este é o princípio que regem as antecâmaras das saídas de emergência para evacuar a fumaça e permitir a renovação do ar.

Exemplo de Ventilação Induzida pela Temperatura na Arquitetura Brasileira

O arquiteto Lelé, um dos melhores arquitetos brasileiros, implantou, nos hospitais da rede Sarah Kubitschek, sistemas incríveis de ventilação onde o ar entra por galerias subterrâneas e passa pelas paredes dos quartos do hospital, ventilando os ambientes e, direcionado o ar quente contaminado

pelas saídas superiores no telhado com formato de ondas.

ventilando os ambientes e, direcionado o ar quente contaminado pelas saídas superiores no telhado com formato
ventilando os ambientes e, direcionado o ar quente contaminado pelas saídas superiores no telhado com formato
ventilando os ambientes e, direcionado o ar quente contaminado pelas saídas superiores no telhado com formato
ventilando os ambientes e, direcionado o ar quente contaminado pelas saídas superiores no telhado com formato
ventilando os ambientes e, direcionado o ar quente contaminado pelas saídas superiores no telhado com formato

VENTILAÇÃO CRUZADA

A ventilação cruzada ocorre quando existem no mínimo duas aberturas em lados opostos dos ambientes, permitindo a completa circulação do ar. O posicionamento das aberturas deve levar em conta a incidência dos ventos dominantes de cada região.

do ar. O posicionamento das aberturas deve levar em conta a incidência dos ventos dominantes de

ANÁLISES

ANÁLISES
ANÁLISES
ANÁLISES
ANÁLISES
ANÁLISES
Somente uma abertura, Sem saída de ar - falho Abertura maior que a saída –

Somente uma abertura, Sem saída de ar - falho

Somente uma abertura, Sem saída de ar - falho Abertura maior que a saída – aumento

Abertura maior que a

saída aumento da velocidade do ar e perda do efeito circulativo

(refrescância)

do ar e perda do efeito circulativo (refrescância) Aberturas iguais e centralizadas em lados Opostos –

Aberturas iguais e centralizadas em lados Opostos maior fluxo de ar

Aberturas iguais porém não Centralizadas – fluxo assimétrico no interior do ambiente. Pressão exterior cria

Aberturas iguais porém não Centralizadas fluxo assimétrico

no interior do ambiente.

Pressão exterior cria um ângulo Na direção do ar.

Pressão exterior cria um ângulo Na direção do ar. Entrada de ar menor que a saída

Entrada de ar menor que a saída - Aumenta a velocidade do ar

de ar menor que a saída - Aumenta a velocidade do ar Forças externas com pressão

Forças externas com pressão Lateral sobre o fluxo Movimento de ar interno

assimétrico

Ambiente sem subdivisões – Devido à pressão exterior, O fluxo forma ângulo e, Através da

Ambiente sem subdivisões Devido à pressão exterior,

O fluxo forma ângulo e,

Através da inércia, é Transportado na mesma Direção até encontrar a Saída.

é Transportado na mesma Direção até encontrar a Saída. Fluxo se depara com Paredes ou subdivisões

Fluxo se depara com

Paredes ou subdivisões

Velocidade do ar reduz

E há perda de circulação

– Velocidade do ar reduz E há perda de circulação A parede não interfere o fluxo

A parede não interfere o fluxo

Já que a corrente de ar principal

É bem superior aos possíveis

Contornos do fluxo dentro do Ambiente.

Divisões paralelas dividem o Fluxo de ar porém não alteram Sua velocidade. A parede altera

Divisões paralelas dividem o Fluxo de ar porém não alteram Sua velocidade.

dividem o Fluxo de ar porém não alteram Sua velocidade. A parede altera o fluxo de

A parede altera o fluxo de forma que Reduz sua velocidade, a parte superior

Não recebe circulação do ar e a

Parte de baixo terá um fluxo escasso.

do ar e a Parte de baixo terá um fluxo escasso. Paredes perpendiculares ao Fluxo o

Paredes perpendiculares ao Fluxo o alteram, deixando o Ambiente atrás das paredes Com circulação escassa.

VÍDEOS

VÍDEOS
VÍDEOS
VÍDEOS
VÍDEOS
VÍDEOS

VÍDEOS SOBRE O ASSUNTO

VÍDEOS SOBRE O ASSUNTO
VÍDEOS SOBRE O ASSUNTO
VÍDEOS SOBRE O ASSUNTO
VÍDEOS SOBRE O ASSUNTO
VÍDEOS SOBRE O ASSUNTO

Alunos:

Denis José

Eduardo Machado Fauso Nabak Pedro Mota Victor Camargo

Bibliografia:

Imagens – Google “””LIVRO”””