APOSTILA PARA DEPENDÊNCIA BIOLOGIA

Esse material está disponível em http://www.sobiologia.com.br/conteudos
Profª Kátia Cavalcanti
uerido !luno.
! avalia"#o do estudo de depend$ncia será feita em duas partes:
%Prova & com peso '.()
%Pes*uisa escrita & com peso +.()
Prova: Para ter o programa da prova,voc$ deve fa-er download e imprimir para ler e estudar os
conte.dos específicos de sua s/rie &01 , 21 ou 31 ano do Ensino 4/dio).
Pesquisa: 5 final do seu conte.do programático específico. 6ugerimos um tema para pes*uisa.!
pes*uisa deve ser entregue em forma de trabalho, como nome completo, n.mero, turma em *ue está
estudando em 2(0(. !l/m de introdu"#o, desenvolvimento do tema, conclus#o e fonte bibliográfica.
576.: ! pes*uisa / opcional, mas sugiro *ue voc$ a reali-e pois ela o a8udará na nota final,8á *ue a
prova / obrigat9ria, individual e sem consulta.
Para ser aprovado, voc$ precisa alcan"ar a nota mínima de :.( pontos, somando &prova ; pes*uisa).
7om Estudo.
!credite ,pois voc$ / capa-.
01 !<5 =5 E<6><5 4?=>5
Citologia
! fronteira das c/lulas
<o mundo de ho8e, / comum pensarmos em um país como sendo uma por"#o de terra
delimitada espacialmente das demais pela presen"a de uma fronteira. @amos pensar no caso
do 7rasil. Estamos rodeados de mar em metade do nosso territ9rio e, na outra metade,
fa-emos fronteira terrestre com outros nove países da !merica do 6ul. Em suas fronteiras,
todos os países instalam uma alfAndega, *ue / uma reparti"#o governamental de controle do
movimento de entradas e saídas das pessoas e de mercadorias para o eBterior ou deles
provenientes.
Com as c/lulas n#o / diferente. Cada uma delas tem uma Cárea de fronteiraD, representada
pela membrana plasmática e, nesta área, as c/lulas tamb/m possuem o seu Cposto
alfandegárioD, as proteínas. !ssim como nas aduanas das fronteiras entre os países, essas
proteínas s#o as responsáveis pelo reconhecimento de substAncias vindas de dentro ou de
fora da c/lula como, por eBemplo, hormEnios.
5 trabalho reali-ado por uma c/lula / semelhante ao *ue acontece em uma fábrica, como a
de televisores, por eBemplo. !trav/s de portFes, dáGse a entrada de diversos tipos de pe"as
destinadas as linhas de montagem. Para a fabrica"#o e a montagem dos aparelhos, s#o
necessários energia e operários habilitados. ? preciso, ainda, um setor de embalagem para
preparar a eBpedi"#o do *ue / produ-ido e uma diretoria para comandar todo o compleBo
fabril e manter o relacionamento com o mundo eBterno. Hudo dentro dos limites
representados pelo muro da fábrica.

! c/lula possui setores semelhantes aos de uma fábrica. Im limite celular, representado
pela membrana plasmática, separa o conte.do da c/lula, o citoplasma, do meio eBterno. 5
citoplasma, constituído por organ9ides e hialoplasma &ou citosol), um material viscoso
representa o setor produtivo. Im n.cleo contendo o material gen/tico representa Ca
diretoriaD da c/lula.
5s limites da c/lula viva
Ima c/lula viva / um compartimento microsc9pico, isolado do ambiente por pelo menos
uma barreira: a membrana plasmática. Está / uma película eBtremamente fina e delicada,
*ue eBerce severa Cfiscali-a"#oD sobre todas as substAncias e partículas *ue entram e saem
da c/lula.

=ada a relativa fragilidade da membrana plasmática, a maioria das c/lulas apresenta algum
tipo de envolt9rio *ue dá prote"#o e suporte físico J membrana. Entre esses envolt9rios
destacamGse o glicocáliB, presente na maioria das c/lulas animais, e a parede celul9sica,
presente em c/lulas de plantas e de algumas algas.
Glicocálix
6e isolássemos uma c/lula de nosso corpo, notaríamos *ue
ela esta envolta por uma esp/cie de malha feita de
moléculas de glicídios (carboidratos) frouxamente
entrelaçadas. Esta malha protege a c/lula como uma
vestimenta: trataGse do glicocálix &do grego glykys, doce,
a".car, e do latim calyx, casca envolt9rio).
=iversas fun"Fes t$m sido sugeridas para o glicocáliB. !creditaGse *ue, al/m de ser uma
roteç!o contra agress"es físicas e químicas do ambiente externo# ele funcione como
uma malha de retenç!o de nutrientes e en$imas, mantendo um microambiente ade*uado
ao redor de cada c/lula. Confere Js c/lulas a caacidade de se reconhecerem, uma ve-
*ue c/lulas diferentes t$m glicocáliB formado por glicídios diferentes e c/lulas iguais t$m
glicocáliB formado por glicídios iguais.


Parede celul9sica
!s c/lulas vegetais possuem um envolt9rio eBterno, espesso e relativamente rígido: a
arede celul%sica, tamb/m chamada membrana es*uel/tica celul9sicaK
Paredes celul%sicas rimárias e secundária
C/lulas vegetais 8ovens apresentam uma parede celul9sica fina e fleBível, denominada
arede rimária.
! parede primária / elástica, de modo a permitir o crescimento celular. =epois *ue a c/lula
cresceu e atingiu o tamanho e a forma definitivos, formaGse a arede secundária, mais
espessa e rígida. ! celulose *ue constitui a parede secundária / secretada atrav/s da
membrana plasmática, e se deposita entre esta e a superfície interna da parede primária, na
*ual adere fortemente.


Constitui"#o da parede celul9sica
! parede das c/lulas vegetais / constituída por longas e resistentes microfibrilas do
polissacarídeo celulose. !s microfibrilas celul9sicas se mant/m unidas por meio de uma
matri- formada por glicoproteínas &proteínas ligadas a a"ucares), hemicelulose e pectina
&polissacarídeos).

! estrutura molecular da parede celul9sica aplica o mesmo princípio do concreto armado,
no *ual longas e resistentes varetas de ferro est#o mergulhadas em uma argamassa de
cimento e pedras.
<a parede celular, as microfibrilas de celulose correspondem Js varetas de ferro do
concreto, en*uanto as glicoproteínas e os polissacarídeos da matri- correspondem J
argamassa.


4embrana celular
&ou membrana plasmática ou membrana citoplasmática ou plasmalema)

Hoda a c/lula, se8a procarionte ou eucarionte, apresenta uma membrana *ue isola do meio
eBterior: a membrana plasmática. ! membrana plasmática / t#o fina &entre ' a L nm) *ue os
mais aperfei"oados microsc9pios 9pticos n#o conseguiram tornáGla visível. Moi somente
ap9s o desenvolvimento da microscopia eletrEnica *ue a membrana plasmática pode ser
observada. <as grandes amplia"Fes obtidas pelo microsc9pio eletrEnico, cortes transversais
da membrana aparecem como uma linha mais clara entre duas mais escuras, delimitando o
contorno de cada c/lula.

Constitui"#o *uímica da membrana plasmática
Estudos com membranas plasmáticas isoladas revelam *ue seus componentes mais
abundantes s#o fosfolipídios, colesterol e proteínas. ? por isso *ue se costumam di-er *ue
as membranas plasmáticas t$m constitui"#o lipoprot/ica.


! organi-a"#o molecular da membrana plasmática
Ima ve- identificados os fosfolipídios e as proteínas como os principais componentes
moleculares da membrana, os cientistas passaram a investigar como estas substAncias
estavam organi-adas.

5 modelo do mosaico fluído
! disposi"#o das mol/culas na membrana plasmática foi elucidada recentemente, sendo *ue
os lipídios formam uma camada dupla e contínua, no meio da *ual se encaiBam mol/culas
de proteína. ! dupla camada de fosfolipídios / fluida, de consist$ncia oleosa, e as proteínas
mudam de posi"#o continuamente, como se fossem pe"as de um mosaico. Esse modelo foi
sugerido por dois pes*uisadores, 6inger e <icholson, e recebeu o nome de 4odelo 4osaico
Mluido.
5s fosfolipídios t$m a fun"#o de manter a estrutura da membrana e as proteínas t$m
diversas fun"Fes. !s membranas plasmáticas de um eucari9citos cont$m *uantidades
particularmente grande de colesterol. !s mol/culas de colesterol aumentam as
propriedades da barreira da bicamada lipídica e devido a seus rígidos an/is planos de
ester9ides diminuem a mobilidade e torna a bicamada lipídica menos fluida.


Mun"Fes das proteínas na membrana plasmática

!s proteínas da membrana plasmática eBercem grandes variedades de fun"Fes: atuam
preferencialmente nos mecanismos de transporte, organi-ando verdadeiros t.neis *ue
permitem a passagem de substAncias para dentro e para fora da c/lula, funcionam como
receptores de membrana, encarregadas de receber sinais de substAncias *ue levam alguma
mensagem para a c/lula, favorecem a ades#o de c/lulas ad8acentes em um tecido, servem
como ponto de ancoragem para o citoes*ueleto.
• Proteínas de ades!o: em c/lulas ad8acentes, as proteínas da membrana podem
aderir umas Js outras.
• Proteínas *ue facilitam o transorte de subst&ncias entre c/lulas.
• Proteínas de reconhecimento: determinadas glicoproteínas atuam na membrana
como um verdadeiro Cselo marcadorD, sendo identificadas especificamente por
outras c/lulas.
• Proteínas recetoras de membrana.
• Proteínas de transorte: podem desempenhar papel na difus#o facilitada,
formando um canal por onde passam algumas substAncias, ou no transporte ativo,
em *ue há gasto de energia fornecida pela substAncia !HP. 5 !HP &adenosina
trifosfato) / uma mol/cula derivada de nucleotídeo *ue arma-ena a energia liberada
nos processos bioenerg/ticos *ue ocorrem nas c/lulas &respira"#o aer9bia, por
eBemplo). Hoda ve- *ue / necessária energia para a reali-a"#o de uma atividade
celular &transporte ativo, por eBemplo) ela / fornecida por mol/culas de !HP.
• Proteínas de aç!o en$imática: uma ou mais proteínas podem atuar isoladamente
como en-ima na membrana ou em con8unto, como se fossem parte de uma Clinha de
montagemD de uma determinada via metab9lica.
• Proteínas com funç!o de ancoragem para o citoes*ueleto.

Hransporte pela 4embrana Plasmática

! capacidade de uma membrana de ser atravessada por algumas substAncias e n#o por
outras define sua ermeabilidade. Em uma solu"#o, encontramGse o solvente &meio
lí*uido dispersante) e o soluto &partícula dissolvida). ClassificamGse as membranas, de
acordo com a permeabilidade, em + tipos:
a) Permeável: permite a passagem do solvente e do solutoK
b) 'mermeável: n#o permite a passagem do solvente nem do solutoK
c) (emiermeável: permite a passagem do solvente, mas n#o do solutoK
d) (eletivamente ermeável: permite a passagem do solvente e de alguns
tipos de soluto.
<essa .ltima classifica"#o se en*uadra a membrana plasmática.
! passagem aleat9ria de partículas semre ocorre de um local de maior concentraç!o
ara outro de concentraç!o menor &a favor do gradiente de concentraç!o). >sso se dá
at/ *ue a distribui"#o das partículas se8a uniforme. ! partir do momento em *ue o
e*uilíbrio for atingido, as trocas de substAncias entre dois meios tornamGse proporcionais.
! passagem de substAncias atrav/s das membranas celulares envolve vários mecanismos,
entre os *uais podemos citar:
Hransporte passivo
)ransorte Passivo
5corre sempre a favor do gradiente, no sentido de igualar as concentra"Fes nas duas faces
da membrana. <#o envolve gasto de energia.

*smose
! água se movimenta livremente atrav/s da membrana, sempre do local de menor
concentra"#o de soluto para o de maior concentra"#o. ! press#o com a *ual a água /
for"ada a atravessar a membrana / conhecida por ress!o osm%tica.


! osmose n#o / influenciada pela nature-a
do soluto, mas pelo n.mero de partículas.
uando duas solu"Fes cont$m a mesma
*uantidade de partículas por unidade de
volume, mesmo *ue n#o se8am do mesmo
tipo, eBercem a mesma press#o osm9tica e
s#o isot+nicas. Caso se8am separadas por
uma membrana, haverá fluBo de água nos
dois sentidos de modo proporcional.
uando se comparam solu"Fes de
concentra"Fes diferentes, a *ue possui mais
soluto e, portanto, maior press#o osm9tica /
chamada hiert+nica, e a de menor
concentra"#o de soluto e menor press#o
osm9tica / hiot+nica. 6eparadas por uma
membrana, há maior fluBo de água da
solu"#o hipotEnica para a hipertEnica, at/
*ue as duas solu"Fes se tornem isotEnicas.
! osmose pode provocar altera"Fes de
volume celular. Uma hemácia humana /
isotEnica em rela"#o a uma solu"#o de
cloreto de s9dio a (,LN &Csolu"#o
fisiol9gicaD). Caso se8a colocada em um
meio com maior concentra"#o, perde água e
murcha. 6e estiver em um meio mais diluído
&hipotEnico), absorve água por osmose e
aumenta de volume, podendo romper
&hem9lise).

6e um param/cio / colocado em um meio hipotEnico, absorve água por osmose. 5 eBcesso
de água / eliminado pelo aumento de fre*O$ncia dos batimentos do vac.olo pulsátil &ou
contrátil).

Proto-oários marinhos n#o possuem vac.olo pulsátil, 8á *ue o meio eBterno / hiert+nico.
)ransorte Passivo

,ifus!o
Consiste na assagem das moléculas do soluto# do local de maior ara o local de menor
concentraç!o, at/ estabelecer um e*uilíbrio. ? um rocesso lento# exceto quando o
gradiente de concentraç!o for muito elevado ou as dist&ncias ercorridas forem
curtas. ! passagem de substAncias, atrav/s da membrana, se dá em resposta ao gradiente
de concentra"#o.


,ifus!o -acilitada
Certas substAncias entram na c/lula a favor do
gradiente de concentra"#o e sem gasto energ/tico,
mas com uma velocidade maior do *ue a permitida
pela difus#o simples. >sto ocorre, por eBemplo, com
a glicose, com alguns aminoácidos e certas
vitaminas. ! velocidade da difus#o facilitada n#o /
proporcional J concentra"#o da substAncia.
!umentandoGse a concentra"#o, atingeGse um ponto
de satura"#o, a partir do *ual a entrada obedece J
difus#o simples. >sto sugere a eBist$ncia de uma
mol/cula transportadora chamada ermease na
membrana. uando todas as permeases est#o sendo
utili-adas, a velocidade n#o pode aumentar. Como
alguns solutos diferentes podem competir pela
mesma permease, a presen"a de um dificulta a
passagem do outro.


. /élula 0egetal em 1eio 'sot+nico
uando está em meio isotEnico, a parede
celular n#o oferece resist$ncia J entrada de
água, pois n#o está sendo distendida &PH P
-ero). 4as, como as concentra"Fes de
partículas dentro e fora da c/lula s#o iguais, a
diferen"a de press#o de difus#o / nula.
! c/lula está flácida. ! for"a de entrada
&P5) de água / igual J for"a de saída &PH) de
água da c/lula.
Como =P= P P5 Q PH =P= P -ero

. /élula 0egetal em 1eio 2iot+nico
uando o meio / hipotEnico, há diferen"a de
press#o osm9tica entre os meios intra
e eBtraG celular. R medida *ue a c/lula
absorve água, distende a membrana
celul9sica, *ue passa a oferecer resist$ncia J
entrada de água. !o mesmo tempo, a entrada
de água na c/lula dilui o suco vacuolar, cu8a
press#o osm9tica diminui. Em certo instante,
a press#o de turgesc$ncia&PH) se iguala J
press#o osm9tica&P5), tornando a entrada e a
saída de água proporcionais.
P5 P PH, portanto
=P= P P5 Q PH =P= P-ero
! c/lula está t3rgida.


. /élula 0egetal em 1eio 2iert+nico

uando a c/lula está em meio hipertEnico,
perde água e seu citoplasma se retrai,
deslocando a membrana plasmática da parede
celular. Como n#o há deforma"#o da parede
celular, ela n#o eBerce press#o de
turgesc$ncia &PH P -ero). <esse caso:
,P, 4 P*
=i-Gse *ue a c/lula está lasmolisada. 6e a
c/lula plasmolisada for colocada em meio
hipotEnico, absorve água e retorna J situa"#o
inicial. 5 fenEmeno inverso J plasm9lise
chamaGse delasm%lise ou desplasmolise.

uando a c/lula fica eBposta ao ar, perde água por evapora"#o e se retrai. <esse caso, o
retraimento / acompanhado pela parede celular. Setraída, a membrana celul9sica n#o
oferece resist$ncia J entrada de água. Pelo contrário, auBiliaGa. ! c/lula está dessecada ou
murcha.
Citosol, Citoplasma ou hialoplasma

5s primeiros citologistas acreditavam *ue o interior da c/lula viva era preenchido por um
fluído homog5neo e viscoso, no *ual estava mergulhado o n.cleo. Esse fluido recebeu o
nome de citoplasma &do grego kytos, c/lula, e plasma, a*uilo *ue dá forma, *ue modela).
To8e se sabe *ue o espa"o situado entre a membrana plasmática e o n.cleo / bem diferente
do *ue imaginaram a*ueles citologistas pioneiros. !l/m da parte fluida, o citoplasma
cont/m bolsas e canais membranosos e organelas ou org&nulos citolasmáticos, *ue
desempenham fun"Fes específicas no metabolismo da c/lula eucarionte.
5 fluido citoplasmático / constituído principalmente por água# roteínas# sais minerais e
açucares. <o citosol ocorre a maioria das rea"Fes *uímicas vitais, entre elas a fabrica"#o
das mol/culas *ue ir#o constituir as estruturas celulares. ? tamb/m no citosol *ue muitas
substAncias de reserva das c/lulas animais, como as gorduras e o glicog$nio, ficam
arma-enadas.


<a periferia do citoplasma, o citosol / mais viscoso, tendo consist$ncia de gelatina mole.
Essa regi#o / chamada de ectoplasma &do grego, ectos, fora). <a parte mais central da
c/lula situaGse o endoplasma &do grego, endos, dentro), de consist$ncia mais fluida.

/élula 0egetal

Como s#o os organ9idesU
!lguns dos organ9ides &tamb/m chamados de orgAnulos ou organelas) do citoplasma s#o
membranosos, isto /, s#o revestidos por uma membrana lipoprot/ica semelhante a
membrana plasmática. Estamos nos referindo a retículo endolasmático, mitoc+ndrias,
sistema golgiense &ou compleBo de golgi), lisossomos, eroxissomos, glioxissomos,
clorolastos e vac3olos. 5s organ9ides n#o membranosos s#o os ribossomos e os
centríolos.
5 retículo endoplasmático

Hipos de retículo
5 citoplasma das c/lulas eucariontes cont/m in.meras bolsas e tubos cu8as paredes t$m
uma organi-a"#o semelhante J da membrana plasmática. Essas estruturas membranosas
formam uma compleBa rede de canais interligados, conhecida pelo nome de retículo
endoplasmático. PodeGse distinguir dois tipos de retículo: rugoso &ou granular) e liso &ou
agranular).

Setículo endoplasmático rugoso &SES) e liso &SEV)
5 retículo endolasmático rugoso (676), tamb/m chamado de ergastolasma, /
formado por sacos achatados, cu8as membranas t$m aspecto verrugoso devido J presen"a
de grAnulos Q os ribossomos Q aderidos J sua superfície eBterna &voltada para o citosol). Wá
o retículo endolasmático liso (678) / formado por estruturas membranosas tubulares,
sem ribossomos aderidos, e, portanto, de superfície lisa.

5s dois tipos de retículo est#o interligados e a transi"#o entre eles / gradual. 6e
observarmos o retículo endoplasmático partindo do retículo rugoso em dire"#o ao liso,
vemos as bolsas se tornarem menores e a *uantidade de ribossomos aderidos diminuir
progressivamente, at/ deiBar de eBistir.

Mun"Fes do retículo endoplasmático
5 retículo endoplasmático atua como uma rede de distribui"#o de substAncias no interior da
c/lula. <o lí*uido eBistente dentro de suas bolsas e tubos, diversos tipos de substAncias se
deslocam sem se misturar com o citosol.
Produç!o de liídios
Ima importante fun"#o de retículo endolasmático liso é a roduç!o de liídios. !
lecitina e o colesterol, por eBemplo, os principais componentes lipídicos de todas as
membranas celulares s#o produ-idos no SEV. 5utros tipos de lipídios produ-idos no
retículo liso s#o os horm+nios ester%ides, entre os *uais est#o a testosterona e os
estr%geno, hormEnios seBuais produ-idos nas c/lulas das gEnadas de animais vertebrados.
,esintoxicaç!o
5 retículo endolasmático liso também articia dos rocessos de desintoxicaç!o do
organismo. <as c/lulas do fígado, o SEV, absorve substAncias t9Bicas, modificandoGas ou
destruindoGas, de modo a n#o causarem danos ao organismo. ? a atua"#o do retículo das
c/lulas hepáticas *ue permite eliminar parte do álcool# medicamentos e outras
subst&ncias otencialmente nocivas que ingerimos.
.rma$enamento de subst&ncias
=entro das bolsas do retículo liso também ode haver arma$enamento de subst&ncias.
5s vac.olos das c/lulas vegetais, por eBemplo, s#o bolsas membranosas derivadas do
retículo *ue crescem pelo ac.mulo de solu"Fes a*uosas ali arma-enadas.
Produç!o de roteínas
5 retículo endolasmático rugoso# graças 9 resença dos ribossomos# é resonsável
or boa arte da roduç!o de roteínas da célula. !s proteínas fabricadas nos
ribossomos do SES penetram nas bolsas e se deslocam em dire"#o ao aparelho de Xolgi,
passando pelos estreitos e tortuosos canais co retículo endoplasmático liso.


!parelho de Xolgi
! denomina"#o aparelho ou comlexo de Golgi / uma homenagem ao citologista italiano
Camilo Xolgi, *ue, em 0YLY, descobriu essa estrutura citoplasmática. !o verificar *ue
certas regiFes com citoplasma celular se coravam por sais de 9smio de prata, Xolgi
imaginou *ue ali deveria eBistir algum tipo de estrutura, posteriormente confirmada pela
microscopia eletrEnica.
=ictiossomos
5 aparelho de Xolgi está presente em praticamente todas as c/lulas eucariontes, e consiste
de bolsas membranosas achatadas# emilhadas como ratos. Cada uma dessas pilhas
recebe o nome de dictiossomo. <as c/lulas animais, os dictiossomos geralmente se
encontram reunidos em um .nico local, pr9Bimo ao n.cleo. <as c/lulas vegetais,
geralmente há vários dictiossomos espalhados pelo citoplasma.

Mun"Fes do aparelho de Xolgi
5 aparelho de Xolgi atua como centro de arma$enamento# transformaç!o#
emacotamento e remessa de subst&ncias na célula. 4uitas das substAncias *ue passam
pelo aparelho de Xolgi ser#o eliminadas da c/lula, indo atuar em diferentes partes do
organismo. ? o *ue ocorre, por eBemplo, com as en$imas digestivas produ-idas e
eliminadas pelas c/lulas de diversos 9rg#os &estEmago, intestino, pAncreas etc.). 5utras
substAncias, tais como o muco *ue lubrifica as superfícies internas do nosso corpo, tamb/m
s#o processadas e eliminadas pelo aparelho de Xolgi. !ssim, o principal papel dessa
estrutura citoplasmática / a elimina"#o de substAncias *ue atuam fora da c/lula, processo
genericamente denominado secre"#o celular.
(ecreç!o de en$imas digestivas
!s en$imas digestivas do &ncreas, por eBemplo, s#o produ-idas no SES e levadas at/ as
bolsas do aparelho de Xolgi, onde s#o empacotadas em pe*uenas bolsas, *ue se
desprendem dos dictiossomos e se acumulam em um dos p9los da c/lula pancreática.
uando chega o sinal de *ue há alimento para ser digerido, as bolsas cheias de en-imas se
deslocam at/ a membrana plasmática, fundemGse com ela e eliminam seu conte.do para o
meio eBterior.
! produ"#o de en-imas digestivas pelo pAncreas / apenas um entre muitos eBemplos do
papel do aparelho de Xolgi nos processos de secre"#o celular. Praticamente todas as c/lulas
do corpo sinteti-am e secretam uma grande variedade de proteínas *ue atuam fora delas.


Morma"#o do acrossomo do espermato-9ide
5 aparelho de Xolgi desempenha um papel importante na forma"#o dos espermato-9ides.
Estes cont$m bolsas repletas de en-imas digestivas, *ue ir#o perfurar as membranas do
9vulo e permitir a fecunda"#o. ! bolsa de en-imas do espermato-9ide maduro, originada
no aparelho de Xolgi, / o acrossomo &do grego acros, alto, topo, e somatos, corpo), termo
*ue significa Ccorpo locali-ado no topo do espermato-9ideD.



Visossomos
Estrutura e origem dos lisossomos

5s lisossomos &do grego lise, *uebra, destrui"#o) s#o bolsas membranosas *ue cont$m
en-imas capa-es de digerir substAncias orgAnicas. /om origem no aarelho de Golgi# os
lisossomos est!o resentes em raticamente todas as células eucariontes. !s en$imas
s!o rodu$idas no 676 e migram para os dictiossomos, sendo identificadas e enviadas
para uma regi#o especial do aparelho de Xolgi, onde s#o empacotadas e liberadas na forma
de pe*uenas bolsas.


! digest#o intracelular
5s lisossomos s#o organelas responsáveis pela digest!o intracelular. !s bolsas formadas
na fagocitose e na inocitose# que cont5m artículas caturadas no meio externo#
fundem:se aos lisossomos, dando origem a bolsas maiores, onde a digest#o ocorrerá.

@ac.olos digestivos
!s bolsas originadas pela fus#o de
lisossomos com fagossomos ou
pinossomos s#o denominadas vac3olos
digestivosK em seu interior, as
substAncias originalmente presentes nos
fagossomos ou pinossomos s#o digeridas
pelas en-imas lisossEmicas.
R medida *ue a digest#o intracelular vai
ocorrendo, as partículas capturadas pelas
c/lulas s#o *uebradas em pe*uenas
mol/culas *ue atravessam a membrana
do vac.olo digestivo, passando para o
citosol. Essas mol/culas ser#o utili-adas
na fabrica"#o de novas substAncias e no
fornecimento de energia J c/lula.
Eventuais restos do processo digestivo,
constituídos por material *ue n#o foi
digerido, permanecem dentro do
vac.olo, *ue passa a ser chamado
vac3olo residual.
4uitas c/lula eliminam o conte.do do
vac.olo residual para o meio eBterior.
<esse processo, denominado
clasmocitose, o vac.olo residual encosta
na membrana plasmática e fundemGse
com ela, lan"ando seu conte.do para o
meio eBterno.

!utofagia
)odas as células raticam autofagia &do grego autos, pr9prio, e phagein, comer),
digerindo partes de si mesmas com o auBílio de seus lisossomos. Por incrível *ue pare"a, a
autofagia / uma atividade indispensável J sobreviv$ncia da c/lula.
Em determinadas situa"Fes, a autofagia / uma atividade puramente alimentar. uando um
organismo / privado de alimento e as reservas do seu corpo se esgotam, as c/lulas, como
estrat/gia de sobreviv$ncia no momento de crise, passam a digerir partes de si mesmas.
<o diaGaGdia da vida de uma c/lula, a autofagia permite destruir organelas celulares
desgastadas e reaproveitar alguns de seus componentes moleculares.
5 processo da autofagia se inicia com a aproBima"#o dos lisossomos da estrutura a ser
eliminada. Esta / cercada e envolvida pelos lisossomos, ficando contida em uma bolsa
repleta de en-imas denominada vac.olo autofágico.
!trav/s da autofagia, uma c/lula destr9i e reconstr9i seus constituintes centenas ou at/
milhares de ve-es. Ima c/lula nervosa do c/rebro, por eBemplo, formada em nossa vida
embrionária, tem todos os seus componentes &eBceto os genes) com menos de um m$s de
idade. Ima c/lula de nosso fígado, a cada semana, digere e reconstr9i a maioria de seus
componentes.
<a silicose &Cdoen"a dos mineirosD), *ue ataca os pulmFes ocorre a ruptura dos lisossomos
de c/lulas fagocitárias &macr9fagos), com conse*Oente digest#o dos componentes e morte
celular.
Certas doenças degenerativas do organismo humano s#o creditadas a libera"#o de en-imas
lisossEmicas dentro da c/lulaK isso aconteceria, por eBemplo, em certos casos de artrite,
doen"a das articula"Fes 9sseas.

PeroBissomos

PeroBissomos s#o bolsas membranosas *ue cont$m alguns tipos de en-imas digestivas. 6ua
semelhan"a com os lisossomos fe- com *ue fossem confundidos com eles at/ bem pouco
tempo. Entretanto, ho8e se sabe *ue os peroBissomos diferem dos lisossomos
principalmente *uanto ao tipo de en-imas *ue possuem.
5s peroBissomos, al/m de conterem en-imas *ue degradam gorduras e aminoácidos, t$m
tamb/m grandes *uantidades da en-ima catalase.


! catalase converte o per9Bido de hidrog$nio, popularmente conhecido como água
oBigenada &T
2
5
2
), e água e gás oBig$nio. ! água oBigenada se forma normalmente durante
a degrada"#o de gorduras e de aminoácidos, mas, em grande *uantidade, pode causar lesFes
J c/lula.

; 2
;
*
;
< 7n$ima /atalase = ; 2
;
* < *
;
4itocEndrias
Estrutura e fun"#o das mitocEndrias

!s mitocEndrias est#o imersas no citosol, entre as diversas bolsas e filamentos *ue
preenchem o citoplasma das c/lulas eucariontes. Elas s#o verdadeiras Ccasas de for"aD das
c/lulas, pois rodu$em energia ara todas as atividades celulares.
!s mitocEndrias foram descobertas em meados do s/culo Z>Z, e, durante d/cadas, sua
eBist$ncia foi *uestionada por alguns citologistas. 6omente em 0YL( foi demonstrada, de
modo incontestável, a presen"a de mitocEndrias no citoplasma celular. 5 termo
CmitocEndriaD &do grego, mitos, fio, e condros, cartilagem) surgiu em 0YLY, possivelmente
como refer$ncia ao aspecto filamentoso e homog$neo &cartilaginoso) dessas organelas em
alguns tipos de c/lulas, *uando observadas ao microsc9pio 9ptico.
.s mitoc+ndrias# cu>o n3mero varia de de$enas até centenas# deendendo do tio de
célula# est!o resentes raticamente em todos os seres eucariontes# se>am animais#
lantas# algas# fungos ou roto$oários.

Estrutura interna das mitocEndrias
!s mitocEndrias s#o delimitadas or duas membranas liorotéicas semelhantes Js
demais membranas celulares. En*uanto a membrana externa é lisa# a membrana interna
ossui in3meras regas Q as cristas mitocondriais Q *ue se pro8etam para o interior da
organela.


! cavidade interna das mitocEndrias / preenchida por um fluido denominado matri-
mitocondrial, onde est#o presentes diversas en-imas, al/m de =<! e S<! e pe*uenos
ribossomos e substAncias necessárias J fabrica"#o de determinadas proteínas.
! respira"#o celular
<o interior das mitocEndrias ocorre a respira"#o celular, processo em *ue mol/culas
orgAnicas de alimento reagem com gás oBig$nio &5
2
), transformandoGse em gás carbEnico
&C5
2
) e água &T
2
5) e liberando energia.
C6H12O6 + O2 -> 6 CO2 + 6 H2O + energia

! energia liberada na respira"#o celular / arma-enada em uma substAncia chamada .)P
(adenosina trifosfato), *ue se difunde para todas as regiFes da c/lula, fornecendo energia
para as mais diversas atividades celulares. 5 processo de respira"#o celular será melhor
eBplicado na se"#o de 4etabolismo energ/tico.

Plastos
Classifica"#o e estrutura dos plastos

Plastos s#o orgAnulos citoplasmáticos encontrados nas c/lulas de plantas e de algas. 6ua
forma e tamanho variam conforme o tipo de organismo. Em algumas algas, cada c/lula
possui um ou poucos plastos, de grande tamanho e formas características. Wá em outras
algas e nas plantas em geral, os plastos s#o menores e est#o presentes em grande n.mero
por c/lula.
5s plastos podem ser separados em duas categorias:
• cromolastos &do grego chromos, cor), *ue apresentam pigmentos em seu interior.
5 cromoplasto mais fre*Oente nas plantas / o clorolasto, cu8o principal
componente / a clorofila, de cor verde. Tá tamb/m plastos vermelhos, os
eritrolastos &do grego eritros, vermelho), *ue se desenvolvem, por eBemplo, em
frutos maduros de tomate.
• leucolastos &do grego leukos, branco), *ue n#o cont$m pigmentos.

Cloroplastos
5s cloroplastos s#o orgAnulos citoplasmáticos disc9ides *ue se assemelham a uma lente
biconveBa com cerca de 0( micrometros de diAmetro. Eles apresentam duas membranas
envolventes e in.meras membranas internas, *ue formam pe*uenas bolsas discoidais e
achatadas, os tilac%ides &do grego thylakos, bolsa).
5s tilac9ides se organi-am uns sobre os outros, formando estruturas cilíndricas *ue
lembram pilhas de moedas. Cada pilha / um granum, *ue significa gr#o, em latim (no
lural# grana).


5 espa"o interno do cloroplasto / preenchido por um fluido viscoso denominado estroma,
*ue corresponde J matri- das mitocEndrias, e cont/m, como estas, =<!, en-imas e
ribossomos.
!s mol/culas de clorofila ficam dispostas organi-adamente nas membranas dos tilac9ides,
de modo a captarem a lu- solar com a máBima efici$ncia.

-unç"es do clorolasto
6e as mitocEndrias s#o as centrais energ/ticas das c/lulas, os cloroplastos s#o as centrais
energ/ticas da pr9pria vida. Eles produ-em mol/culas orgAnicas, principalmente glicose,
*ue servem de combustível para as mitocEndrias de todos os organismos *ue se alimentam,
direta ou indiretamente, das plantas.
*s clorolastos rodu$em subst&ncias org&nicas através do rocesso de fotossíntese.
<esse processo, a energia luminosa / transformada em energia *uímica, *ue fica
arma-enada nas mol/culas das substAncias orgAnicas fabricadas. !s mat/riasGprimas
empregadas na produ"#o dessas substAncias s#o, simplesmente, gás carbEnico e água.
=urante a fotossíntese, os cloroplastos tamb/m produ-em e liberam gás oxig5nio (*
;
),
necessário J respira"#o tanto de animais *uanto de plantas. 5s cientistas acreditam *ue
praticamente todo o gás oBig$nio *ue eBiste ho8e na atmosfera terrestre tenha se originado
atrav/s da fotossíntese.


As vitaminas são nutrientes orgânicos regua!ores" Com as en#imas$ controam as
rea%&es 'u(micas !o cor)o e !a c*ua+ )or isso são in!is)ens,veis ao -om !esem)en.o
!as /un%&es orgânicas" Pes'uise as )rinci)ais vitaminas encontra!as nos
aimentos$assim como suas /ontes $ /un%&es e )ro-emas causa!os )ea sua car0ncia na
aimenta%ão 1avitamonoses2"

21 !<5 =5 E<6><5 4?=>5
Classifica"#o dos 6eres @ivos
! sistemática / a ci$ncia dedicada a inventariar e descrever a biodiversidade e
compreender as rela"Fes filogen/ticas entre os organismos. >nclui a taBonomia &ci$ncia da
descoberta, descri"#o e classifica"#o das esp/cies e grupo de esp/cies, com suas normas e
princípios) e tamb/m a filogenia &rela"Fes evolutivas entre os organismos). Em geral, di-Gse
*ue compreende a classifica"#o dos diversos organismos vivos. Em biologia, os sistematas
s#o os cientistas *ue classificam as esp/cies em outros táBons a fim de definir o modo como
eles se relacionam evolutivamente.
5 ob8etivo da classifica"#o dos seres vivos, chamada taxonomia, foi inicialmente o de
organi-ar as plantas e animais conhecidos em categorias *ue pudessem ser referidas.
Posteriormente a classifica"#o passou a respeitar as rela"Fes evolutivas entre organismos,
organi-a"#o mais natural do *ue a baseada apenas em características eBternas. Para isso se
utili-am tamb/m características ecol%gicas# fisiol%gicas# e todas as outras que estiverem
disoníveis ara os táxons em quest!o. ? a esse con8unto de investiga"Fes a respeito dos
táBons *ue se dá o nome de (istemática. <os .ltimos anos t$m sido tentadas classifica"Fes
baseadas na semelhan"a entre genomas, com grandes avan"os em algumas áreas,
especialmente *uando se 8untam a essas informa"Fes a*uelas oriundas dos outros campos
da 7iologia.
. classificaç!o dos seres vivos é arte da sistemática# ci5ncia que estuda as relaç"es
entre organismos# e que inclui a coleta# reservaç!o e estudo de esécimes# e a análise
dos dados vindos de várias áreas de esquisa biol%gica.
5 primeiro sistema de classifica"#o foi o de !rist9teles no s/culo >@ a.C., *ue ordenou os
animais pelo tipo de reprodu"#o e por terem ou n#o sangue vermelho. 5 seu discípulo
Heofrasto classificou as plantas por seu uso e forma de cultivo.
<os s/culos Z@>> e Z@>>> os botAnicos e -o9logos come"aram a delinear o atual sistema de
categorias, ainda baseados em características anatEmicas superficiais. <o entanto, como a
ancestralidade comum pode ser a causa de tais semelhan"as, este sistema demonstrou
aproBimarGse da nature-a, e continua sendo a base da classifica"#o atual. Vineu fe- o
primeiro trabalho eBtenso de categori-a"#o, em 0[:Y, criando a hierar*uia atual.
! partir de =arwin a evolu"#o passou a ser considerada como paradigma central da
7iologia, e com isso evid$ncias da paleontologia sobre formas ancestrais, e da embriologia
sobre semelhan"as nos primeiros estágios de vida. <o s/culo ZZ, a gen/tica e a fisiologia
tornaramGse importantes na classifica"#o, como o uso recente da gen/tica molecular na
compara"#o de c9digos gen/ticos. Programas de computador específicos s#o usados na
análise matemática dos dados.
Em fevereiro de 2((: Edward 5sborne \ilson, professor aposentado da Iniversidade de
Tarvard, onde cunhou o termo biodiversidade e participou da funda"#o da sociobiologia, ao
defender um ]pro8eto genoma] da biodiversidade da Herra, propEs a cria"#o de uma base de
dados digital com fotos detalhadas de todas a esp/cies vivas e a finali-a"#o do pro8eto
^rvore da vida. Em contraposi"#o a uma sistemática baseada na biologia celular e
molecular, \ilson v$ a necessidade da sistemática descritiva para preservar a
biodiversidade.
=o ponto de vista econEmico, defendem \ilson, Peter Saven e =an 7roo_s, a sistemática
pode tra-er conhecimentos .teis na biotecnologia, e na conten"#o de doen"as emergentes.
4ais da metade das esp/cies do planeta / parasita, e a maioria delas ainda / desconhecida.
=e acordo com a classifica"#o vigente as esp/cies descritas s#o agrupadas em g5neros. 5s
g$neros s#o reunidos, se tiverem algumas características em comum, formando uma
família. Mamílias, por sua ve-, s#o agrupadas em uma ordem. 5rdens s#o reunidas em uma
classe. Classes de seres vivos s#o reunidas em filos. E os filos s#o, finalmente,
componentes de alguns dos cinco reinos (1onera# Protista# -ungi# Plantae e .nimalia).
<omenclatura Científica
Nomenclatura é a atribuiç!o de nomes (nome científico) a organismos e 9s categorias
nas quais s!o classificados.
O nome científico é aceito em todas as línguas, e cada nome aplica-se apenas a uma
espécie.
Tá duas organi-a"Fes internacionais *ue determinam as regras de nomenclatura, uma para
-oologia e outra para botAnica. 6egundo as regras, o primeiro nome publicado &a partir do
trabalho de Vineu) / o correto, a menos *ue a esp/cie se8a reclassificada, por eBemplo em
outro g$nero. ! reclassifica"#o tem ocorrido com certa fre*O$ncia desde o s/culo ZZ. 5
C9digo >nternacional de <omenclatura `ool9gica preconi-a *ue neste caso mant/mGse a
refer$ncia a *uem primeiro descreveu a esp/cie, com o ano da desci"#o, entre par$nteses, e
n#o inclui o nome de *uem reclassificou. Esta norma internacional decorre, entre outras
coisas, do fato de ser ainda nova a abordagem gen/tica da taBonomia, su8eita a revis#o
devido a novas pes*uisas científicas, ou simplesmente a defini"#o de novos parAmetros
para a delimita"#o de um táBon, *ue podem ser morfol9gicos, ecol9gicos, comportamentais
etc.
5 sistema atual identifica cada esp/cie por dois nomes em latim: o rimeiro# em
mai3scula# é o g5nero# o segundo# em min3scula# é o eíteto esecífico. *s dois nomes
>untos formam o nome da esécie. 5s nomes científicos podem vir do nome do cientista
*ue descreveu a esp/cie, de um nome popular desta, de uma característica *ue apresente, do
lugar onde ocorre, e outros. Por conven"#o internacional, o nome do g5nero e da esécie é
imresso em itálico# grifado ou em negrito# o dos outros táxons n!o. 6ubesp/cies t$m
um nome composto por tr$s palavras.
EB.: Canis familiares, Canis lupus, -elis catus.

<omenclatura popular
! nomea"#o dos seres vivos *ue compFe a biodiversidade constitui uma etapa do trabalho
de classifica"#o. 4uitos seres s#o ]bati-ados] pela popula"#o com nomes denominados
populares ou vulgares, pela comunidade científica.
Esses nomes podem designar um con8unto muito amplo de organismos, incluindo, algumas
ve-es, at/ grupos n#o aparentados.
5 mesmo nome popular pode ser atribuído a diferentes esp/cies, como neste eBemplo:
ananas comosus
!nanas ananassoides
Estas duas esp/cies do g$nero ananas s#o chamadas pelo mesmo nome popular !bacaBi.
5utro eBemplo / o crustáceo de praia Emerita rasiliensis, *ue no Sio de Waneiro /
denominado tatuí, e nos estados de 6#o Paulo e Paraná / chamado de tatuíra.
Em contra partida, animais de uma mesma esp/cie podem receber vários nomes, como
ocorre com a on"aGpintada, cu8o nome científico / !anthera onca.
Outros nomes populares"
cangu"u, on"aGcangu"u, 8aguarGcangu"u
Im outro eBemplo / a planta #anihot esculenta, cu8a rai- / muito apreciada como
alimento. =ependendo da regi#o do 7rasil, ela / conhecida por vários nomes: aimpim,
macaBeira ou mandioca.
Considerando os eBemplo apresentados, podemos perceber *ue a nomenclatura popular
varia bastante, mesmo num país como o 7rasil, em *ue a popula"#o fala um mesmo idioma,
eBcetuandoGse os idiomas indígenas. >magine se considerarmos o mundo todo, com tantos,
com tantos idiomas e dialetos diferentes, a grande *uantidade de nomes de um mesmo ser
vivo pode receber. =esse modo podemos entender a necessidade de eBistir uma
nomenclatura padr#o, adotada internacionalmente, para facilitar a comunica"#o de diversos
profissionais, como os m/dicos, os -o9logos, os botAnicos e todos a*ueles *ue estudam os
seres vivos.
0írus
0írus s!o os 3nicos organismos acelulares da )erra atual.
5s vírus s#o seres muito simples e pe*uenos &medem menos de (,2 am), formados
basicamente por uma cápsula prot/ica envolvendo o material gen/tico, *ue, dependendo do
tipo de vírus, pode ser o ,?.# 6?. ou os dois 8untos &citomegalovirus). ! palavra vírus
vem do Vatim $irus *ue significa fluído $enenoso ou toxina. !tualmente / utili-ada para
descrever os vírus biol9gicos, al/m de designar, metaforicamente, *ual*uer coisa *ue se
reprodu-a de forma parasitária, como ideias. 5 termo vírus de computador nasceu por
analogia. ! palavra $írion ou $íron / usada para se referir a uma .nica partícula viral *ue
estiver fora da c/lula hospedeira.
=as 0.[3L.'(( esp/cies de seres vivos conhecidos, os vírus representam 3.'(( esp/cies.
@írus / uma artícula basicamente rotéica *ue pode infectar organismos vivos. @írus
s#o arasitas obrigat%rios do interior celular e isso significa *ue eles somente se
reprodu-em pela invas#o e possess#o do controle da ma*uinaria de autoGreprodu"#o celular.
5 termo vírus geralmente refereGse Js partículas *ue infectam eucariontes &organismos
cu8as c/lulas t$m carioteca), en*uanto o termo bacteriófago ou fago / utili-ado para
descrever a*ueles *ue infectam rocariontes &domínios bacteria e archaea).
Hipicamente, estas partículas carregam uma pe*uena *uantidade de ácido nucl/ico &se8a
=<! ou S<!, 8a se há conhecimento ho8e de vírus *ue possuem os dois) sempre envolto
por uma cápsula prot/ica denominada casídeo. !s proteínas *ue compFe o capsídeo s#o
específicas para cada tipo de vírus. 5 capsídeo mais o ácido nucl/ico *ue ele envolve s#o
denominados nucleocapsídeo. !lguns vírus s#o formados apenas pelo n.cleo capsídeo,
outros no entanto, possuem um envolt9rio ou envelope eBterno ao nucleocapsídeo. Esses
vírus s#o denominados vírus encapsulados ou envelopados.
Es*uema do @írus T>@
>lustra"#o do vírus T>@ mostrando as proteínas do capsídeo responsáveis pela aderencia na
c/lula hospedeira.
5 envelope consiste principalmente em duas camadas de lipídios derivadas da membrana
plasmática da c/lula hospedeira e em mol/culas de proteínas virais, específicas para cada
tipo de vírus, imersas nas camadas de lipídios.
6#o as mol/culas de proteínas virais *ue determinam *ual tipo de c/lula o vírus irá infectar.
Xeralmente, o grupo de c/lulas *ue um tipo de vírus infecta / bastante restrito. EBistem
vírus *ue infectam apenas bact/rias, denominadas bacter9fagos, os *ue infectam apenas
fungos, denominados mic9fagosK os *ue infectam as plantas e os *ue infectam os animais,
denominados, respectivamente, vírus de plantas e vírus de animais.
*s vírus n!o s!o constituídos or células# embora dependam delas para a sua
multiplica"#o. !lguns vírus possuem en-imas. Por eBemplo o 2'0 tem a en-ima
)ranscritase reversa *ue fa- com *ue o processo de )ranscriç!o reversa se8a reali-ado
&forma"#o de =<! a partir do S<! viral). Esse processo de se formar =<! a partir de
S<! viral / denominado retrotranscri"#o, o *ue deu o nome retrovírus aos vírus *ue
reali-am esse processo. 5s outros vírus *ue possuem =<! fa-em o processo de transcri"#o
&passagem da linguagem de =<! para S<!) e s9 depois a tradu"#o. Estes .ltimos vírus
s#o designados de adenovírus.
@írus s#o parasitas intracelulares obrigat9rios: a falta de hialoplasma e ribossomos impede
*ue eles tenham metabolismo pr9prio. !ssim, para eBecutar o seu ciclo de vida, o vírus
precisa de um ambiente *ue tenha esses componentes. Esse ambiente precisa ser o interior
de uma c/lula *ue, contendo ribossomos e outras substAncias, efetuará a síntese das
proteínas dos vírus e, simultaneamente, permitirá *ue ocorrra a multiplica"#o do material
genetico viral.
Em muitos casos os vírus modificam o metabolismo da c/lula *ue parasitam, podendo
provocar a sua degenera"#o e morte. Para isso, / preciso *ue o vírus inicialmente entre na
c/lula: muitas ve-es ele adere J parede da c/lula e ]in8eta] o seu material gen/tico ou ent#o
entra na c/lula por englobamento G por um processo *ue lembra a fagocitose, a c/lula
]engole] o vírus e o introdu- no seu interior.

@irus seres vivos ou n#oU
@írus n#o t$m *ual*uer atividade metab9lica *uando fora da c/lula hospedeira: eles n#o
podem captar nutrientes, utili-ar energia ou reali-ar *ual*uer atividade biossint/tica. Eles
obviamente se reprodu-em, mas diferentemente de c/lulas, *ue crescem, duplicam seu
conte.do para ent#o dividirGse em duas c/lulas filhas, os vírus replicamGse atrav/s de uma
estrat/gia completamente diferente: eles invadem c/lulas, o *ue causa a dissocia"#o dos
componentes da partícula viralK esses componentes ent#o interagem com o aparato
metab9lico da c/lula hospedeira, subvertendo o metabolismo celular para a produ"#o de
mais vírus. Tá grande debate na comunidade científica sobre se os vírus devem ser
considerados seres vivos ou n#o, e esse debate e primariamente um resultado de diferentes
percep"Fes sobre o *ue vem a ser vida, em outras palavras, a defini"#o de vida. !*ueles
*ue defendem a id/ia *ue os vírus n#o s#o vivos argumentam *ue organismos vivos devem
possuir características como a habilidade de importar nutrientes e energia do ambiente,
devem ter metabolismo &um con8unto de rea"Fes *uímicas altamente interrelacionadas
atrav/s das *uais os seres vivos constroem e mant$m seus corpos, crescem e performam
in.meras outras tarefas, como locomo"#o, reprodu"#o, etc.)K organismos vivos tamb/m
fa-em parte de uma linhagem continua, sendo necessariamente originados de seres
semelhantes e, atrav/s da reprodu"#o, gerar outros seres semelhantes &descend$ncia ou
prole), etc. 5s vírus preenchem alguns desses crit/rios: s#o parte de linhagens contínuas,
reprodu-emGse e evoluem em resposta ao ambiente, atrav/s de variabilidade e sele"#o,
como *ual*uer ser vivo. Por/m, n#o t$m metabolismo pr9prio, por isso deveriam ser
considerados ]partículas infecciosas], ao inv/s de seres vivos propriamente ditos. 4uitos,
por/m, n#o concordam com essa perspectiva, e argumentam *ue uma ve- *ue os vírus s#o
capa-es de reprodu-irGse, s#o organismos vivosK eles dependem do ma*uinário metab9lico
da c/lula hospedeira, mas at/ ai todos os seres vivos dependem de intera"Fes com outros
seres vivos. 5utros ainda levam em considera"#o a presenca massiva de vírus em todos os
reinos do mundo natural, sua origemGaparentemente t#o antiga como a pr9pria vidaGsua
importAncia na hist9ria natural de todos os outros organismos, etc. Conforme 8á
mencionado, diferentes conceitos a respeito do *ue vem a ser vida formam o cerne dessa
discuss#o. =efinir vida tem sido sempre um grande problema, e 8á *ue *ual*uer defini"#o
provavelmente será evasiva ou arbitraria, dificultando assim uma defini"#o eBata a respeito
dos vírus.
=oen"as humanas virais
<o homem, in.meras doen"as s#o causadas por esses seres acelulares. Praticamente todos
os tecidos e 9rg#os humanos s#o afetados por alguma infec"#o viral. !baiBo voc$ encontra
as viroses mais fre*Oentes na nossa esp/cie. @alori-e principalmente os mecanismos de
transmiss#o e de preven"#o. <ote *ue a febre amarela e dengue s#o duas viroses *ue
envolvem a transmiss#o por insetos &mos*uito da esp/cie %edes aegypti). Para a primeira,
eBiste vacina. =uas viroses relatadas abaiBo, !>=6 e condiloma acuminado, s#o doen"as
seBualmente trasmissíveis &=6Hs). ! tabela tamb/m relaciona viroses comuns na infAncia,
rub/lola, caBumba, sarampo, poliomelite G para as *uais eBistem vacinas.
!lgumas das principais viroses *ue acometem os seres humanos:
SesfriadoComumKCaBumbaKSaivaKSub/olaK6arampoKTepatitesK=engueKPoliomielit
eKMebre amarelaK@aricela ou CataporaK @aríolaK 4eningite viralK4ononucleose
>nfecciosaKTerpesKCondilomaK!>=6.
Preven"#o e tratamento de doen"as virais
=evido ao uso da ma*uinaria das c/lulas do hospedeiro, os vírus tornamGse difíceis de
matar. !s mais eficientes solu"Fes m/dicas para as doen"as virais s#o, at/ agora, as vacinas
para prevenir as infec"Fes, e drogas *ue tratam os sintomas das infec"Fes virais. 5s
pacientes fre*Oentemente pedem antibi9ticos, *ue s#o in.teis contra os vírus, e seu abuso
contra infec"Fes virais / uma das causas de resist$ncia antibi9tica em bact/rias. =i-Gse, Js
ve-es, *ue a a"#o prudente / come"ar com um tratamento de antibi9ticos en*uanto esperaG
se pelos resultados dos eBames para determinar se os sintomas dos pacientes s#o causados
por uma infec"#o por vírus ou bact/rias.
Seino 4onera

5 reino monera / formado por bactérias# cianobactérias e arqueobactérias &tamb/m
chamadas ar*ueas), todos seres muito simples, unicelulares e com c/lula procari9tica &sem
n.cleo diferenciado). Esses seres microsc9pios s#o geralmente menores do *ue Y
micrEmetros & 0am P (,((0 mm).
!s bact/rias &do grego akteria: bbast#ob) s#o encontrados em todos os ecossistemas da
Herra e s#o de grande importAncia para a sa.de, para o ambiente e a economia. !s bact/rias
s#o encontradas em *ual*uer tipo de meio: mar, água doce, solo, ar e, inclusive, no interior
de muitos seres vivos.
EBemplos da importAncia das bact/rias:
• na decomosiç!o de mat/ria orgAnica morta. Esse processo / efetuado tanto
aer9bia, *uanto anaerobiamenteK
• agentes *ue provocam doença no homemK
• em rocessos industriais, como por eBemplo, os lactobacilos, utili-ados na
ind.stria de transforma"#o do leite em coalhadaK
• no ciclo do nitrog5nio, em *ue atuam em diversas fases, fa-endo com *ue o
nitrog$nio atmosf/rico possa ser utili-ado pelas plantasK
• em 7ngenharia Genética e @iotecnologia para a síntese de várias substAncias,
entre elas a insulina e o hormEnio de crescimento.

Estrutura das 7act/rias
7act/rias s#o microorganismos unicelulares, procariotos, podendo viver isoladamente ou
construir agrupamentos coloniais de diversos formatos. ! c/lula bacterianas cont/m os
*uatro componentes fundamentais a *ual*uer c/lula: membrana plasmática, hialoplasma,
ribossomos e cromatina, no caso, uma molécula de ,?. circular, *ue constitui o .nico
cromossomo bacteriano.
! regi#o ocupada pelo cromossomo bacteriano costuma ser denominada nucle%ide.
EBternamente J membrana plasmática eBiste uma parede celular &membrana es*uel/tica, de
composi"#o *uímica específica de bact/rias).
? comum eBistirem lasmídios G mol/culas de =<! n#o ligada ao cromossomo bacteriano
G espalhados pelo hialoplasma. Plasmídios costumam conter genes para resist$ncia a
antibi9ticos.



! =iversidade 4etab9lica das 7act/rias

6e há um grupo de seres *ue apresenta grande diversidade metab9lica, certamente / o das
bact/rias. EBistem esp/cies heter%trofas e esp/cies aut%trofas. =entre as primeiras,
destacamGse as parasitas, as decompositoras de mat/ria orgAnica e as *ue obt$m mat/ria
orgAnica de outros seres vivos, com os *uais se associam sem pre8udicáGlos. =entre as
aut9trofas, eBistem esp/cies *ue produ-em mat/ria orgAnica por fotossíntese e outras *ue
produ-em por *uimiossíntese.

.s bactérias 2eter%trofas
!s bactérias arasitas s#o as *ue, por meio de in.meros mecanismos, agridem outros
seres vivos para a obten"#o de alimento orgAnico e causam in.meras doen"as. !s
decomositoras &fre*uentemente denominadas sapr9fitas, saprofíticas ou saprofágicas)
obt$m o alimento orgAnico recorrendo J decomposi"#o da mat/ria orgAnica morta e s#o
importantes na reciclagem dos nutrientes minerais na biosfera.
!s *ue s#o associadas as outros seres vivos s#o denominadas de simbiontes, e n#o agridem
os parceiros. ? o caso das bact/rias encontradas no estEmago dos ruminantes &bois, cabras),
*ue se nutrem da celulose ingerida por esses animais, fornecendo, em troca, aminoácidos
essenciais para o metabolismo prot/ico do mesmo.
4uitas bact/rias heter9trofas s#o anaer%bias obrigat%rias, como o bacilo do t/tano. 6#o
bact/rias *ue morrem na presen"a de oBig$nio. <esse caso a energia dos compostos
orgAnicos / obtida por meio de fermenta"#o. !s anaer9bicas facultativas, por outro lado,
vivem tanto na presen"a como na aus$ncia de oBig$nio.
5utras esp/cies s9 sobrevivem em presen"a de oBig$nio G s#o as aer9bias obrigat9rias. Im
curioso grupo de bact/rias / o *ue reali-a a resiraç!o aer%bia. <essa modalidade de
metabolismo energ/tico eBistem todas as etapas típicas da respira"#o celular. 4uda apenas
o aceptor final de el/trons na cadeia respirat9ria. <o lugar do oBig$nio, essas bact/rias
utili-am nitrato, nitrito ou sulfato, obtendo no final, praticamente o mesmo rendimento
energ/tico verificado na respira"#o celular aer9bia. ? o *ue ocorre com as bact/rias
desnitrificantes *ue participam do ciclo do nitrog$nio na nature-a. <elas o aceptor final de
el/trons / o nitrato.

7act/rias !ut9trofas

-otossinteti$antes
<as bact/rias *ue reali-am fotossíntese, a capta"#o da energia solar fica a cargo de uma
clorofila conhecida como acterioclorofila. ! partir da utili-a"#o de substAncias simples do
meio, ocorre a síntese do combustível biol9gico. =e maneira geral, n#o há libera"#o de
oBig$nio. Como eBemplo, podemos citar as bact/rias sulforosas do g$nero Chlorobium, *ue
efetuam esse processo com a utili-a"#o de T26 e C5
2
, segundo a e*ua"#o:
;2
;
( < /*
;
< lu$ ::::::bacterioclorofila::::::::::::A (/2
;
) < ;( < 2
;
B

<ote *ue / o gás sulfídrico, e n#o a água, *ue atua como fornecedor dos hidrog$nios *ue
servir#o para a redu"#o do gás carbEnico. <#o há a libera"#o de oBig$nio. 5 enBofre
permanece no interior das c/lulas bacterianas sendo, posteriormente eliminado para o meio
em *ue vivem esses microorganismos, em geral fontes sulfurosas. <esse processo, CT
2
5
representa a mat/ria orgAnica produ-ida.

Cuimiossíntese
! *uimiossíntese / uma rea"#o *ue produ- energia *uímica, convertida da energia de
liga"#o dos compostos inorgAnicos oBidados. 6endo a energia *uímica liberada, empregada
na produ"#o de compostos orgAnicos e gás oBig$nio &5
2
), a partir da rea"#o entre o di9Bido
de carbono &C5
2
) e água molecular &T
2
5), conforme demonstrado abaiBo:
: Primeira etaa
Composto >norgAnico ; 5
2
c Compostos >norgAnicos oBidados ; Energia uímica
: (egunda etaa
C5
2
; T
2
5 ; Energia uímica c Compostos 5rgAnicos ; 5
2

Esse processo autotr9fico de síntese de compostos orgAnicos ocorre na aus$ncia de energia
solar. ? um recurso normalmente utili-ado por algumas esp/cies de bact/rias e
ar*ueobact/rias &bact/rias com características primitivas ainda vigentes), recebendo a
denomina"#o segundo os compostos inorgAnicos reagentes, podendo ser: ferrobact/rias e
nitrobact/rias ou nitrificantes &nitrossomonas e nitrobacter, g$nero de bact/rias
*uimiossínteti-antes).
Seprodu"#o das 7act/rias
! reprodu"#o mais comum nas bact/rias
/ assexuada por biartiç!o ou
cissiaridade. 5corre a duplica"#o do
=<! bacteriano e uma posterior divis#o
em duas c/lulas. !s bact/rias
multiplicamGse por este processo muito
rapidamente *uando dispFem de
condi"Fes favoráveis &duplica em 2(
minutos).
! separa"#o dos cromossomos irm#os
conta com a participa"#o dos
mesossomos, pregas internas da
membrana plasmática nas *uais eBistem
tamb/m as en-imas participantes da
maior parte da respira"#o celular.

Separe *ue n#o eBiste a forma"#o do fuso de divis#o e nem de figuras clássicas e típicas da
mitose. Vogo, n!o é mitose.


Esporula"#o
!lgumas esp/cies de bact/rias originam, sob certas condi"Fes ambientais, estruturas
resistentes denominadas esoros. ! c/lula *ue origina o esporo se desidrata, forma uma
parede grossa e sua atividade metab9lica tornaGse muito redu-ida. Certos esporos s#o
capa-es de se manter em estado de dorm$ncia por de-enas de anos. !o encontrar um
ambiente ade*uado, o esporo se reidrata e origina uma bact/ria ativa, *ue passa a se
reprodu-ir por divis#o binária.
5s esporos s#o muito resistentes ao calor e, em geral, n#o morrem *uando eBpostos J água
em ebuli"#o. Por isso os laborat9rios, *ue necessitam trabalhar em condi"Fes de absoluta
assepsia, costumam usar um processo especial, denominado autoclavagem, para esterili-ar
lí*uidos e utensílios. 5 aparelho onde / feita a esterili-a"#o, a autoclave, utili-a vapor de
água a temperaturas da ordem de 02(1C, sob uma press#o *ue / o dobro da atmosf/rica.
!p9s 0 hora nessas condi"Fes, mesmo os esporos mais resistentes morrem.
! ind.stria de enlatados toma medidas rigorosas na esterili-a"#o dos alimentos para
eliminar os esporos da bact/ria Clostridium otulinum. Essa bact/ria produ- o botulismo,
infec"#o fre*uentemente fatal.

6eroduç!o sexuada
Para as bact/rias consideraGse reprodu"#o seBuada *ual*uer processo de transfer$ncia de
fragmentos de =<! de uma c/lula para outra. =epois de transferido, o =<! da bact/ria
doadora se recombina com o da receptora, produ-indo cromossomos com novas misturas
de genes. Esses cromossomos recombinados ser#o transmitidos Js c/lulasGfilhas *uando a
bact/ria se dividir.
! transfer$ncia de =<! de uma bact/ria para outra pode ocorrer de tr$s maneiras: por
transformaç!o, transduç!o e por con>ugaç!o.

Hransforma"#o
<a transforma"#o, a bact/ria absorve mol/culas de =<! dispersas no meio e s#o
incorporados J cromatina. Esse =<! pode ser proveniente, por eBemplo, de bact/rias
mortas. Esse processo ocorre espontaneamente na nature-a.
5s cientistas t$m utili-ado a transforma"#o como uma t/cnica de 7ngenharia Genética,
para introdu-ir genes de diferentes esp/cies em c/lulas bacterianas.

Hransdu"#o
<a transdu"#o, mol/culas de =<! s#o transferidas de uma bact/ria a outra usando vírus
como vetores &bact/ri9fagos). Estes, ao se montar dentro das bact/rias, podem
eventualmente incluir peda"os de =<! da bact/ria *ue lhes serviu de hospedeira. .o
infectar outra bactéria# o vírus que leva o ,?. bacteriano o transfere >unto com o
seu. 6e a bact/ria sobreviver J infec"#o viral, pode passar a incluir os genes de outra
bact/ria em seu genoma.


Con8uga"#o
<a con8uga"#o bacteriana, peda"os de =<! passam diretamente de uma bact/ria doadora,
o ]macho], para uma receptora, a ]f$mea]. >sso acontece atrav/s de microsc9picos tubos
prot/icos, chamados ili, *ue as bact/rias ]macho] possuem em sua superfície.
5 fragmento de =<! transferido se recombina com o cromossomo da bact/ria ]f$mea],
produ-indo novas misturas gen/ticas, *ue ser#o transmitidas Js c/lulasGfilhas na pr9Bima
divis#o celular.

Con8uga"#o bacterian mostrando o pili seBual.


,oenças rovocadas or bactérias

7act/rias patog$nicas
!s bact/rias patog$nicas s#o a*uelas *ue causam doen"as, como a tuberculose e a lepra,
al/m de outras *ue voc$ estudará a seguir.
5s antibi%ticos s#o medicamentos utili-ados no combate Js doen"as causadas por
bact/riasK por/m, o seu uso n#o deve ser indiscriminado, isto /, sem receita m/dica ou por
períodos de tempo incorreto. >sso acaba por selecionar e favorecer linhagens de bact/rias
resistentes, dificultando a cura de várias infec"Fes.
! seguir, as principais doen"as causadas por bact/rias ao ser humano:
HuberculoseGTanseníaseGC9leraGH/tanoG4eningite Q=ifteriaGVeptospiroseGCo*uelucheG
6ífilisGXonorr/ia

Seino Protista

! compleBidade da c/lula eucari9tica de um proto-oário / t#o grande, *ue ela G so-inha G
eBecuta todas as fun"Fes *ue tecidos, 9rg#os e sistemas reali-am em um ser pluricelular
compleBo. Vocomo"#o, respira"#o, eBcre"#o, controle hídrico, reprodu"#o e relacionamento
com o ambiente, tudo / eBecutado por uma .nica c/lula, *ue conta com algumas estruturas
capa-es de reali-ar alguns desses pap/is específicos, como em um organismo pluricelular.
6egundo a classifica"#o dos seres vivos em cinco reinos &\hitta_er Q 0L'L), um deles, o
dos Protistas, agrupa organismos eucariontes# unicelulares# aut%trofos e heter%trofos.
<este reino se colocam as algas inferiores: euglen9fitas, pirr9fitas &dinoflagelados) e
cris9fitas &diatomáceas), *ue s#o rotistas aut%trofos &fotossinteti-antes). 5s roto$oários
s#o rotistas heter%trofos.

! c/lula

! c/lula de um protista / semelhante Js
c/lulas de animais e plantas, mas há
particularidades. 5s plastos das algas
s#o diferentes dos das plantas *uanto J
sua organi-a"#o interna de membranas
fotossint/ticas.
5correm cílios e flagelos para a
locomo"#o. ! c/lula do proto-oário tem
uma membrana simples ou refor"ada
por capas eBternas prot/icas ou, ainda,
por carapa"as minerais, como certas
amebas &tecamebas).
5s radiolários e helio-oários possuem
um esqueleto intracelular comosto
de sílica.

5s foraminíferos s#o dotados de caraaças externas feitas de carbonato de cálcio. !s
algas diatomáceas possuem caraaças silicosas.
5s protistas podem ainda ter adapta"Fes de forma e estrutura de acordo com o seu modo de
vida: arasita# ou de vida livre.
5 citoplasma está diferenciado em duas -onas, uma eBterna, hialina, o ectoplasma, e outra
interna, granular, o endoplasma. <esta, eBistem vac.olos digestivos e inclusFes.

5rigem

5s proto-oários constituem um grupo de eucariontes com
cerca de 2( mil esp/cies. ? um grupo diversificado,
heterog$neo, *ue evoluiu a partir de algas unicelulares. Em
alguns casos essa origem tornaGse bem clara, como por
eBemplo no grupo de flagelados. Tá registro f9ssil de
proto-oários com carapa"as &foraminíferos), *ue viveram há
mais de 0,: bilh#o de anos, na
Era Protero-9ica. Xrandes eBtensFes do fundo dos mares
apresentam espessas camadas de dep9sitos de carapa"as de
certas esp/cies de radiolários e foraminíferos. 6#o as
chamadas vasas.
.o lado: 4icroscopia eletrEnica da carapa"a presente
eBternamente J c/lula de uma esp/cie de radiolário.

Tabitat
5s proto-oários s#o, na grande maioria, aquáticos, vivendo nos mares, rios, tan*ues,
a*uários, po"as, lodo e terra .mida. Tá esp/cies mutualísticas e muitas s#o arasitas de
invertebrados e vertebrados. Eles s#o organismos microsc9picos, mas há esp/cies de 2 a 3
mm. !lguns formam col+nias livres ou s/sseis.
Ma-em parte do plAncton &con8unto de seres *ue vivem em suspens#o na água dos rios,
lagos e oceanos, carregados passivamente pelas ondas e correntes). <o plAncton
distinguemGse dois grupos de organismos:
• fitol&ncton: organismos produtores &fotossinteti-adores), representados
principalmente por dinoflagelados e diatomáceas, constituem a base de sustenta"#o
da cadeia alimentar nos mares e lagos . 6#o responsáveis por mais de L(N da
fotossíntese no planeta.
• $ool&ncton: organismos consumidores, isto /, heter9trofos, representados
principalmente por proto-oários, pe*uenos crustáceos e larvas de muitos
invertebrados e de peiBes.

/lassificaç!o
! classifica"#o dos proto-oários baseiaGse fundamentalmente nos tipos de reroduç!o e de
organelas locomotoras.
! locomo"#o se fa- por batimento ciliar, flagelar, por emiss!o de seud%odos e at/ por
simples desli$amento de todo o coro celular. Em alguns ciliados há, no lugar do
citoplasma, filamentos contráteis, os mionemas. 5s pseud9podos, embora sendo eBpansFes
variáveis do citoplasma, podem se apresentar sob diferentes formas.
<a tend$ncia moderna, os proto-oários est#o incluídos no Seino Protista, subdivididos em
*uatro filos:

6i$%odes ou (acorníceos
6#o amebas &CnusD)K radiolários e foraminíferos &t$m carapa"as com formas bastante
vistosas, feitas de calcário ou de sílica G importantes indicadores da eBist$ncia de 8a-idas de
petr9leo)
6#o marinhos, de água doce ou parasitas &Entamoea histolytica). H$m um ou mais
n.cleos, vac.olos digestivos e vac.olos contráteis &apenas nos de água doce).
5s Si-9podes caracteri-amGse por apresentarem seud%odes como estrutura de
locomo"#o e captura de alimentos. 6#o pro8e"Fes da c/lula, *ue se deforma toda, *ue
encaminham a ameba para várias dire"Fes. 5 mecanismo *ue leva J forma"#o dos
pseud9podes está ho8e ra-oavelmente esclarecido: na regi#o de forma"#o de uma dessas
pro8e"Fes, a parte viscosa do citoplasma se torna fluida, permitindo *ue o restante da c/lula
flua nessa dire"#o. @ários pseud9podos podem ser formados ao mesmo tempo,
modificando constantemente a forma da ameba. 5s pseud9podos, na ameba, n#o servem
apenas para a locomo"#o. Hamb/m s#o utili-ados para a captura de alimento: pe*uenas
algas, bact/rias, partículas soltas na água etc. Eles rodeiam o alimento e o englobam.
5 vac3olo alimentar formado &tamb/m chamado de fagossomo) uneGse a lisossomo e se
transforma em vac.olo digestivo. >niciaGse a digest#o, a partir de en-imas lisossEmicas *ue
atuam em meio ácido. Progressivamente, o conte.do do vac.olo digestivo tornaGse alcalino,
at/ completarGse a digest#o. !s partículas digeridas atravessam a membrana do vac.olo,
espalhamGse pelo citoplasma e v#o participar do metabolismo celular. Partículas residuais
s#o eBpelidas da c/lula pela fus#o da parede do vac.olo com a superfície da c/lula, em um
processo inverso ao da fagocitose.
!s amebas de vida livre *ue vivem em água doce apresentam vac3olo contrátil ou pulsátil
para osmorregula"#o, eliminando o eBcesso de água *ue vai entrando no seu citoplasma
&hipertEnico), vindo do ambiente mais diluído &hipotEnico).

4icroscopia de um ris9pode.

Em condi"Fes desfavoráveis, por eBemplo su8eita J desidrata"#o, a Entamoeba produ-
formas de resist$ncia, os cistos, com *uatro n.cleos no seu interior &parti"#o m.ltipla).
! reroduç!o assexuada / por biartiç!o simles ou cissiparidade &mecanismo
semelhante a mitose).
=entre as amebas / importante a Entamoeba histoldtica, *ue parasita o intestino humano,
causando a disenteria amebiana ou amebíase.

Seino Mungi

5s fungos s#o popularmente conhecidos por bolores# mofos# fermentos# levedos# orelhas:
de:au# trufas e cogumelos:de:chaéu &champignon). ? um grupo bastante numeroso,
formado por cerca de 2((.((( esp/cies espalhadas por praticamente *ual*uer tipo de
ambiente.

5s Mungos e sua >mportAncia

Ecol9gica
5s fungos apresentam grande variedade de modos de vida. Podem viver como sar%fagos,
*uando obt$m seus alimentos decompondo organismos mortosK como arasitas, *uando se
alimentam de substAncias *ue retiram dos organismos vivos nos *uais se instalam,
pre8udicandoGo ou podendo estabelecer associa"Fes mutualísticas com outros organismos,
em *ue ambos se beneficiam. !l/m desses modos mais comuns de vida, eBistem alguns
grupos de fungos considerados redadores *ue capturam pe*uenos animais e deles se
alimentam.
Em todos os casos mencionados, os fungos liberam en$imas digestivas ara fora de seus
coros. Essas en-imas atuam imediatamente no meio orgAnico no *ual eles se instalam,
degradandoGo J mol/culas simples, *ue s#o absorvidas pelo fungo como uma solu"#o
a*uosa.
Mungos apodrecendo o
morango.

5s fungos sar%fagos s#o responsáveis por grande parte da
degrada"#o da mat/ria orgAnica, propiciando a reciclagem de
nutrientes. Wuntamente com as bact/rias sapr9fagas, eles
compFem o grupos dos organismos decompositores, de grande
importAncia ecol9gica. <o processo da decomposi"#o, a mat/ria
orgAnica contida em organismos mortos / devolvida ao ambiente,
podendo ser novamente utili-ada por outros organismos.
!pesar desse aspecto positivo da decomposi"#o, os fungos s#o
responsáveis pelo apodrecimento de alimentos, de madeira
utili-ada em diferentes tipos de constru"Fes de tecidos,
provocando s/rios pre8uí-os econEmicos. 5s fungos parasitas
provocam doen"as em plantas e em animais, inclusive no homem.

! ferrugem do cafeeiro, por eBemplo, / uma arasitose rovocada or fungoK as
pe*uenas manchas negras, indicando necrose em folhas, como a da so8a, ilustrada a seguir,
s#o devidas ao ata*ue por fungos.

Molha da so8a com sintomas da ferrugem asiática.

Em muitos casos os fungos parasitas das plantas possuem hifas especiali-adas G haust9rios G
*ue penetram nas c/lulas do hospedeiro usando os estomas como porta de entrada para a
estrutura vegetal. =as c/lulas da planta captam a".cares para a sua alimenta"#o.
=entre os fungos mutualísticos, eBistem os *ue vivem associados a raí-es de plantas
formando as micorri$as &micoP fungoK ri-as P raí-es). <esses casos os fungos degradam
materiais do solo, absorvem esses materiais degradados e os transferem J planta,
propiciandoGlhe um crescimento sadio. ! planta, por sua ve-, cede ao fungo certos a"ucares
e aminoácidos de *ue ele necessita para viver.

!lgumas plantas *ue formam as micorri-as naturalmente s#o o tomateiro, o morangueiro, a
macieira e as gramínias em geral.
!s micorri-as s#o muito fre*Oentes tamb/m em plantas típicas de ambientes com solo
pobre de nutrientes minerais, como os cerrados, no territ9rio brasileiro. <esses casos, elas
representam um fator importAnte de adapta"#o, melhorando as condi"Fes de nutri"#o da
planta.
Certos grupos de fungos podem estabelecer associa"Fes mutualísticas com cianobact/rias
ou com algas verdes, dando origem a organismos denominados líquens. Estes ser#o
discutidos posteriormente.

EconEmica
4uito fungos s#o aer9bios, isto /, reali-am a respira"#o, mas alguns s#o anaer%bios e
reali-am a fermentaç!o.
Camembert

=estes .ltimos, alguns s#o utili-ados no processo de
fabricaç!o de bebidas alco%licas, como a cerve8a e o
vinho, e no processo de prepara"#o do p#o. <esses
processos, o fungo utili-ado pertence J esp/cie
&accharomyces cere$isiae, capa- de transformar o a"ucar
em alcool etílico e C5
2
&fermenta"#o alco9lica), na
aus$ncia de 5
2
. <a presen"a de 5
2
reali-am a respira"#o.
Eles s#o, por isso, chamados de anaer%bios facultativos.
<a fabrica"#o de bebidas alco9licas o importante / o
alcool produ-ido na fermenta"#o, en*uanto, na
prepara"#o do p#o, / o C5
2
. <este .ltimo caso, o C5
2
*ue vai sendo formado se acumula no interior da massa,
originando pe*uenas bolhas *ue tornam o p#o poroso e
mais leve.

So*uefort

5 aprisionamento do C5
2
na massa s9 / possivel devido
ao alto teor de gl.ten na farinha de trigo, *ue dá a ]liga]
do p#o. P#es feitos com farinhas pobres em gl.ten n#o
crescem tanto *uanto os feitos com farinha rica em
gl.ten.
>mediatamente antes de ser assado, o teor alco9lico do
p#o chega a (,:NK ao assar, esse álcool evapora, dando
ao p#o um aroma agradável.
!lguns fungos s#o utili-ados na ind.stria de laticínios,
como / o caso do !enicillium camemerti e do
!enicillium ro'ueforte, empregados na fabrica"#o dos
*uei8os Camembert e So*uefort, respectivamente.

!lgumas esp/cies de fungos s#o utili-adas diretamente como alimento pelo homem. ? o
caso da #orchella e da esp/cie %garicus runnescens, o popular cogumelo ou champignon,
uma das mais amplamente cultivadas no mundo.
#orchella

%garicus

=oen"as Causadas por Mungos
1icose em couro cabeludo

!s micoses *ue aparecem comumente nos homens
s#o doen"as provocadas por fungos. !s mais
comuns ocorrem na pele, podendoGse manifestar
em *ual*uer parte da superfície do corpo.
6#o comuns as micoses do couro cabeludo e da
barba &ptiríase), das unhas e as *ue causam as
frieiras &p/GdeGatleta).
!s micoses podem afetar tamb/m as mucosas
como a da boca. ? o caso so sapinho, muito
comum em crian"as. Essa doen"a se manifesta por
multiplos pontos brancos na mucosa.
EBistem, tamb/m, fungos *ue parasitam o interior
do organismo, como / o caso do fungo causador
da histoplasmose, doen"a grave *ue ataca os
pulmFes.

Mungos Inicelulares
R primeira vista, parece *ue todo o fungo / macrosc9pico. EBistem, por/m, fungos
microsc%icos# unicelulares. Entre estes, pode ser citado o &accharomyces cere$isiae.
Esse fungo / utili-ado para a fabrica"#o de p#o, cacha"a, cerve8a etc., gra"as J fermenta"#o
*ue ele reali-a.

&accharomyces: fungos unicelulares. <ote *ue os pe*uenos brotos s#o novos indivíduos
*ue est#o sendo formados por reprodu"#oo asseBuada.

Mungos Pluricelulares
5s fungos pluricelulares possuem uma
característica morfol9gica *ue os diferencia dos
demais seres vivos. 6eu corpo / constituído por
dois componentes: o coro de frutificaç!o /
responsável pela reprodu"#o do fungo, por meio
de c/lulas reprodutoras especiais, os esoros, e o
micélio / constituído por uma trama de
filamentos, onde cada filamento / chamado de
hifa.
<a maioria dos fungos, a parede celular /
compleBa e constituída de quitina, a mesma
substAncia encontrada no esqueleto dos
artr%odes.
5 carboidrato de reserva energ/tica da maioria
dos fungos / o glicog5nio, do mesmo modo *ue
acontece com os animais.

Hipos de Tifas
=ependendo do grupo de fungos, as hifas podem
apresentar diferentes tipos de organi-a"#o. <as
hifas cenocíticas, presentes em fungos simples, o
fio / contínuo e o citoplasma cont/m numerosos
n.cleos nele inserido.

Mungos mais compleBos, possuem hifas septadas, isto /, há paredes divis9rias &septos) *ue
separam o filamento internamente em segmentos mais ou menos parecidos. Em cada septo
há poros *ue permitem o livre trAnsito de material citoplasmático de um compartimento a
outro.


Hipos de hifasG Pelos poros das hifas septadas ocorre trAnsito de citoplasma e de n.cleos de
uma c/lula para outra. <os fungos, os n.cleos s#o hapl9ides.

Seprodu"#o nos fungos
Seprodu"#o !sseBuada

-ragmentaç!o
! maneira mais simples de um fungo filamentoso
se reprodu-ir asseBuadamente / por fragmentaç!o:
um mic/lio se fragmenta originando novos
mic/lios.
@rotamento
Veveduras como &accharomyces cere$isae se
reprodu-em por brotamento ou gemulaç!o. 5s
brotos &g$mulas) normalmente se separam do
genitor mas, eventualmente, podem permanecer
grudados, formando cadeias de c/lulas.
7sorulaç!o
<os fungos terrestres, os corpos de frutifica"#o
produ-em, por mitose, c/lulas abundantes, leves,
*ue s#o espalhadas pelo meio. Cada c/lulas dessas,
um esporo conhecido como conidi9sporo &do grego,

Varan8a contaminada com !enicillium
sp , vista a olho n..
_9nis P poeira), ao cair em um material apropriado,
/ capa- de gerar so-inha um novo mofo, bolor etc.
Para a produ"#o desse tipo de esporo a ponta de
uma hifa destacaGse do substrato e, repentinamente,
produ- centenas de conidi%soros, *ue permanem
unidos at/ serem liberados. ? o *ue acontece com o
fungo penicillium, *ue assim foi chamado devido
ao fato de a estrutura produtora de esporos G o
conídio G se assemelhar a um pincel.
.o lado: 4icografia eletrEnica de varredura
mostrando o corpo de frutifica"#o do !enicillium
sp. fre*uente bolor encontrado em frutas. 5s
pe*uenos e leves esporos esf/ricos &conidi9sporos)
brotam de conídios *ue surgem na eBtremidade de
uma hifa especiali-ada, o conidi9foro.
Em certos fungos a*uáticos, os esporos s#o dotados de flagelos, uma adapta"#o J dispers#o
em meio lí*uido. Por serem m9veis e nadarem ativamente, esses esporos s#o chamados
$o%soros.
Pes'uise so-re as seguintes viroses e -acterioses3
&viroses)SesfriadoComumKCaBumbaKSaivaKSub/olaK6arampoKTepatitesK=engueKPoliomieliteK
Mebre amarelaK@aricela ou CataporaK @aríolaK 4eningite viralK4ononucleose
>nfecciosaKTerpesKCondilomaK!>=6.
&bacterioses) HuberculoseGTanseníaseGC9leraGH/tanoG4eningite Q=ifteriaGVeptospiroseG
Co*uelucheG6ífilisGXonorr/ia
31!<5 =5 E<6><5 4?=>5
Xen/tica
=esde os tempos mais remotos o homem tomou consci$ncia da importAncia do macho e da
f$mea na gera"#o de seres da mesma esp/cie, e *ue características como altura, cor da pele
etc. eram transmitidas dos pais para os descendentes. !ssim, com certe-a, uma cadela
*uando cru-ar com um c#o, irá originar um filhote com características de um c#o e nunca
de um gato. 4as por*ueU
4endel, o iniciador da gen/tica
Xregor 4endel nasceu em 0Y22, em Tein-endorf, na ^ustria. Era filho de pe*uenos
fa-endeiros e, apesar de bom aluno, teve de superar dificuldades financeiras para conseguir
estudar. Em 0Y+3, ingressou como novi"o no mosteiro de agostiniano da cidade de 7rOnn,
ho8e 7rno, na atual Sep.blica Hcheca.
!p9s ter sido ordenado monge, em 0Y+[, 4endel ingressou na Iniversidade de @iena,
onde estudou matemática e ci$ncias por dois anos. Ele *ueria ser professor de ci$ncias
naturais, mas foi mal sucedido nos eBames.
=e volta a 7rOnn, onde passou o resto da vida. 4endel continuou interessado em ci$ncias.
Me- estudos meteorol9gicos, estudou a vida das abelhas e cultivou plantas, tendo produ-ido
novas variedades de ma"as e peras. Entre 0Y:' e 0Y':, reali-ou uma s/rie de eBperimentos
com ervilhas, com o ob8etivo de entender como as características hereditárias eram
transmitidas de pais para filhos.
Em Y de mar"o de 0Y':, 4endel apresentou um trabalho J 6ociedade de Tist9ria <atural
de 7rOnn, no *ual enunciava as suas leis de hereditariedade, dedu-idas das eBperi$ncias
com as ervilhas. Publicado em 0Y'', com data de 0Y':, esse trabalho permaneu
praticamente desconhecido do mundo científico at/ o início do s/culo ZZ. Pelo *ue se
sabe, poucos leram a publica"#o, e os *ue leram n#o conseguiram compreender sua enorme
importAncia para a 7iologia. !s leis de 4endel foram redescobertas apenas em 0L((, por
tr$s pes*uisadores *ue trabalhavam independentemente.
4endel morreu em 7rOnn, em 0YY+. 5s .ltimos anos de sua vida foram amargos e cheios
de desapontamento. 5s trabalhos administrativos do mosteiro o impediam de se dedicar
eBclusivamente J ci$ncia, e o monge se sentia frustrado por n#o ter obtido *ual*uer
reconhecimento p.blico pela sua importante descoberta. To8e 4endel / tido como uma das
figuras mais importantes no mundo científico, sendo considerado o CpaiD da Xen/tica. <o
mosteiro onde viveu eBiste um monumento em sua homenagem, e os 8ardins onde foram
reali-ados os c/lebres eBperimentos com ervilhas at/ ho8e s#o conservados.
5s eBperimentos de 4endel
. escolha da lanta
! ervilha / uma planta herbácea leguminosa *ue pertence ao mesmo grupo do fei8#o e da
so8a. <a reprodu"#o, surgem vagens contendo sementes, as ervilhas. 6ua escolha como
material de eBperi$ncia n#o foi casual: uma planta fácil de cultivar, de ciclo reprodutivo
curto e *ue produ- muitas sementes. =esde os tempos de 4endel eBistiam muitas
variedades disponíveis, dotadas de características de fácil compara"#o. Por eBemplo, a
variedade *ue flores p.rpuras podia ser comparada com a *ue produ-ia flores brancasK a
*ue produ-ia sementes lisas poderia ser comparada cm a *ue produ-ia sementes rugosas, e
assim por diante. 5utra vantagem dessas plantas / *ue estame e pistilo, os componentes
envolvidos na reprodu"#o seBuada do vegetal, ficam encerrados no interior da mesma flor,
protegidas pelas p/talas. >sso favorece a autopolini-a"#o e, por eBtens#o, a autofecunda"#o,
formando descendentes com as mesmas características das plantas genitoras.
! partir da autopolini-a"#o, 4endel produ-iu e separou diversas linhagens puras de
ervilhas para as características *ue ele pretendia estudar. Por eBemplo, para cor de flor,
plantas de flores de cor de p.rpura sempre produ-iam como descendentes plantas de flores
p.rpuras, o mesmo ocorrendo com o cru-amento de plantas cu8as flores eram brancas.
4endel estudou sete características nas plantas de ervilhas: cor da flor, posi"#o da flor no
caule, cor da semente, aspecto eBterno da semente, forma da vagem, cor da vagem e altura
da planta.
5s cru-amentos
=epois de obter linhagens puras, 4endel efetuou um cru-amento diferente. Cortou os
estames de uma flor proveniente de semente verde e depois depositou, nos estigmas dessa
flor, p9len de uma planta proveniente de semente amarela. Efetuou, ent#o, artificialmente,
uma polini-a"#o cru-ada: p9len de uma planta *ue produ-ia apenas semente amarela foi
depositado no estigma de outra planta *ue s9 produ-ia semente verde, ou se8a, cru-ou duas
plantas puras entre si. Essas duas plantas foram consideradas como a gera"#o parental &P),
isto /, a dos genitores.
!p9s repetir o mesmo procedimento diversas ve-es, 4endel verificou *ue todas as
sementes originadas desses cru-amentos eram amarelas Q a cor verde havia aparentemente
CdesaparecidoD nos descendentes híbridos &resultantes do cru-amento das plantas), *ue
4endel chamou de M
0
&primeira gera"#o filial). Concluiu, ent#o, *ue a cor amarela
DdominavaE a cor verde. Chamou o caráter cor amarela da semente de dominante e o
verde de recessivo .
! seguir, 4endel fe- germinar as sementes obtidas em M
0
at/ surgirem as plantas e as
flores. =eiBou *ue se autofertili-assem e aí houve a surpresa: a cor verde das sementes
reapareceu na M
2
&segunda gera"#o filial), s9 eu em propor"#o menor *ue as de cor amarela:
surgiram '.(22 sementes amarelas para 2.((0 verdes, o *ue condu-ia a roorç!o F:G.
Concluiu *ue na verdade, a cor verde das sementes n#o havia CdesaparecidoD nas sementes
da gera"#o M
0
. 5 *ue ocorreu / *ue ela n#o tinha se manifestado, uma ve- *ue, sendo uma
caráter recessivo, era apenas CdominadoD &nas palavras de 4endel) pela cor amarela.
4endel concluiu *ue a cor das sementes era determinada por dois fatores, cada um
determinando o surgimento de uma cor, amarela ou verde.
Era necessário definir uma simbologia para representar esses fatores: escolheu a inicial do
caráter recessivo. !ssim, a letra v &inicial de verde), min.scula, simboli-ava o fator
recessivo. .ssim# a letra v (inicial de verde)# min3scula# simboli$ava o fator recessivo H
ara cor verse H e a letra 0# mai3scula# o fator dominante H ara cor amarela.
@@ vv @v
6emente amarela
pura
6emente verde
pura
6emente amarela
híbrida
Persistia, por/m, uma d.vida : como eBplicar o desaparecimento da cor verde na gera"#o M
0
e o seu reaparecimento na gera"#o M
2
U ! resposta surgiu a partir do conhecimento de *ue
cada um dos fatores se separava durante a forma"#o das c/lulas reprodutoras, os gametas:
=essa forma, podemos entender como o material hereditário passa de uma gera"#o para a
outra. !companhe nos es*uemas abaiBo os procedimentos adorados por 4endel com
rela"#o ao caráter cor da semente em ervilhas.
Sesultado: em M
2
, para cada tr$s sementes amarelas, 4endel obteve uma semente de cor
verde. Sepetindo o procedimento para outras seis características estudadas nas plantas de
ervilha, sempre eram obtidos os mesmos resultados em M
2
, ou se8a a propor"#o de tr$s
eBpressFes dominantes para uma recessiva.
8eis de 1endel
0ª Vei de 4endel: Vei da 6egrega"#o dos Matores
! comprova"#o da hip9tese de dominAncia e recessividade nos vários eBperimentos
efetuados por 4endel levou, mais tarde J formula"#o da sua GI lei: D/ada característica é
determinada or dois fatores que se searam na formaç!o dos gametas# onde ocorrem
em dose simlesE, isto /, para cada gameta masculino ou feminino encaminhaGse apenas
um fator.
4endel n#o tinha id/ia da constitui"#o desses fatores, nem onde se locali-avam.
!s bases celulares da segrega"#o
! redescoberta dos trabalhos de 4endel, em 0L((, trouBe a *uest#o: onde est#o os fatores
hereditários e como eles se segregamU
Em 0L(2, en*uanto estudava a forma"#o dos gametas em gafanhotos, o pes*uisador norte
americano \alter 6. 6utton notou surpreendente semelhan"a entre o comportamento dos
cromossomos hom9logos, *ue se separavam durante a meiose, e os fatores imaginados por
4endel. 6utton lan"ou a hip9tese de *ue os pares de fatores hereditários estavam
locali-ados em pares de cromossomos hom9logos, de tal maneira *ue a separa"#o dos
hom9logos levava J segrega"#o dos fatores.
To8e sabemos *ue os fatores a *ue 4endel se referiu s#o os genes &do grego genos,
originar, provir), e *ue realmente est#o locali-ados nos cromossomos, como 6utton havia
proposto. !s diferentes formas sob as *uais um gene pode se apresentar s#o denominadas
alelos. ! cor amarela e a cor verde da semente de ervilha, por eBemplo, s#o determinadas
por dois alelos, isto /, duas diferentes formas do gene para cor da semente.
7xemlo da rimeira lei de 1endel em um animal
@amos estudar um eBemplo da aplica"#o da primeira lei de 4endel em um animal,
aproveitando para aplicar a terminologia modernamente usada em Xen/tica. !
característica *ue escolhemos foi a cor da pelagem de cobaias, *ue pode ser preta ou
branca. =e acordo com uma conven"#o largamente aceita, representaremos por 7 o alelo
dominante, *ue condiciona a cor preta, e por b o alelo recessivo, *ue condiciona a cor
branca.
Ima t/cnica simples de combinar os gametas produ-idos pelos indivíduos de M
0
para obter
a constitui"#o gen/tica dos indivíduos de M
2
/ a montagem do *uadrado de Punnet. Este
consiste em um *uadro, com n.mero de fileiras e de colunas *ue correspondem
respectivamente, aos tipos de gametas masculinos e femininos formados no cru-amento. 5
*uadrado de Punnet para o cru-amento de cobaias hetero-igotas /:
Xametas maternos
7 b
7
Xametas paternos
b

77
Preto
7b
Preto
7b
Preto
bb
7ranco
5s conceitos de fen9tipo e gen9tipo
=ois conceitos importantes para o desenvolvimento da gen/tica, no come"o do s/culo ZZ,
foram os de fen9tipo e gen9tipo, criados pelo pes*uisador dinamar*u$s \ilhelm V.
Wohannsen &0Y:[ Q 0L02).
Men9tipo
5 termo Cfen9tipoD &do grego pheno, evidente, brilhante, e typos, característico) /
empregado para designar as características apresentadas por um indivíduo, se8am elas
morfol9gicas, fisiol9gicas e comportamentais. Hamb/m fa-em parte do fen9tipo
características microsc9picas e de nature-a bio*uímica, *ue necessitam de testes especiais
para a sua identifica"#o.
Entre as características fenotípicas visíveis, podemos citar a cor de uma flor, a cor dos
olhos de uma pessoa, a teBtura do cabelo, a cor do p$lo de um animal, etc. Wá o tipo
sanguíneo e a se*O$ncia de aminoácidos de uma proteína s#o características fenotípicas
revelada apenas mediante testes especiais.
5 fen9tipo de um indivíduo sofre transforma"Fes com o passar do tempo. Por eBemplo, J
medida *ue envelhecemos o nosso corpo se modifica. Matores ambientais tamb/m podem
alterar o fen9tipo: se ficarmos eBpostos J lu- do sol, nossa pele escurecerá.
Xen9tipo
5 termo Cgen9tipoD &do grego genos, originar, provir, e typos, característica) refereGse J
cosntitui"#o gen/tica do indivíduo, ou se8a, aos genes *ue ele possui. Estamos nos referindo
ao gen9tipo *uando di-emos, por eBemplo, *ue uma planta de ervilha / homo-igota
dominante &@@) ou hetero-igota &@v) em rela"#o J cor da semente.
Men9tipo: gen9tipo e ambiente em intera"#o
5 fen9tipo resulta da intera"#o do gen9tipo com o ambiente. Consideremos, por eBemplo,
duas pessoas *ue tenham os mesmos tipos de alelos para pigmenta"#o da peleK se uma delas
toma sol com mais fre*O$ncia *ue a outra, suas tonalidades de pele, fen9tipo, s#o
diferentes.
Im eBemplo interessante de intera"#o entre gen9tipo e ambiente na produ"#o do fen9tipo /
a rea"#o dos coelhos da ra"a himalaia J temperatura. Em temperaturas baiBas, os p$los
crescem pretos e, em temperaturas altas, crescem brancos. ! pelagem normal desses
coelhos / branca, menos nas eBtremidades do corpo &focinho, orelha, rabo e patas), *ue, por
perderem mais calor e apresentarem temperatura mais baiBa, desenvolvem pelagem preta.
=eterminando o gen9tipo
En*uanto *ue o fen9tipo de um indivíduo pode ser observado diretamente, mesmo *ue se8a
atrav/s de instrumentos, o gen9tipo tem *ue ser inferido atrav/s da observa"#o do fen9tipo,
da análise de seus pais, filhos e de outros parentes ou ainda pelo se*Oenciamento do
genoma do indivíduo, ou se8a, leitura do *ue está nos genes. ! t/cnica do se*Oenciamento,
n#o / amplamente utili-ada, devido ao seu alto custo e pela necessidade de aparelhagem
especiali-ada. Por esse motivo a observa"#o do fen9tipo e análise dos parentes ainda / o
recurso mais utili-ado para se conhecer o gen9tipo.
uando um indivíduo apresenta o fen9tipo condicionado pelo alelo recessivo, concluiGse
*ue ele / homo-igoto *uanto ao alelo em *uest#o. Por eBemplo, uma semente de ervilha
verde / sempre homo-igota vv. Wá um indivíduo *ue apresenta o fen9tipo condicionado
pelo alelo dominante poderá ser homo-igoto ou hetero-igoto. Ima semente de ervilha
amarela, por eBemplo, pode ter gen9tipo @@ ou @v. <esse caso, o gen9tipo do indivíduo s9
poderá ser determinado pela análise de seus pais e de seus descendentes.
Caso o indivíduo com fen9tipo dominante se8a filho de pai com fen9tipo recessivo, ele
certamente será hetero-igoto, pois herdou do pai uma alelo recessivo. Entretanto, se ambos
os pais t$m fen9tipo dominante, nada se pode afirmar. 6erá necessário analisar a
descend$ncia do indivíduo em estudo: se algum filho eBibir o fen9tipo recessivo, isso
indica *ue ele / hetero-igoto.
/ru$amento:teste
Este cru-amento / feito com um indivíduo homo-ig9tico recessivo para o fator *ue se
pretende estudar, *ue facilmente se identifica pelo seu fen9tipo e um outro de gen9tipo
conhecido ou n#o. Por eBemplo, se cru-armos um macho desconhecido com uma f$mea
recessiva podemos determinar se o macho / portador da*uele caráter recessivo ou se /
puro. Caso este se8a puro todos os filhos ser#o como ele, se for portador 2:N ser#o brancos,
etc. Esta eBplica"#o / muito básica, pois geralmente / preciso um pouco mais do *ue este
.nico cru-amento.
! limita"#o destes cru-amentos está no fato de n#o permitirem identificar portadores de
alelos m.ltiplos para a mesma característica, ou se8a, podem eBistir em alguns casos mais
do *ue dois alelos para o mesmo gene e o efeito da sua combina"#o variar. !l/m disso,
podemos estar a cru-ar para um fator para o *ual o macho ou f$mea a testar n#o s#o
portadores, mas serem para outros.
Construindo um heredograma
<o caso da esp/cie humana, em *ue n#o se pode reali-ar eBperi$ncias com cru-amentos
dirigidos, a determina"#o do padr#o de heran"a das características depende de um
levantamento do hist9rico das famílias em *ue certas características aparecem. >sso permite
ao geneticista saber se uma dada característica / ou n#o hereditária e de *ue modo ela /
herdada. Esse levantamento / feito na forma de uma representa"#o gráfica denominada
heredograma &do latim heredium, heran"a), tamb/m conhecida como genealogia ou árvore
geneal9gica.
Construir um heredograma consiste em representar, usando símbolos, as rela"Fes de
parentesco entre os indivíduos de uma família. Cada indivíduo / representado por um
símbolo *ue indica as suas características particulares e sua rela"#o de parentesco com os
demais.
>ndivíduos do seBo masculino s#o representados por um *uadrado, e os do seBo feminino,
por um círculo. 5 casamento, no sentido biol9gico de procria"#o, / indicado por um tra"o
hori-ontal *ue une os dois membros do casal. 5s filhos de um casamento s#o representados
por tra"os verticais unidos ao tra"o hori-ontal do casal.
5s principais símbolos s#o os seguintes:
! montagem de um heredograma obedece a algumas regras:
0ª) Em cada casal, o homem deve ser colocado J es*uerda, e a mulher J direita, sempre *ue
for possível.
2ª) 5s filhos devem ser colocados em ordem de nascimento, da es*uerda para a direita.
3ª) Cada gera"#o *ue se sucede / indicada por algarismos romanos &>, >>, >>>, etc.). =entro
de cada gera"#o, os indivíduos s#o indicados por algarismos arábicos, da es*uerda para a
direita. 5utra possibilidade / se indicar todos os indivíduos de um heredograma por
algarismos arábicos, come"andoGse pelo primeiro da es*uerda, da primeira gera"#o.
>nterpreta"#o dos Teredogramas:
! análise dos heredogramas pode permitir se determinar o padr#o de heran"a de uma certa
característica &se / autossEmica, se / dominante ou recessiva, etc.). Permite, ainda,
descobrir o gen9tipo das pessoas envolvidas, se n#o de todas, pelo menos de parte delas.
uando um dos membros de uma genealogia manifesta um fen9tipo dominante, e n#o
conseguimos determinar se ele / homo-igoto dominante ou hetero-igoto, habitualmente o
seu gen9tipo / indicado como !G, 7G ou CG, por eBemplo. ! primeira informa"#o *ue se
procura obter, na análise de um heredograma, / se o caráter em *uest#o / condicionado por
um gene dominante ou recessivo. Para isso, devemos procurar, no heredograma, casais *ue
s#o fenotipicamente iguais e tiveram um ou mais filhos diferentes deles. 6e a característica
permaneceu oculta no casal, e se manifestou no filho, s9 pode ser determinada por um gene
recessivo. Pais fenotipicamente iguais, com um filho diferente deles, indicam *ue o caráter
presente no filho / recessivoe Ima ve- *ue se descobriu *ual / o gene dominante e *ual / o
recessivo, vamos agora locali-ar os homo-igotos recessivos, por*ue todos eles manifestam
o caráter recessivo. =epois disso, podemos come"ar a descobrir os gen9tipos das outras
pessoas. =evemos nos lembrar de duas coisas:
0ª) Em um par de genes alelos, um veio do pai e o outro veio da m#e. 6e um indivíduo /
homo-igoto recessivo, ele deve ter recebido um gene recessivo de cada ancestral.
2ª) 6e um indivíduo / homo-igoto recessivo, ele envia o gene recessivo para todos os seus
filhos. =essa forma, como em um C*uebraGcabe"asD, os outros gen9tipos v#o sendo
descobertos. Hodos os gen9tipos devem ser indicados, mesmo *ue na sua forma parcial &!G,
por eBemplo).
7xemlo:
Em uma árvore desse tipo, as mulheres s#o representadas por círculos e os homens por
*uadrados. 5s casamentos s#o indicados por linhas hori-ontais ligando um círculo a um
*uadrado. 5s algarismos romanos >, >>, >>> J es*uerda da genealogia representam as
gera"Fes. Est#o representadas tr$s gera"Fes. <a primeira há uma mulher e um homem
casados, na segunda, *uatro pessoas, sendo tr$s do seBo feminino e uma do masculino. 5s
indivíduos presos a uma linha hori-ontal por tra"os verticais constituem uma irmandade.
<a segunda gera"#o observaGse o casamento de uma mulher com um homem de uma
irmandade de tr$s pessoas.
=ominAncia incompleta ou CoGdominAncia
<em todas as características s#o herdadas como a cor da semente da ervilha, em *ue o gene
para a cor amarela domina sobre o gene para cor verde. 4uito fre*Oentemente a
combina"#o dos genes alelos diferentes produ- um fen9tipo intermediário. Essa situa"#o
ilustra a chamada dominAncia incompleta ou parcial. Im eBemplo desse tipo de heran"a / a
cor das flores de maravilha. Elas podem ser vermelhas, brancas ou rosas. Plantas *ue
produ-em flores corGdeGrosa s#o hetero-igotas, en*uanto os outros dois fen9tipos s#o
devidos J condi"#o homo-igota. 6upondo *ue o gene @ determine a cor vermelha e o gene
7, cor branca, teríamos:
@@ P flor vermelha
77 P flor branca
@7 P flor corGdeGrosa
!pesar de anteriormente usarmos letras mai.sculas para indicar, respectivamente, os genes
dominantes e recessivos, *uando se trata de dominAncia incompleta muitos autores
preferem utili-ar apenas diferentes letras mai.sculas.
Ma-endo o cru-amento de uma planta de maravilha *ue produ- flores vermelhas com outra
*ue produ- flores brancas e analisando os resultados fenotípicos da gera"#o M
0
e -
;
,
teríamos:
!gora anali-ando os resulados genotípicos de da gera"#o M
0
e -
;
, teríamos:
P:
Mlor 7ranca
7 7
@
Mlor @ermelha
@

7@
corGdeGrosa
7@
corGdeGrosa
@7
corGdeGrosa
@7
corGdeGrosa
-G 4 GBBJ 0@ (flores cor:de:rosa)
Cru-ando, agora, duas plantas hetero-igotas &flores corGdeGrosa), teríamos:
-G Mlor corGdeGrosa
@ 7
@
Mlor corGdeGrosa
7

@@
@ermelha
7@
corGdeGrosa
@7
corGdeGrosa
77
7ranca
-
;
4 Gen%tios: GKL 00# GK; 0@# GKL @@.
-en%tio: GKL lantas com flores vermelhas
GK; lantas com flores cor:de:rosa
GKL lantas com flores brancas
!lelos letais: 5s genes *ue matam
!s muta"Fes *ue ocorrem nos seres vivos s#o totalmente aleat9rias e, Js ve-es, surgem
variedades gen/ticas *ue podem levar a morte do portador antes do nascimento ou, caso ele
sobreviva, antes de atingir a maturidade seBual. Esses genes *ue condu-em J morte do
portador, s#o conhecidos como alelos letais. Por eBemplo, em uma esp/cie de planta eBiste
o gene C, dominante, responsável pela colora"#o verde das folhas. 5 alelo recessivo c,
condiciona a aus$ncia de colora"#o nas folhas, portanto o homo-igoto recessivo cc, morre
ainda na fase 8ovem da planta, pois esta precisa do pigmento verde para produ-ir energia
atrav/s da fotossíntese. 5 hetero-igoto / uma planta saudável, mas n#o t#o eficiente na
capta"#o de energia solar, pela colora"#o verde clara em suas folhas. !ssim, se cru-armos
duas plantas hetero-igotas, de folhas verdes clara, resultará na propor"#o 2:0 fen9tipos
entre os descendentes, ao inv/s da propor"#o de 3:0 *ue seria esperada se fosse um caso
clássico de monoibridismo &cru-amento entre dois indivíduos hetero-igotos para um .nico
gene). <o caso das plantas o homo-igoto recessivo morre logo ap9s germinar, o *ue condu-
a propor"#o 2:0.
P
Planta com folhas verde
claras
C c
C
Planta com folhas verde
claras
CC
@erde escuro
Cc
@erde clara
Cc cc
c
@erde clara >nviável
-
G
4 -en%tio: ;KF 0erde clara
GKF 0erde escura
Gen%tio: ;KF /c
GKF //
Esse curioso caso de genes letais foi descoberto em 0L(+ pelo geneticista franc$s Cu/not,
*ue estranhava o fato de a propor"#o de 3:0 n#o ser obedecida. Vogo, concluiu se tratar de
uma caso de gene recessivo *ue atuava como letal *uando em dose dupla.
<o homem, alguns genes letais provocam a morte do feto. ? o caso dos genes para
acondroplasia, por eBemplo. HrataGse de uma anomalia provocada por gene dominante *ue,
em dose dupla, acarreta a morte do feto, mas em dose simples ocasiona um tipo de
nanismo, entre outras altera"Fes.
2á genes letais no homem# que se manifestam deois do nascimento# alguns na
inf&ncia e outros na idade adulta. <a infAncia, por eBemplo, temos os causadores da
fibrose cística e da distrofia muscular de ,uchenne &anomalia *ue acarreta a
degenera"#o da bainha de mielina nos nervos). =entre os *ue se eBpressam tardiamente na
vida do portador, est#o os causadores da doença de 2untington, em *ue há a deteriora"#o
do tecido nervoso, com perde de c/lulas principalmente em uma parte do c/rebro,
acarretando perda de mem9ria, movimentos involuntários e dese*uilíbrio emocional.



A Engen.aria Gen*tica * uma nova -iotecnoogia$ on!e se mani)uam os genes e o DNA"
E4istem !iversas t*cnicas 'ue visam o a)rimoramento gen*tico !e animais e )antas"
Pes'uisa agumas t*cnicas utii#a!as na engen.aria gen*tica$como3 DNA recom-inante
)ara )ro!u%ão !e insuina .umana$ Tera)ia g0nica$ conagem tera)0utica $ organismos
transg0nicos$ Im)ressão !igita gen*tica 1teste !o DNA2 e o Pro5eto genoma .umano"