You are on page 1of 18

Les siècles de Sartre, un philosophe dans la literature

20 de Outubro, 2005
A literatura como escolha filosófica
André Barata
A propósito de O Som e a Fúria de William Faulkner, Jean-Paul Sartre
escreveu !uma t"cnica romanesca leva-nos sempre # meta$%sica do
romancista&' ( lo)o acrescenta !A tare$a do cr%tico consiste em descobrir esta
antes de apreciar a*uela&
+
' A tese " $ormulada em termos universais e
prescritivos, portanto, $or-osamente discut%veis'
Pondo de parte con$rontos com a *uest.o sobre o *ue " a literatura, mesmo
sobre o *ue " a $iloso$ia, e, sobretudo, com )enerali/a-0es improv1veis,
procuraremos sustentar esta crítica metafísica da t"cnica romanesca como uma
escol2a $ilosó$ica de Sartre 3 de acordo com este ponto de vista ", pois, como
cr%tico meta$%sico, entenda-se $ilóso$o, *ue Sartre discute a meta$%sica do tempo
em O Som e a Fúria ou a meta$%sica do absurdo em O Estrangeiro de 4amus'
5as a escol2a n.o " arbitr1ria 3 na verdade, se)uindo o pensamento de
Sartre, nem " da ordem do arb%trio 3, pelo *ue importaria, por a*ui, tra/er
al)uma lu/ sobre a maneira como Sartre pratica a rela-.o entre literatura e
$iloso$ia, mesmo entre a sua literatura e a sua $iloso$ia' A literatura servir1 de
ilustra-.o # $iloso$ia6 7uerer1 isto di/er *ue 21 ilustra-0es ade*uadas e *ue as
21 tamb"m inade*uadas6 ( *ue 21 uma veracidade e uma $un-.o persuasiva
nessas ilustra-0es6 Ou, no essencial, tratar-se-1 de pedir mais # literatura *ue
constitua evid8ncia e se9a $or-a coactiva para a $iloso$ia6 Parece *ue A Náusea
vai pensando O Ser e o Nada e *ue Proust e Faulkner $racassam meta$%sicas aos
ol2os do cr%tico Sartre, em todo o caso, tem-se a literatura a dar realidade #
$iloso$ia, mesmo de dentro da $iloso$ia se se recordar as descri-0es liter1rias de
an):stia ou m1-$" em O Ser e o Nada, como se $osse precisamente a $ic-.o *ue
+
Sartre, J'-P', +;<=' Situações I' >isboa (uropa-America, p' <?'
instalasse o realismo na $iloso$ia, um outro com *ue se con$ronta, como sua
realidade'
Para en$rentar estas *uest0es, propomos um itiner1rio poss%vel de discuss.o'
(m primeiro lu)ar, procurar-se-1 divorciar esta escol2a da literatura como
escol2a $ilosó$ica, bem patente na obra de Sartre anterior ao pós-)uerra, dos
posicionamentos ulteriores de Sartre em O que é a Literatura?' 4om e$eito, e
independentemente da relev@ncia deste in$luente teAto, " nossa pretens.o
mostrar *ue Sartre n.o come-ou por ler nem por escrever literatura
privile)iando o comromisso' 5ais em particular, procurar-se-1 mostrar *ue
al)uns dos pressupostos em *ue Sartre $a/ assentar a ideia de compromisso
liter1rio diver)em claramente dos pressupostos *ue l2e permitiram escol2er
$iloso$icamente a literatura' Bito isso, evidenciar-se-1 esta escol2a $ilosó$ica da
literatura em v1rios re)istos da produ-.o de Sartre o seu trabal2o de recep-.o
cr%tica a duas obras 3 O Som e a Fúria e O Estrangeiro 3, a sua novela A
Náusea, e, por $im, numa breve re$er8ncia, as suas descri-0es dos $enómenos
como a an):stia e a m1-$" em O Ser e o Nada!
1. A palavra literária e o real
Se *uisermos resumir a ideia motri/ da $iloso$ia de Sartre a uma $rase, um
seu enunciado poss%vel seria a consci8ncia " sempre consci8ncia de al)uma
coisa que n"o e#a própria' Ceste *ue Dn.o ela própriaE captamos a ori)em da
meta$%sica de O Ser e o Nada' 4om e$eito, de acordo com o *ue $icou dito, a
consci8ncia, em si mesma, n.o " nada, ela só ", ara si mesma, ou se9a, só se
recon2ece como consci8ncia, no n"o ser as DcoisasE de *ue vai sendo
consci8ncia' Por isso, Sartre distin)ue o our$soi do en$soi, sendo a*uele o ser
da consci8ncia e este o das coisas' ( tamb"m por isso a$irma *ue a consci8ncia
nasce sustida sobre um ser *ue n.o ela mesma 3 e, portanto, na sua permanente
depend8ncia' Besta ideia motri/, se)uem-se duas conse*u8ncias *ue enuncio de
uma $orma bastante es*uem1tica' Primeiramente, tem-se *ue a consci8ncia n.o
disp0e de nen2um conte:do 3 sendo nada, todo o conte:do a transcende, mesmo
o (u, da% a ideia de uma transcend%ncia do Ego, entenda-se, transcend8ncia
relativa # consci8ncia, da% a recusa de uma $iloso$ia DalimentarE *ue assimilasse,
*ual di)est.o, o estran2o em próprio, al"m disto, sendo nada, nada a pode
determinar, da% consci8ncia e liberdade valerem, na $iloso$ia de Sartre, como
dois e*uivalentes, ambos ontoló)icos, ambos, por"m, desprovidos de *ual*uer
substancialidade' (m se)undo lu)ar, tem-se *ue *uais*uer processos de
identi$ica-.o, se9a com o seu próprio passado, ou o seu próprio $uturo, se9a com
o seu próprio corpo ou com o corpo de outrem, se9a com a consci8ncia de
outrem ou com um putativo outrem de si *ue seria o inconsciente, s.o apenas
$ormas de iludir a consci8ncia an)ustiada da $alta de ser da própria consci8ncia'
Fenericamente, # estrutura desta ilus.o, sempre votada ao $racasso, Sartre
c2ama m1-$"'
4omo $icou dito, a liberdade de *ue Sartre $ala decorre da sua própria
ontolo)ia da consci8ncia' Ba% n.o podermos, conscientemente, n.o ser livres'
C.o somos livres de n.o escol2er 3 n.o escol2er " 91 escol2er' Por isso, a
liberdade, mais do *ue uma prerro)ativa, ", para Sartre, uma condena-.o,
liberdade menos abstracta e mais sentida, por ve/es ressentida, cu9a consci8ncia
" dada n.o na $elicidade, nem no poder de nos )uiarmos em direc-.o a ela, mas
na an):stia'
Ora, " com base nestas teses *ue Sartre compromete, e c2ama #
responsabilidade, *ual*uer a)ente *ue 9ul)ue poder, conscientemente, se abster
de tomar posi-.o' Bo mesmo modo *ue uma n.o escol2a " ainda uma escol2a,
tamb"m uma literatura n.o comprometida " ainda eApress.o de um
compromisso' Assim, assumir o compromisso *ue decorre esontaneamente da
própria eAist8ncia do escritor no mundo, eis o *ue Sartre reivindica'
2

A di$iculdade deste posicionamento de Sartre, bem como de outros *ue
subordinem a literatura, ou certas $ormas desta, a uma $un-.o eAtra-liter1ria
transarente, em particular uma $un-.o social transparente, reside no
entendimento, por demais discut%vel, da palavra liter1ria como instrumento,
si)no de *ual*uer coisa para al"m dela, perdendo de vista o *ue apelidaremos,
a*ui, de seu &a#or de rea#idade' Caturalmente, a literatura militante ou o
compromisso social da literatura podem ser valori/1veis, mas s8-lo-.o n.o
literariamente mas socialmente' 5esmo pensada como institui-.o social, a
literatura n.o " necessariamente valori/ada em $un-.o do seu compromisso'
7ue se pode entender por valor de realidade6 Gm eAemplo simples, *uase
did1ctico, pode a9udar a responder a esta *uest.o' S.o con2ecidas as
di$iculdades inerentes ao ensino de valores' Se9am os valores "ticos' 4on2ecer
2
!On ne peint pas les si)ni$ications, on ne les met pas en musi*ue, *ui oserait,
dans ces conditions, r"clamer du peintre ou du musicien *uHils sHen)a)ent6 >H"crivain,
au contraire, cHest auA si)ni$ications *uHil a a$$aire'& ISartre, J'-P', +;J=' 'u(est$ce que
#a Littérature ? Paris Fallimard, p' +KL Msto, obviamente, se $or uma literatura para
isso capa/' Be acordo com Sartre, n.o seria o caso da atitude po"tica, a *ual rei$icaria as
palavras, torn1-las-ia en soi, como coisas, e 91 n.o si)nos de *ual*uer coisa para al"m
delas 3 !>e poNte sHest retir" dHun seul coup du lan)a)e-instrument , il a c2oisi une $ois
pour toutes lHattitude po"ti*ue *ui considNre les mots comme des c2oses et non comme
des si)nes'& IO! cit!, p' +;L
bem um, dois ou tr8s sistemas de "tica 3 por eAemplo, o de Aristóteles, o de
Oant ou a*uele *ue Sartre nunca terminou 3 n.o )arante uma aprendi/a)em
e$ectiva da "tica' Gm bom pro$essor ou um bom estudante de "tica n.o t8m de
ser pessoas boas' 5ais )enericamente, " de senso comum recon2ecer *ue o
saber teórico, ou se9a, o con2ecimento proposicional, n.o )arante sabedoria
pr1tica, e *ue, adivin2ando-se o *ue possa )arantir a*uele, n.o parece ser claro
o *ue possa )arantir esta' Os meios a*ui envolvidos indiciam uma oacidade
indeclin1vel' Co entanto, tal *ual se di/ *ue uma ima)em pode valer mais do
*ue mil palavras, tamb"m se pode a$irmar, 9ustamente acerca da prosa narrativa,
*ue uma 2istória pode valer mais do *ue mil palavras' 4omo com uma crian-a a
*uem se d1 a ler uma 2istória eAemplar 3 di$%cil seria *ue n.o 2ouvesse
transmiss.o de valores, di$%cil seria *ue n.o se recon2ecesse um e$ica/
compromisso liter1rio' Ali1s, a literatura eAemplar, t.o anti)a como a literatura
oral, " sinal ine*u%voco dessa e$ic1cia' 5as se tal " assinal1vel, sem d:vida *ue
nessa e$ic1cia o *ue est1 em causa " o $acto de as 2istórias serem $eitas com
palavras, mas n.o com palavras e)#icadoras' (ntretanto, o ponto 91 est1 dado
a literatura, a palavra liter1ria, n.o " simplesmente si)no, instrumento de
*ual*uer coisa *ue n.o ela' C.o est1 pela realidade simplesmente como um
representante na aus8ncia de um representado' Antes substitui o real na
*ualidade de ela mesma ser realidade a ser representada, opacidade a ser ob9ecto
da transpar8ncia instrumental das tais mil palavras eAplicadoras *ue podem n.o
a valer' Ora, " neste sentido *ue di/emos, a*ui, *ue a literatura tem valor de
realidade'
?
A esta lu/, $aria t.o pouco sentido a$irmar *ue a literatura tem uma $un-.o
social transparente como a$irmar *ue a própria realidade $osse transparente' Ou
ainda, de outro modo, *ue o nosso con2ecimento proposicional acerca de Paris
3 como sendo a capital de Fran-a, a cidade onde viveu Sartre, etc' 3 pudesse
contar de al)uma $orma como con*ecer +aris' Be $orma 2omólo)a, o
con2ecimento da literatura, antes de todas as proposi-0es con2ec%veis acerca
dela, " con2ecimento por contacto, eAperiencial, tal *ual con2ecemos Paris ou
?
!Cas palavras de Mn)arden, D PrepresentarH ", portanto, tamb"m Pdar a con2ecerH
al)o, mas " radicalmente distinto de PapresentarH o ob9ecto por meio das respectivas
rela-0es ob9ectivasE, e lo)o depois DQ um Pdar a con2ecerH al)o di$erente do elemento
representante, em *ue o representante PimitaH o representado, oculta-se a si mesmo
como representante para se mostrar ao mesmo tempo como o pretensamente
representado e assim tra/er, por assim di/er, da dist@ncia o outro *ue de $acto apenas
representa e deiA1-lo a ele mesmo $alar na sua própria $i)ura' Q uma Papresenta-.oH em
*ue o apresentante " inautenticamente o apresentado e simula ao mesmo tempo a
autenticidade do Pser ori)inalH&' IMn)arden, R', +;K?' A O,ra de Arte Literária' >isboa
F'4'F', p' 2<K in Reis, 4', 200+' O -on*ecimento da Literatura' 4oimbra Almedina, p'
=2L
con2ecemos Sartre, independentemente do *ue possamos saber acerca de Paris
ou de Sartre'
O problema com O que é a Literatura?, por"m, n.o est1 no si)ni$icado *ue
Sartre atribui a% ao compromisso' Acerca deste, o *ue o eAistencialista nos di/ "
*ue !Sum escritor est1 comprometido ISL *uando $a/ passar para ele e para os
outros o compromisso da espontaneidade imediata ao re$lectido&
J
' Tal
passa)em do compromisso espont@neo # re$leA.o si)ni$ica t.o-só um es$or-o de
con2ecimento da parte do autor, e tamb"m dos seus leitores, da sua própria
situa-.o, como *uem eAplicita o *ue permanecia impl%cito ou torna patente o
*ue n.o seria mais do *ue uma lat8ncia' Caturalmente, da*ui tamb"m se se)ue
um compromisso relativo # situa-.o social, # vida pol%tica, ao mundo
circundante, mas n.o um compromisso transarente, cu9a interpreta-.o se9a
un%voca, nem um compromisso *ue .ustifique, por si só, a >iteratura'
(speci$icar o compromisso de uma $orma tal *ue a >iteratura tivesse ou devesse
estar ao servi-o de uma causa, uma milit@ncia pol%tica ou uma ideolo)ia
redunda na sua instrumentali/a-.o' Ora, " 9ustamente o contr1rio desta
literatura-instrumento 3 a >iteratura com valor e pretens.o de realidade 3 *ue
alcan-a $or-a interventora no mundo 2umano' (duardo Prado 4oel2o eApressa
bem este ponto no seu /ni&ersos da -rítica, *uando recon2ece *ue a atitude
est"tica tende !a aproAimar-se da obra liter1ria como se ela $osse um ob9ecto
real 3 " isto *ue permite *ue a literatura ten2a uma $or-a de su)est.o e de
interven-.o no mundo' Acreditamos sem acreditar, consideramos *ue " real,
mas n.o tomamos a sério este real, aceitamos *ue " verdadeiro, mas
recon2ecendo *ue se trata de uma verdade de $antasia'&
5

Onde vai buscar a literatura o seu valor de realidade6 Bo mesmo modo *ue
no cinema, onde o movimento n.o " menos real 3 por eAemplo, o movimento de
um )esto ou de um bei9o 3, e isto apesar de apenas se ter ima)ens pro9ectadas
numa tela, na literatura n.o s.o menos reais uma cren-a ou uma suspeita, uma
ambi-.o ou uma @nsia suscitadas na narrativa pela próprio processo narrativo' O
ponto importante a ter em aten-.o a*ui, e pensando a literatura como simula-.o,
" o de *ue uma coisa " simular um resultado, outra, bem di$erente, " simular o
processo *ue culmina nesse resultado' (sta se)unda simula-.o, instanciada no
processo narrativo, n.o obt"m apenas uma simula-.o do resultado, pode obter o
J
!Je dirai *uHun "crivain est en)a)" ISL lors*uHil $ait passer pour lui et pour les
autres lHen)a)ement de la spontan"it" imm"diate au r"$l"c2i'& ISartre, J'-P', +;JK'
Situations II' Paris Fallimard, pp' +2?-JL
5
Prado 4el2o, (', +;=K' Os /ni&ersos da -rítica' >isboa (di-0es K0, p' ?;;'
resultado ele mesmo'
<
Ueremos adiante eAemplos *ue Sartre nos $ornece desta
simula-.o de processos e n.o de resultados, evidenciando *ue mais do *ue o
*ue se di/ importa como se o di/'
2. Sartre como crítico metafísico
A propósito de O Som e a Fúria de Faulkner, come-1mos por a%, Sartre
a$irmava 3 !uma t"cnica romanesca leva-nos sempre # meta$%sica do
romancista' A tare$a do cr%tico consiste em descobrir esta antes de apreciar
a*uela&' Assiste-se a*ui a uma dissocia-.o do acto de areciar e o de
comreender uma t"cnica romanesca, caracteri/ando-se o primeiro em termos
*ue se presume serem est"ticos e o se)undo em termos meta$%sicos, pelo menos
como Sartre assume eAplicitamente' (ntre estes dois actos n.o parece 2aver
uma rela-.o necess1ria, ainda *ue o cr%tico, no cumprimento do seu o$%cio, deva
n.o só apreciar mas tamb"m compreender a obra' A reivindica-.o de uma
anterioridade da compreens.o n.o " di$%cil de eAplicar o cr%tico n.o deve
simplesmente apreciar a obra e a sua t"cnica, deve apreci1-las sob a sua pr"via
compreens.o' Só assim a poder1 apreciar em todo o seu valor' Caturalmente,
uma compreens.o " al)o *ue suscita o 9u%/o do cr%tico de $orma di$erente de
uma aprecia-.o na*uela est1 em causa saber se a meta$%sica do romancista "
verdadeira ou se, ao menos, pode ser verdadeira, plaus%vel, ra/o1vel, nesta
apenas est1 em causa um 9u%/o de valor est"tico se " bela, se sedu/, ou n.o'
Bito isto, um se)undo ponto reside em notar *ue o *ue Sartre est1 a propor "
*ue se descubra a meta$%sica do autor 3 a*uilo *ue 21, ao $im e ao cabo, *ue
compreender 3 atrav"s de uma an1lise da sua técnica romanesca, e n.o do
conte:do romanesco de uma dada obra' ( este " um ponto demasiado
importante se tivermos em vista o estudo da rela-.o entre Filoso$ia e >iteratura
em Sartre' Se a >iteratura, pelo menos a romanesca, envolve uma $iloso$ia, n.o
" simplesmente por o autor dispor de uma eAperi8ncia do mundo, uma
cosmovis.o ou uma vis.o do mundo *ue se eAprimem na sua obra' Tal
eApress.o poderia ser uma da*uelas necessidades *ue acompan2a a produ-.o
art%stica, sem, contudo, desempen2ar nen2uma $un-.o constitutiva distintiva'
4om bem maior acuidade, Sartre reclama *ue " no próprio @ma)o da >iteratura
<
Cestes termos, o realismo social, o naturalismo s.o possibilidades liter1rias sob um
$undo de realismo necess1rio no *ue respeita ao *ue na $enomenolo)ia se denomina
&i&%ncias intencionais' (sse ser1, pois, o limite # inverosimil2an-a, para l1 do *ual n.o
se tem sen.o a aus8ncia de sentido, a n.o con$undir com o absurdo como tema liter1rio'
romanesca, ou se9a, nas suas t"cnicas romanescas, *ue se revela a meta$%sica e
como o *ue " decisivo na 9usti$ica-.o de uma ou outra t"cnicas romanescas'
Antes de avan-ar mais, 9ul)o ser isto su$iciente para demarcar, desde 91, esta
tese sartriana, de uma articula-.o essencial entre romance e meta$%sica, do *ue "
2abitualmente recon2ecido como romance fi#os0fico ou, em termos talve/ mais
amplos, como romance de tese' A*uela articula-.o subsiste independentemente
de se veri$icarem os re*uisitos *ue nos permitem recon2ecer romances de tese'
K
Q o caso *uer em O Som e a Fúria de Faulkner *uer em O Estrangeiro de
4amus 3 as duas obras cu9as recens0es de Sartre teremos em aten-.o' 4om
e$eito, relativamente # primeira, o ponto de Sartre est1 em reclamar *ue 21 uma
meta$%sica do tempo a esclarecer, esclarecimento necess1rio a uma boa
compreens.o da t"cnica romanesca de Faulkner, independentemente de uma
eventual tese meta$%sica acerca do tempo *ue Faulkner pudesse *uerer
demonstrar literariamente'
A mesma demarca-.o $ace ao romance de tese " abertamente a$irmada por
Sartre relativamente a O Estrangeiro, pese embora todas as suas implica-0es
teóricas en*uanto Dromance absurdoE 3 !Ainda *ue o :nico tema se9a o absurdo
da condi-.o 2umana, n.o " um romance de tese, n.o emana de um pensamento
Dsatis$eitoE *ue este9a interessado em $ornecer os seus documentos
9usti$icativos, mas ", pelo contr1rio, o produto de um pensamento Dlimitado,
mortal e rebeldeE' Prova por si mesmo a inutilidade da ra/.o discursiva'&
=
(
depois, citando O 1ito de Sísifo, onde a$irma encontrar Da teoria do romance
absurdoE, coloca o próprio 4amus a sustentar a ideia de *ue " no plano de uma
t"cnica romanesca *ue se 9o)a a meta$%sica do autor'
A escol2a *ue Vos )randes romancistasW $i/eram de escrever por
ima)ens em ve/ de se servirem de racioc%nios " reveladora de um
certo pensamento *ue l2es " comum, pensamento persuadido da
inutilidade de *ual*uer princ%pio de eAplica-.o e convencido da
mensa)em instrutiva da apar8ncia sens%vel'
;
K
!Be acordo com o sentido $ilosó$ico do termo tese, o romance de tese " a*uele *ue
se prop0e demonstrar e de$ender uma a$irma-.o nuclear, no *uadro de um certo sistema
de valores, a$irma-.o eventualmente su9eita a contesta-.o'& IReis, 4', X >opes, Ana 4',
2002' 2icionário de Narrato#ogia' 4oimbra Almedina, p' ?<JL'
=
Sartre, Situações I, p' ;2'
;
4amus, O 1ito de Sísifo, p' +?= citado em Sartre, O!cit!, p' ;2'
Q di)no de nota *ue na recens.o *ue 4amus, por sua ve/, escreve sobre A
Náusea, a mesma ideia se9a retomada 3 !Gm romance n.o " sen.o uma
$iloso$ia posta em ima)ens'&
+0
Ueremos em se)uida como procede Sartre na an1lise das t"cnicas
romanescas de Faulkner e 4amus' 5as ainda antes disso, n.o nos parece il%cito,
desde 91, con$rontar o *ue se acaba de di/er sobre o *ue Sartre pensa como
tare$a do cr%tico 3 o *ue obviamente vale para ele próprio en*uanto cr%tico 3
com o *ue atr1s $ui apontando sobre um certo &a#or de rea#idade da >iteratura'
Bonde retirava a >iteratura esse valor6 C.o de uma simula-.o do conte:do, mas
dos processos *ue o ori)inam' Ora, analo)amente, o *ue o Dcr%ticoE Sartre
valori/a como pass%vel de compreens.o e suscept%vel de al)uma $orma de
veracidade, correspond8ncia com a realidade, n.o " tanto a vis.o de mundo
eApressa, mas a t"cnica empre)ue na sua eApress.o, ou se9a, o processo *ue a
reali/a'
2.1. A análise de O Som e a Fúria
5ais do *ue em *ual*uer aspecto de conte:do li)ado # intri)a, " no modo
como a narrativa " constru%da *ue Sartre identi$ica o *ue toma por uma
meta$%sica $aulkneriana do tempo em O Som e a Fúria' Sinteticamente, s.o pelo
menos *uatro os aspectos na t"cnica romanesca de Faulkner *ue Sartre
interpreta de $orma meta$%sica
iL (m primeiro lu)ar, n.o 21 um tempo linear, atrav"s do *ual se desenrole a
narrativa' Bi/, a propósito, Sartre !nada sucede, a 2istória n.o se desenrola&' O
*ue sub9a/ a esta peculiar t"cnica romanesca de Faulkner " a sua convic-.o
meta$%sica de *ue a temporalidade viva n.o " cronoló)ica, *ue a*uela n.o "
medida por reló)ios e p8ndulos, *ue estes, na verdade, n.o deiAam o tempo
viver' !Q só *uando o p8ndulo p1ra *ue o tempo torna a viver& 3 >8-se em O
Som e a Fúria' A contrapartida # sucessividade do tempo dos reló)ios, " uma
interli)a-.o a$ectiva de acontecimentos *ue ressoam uns nos outros como se
$ossem, a eApress.o " de Sartre, Dconstela-0es a$ectivasE' O *ue une, pois, o
tempo " o a$ecto' ( se o a$ecto n.o respeita a ordem cronoló)ica, " ent.o o
próprio tempo vivo *ue n.o a respeita'
+0
!Gn roman nHest 9amais *uHune p2ilosop2ie mise en ima)es'& I4amus, 4ompte
rendu dans A#ger 3éu#icain in 4ontat, 5', X RYbalka, 5', +;;+' Sartre 4 Oeu&res
3omanesques, Paris FallimardZ Pl8iade, p' +K0;'L
iiL (m se)undo lu)ar, observa Sartre !O passado menciona-se, conta-seS
J1 t%n2amos reparado, a propósito de Sartoris, *ue Faulkner mostrava sempre os
acontecimentos depois de se terem reali/ado' (m O Som e a Fúria tudo se passa
nos bastidores nada acontece, tudo aconteceu'&
++
Besta $eita, Sartre analisa a
t"cnica de Faulkner como tendo por base psicoló)ica uma obsess.o pelo
passado'
iiiL (m terceiro lu)ar, a contrapartida a este passado *ue se substitui ao
presente 3 !(u n.o sou, era& a$irma um dos prota)onistas 3 " um acontecer sem
*ual*uer media-.o, acontecimento de nature/a catastró$ica' !O presente n.o
eAiste, $a/-se, tudo era!&
+2
Ainda se pode ler, a respeito do Faulkner de O Som e
a Fúria5 *ue, !por ve/es, sente uma obsess.o t.o $orte pela oculta-.o do
presente, *ue estes camin2a na sombra, como um rio subterr@neo, e só reaparece
*uando est1 trans$ormado em passado'&
+?
Q o passado, sub9ectivamente vivido,
a$ectivo e traum1tico *ue apresenta os acontecimentos sem *ue estes c2e)uem a
poder realmente acontecer'
ivL Por :ltimo, a par da o,sess"o pelo passado e da ocu#taç"o do presente,
Faulkner, de acordo com a leitura de Sartre, reali/a uma pura e simples
anu#aç"o do $uturo' Anular o $uturo " anular a possibilidade da possibilidade' A
propósito do eventual suic%dio de 7uentin 4ompson, escreve Sartre 3 !O
suic%dio $uturo *ue lan-a a sua sombra espessa sobre o :ltimo dia de 7uentin
n.o " uma possibilidade 2umana, em nen2um instante 7uentin encara a
2ipótese de n"o se matar'&
+J
5as, sublin2e-se, " do ponto de vista de uma
t"cnica romanesca *ue Sartre procura $a/er o seu ponto' (, por isso, di/-nos
!Msto n.o " um emreendimento, " uma $atalidade, ao perder o car1cter de
poss%vel, deiAa de eAistir no $uturo est1 91 presente, e toda a arte de Faulkner
pretende su)erir-nos *ue os monólo)os de 7uentin e o seu :ltimo passeio s.o 91
o suic%dio de 7uentin' Assim se eAplica, penso eu, este curioso paradoAo
7uentin pensa o seu :ltimo dia como passado, como al)u"m *ue se recorda'&
+5
5as eis *ue c2e)a o 9u%/o do cr%tico meta$%sico' Sartre come-a por
per)untar !Poder1 o tempo do 2omem eAistir sem o $uturo6& ( responde *ue
n.o por ra/0es mani$estamente $ilosó$icas 3 !a nature/a da consci8ncia implica
ISL *ue se lance para a $rente de si mesma no $uturo, n.o se pode compreender
o *ue ela " sen.o pelo *ue ser1, determina-se no seu ser actual pelas próprias
++
Sartre, Situações I, pp' <J-<5'
+2
O! cit!, p' <5'
+?
O! cit!, i,idem'
+J
O! cit!, p' <='
+5
O! cit!, p' <;'
possibilidades " a*uilo a *ue [eide))er c2ama Da $or-a silenciosa do
poss%velE&
+<
' (sta cr%tica meta$%sica de Sartre n.o o impede de apreciar a arte de
Faulkner, ainda *ue n.o crendo na sua meta$%sica 3 !Aprecio a sua arte, mas
n.o creio na sua meta$%sica, um $uturo vedado " ainda um $uturo&
+K
' 5enos *ue
a discuss.o meta$%sica, resultam a*ui problem1ticas *uais seriam, ent.o, as
condi-0es para o apre-o est"tico6 Se n.o est.o na depend8ncia da meta$%sica
*ue determinaria, se)undo Sartre, a t"cnica romanesca, se a compreens.o desta,
em conse*u8ncia, n.o in$lui o 9u%/o est"tico, ent.o, *ue compreens.o se pode
obter de um tal 9u%/o' ( sobre isto Sartre nada di/'
2.2. A Análise de O Estrangeiro
Co romance de Albert 4amus o aspecto *ue Sartre mais releva " o empre)o
de uma certa t"cnica romanesca parcimoniosa, pedida de empr"stimo aos
autores do neo-realismo americano, desi)nadamente [emin)\aY' Trata-se de
uma t"cnica assente, di/-nos Sartre, !em $rases curtas&' ( lo)o em se)uida
acrescenta !cada uma delas se recusa a aproveitar o impulso ad*uirido pelas
precedentes, cada uma " um recome-o' 4ada uma " um apontamento de um
)esto, de um ob9ecto' A cada novo )esto, a cada novo ob9ecto, corresponde uma
$rase nova'&
+=
Adiante a$irma ainda !uma $rase de O Estrangeiro " uma il2a&
+;
'
4omo interpreta Sartre esta t"cnica, esta solid.o das $rases, *ue sentido
meta$%sico eAtrai disto6 (Aactamente uma transposi-.o mim"tica para a
lin)ua)em liter1ria de uma seca e inerte eAterioridade, 91 n.o das $rases no seu
encadeamento, mas dos próprios $actos da realidade' Sem rela-.o %ntima, mas
apenas eAterior, como o tempo dos $actos se trans$orma numa mera !sucess.o
de presentes&, tamb"m o tempo narrativo se torna descont%nuo, sucess.o de
il2as sem pontes *ue as li)uem, acumulando-se simplesmente por adi-.o,
estran2as umas #s outras, il2as-$rases 3 !Todas as $rases do seu livro Vreitera
SartreW s.o e*uivalentes, como s.o e*uivalentes todas as eAperi8ncias do
2omem absurdo, cada uma se apresenta por si mesma e deiAa as outras no
+<
O! cit!, p' K0'
+K
4itando Sein und 6eit de [eide))er, recon2ece-se, a este propósito, *uase um tom
de censura diri)ido # parcialidade meta$%sica de Faulkner 3 !5esmo *ue a realidade
2umana 91 n.o ten2a nada # sua D$renteE, mesmo *ue ten2a Dli*uidado a sua contaE, a
sua eAist8ncia " ainda determinada por essa Dantecipa-.o de si mesmaE' A perda total de
esperan-a, por eAemplo, n.o arranca a realidade 2umana das suas possibilidades, "
apenas Duma maneira de ser em rela-.o a essas possibilidadesE'& Sartre, o! cit!, p'K+'
+=
O! cit!, p' ;;'
+;
O! cit!, p' +0?'
nada&
20
' 7ue 2omem absurdo " este6 Justamente a*uele *ue O Estrangeiro n.o
di/, mas mostra' ( $ora do @mbito da demonstra-.o' Bi/ Sartre !O Estrangeiro
n.o " um livro *ue eAplica o 2omem absurdo n.o eAplica, descreve&
2+
'
2escre&er talve/ nem se9a a ac-.o mais ade*uada para dar conta do *ue est1
a*ui em causa, o próprio Sartre o recon2ece *uando, mais adiante, di/ *ue
4amus !em O Estrangeiro resolveu ca#ar$se&
22
' O laconismo, o mutismo
poss%vel num romance, p0e as próprias palavras no lado de l1 do sentido, no
lado do absurdo' (m mais uma cita-.o de O 1ito de Sísifo, o livro *ue daria a
no-.o do absurdo Icomo contrapartida do sentimento do absurdo dado em O
EstrangeiroL, Sartre coloca 4amus a eAplicar-se 3 !Gm 2omem $ala ao tele$one
atrav"s de um tabi*ue de vidro, n.o o ouvimos, mas vemos a sua m%mica sem
sentido d1 vontade de per)untar por*ue " *ue ele vive'&
2?
Prende-se, pois, o
absurdo com 2aver o *ue 21, apesar da aus8ncia de uma 9usti$ica-.o, ou ainda,
numa palavra, gratuitidade, a mesma com *ue as $rases se sucedem em O
Estrangeiro, sem princ%pio de e*uival8ncia e, por isso mesmo, todas
e*uivalentes' (m s%ntese, a t"cnica romanesca de 4amus estaria, em O
Estrangeiro, ao servi-o de um es$or-o 3 produ/ir o sentimento ou consci8ncia
de absurdo, por uma simula-.o do processo *ue o determina, simula-.o
e$ectuada no processo narrativo, atrav"s da op-.o por uma certa t"cnica
romanesca'
3. Literatura e Fenomenologia
O *ue no trabal2o de cr%tica aparece como m1Aimas, at" pela nature/a mais
abreviada dos teAtos, resulta bem menos evidente *uando " o próprio Sartre a
produ/ir obras liter1rias e ensaios de $iloso$ia' Faremos duas breves incurs0es
uma pela novela mais c"lebre de Sartre, A Náusea, *ue consideraremos, a*ui,
uma obra de #iteratura fenomeno#0gica, e uma outra incurs.o por al)umas n.o
menos c"lebres descri-0es $enomenoló)icas patentes em O Ser e o Nada, *ue
tomaremos a t%tulo de eAerc%cios de fenomeno#ogia #iterária' Talve/ esta
distin-.o entre literatura $enomenoló)ica e $enomenolo)ia liter1ria pare-a
arti$iciosa, mas, com ela, o nosso intuito " realmente menos separar do *ue
aproAimar, procurando destacar um terreno, di)amos assim, de indistin-.o entre
Fenomenolo)ia e >iteratura' Q esta, ali1s, uma via de declinar uma dupla
20
O! cit!, p' +05'
2+
O! cit!, p' ;2'
22
O! cit!, p' ;='
2?
4amus, O 1ito de Sísifo5 p' 2; citado em Sartre, O! cit!, p' +0+'
acusa-.o um pouco desonesta mas $re*uentes ve/es endere-ada a Sartre 3 *ue A
Náusea n.o " realmente literatura, mas $iloso$ia e *ue O Ser e o Nada n.o "
realmente $iloso$ia, mas literatura'
3.1. A Náusea
4ome-amos por prestar aten-.o a A Náusea a partir das cr%ticas *ue a novela
mereceu por ocasi.o da sua publica-.o em +;?=' Trocar assim a posi-.o de
Sartre na rela-.o autorZcritico " uma maneira de o p]r sob o ol2ar *ue ele
próprio esperaria de um cr%tico meta$%sico, isto ", de al)u"m *ue se detivesse na
sua própria t"cnica romanesca' ( as di$iculdades s.o, ou $oram, enormes, ao
ponto de se 2esitar sobre *ual o )"nero liter1rio *ue mel2or se a9ustaria # novela
de Sartre' 4om e$eito, $a/endo proveito do 2ossier de +resse recol2ido por
5ic2el 4ontat e 5ic2el RYbalka para a edi-.o Pl8iade, tal 2esita-.o vai desde
uma su)est.o de *ue A Náusea se9a mais um poema do *ue um romance IAndr"
PerrinL, ou desde a per)unta se n.o ser1 antes um ensaio ou uma medita-.o
$ilosó$ica I5arcel ArlandL, at" # ideia de *ue se trata de um surroman,
entendendo-se por isto um romance investido de uma si)ni$ica-.o *ue
transcende a ori)em romanesca I4laude-(mmanuel 5a)nYL, ou ainda, uma
simples e descomprometida, mas eAtremamente sintom1tica, classi$ica-.o de A
Náusea como DdocumentoE I(mmanel ^uen/odL 3 com e$eito, trata-se de um
di1rio, $iccionado, mas di1rioS e os di1rios, antes de serem literatura ou
$iloso$ia, s.o precisamente documentos, com maior ou menor interesse, e
interesses de nature/a diversa, por eAemplo $ilosó$ica ou liter1ria' (dmond
JalouA arriscou mais !Bir-se-1, talve/, *ue n.o " um romance, mas *ue " um
romance sen.o, antes de tudo, uma $orma de $ic-.o contendo uma vasta
eAperi8ncia6&
2J
' Sartre a)radece esta cr%tica com uma carta onde di/ *ue
(dmond JalouA $oi o :nico cr%tico *ue apresentou A Náusea como uma
e)eri%ncia fenomeno#0gica'
25
Ora, " 9ustamente esta a$irma-.o de *ue o *ue est1 em 9o)o em A Náusea "
uma eAperi8ncia $enomenoló)ica, *ue nos condu/ a interro)ar sobre *ual ser1 a
t"cnica romanesca ade*uada # sua eApress.o6 5ais n.o $a/emos, ao p]r a
*uest.o, do *ue aplicar o preceito do Sartre-cr%tico ao Sartre-novelista' (m
2J
!On dira, peut-8tre, ce nHest pas un roman, mais *uHest-ce *uHun roman, sinon,
avant tout, une $orme de $iction contenant une vaste eAp"rience6& I4ompte rendu
dH(dmond JalouA, paru dans Les Nou&e##es Littéraires in 4ontat, 5', X RYbalka, 5',
+;;+' Sartre 4 Oeu&res 3omanesques, Paris FallimardZ Pl8iade, pp' +K0?-JL
25
4$ ' O!cit!, p' +K0J'
particular, sabendo *ue A Náusea " um di1rio, *ue ter1, ent.o, determinado a
op-.o por esta $orma6
Para responder a esta *uest.o 3 e sempre sob o suposto sartriano de *ue a
t"cnica romanesca deve ser n.o só apreciada mas compreendida 3, importa
come-ar por apresentar brevemente a $enomenolo)ia tal *ual Sartre a con2eceu'
Assim, 21 *ue notar, primeiramente, *ue a $enomenolo)ia n.o ",
essencialmente, uma disciplina ar)umentativa, mas descriti&a' ( o *ue
descreve, por seu turno, n.o " ob9ectos Ium pisa-pap"is por eAemploL, mas
fen0menos' Ba% $alar-se em D$enomenolo)iaE' 5as, note-se, em se)undo lu)ar,
*ue por D$enómenoE n.o se est1 a entender nem fen0menos físicos Icomo a
c2uva *ue cai 2o9e ou a condensa-.o da 1)ua nos vidros das 9anelasL nem
se*uer fen0menos sico#0gicos Icomo o es*uecimento do nome de uma certa
pessoa *ue dese9ar%amos 2o9e recordarL' Para a $enomenolo)ia, entende-se por
$enómeno o mesmo *ue &i&%ncia intenciona#, ou se9a, n.o os $enómenos $%sicos
ou psicoló)icos, mas o modo como s.o vividos' C.o se trata, pois, de descrever
ob9ectos de uma consci8ncia intencional, mas as viv8ncias *ue suportam o
ob9ecto assim visado ou intencionado' Cote-se, em terceiro lu)ar, *ue descrever
as viv8ncias intencionais " torn1-las eApl%citas, temas da aten-.o de uma
consci8ncia, ao contr1rio do *ue sucede na atitude natura# em *ue DpassamE de
$orma inapercebida' Por isso, distin)ue-se uma atitude fenomeno#0gica de uma
atitude natural' Por $im, passar desta #*uela atitude " o trabal2o da ref#e)"o 3
re$lectir, em sentido $enomenoló)ico, n.o " o mesmo *ue introspec-.o, antes
consiste em tomar um acto de consci8ncia, um acto intencional, como tema de
um outro acto de consci8ncia *ue, dessa maneira, o conse)ue visar'
4om isto, temos *ue o o,.ecto e o método da $enomenolo)ia, en*uanto
disciplina *ue come-ou por ter pretens0es cient%$icas 3 na realidade, mesmo de
ci8ncia apod%ctica 3, $icam claramente identi$icados' O seu ob9ecto " a viv8ncia
intencional e o seu m"todo " n.o só descriti&o, n.o só e)#icitati&o, mas ainda
ref#e)i&o'
(stabelecidas estas notas )erais de apresenta-.o da $enomenolo)ia, importa
dar conta da relev@ncia do $acto de a re$leA.o se $a/er sobre viv8ncias tidas, ou
se9a, 91 passadas, para se proceder a uma an1lise da t"cnica romanesca de Sartre
em A Náusea e para 9usti$icar a escol2a 3 a nosso ver $ilosó$ica 3 pelo )"nero
diarista' 4om e$eito, uma re$leA.o instant@nea implicaria *ue a mesma
consci8ncia $osse, a um tempo, acto e tema de si mesma' Tal simultaneidade "
imposs%vel, ali1s, tanto *uanto procurar o ol2ar ver-se no seu próprio ol2ar' Por
isso, Sartre distin)ue, ainda em O Ser e o Nada, entre uma re$leA.o *ue
podemos e$ectuar mas *ue permanece sempre impura e uma re$leA.o pura
impratic1vel' Praticamos a*uela, com maior ou menor impure/a, mas
perse)uindo esta, e $a/emo-lo encurtando o lapso temporal entre a consci8ncia
actual *ue re$lecte e a consci8ncia passada re$lectida, sem nunca conse)uir a
plena coincid8ncia' Ora, # lu/ deste es$or-o no sentido de uma re$leA.o tanto
menos impura *uanto se conse)uir, tornam-se evidentes as vanta)ens *ue Sartre
alcan-a ao optar, em A Náusea, pela $orma diarista' 4om a sua $ina marca-.o
temporal, *ue c2e)a a ser sens%vel # 2ora, as viv8ncias intencionais de
Ro*uentin s.o prontamente su9eitas ao re)isto, numa boa aproAima-.o ao ideal
da re$leA.o pura' Por outras palavras, tais eAplicita-.o e descri-.o n.o seriam
com certe/a t.o bem sucedidas se a op-.o $osse pela bio)ra$ia, mesmo pela
autobio)ra$ia' Ainda *ue estas $ormas de eApress.o, tal *ual o diarismo,
participem todas 3 entendidas, ou n.o, literariamente 3 de um mesmo intuito de
dar testemun2o, $racassam o ob9ectivo de uma re$leA.o mais pura' Q claro *ue,
em contrapartida, poderiam ser pre$er%veis, caso $osse outra a escol2a $ilosó$ica,
caso, por eAemplo, a escol2a $osse pela introspec-.o ou, ent.o, pelo relato
neutro, e n.o pela re$leA.o $enomenoló)ica'
Por outro lado, o ri)or metodoló)ico eAi)e *ue n.o se sobredetermine a
descri-.o obtida re$leAivamente com eAplica-0es' (stas podem naturalmente
se)uir-se 3 nen2uma $enomenolo)ia as dispensa, ainda *ue com car1cter avulso
3, mas no respeito pelo @mbito de cada *ual' Ceste ponto em particular, o
re)isto das < 2oras da tarde de uma 7uarta-$eira revela bem o cuidado da
t"cnica romanesca relativamente #s suas implica-0es meta$%sicas e, em
concreto, #s suas implica-0es $enomenoló)icas' Trata-se do $amoso passo em
*ue Ro*uentin relata a eAperi8ncia de n1usea so$rida a*uando da vis.o da rai/
de um castan2eiro' A%, o es$or-o simplesmente descritivo p0e subitamente a nu
um $acto $enomenoló)ico at" ent.o oculto, e *ue, dessa $orma, " eAplicitado'
A rai/ do castan2eiro mer)ul2ava na terra, mesmo por baiAo do
meu banco' C.o me lembrava, por"m, *ue era uma rai/' As
palavras tin2am-se evaporado e, com elas, a si)ni$ica-.o das coisas
ISL'
2<
(m tr8s $rases consecutivas, Sartre passa da atitude natural #
$enomenoló)ica e, depois, desta a um momento eAplicativo' Ca primeira $rase,
2<
!>a racine du marronnier sHen$on-ait dans la terre, 9uste au-dessous de mon banc'
Je ne me rappelais plus *ue cH"tait une racine' >es mots sH"taient "vanouis et, avec euA,
la si)ni$ication des c2oses ISL& ISartre, J'-P', +;;+' Oeu&res 3omanesques' Paris,
FallimardZ^ibliot2N*ue de la Pl8iade, p' +50L
o mer)ul2o meta$órico ainda apenas di/ respeito # atitude natural, su)erindo
movimento e, talve/, impre)na-.o, talve/ mesmo inde$ini-.o l1 onde mer)ul2a,
entre a rai/ e a terra' J1 na se)unda $rase 3 constru%da sobre uma adversativa 3
d1-se conta de uma ruptura $ace # atitude natural' C.o " obviamente um
es*uecimento psicoló)ico o *ue est1 a ser notado por Ro*uentin, mas uma
aus8ncia do Dser uma rai/E, ali1s tanto *uanto do Dser o *ue *uer *ue se9aE' ( "
este o $acto $enomenoló)ico *ue, na medida do poss%vel, Ro*uentin procura
eAplicitar e $iAar numa descri-.o' 4om a terceira $rase, Ro*uentin suspende o
es$or-o $enomenoló)ico para procurar dar dele al)uma eAplica-.o' (nt.o, a
palavra deiAa de reali/ar, passa a D$alarE por assim di/er, e torna-se teórica,
eAplicadora, em busca da transpar8ncia'
O recurso # palavra D$aladoraE *ue, em ve/ de mostrar, eAplica " al)o *ue se
torna notório no empre)o *ue Sartre $a/ de palavras *ue c2e)ar.o, porventura, a
arran2ar o ouvido literariamente mais sens%vel, palavras como Pcate)oriaH,
PabstractoH, P$ilia-.oH, etc' Gma outra passa)em ilustra a 9ustaposi-.o, por ve/es
di$%cil de discernir, entre momentos eAplicitativos e eAplicativos 3 !A eAist8ncia
dera-se subitamente a con2ecer' Perdera o seu car1cter ino$ensivo de cate)oria
abstracta era a própria massa das coisas&'
2K
4om e$eito, a*ui, a novidade
eAplicitada reside na revela-.o de *ue o contraste entre eAist8ncia e ess8ncia
n.o " apenas epist"mico, sendo tamb"m, # $alta de mel2or ad9ectivo, a$ectivo a
eAist8ncia n.o ", na sua crue/a, inofensi&a' Ba% a n1usea como eAperi8ncia
$enomenoló)ica 3 uma in)est.o $or-ada do *ue por si só 91 " indi)esto, ou se9a,
um eAistir *ue sobrepu9a o sentido sem *ue este possa al)uma ve/ assimilar e,
dessa $orma dominar, a*uele' Ba% tamb"m 3 deste duplo movimento da n1usea 3
a )ratuitidade da eAist8ncia, in9usti$ic1vel, e a consci8ncia de um Destar a maisE,
Dser demaisE, consci8ncia, en$im, do absurdo'
2=
A descri-.o e a eAplica-.o nunca se dissolvem, est.o uma para a outra como
a/eite em 1)ua 3 n.o se dissolver a eAist8ncia numa ess8ncia " mesmo a
indica-.o de *ue só a palavra Dn.o $aladoraE, indistintamente liter1ria ou
$enomenoló)ica no seu poder de reali/ar, pode dar conta do eAistir' Q, a este
propósito, interessante notar *ue só atrav"s do re)resso # eAplica-.o Ro*uentin
" capa/ de eAplicar a impossibilidade de eAplicar a eAist8ncia
2K
!>HeAistence sH"tait soudain d"voil"e' (lle avait perdu son allure ino$$ensive de
cat")orie abstraite c_"tait la p@te meme des c2oses ISL& ISartre, o! cit!, p' +5+L
2=
!Cous "tions un tas dHeAistants )8n"s, embarrass"s de nous-m8mes, nous nHavions
pas la moindre raison dH8tre l#, ni les uns ni les autres, c2a*ue eAistant, con$us,
va)uement in*uiet, se sentait de trop par rapport auA autres' Be trop cH"tait le seul
rapport *ue 9e pusse "tablir entre ces arbres, ces )rilles, ces caillouA'& ISartre, o! cit!, p'
+52L
O mundo das ra/0es e das eAplica-0es n.o " o da eAist8ncia' Gm c%rculo
n.o " absurdo, eAplica-se muito bem pela rota-.o de um se)mento de
recta em torno de uma das suas eAtremidades' 5as tamb"m um c%rculo
n.o eAiste' A*uela rai/, pelo contr1rio, eAistia na medida em *ue eu n.o
podia eAplic1-la'
2;
(Aplica-se a ineAplicabilidade por palavras teóricas, mas n.o se eAplica a
eAist8ncia por palavras, pode-se mostr1-la e por palavras, mas essa " uma
palavra *ue tende a ser liter1ria, uma literatura $enomenoló)ica' Bar nome #
eAist8ncia e ao absurdo, precisamente com as palavras PeAist8nciaH e PabsurdoH
nada a9uda' C.o ser1 por a% *ue se tornar.o di)er%veis' Ro*uentin di-lo
claramente 3 !Por mais *ue eu repetisse DQ uma rai/E 3 o arti$%cio n.o surtia
e$eito'&
?0
3.2. O Ser e o Nada
(sta incapacidade da lin)ua)em, de certa lin)ua)em *ue visa eAplicar,
nomear, $iAar, tornar transparente, 9usti$ica *ue retornemos #s considera-0es
)en"ricas sobre a rela-.o entre literatura e $enomenolo)ia' 4om e$eito, n.o " só
o $acto de a literatura, *uando tentada $enomenolo)icamente, optar por uma
certa t"cnica romanesca de testemun2o de viv8ncias intencionais recentes'
Trata-se, a)ora, de c2amar a aten-.o para este outro $acto 3 ser a $enomenolo)ia
tratada literariamente resulta numa aposta eAe*u%vel se se considerar *ue a*uela
só pode ter sucesso com outra esp"cie de palavra *ue n.o a eAplicadora e
abstracta e se, al"m disso, se considerar *ue essa outra esp"cie de palavra "
o$erecida pela palavra liter1ria'
Se atentarmos # in$orma-.o estritamente $enomenoló)ica constante em O
Ser e o Nada, se perspectivarmos a% descri-0es $enomenoló)icas *ue se
tornaram c"lebres, como as relativas a eAemplos de an):stia ou de m1-$", em
compara-.o com eAemplos retirados de A Náusea, n.o " $1cil atestar *ue os
re)istos de escrita se9am distintos, desi)nadamente *ue um se9a $ilosó$ico e o
outro liter1rio' (ntre uns e outros " mais a esp"cie de obra em *ue est.o
inscritos do *ue a escrita $enomenoló)ica ou liter1ria o *ue os distin)ue'
2;
!>e monde des eAplications et des raisons nHest pas celui de lHeAistence' Gn cercle
nHest pas absurde, il sHeApli*ue trNs bien par la rotation dHun se)ment de droite autour
dHune de ses eAtr"mit"s' 5ais aussi un cercle nHeAiste pas' 4ette racine, au contraire,
eAistait dans la mesure o` 9e ne pouvais pas lHeApli*uer'& ISartre, o! cit!, p' +5?L
?0
!JHavais beau me r"p"ter D4Hest une racineE 3 -a ne prenait plus'& ISartre, o! cit!,
p' +5?L
Tomemos dois eAemplos do Ensaio de onto#ogia fenomeno#0gica para
evidenciar o ponto'
5as eis *ue l2e pe)am na m.o' (ste acto do seu interlocutor corre
o risco de mudar a situa-.o ao solicitar uma decis.o imediata
abandonar esta m.o " consentir por si mesma no f#irt, "
comprometer-se' Retir1-la " romper essa 2armonia d:bia e
inst1vel *ue en)endra o $asc%nio da 2ora' Trata-se de adiar o mais
poss%vel o instante da decis.o' Q sabido o *ue ent.o se produ/ a
9ovem abandona a sua m.o, mas n.o se aerce,e de *ue a
abandona' C.o se apercebe disto por*ue se d1 o caso de ela ser,
em tal momento, pura e simplesmente esp%rito'
?+
4onsideremos este empre)ado de ca$"' Tem )estos vivos e
$irmes, um pouco precisos em demasia, um pouco r1pidos em
demasia, vem at" 9unto dos clientes num passo um pouco
en"r)ico em demasia, inclina-se com um pouco de solicitude em
demasia, a sua vo/, os seus ol2os eAprimem um interesse um
pouco c2eio em demasia de de$er8ncia para com a encomenda do
$re)u8s, en$im, l1 vem ele de volta, tentando imitar no seu andar o
ri)or in$leA%vel de nin)u"m sabe *ue autómato, ao mesmo tempo
*ue transporta a sua bande9a com um e*uil%brio perpetuamente
inst1vel e perpetuamente des$eito, *ue ele restabelece
perpetuamente com um li)eiro movimento do bra-o e da m.o'
Toda a sua conduta nos parece um 9o)o' (le es$or-a-se por
encadear os seus movimentos como se $ossem mecanismos
comandados uns pelos outros, a sua m%mica e at" a sua vo/
parecem mecanismos, imbui-se da preste/a e da impiedosa
rapide/ das coisas' (le 9o)a, diverte-se' 5as ent.o a *ue 9o)a
ele6
?2
(stas duas cita-0es, cu9a eAtens.o mais n.o pretende do *ue re$or-ar o nosso
ponto de vista, apresentam-nos duas persona)ens 3 uma mul2er e um
empre)ado de ca$" 3 n.o menos $iccionais *ue o Ro*uentin ou o Autodidacta de
A Náusea' B.o-nos tamb"m conta de um tempo narrativo e de um narrador, ou
se9a, de uma narrativa' Al"m disso, 21 uma permanente $ocali/a-.o por
iniciativa do narrador em di$erentes aspectos do *ue se prop0e descrever, como
se de um *uadro em movimento se tratasse, tudo isto em prol da evidencia-.o
da estrutura de um mesmo $enómeno, a m1-$"' A DmaterialidadeE, por assim
di/er, do real est1 dada 3 uma mat"ria $iccional, mas, ainda assim, recon2ec%vel
na eAperi8ncia *uotidiana' 5as nela n.o est1 imediatamente dada a realidade da
m1-$"' [1 *ue a eAplicitar sob um es$or-o de destrin-a entre o verdadeiro e o
$also, ou o evidente e o ilusório'
?+
Sartre, +;J?Z+;;?' O Ser e o Nada' >isboa 4%rculo de >eitores, p' =+'
?2
O! cit!5 p' =J'
4omo estes, muitos outros eAemplos de passa)ens em O Ser e o Nada
empre)am a $ic-.o como $orma de elucidar a estrutura de $enómenos' Se9am a
m1-$" ou a an):stia, se9am as condutas do sadismo ou do maso*uismo, se9am
*uais*uer outras as viv8ncias intencionais su9eitas ao trabal2o $enomenoló)ico,
Sartre recorre sempre # $ic-.o, como se de um laboratório eAperimental se
tratasse, para reali/ar as suas eAperi8ncias cruciais' 4omo pode a literatura
cumprir este papel6 Buas ideias *ue $omos de$endendo at" a*ui podem dar
resposta # *uest.o por um lado, talve/ 2a9a uma verdade da literatura *ue este9a
na sua $enomenolo)ia, talve/ se9a esta $enomenolo)ia, em subst@ncia, o seu
valor de realidade, e, por outro, talve/ o re)ime da $ic-.o, *ue a literatura
romanesca o$erece, possa mostrar de $orma privile)iada, isto " de $orma
eAemplar e n.o simplesmente eAempli$icadora, o *ue a $enomenolo)ia, pensada
teoricamente, n.o conse)ue di/er' Sob esta condi-.o eAemplar, a literatura de
Sartre n.o se situa depois do pensamento como *ue a ilustr1-lo, bem pelo
contr1rio, situa-se antes, como *ue a dar *ue pensar e, assim, a inau)urar a sua
$iloso$ia' A escol2a $ilosó$ica pela literatura ", por isso, ela mesma em Sartre
uma escol2a liter1ria pela $iloso$ia'