SISTEMA DIGESTÓRIO

SISTEMA DIGESTÓRIO
• Trato digestório e os
órgãos anexos
• TRATO DIGESTÓRIO • TRATO DIGESTÓRIO
– Tubo oco: da cavidade
bucal ao ânus
– Também chamado de
canal alimentar ou trato
gastrintestinal.
SISTEMA DIGESTÓRIO
– Estruturas: boca, faringe, esôfago, estômago,
intestino delgado, intestino grosso, reto e
ânus.
– Comprimento do trato gastrintestinal: 9m
(cadáver).
– Na pessoa viva é menor porque os músculos
ao longo das paredes dos órgãos do trato
gastrintestinal mantém o tônus.
ESTRUTURAS PRINCIPAIS
– BOCA
– FARINGE
– ESÔFAGO – ESÔFAGO
– ESTÔMAGO
– INTESTINO DELGADO
– INTESTINO GROSSO
ÓRGÃOS ANEXOS
– GLÂNDULAS PARÓTIDAS
– GLÂNDULAS SUBMANDIBULARES
– GLÂNDULAS SUBLINGUAIS
– FÍGADO
– PÂNCREAS
SISTEMA DIGESTÓRIO
SISTEMA DIGESTÓRIO
– Órgãos digestórios acessórios: nunca entram
em contato direto com o alimento.
– Produzem ou armazenam secreções que
passam para o trato gastrintestinal e auxiliam
na decomposição química do alimento. na decomposição química do alimento.
– Os dentes, a língua, as glândulas salivares, o
fígado, a vesícula biliar e o pâncreas.
SISTEMA DIGESTÓRIO
– Os dentes auxiliam no rompimento físico do
alimento
– A língua auxilia na mastigação e na
deglutição.
– Os outros órgãos digestórios acessórios, – Os outros órgãos digestórios acessórios,
nunca entram em contato direto com o
alimento.
• Produzem ou armazenam secreções que passam
para o trato gastrintestinal e auxiliam na
decomposição química do alimento.
SISTEMA DIGESTÓRIO - FUNÇÕES
1- Destina-se ao aproveitamento pelo
organismo, de substâncias estranhas ditas
alimentares, que asseguram a manutenção de
seus processos vitais.
2- Transformação mecânica e química das
macromóléculas alimentares ingeridas
(proteínas, carbohidratos, etc.) em moléculas
de tamanhos e formas adequadas para serem
absorvidas pelo intestino.
SISTEMA DIGESTÓRIO - FUNÇÕES
3 - Transporte de alimentos digeridos, água e
sais minerais da luz intestinal para os
capilares sangüíneos da mucosa do intestino.
4- Eliminação de resíduos alimentares não 4- Eliminação de resíduos alimentares não
digeridos e não absorvidos juntamente com
restos de células descamadas da parte do
trato gastro intestinal e substâncias secretadas
na luz do intestino.
SISTEMA DIGESTÓRIO – ETAPAS
– Mastigação: Desintegração parcial dos
alimentos, processo mecânico e químico.
– Deglutição: Condução dos alimentos através
da faringe para o esôfago. da faringe para o esôfago.
– Ingestão: Introdução do alimento no
estômago.
SISTEMA DIGESTÓRIO – ETAPAS
– Digestão: Desdobramento do alimento em
moléculas mais simples.
– Absorção: Processo realizado pelos intestinos.
– Defecação: Eliminação de substâncias não
digeridas do trato gastro intestinal
BOCA
• Cavidade oral ou bucal é formada pelas:
– bochechas (formam as paredes laterais da face
e são constituídas externamente por pele e
internamente por mucosa)
– palatos duro (parede superior) e mole (parede
posterior) posterior)
O palato mole se estende posteriormente na
cavidade bucal como a úvula, que é uma
estrutura com forma de letra V e que está
suspensa na região superior e posterior da
cavidade bucal.
– língua (importante para o transporte de
alimentos, sentido do gosto e fala).
BOCA
BOCA
• A cavidade da boca: onde o alimento é
ingerido e preparado para a digestão no
estômago e intestino delgado.
• O alimento é mastigado pelos dentes, e a
saliva, proveniente das glândulas salivares,
facilita a formação de um bolo alimentar
saliva, proveniente das glândulas salivares,
facilita a formação de um bolo alimentar
controlável.
• A deglutição é iniciada voluntariamente na
cavidade da boca. A fase voluntária do
processo empurra o bolo da cavidade da
boca para a faringe – a parte expandida do
trato digestório – onde ocorre a fase
automática da deglutição.
DENTES
• Os dentes são estruturas cônicas,
duras, fixadas nos alvéolos da
mandíbula e maxila que são usados
na mastigação e na assistência à fala.
• Crianças têm 20 dentes decíduos
(primários ou de leite). Adultos
normalmente possuem 32 dentes
secundários.
DENTES
• Na época em que a criança está com
2 anos de idade, provavelmente já
estará com um conjunto completo de
20 dentes de leite.
• Quando um adulto jovem já está com
algo entre 17 e 24 anos de idade,
geralmente está presente em sua
boca um conjunto completo de 32
dentes permanentes.
DENTES
DENTES
LÍNGUA
• é o principal órgão do sentido do gosto
e um importante órgão da fala,
• além de auxiliar na mastigação e • além de auxiliar na mastigação e
deglutição dos alimentos.
• Localiza-se no soalho da boca, dentro
da curva do corpo da mandíbula
LÍNGUA
• A raiz é a parte posterior, por onde se liga
ao osso hióide pelos músculos hioglosso e
genioglosso e pela membrana
glossohióidea; à epiglote, por três pregas da
mucosa; ao palato mole, pelos arcos palato-
glossos, e a faringe, pelos músculos glossos, e a faringe, pelos músculos
constritores superiores da faringe e pela
mucosa.
• O ápice é a extremidade anterior, um tanto
arredondada, que se apóia contra a face
lingual dos dentes incisivos inferiores.
LÍNGUA
• A face inferior possui uma mucosa
entre o soalho da boca e a língua na
linha mediana que forma uma prega
vertical nítida, o frênulo da língua. vertical nítida, o frênulo da língua.
LÍNGUA
• No dorso da língua
encontramos um
sulco mediano que
divide a língua em
metades simétricas.
Nos 2/3 anteriores
do dorso da língua do dorso da língua
encontramos as
papilas linguais. Já
no 1/3 posterior
encontramos
numerosas
glândulas mucosas
e folículos linfáticos
(tonsila lingual).
LÍNGUA
• Papilas Linguais -
são projeções do
cório, distribuídas
nos 2/3 anteriores
da língua, dando a
essa região uma
aspereza aspereza
característica.
• Os tipos de
papilas são:
papilas valadas,
fungiformes,
filiformes e
simples
LÍNGUA
• Papilas Linguais -
são projeções do
cório, distribuídas
nos 2/3 anteriores
da língua, dando a
essa região uma
aspereza aspereza
característica.
• Os tipos de
papilas são:
papilas valadas,
fungiformes,
filiformes e
simples
FARINGE
• A faringe é um tubo que se estende da boca
até o esôfago.
• A faringe apresenta suas paredes muito • A faringe apresenta suas paredes muito
espessas devido ao volume dos músculos
que a revestem externamente, por dentro, o
órgão é forrado pela mucosa faríngea, um
epitélio liso, que facilita a rápida passagem
do alimento.
DEGLUTIÇÃO
• O movimento do alimento, da boca para o
estômago, envolve a boca, a faringe e o
esôfago.
• Três estágios: • Três estágios:
• Voluntário: no qual o bolo alimentar é
passado para a parte oral da faringe.
• Faríngeo: passagem involuntária do bolo
alimentar pela faringe para o esôfago.
• Esofágico: passagem involuntária do bolo
alimentar pelo esôfago para o estômago.
FARINGE
• A faringe pode ainda ser dividida em três
partes: nasal (nasofaringe), oral (orofaringe)
e laringea (laringofaringe).
• Parte Nasal - situa-se posteriormente ao • Parte Nasal - situa-se posteriormente ao
nariz e acima do palato mole e se diferencia
da outras duas partes por sua cavidade
permanecer sempre aberta. Comunica-se
anteriormente com as cavidades nasais
através das coanas. Na parede posterior
encontra-se a tonsila faríngea (adenóide em
crianças).
FARINGE
• Parte Oral - estende-se do palato
mole até o osso hióide. Em sua
parede lateral encontra-se a tonsila
palatina.
• Parte Laringea - estende-se do osso
hióide à cartilagem cricóide. De cada
lado do orifício laríngeo encontra-se
um recesso denominado seio
piriforme.
FARINGE
• A faringe comunica-se com as vias nasal,
respiratória e digestória.
• Durante a deglutição, o alimento não entra nas vias
nasal e respiratória em razão do fechamento
temporário das aberturas dessas vias. temporário das aberturas dessas vias.
• Assim durante a deglutição, o palato mole move-se
em direção a abertura da parte nasal da faringe; a
abertura da laringe é fechada quando a traquéia
move-se para cima e permite a uma prega de
tecido, chamada de epiglote, cubra a entrada da via
respiratória.
FARINGE
• O movimento da laringe também
simultaneamente puxa as cordas
vocais e aumentando a abertura entre
a parte laríngea da faringe e o
esôfago.
• O bolo alimentar passa pela parte
laríngea da faringe e entra no esôfago
em 1-2 segundos.
FARINGE
ESÔFAGO
• O esôfago é um tubo fibro-músculo-mucoso
que se estende entre a faringe e o
estômago.
• Se localiza posteriomente à traquéia • Se localiza posteriomente à traquéia
começando na altura da 7ª vértebra
cervical.
• Perfura o diafragma pela abertura chamada
hiato esofágico e termina na parte superior
do estômago. Mede cerca de 25
centímetros de comprimento.
ESÔFAGO
ESÔFAGO
• A presença de alimento no interior do
esôfago estimula a atividade peristáltica, e
faz com que o alimento mova-se para o
estômago.
• As contrações são repetidas em ondas que
empurram o alimento em direção ao
estômago. A passagem do alimento sólido,
ou semi-sólido, da boca para o estômago
leva 4-8 segundos ; alimentos muito moles
e líquidos passam cerca de 1 segundo.
ESÔFAGO
• O esôfago é formado por três porções:
– Porção Cervical: porção que está em
contato íntimo com a traquéia.
– Porção Torácica: é a porção mais – Porção Torácica: é a porção mais
importante, passa por trás do brônquio
esquerdo (mediastino superior, entre a
traquéia e a coluna vertebral).
– Porção Abdominal: repousa sobre o
diafragma e pressiona o fígado, formando
nele a impressão esofâgica.
ESÔFAGO
ESTÔMAGO
• O estômago está situado no abdome, logo
abaixo do diafragma, anteriormente ao
pâncreas, superiormente ao duodeno e a
esquerda do fígado. É parcialmente coberto
pelas costelas.
• O estômago é o segmento mais dilatado do
tubo digestório, pois os alimentos
permanecerem nele por algum tempo -
reservatório entre o esôfago e o intestino
delgado.
ESTÔMAGO - FUNÇÕES
• Digestão do alimento
• Secreção do suco gástrico, que inclui
enzimas digestórias e ácido hidroclorídrico
como substâncias mais importantes.
• Secreção de hormônio gástrico e fator • Secreção de hormônio gástrico e fator
intrínseco.
• Regulação do padrão no qual o alimento é
parcialmente digerido e entregue ao
intestino delgado.
• Absorção de pequenas quantidades de
água e substâncias dissolvidas.
ESTÔMAGO
• O estômago
é divido em 4
áreas
(regiões)
principais:
• cárdia,
• fundo,
• corpo e
• piloro
ESTÔMAGO
• Para impedir o refluxo
do alimento para o
esôfago, existe uma
válvula, a cárdia,
situada logo acima da
curvatura menor do
estômago.
• Para impedir que o
bolo alimentar passe
ao intestino delgado
prematuramente, o
estômago é dotado
de uma poderosa
válvula muscular, um
esfíncter chamado
piloro
ESTÔMAGO
• O estômago
apresenta
ainda duas
partes: a
curvatura
maior
(margem (margem
esquerda do
estômago) e
a curvatura
menor
(margem
direita do
estômago).
ESTÔMAGO
• A curvatura direita do estômago, que é
côncava, é chamada curvatura gástrica
menor. A borda esquerda convexa
constitui a curvatura gástrica maior constitui a curvatura gástrica maior
• A curvatura menor está ligada à face
inferior do fígado por um mesentério
denominado omento menor.
ESTÔMAGO
• A parte principal do estômago é
chamada corpo gástrico. O corpo do
estômago afunila-se inferiormente para
formar uma região chamada piloro, que se
une com o duodeno, a primeira parte do une com o duodeno, a primeira parte do
intestino delgado.
• A parede do estômago é formada por
quatro camadas (túnicas) básicas que são
típicas do trato digestório
ESTÔMAGO
• A parte principal do estômago é
chamada corpo gástrico. O corpo do
estômago afunila-se inferiormente para
formar uma região chamada piloro, que se
une com o duodeno, a primeira parte do une com o duodeno, a primeira parte do
intestino delgado.
• A parede do estômago é formada por
quatro camadas (túnicas) básicas que são
típicas do trato digestório
ESTÔMAGO
• No estômago, a túnica muscular (camada
de revestimento) apresenta além das
camadas circular e longitudinal, uma
camada oblíqua de músculo entre a circular
e submucosa. e submucosa.
• Essa camada adicional de músculos na
parede torna possível contrações muito
fortes no estômago e ajuda na sua principal
função, amassar o alimento e misturá-lo
com os sucos digestórios.
INTESTINO DELGADO
• O estômago esvazia-se no intestino delgado, a
mais longa e mais sinuosa porção do trato
digestório (cerca de 6 m). o intestino delgado une-
se com o intestino grosso pela valva ileocecal.
• O intestino delgado é revestido por epitélio • O intestino delgado é revestido por epitélio
cilíndrico simples que contém células
especializadas para absorver nutrientes, que é a
sua função principal.
• Quanto a sua estrutura, o intestino delgado pode
ser dividido em três regiões: duodeno, jejuno e íleo.
DUODENO
• Representa os primeiros 25 cm do intestino
delgado, encurvado ao redor da cabeça do
pâncreas.
• O ducto colédoco, do fígado, e o ducto pancreático,
do pâncreas, unem-se para formar a ampola do pâncreas, unem-se para formar a ampola
hepatopancreática, que se abre no duodeno na
papila maior.
• Esta abertura é rodeada por um músculo esfíncter,
chamado esfíncter hepatopancreático. O ducto
colédoco transporta bile, e as enzimas digestórias
são transportadas pelo ducto pancreático.
DUODENO
1) Parte Superior ou 1ª
porção - origina-se no
piloro e estende-se até
o colo da vesícula
biliar. biliar.
2) 2) Parte Descendente
ou 2ª porção - é
desperitonizada.
3) Parte Horizontal ou 3ª
porção
4) Parte Ascendente ou 4ª
porção
DUODENO
JEJUNO
♦Jejuno: são os 2,5 m seguintes, estando o
jejuno suspenso na cavidade abdominal pelo
mesentério.
ÍLEO
• Constitui os 3,5 m restantes do intestino delgado. A
entrada do íleo no ceco do intestino grosso é
guarnecida pela valva ileocecal (composta por
duas pregas de tecido).
• O íleo, como o jejuno, está suspenso na parede
posterior do corpo pelo mesentério. Este permite
ao intestino delgado mover-se durante as
contrações peristálticas, sendo também suporte
para os vasos sangüíneos e linfáticos, e para os
nervos que suprem os intestinos.
INTESTINO DELGADO
INTESTINO DELGADO
• As camadas da parede do intestino formam pregas
de forma circular, que se projetam para a luz do
intestino delgado e aumentam a superfície mucosa.
• A área da superfície mucosa é aumentada ainda
mais pelas vilosidades intestinais, constituídas de
uma só camada de células epiteliais. Na face livre
dessa camada de epitélio, encontram-se as
microvilosidades.
INTESTINO DELGADO
• As microvilosidades, além de aumentarem a
superfície total da mucosa, auxiliam na absorção
dos alimentos digeridos, os quais devem atravessar
a mucosa antes de entrar nos vasos capilares ou
linfáticos. linfáticos.
• As glândulas intestinais secretam o suco intestinal,
que contém enzimas que digerem carboidratos,
proteínas e lipídeos.
INTESTINO GROSSO
• O intestino grosso, que tem cerca de 1,5 metros de
comprimento, estende-se desde a valva ileocecal
até o ânus.
• É revestido por um epitélio cilíndrico simples, tendo
células absorventes e células caliciformes
(mucosas), muito abundantes.
• O intestino grosso começa numa dilatação cega
chamada ceco, que se comunica com o íleo do
intestino delgado.
INTESTINO GROSSO
• O apêndice vermiforme é um tubo estreito, também
em fundo cego, se estende para baixo a partir do
ceco.
• O intestino grosso é dividido em ceco, colo
(ascendente, transverso, descendente e sigmóide),
reto e canal anal.
• Colo ascendente: se estende para cima a partir do
ceco, não sendo sustentado por um mesentério, e
sim, quase totalmente fixo contra a parede
posterior do abdome.
INTESTINO GROSSO
• Colo transverso: logo abaixo do fígado, o colo ascendente
faz uma curva que se dirige para a esquerda e atravessa
a cavidade abdominal, constituindo o colo transverso,
sendo suspenso por um tipo de mesentério chamado
mesocolo.
• Colo descendente: na proximidade do baço, o colo
transverso faz uma curva para baixo, constituindo o colo
descendente, fixo posteriormente ao abdome.
• Colo sigmóide: quando o colo descendente atinge o limite
superior da pelve, este curva-se para o plano sagital
mediano, formando o colo sigmóide, em forma de “S”
alongado.
INTESTINO GROSSO
INTESTINO GROSSO
• As paredes do intestino grosso não apresentam
vilosidades e microvilosidades, uma vez que não
ocorre digestão significante no mesmo. No entanto, o
intestino grosso serve como local principal de
absorção de água, sódio e cloro. absorção de água, sódio e cloro.
• O reto fica situado sobre a superfície anterior do
sacro e cóccix e termina no estreito canal anal, que
se abre para o exterior no ânus
INTESTINO GROSSO
• A mucosa do canal anal forma uma série de pregas
longitudinais conhecidas como colunas anais,
separadas uma da outra por depressões chamadas
seios anais, que terminam distalmente nas válvulas
anais. anais.
• No canal anal, o epitélio é do tipo estratificado
pavimentoso. O canal anal é rodeado por músculos
esfíncteres externo e interno. O interno é formado por
músculo liso involuntário, sendo o externo formado
por músculo esquelético e sob controle voluntário.
INTESTINO GROSSO
INTESTINO GROSSO
• Funções do Intestino Grosso
• Absorção de água e de certos eletrólitos;
• Síntese de determinadas vitaminas pelas bactérias • Síntese de determinadas vitaminas pelas bactérias
intestinais;
• Armazenagem temporária dos resíduos (fezes);
• Eliminação de resíduos do corpo (defecação).
ÓRGÃOS ACESSÓRIOS
PÂNCREAS
• O pâncreas está localizado atrás do peritônio e
abaixo do estômago. A cabeça do pâncreas está
voltada para a curvatura do duodeno, com a incisura,
o corpo e a cauda estendendo-se para a esquerda.
• O pâncreas contém células secretoras arranjadas em
curtos tubos ou pequenos sacos chamados ácinos.
Os ácinos secretam o suco pancreático, o qual
apresenta enzimas digestórias.
ÓRGÃOS ACESSÓRIOS
PÂNCREAS
ÓRGÃOS ACESSÓRIOS
PÂNCREAS
• O suco pancreático é transportado ao duodeno pelo
ducto pancreático. Este usualmente une-se com o
canal colédoco, que transporta a bile, e desembocam
juntos no duodeno.
• Um ducto pancreático acessório freqüentemente
ramifica-se do ducto pancreático e se abre no
duodeno independentemente.
ÓRGÃOS ACESSÓRIOS
PÂNCREAS
• Além da produção de enzimas digestórias, o
pâncreas funciona como glândula endócrina, uma
vez que apresenta células endócrinas chamadas
ilhotas pancreáticas.
• As secreções destas ilhotas não são transportadas
por ductos, mas sim, entram na corrente circulatória
do pâncreas e assim alcançam todo o corpo.
ÓRGÃOS ACESSÓRIOS
PÂNCREAS
ÓRGÃOS ACESSÓRIOS
PANCREAS
• O pâncreas tem as seguintes funções:
• Dissolver carboidrato (amilase pancreática);
• Dissolver proteínas (tripsina, quimotripsina, • Dissolver proteínas (tripsina, quimotripsina,
carboxipeptidase e elastáse);
• Dissolver triglicerídios nos adultos (lípase
pancreática);
• Dissolver ácido nucléicos (ribonuclease e
desoxirribonuclease).
ÓRGÃOS ACESSÓRIOS
FÍGADO
• O fígado é um órgão bastante
grande que se encontra
posicionado no lado direito, abaixo
do diafragma. é dividido em duas
regiões principais: lobos direito e regiões principais: lobos direito e
esquerdo.
• Os lobos direito e esquerdo estão
separados por uma prega de
peritônio chamada ligamento
falciforme, que prende o fígado à
parede abdominal anterior.
ÓRGÃOS ACESSÓRIOS
FÍGADO - Funções
• Armazenamento e liberação de glicose, metabolismo
dos lipídeos, metabolismo das proteínas, síntese da
maioria das proteínas do plasma, processamento de
drogas e hormônios, destruição das células sanguíneas
desgastadas e bactérias.

Além de todas as funções já citadas no parágrafo

Além de todas as funções já citadas no parágrafo
anterior, o fígado age também no armazenamento de
vitaminas e minerais. Ele armazena algumas vitaminas
como: A, B12, D, E e K, além de minerais como o ferro
e o cobre.
O fígado participa também da regulação do volume
sanguíneo, possui importante ação antitóxica contra
substâncias nocivas ao organismo como o álcool, a
cafeína, gorduras, etc.
ÓRGÃOS ACESSÓRIOS
FÍGADO
ÓRGÃOS ACESSÓRIOS
FÍGADO
• O fígado recebe sangue de duas fontes: a artéria
hepática, que transporta sangue oxigenado
proveniente da aorta, e a veia porta hepática, que
transporta sangue venoso proveniente do trato
digestório, do pâncreas e do baço. digestório, do pâncreas e do baço.
• Aproximadamente 1.500 ml de sangue atravessam o
fígado a cada minuto, dos quais 1.100 ml chegam
pela veia porta hepática e 400 ml pela artéria
hepática.
ÓRGÃOS ACESSÓRIOS
FÍGADO
♦ O fígado está composto de inúmeros compartimentos
hexagonais chamados lóbulos hepáticos. Nos cantos
desses compartimentos encontram-se um ramo da
veia porta hepática, um ramo da artéria hepática e
um dúctulo biliar, sendo que estas três estruturas um dúctulo biliar, sendo que estas três estruturas
constituem a tríade hepática.
ÓRGÃOS ACESSÓRIOS
FÍGADO
• Outra função desempenhada pelas células hepáticas,
é a secreção de bile.
• A vesícula biliar é um pequeno saco na face inferior
do fígado, revestido com epitélio cilíndrico do fígado, revestido com epitélio cilíndrico
(prismático), a qual serve como local de
armazenamento da bile, produzida pelo fígado. A
vesícula biliar também concentra a bile, por
reabsorção de água.
ÓRGÃOS ACESSÓRIOS
VESÍCULA BILIAR