IFCE – Campus Maracanaú

Área de Indústria
Curso Tecnólogo em Manutenção Industrial
Manutenção Elétrica Industrial
Celso Rogério Scmidlin !únior
Manutenção Elétrica Industrial Scmidlin !únior" Celso R# IFCE – Campus Maracanaú

Scmidlin !únior" Celso R# IFCE – Campus Maracanaú
Manutenção Elétrica Industrial
$# Segurança na Manutenção Elétrica
$#% Segurança em Instalaç&es Elétrica – 'R%(
$#) E*uipamentos de +roteção Indi,idual – E+I-s
$#$ Regras ./sicas de Segurança
0 Regras 1erais e Espec23icas 4 Manutenção Elétrica
$#5 Co*ue Elétrico
0 Tensão e Resist6ncia de Contato7 +roteção Contra Co*ues
Elétricos7 Sal,amento
$#8 Segurança em Medidas Elétricas
0 +icos de Tensão e +roteção Contra Transientes
Manutenção Elétrica Industrial

Scmidlin !únior" Celso R# IFCE – Campus Maracanaú
$#% Segurança em Instalaç&es Elétricas – 'R%(
9 'R %( esta:elece re*uisitos e condiç&es m2nimas" o:;eti,ando a implantação de
medidas de controle e sistemas pre,enti,os" de 3orma a garantir a segurança e a saúde
dos tra:aladores *ue" direta ou indiretamente" intera;am em instalaç&es elétricas e
ser,iços de eletricidade#
9 norma a:range tanto a segurança em instalaç&es elétricas nos locais de tra:alo
*uando a segurança em ser,iços de eletricidade e tam:ém <de3ine com clare=a os
critérios para a autori=ação de pro3issionais e pessoas *ue podem tra:alar com a
eletricidade>#
?entre os di,ersos pontos nesta norma" destacamos os seguintes@
%# <Considerando o distanciamento seguro" a 'R %( cria =onas de tra:alo espec23icas
nas instalaç&es elétricas" *ue são@

Zona de risco (ZR) é o entorno de parte condutora energi=ada A+EB" não segregada"
acess2,el inclusi,e acidentalmente" de dimens&es esta:elecidas de acordo com o
n2,el de tensão" cu;a aproCimação só é permitida a pro3issionais autori=ados e com a
adoção de técnicas e instrumentos apropriados de tra:alo7
Manutenção Elétrica Industrial

Scmidlin !únior" Celso R# IFCE – Campus Maracanaú
$#% Segurança em Instalaç&es Elétricas – 'R%(

Zona controlada (ZC) é o entorno de parte condutora energi=ada" não segregada"
acess2,el" de dimens&es esta:elecidas de acordo com o n2,el de tensão" cu;a
aproCimação só é permitida a pro3issionais autori=ados7 e

Zona livre (ZL) é o entorno de parte condutora energi=ada" não segregada"
acess2,el" de dimens&es esta:elecidas de acordo com o n2,el de tensão" cu;a
aproCimação é permitida a toda e *ual*uer pessoa#
Manutenção Elétrica Industrial
Figura $#%@ ?elimitação
das Donas de Tra:alo
AaB Sem e A:B com
super32cie isolante ASIB#

Scmidlin !únior" Celso R# IFCE – Campus Maracanaú
$#% Segurança em Instalaç&es Elétricas – 'R%(
)# <São considerados autorizados os tra:aladores *uali3icados ou capacitados e os
pro3issionais a:ilitados" com anu6ncia 3ormal da empresa>7
$# <E considerado trabalhador qualificado a*uele *ue compro,ar conclusão de curso
espec23ico na /rea elétrica reconecido pelo Sistema F3icial de Ensino>7
5# <E considerado trabalhador capacitado a*uele *ue" simultaneamente@ rece:a
capacitação so: orientação e responsa:ilidade de pro3issional a:ilitado e autori=ado7 e
tra:ale so: a responsa:ilidade de pro3issional a:ilitado e autori=ado#>
9 capacitação só ter/ ,alidade para a empresa *ue o capacitou e nas condiç&es
esta:elecidas pelo pro3issional a:ilitado e autori=ado respons/,el pela capacitação#
Manutenção Elétrica Industrial

Scmidlin !únior" Celso R# IFCE – Campus Maracanaú
$#% Segurança em Instalaç&es Elétricas – 'R%(
8# <E considerado profissional legalmente habilitado o tra:alador pre,iamente
*uali3icado e com registro no competente conselo de classe>7
G# <Fs ser,iços em instalaç&es energi=adas em alta tensão A9TB" :em como a*ueles
eCecutados no Sistema Elétrico de +ot6ncia ASE+B" não podem ser reali=ados
indi,idualmente>7
H# <+ara proteger e e,itar danos 4 pessoa" são utili=ados os E+I e os E+C" con3orme
'R(G# ?entre os E+I eCigidos pela norma" de,em ser utili=ados os *ue tratam da
proteção do tra:alador contra agentes térmicos Aarco elétricoB em todo o corpo>7
9ntes de iniciar tra:alos em e*uipe" seus mem:ros" em con;unto com o respons/,el pela
eCecução do ser,iço" de,em pre,iamente a,aliar" estudar e plane;ar as ati,idades e aç&es
a serem desen,ol,idas no local" ,isando atender os princ2pios técnicos e de segurança
aplic/,eis ao ser,iço#
So:re o cumprimento da 'R %(" ca:e@
Manutenção Elétrica Industrial

Scmidlin !únior" Celso R# IFCE – Campus Maracanaú
$#% Segurança em Instalaç&es Elétricas – 'R%(
%# 9os contratantes@

Manter os tra:aladores in3ormados so:re os riscos a *ue estão eCpostos" instruindo0
os *uanto aos procedimentos e medidas de controle a serem adotados#

'a ocorr6ncia de acidentes de tra:alo en,ol,endo instalaç&es e ser,iços em
eletricidade" propor e adotar medidas pre,enti,as e correti,as#
)# 9os tra:aladores@

Delar pela sua segurança e saúde" :em como a de outras pessoas *ue possam ser
a3etadas por suas aç&es ou omiss&es no tra:alo#

Responsa:ili=ar0se" ;unto com a empresa" pelo cumprimento das disposiç&es legais e
regulamentares" inclusi,e" *uanto aos procedimentos internos de segurança e saúde#

Comunicar" de imediato" ao respons/,el pela eCecução do ser,iço as situaç&es *ue
considerar de risco para sua segurança e saúde" :em como a de outras pessoas#
Fs tra:aladores de,em interromper suas tare3as" eCercendo direito de recusa" sempre
*ue constatarem e,id6ncias de riscos gra,es e iminentes para a sua segurança e saúde
ou a de outras pessoas" comunicando imediatamente o 3ato a seu superior ier/r*uico"
*ue diligenciar/ as medidas ca:2,eis#
Manutenção Elétrica Industrial

Scmidlin !únior" Celso R# IFCE – Campus Maracanaú
$#) E*uipamentos de +roteção Indi,idual – E+I-s
Fs E+Is são dispositi,os *ue de,em ser utili=ados
nos ser,iços com risco de acidentes" de 3orma a
preser,ar a incolumidade dos empregados no
eCerc2cio de suas 3unç&es#
Estes são selecionados por estudos *ue consideram
as condiç&es am:ientes" os riscos inerentes aos
tra:alos a serem eCecutados" as partes a serem
protegidas" *ualidade do material" 3acilidade de uso"
con3orto do usu/rio e 3acilidade de recuperação e
manutenção#
1. Abafadores de rudos! ,isam proteger o ou,ido
contra ru2dos eCcessi,os AI J8d.B#
". Aventais! ,isam proteger o tronco contra o
impacto de part2culas" a:rasão" *ueimaduras"
respingos de produtos *u2micos" etc#
#. Cal$a comprida! normalmente ;eans#
%. Cal$ados! ,isam proteger os pés contra esmaga0
mentos" o:;etos punti3ormes" umidade" etc#
Manutenção Elétrica Industrial

Scmidlin !únior" Celso R# IFCE – Campus Maracanaú
$#) E*uipamentos de +roteção Indi,idual – E+I-s
&. Camisa! não pode ser de manga regata#
'. Capacetes! destinados 4 proteção da ca:eça contra les&es decorrentes de *uedas ou
pro;eç&es de o:;etos" impactos contra estruturas e *ueimaduras#
?e,em ser constitu2dos de materiais isolantes" possuir resist6ncia ao impacto e 4
penetração" serem le,es" não a:sor,erem a /gua e serem de di32cil com:ustão#
(. Cintur)es! destinados 4 proteção dos 3uncion/rios *ue tra:alam em locais ele,ados#
São con3eccionados em couro e possuem componentes *ue permitem segurar porta0
3erramentas" cani,etes e 3acas de eletricidade" 3itas isolantes" etc#
*. +angas, luvas e perneiras! ,isam proteger os :raços" mãos e pernas contra o
impacto de part2culas" a:rasão" *ueimaduras" respingos de metais em 3usão" etc#
9s mangas são recomendadas para ser,iços de solda" transporte de materiais
a*uecidos" esmerilamentos" etc#
9s luvas utili=adas pelos eletricistas são a*uelas *ue dão proteção contra co*ues
elétricos" ou se;a" con3eccionadas em :orraca" podendo ainda protegerem contra
per3uraç&es ou cortes pro,ocados por 3erramentas ou materiais cortantes" :astando
*ue estas se;am reco:ertas" eCternamente" por lu,as de camurça ou material
e*ui,alente#
Manutenção Elétrica Industrial

Scmidlin !únior" Celso R# IFCE – Campus Maracanaú
$#) E*uipamentos de +roteção Indi,idual – E+I-s
9s perneiras são indicadas para tra:alos de solda e corte#
-. +.scaras e escudos para soldadores! utili=ados para proteção dos olos" 3ace"
orelas e pescoço nas operação de solda e corte oCiacetil6nico#
9 m.scara é um dispositi,o 3iC/,el 4 ca:eça e o escudo é um e*uipamento com um
ca:o para suporte na mão do usu/rio#
1/.+.scaras e respiradores! ,isam 4 proteção respiratória do indi,2duo" sendo usados
em am:ientes cu;a presença de oCig6nio se;a insu3iciente" onde eCistam gases e
aerodispersóides Apoeiras" etc#B#
11.0culos! ,isam proteger os olos contra impactos" :orri3os" 3umos e radiaç&es noci,as#
1".1rotetores faciais! destinados 4 proteção da 3ace Aincluindo testa" olos" :oca" nari="
*ueiCoB contra o impacto de part2culas e respingo de produtos *u2micos#
São de material pl/stico per3eitamente transparente e sem ondulação" 3iCados 4
ca:eça por uma coroa a;ust/,el" *ue permite a sua articulação#
Manutenção Elétrica Industrial

Scmidlin !únior" Celso R# IFCE – Campus Maracanaú
$#$ Regras ./sicas de Segurança
Segurança é responsa:ilidade de todos" mas" no 3inal das contas" est/ nas mãos de *uem
e3etua a manutenção#
'enuma 3erramenta por si só pode garantir a segurança do mantenedor@ é a com:inação
do instrumento e pr/ticas de tra:alo seguras *ue garantem m/Cima proteção#
9 seguir são apresentadas regras :/sicas de segurança em ser,iços gerais e" mais
especi3icamente" em manutenção elétrica#
E importante 3risar *ue não adianta apenas conecer estas regras e sim pratic/0las
durante e depois do tra:alo#
".#.1 Regras 2erais

9d*uira conecimento pleno do ser,iço *ue ,oc6 3a= ou ir/ 3a=er7

Cumpra as instruç&es" e,ite impro,isaç&es7 não se arris*ue7 se não sa:e" pergunte7

Kse 3erramentas e e*uipamentos ade*uados a cada tra:alo a ser desen,ol,ido7
procure conecer suas limitaç&es e use0os com segurança7

Ktili=e sempre o e*uipamento de proteção ade*uado a cada tra:alo7
Manutenção Elétrica Industrial

Scmidlin !únior" Celso R# IFCE – Campus Maracanaú
$#$ Regras ./sicas de Segurança

E,ite distraç&es e :rincadeiras7 este;a sempre atento 4 ati,idade desen,ol,ida7

Mantena ordem" arrumação e limpe=a em todo material de uso e no local de tra:alo7

9o o:ser,ar 3alas de segurança Asinali=ação" 3alta de telas" 3ios com 3ala de
isolamentoB comuni*ue imediatamente ao respons/,el pela segurança7

Em caso de acidentes" comuni*ue logo *ue poss2,el o ocorrido 4 segurança7

9o le,antar pesos" do:re os ;oelos7 peça a;uda para as cargas mais pesadas7

Sinta0se respons/,el por sua segurança" :em como pela dos seus colegas#
".#." Regras 3specficas 4 +anuten$5o 3l6trica

Tra:ale em circuitos não energi=ados sempre *ue poss2,el#

Ktili=e procedimentos apropriados de desconeCão@
%# ?esligue o dis;untor principal" tran*ue0o a cadeado e colo*ue a,isos antes de iniciar
o tra:alo em instalaç&es ou e*uipamentos elétricos7
Manutenção Elétrica Industrial

Scmidlin !únior" Celso R# IFCE – Campus Maracanaú
$#$ Regras ./sicas de Segurança
)# Kse sinais de ad,ert6ncia e delimite as /reas perigosas com cordas ou ca,aletes7
$# 9ntes de ligar no,amente o dis;untor" certi3i*ue0se de *ue ninguém est/ eCposto a
risco de acidente" a,isando a todos7

Se tais procedimentos de desconeCão não 3orem adotados" considere o circuito ,i,o#

Em circuitos ,i,os" siga regras de proteção como@
%# Ksar 3erramentas isoladas7
)# Lestir roupas resistentes a cama" óculos de segurança e lu,as de isolamento7
$# Retirar relógios ou outros adornos7
5# Estender esteira de isolamento#

9o 3a=er mediç&es de tensão em circuitos ati,os@
%# +rimeiro prenda o 3io terra" para depois ter contato com a ponteira de 3ase# Retire a
ponteira de 3ase primeiro" depois a ponteira de terra#
Manutenção Elétrica Industrial

Scmidlin !únior" Celso R# IFCE – Campus Maracanaú
$#$ Regras ./sicas de Segurança
)# +endure ou repouse o medidor se poss2,el# E,ite segur/0lo nas mãos a 3im de
minimi=ar eCposição pessoal aos e3eitos de transientes#
$# Kse um método de teste de tr6s pontos" especialmente para a a,aliação se um
circuito est/ morto# +rimeiro" teste um circuito ,i,o conecido# Segundo" teste o
circuito0al,o# Terceiro" teste um circuito ,i,o no,amente# Isto con3irma se seu medidor
tra:alou apropriadamente antes e depois da medição#
5# Kse o antigo tru*ue dos eletricistas de manter uma mão em seu :olso# Isto diminui a
cance de um circuito 3ecado no tóraC atra,és do seu coração#

Ktili=e" a;uste e repare *ual*uer e*uipamento ou instalação só *uando autori=ado7

9o montar instalaç&es ou e*uipamentos elétricos tempor/rios" 3aça0o com per3eição"
não deiCando nenuma condição perigosa *ue possa causar acidentes7

F:ser,e rigorosamente as instruç&es de montagem" manutenção e troca de ligaç&es
das instalaç&es e e*uipamentos7

Faça inspeç&es ,isuais dos e*uipamentos e instalaç&es ,eri3icando o estado do
isolamento" ru2dos" trepidaç&es" uso inade*uado" etc7

'ão repare 3us2,eis ligando0os em ponte com arame ou *ual*uer metal7
Manutenção Elétrica Industrial

Scmidlin !únior" Celso R# IFCE – Campus Maracanaú
$#$ Regras ./sicas de Segurança

'unca tra:ale em manutenção de e*uipamentos ou instalaç&es elétricas so: tensão"
sem o conecimento do seu super,isor7

'ão utili=e escadas met/licas em tra:alos elétricos7

Em caso de inc6ndio em e*uipamentos ou instalaç&es elétricas não utili=e eCtintores de
/gua" g/s ou espuma# Kse os de CF
)
ou pó *u2mico seco7

+roteger *uadros de distri:uição e trans3ormadores com grades met/licas7

Fios energi=ados de,em 3icar de 3ora da /rea de trMnsito do pessoal7

+ara tra:alos em eletricidade" principalmente reparos ou manutenç&es" não de,em ser
utili=ados o:;etos met/licos de uso pessoal Aanéis" relógios" pulseiras" etcB7

Fnde ou,er gases ou ,apores não use 3erramentas elétricas7

Em locais onde a;a perigo de eCplosão" não reali=e ser,iço so: tensão7

Este;a de,idamente <isolado> *uando 3or retirar uma ,2tima de um contato elétrico#
Manutenção Elétrica Industrial

Scmidlin !únior" Celso R# IFCE – Campus Maracanaú
$#5 Co*ue Elétrico
9o circular pelo corpo umano" a corrente elétrica produ= um e3eito pato3isiológico
camado choque el6trico *ue pode" muitas ,e=es" pro,ocar les&es gra,es ou mesmo
,2timas 3atais#
9 IEC – International Electrical Code – reuniu os estudos e eCperi6ncias reali=ados por
especialistas de di,ersos pa2ses na +u:licação '
o
5HN0%" <Effects of Current Passing
Through The Human Body>" de %NJ5 *ue é a :ase de re3er6ncia das principais normas
internacionais e de muitos pa2ses" inclusi,e o .rasil" nos cap2tulos *ue tratam da proteção
de pessoas contra os co*ues elétricos#
'o estudo dos co*ues elétricos de,emos considerar *ue na sua ocorr6ncia estão
en,ol,idos tr6s elementos@ a parte viva" a massa e o elemento condutor estranho 4
instala$5o#
1arte viva! <parte condutora" pertencente 4 instalação elétrica *ue" em condiç&es
normais" apresenta ou pode apresentar ddp elétrica em relação 4 terra>" sendo *ue o
potencial elétrico da terra é" por con,enção" considerado =ero#
'as linas elétricas" utili=a0se a terminologia condutor vivo#
Manutenção Elétrica Industrial

Scmidlin !únior" Celso R# IFCE – Campus Maracanaú
$#5 Co*ue Elétrico
+assa! <con;unto de partes met/licas não destinadas a condu=ir corrente" eletricamente
interligadas e isoladas das partes ,i,as>#
E a parte de uma instalação *ue pode ser tocada 3acilmente Acarcaças" in,ólucros
met/licos de e*uipamentos elétricos" eletrodutos met/licos" etc#B e *ue" em condiç&es
normais" não apresenta ddp em relação 4 terra#
+orém" em casos de 3altas ou de3eitos" a massa pode ,ir a trans3ormar0se em parte ,i,a#
3lemento condutor estranho 4 instala$5o! elemento *ue não 3a= parte da instalação
mas *ue nela pode introdu=ir um potencial elétrico" normalmente o potencial da terra#
São eCemplos@ as estruturas met/licas de construç&es" as tu:ulaç&es met/licas de
utilidades A/gua" ar0condicionado" g/s" etc#B e as paredes e pisos não isolantes#
'o caso dos co*ues elétricos" como mostrado na Figura $#$" o corpo umano constitui
um elemento condutor estrano 4 instalação#
Manutenção Elétrica Industrial

Scmidlin !únior" Celso R# IFCE – Campus Maracanaú
$#5 Co*ue Elétrico
Manutenção Elétrica Industrial
Figura $#$@ Co*ue Elétrico
9 gra,idade de um co*ue elétrico ,aria con3orme os seguintes parMmetros@

tempo de passagem da corrente el6trica pelo corpo humano@ *uanto maior o
per2odo de eCposição do corpo 4 corrente" piores serão as conse*u6ncias para o
,itimado e menores serão suas cances de recuperação7

intensidade da corrente el6trica! nos seres umanos em geral" o:ser,a0se *ue o
co*ue elétrico começa a pro,ocar sensaç&es desagrad/,eis para correntes superiores
a %m9 e sensaç&es dolorosas" contraç&es ,iolentas e pertur:aç&es respiratórias *ue
poderão causar a morte" para correntes superiores a Nm97

Scmidlin !únior" Celso R# IFCE – Campus Maracanaú
$#5 Co*ue Elétrico

percurso da corrente el6trica atrav6s do corpo humano! torna0se 3ator agra,ante
das conse*u6ncias do co*ue elétrico" por*ue pode ser atingido algum órgão ,ital7

condi$)es org7nicas do indivduo! o alcoolismo" a insOnia" a 3ome" o cansaço" as
emoç&es" a sede" o tra:alo em posição inade*uada" etc" predisp&em o organismo a
uma menor resist6ncia ao co*ue elétrico7

temperatura do local de trabalho! temperaturas altas podem determinar co*ues
3atais" mesmo com :aiCa corrente" por causa da transpiração#
9s conse*u6ncias de um co*ue elétrico se mani3estam atra,és de@

ini:ição dos centros ner,osos" inclusi,e dos *ue comandam a respiração" pro,ocando
uma poss2,el as3iCia7

alteraç&es mais ou menos pro3undas no ritmo card2aco" podendo produ=ir 3i:rilaç&es
,entriculares" com a conse*uente parada do coração7

*ueimaduras de ,/rios graus" produ=indo alteraç&es *ue podem ir 4 destruição dos
tecidos7

alteraç&es do sangue pro,ocadas por e3eitos térmicos e eletrol2ticos da corrente#
Manutenção Elétrica Industrial

Scmidlin !únior" Celso R# IFCE – Campus Maracanaú
$#5 Co*ue Elétrico
#.%.1 8ens5o e Resist9ncia de Contato
F ,alor da corrente elétrica *ue circula pelo corpo umano no momento de um co*ue
elétrico depende@

da ddp a *ue 3ica su:metida a pessoa no momento do acidente7 e

da impedMncia elétrica deste percurso" para a *ual contri:uem@
0 a resist6ncia do corpo umano7 e
0 a resist6ncia de contato#
9 tens5o de contato AU
B
B é a <tensão *ue pode aparecer acidentalmente entre dois
pontos simultaneamente acess2,eis>#
'um co*ue elétrico" a tensão de contato é a ddp a *ue uma pessoa 3ica su;eita ao tocar"
simultaneamente" em dois pontos *ue se encontram so: potenciais elétricos di3erentes#
Con3orme o:ser,amos na Ta:ela $#$" essa tensão depende da nature=a do contato *ue
pode se esta:elecer entre o corpo umano e o potencial da terra#
9 tens5o de falta AU
F
B é a ddp *ue surge entre uma massa e um eletrodo de aterramento"
por ocasião de uma 3ala de isolamento#
Manutenção Elétrica Industrial

Scmidlin !únior" Celso R# IFCE – Campus Maracanaú
$#5 Co*ue Elétrico
'a Figura $#5" se o elemento condutor" no caso o corpo umano" esti,er no potencial da
terra" então teremos@
R P ( U
R
P ( U
F
P U
B
Q U
R
P U
B
9 '.R 85%( considera como medida de segurança nas prescriç&es contra co*ues
elétricos a tensão de 3alta" pois ela é" em geral" superior 4 tensão de contato#
9 resist9ncia do corpo humano" con3orme demonstram alguns estudos" ,aria com a
tensão de contato e com outras condiç&es" como por eCemplo a umidade da epiderme#
+ortanto" a relação entre a corrente de co*ue e a tensão de contato não é linear#
9 '.R 85%( esta:elece *uatro condiç&es re3erentes 4 situação da umidade da pele"
con3orme apresentado na Ta:ela $#)#
9ssim" de acordo com as ,/rias situaç&es poss2,eis" poderemos relacionar os ,alores das
resist6ncias e tens&es de contato e as respecti,as correntes de co*ue admiss2,eis"
con3orme mostrado na Ta:ela $#5#
Estes ,alores são utili=ados para o dimensionamento da proteção contra co*ues
elétricos#
Manutenção Elétrica Industrial

Scmidlin !únior" Celso R# IFCE – Campus Maracanaú
$#5 Co*ue Elétrico
Manutenção Elétrica Industrial
Figura $#5@ Tens&es de contato e de 3alta

Scmidlin !únior" Celso R# IFCE – Campus Maracanaú
$#5 Co*ue Elétrico
Manutenção Elétrica Industrial

Scmidlin !únior" Celso R# IFCE – Campus Maracanaú
$#5 Co*ue Elétrico
Manutenção Elétrica Industrial

Scmidlin !únior" Celso R# IFCE – Campus Maracanaú
$#5 Co*ue Elétrico
Manutenção Elétrica Industrial
#.%." 1rote$5o Contra Choques 3l6tricos
Fs co*ues elétricos podem ocorrer :asicamente de duas maneiras" por@

contato direto com partes ,i,as da instalação7 ou

contato indireto com massas *ue 3icaram acidentalmente so: tensão#

Scmidlin !únior" Celso R# IFCE – Campus Maracanaú
$#5 Co*ue Elétrico
+or sua ,e=" as medidas de proteção contra os co*ues elétricos podem ser classi3icadas
como@

ativas, *uando ocorre o seccionamento autom/tico da alimentação ,isando impedir *ue
uma tensão de contato se mantena por um tempo *ue possa resultar em risco de e3eito
3isiológico perigoso para as pessoas ou animais domésticos7 ou

passivas" *ue ,isam limitar o ,alor da corrente elétrica *ue possa atra,essar o corpo
umano" atra,és de um e3iciente aterramento das massas" :em como impedir" atra,és
da isolação das partes ,i,as" de colocação de :arreiras" de o:st/culos e de
distanciamento" o contato com as partes energi=adas#
#.%.".1 1rote$5o Contra Contatos :iretos (;<R &%1/)
9s prescriç&es da '.R 85%( 4 proteção contra contatos diretos estão resumidas na
Ta:ela $#8# 9:aiCo são descritas algumas de3iniç&es importantes@

=sola$5o! con;unto de materiais isolantes aplicados 4s partes ,i,as para assegurar
proteção contra co*ues elétricos#

<arreira! anteparo *ue impede o acesso 4s partes ,i,as a partir das direç&es a:ituais#
Manutenção Elétrica Industrial

Scmidlin !únior" Celso R# IFCE – Campus Maracanaú
$#5 Co*ue Elétrico

=nv>lucro! elemento *ue impede o acesso 4s partes ,i,as a partir de todas as direç&es#

?bst.culo! elemento *ue impede o acesso casual 4s partes ,i,as" mas permite o
acesso ,olunt/rio sem auC2lio de 3erramenta para promo,60lo#

Corrente diferencial@residual! soma 3asorial das correntes *ue percorrem todos os
condutores ,i,os de um circuito" num dado ponto de uma instalação elétrica#
Manutenção Elétrica Industrial

Scmidlin !únior" Celso R# IFCE – Campus Maracanaú
$#5 Co*ue Elétrico
Com re3er6ncia aos itens 8#%#)#% a 8#%#)#8 da '.R 85%(" ,ale ressaltar *ue@
1. 1rote$5o por isola$5o! a remoção da isolação só de,er/ ser poss2,el com a sua
destruição#
". 1rote$5o por meio de barreiras ou inv>lucros! a supressão das :arreiras ou a
a:ertura parcial ou remoção de partes dos in,ólucros só ser/ poss2,el@

com a utili=ação de uma ca,e ou 3erramenta7 ou

após a desenergi=ação das partes ,i,as protegidas pelas mesmas" sendo pre,ista a
utili=ação de intertra,amento *ue impeça o resta:elecimento antes *ue se;am
3ecadas as :arreiras ou in,ólucros7 ou

se 3or interposta uma segunda :arreira ou isolação" ,isando impedir o contato com as
partes ,i,as#
#. 1rote$5o por meio de obst.culos! em:ora possam ser desmont/,eis sem o auC2lio
de 3erramentas" os o:st/culos de,em ser 3iCados de 3orma a impedir *ual*uer remoção
in,olunt/ria#
Manutenção Elétrica Industrial

Scmidlin !únior" Celso R# IFCE – Campus Maracanaú
$#5 Co*ue Elétrico
%. 1rote$5o por cola$5o fora de alcance! a delimitação da Dona de 9lcance 'ormal
impede o contato 3ortuito entre partes so: potenciais di3erentes *ue não de,em ser
simultaneamente acess2,eis AdistMncia m2nima de )"8 mB#
&. 1rote$5o adicional por dispositivo de prote$5o a corrente diferencial residual! é
recomendada a utili=ação de dispositi,os ?R de alta sensi:ilidade" com corrente
di3erencial0residual igual ou in3erior a $( m9# 9 utili=ação do dispositi,o ?R não
dispensa de 3orma alguma o emprego de uma das medidas de proteção anteriormente
citadas#
#.%."." 1rote$5o Contra Contatos =ndiretos (;<R &%1/)
9 Ta:ela $#G resume as prescriç&es da '.R 85%( 4 proteção contra contatos indiretos#
Com re3er6ncia aos itens 8#%#$#% a 8#%#$#8 da '.R 85%(" ,ale ressaltar *ue@
%# 1rote$5o por seccionamento autom.tico da alimenta$5o! ,isa impedir *ue uma ten0
são de contato se mantena por um tempo *ue possa resultar em risco ou e3eito 3isioló0
gico perigoso 4s pessoas# +ara a sua correta aplicação é necess/rio *ue a;a coorde0
nação entre o es*uema de aterramento utili=ado e as caracter2sticas dos condutores e
dispositi,os de proteção# 9 tensão de contato limite AU
L
B não de,er/ ultrapassar os
,alores indicados na Ta:ela $#H Aas situaç&es % e ) estão de3inidas na Ta:ela $#JB#
Manutenção Elétrica Industrial

Scmidlin !únior" Celso R# IFCE – Campus Maracanaú
$#5 Co*ue Elétrico
Manutenção Elétrica Industrial

Scmidlin !únior" Celso R# IFCE – Campus Maracanaú
$#5 Co*ue Elétrico
Manutenção Elétrica Industrial

Scmidlin !únior" Celso R# IFCE – Campus Maracanaú
$#5 Co*ue Elétrico
<F dispositi,o de proteção de,er/ seccionar automaticamente a alimentação do circuito ou
e*uipamento protegido contra contatos indiretos por este dispositi,o de tal 3orma *ue" em
seguida a uma 3alta entre parte ,i,a e massa no circuito ou e*uipamento considerado"
uma tensão de contato presumida superior ao ,alor apropriado de U
L
não possa se manter
por um tempo maior *ue o indicado> na Ta:ela $#N Aitem 8#%#$#% da '.R 85%(B#
Manutenção Elétrica Industrial

Scmidlin !únior" Celso R# IFCE – Campus Maracanaú
$#5 Co*ue Elétrico
". Condi$)es de prote$5o! <Fs dispositi,os de proteção e as seç&es dos condutores
de,em ser escolidos de 3orma *ue" ocorrendo em *ual*uer ponto uma 3alta de
impedMncia despre=2,el entre um condutor de 3ase e o condutor de proteção ou uma
massa" o seccionamento autom/tico ocorra num tempo no m/Cimo igual ao
especi3icado#> Esta prescrição é atendida se as seguintes condiç&es 3orem cumpridas@

3squema 8;! Z
s
#I
a
≤ U
0
" onde Z
s
é a impedMncia do percurso da corrente de 3alta7 I
a

é a corrente *ue assegura a atuação do dispositi,o de proteção num tempo no
m/Cimo igual ao especi3icado ou a 8 segundos" con3orme item 8#%#$#%#% d da '.R
85%(7 e U
0
é a tensão nominal entre 3ase e terra#

3squema 88! R

#I
a
≤ U
L
" onde R

é a resist6ncia de aterramento das massas7 I
a
é a
corrente *ue assegura a atuação do dispositi,o de proteção@ no caso de dispositi,os
?R" é a corrente di3erencial0residual e" no caso de dispositi,o a so:recorrente" é a
corrente *ue assegura o seccionamento em 8 s7 e U
L
é a tensão de contato limite#

3squema =8! R

#I
d
≤ U
L
" onde I
d
é a corrente de 3alta no caso de uma primeira 3alta
direta entre um condutor de 3ase e uma massa@ seu ,alor le,a em conta as correntes
de 3uga naturais e a impedMncia glo:al de aterramento da instalação#
Manutenção Elétrica Industrial

Scmidlin !únior" Celso R# IFCE – Campus Maracanaú
$#5 Co*ue Elétrico
#. 1rote$5o por emprego de equipamentos da classe == ou por isola$5o equivalente!
e*uipamentos su:metidos a ensaios de tipo" *ue possuam isolação dupla de 3/:rica ou
*ue possuindo apenas a isolação :/sica" rece:am por ocasião de sua instalação uma
isolação suplementar#
Estes e*uipamentos de,erão ser marcados Amarca ,is2,el na parte eCterna e na parte
interna dos in,ólucrosB com os s2m:olos da Figura $#8 e não de,em ter suas massas
conectadas a condutores de proteção" pois a sua isolação ;/ constitui a própria
segurança#
+odemos citar como eCemplos de e*uipamentos
elétricos de dupla isolação as 3erramentas port/0
teis tais como 3uradeiras" esmeriladeiras" etc#
%. 1rote$5o em locais n5o condutores! as paredes
e pisos considerados isolantes de,em apresentar"
em *ual*uer ponto" resist6ncia m2nima de 8( RΩ
se a tensão nominal da instalação 3or menor ou
igual a 8(( L ou %(( RΩ" caso contr/rio#
Manutenção Elétrica Industrial
Figura 3.5: Símbolos para invólucros
de equipamentos de isolação dupla

Scmidlin !únior" Celso R# IFCE – Campus Maracanaú
$#5 Co*ue Elétrico
&. 1rote$5o por liga$)es equipotenciais n5o aterradas! nestes locais" de,em ser
atendidas simultaneamente as seguintes condiç&es@

Todas as massas e elementos condutores simultaneamente acess2,eis de,em ser
interligados por condutores de e*uipotencialidade7

9 ligação e*uipotencial não de,e ter *ual*uer ligação com a terra" se;a diretamente
ou por intermédio de massas ou de elementos condutores#
'. 1rote$5o por separa$5o el6trica! utili=a0se o e*uipamento camado trans3ormador de
segurança" *ue é um trans3ormador sem espiras comuns aos enrolamentos prim/rio e
secund/rio e com n2,el de isolamento superior ao da instalação# Suando um circuito é
alimentado por uma 3onte de segurança" a proteção contra co*ues elétricos é
garantida pela impossi:ilidade de circulação para a terra" pois o secund/rio da 3onte
est/ isolado em relação 4 terra#
Recomenda0se para o atendimento desta condição *ue@

F circuito alimentado pela 3onte se;a eletricamente separado dos demais7

F produto da tensão nominal do circuito A*ue de,e ser in3erir a 8(( LB pelo
comprimento do mesmo A*ue de,e ser menor *ue 8(( mB não de,e ser superior a
%((#((( L#m#
Manutenção Elétrica Industrial

Scmidlin !únior" Celso R# IFCE – Campus Maracanaú
$#5 Co*ue Elétrico

9s massas do circuito separado eletricamente não de,em ser ligadas intencional0
mente a condutores de proteção" 4s massas de outros circuitos ou a elementos
condutores estranos# 9lém disso" *uando o circuito alimenta mais de um e*uipa0
mento" de,e ser pre,isto um condutor de e*uipotencialidade entre as massas dos
mesmos#
#.%.# Aalvamento
Em caso de acidentes com eletricidade" de,e0se agir r/pido@ os primeiros tr6s minutos
após o co*ue são ,itais para o acidentado# Suando a intensidade da corrente alternada
3or superior a )(m9 tornam0se necess/rias pro,id6ncias imediatas para o sal,amento
pois" muitas ,e=es" em decorr6ncia da gra,idade das les&es pro,ocadas" a morte poder/
acontecer em poucos minutos#
9ntes de *ual*uer coisa" o:ser,ar se a rede elétrica *ue deu origem ao co*ue est/
desligada# Em seguida" utili=ando materiais *ue não condu=am eletricidade – madeira
seca" por eCemplo – procurar a3astar o acidentado da /rea eletri3icada#
Se ele não esti,er consciente" iniciar os métodos de recuperação" sendo *ue os mais
comumente usados para reanimar os ,itimados por co*ues elétricos são a respiração
arti3icial A:oca a :ocaB e a massagem card2aca A*uando ou,er 3i:rilaçãoB#
Manutenção Elétrica Industrial

Scmidlin !únior" Celso R# IFCE – Campus Maracanaú
$#5 Co*ue Elétrico
Se ti,er *ue 3a=er respiração e compressão ao mesmo tempo" para cada %8
compress&es" 3a=er duas respiraç&es# Se o socorro 3or em dupla" para cada cinco
press&es 3a=er uma respiração#
#.%.#.1 Respira$5o <oca a <oca
%# ?eite a ,2tima de costas e incline sua ca:eça para tr/s7
)# Remo,a dentaduras ou pontes mó,eis ou *ual*uer outro corpo estrano da :oca da
,2tima7
$# Fece as narinas da ,2tima# Colo*ue sua :oca com 3irme=a so:re a :oca da ,2tima#
Sopre até o peito da ,2tima se encer7
5# Ti:ere a :oca da ,2tima" deiCando o ar sair li,remente#
8# Repita as operaç&es de %$ a %G ,e=es por minuto#
Manutenção Elétrica Industrial

Scmidlin !únior" Celso R# IFCE – Campus Maracanaú
$#5 Co*ue Elétrico
Manutenção Elétrica Industrial
#.%.#." Compress5o Cardaca
%# Colo*ue a ,2tima deitada de costas so:re uma super32cie plana e dura7
)# Colo*ue as mãos Asomente a parte próCima ao punoB uma so:reposta 4 outra" na
ca,idade da parte média do esterno7
$# Faça pressão com ,igor" mantendo os :raços esticados e usando seu próprio peso#
5# Repita a operação G( ,e=es por minuto#

Scmidlin !únior" Celso R# IFCE – Campus Maracanaú
$#5 Co*ue Elétrico
Manutenção Elétrica Industrial

Scmidlin !únior" Celso R# IFCE – Campus Maracanaú
$#8 Segurança em Medidas Elétricas
Manutenção Elétrica Industrial
9o usar um instrumento com tensão nominal su3icientemente alta" ainda se corre algum
riscoU In3eli=mente a resposta é sim#
Fs técnicos *ue analisam a segurança de instrumentos de testes desco:rem com
3re*u6ncia *ue as unidades *ue apresentam 3alas 3oram su:metidas a uma tensão muito
mais alta do *ue o usu/rio aca,a *ue esta,a medindo#
Como acontece em geral" nesse caso o dano resultante não tem nada a ,er com o uso
inade*uado do instrumento@ 3oi pro,ocado por um transiente ou pico de tens5o
moment7neo *ue atingiu a entrada do instrumento inesperadamente#
#.&.1 1icos de 8ens5o
V medida *ue os sistemas de distri:uição elétrica e as cargas ,6m se tornando cada mais
compleCos" o risco de transientes de so:retensão tam:ém ,em se tornando cada ,e=
maior#
Motores" capacitores e e*uipamentos de con,ersão de energia" como" por eCemplo"
acionadores de ,elocidade ,ari/,el" são os principais geradores de picos de energia#
RelMmpagos *ue atingem linas de transmissão eCternas tam:ém podem causar
transientes perigosos de tensão eCtremamente alta#

Scmidlin !únior" Celso R# IFCE – Campus Maracanaú
$#8 Segurança em Medidas Elétricas
Manutenção Elétrica Industrial
9o e3etuar mediç&es em sistemas elétricos" esses transientes são <in,is2,eis> e" na maior
parte" são um risco ine,it/,el durante o tra:alo#
Fcorrem regularmente em circuitos elétricos de .T e podem alcançar ,alores m/Cimos de
,/rios milares de ,olts#
'esses casos" a proteção do usu/rio depende da margem de segurança incorporada no
instrumento#
9 classi3icação de tensão por si só não é indicação su3iciente da capacidade do
instrumento de teste tolerar impulsos de transientes altos#
Leremos" agora" um cen/rio ipotético no *ual um técnico e3etua mediç&es num circuito
de .T usando um mult2metro sem as precauç&es de segurança necess/rias@
%# Km raio produ= um transiente na lina elétrica" *ue" por sua ,e=" gera um arco entre os
terminais de entrada dentro do mult2metro# Fs circuitos e componentes *ue de,eriam
impedir essa ocorr6ncia 3alaram ou esta,am 3altando# Tal,e= não 3osse um mult2metro
classi3icado para C9T III# F resultado 3oi um curto direto entre os dois terminais de
medição" passando pelo mult2metro e pelas pontas de teste#

Scmidlin !únior" Celso R# IFCE – Campus Maracanaú
$#8 Segurança em Medidas Elétricas
Manutenção Elétrica Industrial

Scmidlin !únior" Celso R# IFCE – Campus Maracanaú
$#8 Segurança em Medidas Elétricas
Manutenção Elétrica Industrial
)# Kma corrente de 3ala ele,ada Apossi,elmente de milares de ampWresB corre no curto0
circuito *ue aca:a de ser produ=ido# Isso ocorre em milésimos de segundo# Suando o
arco se 3orma dentro do mult2metro" uma onda de co*ue de alt2ssima pressão pode
causar um ru2do alto" semelante a um tiro ou escapamento de carro# 'o mesmo
instante" o técnico ,6 lampe;os de lu= a=ul de arco nas pontas de pro,a – as correntes
de 3ala a*ueceram eCcessi,amente as pontas" *ue começam a se *ueimar 3ormando
um arco do ponto de contato até a ponta de pro,a#
$# 9 reação natural seria se a3astar" a 3im de interromper o contato com o circuito energi0
=ado# Mas 4 medida *ue o técnico a3asta as mãos" 3orma0se um arco do terminal do
motor até cada ponta de pro,a# Se esses dois arcos se unirem e 3ormarem um único
arco" a,er/ outro curto 3ase03ase" desta ,e= diretamente entre os terminais do motor#
5# Este arco pode ter uma temperatura próCima a G#((( C" superior 4 temperatura de
uma toca de oCi0acetilenoX V medida *ue o arco aumenta" alimentado pela corrente de
curto0circuito dispon2,el" ele a*uece o ar 4 sua ,olta# São criadas uma eCplosão de
co*ue e uma :ola de 3ogo de plasma# Se o técnico ti,er sorte" a eCplosão o ;ogar/
para longe" a3astando0o do arco7 em:ora possa ocorrer lesão 32sica" ele est/ a sal,o#
'a pior situação" a ,2tima so3rer/ *ueimaduras 3atais de,idas ao intenso a*uecimento
do arco ou da eCplosão de plasma#

Scmidlin !únior" Celso R# IFCE – Campus Maracanaú
$#8 Segurança em Medidas Elétricas
Manutenção Elétrica Industrial
#.&." 1rote$5o Contra 8ransiente
9 *uestão mais importante relacionada 4 proteção de circuitos de mult2metros não é
apenas a 3aiCa de tensão m/Cima em regime est/,el" mas uma com:inação da
capacidade em regime est/,el e da tolerMncia 4 so:retensão de transientes# 9 proteção
contra transientes é um 3ator ,ital#
+ara proteger o usu/rio contra os transientes" é necess/rio *ue a segurança se;a
incorporada no pro;eto do e*uipamento de teste#
Mas *ue especi3icação de desempeno de,e0se procurar" especialmente *uando se sa:e
*ue se ,ai tra:alar com circuitos de alta energiaU
9 tare3a de esta:elecer no,os padr&es de segurança para e*uipamentos de teste 3oi uma
*uestão tratada recentemente pela IEC AInternational Electrotechnical Commission –
Comissão Internacional de EletrotécnicaB#
?urante muitos anos" o setor usou o padrão IEC $5J no pro;eto de e*uipamentos# Esse
padrão 3oi su:stitu2do pelo IEC %(%(" *ue recentemente 3oi atuali=ado pelo padrão IEC
G%(%( AE'G%(%(B# Em:ora instrumentos de teste IEC $5J com :oa concepção de
deseno tenam sido usados durante anos por técnicos e eletricistas" o 3ato é *ue os
medidores criados de acordo com o no,o padrão E'G%(%( o3erecem um n2,el
su:stancialmente mais alto de segurança#

Scmidlin !únior" Celso R# IFCE – Campus Maracanaú
$#8 Segurança em Medidas Elétricas
Manutenção Elétrica Industrial
Categoria de +edi$5o
F conceito mais importante com relação aos no,os padr&es é a categoria de medição# F
no,o padrão de3ine as Categorias de I a IL" a:re,iadas da 3orma C9T I" C9T II" etc#

Scmidlin !únior" Celso R# IFCE – Campus Maracanaú
$#8 Segurança em Medidas Elétricas
Manutenção Elétrica Industrial

Scmidlin !únior" Celso R# IFCE – Campus Maracanaú
$#8 Segurança em Medidas Elétricas
Manutenção Elétrica Industrial
9 di,isão de um sistema de distri:uição de energia em categorias é :aseada no 3ato de
*ue um transiente perigoso de alta energia" como um raio" ser/ atenuado ou amortecido 4
medida *ue passa pela impedMncia Aresist6ncia C9B do sistema#
Kma C9T de número mais alto re3ere0se a um am:iente elétrico com pot6ncia mais alta
dispon2,el e transientes de energia mais alta#
9ssim" um mult2metro pro;etado para o padrão C9T III apresenta resist6ncia a energia
muito mais alta do *ue um mult2metro pro;etado de acordo com o padrão C9T II#

Scmidlin !únior" Celso R# IFCE – Campus Maracanaú
$#8 Segurança em Medidas Elétricas
Manutenção Elétrica Industrial
?entro de cada categoria" uma tensão nominal mais alta indica tolerMncia nominal a
transiente mais alto# EC#@ um mult2metro C9T III para %((( L o3erece maior proteção
comparado a um C9T III para G(( L#
F pro:lema ocorre *uando alguém escole um mult2metro C9T II – %((( L por acar *ue
ele é superior a um mult2metro C9T III – G(( L#
9 seguir apresentamos algumas maneiras r/pidas de aplicar o conceito de categorias no
seu tra:alo di/rio@

9 regra geral é *ue *uanto mais próCimo se esti,er da 3onte de energia" mais alto é o
número da categoria e maior o perigo potencial dos transientes#

?a mesma 3orma" *uanto mais alta 3or a corrente de curto0circuito dispon2,el em
determinado ponto" mais alto o número da C9T#

Kma outra maneira de di=er a mesma coisa é *ue *uanto mais alta 3or a impedMncia da
3onte" mais :aiCo ser/ o número da C9T# 9 impedMncia de 3onte é simplesmente a
impedMncia total" incluindo a impedMncia da 3iação entre o ponto *ue se est/ medindo e
a 3onte de energia# Essa impedMncia amortece os transientes#

Scmidlin !únior" Celso R# IFCE – Campus Maracanaú
$#8 Segurança em Medidas Elétricas
Manutenção Elétrica Industrial

Finalmente" *uando se tem eCperi6ncia na aplicação de aparelos de TLSS ATransient
!oltage "urge "u##ression" ou se;a" Supressão de Surtos de Tensão TransitóriosB"
sa:e0se *ue um aparelo TLSS instalado em um painel precisa ter uma capacidade
mais alta de aceitação de energia do *ue um aparelo instalado no computador# Em
terminologia C9T" o TLSS de painel é uma aplicação C9T III e o computador é uma
carga conectada a tomada" e" portanto" é uma instalação C9T II#
Como se pode notar" o conceito de categorias não é no,o nem eCótico# E simplesmente
uma eCtensão dos mesmos conceitos de senso comum *ue *uem tra:ala com
eletricidade pro3issionalmente aplica todos os dias#
Avaliando a Classifica$5o de Aeguran$a de um =nstrumento de 8este
Fs procedimentos de teste E'G%(%( le,am em conta tr6s critérios principais@ tensão de
regime est/,el" tensão de transiente de impulso de pico" e impedMncia na 3onte#
Esses tr6s critérios ;untos indicam o ,erdadeiro ,alor de tolerMncia a tensão do mult2metro#
9 Ta:ela $#%% a;uda a entender a ,erdadeira classi3icação de tensão de um instrumento@

Scmidlin !únior" Celso R# IFCE – Campus Maracanaú
$#8 Segurança em Medidas Elétricas
Manutenção Elétrica Industrial
%# ?entro de uma categoria" uma <tensão de tra:alo> Atensão de estado est/,elB mais alta
correlaciona0se a um transiente mais alto" como é de se esperar# +or eCemplo" um
mult2metro C9T III – G(( L é testado com transientes de G((( L" en*uanto um
mult2metro C9T III %((( L é testado com transientes de J((( L#

Scmidlin !únior" Celso R# IFCE – Campus Maracanaú
$#8 Segurança em Medidas Elétricas
Manutenção Elétrica Industrial
)# F *ue não é tão clara é a di3erença entre o transiente de G((( L para C9T III 0 G(( L e
o transiente de G((( L para C9T II – %((( L# E a*ui *ue entra a impedMncia da 3onte# 9
Tei de Fm AampWres P ,oltsYomsB nos di= *ue a 3onte de teste de ) para C9T III tem
seis ,e=es a corrente da 3onte de teste de %) para C9T II#
F mult2metro C9T III – G(( L sem dú,ida o3erece melor proteção de transiente" em
comparação ao mult2metro C9T II – %((( L" apesar de sua <classi3icação de tensão>
poder ser considerada como mais :aiCa# E essa com:inação da tensão de regime
est/,el Acamada de tensão de tra:aloB e da categoria *ue determina a classi3icação
de tolerMncia total 4 tensão do instrumento de teste" inclusi,e a tão importante
classi3icação de tolerMncia a tensão de transiente#