You are on page 1of 13

Página 1 de 13

Tocata Aberta
A Internet e os processos colaborativos
José Luiz Kinceler
Francis Albrecht Pedemonte
Palavras-chave: Arte Relacional Complea! "escontinuidade! #$sica! %nternet!
Processo Colaborati&o
Resumo: A proposta Tocata Aberta! parte integrante do pro'eto Vinho Saber, Arte
Relacional em sua forma Complexa, procura articular encontros musicais! usando a internet
como meio de disseminar a idéia da m$sica li&re( )ste artigo analisa como a e&olu*+o
tecnol,gica das $ltimas décadas proporcionou no&as propostas art-sticas em processos
colaborati&os e eplica a .orma /ue nos utilizamos destes recursos para gerar
descontinuidades criati&as no cotidiano((



Pro'eto de Pes/uisa0 Vinho Saber- Arte Relacional em sua forma Complexa 1 C)AR2
3rientador0 José Luiz Kinceler! departamento de Artes 4isuais
bolsistas: Aline Goedert Volkmer (R!"#C$, %rancis Albrecht edmonte (R!"#C$
Acad&micos participantes: 'elton atricio (atias
Página 5 de 13
Introdução
3s tema central deste artigo é a rela*+o entre a internet e a m$sica! /ue se interligam
atra&és da proposta 2ocata Aberta(
"esde /uando criada! há /uase /uarenta anos! a internet tornou1se parte da cultura de
massa do no&o século( As no&as tecnologias possibilitaram uma autonomia 'amais imaginada(
Ferramentas poderosas culminaram com o surgimento de uma série de no&as proposi*6es
audio&isuais! ampliando o grau de participa*+o do espectador( "e /ue .orma esta gama de
possibilidades pode contribuir para o campo da Arte Relacional Complea7 8ual a rela*+o
entre as eperi9ncias e in.orma*6es digitais com as &i&9ncias e eperi9ncias reais7
)ntre as m-dias /ue epandiram no século passado! a internet .oi a primeira a
possibilitar uma utiliza*+o participati&a( )&idente /ue ela n+o da conta de substituir a
eperi9ncia real( :o entanto! é poss-&el estabelecer um interc;mbio! onde nos ser&imos das
.erramentas &irtuais de produ*+o! comunica*+o para auiliar1nos com essa eperi9ncia
aut9ntica(
:o artigo <:otas sobre a eperi9ncia e o saber de eperi9ncia= Jorge Larrosa >ond-a
/uestiona a respeito da di.eren*a entre estar in.ormado e o &alor da eperi9ncia0
:unca se passaram tantas coisas! mas a eperi9ncia é cada &ez mais
rara( )m primeiro lugar pelo ecesso de in.orma*+o( A in.orma*+o
n+o é eperi9ncia( ) mais! a in.orma*+o n+o deia lugar para a
eperi9ncia! ela é /uase o contrário da eperi9ncia! /uase uma
antieperi9ncia( Por isso a 9n.ase contempor;nea na in.orma*+o! em
estar in.ormados! e toda a ret,rica destinada a constituir1nos como
su'eitos in.ormantes e in.ormados? a in.orma*+o n+o .az outra coisa
/ue cancelar nossas possibilidades de eperi9ncia( @(((A "epois de
assistir a uma aula ou a uma con.er9ncia! depois de ter lido um li&ro
ou uma in.orma*+o! depois de ter .eito uma &iagem ou de ter &isitado
uma escola! podemos dizer /ue sabemos coisas /ue antes n+o
sab-amos! /ue temos mais in.orma*+o sobre alguma coisa? mas! ao
mesmo tempo! podemos dizer também /ue nada nos aconteceu! /ue
nada nos tocou! /ue com tudo o /ue aprendemos nada nos sucedeu ou
nos aconteceu(
1
1
>3:"BA! Jorge Larrosa( :otas sobre eperi9ncia e o saber de eperi9ncia( @p 51! 55 A doCnload a/ui
Página 3 de 13
)mbora a 2ocata Aberta propicie a &i&9ncia real! ela n+o descarta a utilidade da
in.orma*+o gerada por ela! ao contrário! se utiliza dela para gerar no&as eperi9ncia em .orma
de outros encontros musicais li&res(
A 2ocata aberta disponibiliza instrumentos musicais instalados em um espa*o
incomum( A proposta é simples e direta0 <Fazer um som=D 3 ob'eti&o da tocata é desinibir as
pessoas e possibilitar a cria*+o musical para a/ueles /ue n+o necessariamente dominam esta
linguagem( A premissa principal é de /ue todo ser humano é um m$sico natural! tendo em
&ista /ue! antes do nascimento! o primeiro dos sentidos a ser eperimentado é o Eom(
A inten*+o é .azer como /ue todos os presentes se permitam manter uma rela*+o
sincera com a m$sica! sem medo de se epressar( 2ocar algum instrumento musical é como
.alar sem pala&ras( :+o é preciso saber ler ou escre&er partitura para entender a linguagem
sonora! pois estamos constantemente associando imagens! sons! aromas! sabores! e teturas
em nosso cotidiano( 2rata1se de propor um estreitamento entre a m$sica e as pessoas( 8u+o
.értil pode ser uma <rela*+o musical= /uando ela se estende para .ora deste encontro7 8u+o
inusitados e originais podem ser os impro&isos7
A <2ocata Aberta como in.orma*+o= é completamente di.erente da eperi9ncia
compartilhada entre os presentes( :o entanto! esta in.orma*+o &eiculada de maneira correta
pode incenti&ar no&as eperi9ncias independentes( Para tanto .oram registrados encontros ao
longo do primeiro semestre de 5FFG para a cria*+o de um C" e de um "4" /ue ser+o
disponibilizados gratuitamente na internet( 3 registro da eperi9ncia tem como ob'eti&o
disseminar esta idéia! estimular no&as eperi9ncias e o interc;mbio entre este material( A
internet .unciona como agente mediador entre os acontecimentos reais em di.erentes lugares(
3 internauta! ao assistir um dos &-deos do e&ento! é con&idado a realizar o seu pr,prio som!
&eiculando1o na rede! agindo como multiplicador(
Tecnologia a serviço da arte e da vida
A %nternet .oi criada por militares nos anos HF! e permaneceu durante duas décadas sob
dom-nio eclusi&o deles( :a época! n+o se supunha /ue o computador seria uma .erramenta
t+o di.undida( :a década de IF! a eplos+o dos micro1computadores e! por conseguinte a
Página J de 13
populariza*+o da <net=! iniciou um processo 'amais imaginado( 3 /ue anteriormente se
resumia a um &e-culo de comunica*+o totalmente restrito! estaria dispon-&el para /ual/uer um
/ue pudesse dispor de um na&egador e uma linha tele.Knica(
"esde ent+o! os processadores tornaram1se menores! os so.tCares &elozes e acess-&eis(
A &irada do século coroou o computador como a no&a m-dia! 'á /ue ele aglutinou todas as
demais! como rádio! tele&is+o! 'ornal e tele.one! e gerou no&as possibilidades como a &-deo1
con.er9ncia(
)m seu ensaio 2AL @ 2emporarM Autonomous Lone A! NaOim >eM discorre a respeito
da .un*+o da net na .orma*+o e articula*+o das Lonas AutKnomas 2emporárias @2ALA( :o
entanto! a.irma >eM! /ue a a 2AL aconteceu! está acontecendo e &ai acontecer com ou sem o
computador( Eegundo ele!
A 2AL dese'a! acima de tudo! e&itar a media*+o! eperimentar a eist9ncia
de .orma imediata( A ess9ncia da 2AL é Ppeito1a1peitoP! como dizem os
su.is! ou cara1a1cara( #as! a ess9ncia da Ceb é media*+o! onde as má/uinas
s+o nossos embaiadores 1 a carne é irrele&ante eceto como um terminal!
com todas as conota*6es sinistras do termo(
5
)m outras pala&ras! >eM a.irma /ue! embora a net tenha importante papel no
desen&ol&imento das 2ALQs! a rede n+o passa de uma mediadora! e /ue ainda n+o é poss-&el
&incular a &irtualidade /ue ela propicia das necessidades reais! ou da real liberdade de a*+o e
epress+o( >eM a.irma0
Francamente! eu 'á possu-a muitos dados para alimentar meus sentidos e
percep*6es0 li&ros! .ilmes! 24! teatro! tele.one! correio! estados alterados de
consci9ncia! e da- por diante( Preciso realmente de um PC para obter ainda
mais in.orma*6es desse tipo7 4oc9 me o.erece in.orma*+o secreta7 >em(((
tal&ez( Fico tentado! mas eu ei'o segredos mara)ilhosos! e n+o apenas os
n$meros de tele.ones /ue n+o est+o na lista ou tri&ialidades sobre a pol-cia e
os pol-ticos( Eobretudo! /uero /ue os computadores me .orne*am
in.orma*6es relacionadas a bens reais @(((A Agora! 'á /ue acuso os hacOers e
os usuários das >>E de possu-rem uma irritante &acuidade intelectual! de&o
descer das nu&ens barrocas da teoria e da cr-tica e eplicar o /ue /uero dizer
com bens reais( @(((A )m suma! suponha /ue eu este'a cansado de mera
in.orma*+o! do .antasma dentro da má/uina( "e acordo com &oc9s! os
computadores 'á de&eriam ser capazes de possibilitar a realiza*+o dos meus
5
>)R! NaOim ( 2AL0 zona autKnoma temporária ( 2radu*+o de Renato Rezende S Patr-cia "ecia( T E+o
Paulo0 Conrad )ditora do >rasil! 5FF1( @Cole*+o>adernaA @.onte0 Rizoma(netA
Página U de 13
dese'os por comida! drogas! seo! sonega*+o .iscal( )nt+o! /ual é o
problema7 Por /ue isso n+o está acontecendo7
3
V importante pensar /ue este teto .oi escrito nos anos GF! antes da eplos+o digital e
da .ácil acessibilidade da rede! anteriormente citada( :esta época! os usuários resumiam1se a
alguns milhares de pri&ilegiados! centralizados nos pa-ses de primeiro mundo( Eeu conte$do
se restringia somente a tetos! e poucas imagens! em bai-ssima resolu*+o( A &irtualidade era
muito pobre e irreal! de .ato muito pouco atraente( :os dias atuais! esse /uadro se re&erteu(
2emos acesso a imagens! m$sicas! .ilmes! &-deos! 'ogos! editores de imagem! som! &-deo! 3"!
anima*+o! e tudo mais o /ue se pode imaginar(
A resposta para os anseios de >eM s, pKde &ir com o tempo0 a internet epandiu1se!
proporcionalmente a sua populariza*+o( 3 aumento assustador do n$mero de usuários criou
uma demanda! e a cada instante surge uma no&a tecnologia /ue atrai mais usuários( A internet
se tornou um .enKmeno! perturbador e incontrolá&el( ) assim como a rede permitiu
intera*6es! digamos assim! <bem &istas= para a sociedade! ela também dá suporte para as mais
bizarras opera*6es(
Ao contrario do /ue >eM supunha! ho'e em dia a internet está repleta de 2ALQs( 3
sistema 'á n+o é rápido e e.icaz o su.iciente para controlar a tudo e a todos( Por isso essas
zonas s+o temporárias! pois contam com a lentid+o do sistema? usam este atraso a seu .a&or! e
/uando descobertas! rapidamente mudam de endere*o( )ste tempo é mais do /ue o necessário
para repassar in.orma*6es para multiplicadores( 2antos! /ue se torna /uase imposs-&el rastreá1
los( NacOers se multiplicam( %nd$strias de dimens6es gigantescas! como a .onográ.ica e a
cinematográ.ica! est+o de.inhando gradati&amente( 8ual/uer um pode baiar um .ilme em
alta /ualidade! antes mesmo de ele ser lan*ado no cinema( As pessoas est+o se /uestionando!
por /ue comprar! se eu posso ter de gra*a7 Wo&ernos tentam desesperadoramente incorporar
um aspecto de marginalidade a esses atos! mas nem eles mesmos sabem ao certo como
controlar e punir /uem se deleita com estas .acilidades( V di.-cil imaginar se/uer uma pessoa
/ue tenha usado a rede nos $ltimos anos sem .azer ao menos um <doCnload ilegal=( Cada
cidad+o se tornou um pirata em potencial(
3
>)R! NaOim ( 2AL0 zona autKnoma temporária ( 2radu*+o de Renato Rezende S Patr-cia "ecia( T E+o
Paulo0 Conrad )ditora do >rasil! 5FF1( @Cole*+o>adernaA @.onte0 Rizoma(netA
Página X de 13
) /uem tem a ganhar com isso tudo7 3 su'eito comum! /ue goza de todo esse ban/uete
in.orma*+o e prazer( 3 /ue diria >eM! ho'e em dia! a respeito disso tudo7 :+o seriam estas
coisas /ue ele 'ulgara n+o satis.azer na internet da/ueles dias7 Eerá /ue ho'e em dia a rede se
apresenta sedutora a seus olhos7
:este momento! o consciente coleti&o 'á assimilou! n+o s, a rede de computadores
mas uma in.inidade de outras dimens6es! como uma parte da realidade! e n+o algo paralelo a
ela( Atre&eria1me a dizer /ue! para alguns! estas dimens6es paralelas 'á substitu-ram uma
poss-&el realidade( :uma sociedade do espetáculo a simula*+o se mostra muito mais atraente
do /ue um cotidiano med-ocre(
:o entanto! ao mesmo tempo em /ue a má/uina auilia nos processos de cria*+o! a rede
propicia uma delicada situa*+o em rela*+o Ys /uest6es autorais( A in.inita multiplica*+o de
in.orma*6es descaracteriza a obra( 3 /ue di.erencia o original da c,pia7 Acrescenta1se! retira1
se e modi.ica1se o /ue /uiser! da maneira /ue /uiser e a hora /ue /uiser( :ada é assegurado
neste territ,rio li&re! /ue dirá a garantia da autenticidade da autoria de algum teto ou
imagem( )m seu artigo <Arte em rede Ceb e processos estéticos h-bridos=! #aria Amelia
>ulh6es discorre a respeito do assunto0
As no&as tecnologias! com base no automatismo numérico! redesenham a
.igura do su'eito nos seus interc;mbios com o real e o imaginário! assim
como em suas rela*6es com o coleti&o( A partir da análise de algumas dessas
propostas art-sticas pode1se eplorar as di.erentes .ormas como artista e
usuários recon.iguram suas rela*6es! colocando em che/ue a tradicional
no*+o de autoria(
J
V curiosa a .orma com /ue a autora usa o termo <Zsuários= para designar os /ue
outrora eram chamados espectadores( V um termo corri/ueiro /uando usado para nomear as
pessoas conectadas a rede! mas se mostra muito potente se interpretado ao pé da letra( :+o
estamos mais contemplando a arte! mas usando1a( )sta no&a rela*+o /ue ela se re.ere! está em
constante muta*+o! &isto /ue a interati&idade é cada &ez maior( 3 artista <usa= o espectador! e
este por sua &ez <usa= o artista e sua obra! en/uanto ambos <usam= o sistema para tornar esta
comunica*+o poss-&el( V uma rela*+o de colabora*+o! em /ue cada elemento se torna
J
>ZLN[)E! #aria Amélia( Arte em rede Ceb e processos estéticos h-bridos ! *+, -ncontro .acional da
Associa/0o .acional de es1uisadores de Artes l2sticas 3in4micas -pistemol56icas em Artes Visuais 7
%lorian5polis 7 setembro de 899:
Página H de 13
indispensá&el para os demais( ;! artista n0o atua mais como o criador <nico de sua obra,
mas di)ide com o usu2rio esse trabalho e responsabilidade=> conclui(
:o mesmo artigo! a autora cita uma série de ati&idades colaborati&as desen&ol&idas a
partir da internet! como o pro'eto ost ?rbano! do coleti&o argentino @okitoki( :ele! os
usuários usam o Wooglemaps para identi.icar certos pontos de >uenos Aires e contar alguma
hist,ria intima do seu cotidiano relacionada a estes lugares( )stes relatos s+o .iados em
<cartazes digitais= /ue se tornam dispon-&eis ao p$blico! criando um <mapa= de in.orma*6es (
)sta proposta ilustra bem esta tr-plice articula*+o entre Autor @artistaA! Zsuário @internautaA e
Eistema @WooglemapsA anteriormente citada( )mbora tenha sido idealizada por uma das
partes! somente com a inter&en*+o das demais a obra se realiza( :+o há um ob'eto .inal! este
mapa está em constante constru*+o( ;A ima6em sempre mut2)el, portanto moment4nea, exi6e
mudan/as radicais no pensamento atual, assimilando a aus&ncia de passado e futuro,
con6elada em seu presente permanente> a.irma #aria Amélia(
:o li&ro ;-stAtica 3e Ba -mer6&ncia>! Reinaldo Badda6a cita outras importantes
articula*6es &ia internet! como o pro'eto <Translation (ap> de SaCad "rooks e @arren Sack=
Ee trata do ;prot5tipo de um sistema desenhado para facilitar tradu/Des colaborati)as>! em
/ue o usuário prop6e uma pala&ra! .rase ou teto a ser traduzido! e o sistema a encaminha
para di&ersos .,runs de discuss+o em lugares onde se'a comum o uso das l-nguas <origem= e
<destino= da tradu*+o(
8uando se en&ia uma mensagem com o sistema de 2ranslation #ap lhe
pedirá /ue a'ude a escolher a rota da mensagem( Para na&egar na rota
escolhida! a mensagem se publica em .,runs de discuss+o p$blica
geogra.icamente espec-.icos em linha( @)m Zsernet! )m Rahoo! etc(A( Zma
&ez en&iada! a mensagem será posta no site da Ceb do 2ranslation #ap e
mandado aos .,runs de discuss+o p$blica escolhidos( A mensagem estará
publicamente dispon-&el! e se publicará em di&ersas áreas da internet(
E
Eegundo Laddaga! esta estratégia cria uma espécie de escrita colaborati&a! criando uma
rela*+o entre os autores e tradutores(
)m todos estes eemplos! est+o contidos os principias pilares de sustenta*+o da arte
relacional em sua .orma complea! segundo a /ual o processo criati&o em arte é uma atitude
U
LA""AWA! Reinaldo! ( )stética de la emergencia ( >uenos Aires0 Adriana Nidalgo editora! 5FFX(
Página G de 13
ético1estética capaz de! ao identi.icar oportunidades no conteto social! pro&ocar
descontinuidades estéticas e re.lei&as no cotidiano /ue permitam produzir no&as
sub'eti&idades! se'am da ordem do singular ou do coleti&o( Fazendo uso de re.erentes! modela
atra&és da rein&en*+o do 'ogo representacional em arte! processos de con&-&io! de diálogo e
contamina*+o nos /uais as rela*6es sociais pedem ser desconstru-das(
A proposta “Tocata Aberta”
)m parceria com a colega Aline Woedert 4olOmer! o pro.essor "r( José Luiz Kinceler
e demais membros do grupo de pes/uisa! desen&ol&emos uma proposta chamada Tocata
Aberta( :esta pude eperimentar algumas possibilidades do processo colaborati&o! dentro e
.ora da rede( Por pertencer a uma gera*+o totalmente adaptada ao meio digital! para mim o
interessante é perceber as rela*6es /ue se criam .ora dele! e as maneiras de documentá1las e
sintetiza1las para a inser*+o no mesmo(
)sta proposta iniciou1se com a reuni+o de pessoas /ue gostam de m$sica e se
interessem na con.ec*+o de instrumentos( )m encontros semanais! aprendemos a con.eccionar
instrumentos de cer;mica! como 2ambores! "'ambés! 3carinas e 4iol6es em cer;mica ao
longo de um semestre( :este primeiro momento! 'á .oi poss-&el obser&ar algumas situa*6es de
estreitamento entre os presentes! /ue interagiam e colabora&am entre si( Como n+o .oi pré
estabelecido nenhum padr+o na con.ec*+o das pe*as! embora coleti&a! a produ*+o obte&e um
resultado heterog9neo! o /ue permitiu uma di&ersidade de sons(
:o .im do semestre! realizamos uma /ueima das pe*as de cer;mica no .orno da
comunidade >atuel Cunha! no Rio 2a&ares( :este mesmo dia! .oi realizada! de maneira
impro&isada! a nossa primeira tocata( @5o cap-tulo do "4"A :esta época! ainda n+o sab-amos
de /ue .orma articular os encontros! e logo pudemos perceber /ue! de certa .orma! era
irrele&ante! tendo em &ista /ue a tocata se .ormou naturalmente( Eendo assim! me senti li&re
para me preocupar somente com a maneira com a /ual registrar-amos esses acontecimentos(
Página I de 13
s encontros da “Tocata !isual Aberta”
)m todos os encontros! organizamos uma estrutura audio&isual completa0 aparelhos de
"4" e pro'etores de &-deo! /ue usamos para eibir &-deos de artistas? instrumentos musicais
di&ersos! /ue &aria&am de acordo com cada e&ento? e aparelhagem para gra&a*+o pro.issional
de áudio! e c;meras digitais portáteis para gra&a*+o de &-deo(
Juntos esses elementos compunham uma .orte .erramenta geradora de
descontinuidades( 3s &-deos atraiam e mantinham a aten*+o das pessoas /ue passa&am( Com
essa aproima*+o! .acilita&a o entendimento imediato do mecanismo da tocata! nos poupando
de ter /ue .az91lo oralmente( 3 /ue de .ato /uebraria a <mágica= do acontecimento
Logo! as pessoas se &iam en&ol&idas pela m$sica! e .ica&am mais Y &ontade para <se
epressar= musicalmente( Passados estes estados de <atra*+o=! <encantamento= e <entrega=!
surgia a curiosidade! a necessidade de racionalizar! saber de .ato o /ue esta&a acontecendo(
A tecnologia esta&a presente em praticamente todas as etapas deste processo criati&o0
desde as má/uinas da o.icina de escultura /ue auiliaram a .azer os aros de metal para a
.ia*+o das peles dos instrumentos! até os computadores! micro.ones e e/uipamentos de áudio
e &-deo das tocatas(
:o primeiro e&ento <o.icial=! realizado na arena central do ceart! poucas pessoas
compareceram( Apenas algumas poucas .otos e &-deos .oram registrados( 3 áudio desta tocata
.oi descartado! por .alta de /ualidade((( :a ocasi+o! ha&iam tambores! chocalhos e um &iol+o Y
disposi*+o! uma con.igura*+o simples( Ainda assim! pudemos registrar alguns momentos
interessantes! mas a claridade! o n$mero reduzido de participantes e o <aparato= eagerado
pro&a&elmente inibiu a participa*+o( Já a /ualidade .oi comprometida por problemas na
manipula*+o do e/uipamento
A tocata seguinte! mudou para o prédio das artes plásticas! e 'á contou com um n$mero
maior de pessoas e instrumentos! mas ainda en.rentamos problemas com o registro do áudio(
:o entanto! a m$sica 'á e&oluiu considera&elmente! algumas ecelentes impro&isa*6es!
etremamente percussi&as(
Página 1F de 13
A pr,ima tocata .oi marcada .ora da Z")EC! em um campeonato de sinuca
organizado por uma colega! em um bar das proimidades( :enhum áudio .oi registrado!
somente &-deos( Foi interessante perceber como mais uma &ez o ambiente ditou as regras0 a
tocata do bar .oi a mais descontra-da! sem pretens6es( 3bser&ei também /ue! com a presen*a
de mais pessoas! essa tocata te&e maior n$mero de composi*6es da m$sica popular! ao in&és
de longas impro&isa*6es instrumentais(
:a semana seguinte! .inalmente conseguimos uma boa harmonia entre todos os
participantes! e o resultado .oi surpreendente( Fizemos a capta*+o de áudio estereo.Knica @em
5 canaisA com J micro.ones! /ue pode ser con.erida no C" e no "4"(
3 e.eito estéreo cria uma ilus+o espacial no ou&inte! /ue consegue situar os
instrumentos em di.erentes regi6es de seu campo auditi&o( @#ais uma &ez a tecnologia!
situando o ou&inte no local(((A
"esta tocata! .oram etra-das &arias passagens do C" e do "4"( )la .oi
imprescind-&el para obser&armos a e&olu*+o do dispositi&o relacional! /ue a essas alturas! de
certa .orma! come*a&a a dar passos mais largos( A partir deste ponto! comecei a prestar
aten*+o em todas as passagens! /ue apresenta&am elementos mais so.isticados! gerados ao
acaso! /ue poderiam ser de grande utilidade em um estudo para releitura .utura( :esta tocata!
'á podemos notar a presen*a de um instrumento elétrico! a guitarra entre os &iol6es e tambores
ac$sticos( 2rata1se de uma tocata transit,ria! com di.erentes elementos em comunh+o(
:o e&ento seguinte! ousei le&ando um n$mero maior de instrumentos0 >ateria!
micro.one para a &ocal! guitarra e baio elétricos( 8ueria &er como esses elementos mais
altos! compleos e e&identes no campo sonoro se comporta&am em meio Ys impro&isa*6es
coleti&as com di&ersas pessoas e tambores em pro.us+o( Zma maneira interessante de &er
como .unciona a <permiss+o=! onde percebemos /ue! /uem melhor ou&ia! mais corretamente
se posta&a diante da m$sica( :o entanto! /uando alguém se perdia do .oco coleti&o na posse
de um desses instrumentos de maior <.or*a=! acaba&a por desconcentrar os demais e <deiar
morrer= a m$sica( Pela primeira &ez! a tocata contou com uma m$sica cantada! cu'a letra .oi
impro&isada na hora(
Página 11 de 13
)sta .oi a tocata /ue rendeu o maior tempo de áudio gra&ado! somando 5 horas e 3F
minutos! no entanto! embora de boa /ualidade! a gra&a*+o .oi .eita em mono @1 canalA! mais
uma &ez por di.iculdades técnicas( Logo! neste registro n+o podemos situar os instrumentos
no ambiente( A ac$stica do prédio é cheia de re&erbera*6es e ecessos! o /ue contribuiu para
uma sonoridade mais .orte! pulsante e saturada(
A tocata seguinte mante&e as mesmas caracter-sticas timbrais e os mesmos
instrumentos da anterior! no entanto! com maior re.inamento mel,dico( :este dia! no&amente
capta*+o mono! /ue iniciou 1 hora depois do inicio do e&ento( :enhum &-deo ou .oto .oi
registrado! o /ue aconteceu por acaso! mas &eio a calhar! pois da/ui sa-ram &arias m$sicas
para o C"(
Finalmente no dia 1I de 'unho realizamos nossa $ltima tocata do semestre! em um
restaurante no canto da lagoa( 2ecnicamente melhor resol&ido! contando com algumas das
pessoas mais constantes nas tocatas! e em um lugar com a ac$stica pri&ilegiada! .oi uma das
tocatas mais re.inadas registradas( A sess+o r-tmica .icou por conta dos tambores! pandeiros!
chocalhos e a.ins( :as melodias! guitarra e &iol+o( Além das impro&isa*6es! surgiu uma
interessante releitura para o clássico Asa >ranca de Luiz Wonzaga! com harmonia de tempero
oriental! eplorando sonoridades menores((( :a minha opini+o! um dos momentos mais
sublimes(
P"s Produção
)m posse de todo esse material! me reuni com minha colega Aline para come*ar as
edi*6es( Por se tratar de um tema emp-rico! hou&e grande preocupa*+o para /ue o material
possa traduzir a eperi9ncia sem muitas distor*6es(
3 resultado .inal0 1 C" de áudio com os melhores momentos das tocatas? 1 "4"
mostrando todo o processo? 1 relat,rio imagético? além dos artigos e do Eite do 4inho Eaber!
onde disponibilizamos todo este conte$do on1line gratuitamente! para li&re &eicula*+o e
utiliza*+o sem .ins lucrati&os(
Página 15 de 13
Eem a internet! esta &eicula*+o perderia o sentido! pois n+o ha&eria possibilidade de
resposta por parte do p$blico! /ue tem acesso as mesmas .erramentas /ue utilizamos na p,s
produ*+o! ou se'a! plenas condi*6es técnicas de produzir áudio ou &-deo com uma /ualidade
muito boa(
Porem! ressalto /ue o importante n+o é a .idelidade do material! mas sim! o
entendimento da proposta( Por mais /ue nos es.orcemos para registrar imagens e sons! o /ue
realmente &ale neste dispositi&o 'amais poderá ser materializado0 como realmente se deram as
rela*6es e /uais .oram as di.erentes eperi9ncias pessoais de cada en&ol&ido( Ainda n+o
podemos digitalizar ou materializar sensa*6es! ainda mais nesta magnitude de abstra*+o( 3
/ue aconteceu nesses dias! s, /uem esta&a lá poderá saber ao certo( V de suma import;ncia
/ue o internauta este'a ciente disso! pois assim ele entenderá /ue s, &i&endo sua pr,pria
eperi9ncia ele saberá o /ue é uma tocata(
#onsideraç$es %inais
Eomente com o pleno .uncionamento do mecanismo en&ol&endo o artista! a rede e o
usuário a Tocata Aberta .az sentido0 3 artista planta a idéia! mostra as .erramentas
dispon-&eis e ag9ncia as respostas? a rede disponibiliza gratuitamente n+o s, in.orma*6es! mas
.erramentas de cria*+o e comunica*+o? os usuários tem acesso Y todo o material do site! para
li&re utiliza*+o e &eicula*+o! além de guias eplicati&os Y respeito da con.ec*+o de
instrumentos em cer;mica! es/uemas de áudio e &-deo! opera*+o dos sistemas digitais! etc(
A 2ocata Aberta é um ciclo /ue se reno&a constantemente atra&és das
interdepend9ncias <homem T má/uina T homem=! cada participante desde processo é como
uma engrenagem complea( :,s podemos dar o pontapé inicial! mas o /ue &irá a se tornar
esta proposta s, o tempo poderá dizer(
3 campo abordado neste artigo ainda permanece pouco eplorado se proporcional a
sua epans+o e in.lu9ncia na .orma de &i&er do no&o século( V importante permanecer sempre
atento as trans.orma*6es e como reagimos a elas( :o momento em /ue nos submetermos a
má/uina e es/uecermos dos &erdadeiros sabores da &ida! das eperi9ncias reais! das
sensa*6es! sentimentos e emo*6es! perderemos nossa identidade( :o entanto! sempre /ue
Página 13 de 13
pudermos articular uma comunica*+o e/uilibrada entre o real e o &irtual em prol do bem
comum! somaremos eperi9ncias de &ida e multiplicaremos boas idéias(
"a 2ocata Aberta para a rede! muita energia! sub'eti&idade em momentos $nicos(((
Agora! s, esperamos colabora*6esD
&ibliogra%ia
• >)R! NaOim ( 2AL0 zona autKnoma temporária ( 2radu*+o de Renato Rezende S Patr-cia
"ecia( T E+o Paulo0 Conrad )ditora do >rasil! 5FF1( @Cole*+o>adernaA
• >3ZRR%AZ"! :icolas ( )stética Relacional ( >uenos Aires0 Adriana Nidalgo editora!
5FFX(
• LA""AWA! Reinaldo! ( )stética de la emergencia ( >uenos Aires0 Adriana Nidalgo
editora! 5FFX(
• >ZLN[)E! #aria Amélia( Arte em rede Ceb e processos estéticos h-bridos ! *+,
-ncontro .acional da Associa/0o .acional de es1uisadores de Artes l2sticas
3in4micas -pistemol56icas em Artes Visuais 7 %lorian5polis 7 setembro de 899:
• 3 mo&imento da CiOiarte de.ende /ue todos se'am criadores na internet(
-ditoria: Comunidade, Abril 899+= LinO A/ui
• F%3R)LL%! #arilei Catia( Arte interati&a e colaborati&a em rede0 estudo de caso do
coleti&o pernambucano Re0combo( LinO A/ui
• >3:"BA! Jorge Larrosa= :otas sobre eperi9ncia e o saber de eperi9ncia= Zni&ersidade
de >arcelona! )spanha 5FF5( Tradu/0o de Fo0o @anderleG Geraldi= ?ni)ersidade
-stadual de Campinas, 3epartamento de Bin6HIstica= "oCnload A/ui