You are on page 1of 4

Epístola a Tito

Epístola escrita pelo apóstolo Paulo a Tito visando incumbir-lhe tarefas de
resolver problemas na ilha de Creta e eleger homens santos, qualificados para
os ofícios da igreja. asicamente a carta ! a representa"#o por escrito de
instru"$es orais proferidas de Paulo a Tito acerca de procedimentos na
administra"#o dos assuntos relacionados a igreja.
Embora a carta seja dirigida a Tito, ela est% aberta a todos os lideres das
igrejas as quais, atrav!s dela Paulo pode instruir-los na forma correta de
condu&ir a f! dos fieis em Cristo.
Primeiramente ele alerta Tito a proceder corretamente conforme seu
entendimento adquirido da correta doutrina que ele mesmo havia aprendido
com o apóstolo e instrui para que ele refute o falso ensino que j% parece
corromper as igrejas de Creta, ao mesmo tempo em que confere autoridade a
Tito perante a igreja.
'o que parece o falso ensino que a igreja de Creta parece estar sendo
corrompida tem semelhan"a ou ! igual ao falso ensino disseminado na igreja
de (feso.
). Ensinos referente a pr%tica de leis *udaicas
+. 'scetismo
,. Ensinos proveniente de lendas *udaicas
-. Ensinos provenientes das quest$es de genealogia
.. Ensinos provenientes de mentes corrompidas pelo pecado
/. Ensinos que vis#o lucro financeiro
0. Ensinos que provocam deser"$es na igreja e contendas
1. Ensinos que perturbavam a pa& das famílias crist#s, pois pregavam de
casa a casa 2nas igrejas na !poca apostólicas3 doutrinas incoerentes ao
cristianismo
'o que parece tais ensinos parecem vir de uma forma ainda primitiva do
gnosticismo judaico, que inflamava a igreja e corrompia a s# doutrina. Paulo
preocupava-se em que essa doutrina her!tica agravasse ou se desenvolvesse
ainda mais, pondo o cristianismo em descr!dito para os fieis e pala a
popula"#o o que dificultaria muito a propaga"#o e a sobreviv4ncia do
cristianismo naquela regi#o.
Paulo e5plica na carta a Tito que a perman4ncia fiel em Cristo, acolhendo a s#
doutrina, a doutrina ensina pelo apóstolo, limitando-se apenas a ela juntamente
com uma vida de pure&a moral e boas a"$es ou obras de deus, levaria a igreja
ao caminho certo a vida eterna nas promessas de Cristo.
Paulo e5plica que a forma como essa doutrina her!tica estava ensinando
corrompia a apreens#o do 6eus crist#o, pois era uma forma perniciosa e
corrompida e desta forma n#o condu&iria a popula"#o a igreja pela sua
mensagem, em alguns casos condu&iam a uma vida perversa, distante dos
preceitos crist#os.
Paulo discorre basicamente sobre duas quest$es principais, a cone5#o entre a
f! e o comportamento daquele que cr4 em Cristo e as origens e implica"$es
sociais e teológicas destes comportamentos na apreens#o correta e da n#o
obstru"#o do ensinamento distorcido e mal!fico de 6eus como o salvador.
Paulo afirma que o falso conhecimento de 6eus repercute na conduta que !
incompatível com a conduta daquele que compreende o 6eus crist#o. 7nforma
que os falsos mestres s#o conhecíveis tamb!m pela vida pecaminosa que
levam. Paulo cita Epim4ndes 2um professor de religi#o que viveu em Creta por
volta de .88 a.C que j% naquele tempo reconhecia o car%ter deformado dos
cretenses a mentira, glutonaria, pregui"a no modo como condu&iam suas
vidas3.
Paulo pregoa que ensinos corretos condu&em a atitudes corretas e estas n#o
est#o em conson9ncia com as atitudes desses falsos mestres, que deforma a
correta compreens#o do 6eus crist#o.
Paulo instrui que os presbíteros devem se apegar firmemente a s# doutrina, a
mensagem fiel, refutar os que se op$e a ela porque haver#o muitos
insubordinados que n#o passam de faladores e enganadores.
Paulo e5orta para que os irm#os em Creta sejam homens firmes, honestos,
pacíficos e subordinados aos presbíteros e a s# doutrina, tendo as obras, como
elementos que testificam as atitudes modificadas pelo espírito santo na vida do
que cr4 e anda no e com Cristo, entretanto, que essas obras n#o sejam
meritórias e sim fruto de sua piedade, transforma"#o e amorosidade crist#.
Paulo e5orta tamb!m para que os crist#o levem uma vida que agrade a 6eus.
: modo de ser crist#o tem que ser um modo de ser diferente do mundano. ;ue
condu&a o pag#o a salva"#o em Cristo, n#o sendo motivo de esc%rnio e de
contendas. <eu comportamento deve silenci%-los para serem irrepreensíveis,
para que fiquem envergonhados em n#o poderem fa&er-lhes mal algum. ;ue a
conduta dos crist#o torne-os atraentes em tudo que ! puro e bom, para que se
atenham ao que agrada a 6eus. Para que atrav!s de seus atos n#o difamem a
6eus.
=a carta ele instrui Tito para e5ortar as esposas a serem diligentes nas lides de
casa, marido, filhos e do lar> 'os escravos que sejam submissos, honestos,
obedientes e honrem a confian"a deles, para que assim, atrav!s de seus atos
2crist#os3 de lisura e preste&a provoquem neles espanto e admira"#o com
elogios, o que de certa forma engrandece o nome de 6eus, atraindo os de
forma a igreja.
'lguns estudiosos compreendem essa forma de ser como uma forma
encontrada pela igreja de submiss#o e coniv4ncia proposital com o sistema
vigente, para n#o desaparecerem face a desaprova"#o da sociedade uma ve&
que o religi#o crist# era ilícita e que a conduta crist# era totalmente
diferenciada a conduta pag# o que acarretava muitas intrigas sociais.
Entretanto essa visuali&a"#o negativa da subordina"#o da igreja a situa"#o da
sociedade pag# daquela !poca, parece incoerente pois o propósito da igreja
era perseverar sob qualquer condi"#o e modificar pela transforma"#o pacifica
de si aos outros.
Essa aten"#o preferencial aos subordinados era uma marca da igreja primitiva,
que se preocupa com os menos favorecidos e buscava dentro da sua própria
realidade condu&i-los a uma pr%tica de vida que louvasse a 6eus, uma pr%tica
transformada pelo poder do espírito e5pelindo os frutos do espírito santo,
testemunha marcante da uma vida com 6eus.
Parece que Paulo n#o se preocupa com essa quest#o, antes preocupa-se
como a dissemina"#o do evangelho de Cristo. 'presenta uma carta de cunho
evangelístico e n#o institucional em suas pratica religiosa crist#. Paulo n#o
defende a igreja como certe principal de seu argumento, defende a
proclama"#o do Cristo aut4ntico e sua mensagem.
Em sua epístola a Timóteo Paulo clama para que os governantes sejam
pacíficos, n#o para que tenham misericórdia com a igreja, mas para que sejam
alcan"ados pela gra"a de 6eus. Pois Cristo deu sua vida para que muitos nela
tenham a vida eterna, abriu e cobriu a todos em sua gra"a e misericórdia.
' pacifica"#o entre as pessoas reflete tamb!m o car%ter de 6eus, pois assim
ser% mais contundente a proclama"#o das boas novas, ?apascentar ovelhas
calmas e mais f%cil que apascentar ovelhas agitadas@.
Essa e5orta"#o ! para que aqueles que divergem de Cristo e da conduta crist#
sejam envergonhados pelas suas próprias a"$es e atos, atos de pecado.
;uando aos crist#os devem ser irrepreensíveis em tudo e levar uma vida santa
e pura. Para tanto devem obedi4ncia a seus presbíteros.
Paulo considera que essa mensagem de pa& e conduta chegue ao m%5imo
aqueles que est#o fora da igreja para que atrav!s de sua mensagem pastoral
possam impactar seus cora"$es e condu&i-los a Cristo. Por ter um car%ter
igualit%rio a mensagem crist# parece estar mais pró5imo do clamor dos
necessitados, esse ! o motivo pelo qual atraia para si muitos pobres e menos
favorecidos da sociedade, os mais fracos.
Aoma via o Cristianismo nesse período com muita desconfian"a, pois
acreditava que seus ritos em segredo e suas pr%ticas de comunh#o restritivas
pudessem estar contribuindo para imoralidade e corrup"#o da sociedade e com
isso incitar revoltas sociais. Como ocorrera anteriormente quando do culto e
ritos a aco, reportado nos escritos de Bívio.
'o contr%rio de outros cultos no cristianismo, pela sua perspectiva de igualdade
e amorosidade entre os fieis, em seus cultos davam-se destaque a presen"a
das mulheres e das crian"as o que, para muitos, era uma condi"#o que
chocava os preceitos tradicionais de hierarquia familiar e social e, muitos
acreditavam que poderia amea"ar o poder do pai sobre sua família.
Por outro lado podemos pensar que o apóstolo que pCs fim a barreira entre
judeus e os gentios dificilmente poderia impedir que essas mesmas barreiras
fossem afetadas entre os senhores e escravos, baseando no impacto da
mudan"a de atitude de vida a que levavam os crist#os. ;ue muitas ve&es,
provocavam um choque no modelo de sociedade pag# e5istente.
Paulo e5orta Tito na carta para que condu&a-se no caminho da admoesta"#o
dos crist#os, principalmente os da camada mais humilde e despre&ados,
mulheres, escravos, pois acreditava que ! atrav!s destes que os de fora, os
que est#o fora da igreja, aprender#o a compreender o estilo de vida e
transforma"#o de vida que e5ala Cristo em suas vidas e ser#o atrav!s de seus
atos instrumentos de Cristo para a convers#o dos que n#o conseguem
en5ergar no cristianismo uma seita que amea"a seus próprios interesses e
posi"#o de poder. Paulo dei5a claro que os crist#os n#o s#o e nem podem ser
como os demais pag#os, antes tem um reputa"#o a &elar e essa reputa"#o !
Cristo.
'ssim como 6eus e5ige santidade do seu povo, o povo deve ser santo porque
ele ! santo e honra sua alian"a. : n#o cumprimento no passado de 7srael com
o pacto anterior feito entre a na"#o e 6eus condu&i-os ao cativeiro,
primeiramente pelos 'ssírios e depois pelos abilCnios.
: que Paulo parece informar ! que esse comportamento impróprio de 7srael
afastou de sua verdadeira voca"#o de mostrar em si o car%ter de 6eus para o
resto das na"$es.
=este sentido pelas obras boas, pelas obras fruto de seu car%ter restaurado ele
poder% certificar que os incr!dulos n#o difamem aquilo que ele chama a
palavra de 6eus e o conceito de que o 6eus dos crist#os ! um 6eus que
resgata e salva a pessoa de seus pecados possa se tornar atraente para
aqueles que est#o fora do Caminho.
Em resumo a Epístola de Tito ! uma carta pastoram que deve ser levada a
todas as igrejas para que elas fiquem atentas as discord9ncias relativas a
doutrina e a m% compreens#o da f! crist#. Em fim, Paulo fa& uma an%lise entre
os temas (tica, Teologia e Testemunho da 7greja e5ortando por escrito os
líderes das igrejas a que estejam atentos a toda e qualquer falsa doutrina que
comprometam o andamento da mensagem e proclama"#o do evangelho
crist#o.
Bibliografia:
- Bíblia de Estudo Dake
- Bíblia de Estudo NVI
- Sistema de Biblioteca Digital Libronix
- Comentário Bíblico NVI
- Teologia do Noo Testamento ! "rank T#ielman
- Teologia do Noo Testamento ! $eorge Ladd