You are on page 1of 1

Catequese e Liturgia - A partir da Liturgia, o verdadeiro "eco"do mistério

Brasília (DF), 20/3/2006 - 11:49
Frei José Ariovaldo da Silva, OFM
Antigamente, na nossa língua portuguesa, se escrevia "catequese" com "ch": Catechese Os !ranceses e
italianos "ainda ho#e$ escrevem a palavra "catequese" com "ch": "cathéch%se" "em !ranc&s$, "catechesi"
"em italiano$ 'or que ser() * onde queremos chegar com esta incurs+o etimol,gica)
A palavra "catequese" é uma palavra, no !undo, de origem grega: -at( "a partir de$ . echos "vo/, !ala,
eco$, resultando: -at0echesis 'or isso que antigamente, em portugu&s, se escrevia "catequese" com
"ch"
1odos sa2emos o que é um "eco" "antigamente se escrevia assim: "echo", com "ch"3$ e o que signi!ica
"ecoar" 'ois é3 'or dentro da palavra "catequese" se esconde a palavra "eco" Ou melhor, esconde4se
o "ecoar de algo" *ste "algo", na nossa tradi5+o crist+, é a 'alavra divina que "ecoou" so2re o nosso
planeta terra na pessoa de Jesus Cristo * continua "ecoando" aos nossos ouvidos nas cele2ra56es
lit7rgicas, quando !a/emos mem,ria do mistério pascal pelos Sacramentos, pelo O!ício divino e tantos
outros tipos de cele2ra56es lit7rgicas O "estrondo" da '(scoa, que "ecoou" pelo mundo a!ora e para
todos os tempos, continua "ecoando" "vi2rando$ ho#e a partir da 8iturgia vivida e cele2rada
* os"as$ catequistas na tradi5+o crist+ antiga, 2ispos, pres2íteros, di(conos e outras tantas pessoas,
eram crist+os e crist+s que !a/iam "ecoar" aos ouvidos e ao cora5+o dos ouvintes iniciantes e iniciados o
mistério pascal vivenciado na 8iturgia
Mas antes, é claro, !oi Cristo "pela energia e o "sopro" do *spírito$ o primeiro "ecoador" do pro#eto
salví!ico do 'ai, vindo do alto: o primeiro Cat0echista3
9epois v&m os ap,stolos que, cheios da energia do *spírito, a partir da e:peri&ncia pascal revivida na
escuta da 'alavra e na "!ra5+o do p+o", !i/eram "ecoar" para todos os recantos do mundo de ent+o a
grande novidade do ;eino de 9eus * os ap,stolos transmitiram aos seus sucessores este importante
ministério, a sa2er, o de serem um permanente "eco" da presen5a viva do ;essuscitado, para que todos
pudessem ter o privilégio de participar plenamente da vida nova que a '(scoa inaugurou *stes, por sua
ve/, se !i/eram rodear de in7meros cola2oradores diretos no ministério "catequético", isto é, de "!a/er
ecoar" a <oa4nova, na e a partir da e:peri&ncia pascal vivida na 8iturgia
O "eco" mais signi!icativo que ressoa em nossas comunidades é este: "Anunciamos, Senhor, a vossa
morte, proclamamos a vossa ressurrei5+o =inde, Senhor Jesus"3 Assim, toda a assem2léia, anunciando
a morte salvadora do Senhor, desempenha um ministério "catequético"
* os"as$ catequistas) 'articipantes que s+o desta assem2léia lit7rgica, ou melhor, a partir da e:peri&ncia
da '(scoa comunitariamente cele2rada na divina 8iturgia, desempenham o importante ministério de
"!a/er ecoar" na vida dos"as$ iniciantes essa e:peri&ncia de !é A partir da 8iturgia s+o o verdadeiro "eco"
do mistério
'erguntas para re!le:+o pessoal e em grupos:
> O que deveria mesmo "ecoar" na catequese para crian5as, #ovens ou mesmo adultos) 'or que)
? 'or que a liturgia é importante e decisiva para que a catequese se#a um verdadeiro "eco" do mistério
de Cristo)
@ O que !a/er para que ha#a uma pro!unda liga5+o entre liturgia e catequese)
Fonte: Font, CNBB