1

UNIVERSIDADE ANHANGUERA
POLO MACAÉ
CURSO DE ADMINISTRAÇÃO
TUTOR: MEIRE DIAS
DISCIPLINA: ECONIMIA
CAMILA BRITO RA: 386502
ROSIMERI BATISTA RA: 38979
VIVIA DE CASTRO RA: !0002
VIVIANE BRANCO RA: 390!75
2
R"#$ %& N&'()*$+: E,&-./0*)$+
T&,&1$0*" M(2&,
3
SUM3RIO
4 I0-.$%567$44444444444444444444444444444444444444444444444444444444444444444444444444444444444444444444444444444444444444444444444444444!
44 E#8.&+"+ 8".-*)*8"0-&+444444444444444444444444444444444444444444444444444444444444444444444444444444444444444444444444444446
24 U# 9.&2& :*+-(.*)$ %" -&,&1$0*" #(2&,44444444444444444444444444444444444444444444444444444444444444444444444444444446
244 I01,5;0)*" %" E)$0$#*"44444444444444444444444444444444444444444444444444444444444444444444444444444444444444444444444444447
34 O S&-$. %" E)$0$#*" #(2&, 0$ B."+*, "-*0'& -$%"+ "+ ),"++&+ I01,5;0)*" %"
E)$0$#*"44444444444444444444444444444444444444444444444444444444444444444444444444444444444444444444444444444444444444444444444444444444448
344 T&,&1$0*" #(2&, ).&+)& 0<= &# >5,:$ 0$ B."+*,4444444444444444444444444444444444444444444444444444444448
!4 C$#8$.-"#&0-$ %$ )$0+5#*%$.44444444444444444444444444444444444444444444444444444444444444444444444444444444444444449
54 ?5&# +7$ $+ )$0+5#*%$.&+44444444444444444444444444444444444444444444444444444444444444444444444444444444444444444444444
544 ?5"0-$ '"0:"# $ )$0+5#*%$.&+44444444444444444444444444444444444444444444444444444444444444444444444444444444444
5424 ?5"0-$ '"+-"# %& +5" .&0%" $+ )$0+5#*%$.&+444444444444444444444444444444444444444444444444444444444444
5434 G"+-$ #&0+", )$# )&,5,".444444444444444444444444444444444444444444444444444444444444444444444444444444444444444444444442
54!4 D&+8&+" #@%*" #&0+", A"#*,*".44444444444444444444444444444444444444444444444444444444444444444444444444444444444443
64 E2$,567$ %& #&.)"%$444444444444444444444444444444444444444444444444444444444444444444444444444444444444444444444444444444444!
74 E+-"-B+-*)"44444444444444444444444444444444444444444444444444444444444444444444444444444444444444444444444444444444444444444444444444445
84 C$0),5+7$44444444444444444444444444444444444444444444444444444444444444444444444444444444444444444444444444444444444444444444444444447
94B*9,*$'."1*"444444444444444444444444444444444444444444444444444444444444444444444444444444444444444444444444444444444444444444444444448
4

4 INTRODUÇÃO
As telecomunicações tornaram-se essenciais no mundo dos negócios, na educação e
em vários aspectos do dia a dia. A possibilidade de uma comunicação instantânea, entre
pessoas ou sistemas,em lugares distantes, está mudando a forma como a sociedade se
relaciona. No entanto, este setor vem passando por rápidas e consideráveis
transformações. Neste contexto ocorreram vários processos importantes, como a
globaliação, a evolução tecnológica, a !uebra de monopólio governamental no setor, as
mudanças econ"micas no #rasil e no mundo e, sobretudo, mudanças na própria
sociedade. $esta maneira os clientes exigem !ue as empresas ten%am um
comportamento de adaptação e grandes mudanças.
Neste momento as empresas do ramo buscam se reestruturar e mudar a tecnologia
para alcançar a satisfação do cliente e obter vantagem competitiva. &m resumo a
ind'stria de telefonia móvel celular ( muito dinâmica, e intensiva em capital de longo
prao. )sto re!uer um estudo mais elaborado e profundo sobre o comportamento futuro
dos negócios, exigindo análises prospectivas. $essa forma, espera-se com este trabal%o
estabelecer uma sucessão lógica, coerente e plaus*vel de eventos !ue, partindo do
presente, estabeleçam as principais alternativas e tra+etórias para se c%egar a uma
situação futura no setor.
,egundo -ários ./0012, o sistema 3elebrás foi criado em 415/, com a função de
plane+ar e coordenar as telecomunicações em todo o #rasil. A 3elebrás absorveu as
empresas !ue prestavam serviço telef"nico fixo at( então, consolidando-as em empresas
de âmbito estadual. Ao todo, foram vinte e seis operadoras estaduais e uma operadora
5
de telecomunicações de longa distancia, nacional e internacional .&mbratel2,
representando cerca de 146 da base telef"nica do 7a*s.
8omes e 9arlini :unior ./0012 comentam !ue com a promulgação da lei n; 1./1<
em 411=, denominada lei m*nima, tornou exe!u*vel a abertura do mercado de telefonia
móvel a investidores privados, proporcionando um cenário ideal para o modelo de
competição. A partir da*, com a decisão pela privatiação %ouve a preocupação de
estabelecer o duopólio na telefonia móvel, ou se+a, uma maneira de garantir a
concorr>ncia ?s empresas !ue tin%am suas origens das estatais operando na banda A
.fre!u>ncias de ondas de rádio utiliadas pela telefonia móvel, onde um serviço não
invade o outro2. &m !uatro de +ul%o de 4115 o governo abriu processo de licitação para
uma segunda banda, outra fre!u>ncia c%amada de @banda #A, possibilitando assim o
in*cio da concorr>ncia no mercado de telefonia móvel.
,egundo Alves ./0012, em 411B, com o leilão das licenças da banda #, as empresas
vencedoras iniciam as operações efetivando assim a privatiação do antigo ,istema
3elebrás. 9om isso, o controle das empresas de telefonia deixa de ser estatal e passa
para o privado, dando in*cio a um per*odo de expansão para todo o mercado de
telecomunicações.
9om a privatiação, as novas regras da Anatel e a proporção de concorr>ncia
acirrada fieram com !ue a telefonia móvel no #rasil desse um salto em volume de
clientes atendidos, cidades cobertas, tecnologia e inovação. &sta evolução transformou o
telefone celular num bem comum, um dese+o de consumo. ,egundo pes!uisas 9âmara
de $irigentes -o+istas de 7orto Alegre .9$-2 o telefone celular ( o 40; item mais
indicado pelas pessoas para dar de presente em (pocas comemorativas e o <; mais
dese+ado de receber.
6
44 E#8.&+"+ 8".-*)*8"0-&+:
Cperadoras de 3elefonia Dóvel .9elular 2, existem no #rasil 05.sete2 grupos de
operadoras de 9elularE
FonteE Anatel
24 UM BREVE HISTCRICO DA TELEAONIA MCVEL
C #GA,)- & A G&HC-IJKC $A 3&-&FCN)A DLH&-
Atrav(s de relatos obtidos pode-se observar uma evolução no #rasil envolto em
crises econ"micas e institucionais na d(cada de 10 em novas gerações de tecnologias
gan%aram alcance do p'blico atrav(s das ,iglas 84,8/,8M.
A 84 foi introduida no in*cio dos anos 10,a 8/, no final, e a 8M, recentemente. A
8N ainda não foi implantada no #rasil, por!ue ainda está no âmbito dos pa*ses mais
avançados, como os &IA, &uropa nórdica, :apão, e a 9%ina, !ue possui renda per capita
menor do !ue a nossa, mas tem efici>ncia institucional e economias de escala
formidáveis. &m meados dos anos 10, o #rasil montou uma nova estrutura de
telecomunicações, !ue se fundamentou em duas novidadesE a criação da ANA3&-, a
ag>ncia nacional reguladora do setor, e a privatiação das operadoras de telefonia no
pa*s. 7or(m, a dinâmica do setor exige cuidados entre o &stado e a iniciativa privada,
Cperadora 9ontrolador 9elulares
.Dil%ares2
DarOet
,%are
4P Hivo 3elef"nica 5<.5/0 /1,<=6
/P 3)D 3elecom )tália =B.B5N /=,B16
MP 9laro Am(rica Dóvil =/.1== /N,<B6
NP Ci A8, -aFonte, #N$&,, Fundos
e 7ortugal 3elecom
N5.55/ 4B,=<6
<P 93#9 93#9 5/< 0,/B6
=P ,ercomtel 7refeitura -ondrinaQ9opel 5N 0,0M6
5P Aeiou Inicel - -
7
cu+o sucesso exige maturidade das empresas. A evolução dos celulares cedeu ao longo
das tr>s 'ltimas d(cadas, per*odo em !ue o #rasil enfrentou a /P crise do petróleo, a
crise da d*vida externa e várias crises econ"micas internacionaisR implantou sua +ovem
democracia, facilitando o dom*nio do &stado, por pol*ticos de transpar>ncia duvidosa, e
por uma ávida e s"frega burocracia patrimonialista e realiou acelerada privatiação de
um formidável patrim"nio estatal, em diversos setores relevantes da economia. Assim,
fal%as e desvios se tornaram inevitáveis. Apesar disso a rede de telefonia móvel %o+e
implantada se tornou motivo de orgul%o nacional, pois somos um dos maiores usuários
de celulares em todo o Dundo.
244 I01,5;0)*" %" E)$0$#*"
&m /040 as receitas globais de serviços de telefonia móvel foram de aproximadamente
B00 bil%ões de dólares, e!uivalente a 4,M6 do 7)# 8lobal. Na Am(rica -atina segundo
8
cálculo da converg>ncia Gesearc%, as receitas dos serviços móveis foi aproximadamente
de B4 bil%ões, o e!uivalente a 40,4B6 do negócio global das empresas de serviços
moves. .FonteE &stimativas de pes!uisa de converg>ncia2.
34 O SETOR DE TELEAONIA MCVEL NO BRASIL ATINGE TODAS AS
CLASSES
,egundo .Abinee2 Associação #rasileira da )nd'stria &l(trica e &letr"nica, as
exportações somaram em +aneiroQ/044 I,S NB<,M mil%ões. C resultado foi superior ao
atingido no m>s de +aneiro de /001 e /040. & com *ndice de =N,<6 !ue foi o maior
incremento no segmento de e!uipamentos industriais. C desempen%o do setor no 4T
trimestre de /04/ o faturamento cresceu 56 na comparação com o 4T trimestre de /04/.
344 T&,&1$0*" #(2&, ).&+)& 0<= &# >5,:$ 0$ B."+*,
A telefonia móvel brasileira registrou /51,5/ mil novas lin%as celulares em +ul%o,
representando alta de 0,446 sobre o m>s anterior, mas apresentando o menor volume de
%abilitações para o m>s desde /000, informou a Ag>ncia Nacional de 3elecomunicações
.Anatel2 nesta sexta-feira.
No total, as %abilitações móveis somaram /<=,N4 mil%ões de lin%as no m>s passado,
com <M,1< mil%ões de terminais de banda larga M8. Na comparação anual, a base de
lin%as celulares no pa*s cresceu 4=,M=6.
A divulgação dos dados aconteceu após a Anatel ter suspendido as vendas de 3)D,
Ci e 9laro em diversos &stados no final de +ul%o, em meio a exig>ncias de !ualidade
!ue devem a+udar a mudar os negócios do setor.
9
,egundo os dados da Anatel, Hivo e 9laro acrescentaram novos usuários em +ul%o,
en!uanto 3)D e Ci tiveram !ueda em sua base de lin%as.
A Hivo, operadora móvel do grupo 3elef"nica, teve participação de mercado de
/1,546 em +ul%o, com 5=,4B mil%ões de lin%as - N=0 mil a mais do !ue no m>s anterior.
:á a 9laro, do grupo mexicano Am(rica Dóvel, acrescentou 401 mil lin%as em +ul%o,
para =M,05 mil%ões de %abilitações. A fatia de mercado da empresa passou de /N,<B6
para /N,=6, apesar da suspensão de vendas em tr>s &stados, entre eles ,ão 7aulo,
mercado com maior n'mero de usuários.
A 3)D, por sua ve, teve !ueda de cerca de /00 mil lin%as no m>s passado, para
=B,=5 mil%ões. Apesar disso, a operadora manteve a segunda colocação atrás da Hivo,
com /=,5B6 de participação no total de lin%as do pa*s.
A Ci tamb(m teve !ueda na comparação mensal, de 440 mil lin%as, fec%ando +ul%o
com N5,== mil%ões. A operadora det(m o !uarto lugar na lista, com 4B,<16 de
participação.
!4 COMPORTAMENTO DO CONSUMIDOR
3anto no #rasil como no exterior, as empresas de telefonia adotam um mesmo
crit(rio de classificação da sua base de clientes de acordo com o tipo de serviços
contratado. 8enericamente, as operadoras utiliam dois tipos de 7lanosE Cs pós-pagos e
os pr(-pagos. Cs primeiros são planos de conta, onde os clientes recebem uma fatura
após a utiliação do serviço .vo, dados, outros2. Neste plano, os clientes escol%em em
!ual faixa de tempo de utiliação se en!uadram, pois o custo do minuto redu ? medida
!ue o cliente escol%a planos de maior valor.
:á os pr(-pagos, tamb(m con%ecidos como plano de cartão, não possuem fatura
mensal, nesse os clientes ad!uirem cr(ditos !ue são ativados pela operadora para uso
em ligações futuras. Nesta modalidade de plano o custo para o cliente pode ser maior,
10
em função de !ue as operadoras não tem a certea de receita por parte de seus clientes,
%a+a visto !ue os mesmos podem se !uer inserir cr(ditos, apenas receber ligações.
,egundo Anatel ./0012, o #rasil fec%ou o m>s de março de /001 com mais de 4/<
mil%ões de clientes no perfil pr(-pago, o !ue representa B4,=46 do total de assinantes,
sendo os outros 4B,M16 assinantes pós-pagos.
&m mat(ria divulgada no site )nfomoneU ./0012, num estudo realiado em /00<
pela psicóloga Am(lia Gegina Alves da Iniversidade de #ras*lia .IN#2, mostra !ue os
usuários de celulares pr(-pagos, t>m renda m(dia entre GS/00,00 e GSN00,00 e são
respectivamente das classes 9 e $.
,egundo a mesma, esta realidade ( observada ainda %o+e, onde os usuários de
celulares pr(-pagos são mais +ovens, B06 t>m idade entre /0 e M0 anos, en!uanto !ue os
usuários de celulares pós-pagos t>m faixas de idade mais extensa, de 4< a <0 anos.
Ainda segundo estudo, os usuários de celulares pr(-pagos não estão preocupados
com os avanços tecnológicos, buscam atender suas necessidades de receber e realiar
c%amadas e utiliação de ,D,, onde o acesso a internet não ( uma necessidade para este
p'blico.
:á 7eres ./0012, afirma !ue o celular será o maior meio de acesso a internet no
#rasil, inclusive na população menos favorecida economicamente, pois o custo dos
aparel%osQserviços deve reduir com o tempo, possibilitando o acesso a internet de
grande parte da população.
&stas !uestões reforçam a percepção de !ue o pr(-pago al(m de ser o mais aceito,
atende a necessidade da maior parte da população do #rasil, a mais pobre. $o ponto de
vista do cliente, a principal vantagem ( a não exist>ncia do comprometimento de uma
conta mensal, do ponto de vista das operadoras, ( uma forma de atender este mercado e
torná-lo muito rentável, pois se analisado pela ótica de negócio, a operadora recebe
antes para a posterior prestação do serviço, sendo !ue ainda cobra mais pelo mesmo,
visto !ue, os valores cobrados pelo minuto falado nos pr(-pago normalmente ( maior
!ue no pós-pago.
11
54 ?UEM ÃO OS CONSUMIDORES
3odas as classes
544 ?5"0-$ G"0:"# $+ )$0+5#*%$.&+
8rupo de Genda da 7opulação
9lasse AE Acima de GS1.5N<,00
9lasse #E de GS5.N5<,00 a GS1.5N<,00
9lasse 9E de GS4.5MN a GS5.N5<,00
9lasse $E de GS4.0B<,00 a GS4.5MN,00
9lasse &E de GS0,00 a de GS4.0B<,00
VA+ustado pela 7CF
VVAtualiado a preços de +ul%o de /044
5424 ?5"0-$ '"+-"# %& +5" .&0%" $+ )$0+5#*%$.&+
C gasto m(dio mensal familiar com telefone celular varia de GS = para as fam*lias
de renda mais baixa at( GS 4MM entra as fam*lias de maior poder a!uisitivo, com m(dia
de GS /=,/0.


12
5434 G"+-$ #&0+", )$# )&,5,".

Note-se !ue trata-se do gasto m(dio mensal por domic*lio brasileiro. $iferente, por
exemplo, do AG7I das operadoras de celular !ue ( definido como receita l*!uida de
serviços m(dia mensal por acesso de celular. C AG7I das operadoras de celular no
#rasil foi de GS /N,00 em /001. 9onsiderando-se os impostos, o gasto m(dio mensal
por acesso seria de GS M=,M0. $eve-se observar ainda !ue a receita das operadoras de
celular inclui as contas corporativas, pagas pelas empresas.
13

54!4 D&+8&+" M@%*" M&0+", A"#*,*".

No entanto, o gasto total com serviços de telecomunicações W GS =B,N/ W ( superior
ao gasto com energia el(trica.

14
64 EVOLUÇÃO DO MERCADO
A evolução no mercado de telefonia móvel em +ul%o deste ano alcançou /<=
mil%ões de lin%as no #rasil.
@& segundo a ANA3&- o crescimento no setor foi 0,446.3erminais M8
totaliaram <M,1< mil%ões de acessos. C #rasil encerrou +ul%o com /<=,N4
mil%ões de lin%as ativas na telefonia móvel, o !ue, segundo a Ag>ncia
Nacional de 3elecomunicações .Anatel2, com /51,5/ mil novas %abilitações
no per*odo, representou um crescimento de 0,446 em relação ao m>s
anterior. 3erminais M8 totaliaram <M,1< mil%ões de acessos. A região Norte
( a !ue mais cresceu em teledensidade, com 0,NN6 de aumento. 9om 41<
mil%ões de acessos, a tecnologia 8,D ( a mais utiliada no pa*s, com
5=,416 de participação de mercado.A
FonteE 84 C 8lobo ,ão 7aulo
45Q0BQ/04/
15

74 ESTATDSTICAS
C&,5,".&+ &# 202

E5,F D&GF E50F2 E5,F2
C&,5,".&+ //0.M</.54/ /N/./M4.<0M /<=.4M4.0=5 /<=.N40.510
P.@H8"'$ B4,5<6 B4,B46 B4,=B6 B4,N16
D&0+*%"%& 44M,0B 4/M,B5 4M0,NN 4M0,N1
C.&+)*#&0-$ M;+ M.00=.5<0 =.4N5.BBB 4.4B/.4MM /51.5/M
4,N6 /,=6 0,<6 0,46
C.&+)*#&0-$ A0$ 45.N0B.=51 M1./B5.N50 4M.B11.<=N 4N.451./B5
B,=6 41,N6 <,56 <,16
C.&+)*#&0-$ &# "0$ MM.MM4.<N4 M1./B5.N50 MB.5B<.40< M=.0<B.05B
45,B6 41,N6 45,B6 4=,N6
NotaE celulares ativos na operadora. $ensidade calculada com a pro+eção de população
do )#8& .Gev. /00B2 para o m>s respectivo.


C&,5,".&+ P.@H8"'$+ &# 202

E5,F D&GF E50F2 E5,F2
C&,5,".&+ P.@H8"'$+ 4B0.4N0.410 41B.4=B./B< /01./4B.=05 /0B.1</.BB1
C.&+)*#&0-$ M;+ /./MB.0== <.N0<./NN 5/=.M=N -/=<.54B
4,M6 /,B6 0,M6 -0,46
C.&+)*#&0-$ A0$ 4M.0N/.BNM M4.050.1MB 44.0<0.M// 40.5BN.=0N
5,B6 4B,=6 <,=6 <,N6
C.&+)*#&0-$ &# "0$ /=.M=5.M1B M4.050.1MB M4.M4=.NBM /B.B4/.=11
45,46 4B,=6 45,=6 4=,06


C&,5,".&+ P(+H8"'$+ &# 202

E5,F D&GF M"*F2 E5,F2
16
C&,5,".&+ P(+H8"'$+ N0./4/.<// NN.0=M./4B N=.14/.N=0 N5.N<5.104
C.&+)*#&0-$ M;+ 5=B.=BN 5N/.=NN N<<.5=1 <N<.NN4
4,16 4,56 4,06 4,/6
C.&+)*#&0-$ A0$ N.M=<.BM= B./4=.<M/ /.BN1./N/ M.M1N.=BM
4/,/6 //,16 =,<6 5,56
C.&+)*#&0-$ &# "0$ =.1=N.4NM B./4=.<M/ 5.N=B.=// 5./N<.M51
/0,16 //,16 4B,16 4B,06


T.*#&+-.",

M*,:".&+ T 2T 3T !T T2 2T2
C&,5,".&+ /40.<01 /45.MN= //5.M</ /N/./M/ /<0.B/= /<=.4M4
P.@H8"'$ B/,4B6 B4,B<6 B4,=N6 B4,B46 B4,BM6 B4,=B6
D&0+*%"%& 40B,MN 444,=/ 44=,<4 4/M,B5 4/B,00 4M0,NN
A%*6I&+ 5.<== =.BM= 40.00= 4N.B51 B.<1< <.M0<

NotaE celulares ativos na operadora. $ensidade calculada com a pro+eção de população
do )#8& para o m>s respectivo.


C&,5,".&+ 8$. T&)0$,$'*"

3ecnologia $eembro
/044
:ul%o de /04/
NT 9elular 9resc.
m>s
9resc.
ano
8,D 411.<45.M<
4
41<.M<5./5
0
5=,416 .0,<62 ./,462
X9$DA MM./N0.N01 N5.504.=B4 4B,=06 /,<6 NM,<6
9$DA 4.<11.5N5 1M/.<M5 0,M=6 .1,N62 .N4,562
3$DA - - - - -
3erm. $ados
#anda larga
- =./N<.M0/ /,NN6 .0,462 -
3erm. $ados D/D - =.45N.000 /,N46 M,=6 -
3otal /N/./M4.<0
M
/<=.N40.51
0
400,00
6
0,46 <,16
FonteE Anatel

A participação do 8,D no total de acessos atingiu o pico de 10,4=6 em NovQ01 e
depois começou a cair. A !ueda na participação ocorre por !ue a !uantidade de
celulares 8,D está crescendo menos !ue a do X9$DA. C X9$DA superou o
9$DA em Fevereiro de Q/040.


17
C&,5,".&+ 8$. B"0%"

#anda /001 /040 /044
A <B.1M0 =B.05< 51.N=/
# NB.BM5 <5.NNB =5.1N1
$ N0.405 NN.NB5 <N.NN<
&V 41.M4/ /M.04/ /5.<1=
Cutras #andas =.554 1.1// 4/.551
3otal 45M.1<B /0/.1N< /N/./M4
V #anda & inclui banda D.
84 CONCLUSÃO:
$esde 4110 !uando a telefonia móvel teve in*cio no #rasil a evolução foi velo,
exigindo cada ve maior capacidade tecnológica, estudos, análises de mercado referente
a oferta e demanda dos produtos e serviços oferecidos. 7ara acompan%ar essa evolução
mundial dos sistemas usados em telefonia móveis ( necessário uma maior agilidade nas
negociações entre 8overno e operadoras para o desenvolvimento e implantação de
novas tecnologias dando assim acesso aos clientes e mel%ores serviços e desta maneira
aumentando a lucratividade !ue o negócio proporciona.
18

94 BIBLIOGRAAIAS
ANATEL - YYY.anatel.com.br W acesso em 01Q01Q/04/
ALVES, 9arlos &duardo Aen. U# &+-5%$ +$9.& $ 5+$ %" -&,&1$0*" )&,5,". 0"+
),"++&+ %& 9"*J" .&0%"4 $ispon*vel emE 0BQ01Q/04/ - YYY.maxYell.lambda.ele.puc-
rio.brQacesso9onteudo.p%pZnrse! oco[M=10B \.
BRASIL - YYY.ds.brasil.nom.br - acesso em44Q01Q/04/
AGV - YYY.cps.fgv.br W acesso em 01Q01Q/04/
GOMES, ,andra -uia ,. 9ostaR 9AG-)N) :IN)CG, Geginaldo :os(. P&.)&86I&+ %$
),*&0-& &J-&.0$ K5"0-$ L )$#50*)"67$ 0$ +&.2*6$ %& -&,&1$0*" #(2&,. $ispon*vel emE
0BQ01Q/04/ - YYY.puc-campinas.edu.brQcentrosQceaQsitesQrevistaQconteudoQpdfQ
vol4N]n4]percepcoes]do]cliente.pdf.
INAOMONEM. 9elularE maioria dos usuários de pr(-pago tem renda entre GS/00 e
GSN00. $ispon*vel emE 05Q05Q/04/ - %ttpEQQdin%eiro.br.msn.comQespeciaisQtecnologiaQ
artigo.aspxZcp-documentid[44501BM<
L3RIOS, Adriana. E+-5%$ & C$0+-.567$ %& C&0N.*$+ 8"." " T&,&1$0*" M(2&,
C&,5,". 0$ C$0-&J-$ B."+*,&*.$4 $ispon*vel emE 0BQ01Q/04/
-%ttpEQQvolpi.ea.ufrgs.brQteses] e]dissertacoesQtdQ004/1M.pdf
PERES, ,. 9elular será o maior meio de acesso ? internet no #rasil. $ispon*vel emE
YYY.telecomonline.com.brQartigosQcelular-sera-o-maior-meio-de-acesso-a-internet-no-
brasil. Acesso emE 05Q05Q/04/
19
TELECO - YYY.teleco.com.br W acesso em 01Q01Q/04/
TERRA W YYY.terra.com.br W acesso em 4<Q01Q/04/
UARGS - YYY.lume.ufrgs.br W acesso em 40Q01Q/04/