You are on page 1of 3

CAPTAÇÃO DE ÁGUAS PLUVIAIS PARA USO RESIDENCIAL E

COMERCIAL


Água se constitui, atualmente, é um fator limitante para o
desenvolvimento agrícola, urbano e industrial, tendo em vista que a disponibilidade de
água doce vem sendo reduzida rapidamente, face ao aumento de sua demanda e à
contínua poluição dos mananciais ainda disponíveis. Áreas com recursos hídricos
abundantes, também experimentam restrições de consumo que afetam o desenvolvimento
econômico e a qualidade de vida da população.
Para restabelecer o equilíbrio entre oferta e demanda de água e garantir
a sustentabilidade do desenvolvimento econômico e social, é necessário que métodos e
sistemas alternativos modernos sejam convenientemente desenvolvidos e aplicados em
função de características de sistemas e centros de produção específicos. Nesse sentido,
nosso projeto e dar condições do reuso, reciclagem, gestão da demanda, redução de
perdas e minimização da geração de efluentes constitui-se, em associação às práticas
conservacionistas, nas palavras-chave mais importantes em termos de gestão da água e da
redução da poluição de seus mananciais.
A escolha de fontes alternativas de abastecimento de água deve
considerar não somente custos envolvidos na aquisição dessa fonte, mas também custos
relativos à garantia da qualidade necessária a cada uso específico, resguardando a saúde
pública dos usuários. A falta de gestão dos sistemas alternativos pode colocar em risco o
consumidor e as atividades nas quais a água é utilizada, pelo uso inconsciente de água
com padrões de qualidade inadequados.

Cuidados específicos devem ser considerados para que não haja risco de contaminação a
pessoas ou produtos ou de dano a equipamentos.

1. O sistema hidráulico deve ser independente e identificado, torneiras de água não
potável devem ser de acesso restrito, equipes devem ser capacitadas para seu
manuseio, devem ser previstos reservatórios específicos de bons resultados.

2. A água pluvial coletada em áreas impermeáveis, ou seja, telhados, pátios, ou áreas
de estacionamento, encaminhada a reservatórios de acumulação. Para
posteriormente, passar por unidades de tratamento para atingir os níveis de
qualidade para seu uso. O

A água pluvial, como fonte alternativa ao abastecimento de água requer a gestão de sua
qualidade e quantidade. A água de chuva pode ser utilizada desde que haja controle de
sua qualidade e verificação da necessidade de tratamento específico, de forma que não
comprometa a saúde de seus usuários, nem a vida útil dos sistemas envolvidos.
O uso de sistemas de coleta e aproveitamento de águas pluviais
propicia, além de benefícios de conservação de água e de educação ambiental, a redução
do escoamento superficial e a consequente redução da carga nos sistemas urbanos de
coleta de águas pluviais e o amortecimento dos picos de enchentes, contribuindo para a
redução de inundações. A avaliação econômica dos projetos de aproveitamento de água
pluvial é bastante positiva, podendo reduzir, significativamente, os valores mensais das
contas de água.
A metodologia básica para projeto de sistemas de coleta, tratamento e uso de água pluvial
envolve as seguintes:
• determinação da precipitação média local em função de dados publicados ;
• determinação da área de coleta;
• determinação do coeficiente de escoamento superficial;
• caracterização da qualidade da água pluvial,
• projeto do reservatório de descarte;
• projeto do reservatório de armazenamento;
• identificação dos usos da água (demanda e qualidade);
• estabelecimento do sistema de tratamento necessário;
• projeto dos sistemas complementares (grades, filtros, tubulações etc.).

Geralmente, o reservatório de armazenamento é o componente mais dispendioso do
sistema de coleta e aproveitamento de águas pluviais, devendo, portanto, ser
dimensionado com bastante critério para tornar viável a implementação dos sistemas de
aproveitamento de águas pluviais. O sistema de tratamento das águas pluviais depende da
qualidade da água coletada e do seu destino final. De maneira geral, considerando-se os
usos mais comuns em edifícios (irrigação de áreas verdes, torres de resfriamento de
sistemas de ar condicionado, lavagens de pisos, descarga em toaletes etc.) são
empregados sistemas de tratamento compostos de unidades de sedimentação simples,
filtração simples e desinfecção com cloro ou com luz ultravioleta. Os sistemas
complementares são compostos de condutores horizontais (calhas) e verticais que
transportam as águas pluviais coletadas até os reservatórios de armazenamento. Podem,
também, serem utilizados grades ou filtros retentores de folhas, galhos ou quaisquer
materiais grosseiros, que são colocados juntos às calhas ou nas tubulações verticais.

Os sistemas de coleta e aproveitamento de águas pluviais requerem
cuidados gerais e características construtivas que permitam a segurança do
abastecimento. Entre estes podem ser ressaltados:
• evitar a entrada de luz do sol no reservatório para diminuir a proliferação de algas
e microrganismos;
• manter a tampa de inspeção fechada;
• colocar grade ou tela na extremidade do tubo, para evitar a entrada de pequenos
animais;
• realizar a limpeza anual do reservatório, removendo os depósitos de sedimentos;
• projetar o reservatório de armazenamento com declividade no fundo na direção da
tubulação de drenagem, para facilitar a limpeza e retirada de sedimentos;
• assegurar que a água coletada seja utilizada somente para fins não potáveis.




Para complementar a captação de águas pluviais, podemos também utilizar os efluente
doméstico (água cinza) para reuso desde que não possua contribuição de água captada
de sanitários e pia de cozinha, ou seja, somente os efluentes gerados pelo uso de
banheiras, chuveiros, lavatórios, máquinas de lavar roupas em residências, escritórios
comerciais, escolas etc. Em edifícios residenciais, a oferta de água cinza é abundante,
considerando-se a maior parcela de consumo de água dedicada às atividades de higiene
pessoal e preparo de alimentos. Sempre será necessária a realização de estudos
econômicos adequados para verificar a viabilidade de se efetuarem os investimentos para
a separação e tratamento de água cinza em edifícios. Essa avaliação pode levar em conta
a utilização de águas pluviais, proporcionando melhores condições para a viabilidade
econômica. Assim como no caso de utilização das águas pluviais, o reuso de águas cinza
propicia significativos benefícios ambientais, pois colabora com o uso sustentável dos
recursos hídricos, minimiza a poluição hídrica nos mananciais, estimula o uso racional e a
conservação de água potável e permite maximizar a infraestrutura de abastecimento de
água e tratamento de esgotos pela utilização múltipla da água aduzida.


Uma diferencial para as Futuras Construções e Edificações
LEED (Leadership in Energy and Environmental Design) é um protocolo de avaliação e
certificação de edificações conhecido e aceito internacionalmente. No Brasil ele vem
sendo chamado de Selo Verde na construção civil. Ele foi inicialmente concebido por um
comitê, ligado ao USA Green Building Council, visando encorajar e acelerar a adoção de
práticas sustentáveis de edificações ecologicamente corretas, criando e implementando
padrões, ferramentas e procedimentos aceitos e entendidos internacionalmente. Na área
comercial, a certificação LEED (Selo Verde ) contempla vários segmentos: novas
construções, construções já existentes. Dentre os aspectos avaliados na certificação
LEED está, o consumo eficiente de água com redução de consumo da água potável; uso
eficiente durante e depois do empreendimento estar pronto e a colocação de sistemas de
reaproveitamento de água nas construções.