You are on page 1of 29

BIBLIOTECA

ESCOLAR
AVALIAR
COMO, O QUÊ
E PARA QUÊ?
A BIBLIOTECA ESCOLAR / CENTRO DE RECURSOS
2

 PARA QUE SERVE A BIBLIOTECA ESCOLAR E
CENTRO DE RECURSOS (BE/CRE)?
 QUE PRETENDEMOS DA BIBLIOTECA?
 COMO É QUE POSSO COLABORAR COM A
BE/CRE?
 COMO É QUE A BE/CRE PODE COLABORAR
COMIGO?
 DE QUE SERVE LEVAR OS MEUS ALUNOS À
BE/CRE?
 SERÁ QUE VEJO A BE/CRE COMO UM DEPÓSITO
DE LIVROS?
 A BE/CRE É INDISPENSÁVEL NA ESCOLA?
PARA QUE SERVE AVALIAR A BIBLIOTECA?
3

Para medir o impacto da BE na escola
Para identificar áreas de sucesso
Para identificar áreas de insucesso
Para identificar domínios críticos
Para identificar problemas
Para articular prioridades
Para melhorar
Para gerir com mais eficiência
Para planear
Para ser (re)conhecida pela comunidade
Para envolver a escola
O QUE AVALIAR NA BIBLIOTECA?
4
 Como está organizada
 Como funciona
 Que serviços oferece
 Que recursos disponibiliza
 Que formação fornece aos seus utentes
 Que benefícios retiram os alunos da sua utilização
 A eficácia dos serviços
 É um espaço de aprendizagem?
 Cooperação da BE/CRE com órgãos de gestão
pedagógica
 Parceria com os professores
 Dinamização da literacia da informação
 Promoção da leitura
O QUE AVALIAR NA BIBLIOTECA?
5
 Impacto da BE/CRE nas competências tecnológicas e
de informação dos alunos
 A BE ajuda a desenvolver valores e atitudes?
 A BE envolve-se nas actividades extra-curriculares?
 A BE colabora com outras escolas / entidades?
 A consulta do fundo documental e dos recursos
existentes é possível e de fácil acesso?
 A BE está contemplada no PEE, no RI e nos projectos
e actividades educativas?
 A BE é valorizada pela gestão e possui uma verba fixa?
 A BE estabelece práticas de auto-avaliação?
O QUE AVALIAR NA BIBLIOTECA?
6
 O professor bibliotecário possui competências adequadas,
formação na sua área?
 O professor bibliotecário estabelece a ligação à escola?
 O professor bibliotecário promove a biblioteca e introduz
processos de melhoria contínua?
 A equipa da BE é pluridisciplinar e possui formação?
 A equipa interage com a escola, envolvendo-se em
actividades?
 O horário e a formação da Assistente Operacional é
suficiente e adequado a um bom funcionamento da BE?
 O espaço é adequado e suficiente?
 O equipamento existente é adequado e suficiente?
AFINAL O QUE CONTA?
7

OS RECURSOS ?
(o input)

ou

OS RESULTADOS ?
(o output)
É claro que…
8

São
os RESULTADOS,
o output.

É isso que deve reger
a nossa prática.
Mas para chegarmos aos RESULTADOS…
9

temos de ter uma prática baseada numa
RECOLHA DE EVIDÊNCIAS,
ou seja, um conjunto de elementos que nos permitam verificar se
estamos a agir correctamente ou não, que nos forneçam dados
para analisarmos quais os pontos fortes e os pontos fracos, as
oportunidades, as ameaças, que nos permitam alterarmos
as nossas práticas, estabelecermos desafios
e implementarmos acções.
O que sabe acerca do trabalho da BE?
10

 Conhece a equipa de professores da BE?
 Conhece a página da Internet e o blogue da BE?
 Sabe quais os recursos disponíveis na BE?
 Já pesquisou na base de dados da BE?
 Tem conhecimento de alguma iniciativa realizada pela
BE?
 Costuma encaminhar ou levar os seus alunos para a
BE?
 Já realizou alguma actividade conjunta com a BE?
 Já utilizou recursos da BE?
O que sabe acerca do trabalho da BE?
11

 Já promoveu/foi solicitado(a) para
a criação de recursos em conjunto com
a equipa de professores da BE?
 O seu departamento/grupo promove
actividades em conjunto com a BE?
 Já alguma vez foi inquirido(a) acerca da BE?

 Conhece as referências à BE no PEE e no Reg. Interno?

 Conhece projectos em que a BE esteja envolvida com outras
escolas?
 Reconhece competências de informação no professor
bibliotecário?
Por isso é que é preciso…
12

AVALIAR.
E também para…
13

MELHORAR.
E em que áreas deve a BE ser avaliada?
14

Há 4 grandes domínios em que a BE se vai
auto-avaliar, de acordo com o Modelo de
Auto-avaliação das Bibliotecas Escolares:

 A – Apoio ao desenvolvimento curricular
 B – Leitura e literacias
 C - Projectos, Parcerias e Actividades Livres e de Abertura à
Comunidade
 D - Gestão da Biblioteca Escolar
E em que áreas deve a BE ser avaliada?
15

O domínio A - Apoio ao Desenvolvimento
Curricular – subdivide-se em:

 A.1 Articulação curricular da BE com as estruturas pedagógicas
e os docentes;
 A.2. Desenvolvimento da literacia da informação.

O domínio B - Leitura e literacia.
E em que áreas deve a BE ser avaliada?
16

O domínio C - Projectos, Parcerias e
Actividades Livres e de Abertura à Comunidade
- subdivide-se em:

 C.1. Apoio a actividades livres, extra-curriculares e de
enriquecimento curricular;

 C.2. Projectos e parcerias.
E em que áreas deve a BE ser avaliada?
17

O domínio D - Gestão da Biblioteca Escolar -
subdivide-se em:

 D.1. Articulação da BE com a Escola/ Agrupamento. Acesso e
serviços prestados pela BE;

 D.2. Condições humanas e materiais para a prestação dos
serviços;

 D.3. Gestão da colecção/da informação.
O que se refere no Modelo de Auto-Avaliação:
18

Cada domínio/subdomínio é apresentado
num quadro que inclui um conjunto de
indicadores temáticos que se concretizam em
diversos factores críticos de sucesso.

Os indicadores apontam para as zonas
nucleares de intervenção em cada domínio e
permitem a aplicação de elementos de
medição que irão possibilitar uma apreciação
sobre a qualidade da BE.
E como se processa? Em que se baseia?
19
 A avaliação da BE deve apoiar-se em evidências, cuja leitura
nos mostra os aspectos positivos que devemos realçar e fazer
sobressair, comunicando os resultados, ou aspectos menos
positivos que nos podem obrigar a repensar formas de gestão
e maneiras de funcionamento.

 Os dados recolhidos podem ter origem em fontes diversas:

 documentos já existentes e que regulam a actividade da escola
(PEE, PCT, etc.) ou da BE (Plano de Actividades, regulamento,
etc.);
 registos diversos (actas de reuniões, relatos de actividades, etc.);
E como se processa? Em que se baseia?
20

 materiais produzidos pela BE ou em colaboração (planos
de trabalho, planificações para sessões na BE, documentos
de apoio ao trabalho na BE, material de promoção, etc.);
 estatísticas produzidas pelo sistema da BE (requisições,
etc.);
 trabalhos realizados pelos alunos (no âmbito de
actividades da BE, em trabalho colaborativo, etc.);
 instrumentos especificamente construídos para recolher
informação no âmbito da avaliação da BE (registos de
observação, questionários, entrevistas, etc.).
Na prática, como se avalia?
21

 A avaliação realizada vai articular-se, em cada
domínio/subdomínio, com os perfis de
desempenho que caracterizam o que se espera da
BE, face à área analisada.
Nível Descrição
4 A BE é bastante forte neste domínio. O trabalho desenvolvido é de grande
qualidade e com um impacto bastante positivo.
3 A BE desenvolve um trabalho de qualidade neste domínio mas ainda é
possível melhorar alguns aspectos.
2 A BE começou a desenvolver trabalho neste domínio, sendo necessário
melhorar o desempenho para que o seu impacto seja mais efectivo.
1 A BE desenvolve pouco ou nenhum trabalho neste domínio, o seu impacto é
bastante reduzido, sendo necessário intervir com urgência.
Quando é vai haver esta auto-avaliação?
22

 A Biblioteca deverá escolher um dos domínios e
realizar a sua auto-avaliação durante um ano
lectivo.
 Ao fim do ciclo de 4 anos, todos os domínios terão
sido objecto de avaliação.
 A avaliação será feita de acordo com 3 momentos:

 Recolha de evidências.
 Identificação do perfil de desempenho.
 Registo da auto-avaliação no relatório final.
E é por isso que…
23

Toda a escola se deve empenhar

na colaboração com a Biblioteca.
Toda a escola deve empenhar-se.

Toda a escola deve trabalhar com

o mesmo fim: O SUCESSO.
Para que…
24

Toda a escola retire

benefícios do trabalho da sua
Biblioteca.
Toda a escola se orgulhe da

sua Biblioteca.
Para isso é preciso…
25

B oa vontade
I nteresse
B rio
L abor
I nvestimento
O rgulho
T empo
E mpenho
C riatividade
A cção /Avaliação
Por isso…
26

COLABORE!
Como vamos trabalhar no Workshop?
27

1. Vamos dividir-nos em pequenos grupos.
2. Cada grupo vai desenvolver as suas ideias acerca dos
aspectos referidos no cartão que lhe for distribuído, tendo
em conta os conteúdos visados nesta apresentação e os
indicadores fornecidos no folheto.
3. A fase de discussão em grupo não deverá exceder 30/45
minutos.
4. Um dos elementos do grupo irá anotar as conclusões a
que os seus elementos chegaram.
5. O porta-voz de cada grupo irá comunicar aos presentes as
suas conclusões /sugestões.
6. No final, serão recolhidas as conclusões /sugestões de
cada grupo e verificada a utilidade da aplicação do
modelo, bem como a maneira como a escola poderá
envolver-se na BE e na sua auto-avaliação, e estabelecidas
metas a atingir.
Temas de discussão para os grupos
28

1. O modelo de auto-avaliação é importante para a
biblioteca da escola?
2. Este modelo, pelo que dele conhece, permitirá
ajudar a BE a melhorar?
3. A estrutura do modelo permite analisar os
diversos aspectos do funcionamento da BE e é
exequível?
4. Este modelo pode ser aplicado à BE da escola,
permite mudar práticas e delimitar dificuldades?
5. Que impacto é que a aplicação deste modelo pode
provocar na biblioteca da escola e no
envolvimento de professores e alunos com a BE?
Cartão para os grupos
o A aplicação de um modelo de auto-avaliação para as bibliotecas escolares é
relevante para o seu funcionamento? Porquê?
o O estabelecimento de boas práticas e de partilha de experiências de sucesso
entre bibliotecas e da BE face à escola pode decorrer da aplicação deste modelo?
o O modelo permite detectar pontos fortes e pontos fracos através de uma
recolha de evidências?
o Que evidências é possível recolher? Dê dois ou três exemplos para cada
domínio.
o Este trabalho deve abranger toda a escola? Diga porquê e sugira formas de o
implementar.
o Os domínios e indicadores considerados no modelo estão adequados à
realidade da escola? Porquê?
o Atente num dos domínios e nos respectivos indicadores e refira aspectos que
poderão vir a ser detectados e que seria muito difícil prever sem este modelo.
o Os alunos e professores poderão vir a encarar de maneira diferente a BE a
partir da aplicação deste modelo? Que mudanças prevê?