You are on page 1of 3

Sistemática vegetal

Família Asteraceae Bercht. & J. Presl



Profa. Gisele Cristina
Alunos: Lenir, Leandro, André Luiz


Rio Verde GO
24/05/14

Localização filogenética:
É a família de angiospermas que possui o maior numero de sinapomorfias,
caracterizando-a como a família mais derivada no reino PLANTAE.

CLADO DAS ASTERIDEAS
- Euasterideas I (Lamideas)
- Euasterideas II (Campanulídeas)
- Asteraceae (Compositae)

Distribuição e ecologia:
A família Asteraceae possui 1535 gêneros e 23000 espécies. É cosmopolita,
especialmente comum em hábitas temperados, tropicais montanos, secos e abertos.

Caracterização da família:

A família Asteraceae é composta por ervas, arbustos e algumas espécies arbóreas.
Possui ductos lactíferos ou resiníferos presentes em alguns táxons. As folhas são simples ou
compostas, opostas ou em espiral, não possuem estipulas. A inflorescência consiste de um ou
mais capítulos, arranjados em varias inflorescências secundarias. Pelos diversos, folhas
alternas e espiraladas, opostas ou verticiladas, simples, mas às vezes profundamente lobadas
ou partidas, inteiras a diversamente dentadas, com venação peninérvea ou palmada. Flores
bissexuais ou inissexuais, às vezes estéreis, radiais ou zigomorfas.
Sépalas muito modificadas, formando
um papus, composto de 2 a muitas escamas,
às vezes conatas, espinhos ou cerdas
capiláceas, persistentes, diminutamente
barbados ou plumosos, ou às vezes ausentes.
Pétalas 5 conatas, formando uma corola
radial e tubular (flores do disco), formando
uma corola radial e bilabiada (isto é, com 2
petalas no lábio e 3 no inferior), ou formando
uma corola zigomorfa e 1-labiada com lábio
superior mais ou menos ausente e lábio
inferior alongado e 3-lobado (flor do raio) ou
formando corola zigomorfa e alongada em
formato de língua, terminada em 5 dentes
pequenos (flor ligulada); os capítulos apenas
com flores do disco, com flores do disco na
região central e flores do raio na periferia,
estas ultimas femininas ou estéreis.
Estames geralmente 5; filetes livres, adnatos ao tubo da corola; anteras geralmente
conatas (sinânteras), frequentemente providas de apêndices apicais ou basais, formando um
tubo ao redor do estilete, no qual o pólen é liberado; o estilete se alonga e atravessa o tubo,
coletando o pólen (com o auxilio de diversos tipos de pelos) e apresentando-o aos visitantes
florais, após os estigmas se tornam receptivos (mecanismo de polinização tipo êmbolo); grãos
de pólen geralmente tricolporados. Carpelos 2, conatos; ovário ínfero, com placentação basal;
2 ramos do estilete, com tecido estigmático cobrindo a superfície interna ou em 2 linhas
marginais. Um ovulo por ovário, com 1 tegumento e megasporângio de parede fina. Nectário
no ápice do ovário. Fruto aquênio, coroado por um papus persistente, as vezes achatado,
alado, ou espinhoso; endosperma escasso ou ausente.


Mecanismo de exposição do pólen em Asteraceae

Importância econômica e produtos:
A família abrange numerosas plantas alimentícias, tais como Cichorium (chicória),
Cynara (alcachofra), Helianthus (girassol), Taraxacum (dente-de-leão) e Lactuca (alface).
Artimisia contém algumas espécies utilizadas como especiarias. Tanacetum (tanaceto) e
Pulicaria é o causador da febre-do-feno e muitas espécies são pragas agrícolas importantes.

Bibliografia consultada:

Judd, W. S.; Campbell, C. S.; Kellogg, E. A.; Stevens, P. F.; Donoghue, M. J. 2009.
Sistemática vegetal: Um enfoque filogenético. 3ª ed. Artmed, Porto Alegre, Brasil, 632pp.

Simpson, M. G. (2010). Plant systematics. Academic press.