You are on page 1of 31

Pontos críticos no ensino de português a falantes de

espanhol -
da observação do erro ao material didático
1
Daniele Marcelle Grannier e Elzamária Araújo Carvalho
Universidade de Brasília
2. Introdução
Retomando a discussão sobre a necessidade (ou não)
2
de uma metodologia específica para o
ensino de português a falantes de espanhol (FE), apresentamos, neste trabalho, uma aplicação da
proposta heterodoxa de Grannier

(no prelo) elaboração de material did!tico, a partir de um
estudo preliminar sobre os erros dos aprendi"es no processo de a#uisição$aprendi"agem (%$%)&
'nicialmente, apresentamos um ensaio de an!lise da %$% de português por FE, #ue nos permitiu
fa"er um le(antamento ob)eti(o de um con)unto de erros persistentes&
*
+esta an!lise procuramos
identificar (,) alguns tipos de erro de(idos transferência e (-) como se explica essa transferência&
Em seguida, exemplificamos, com parte de uma unidade tem!tica extraída de um pro)eto de
material did!tico, a combinação do trabalho baseado em textos . #ue podem ser de di(ersos tipos/
filme, texto )ornalístico, canção e excertos, entre outros, e (isam a proporcionar o contato
comunicati(o b!sico usando a língua portuguesa . com um con)unto de ati(idades e t0cnicas
(ariadas para estimular a atenção nas semelhanças e nas diferenças entre o português (1) e o
espanhol (E) e promo(er uma reflexão sobre os pontos críticos da %$% do português por FE&

+este material, o foco2na2forma 0 feito de maneira predominantemente induti(a, a partir de textos
em português/ o aprendi" depreende inicialmente as regularidades e os usos pr3prios da língua e,
num segundo momento, trabalha esses pontos de modo #ue, nas no(as exposiç4es ao português,
possa testar e reformular suas hip3teses iniciais, na medida em #ue for necess!rio&
. !evantamento dos erros
%presentamos, a seguir, um le(antamento dos erros encontrados na produção escrita em
português por falantes de espanhol de diferentes ní(eis de %$% do português& 5onsideramos como
pontos críticos a#ueles tipos de erros #ue persistem mesmo entre aprendi"es mais a(ançados&
,
%gradecemos a %dri!n 5anteros e a 6rlene 5ar(alho a leitura pr0(ia #ue fi"eram e os seus (aliosos coment!rios& %
presente (ersão se beneficiou de di(ersas sugest4es e correç4es apontadas por eles&
-
7uanto não necessidade de uma metodologia específica, cf& 8& 5& 1aes de %lmeida Filho (,99:) e, sobre abordagens e
materiais específicos para o ensino de português a FE, (& %;erberg (,99*), <ombello et al& (,9=>), <ombello e ?aleeiro
(,9=>), @il(a Gomes, et& al (,9=A), @im4es (,99:) e 5oudrB e Fontão (-CCC)&
>
6 #uadro da proposta heterodoxa para o ensino de português a FE se apoia nos argumentos do mo(imento do
Dredespertar do foco2na2formaD, nos termos de EoughtB e Filliams (,99=), para o ensino de línguas estrangeiras, iniciado
por <ong (,99,)& com respeito conscienti"ação atra(0s do foco2na2forma, adotamos, entre outras, proposta de Fotos
(,99-), citada em Fotos (,99>) e de @Gain (,99=)& +a aplicação elaboração de materiais, re(isitamos antigos exercícios,
at0 mesmo o ditado e a tradução&
*
6utras an!lises de erros e$ou an!lises contrasti(as (isando aplicação ao ensino/ 8ensen (no prelo), 8Hdice (no prelo) e
Ferreira (,99: e ,99A)&
,
Itili"amos, como base do le(antamento, #uin"e pro(as do exame 5E<1E . ?r!s (-CCC)
:
,
distribuídas em três grupos, de acordo com o grau de certificação obtido pelos candidatos/ segundo
certificado (-), primeiro certificado (,) e sem certificado (@)&
6s erros encontrados foram classificados, inicialmente, atra(0s de um crit0rio puramente
lingJístico& 1ara cada tipo, indicamos alguns exemplos, seguidos da forma correspondente em
espanhol e em português 6s nHmeros e a letra #ue se seguem ao exemplo indicam a locali"ação
do mesmo/ :9- . 'K $ @ (:9- 0 o nHmero da pro(a, 'K corresponde tarefa em #ue se encontra o
exemplo e @ indica a certificação obtida na#uela pro(a)&
6 primeiro grupo, dos erros lexicais, reHne a#ueles #ue incidem em algum aspecto da seleção
lexical (na sua forma ou na sua ade#uação semLntica)&
6 segundo grupo, dos erros morfossintáticos, apresenta a#ueles #ue afetam a estrutura interna da
pala(ra e seus (ínculos a outras pala(ras, tais como erros de regência e de gênero&
5onsideramos como um terceiro grupo, de erros sintáticos, os #ue se encontram num ní(el
puramente sint!tico, tais como erros de ordem dos constituintes e de coneti(os&
+o #uarto grupo, os erros definidos por M#uest4es l0xico2sint!tico2semLnticasN/ são erros #ue
incidem em dois ou mais itens lexicais em pelo menos uma das duas línguas e en(ol(em
diferenças de recorte semLntico e$ou uso em diferentes estruturas sint!ticas&

+o #uinto grupo, reunimos as inade#uaç4es de registro e de estruturas&
1. "rros le#icais
Eentre os erros lexicais, neste trabalho, consideramos #ue não constitui propriamente erro (ou erro
com o mesmo grau de interesse #ue os demais), tanto o primeiro subtipo, o uso da forma em
espanhol, como o segundo subtipo, o uso da forma (#uase) em portuguêsO pois o primeiro subtipo
indica apenas uma falta de contato (suficiente, pelo menos) com o item lexical em português e o
Hltimo podem ser considerados mais como uma falta de atenção s regras ortogr!ficas do
português do #ue erros de língua&
6 terceiro subtipo, denominado o Muso de formas mistasN, apresenta erros #ue re(elam melhor o
desen(ol(imento do processo de a#uisição $ aprendi"agem do português na#ueles pontos em #ue
o aprendi" pode se beneficiar de um ensino #ue propicie uma conscienti"ação das semelhanças e
diferenças entre 1 e E&
,&,& Iso da forma em espanhol
comartir (E& compartir, 1& compartilhar)
P-, . '' $ ,
recios (E& precios, 1& preços)
:9- . 'K $ @
receta
(E& receta, 1& receita)
:A> . ' $ -
s!r (E& sur, 1& sul)
:9> . ' $ @
,&-& Iso da forma (#uase) em português
::
%gradecemos @esuQE5 e 5omissão R0cnica do exame 5E<1E2?ras pela disponibili"ação das pro(as reali"adas em
-CCC&
-
5onsideramos como um grupo parte (#uase Mnão errosN) os exemplos #ue apresentam apenas
erros de acentuação gr!fica, tais como
tam"em (1& tamb0m)
PC> . ' $ @
horario (1& hor!rio )
PC> . ' $ @
#xtase (1& êxtase)
:9* . '' $ -
"#m (1& bem)
:9- . '' $ @
,&>& Iso da forma mista
(,) 'nterferência ortogr!fica
5on(0m distinguir os erros decorrentes apenas da interferência das regras ortogr!ficas do
espanhol na escrita do português& 5omo a ortografia de cada língua, a rigor, não fa" parte do
sistema lingJístico, mas 0 apenas um meio de representação con(encional dessas línguas,
podemos considerar #ue os erros ortogr!ficos em geral (assim como os erros de acentuação,
acima) não constituem erros, propriamente ditos, de língua portuguesa&
Eessa maneira, podemos supor #ue, se os exemplos abaixo, ao in(0s de serem produ"idos por
escrito, ti(essem sido produ"idos oralmente, eles teriam sido pronunciados corretamente&
arossimar (E& aproximar, 1& aproximar)
:9* . ''' $ -
asim (E& así, 1& assim)
PC> . ' $ @
assessorio (E& accesorio, 1& acess3rio)
PC* . ' $ ,
(-) 'nterferência fonol3gica
+este tipo incluímos os erros em #ue a forma fonol3gica da pala(ra em parte 0 espanhola e em
parte 0 portuguesa&
P
(a) 6 erro pode ser um indício de uma diferença sistem!tica entre os sistemas fonol3gicos do
português e do espanhol& Im tipo bastante recorrente 0 o #ue en(ol(e as letras b e ( e re(elam
uma dificuldade para distinguir os fonemas correspondentes em português&
escre"e (E& escribe, 1& escre(e)
:A> . ' $ -
o"o (E& pueblo, 1& po(o)
:9- . '' $ @
P
5onsideramos Dforma fonol3gicaD de uma pala(ra desde (a) a forma de se!s morfemas (os fonemas de #ue são
constituídos)/ por exemplo, em DbesinhoD, Sbes2T apresenta a forma (com fonemas) do espanhol en#uanto o sufixo
apresenta a forma (com fonemas) do português, passando por (b) $ir%re&!lar!dades de nat!reza morfofonol'&ica/ o (erbo
DdormirD em português apresenta (ariaç4es do radical diferentes das (ariaç4es do radical do (aparentemente) mesmo
(erbo em espanhol, at0 (c) aspectos #ue permitem inferir a situação do sistema fonol3gico da interlíngua do aprendi"&
>
osivilidade (E& posibilidad, 1& possibilidade) PC> . ' $ @
ovre
(E& pobre, 1& pobre)
:9* . ''' $ -
(b) 6 erro pode ser decorrente de uma estrutura transit3ria, uma tentati(a de aproximação da forma
em português
"esinho (E& beso, 1, bei)inho)
:9> . '' $ @
edade
(E& edad, 1& idade)
P-A . ' $ -
let!ra (E& lectura, 1& leitura)
:9- . 'K $ @
(>) Regulari"ação morfol3gica
% irregularidade do português ainda não foi ad#uirida ou s3 foi parcialmente ad#uirida& Em alguns
casos, a correspondência 0 conhecida, mas 0 aplicada em item lexical no #ual não ocorre a
correspondência ou 0 aplicada em um ponto inade#uado da pala(ra (vevir)&
d!rme (E& duerme, 1& dorme)
:9- . '' $ @
soamente (E& solamente, 1& somente)
PC9 . 'K $ ,
vevir (E& (i(ir, 1& (i(er)
:9- . ''' $ @
(*) 'nade#uação semLntica
alar&ar (E& alargar, 1& alongar)
PC* . 'K $ , (,)
A
entrar (E& entrar, 1& colocar)
:A> . ' $ - (-)
troco! (E& cambi3, 1& mudou)
P-, . '' $ , (>)
2. "rros morfossintáticos
>&-& Isos de preposiç4es
(,) Regência (erbal
A
K& o contexto dos exemplos numerados no anexo ', M5ontexto dos exemplos citadosN &
*
5onsideramos erro de regência (erbal o uso de preposição em complemento direto, a falta de
preposição em complemento preposicionado ou o uso de uma preposição não aceit!(el por outra,
em complemento preposicionado&
aj!dar a (1& a)udar U)
PC* . ''' $ , (*)
arender deles (1& aprender com eles)
PC> . ''' $ @
(:)
descordar com (1& discordar de)
P-A . 'K $ -
(P)
olhar em (1& olhar U)
PC9 . ''' $ ,
(A)
(-) 6utros usos de preposição
5onstituem erros de nature"a pr3xima do erro lexical, a substituição de preposiç4es de uso fixo, em
formas2feitas, por outras&
=

de mal em ior (1& de mal a pior)
PC* . '' $ ,
(=)
i&!ais (!e n's (1& iguais a n3s)
PC> . ''' $ @
(9)
nesse reseito (1& a esse respeito)
PC, . 'K $ @
(,C)
no lon&o razo (1& a longo pra"o)
:== . ''' $ -
(,,)
-&-& Gênero
Erros de concordLncia de gênero geralmente refletem a transferência do gênero da pala(ra
correspondente em espanhol& Em alguns casos, entretanto, como deste vez e de pala(ras
terminadas em .ão essa explicação não se aplica&
as o!tras cost!mes
:9> . ''' $ @
(,-)
(1& os outros costumes)
deste vez (1& desta (e")
:== . 'K $ -
(,>)
o s!a sit!a)*o (1& a sua situação)
PC> . 'K $ @
(,*)
o viaje (1& a (iagem)
=
5uriosamente, os exemplos recolhidos coincidem na preposição substituída/ em todos eles de(eria ocorrer a preposição
a+ %l0m disso, em três deles, o a foi substituído por em+ (Em apenas um exemplo hou(e substituição do a por (!e+%
:
PC9 . '' $ ,
(,:)
se!s reoc!a),es
PC, . '' $ @
(,P)
(1& suas preocupaç4es)
-&>& Eeterminantes e indefinidos
Im tipo de erro comum 0 o uso de artigos em estruturas onde o português não os aceita, assim
como a sua omissão nas estruturas em #ue são obrigat3rios& Entre os pronomes e ad)eti(os
indefinidos, os erros mais fre#Jentes incidem nas formas t!do e todo$s%+
a lon&o do trajeto (1& ao longo&&&)
P-C . '' $ - (,A)
a o!tra única coisa (1& a Hnica coisa)
P-C . '' $ -
(,=)
al&!m
(1& algu0m)
:9- . '' $ @
(,9)
toca o sanfone (1& toca sanfona)
P-C . '' $ -
(-C)
todo
(1& tudo)
PC, . '' $ @
(-,)
t!dos
(1& todos)
PC9 2 '' $ ,
(--)
. "rros sintáticos
Entre os erros sint!ticos mais comuns destacam2se os erros de ordem dos constituintes&
aj!dar ara (!e o indivíd!o
PC* . 'K $ , (->)
(1& a)udar o indi(íduo para #ue)
e! s' lhe osso dizer
P-, . '' $ , (-*)
(1& eu s3 posso lhe di"er)
me! chato dia
P-A . '' $ -
(-:)
P
(1& meu dia chato)
n*o todos somos i&!ais
P-A . ''' $ - (-P)
(1& não somos todos iguais)
$. %uest&es l'#ico-sintático-sem(nticas
V primeira (ista, os erros #ue en(ol(em #uest4es l0xico2sint!tico2semLnticas poderiam ser
considerados erros de seleção lexical, tais como o uso de ser por estar& Im exame mais detido
re(ela #ue o erro se de(e a distribuiç4es em estruturas diferentes e$ou a recortes semLnticos
(parcialmente) diferentes de uma língua para a outra&
esto! a favor
(E& estoB a fa(or, 1& sou a fa(or)
P-A . 'K $ - (-A)
estar em contra
(E& estar en contra, 1& ser contra)
P,> . ''' $ , (-=)
restar o!vidos
(1& dar ou(idos $ prestar atenção)
PC9 . '' $ , (-9)
# t*o ma! (E& 1& est! tão mau)
:9- . '' $ @
(>-)
acost!mo (E& acostumbro, 1& costumo)
PC* . 'K $ ,
feria (E& feria, 1& feira)
:9- . 'K $ @
troco! (E& cambi3, 1& mudou)
P-, . '' $ ,
). Inade*uaç&es
:&,& Ee registro
(,) Iso de pronome !tono em texto informal
tem (!e faz-.lo a&ora
P,> . ''' $ ,
(1& de(e fa"ê2lo agora $ tem #ue fa"er isso
agora)
A
(-) Ee estrutura
(a) Iso de relati(a por estrutura com possessi(o
em rela)*o / nat!reza, n*o devemos es(!ecer (!e a (!alidade mais imortante
(!e tem # S&&&T
P,> . ''' $ ,
(1& S&&&T nature"a, não de(emos es#uecer #ue a (sua) #ualidade mais importante
S&&&T)
(b) Iso de relati(a por estrutura com infiniti(o
em rela)*o / nat!reza, S&&&T a (!alidade mais imortante (!e tem # (!e # única+
P,> . ''' $ ,
(1& em relação nature"a, S&&&T a #ualidade mais importante 0 ser Hnica)
1. +nálise contrastiva
Ima classificação de base contrasti(a se fa" necess!ria para distinguir os pontos para os #uais
existe a possibilidade de se depreender uma regularidade na correspondência entre 1 e E da#ueles
para os #uais não h! uma generali"ação suficientemente econWmica&
5on(0m notar #ue, embora nem todos os pontos críticos analisados contrasti(amente ofereçam
resultados aplic!(eis a ati(idades de depreensão de regularidades no ensino de 1FE, isso não
in(alida a sua adoção&
Em primeiro lugar, mesmo #ue, de toda a an!lise contrasti(a, apenas uma parte se usasse para
esse tipo de ati(idade (e o resto fosse posto de lado), esse recurso não de(eria ser despre"ado,
pois fornece elementos ao professor e ao elaborador de material did!tico #ue, em aula, permitirão
ao aprendi" fa"er descobertas Hteis sobre o #ue sente como dificuldades, acrescentando um no(o
sentido aula, fa"endo com #ue percorra o processo de %$% com segurança&
1or outro lado, o DrestoD, como os pontos isolados resultantes da an!lise contrasti(a (por exemplo,
a inade#uação semLntica ((& (*) em ,&>&), ser(em a (!rios prop3sitos/ na seleção de textos
9
, e de
ati(idades, para permitir contato reetido com esses elementos& 5aso se)am notados pelo aprendi"
ou caso se)am realçados no material (atra(0s de negrito, por exemplo) poderão ser enfocados
durante a aula&
5oncordamos com %;erberg (,99*) #uando afirma #ue
Da an!lise contrasti(a 0 apenas um ingrediente entre (!rios, na gram!tica pedag3gica S&&&T tal(e"
se)a mais factí(el chamar a atenção do professor para a importLncia e o estudo da mesmaN&
pois o conhecimento das semelhanças e diferenças entre o espanhol e o português permite ao
professor entender melhor e identificar com maior precisão os pontos #ue causam dificuldade ao
aprendi"&

Examinaremos a seguir os pontos #ue serão utili"ados para ilustrar a aplicação elaboração de
materiais did!ticos com foco na forma&
9
DRextosD em sentido amplo/ textos (erbais (orais e escritos), textos (isuais (desenhos, fotos, etc&), textos mistos (anHncios
publicit!rios, reportagens, textos ilustrados), obras de artes pl!sticas, filmes e (ídeos&
=
>& b , v- pobo e posivilidade
6s erros #ue en(ol(em b e ( re#uerem um exame em (!rios ní(eis, pois, de acordo com a
ortografia do espanhol, essas duas letras constituem representaç4es de um mesmo fonema e não
ser(iriam para indicar a distinção fonol3gica entre o fonema $b$ e $($ do português&
1odemos afirmar com bastante segurança, portanto, #ue na grafia o"o não hou(e intenção de
representar o fonema $b$ assim como em osivilidade não hou(e a intenção de representar o
fonema $($&
Esses erros, entretanto, não constituem meras Mconfus4es de letrasN mas são indícios de #ue o
aprendi" pro(a(elmente ainda não distingue os fonemas $b$ e $($ em português& E, mesmo #ue ele
)! os distinga em algumas pala(ras, ele ainda não sabe #ual dos dois ocorre em outras (como em
possibilidade e em po(o)&
4. O viaje
6 gênero dos substanti(os em espanhol e a concordLncia #ue eles pro(ocam correspondem, na
maioria das (e"es, ao #ue se encontra em português&
%lguns substanti(os isolados (nariz, leite, san&!e, cost!me, árvore, etc&) e todos os deri(ados com
o sufixo .a&em, entretanto, não apresentam essa correspondência&
la nari"
o nari"
la sangre o sangue
la leche
o leite
la costumbre o costume
el (ie)o !rbol a (elha !r(ore
el (ia)e
a (iagem
el cora)e a coragem
el gara)e a garagem
5. descordar com, ajudar a alguém
%lguns erros de uso de preposição, como descordar com, não se de(em transferência do
espanhol (pois nessa língua o #ue se encontra 0 discordar de) en#uanto outros, como aj!dar a
al&!#m 0 um uso diretamente calcado na regência do espanhol&
1or outro lado, a an!lise do português demonstra #ue h! necessidade de se distinguir, como indica
5ar(alho (no prelo), os usos gramaticais das preposiç4es dos usos com significados distintos&
%l0m disso, a autora salienta #ue a preposição de, por sua (e", apresenta um complicador/ al0m
de ocorrer com esses dois usos, (!rios outros de seus usos são limítrofes, tornando a
an!lise demasiadamente complexa para uma aplicação econWmica ao ensino&
% an!lise contrasti(a confirma os resultados da an!lise das preposiç4es do português
por 5ar(alho/ (,) a regência, tanto (erbal como nominal 0 propriedade do item lexical e, embora
ha)a muitas coincidências, não se submete a correspondências regulares de uma língua para outra,
en#uanto (-) nos usos com significados distintos, 0 possí(el depreender regularidades&
9
6. soamente
Em espanhol, assim como em português, nas pala(ras deri(adas com 0mente, a base apresenta a
forma feminina/ 1& primeiramente . E& primeramente& % regra 0 (!lida, nas duas línguas, tamb0m,
para as pala(ras #ue têm apenas uma forma tanto para o feminino como o masculino/ 1&
tradicionalmente . E& tradicionalmente, 1& simplesmente . E& simplemente, 1& fortemente . E&
fuertemente, etc& nas #uais a base, embora com formas in(ari!(eis, têm gênero feminino&
6 erro acima se de(e ao fato de, em espanhol, a pala(ra correspondente encontrar2se no primeiro
grupo, das pala(ras #ue apresentam uma forma marcada como feminina/ solamente, en#uanto, em
português a base tem uma forma in(ari!(el, independentemente do gênero/ somente+
2. + aplicação ao ensino
6 material did!tico apresentado a#ui corresponde aproximadamente metade de uma unidade
baseada no filme E! 1! Eles+ Essa primeira parte 0 centrada numa reportagem sobre o filme& +a
segunda parte, depois de assistir ao filme, pode2se desen(ol(er ati(idades an!logas s da primeira
parte, se)a com base no pr3prio filme (uma ati(idade com foco2na2forma (l0xico), pode ser, por
exemplo, uma pr!tica oral controlada sobre meios de locomo)*o, pois a protagonista se desloca
usando (!rios meios, entre os #uais, anda de "!rro2je&!e, de 3ni"!s e a #) se)a com base no texto
da canção MEsperando na 8anelaM de Gilberto Gil ou, ainda, com base em pe#uenos textos
inseridos incidentalmente, mas de forma integrada, de acordo com a necessidade de ampliar o
trabalho dos pontos com foco na forma&
%s ati(idades propostas a partir de textos têm por ob)eti(o propiciar (como foi mencionado na
introdução deste trabalho), tanto (,) a interação em sala de aula,
1.
como (-) o tra"alho da língua,
com foco.na.forma&
6 crit0rio b!sico para optar por uma ou outra ati(idade ou por um ou outro ponto crítico 0 a an!lise
do pr3prio texto,
11
e a identificação do potencial #ue ele oferece& 1or outro lado, os tipos de
ati(idades selecionados de(em atender s indicaç4es da proposta heterodoxa&
% partir desses dois crit0rios, #ual#uer ati(idade pode ser considerada para inclusão no material
did!tico& Re(isitamos algumas ati(idades tais como o ditado e a trad!)*o e adaptamos exercícios
de an!lise lingJística (fon0tica, fonol3gica, morfossint!tica e semLntica)& 'ncluímos um Dteste 5lo"eD
cl!ssico, como exercício, pelo desafio de Dbusca de pistasD #ue en(ol(e e pela integração
lingJística #ue proporciona&
%l0m disso, consideramos a discussão da DcorreçãoD do teste 5lo"e, oralmente, em aula, uma
ati(idade #ue proporciona um foco2na2forma descontraído, pois a proposta, na forma cl!ssica
dessa ati(idade, )! pre(ê respostas (ariadas, mais ou menos precisas em #ue o #ue se procura
não 0 uma resposta Hnica e certa (a #ue ocorre no texto), mas #ual#uer preenchimento #ue faça
sentido e at0 mesmo uma informação sobre o tipo de pala(ra #ue poderia ocorrer& X, como se (ê,
uma excelente oportunidade para o aprendi" (erbali"ar suas dH(idas& X o momento, tamb0m, de
uma interação aluno$professor e aluno$aluno para uma reflexão sobre os (ariados aspectos #ue
cada escolha de pala(ra re#uer&
Im con)unto de unidades tem!ticas desse tipo permite desen(ol(er a primeira fase de um curso
#ue atenda s características da roosta heterodoxa, mencionada acima, proporcionando
elementos para/
(,) o contato com a língua portuguesa e com a cultura brasileira atra(0s de filmes, textos e
interação em sala de aula, com ênfase na compreensão& (K& no desen(ol(imento da
,C
K& ati(idades desen(ol(idas em Yenri#ues e Grannier (-CC,)&
,,
Esse processo, aparentemente simples, torna2se bastante complexo na medida em #ue o elaborador de materiais
did!ticos procura integrar a #uantidade de textos necess!rios para um curso completo&
,C
unidade abaixo/ itens , e -&,& a -&>& #ue en(ol(em compreensão oral e compreensão de
texto)O
/20produção oral controlada ((& abaixo/ #uestion!rio de mHltipla escolha, correção do teste
5lo"e e ati(idades propostas em >&,& e >&P&) . 0 nessas ati(idades #ue professor e aluno
podem dedicar parte da sua atenção para a precisão tanto da gram!tica #uanto da
pronHnciaO
(>) foco na forma/ l0xico (K& abaixo/ >&,& e >&P&)O
(*) foco na forma/ regularidades som$letra (K& >&>&) com ênfase na distinção fonol3gica e na
precisão da pronHncia& % atenção s regularidades ortogr!ficas do português fornece um
apoio (alioso, para o FE, na aprendi"agem da forma fonol3gica das pala(ras do portuguêsO
(:) foco na forma/ correspondências gramaticais entre o E e o 1 e regularidades do português
(K& >& -& a >&:&)O
(P) produção escrita intensi(a e extensi(a& (K& abaixo/ *&)
Entremeamos )unto com a apresentação$descrição do material did!tico alguns coment!rios sobre o
desen(ol(imento das ati(idades em sala de aula&
12I3+3" , 4ilme Eu Tu Eles
1. 5railer do filme Eu Tu Eles /a*uecimento0.
,&,& 5ompreensão e discussão do tema&
,&-& Foco na percepção auditi(a&
,,
2. 6 te#to básico.
6 texto escolhido foi M7uadril!tero @ertane)oN, de 5l0ber Eduardo e @íl(io Ferreira, #ue constitui a
seção C!lt!ra2Cinema da re(ista 4oca, de ,* de agosto -CCC (pp& ,,P 2,,A), reprodu"ido, em
parte, a seguir& (K& reprodução do texto completo no anexo ''&)
-&,& %n!lise pr0(ia
5oment!rios sobre o título, fotos e chamadas&
-&-& <eitura do texto
%penas os dois primeiros par!grafos da reportagem são reprodu"idos a#ui, pois serão examinados
mais detalhadamente para a amostra de material did!tico&
%uadrilátero sertane7o
%mbientado no cen!rio fa(orito dos filmes brasileiros, Eu Ru Eles conta a hist3ria de uma
mulher e três maridos&
%ndrucha Faddington espera(a preguiçosamente diante da tele(isão, em agosto de ,99:,
o fim de mais um típico domingo& 6 premiado diretor de (ideoclipes e s3cio da produtora
5onspiração Filmes, ho)e com >C anos, arregalou os olhos diante de uma reportagem no
Fant!stico& Era a hist3ria de Qaria Qarlene @ab3ia da @il(a, de *9 anos, #ue (i(ia com um marido e
dois amantes em 7uixelW, lugare)o com -CC habitantes no interior do 5ear!& %ndrucha #ueria fa"er
seu primeiro longa2metragem, mas ainda não tinha encontrado um bom enredo& Kislumbrou na
reportagem a semente da singela com0dia Eu Ru Eles& M6 machismo dos brasileiros tolera um
homem com (!rias mulheres, mas uma senhora com três companheiros 0 ins3lito&D %firma&
% opção pelo inusitado est! gerando boa colheita& Eu Ru Eles foi aplaudido de p0 em uma mostra
paralela do Festi(al de 5annes, tem exibição garantida em (!rios países, estr0ia em mais de 9C
salas no ?rasil e 0 forte candidato a uma (aga para o 6scar de produção estrangeira& 6 roteiro
conta como a faceira e fogosa camponesa Earlene, interpretada por Regina 5as0, recebe a)uda do
acaso para atrair e manter três homens em casa (<ima Euarte, @tênio Garcia e <ui" 5arlos
Kasconcelos)& 6 #uadril!tero 0 retratado com bom humor& % exploração do lado cWmico de
personagens matutos e das saborosas express4es regionais não fa" pouco dos sertane)os& Eu Ru
Eles representa2os de forma afetuosa at0 #uando tem cru0is ata#ues de sinceridade& 1ara não
redu"i2los a estere3tipos, a produção usou como modelos os moradores da pe#uenina 8unco de
@alitre, na ?ahia, local das filmagens& Ramb0m contou com palpites de Gilberto Gil, autor da trilha
sonora&
-&>& 5ompreensão de texto/ #uestion!rio de mHltipla escolha&
Im #uestion!rio de mHltipla escolha proporciona enunciados #ue le(antam pontos de di(ersas
nature"as, os #uais serão a(aliados em sua correspondência ao conteHdo do texto& 6 aluno de(e
poder )ustificar a escolha #ue fa", dentre as diferentes respostas enumeradas&
%presentamos a#ui duas #uest4es possí(eis, referentes aos dois primeiros par!grafos do texto/
,-
2.$. 85este 9lo:e;
12
-&*& Reste 5lo"e
11
1. Preencha cada lacuna com uma palavra.
%uadrilátero sertane7o
,-
,,
+este exemplo de um MReste 5lo"eN, adotamos a eliminação de cada s0tima pala(ra& 6s nomes pr3prios e os numerais
foram considerados como uma s3 pala(ra& %dotamos a#ui o crit0rio de contar as alavras orto&ráficas+ %s contraç4es de
preposição e artigo, portanto, tamb0m foram contadas como uma s3 pala(ra& +a apresentação final, no material did!tico,
as lacunas de(em ser numeradas&
,>
3epois de ler o te#to acima< responda =s seguintes perguntas.
,& % reportagem d! a entender #ue o filme de(e fa"er sucesso por#ue
(,) 6 filme mostra as dificuldades enfrentadas, no dia2a2dia, por uma família brasileira
típica&
(-) 6s brasileiros, assim como os estrangeiros, gostam de filmes com temas polêmicos&
(>) 6 filme de(e ser muito bom, )! #ue est! sendo apreciado pelos estrangeiros&
(*) 6 filme 0 baseado em uma hist3ria fant!stica, bem ao gosto dos brasileiros&
-& 6s autores escolheram diferentes pala(ras para se referirem a pessoas do sexo
masculino e feminino em Mum homem com (!rias mulheresN e Muma senhora com três
companheirosN por#ue
(,) X bom e(itar a repetição de pala(ras num mesmo período&
(-) +os textos )ornalísticos, costuma2se selecionar pala(ras #ue produ"am impacto no
leitor&
(>) 7ueriam mencionar uma realidade chocante de forma sua(i"ada&
(*) +ão ficaria bem falar de Muma mulher com três homensN&
%mbientado no cen!rio fa(orito dos filmes brasileiros, E! 1! Eles conta a hist3ria
de uma mulher e três maridos&
%ndrucha Faddington espera(a preguiçosamente diante da tele(isão,
ZZZZZZZZZZZZ agosto de ,99:, o fim de ZZZZZZZZZZZZ um típico domingo& 6
premiado diretor ZZZZZZZZZZZZ (ideoclipes e s3cio da produtora 5onspiração
Filmes, ZZZZZZZZZZZZ com >C anos, arregalou os olhos ZZZZZZZZZZZZ de uma
reportagem no 5antástico& Era ZZZZZZZZZZZZ hist3ria de Qaria Qarlene @ab3ia da
@il(a, de *9 anos, ZZZZZZZZZZZZ (i(ia com um marido e dois ZZZZZZZZZZZZ em
7uixelW, lugare)o com -CC habitantes ZZZZZZZZZZZZ interior do 5ear!& %ndrucha
#ueria fa"er ZZZZZZZZZZZZ primeiro longa2metragem, mas ainda não tinha
ZZZZZZZZZZZZ um bom enredo& Kislumbrou na reportagem ZZZZZZZZZZZZ
semente da singela com0dia E! 1! Eles& M6 machismo ZZZZZZZZZZZZ brasileiros
tolera um homem com (!rias ZZZZZZZZZZZZ, mas uma senhora com três
companheiros ZZZZZZZZZZZZZZ ins3litoN, afirma&
% opção pelo inusitado ZZZZZZZZZZZZ gerando boa colheita& E! 1! Eles foi
aplaudido ZZZZZZZZZZZZ p0 em uma mostra paralela do Festi(al de 5annes,
ZZZZZZZZZZZZ exibição garantida em (!rios países, estr0ia ZZZZZZZZZZZZ mais
de 9C salas no ?rasil ZZZZZZZZZZZZ 0 forte candidato a uma (aga ZZZZZZZZZZZZ
o 6scar de produção estrangeira& 6 ZZZZZZZZZZZZ conta como a faceira e fogosa
ZZZZZZZZZZZZ Earlene, interpretada por Regina 5as0, recebe a)uda
ZZZZZZZZZZZZ acaso para atrair e manter três ZZZZZZZZZZZZ em casa (<ima
Euarte, @tênio Garcia e <ui" 5arlos Kasconcelos)& ZZZZZZZZZZZZ #uadril!tero 0
retratado com bom humor& ZZZZZZZZZZZZ exploração do lado cWmico de
personagens ZZZZZZZZZZZZ e das saborosas express4es regionais não
ZZZZZZZZZZZZ pouco dos sertane)os& E! 1! Eles representa2os ZZZZZZZZZZZZ
forma afetuosa at0 #uando têm cru0is ZZZZZZZZZZZZ de sinceridade& 1ara não
redu"i2los ZZZZZZZZZZZZZ estere3tipos, a produção usou como modelos
ZZZZZZZZZZZZ moradores da pe#uenina 8unco de @alitre, na ?ahia,
ZZZZZZZZZZZZ das filmagens& Ramb0m contou com palpites ZZZZZZZZZZZZ
Gilberto Gil, autor da trilha sonora&
,*
2. 9ompare suas respostas com as palavras retiradas do te#to.
,& em
-& Qais
>& Eiante
*& a
:& #ue
P& amantes
A& no
=& seu
9& encontrado
,C& a
,,& dos
,-& mulheres
,>& 0
,*& est!
,:& p0
,P& para
etc
,:
. 4oco-na-forma
>&,& 1rodução oral controlada/ l0xico ,&
,>
9om base nas informaç&es do *uadro abai#o
,& 'dentifi#ue e descre(a o tipo de lugar onde se passa a hist3ria do filme E! 1! Eles&
-& Fale sobre outros lugares&
1........ de habitantes
...... habitantes
açude
área rural- criaç&es , plantaç&es
arranha-c'us
avenidas asfaltadas
bancos
metr> , hospitais , teatros
palácio do governo
praça da igre7a
rede de água e esgoto
ruas de terra
shoppings
,>
+o material did!tico, esta p!gina teria, como fundo, fotos de cidades de diferentes tamanhos, com algumas das
características citadas& Eois textos #ue poderiam se ligar a esta ati(idade, substituindo o #uadro ou complementando2o,
são os anHncios publicit!rios em #ue aparecem (,) uma rua de uma cidade grande e suas DentranhasD e (-) uma
camionete passando por (!rios tipos de terrenos (areia, lamaçal, etc&), debaixo de chu(a, de sol, etc&((& anexo ''')&
,P
a metr?pole
a cidade
a capital
o lugare7o
o vilare7o
,A
>&-& 1reposiç4es e contraç4es
(,) 5ontraç4es
1. !eia os dois primeiros parágrafos do te#to e anote as ocorrências de em, no, nos,
na, nas, de, do, dos, da, das e das palavras *ue as acompanham. 3epois< responda
=s perguntas abai#o.
+o texto Em espanhol
em a&osto en a&osto
em 6!ixel3 en 6!ixel3
no interior en el interior
etc&
+o texto Em espanhol
da televis*o de la televisi'n
o fim de mais el fin de más
do Ceará del Ceará
etc&
(,) 1or #ue, em espanhol, #uando o nome #ue se segue 0 feminino, h! duas pala(ras/
de la e #uando o nome 0 masculino, h!
apenas uma[
(-) Esse mesmo tipo de explicação pode ser aplicado ao português[
(>) 5omo fica o #uadro das correspondências entre as formas sub)acentes e as formas
contraídas[ 5omplete o #uadro/
de 7 o  do em 7 o  no
(-) Isos de preposiç4es
1. "#amine as palavras *ue tinham sido eliminadas no e#ercício de lacunas e responda
=s perguntas *ue se seguem-
1. ZZZZemZZZZ agosto de ,99:
-& lugare)o com -CC habitantes ZZZZ8noZZZZZZ interior do 5ear!&
>& 6 machismo ZZZZZdosZZZZZ brasileiros
*& E! 1! Eles foi aplaudido ZZZZZemZZZZZ p0
:& estr0ia ZZZZZemZZZZZ mais de 9C salas no ?rasil
P& 0 forte candidato a uma (aga ZZZZaraZZZZZ o 6scar de produção estrangeira
A& recebe a)uda ZZZZZdoZZZZZ acaso para atrair e manter três amantes
=& 1ara não redu"i2los ZZZZZaZZZZZZ estere3tipos
9& Ramb0m contou com palpites ZZZZZdeZZZZZ Gilberto Gil, autor da trilha sonora&
(,) 6bser(e a expressão em #+ Existe uma expressão e#ui(alente em espanhol[
(-) 7ual 0 a id0ia expressa nas demais frases (,, - e :) com em ou no (em \ o)[
(>) % #ue (ocê atribui o uso de a na frase =[
(*) +a frase P seria possí(el inserir um (erbo depois de ara+ 7ual poderia ser[
(:) % #ue (ocê atribui o uso de de na frase A[
(P) 5aracteri"e o uso de de nas demais frases (> e 9), com de ou dos (de \ os)&
,=
2. 5ente organi:ar as suas conclus&es na tabela abai#o
@erbo A B C
Isos com significado
tempo,lugar finalidade
2ome B nome
1$
9asos especiais
red!zir 7 a
rece"er 7
em #
. 9omplete o te#to abai#o com a, de, em, para. De for necessário escreva a forma
contraída /no, dos, etc.0.
Embora tenha apro(ado o resultado, a inspiradora ZZZZZZZZZZZZ (\o) pro)eto,
Qaria Qarlene, ficou desconfiada dos tru#ues ZZZZZZZZZZZZ (\a) ficção& M5omo ela me
imita se ela não me conhece[N, #uestionou, ao assistir interpretação de Regina 5as0&
5omediante ZZZZZZZZZZZZ humor indWmito e estilo estridente, Regina conte(e os gestos e
as pala(ras ZZZZZZZZZZZZ (\as) filmagens& MEu me senti ZZZZZZZZZZZZ (\um) monast0rio&
7uase não fala(a&N, exagera& 6 elenco, ali!s, 0 irrepreensí(el& <ima Euarte interpreta o
preguiçoso e ran"in"a 6sias, com #uem Earlene se casa por con(eniência& @tênio Garcia
parece em estado ZZZZZZZZZZZZ graça, como o ingênuo e subser(iente ]e"inho S&&&T 6
papel ZZZZZZZZZZZZ sedutor ficou com <ui" 5arlos Kasconcelos& 6 trio masculino
experimenta o ciHme, o dese)o e o medo ZZZZZZZZZZZZ (\a) solidão& Rodos são
manipulados pela esperte"a ZZZZZZZZZZZZ Earlene&
En#uanto corria atr!s ZZZZZZZZZZZZ (\o) dinheiro para E! 1! Eles, o diretor
%ndrucha Faddington fe" o suspense G-meas (,999), baseado ZZZZZZZZZZZZ crWnica
ZZZZZZZZZZZZ +elson Rodrigues& 8! o no(o filme possibilitou a transição ZZZZZZZZZZZZ
(\a) cena urbana ZZZZZZZZZZZZ a rural& 6 bem2sucedido rapa" ZZZZZZZZZZZZ (\a) ]ona
@ul ZZZZZZZZZZZZ (\o) Rio de 8aneiro, marido ZZZZZZZZZZZZ (\a) atri" Fernanda Rorres,
mergulhou ZZZZZZZZZZZZ (\a) paisagem mais exportada pelo cinema brasileiro/ o sertão
nordestino& MEescobri esse mundo fascinante, seu c3digo ZZZZZZZZZZZZ 0tica pr3prio, a
sabedoria ZZZZZZZZZZZZ (\os) habitantes e tentei mostrar isso ZZZZZZZZZZZZ (\a) telaN,
afirma o diretor& S&&&T&
E! 1! Eles exibe as características essenciais ZZZZZZZZZZZZ (\o) cotidiano desse
uni(erso& Qostra a seca, a fome, os sacrifícios e o desemprego& 6s personagens moram
em casas ZZZZZZZZZZZZ barro, dormem ZZZZZZZZZZZZ redes, não têm tele(isão nem lu"
el0trica e s3 trabalham ZZZZZZZZZZZZ (\o) período ZZZZZZZZZZZZ (\a) colheita& 7ue não
se espere, contudo, um enfo#ue politi"ado, como ZZZZZZZZZZZZ (\os) anos PC& MQinha
geração não usa o cinema ZZZZZZZZZZZZ expor um pro)eto ZZZZZZZZZZZZ paísN, explica
%ndrucha& M+3s nos preocupamos com a hist3ria, não com mensagens ou denHncias&N
6 interesse maior ZZZZZZZZZZZZ (\o) )o(em diretor est! em mostrar como suas figuras
nordestinas fogem ZZZZZZZZZZZZ (\as) receitas tradicionais ZZZZZZZZZZZZ tentar
saborear um pedacinho ZZZZZZZZZZZZ felicidade& E o fato de usar o humor ZZZZZZZZZZZZ
narrar a tra)et3ria dessas pessoas não impede E! 1! Eles de retratar o ?rasil&
,*
7uando h! coincidência de uso em 1 e em E, principalmente da preposição de, não 0 econWmico detalhar a an!lise do
significado&
,9
>&>& Eistinção $b$ 2 $($
1)
Bb / Vv
1. PronEncia
bela
vela
FbG- som oclusivo bilabial
FvG- som fricativo labiodental
,:
6s exercícios de pronHncia são inspirados nos treinamentos fon0ticos (de lingJistas)& Qant0m2se a#ui apenas os
elementos metalingJísticos #ue podem ser Hteis para o aprendi" FE& +ão h! necessidade de utili"ar a terminologia t0cnica&
6 professor e o aluno poderão se referir aos mesmos fatos utili"ando os termos #ue lhes parecerem mais sugesti(os&
Exercícios desse tipo )! ha(iam sido introdu"idos no ensino de 1<E por Grannier2Rodrigues e El2Eash em material
experimental elaborado na Inicamp, em ,9A9&
-C
+o material did!tico, ilustração/
figura de uma bela mulher
+o material did!tico, ilustração/
figura de uma (ela acesa
3ica- os l!bios são apertados um contra
o outro, impedindo completamente a
passagem do ar e abrem2se
repentinamente, como em espanhol, em
início absoluto de enunciado, por
exemplo/ ao chamar algu0m/ ^Kictor_
^?eatri"_ 6u #uando segue m/ sombra,
cambiar&
+o material did!tico/
foto de boca de frente,
pronunciando S(T/ l!bio
inferior encosta contra
incisi(os superiores ,
#ue podem ser (istos&
3ica- o l!bio inferior 0 encostado nos
dentes incisi(os superiores redu"indo a
abertura por onde passa o ar,
continuamente, como na pronHncia de
SfT em português ou em espanhol& 6
som S(T não existe em espanhol&
+o material did!tico/
foto de uma boca (ista
de frente,
pronunciando
SbT/ l!bios fechados,
2. Hrafia
FbG sempre se escre(e b/ ambientado, brasileiros, habitantes, bom, boa, recebe, pobre,
saborosas, ?ahia, tamb0m, Gilberto, embora, cabra, baseado, possibilitou, urbana, bem2
sucedido, descobri, sabedoria, diabo, trabalho, barro, etc&
FvG sempre se escre(e ( (excepcionalmente se escre(e G, em alguns nomes pr3prios/
Falter)/ fa(orito, espera(a, tele(isão, (ideoclipes, (i(ia, (islumbrou, (!rias, festi(al, (aga,
apro(ado, conte(e, pala(ras, fala(a, con(eniência, subser(iente, la(ar, Kasconcelos, no(o,
ti(er, uni(erso, li(re, li(ro, etc&
o inverso ' verdadeiro-
b sempre se lê SbT
D1P"I3I9+J
v sempre se lê S(T
. "#ercícios
1. 3itado
%ssinale a pala(ra ou(ida
+ K
,& o boto o (oto
-& bate (ate
>& libra li(ra
*& taba (es)ta(a
:& )uba chu(a
P& bento (ento
A& cabo ca(o
=& caba ca(a
9& berço (erso
,C& abelha a (elha
2. !eitura em vo: alta
Escolha um trecho do texto M7uadril!tero sertane)oN e leia, prestando atenção
pronHncia das pala(ras com b e com (& Faça uma gra(ação em fita cassete ou em
(ídeo e obser(e como (ocê pronunciou as pala(ras com esses sons&
. 9olo*ue na tabela abai#o as palavras com b e com v *ue ocorrem no te#to e< a
seguir< responda =s perguntas abai#o.
b v "m espanhol
favorito favorito
televis*o televisi'n
videoclies videoclies
"oa "!ena
rece"e reci"e
"om "!eno
-,
alavras ala"ras
ossi"ilito! osi"ilit'
ca"ra ca"ra
vis,es visiones
etc+ etc+
--
(,) 1or esse le(antamento, o #ue 0 mais comum em português/ pala(ras com b ou com ([
(-) 7uando uma pala(ra se escre(e com b (ou com () numa língua, pode2se predi"er com
#ue letra ela se escre(e na outra língua[
(>) Kocê conhece outras pala(ras #ue se escre(em com b ou com ( em português e não
coincidem com a escrita em espanhol[ 7uais são[
>&*& 1ala(ras terminadas em 0a&em
1. 6bserve as seguintes frases do te#to 8%uadrilátero sertane7o; e indi*ue< sempre *ue
possível< o gênero /L0 ou /40 das palavras terminadas em -agem-
,& S&&&T na ?ahia, local das filmagens&
2. S&&&T diante de uma reportagem do 5antástico&
>& %ndrucha #ueria fa"er seu primeiro longa2metragem&
*& Kislumbrou na reportagem S&&&T
:& % exploração do lado cWmico de personagens matutos S&&&T
P& Regina conte(e os gestos e as pala(ras nas filmagens&
A& S&&&T mergulhou na paisagem S&&&T
=& 6 +ordeste emprestou imagens S&&&T
9& Ramb0m foi cen!rio de abordagens políticas S&&&T
,C& S&&&T imagens do +ordeste S&&&T
,,& 6s personagens moram em casas de barro S&&&T
,-& +3s nos preocupamos com a hist3ria, não com mensagens S&&&T
,>& Falter @alles apresenta uma (iagem S&&&T
2. +gora< responda =s seguintes perguntas-
/a07ual 0 o gênero da maioria das pala(ras terminadas em 0a&em[
/b01elos exemplos em #ue ocorrem, não 0 possí(el depreender #ual 0 o gênero de
ima&ens e de mensa&ens& 6 #ue (ocê pode supor sobre o gênero dessas
pala(ras[ 5onfira com seu professor ou procure num dicion!rio a confirmação de
sua hip3tese&
/c05omo explicar o gênero de ersona&ens[ 1ergunte ao seu professor ou consulte um dicion!rio
e$ou uma gram!tica para saber o #ue se di" sobre o gênero dessa pala(ra&
/d0+a frase >, como se explica #ue longa este)a na forma feminina e seu primeiro na forma
masculina[ 5on(erse com seus colegas e seu professor a respeito&
->
Q$F
,& ( )
-& ( )
>& ( )
*& ( )
:& ( )
P& ( )
A& ( )
=& ( )
9& ( )
,C& ( )
,,& ( )
,-& ( )
,>& ( )
>&:& 1ala(ras formadas com 0mente
1. 6bserve a seguinte frase do te#to 8%uadrilátero sertane7o; e compare a palavra
terminada em Mmente com as formas correspondentes em 1 e 2< abai#o.
S&&&T espera(a preguiçosamente diante da tele(isão o fim de mais um típico domingo&
(a) <ima Euarte interpreta o preguiçoso e ran"in"a 6sias S&&&T
(b) % personagem de Regina 5as0, Earlene, não 0 nem preguiçosa nem ran"in"a S&&&T
2. 6bserve o con7unto de e#emplos abai#o-
. Passe para o espanhol-
"spanhol
feminino singular
un típico domingo típica tipicamente
Português
feminino singular
um típico domingo típica tipicamente
seu primeiro filme primeira primeiramente
o lado cWmico cWmica comicamente
as express4es regionais regional regionalmente
de forma afetuosa afetuosa afetuosamente
a trilha sonora sonora sonoramente
um problema difícil difícil dificilmente
0 forte candidato forte fortemente
uma receita simples simples simplesmente
o no(o filme no(a no(amente
um homem s3 s3 somente
as receitas tradicionais tradicional tradicionalmente
-*
$. Iesponda =s seguintes perguntas-
(a) Em #ue exemplos a forma feminina não se distingue da masculina[
"m português "m espanhol
regional regional
(b) Kocê conhece outras pala(ras em português (e$ou em espanhol) #ue não
distinguem forma masculina de feminina[
ZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZ
ZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZ
). +gora< observe as palavras terminadas em Mmente *ue ocorrem nos seguintes te#tos
e teste suas conclus&es-
-:
2o material didático- montagem com os te#tos publicitários ou
7ornalísticos /ou parte deles0< com ilustraç&es< de onde foram
e#traídas as frases abai#o.
,& Roda (e" #ue usar seu cartão 5redicard (ocê automaticamente
concorre a um dos >C EKEs Gradiente #ue a 5redicard estar!
sorteando no fim do mês& (4oca, ,* de agosto de -CCC, p& ,,:&)
-& +o %fganistão, como na era de Yitler, #uem pertence a minorias tem
de usar distinti(o& S&&&T 6 pedaço de pano amarelo #ue de(e ser pregado
na roupa ser(e somente para os homens& (9eja, >C de maio de -CC,,
p& :=&)
>& %s pessoas raramente mudam alguns tipos de comportamento&
1essoas são o #ue são& Elas nasceram e (ão morrer assim& (9oc-,
:+A+ )unho de ,999, >,&)
*& @ua (ida no trabalho pode parecer tensa . e fre#Jentemente 0& Kale a
pena, então, conhecer a experiência de profissionais #ue (i(em o
tempo todo trabalhando com riscos extremos& (9oc- :+ A+, setembro de
,999, p& P*&)
:& ;asa 1erra&r#s não 0 o mais caro& @implesmente (ale muito mais&
(9eja, ,= de outubro de ,99:, P:&)
P& 7uando transmitimos id0ias s pessoas, não 0 necess!rio con(encê2
las totalmente& ?asta #ue acreditem #ue (ocê est! do lado delas&
(9oc- :+ A+, setembro de ,999, p& =:&)
A& DKi(e #uem ousadamente (i(e&D Goethe& (<caro, Re(ista de bordo da
K%R'G, setembro de -CC,, p& ,*&)
>&P& 1rodução oral controlada/ l0xico -&
9om base nas informaç&es do *uadro abai#o< fale sobre o filme.
Personagens centrais
-P
3arlene
faceira
fogosa
esperta
6sias
preguiçoso
ran"in"a
Ne:inho
subser(iente
McabraN dedi2
cado a &&&
9iro
)o(em
sedutor
ciHmes
dese)o
medo da solidão
$. +tividades e#traclasse.
*&,& 1rodução escrita com base no #uadro M1ersonagens centraisN&
*&-& %ti(idade extensi(a
Filme/ E! 1! Eles
1rodução escrita/ resumo e coment!rios&
. 9onclusão
%plicando os princípios da a"orda&em heterodoxa, propomos #ue se le(e em conta os
aspectos específicos do processo de %$% de português por falantes de espanhol& Eestacamos (,)
ati(idades proati(as predominantemente induti(as, #ue promo(am a conscienti"ação das
semelhanças e diferenças entre 1 e E, atra(0s do foco.na.forma (a partir do uso da língua em
contexto significati(o), (-) o controle da produção oral e, como instrumento para atingir esses
ob)eti(os, (>) a priori"ação da leitura e da produção escrita&

+o desen(ol(imento de uma metodologia específica, ilustrada neste trabalho, pretendemos
demonstrar a necessidade do empenho no conhecimento mais aprofundado da_língua portuguesa
efeti(amente usada no ?rasil e do contraste entre essa língua e o espanhol para a fundamentação
do ensino e para a elaboração de material did!tico&
5oncordamos com a afirmação de EoughtB e Filliams (,99=)
,P
(referindo2se ao trabalho de
<ong e Robinson) #uanto Minefici-ncia de deixar o aprendi" adulto por conta de seus pr3prios
recursosN,
,A
#uando, por outro lado, a instrução #ue utili"a o foco2na2forma pode proporcionar
atalhos Hteis& +esse processo, o papel do professor torna2se fundamental para fornecer elementos
pro(ocadores para uma reflexão sobre os pontos críticos na %$% do português por FE&
Kibliografia
%`ER?ERG, Q%R'%++E (,99*) D%n!lise contrasti(a na gram!tica pedag3gica/ um ingrediente Htil no
ensino de português a falantes de espanhol&D => Con&resso ;nternacional de Ensino de ?ort!&!-s
como @ín&!a Estran&eira+ ,9 a -, de outubro de ,99*, 1p& 9P2,C-&

2222222222222, Q%R'%++E (,99P) % transferência na situação de duas línguas pr3ximas/ o caso de
português e de espanhol& A> Con&resso ;nternacional do Ensino de ?ort!&!-s como @ín&!a
Estran&eira+ 1p& ,>2*P&
%<QE'E% F'<Y6, 86@X 5%R<6@ 1%E@ EE (,99:) MIma metodologia específica para o ensino de línguas
pr3ximas[D in/ ?ort!&!-s ara Estran&eiros+;nterface com o esanhol, 8os0 5arlos 1aes de
%lmeida Filho+ 5ampinas/ 1ontes& 1p& ,>2-,&
5%RK%<Y6, 6R<E+E <a5'% EE @%?6'% (no prelo) DRransparência semLntica e polissemia/ distinç4es
auxiliares no ensino das preposiç4esD&
E6IGYRb, 5%RY%R'+E E F'<<'%Q@, 8E@@'5% (,99=) 5oc!s on 5orm in :econd @an&!a&e Ac(!isition&
5ambridge/ 5ambridge Ini(ersitB 1ress& 1p& ,2,,&
,P
+a apresntação do li(ro, descre(endo o trabalho de <ong e Robinson, o segundo capítulo do li(ro 5oc!s on 5orm in
Classroom :econd @an&!a&e Ac(!isition+
,A
Rradução de EQG&
-A
FERRE'R%, 'R%5'R% %R%a86 (,99:) M% interlíngua do falante de espanhol e o papel do professor&
%ceitação t!cita ou a)uda para super!2la[N in/ ?ort!&!-s ara Estran&eiros+ ;nterface com o
esanhol, 8os0 5arlos 1aes de %lmeida Filho+ 5ampinas/ 1ontes& 1p& >92*=
FERRE'R%, 'R%5'R% %R%a86 (,99A) M'nterface português$espanholD in/ ?arBmetros at!ais ara o ensino
de ?ort!&!-s @ín&!a Estran&eira, 8os0 5arlos 1aes de %lmeida Filho& 5ampinas/ 1ontes& 1p&,*,2
,:,&
FERRE'R%, 'R%5'R% %R%a86 (no prelo) DReflexão crítica sobre o lugar da gram!tica no ensino de
português para falantes de espanholD& %nais do ''' 5ongresso da @'1<E, Ini(ersidade de ?rasília .
-CCC&
GR%++'ER, E%+'E<E Q%R5E<<E (no prelo) CUma roosta heterodoxa ara o ensino de ort!&!-s a
falantes de esanholD+ %nais do ''' 5ongresso da @'1<E, Ini(ersidade de ?rasília . -CCC&
YE+R'7IE@, EI+'5E R'?E'R6 E GR%++'ER, E%+'E<E Q%R5E<<E (-CC,) ;ntera&indo em ?ort!&!-s 0 1extos e
9is,es do Brasil, ?rasília, Editora Rhesaurus&
8E+@E+, 86Y+ ?& (no prelo) M6 papel do espanhol como fonte de erro em português/ o caso do aluno
bilíngJe em espanhol e em inglêsN& %nais do ''' 5ongresso da @'1<E, Ini(ersidade de ?rasília .
-CCC&
8aE'5E, +6R'Q%R (no prelo) MEnsino de português para hispanofalantes/ transparências e opacidadesN&
%nais do ''' 5ongresso da @'1<E, Ini(ersidade de ?rasília . -CCC&
<6Q?E<<6, <E6+6R 5%+R%RE'R6 E ?%<EE'R6, Q%R'@% EE %+ER%EE (,9=>) ?ort!&!-s ara falantes de
esanhol (edição experimental)& 5ampinas/ Inicamp$Funcamp$QE5&
<6+G, Q'5Y%E< (,99,) MFocus on form/ a design feature in language teaching methodologBN citado por
EoughtB, 5atharine e Filliams, 8essica (,99=) 5oc!s on 5orm in :econd @an&!a&e Ac(!isition
5ambridge/ 5ambridge Ini(ersitB 1ress& 1p& ,2,,&
Q%RR6+E, 5X<'% @'7IE'R% (,99C) ?ort!&!-s.esanholE asectos comarativos& @ão 1aulo/ Editora do
?rasil&
@'<K% G6QE@, YE<E+% Q%R'%, 1E@@6%, FR%+5'@56 <%GE E 5%@RR6, ?RI+6 %<KE@ EE (,99>) C!rso Ativo+
Q0xico/ Ini(ersidad +acional %utonoma de Q0xico, 5E<E&
@F%'+, QERR'<< (,99=) C5oc!s on form thro!&h concio!s reflexionD in/ EoughtB, 5atharine e Filliams
(Eds&), 8essica, 5oc!s on 5orm in :econd @an&!a&e Ac(!isition, 5ambridge/ 5ambridge Ini(ersitB
1ress& 1p& P*2=C&
6bras de consulta
E'55'6+cR'6 1%R% <% E+@Ed%+]% EE <% <E+GI% E@1%d6<% 1%R% ?R%@'<Ed6@& ,e edição, 8unho de -CCC,
Ini(ersidade de %lcal! de Yenares& Qadrid& @ão 1aulo/ <i(raria Qartins Fontes <tda&
+EKE@, Q%R'% YE<E+% EE Q6IR% (-CCC) Gramática de !sos do ort!&!-s+ @ão 1aulo/ I+E@1&
-=
+ne#o I
9onte#to dos e#emplos citados
,& D%largaria o período das (endas e ningu0m sairia perdendo&D
PC* . 'K$ ,
-& MEu acho #ue o m0dico consegui entrar todos os dados #ue precisafD&
:A> . ' $ -
>& DEu s3 lhe posso di"er #ue meu dia trocou completamentefD
P-, . ''' $ ,
*& M6 go(erno de(e estabelecer leis para a)udar aos índios&D
PC* . ''' $ ,
:& M7ue ainda temos muito #ue aprender deles , eles conhecem mais estas terra&D

PC> . ''' $ @
P& Df e descordo com o senhor Yic;mam contr!rio a essa (entagem para n3sfD

P-A 2 'K$ -
A& DEu sou %rgentino e deixe passar muitos anos sem olhar em meus indios&D
PC9 . ''' $ ,
=& Df o neg3cio foi de mal em pior&D
PC* . '' $ ,
9& Dnão fa"er diferença entre brancos e indios, por#ue eles são iguais #ue n3sD
:9- . '' $ @
,C& D6s editores teriam #ue fa"er um esforço nesse respeito e manter os mesmos preços dos
li(rosfD
PC, . 'K $ @
,,& M6s go(ernantes de(em ficar cientes e at0 falar abertamente de #ue os resultados não serão
imediatos, mas no longo pra"o&
:== . ''' $ -
,-& D%s costumes da ci(ili"ação não tem #ue mudar as outras costumes ansestrais deles
indígenasfD
-9
:9> . '''$ @
,>& DE sugere um bWnus para desconto em outra compra, deste (e" fora da feira, nas lo)asfD
:== . 'K $ -
,*& Dpor#ue os preços são ele(ados o sua situação econWmica não deixa (ocê ir[D
PC> . 'K $ @
,:& Mcomo a mHsica 0 relaxante, muitos deles continuam o (ia)e, deixando passar seu ponto de
Wnibus&D
PC9 . '' $ ,
,P& Dfe tamb0m os passageiros #ue desse modo deixa(am de lado seus preocupaç4es, o calor e
tal(e" suas triste"as&D
PC, . '' $@
,A& DEu experimentei uma pa" es#uisita #ue foi aumentando a longo do tra)entoD
P-C . '' $ -
,=& Df por isso mudou e a outra Hnica coisa #ue sabia fa"er era tocar o acordeão&D
P-C . '' $ -
,9& Df a gente di(erte2se toda mas algum não da ou(ido e durme&D
:9- . '' $ @
-C& D 8os0 0 um negro #ue toca o sanfone num Wnibus&D
P-C 2 '' $ -
-,& DFoi, Rog0rio, um dia diferente e todo graças a 8os0fD
PC,. '' $@
--& MQas não tudos prestam ou(idos para 8os0fD
PC9 . '' $ ,
>C
->& D% pr!tica da leitura a)uda para #ue o indi(íduo se)a melhorfD
PC* . 'K $ ,
-*& Deu s3 lhe posso di"er #ue meu dia trocou&D
P-, . '' $ ,
-:& Mf alegrou meu chato diafD
P-A . '' $ -
-P& MReconhecer #ue não todos somos iguaisfD
P-A . ''' $ -
-A& DEu estou a fa(or a manutenção do -Cg de descontofD
P-A . 'K $ -
-=& D+ingu0m pode estar em contra o progressofD
P,> . ''' $,
-9& DQas não tudos prestam ou(idos para 8os0fD
PC9 . '' $ ,
>C& D5omo (ocê conhece, estou de f0rias em Rio de 8aneiro&D
PC9 . '' $ ,
>,& Df o consumidor tem #ue ter em conta #ue o pHblicofD
:AP . 'K $ -
>-& Dfmais o dia não 0 tão mau #uando (ia)o no onibusfD
:9- . '' $ @
>,