Ficha informativa/ formativa

Língua Portuguesa
Nome:______________________________________________ N.º_____ Turma: Data:
_____/_____/____ _____.º ano de escolaridade
Grupo
O SONHO
Rei Leandro, Bobo
(No Jardim do palácio real de Helíria. Rei Leandro passeia com o bobo)
REI: Estranho sonho tive esta noite... Muito estranho...
BOBO: Para isso mesmo se fizeram as noites, meu senhor! Para pensarmos coisas acertadas, temos os dias e o!he
"ue bem compridos s#o!
REI: $#o sabes o "ue dizes, bobo! %#o as noites, as noites & "ue nunca mais t'm fim!
Bobo: (i, senhor, as coisas "ue n#o sabe...
REI: Est)s a chamarme i*norante+

BOBO: Estou! ,!aro "ue estou! ,omo & poss-ve! "ue n#o saiba como s#o *randes os dias dos
pobres, e como s#o r)pidas as suas noites... .s vezes estou a dormir, parece "ue ma! acabei de
fechar os o!hos e /) tocam os sinos para me !evantar. ( partir da- & uma dan0a ma!uca, escada acima escada
abai1o: & voc' "ue me chama para !he a!e*rar o pe"uenoa!mo0o2 & 3ort'nsia "ue me chama, por"ue acordou com
vontade de chorar2 & (mar-!is "ue me chama, por"ue n#o sabe se h)de rir se h)de chorar , e eu a correr de um
!ado para o outro, todo o santo dia, sempre a suspirar para "ue che*ue a noite, sempre a suspirar para "ue se
es"ue0am de mim, por um minutinho "ue se/a!, mas o dia & enorme, enorme!, o dia nunca mais acaba, e & ent#o
"ue eu penso "ue, se os reis soubessem destas coisas, deviam fazer um decreto "ua!"uer "ue desse aos pobres como
eu duas ou tr's horas a mais para...
REI (interrompendo): ,a!ate! 4...5
BOBO: O "ue foi "ue !o*o de manh# o p6s assim t#o zan*ado com a vida+ 4...5
REI (Suspira): (h, a"ue!e sonho! ,oisa estranha e es"uista a"ue!e sonho...
7
BOBO: Ora, meu senhor! E o "ue & um sonho+ %onhou2 est) sonhado. $#o adianta ficar a remoer.
REI: (bre bem esses ouvidos para a"ui!o "ue te vou dizer!
BOBO: (com as mãos nas orelhas): Mais abertos n#o consi*o!
REI: Os sonhos s#o recados dos deuses.
BOBO: E para "ue precisam os deuses de mandar recados+ Est#o !) t#o !on*e...

REI: Por isso mesmo. Por"ue est#o !on*e. 8#o !on*e, "ue 9s vezes nos es"uecemos "ue e!es e1istem. : ent#o "ue
nos mandam recados. Mas os recados s#o dif-ceis de entender. (cordamos, "ueremos recordar tudo, e muitas vezes
n#o conse*uimos.
BOBO (aparte): : o "ue faz ser deus... Eu c), "uando "uero mandar recado, & uma !impeza: ;< Brites, *uardame
a- o me!hor naco de toucinho para a ceia!; (Ri) $#o preciso de mandar os meus recados pe!os sonhos de nin*u&m!
REI: =ue est)s tu para a- a resmonear+
BOBO: $ada, senhor! Ref!ectia apenas nas suas pa!avras.

REI: E bom & "ue ne!as ref!ictas. (pesar de bobo, "uem sabe se um dia n#o ir#o os deuses !embrarse de mandar
a!*um recado pe!os teus sonhos... (Pára de repente. !ica por momentos a olhar para o bobo e depois per"unta
com ar muito intri"ado) Ouve !), tu tamb&m sonhas+
(#$ui a cena %ica suspensa e a lu& centra'se apenas no bobo $ue %ala para os espectadores
na plateia)
BOBO: %er) "ue eu sonho+ %er) "ue eu choro+ %er) "ue & san*ue i*ua! ao de!es o "ue me
escorre das costas "uando apanho chibatadas por a!*uma inconveni'ncia "ue disse+ =ue
sabem e!es de mim+ $em se"uer o meu nome e!es conhecem. Pensam "ue /) nasci assim,
coberto de farrapos, e "ue ;bobo; foi o nome "ue me deu minha m#e. (Pausa) %e & "ue e!es
sabem "ue eu tenho m#e, e pai, e "ue nasci i*ua!zinho ao rei, ao conse!heiro, a todos os nobres
deste e doutros reinos: E "uando um dia morrermos e formos para debai1o da terra, t#o morto
estarei eu como "ua!"uer um de!es.
VIEIRA, Alice, Leandro, Rei da Helíria, 3." ed., Ed. Caminho, 1991 4te1to com supress>es5
1. Caracteriza o estado de espírito do rei, tendo em conta o seu comportamento ao longo do excerto.
Justifica a tua resposta.
?
2. Como caracteriza a relação existente entre o bobo e o rei? Justifica a tua resposta.
3. “…como s#o *randes os dias dos pobres, e como s#o r)pidas as suas noites...@
3.1. Explica o sentido desta afirmação, ue foi proferida pelo !obo.
3.2. Descreve, por pala"ras suas, a "ida do !obo.
#. “$ei% &s son'os são recados dos deuses.(
#.1. Qual a explicação ue o rei apresenta para esta definição?
#.2. De que forma reage o !obo ) explicação do rei e por que razão?
*. Atenta na +ltima fala do !obo.
*.1. Identifica e explica, por pala"ras tuas, as críticas ue o !obo faz nesta fala.
*.2. AE "uando um dia morrermos e formos para debai1o da terra, t#o morto estarei eu como "ua!"uer um de!es.@
B.?.7.Identifica figura de estilo presente na expressão, justificando o seu "alor expressi"o.
,. -tenta nas características do texto dram.tico.
,.1. Faz corresponder /ligando0 a cada excerto textual da coluna - o conceito dram.tico apresentado
na coluna ! /-tenção% cada conceito s1 pode ter uma correspond2ncia textual0.
C
(5 Pára de repente. !ica por momentos a olhar para o bobo e
depois per"unta com ar muito intri"ado
B5 DPensam "ue /) nasci assim, coberto de farrapos, e "ue ;bobo;
foi o nome "ue me deu minha m#eD
,5 No Jardim do palácio real de Helíria.
E5 REI: Est)s a chamarme i*norante+
E5 Eu c), "uando "uero mandar recado, & uma !impeza: ;< Brites,
*uardame a- o me!hor naco de toucinho para a ceia!;

3ala
4idasc.lia de cen.rio
-parte

5on1logo
4idasc.lia de atitude
e mo"imentação
6oluna -
6oluna !
,.2. Quantos actos e quantas cenas tem o texto dram.tico apresentado? Justifica a tua resposta.
Grupo II
7. “…& Amarli! "ue me chama, 4D5 e eu a correr de um !ado para o ou"ro, todo o !an"o dia, 4...5 para #ue se
es"ue0am de mim 4...5 !e o! rei! soubessem de!"a! coisas..@
7.1. Identifica e classifica as pala"ras sublin'adas.
18. -tenta nas seguintes frases complexas.
a !Acordamos" queremos recordar tudo e muitas vezes não conse#uimos$%
& 's deuses mandam recados" porque estão lon#e$
c Quando quero mandar recado" eu c(amo o )rites$
d*e for rei" eu mandarei fazer um decreto pelos po&res$
e Ele + &o&o" mas nasceu i#ualzin(o ao rei
18.1. Identifica e classifica as oraç9es ue comp9em cada frase complexa.
F
11. -tenta nas seguintes frases.
A 's reis farão um decreto" naturalmente$
) )o&o" a&re &em esses ouvidos$
C ,ive um estran(o son(o esta noite$
D ' rei e o &o&o são i#uais$
E Iremos para de&aixo da terra" infelizmente$
11.1. Indica as funç9es sint.ticas de cada frase.
11.2. D- forma passi"a ) frase da alínea a0.
11.3. Coloca a frase da alínea d0 no :ret;rito :erfeito do <ndicati"o.
12. “$=<% =st.s a c'amar>me ignorante?(
12.1. Coloca a frase no discurso indireto.
1#. Ima#ina ue ;s o dramaturgo respons."el por continuar o texto dram.tico do $ei e do !obo. Ela&ora a
continuação desse texto dram.tico /1*8 ? 288 pala"ras0, de forma clara, correcta e concisa, no ual o rei
conte o seu son'o ao !obo.
Aspectos a ter em conta.
B
• 4e"e ter um acto e duas cenas.
• 4e"e entrar, pelo menos, mais uma
personagem.
• 4e"e ter, pelo menos, uatro didasc.lias.
• -o longo do texto de"em ser usados recursos
expressi"os, pelo menos, uma personificação, uma
dupla ad@ecti"ação e uma comparação.
G
H