You are on page 1of 4

Manual do Atendimento Pré-Hospitalar – SIATE /CBPR

CAPÍTULO 24
EMERGÊNCIAS PISIQUIÁTRICAS
1. Introdução
Freqüentemente, o socorrista enfrenta situações em que, além da responsabilidade
de aplicar as técnicas de abordagem e atendimento corretas à vítima, se vê forçado a res-
tabelecer o equilíbrio emocional e social das pessoas envolvidas no incidente. enomina-
mos !intervenç"o em crises# a atenç"o especial dispensada pela equipe de socorro $ víti-
ma, a familiares, amigos ou outros espectadores na cena da ocorrência, que se encon-
trem em estado de crise.
efinimos !crise# como a incapacidade do indivíduo em lidar com o estresse por
meio de mecanismos %abituais. &uando se defronta com um problema novo ou insuporta-
velmente angustiante, responde com um tempor$rio estado de desequilíbrio emocional.
's reações aos diversos agentes estressores dependem da capacidade emocional e físi-
ca, vari$vel em cada indivíduo.
'ssim definido, considera-se a crise uma situaç"o de emergência, em que a pes-
soa põe em risco sua pr(pria vida, a de outras pessoas e até a da equipe de socorro, em
funç"o da desorgani)aç"o s*bita ou r$pida da capacidade de controlar seu pr(prio com-
portamento.
2. Stu!ç"#$ %!$ &r#'(#nt#$ R#$)on$!*+,!d!$ )or Pro-o.!r#% Cr$#$
2.1. E%#r/0n.!$ M1d.!$ #% G#r!+
+eralmente quando doenças ou acidentes acometem alguém que apresente risco
de vida aos ol%os dos familiares. , medo e a incapacidade de enfrentar equilibradamente
a situaç"o por parte da vítima e familiares desencadeiam um estado de crise, que vai de
simples alterações de comportamento, como quadros de ansiedade, agitaç"o, apatia, até
a estados mais comple-os de depress"o e agress"o.
2.2. E%#r/0n.!$ P$'u2tr.!$
.essoas com doenças mentais estabelecidas, que apresentam atitudes e-tremas,
como agressividade, riscos de suicídio e %omicídio. / importante saber que este quadro
- 012 -
Emergênias Psi!ui"trias
psiqui$trico pode estar associado a reações t(-icas medicamentosas, a uso ou abuso de
drogas e $lcool e a doenças org3nicas.
2.3. Con4+to$ E%o.on!$
, paciente se apresenta ansioso, confuso e amedrontado, e-pressando dificuldade
de enfrentar situações interpessoais 4conflitos familiares como div(rcios, brigas con5ugais,
perda de ente querido, perda de emprego6. 7om freqüência uma crise de ansiedade leva
o paciente a buscar atendimento de emergência, muitas ve)es dese5ando apenas ser ou-
vido atentamente para acalmar-se8
2.4. C!t2$tro4#$5 A.d#nt#$ .o% M6+t)+!$ 78t%!$9
ependendo da magnitude do evento, %$ pre5uí)os no controle emocional da pr(-
pria equipe que est$ prestando socorro. 9"o situações de estresse acentuado que e-igem
auto grau de iniciativa e discernimento dos socorristas durante o atendimento.
7omo podemos observar, as crises variam quanto ao grau de urgência e gravida-
de, indo desde um quadro de ansiedade até estados de violência capa)es de provocar
uma reaç"o defensiva ou atitude negativa por parte de socorristas n"o preparados, dificul-
tando ou impedindo a resoluç"o do caso. :ste te-to n"o tem a pretens"o de esgotar o as-
sunto, mas de repassar orientações b$sicas que incentivem na busca de novos con%eci-
mentos e informações.
evemos lembrar que, normalmente, a crise e pessoa anteriormente sadia tende a
seguir fases sucessivas, que voltam ao normal, dependendo da abordagem e-terna que,
se adequada, pode abreviar sua duraç"o.
3. &!$#$ d! Cr$#
;as três primeiras fases, o indíviduo perde o contato com a parte adulta da sua
personalidade, com tendência a apresentar um comportamento imprevisível. 7om aborda-
gem conveniente, pode-se conseguir a revers"o da crise. <etomando a realidade, a ver-
gon%a e o constrangimento e-igem das equipes de apoio e socorro capacidade para
tranqüili)ar a vitima de modo a que ela se recupere de forma mais r$pida e segura.
- 01= -
Manual do Atendimento Pré-Hospitalar – SIATE /CBPR
' intervenç"o adequada em estados de crise e-ige maturidade e controle emocio-
nal por parte dos socorristas. 9e estes n"o se sentem capa)es para agir, devem solicitar
substituiç"o por outros colegas, atitude que demonstra maturidade emocional.
3.1. Prn.8)o$ G#r!$ do M!n#:o d# Cr$#$
&uando a avaliaç"o e a abordagem da vítima em crise s"o feitas de modo %abilido-
so, estabelecem-se os alicerces para o ê-ito no mane5o do caso.
'o apro-imar-se, observar o paciente e aqueles que estiverem com ele. 'lguns si-
nais 4linguagem corporal, por e-emplo6 esclarecem certos fatos. ,bservar também o am-
biente e certificar-se de que a vítima e outros presentes este5am protegidos, assim como a
equipe de socorro. :-emplo> ob5eto ao alcance da vitima que possa ser utili)ado como ar-
ma. :m nen%um momento a equipe de socorro deve colocar-se em perigo. 9e necess$rio
solicite apoio policial, médico, etc.
7oletar dados> o que aconteceu? se é portador de doença mental, se 5$ teve crises
anteriores etc. @embrar sempre que a apro-imaç"o deve ser calma, porém firme, com um
*nico socorrista servindo de interlocutor, identificando-se de forma clara, simples e decla-
rando sua intenç"o de a5uda- primeiro passo para estabelecer vínculo com a vítima. Aan-
ten%a-se a uma dist3ncia confort$vel e segura durante a abordagem.
9eparar a vitima de outras pessoas com o ob5etivo de tranqüili)ar o ambiente. Aui-
tas ve)es a ansiedade dos presentes dificulta a abordagem e o mane5o do caso. / indis-
pens$vel que o interventor ten%a atitudes firmes, ordens claras e ob5etivas, mas n"o arro-
gantes.
.ermitir a vítima que fale, ouvindo-a com cuidado. Bsso é fundamental para consoli-
dar o vínculo. Aanten%a contato visual enquanto o paciente fala8 preste atenç"o e mostre-
se interessado8 cuidado em n"o emitir opiniões precipitadas8 n"o 5ulgue e n"o critique
qualquer atitude dela8 manten%a-se neutro. 7omporte-se como um profissional em atendi-
mento e n"o em conversa informal. essa forma, você reassegura o paciente, fa)endo-o
ver que l%e est$ proporcionando a5uda e que, mesmo o problema sendo difícil, poucos
s"o os realmente insol*veis.
- 01C -
Emergênias Psi!ui"trias
7onforme orientações médicas, informe claramente a vítima sobre o que ser$ feito
para a5ud$-la a sair da crise8 assim ela se torna mais cooperativa. Aanten%a contato ver-
bal continuamente.
7aso ten%a que se afastar por algum momento, solicite a algum colega que perma-
neça 5unto a ela. 7omo regra geral, n"o a dei-e so)in%a nem por um instante.
;o caso em que n"o obtiver o controle da situaç"o pela intervenç"o verbal, pode
ser necess$ria a contenç"o física. .ara isso, solicitar o apoio de outras pessoas da equi-
pe ou espectadores que demonstrem preparo para colaborar. 9e possível, promova a
contenç"o con%ecida por !grupo de oito !, isto é, oito pessoas imobili)am suavemente o
paciente, contendo-o dois a dois em nível de cabeça, ombro, quadril e pernas. @embre-se
de manter contato verbal contínuo com a vítima durante a contenç"o, tentando acalm$-la,
informando que a medida tomada se destina a protegê-la.
Dransporte a vítima para o tratamento definitivo, conforme orientaç"o médica, e for-
ma mais tranqüila possível. ;"o ligar a sirene, pois pode aumentar-l%e a ansiedade e o
medo. Dodos os pacientes violentos e os suicidas devem ser %ospitali)ados, mesmo que
a crise pareça ter sido controlada.
'valiar o risco de suicido de vítima numa emergência é tarefa difícil. Doda tentativa
de suicídio deve ser tratada com seriedade.
4. Sn!$ d# A+to R$.o d# Su.8do
● Eist(ria de tentativa anterior8
● 7ontrole deficiente de impulsos8
● Fso de drogas e ou $lcool8
● 'usência de sistemas de apoio social8
● <ecente perturbaç"o familiar
- 0G1 -