EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR JUIZ DE DIREITO DA ____ VARA

CRIMINAL DA COMARCA DE____/RJ


Autos nº. xxxxx

FULANO DE TAL, já qualificado nos autos, através de seu
advogado, vem, respeitosamente à presença de Vossa Excelência, nos autos
da Ação em epígrafe, com fulcro no art. 403, § 3º, do CPP, apresentar
MEMORIAIS, pelos motivos de fato e de direito a seguir expostos.

Fulano de Tal foi denunciado como incurso no art. ___, em
concurso com o art. ___, porque em data ____, teria _________.
A denúncia foi recebida, o réu foi interrogado, apresentou
defesa preliminar e, durante a instrução criminal, ouviram-se testemunhas de
acusação.
Em Memoriais, o MP pede a condenação do réu nos termos
propostos na exordial, entretanto esta tese não prevalece. Vejamos:
Fulano de Tal, quando foi preso em flagrante, negou de forma
que __________.
Durante o interrogatório prestado em juízo, novamente negou
________, afirmando que estava passando pelo local dos fatos quando foi
abordado por PM’s, os quais atribuíram sua propriedade ao réu.
Veja nobre julgador, o réu sequer _____! Não há provas
suficientes nos autos que possam lhe atribuir, de forma contundente, a
propriedade do instrumento.
Em seus depoimentos prestados em juízo, as testemunhas
Cicrano de Tal e Beltrano, os policiais militares que prenderam Fulano de Tal,
apresentaram a mesma versão, alegando, todavia, que não viram em momento
algum o réu com referida arma de fogo ou se desfazendo da mesma (fls ).
É medida de justiça, assim, que o réu seja absolvido, uma vez
que em momento algum ficou demonstrado que _______. Também não restou
comprovada a ___________. Contudo, caso não seja esse o entendimento de
V. Exa., requer seja o réu responsabilizado apenas pelo delito previsto no art.
_____.
Por fim requer-se que, em sendo o réu condenado, seja sua
pena fixada no mínimo legal, tendo em vista que o mesmo é portador de bons
antecedentes e não há nenhuma outra circunstância que o desabone. Requer,
outrossim, caso o réu seja condenado, a substituição da pena de reclusão pela
pena restritiva de direitos consistente em prestação pecuniária, possui bons
antecedentes e não houve violência em sua conduta, nos termos do art. 44 e
seus incisos do CP.
Ante o exposto, requer seja o réu absolvido por falta de provas
quanto à sua autoria nos delitos que lhe foram imputados, com fulcro no art.
386 do CPP, pugnando subsidiariamente, caso V. Exa. não tenha o mesmo
entendimento, pela sua condenação tão somente pelo delito do art. _____ .

Nestes Termos,
Pede deferimento.
RJ, ___ de ____ de 2014. #Advogado #OAB
EXCELENTÍSSIMO SENHOR JUIZ DE DIREITO DA __ª VARA DA
COMARCA DE ___/RJ.


FULANO DE TAL, já devidamente qualificado nos autos
do processo, vem por meio de seu advogado infra-assinado, requerer se digne
V. Exa. de processar a Apelação ora interposta, cujas razões seguem anexas.

Nesses termos,
Pede deferimento.

Rio de Janeiro, _ de ___ de 2014.
Advogado
OAB




Folha de Razões

EGRÉGIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO


Processo Crime Nº XXX
Apelante: NOME


COLENDA CÂMARA,
ÍNCLITOS JULGADORES,


A respeitável sentença condenou o apelante a uma pena privativa de
liberdade de 5 (cinco), por infração ao artigo 157 do CP, tendo de cumprir a
pena aplicada em regime fechado.
Data venia, a reforma da respeitável sentença se impõe, uma vez que a
pena fixada na sentença se mostra excessiva diante das peculiaridades do
caso concreto.
No ordenamento jurídico brasileiro, o juiz deve analisar as circunstâncias
judiciais constantes do art. 59 do CP, e a pena base somente poderá se afastar
do mínimo legal caso tais circunstâncias sejam desfavoráveis ao réu.
No presente caso, tem-se que o apelante é réu primário, de bons
antecedentes, trabalhador com carteira assinada e de boa conduta social.
Além disso, conta em favor do réu a atenuante da confissão espontânea,
conforme pode ser observado de suas declarações prestadas perante a
autoridade policial.
Diante disso, conclui-se por exagerada a condenação do apelante a
pena privativa de liberdade de 5 (cinco) anos, vez que não existem
fundamentos para que tal pena se afaste do mínimo legal, de 4 (quatro) anos.

Sendo o réu primário e de bons antecedentes, e condenado a pena de 4
(quatro) anos, tem-se que deve ser modificado o regime de cumprimento de
pena para o regime aberto, nos termos do art. 33, §2°, c_ do CP.
Diante do exposto, requer-se seja julgado procedente o presente recurso
de apelação, para reduzir a condenação para 4(quatro) anos de reclusão, com
a conseqüente modificação do regime inicial de cumprimento de pena para o
regime aberto.


Rio de Janeiro, _ de ___ de 2014.
Advogado
OAB

Exmo. Sr. Dr. Juiz de Direito da Vara de Execuções Penais do Rio de
Janeiro.



Processo VEP nº __
RG nº: _______

FULANO, já qualificado nos autos, por seu advogado infra assinado,
vem respeitosamente, perante V. Exa., com fundamento nos arts. 122, I, e 123,
da LEP, requerer a concessão de SAÍDA TEMPORÁRIA pelos fatos que passa
a expor:

O requente foi condenado à pena de 02 (anos) de reclusão, em regime
inicial fechado, por sentença datada de 29/06/2008.
Encontra-se preso desde 13/03/2008, quando de sua prisão em
flagrante, conforme guia de recolhimento que já se encontra juntada nos autos
de execução do sentenciado.
Recentemente, o requerente progrediu ao regime semi-aberto, conforme
decisão em anexo.
O requerente em questão, preencheu os requisitos para a concessão do
benefício pleiteado, conforme exigido pelo art. 123 da LEP.
De fato, já cumpriu mais de 1/6 da pena (na verdade já cumpriu 1/3) e
seu comportamento carcerário é bom.
Ademais, o requerente está privado do convívio de seus familiares há
praticamente 01 ano e a concessão do benefício será proveitosa para a sua
ressocialização.

Portanto, preenchidos os requisitos objetivos e subjetivos, resta claro
que não há óbice para a concessão do benefício.
Assim sendo, conceda o benefício requerido, pelo prazo máximo
estabelecido no art. 124 da LEP, em data a ser fixada por V. Exa.

Ante o exposto, requer a Vossa Excelência que, após a manifestação do
Ministério Público, seja autorizada a saída temporária do sentenciado, pelo
prazo máximo permitido em Lei, com fulcro nos fatos e fundamentos expostos
acima.


Nestes termos,
Pede deferimento.

Rio de Janeiro, __ de ____ de 2014.
ADVOGADO
OAB