You are on page 1of 9

Gerenciamento de Transporte e Frotas – Unidade 5 – Sistema de Informação Gerencial (Custos

)


Classificação dos Custos

Uma boa decisão gerencial depende da disponibilidade de informações, entre as quais se destaca o
orçamento, documento que contém previsões de receitas e despesas das diversas atividades realizadas.
Logo, um bom orçamento depende de uma boa previsão de custos.

Tipos de Custos

Os custos operacionais de veículos geralmente são classificados em custos diretos e custos indiretos ou
administrativos:

• Custos Diretos: correspondem aos custos fixos mais os custos variáveis

 Custos fixos: Englobam o conjunto de gastos cujo valor, dentro de limites razoáveis de produção,
não varia em função do nível de atividade da empresa ou grau de utilização do equipamento;

 Custos variáveis: São proporcionais à utilização.

• Custos Indiretos: são os custos necessários para manter o sistema de transporte da empresa.


Componentes dos Custos

 Custos Fixos

• Depreciação: corresponde à redução do valor que o veículo vai sofrendo com o decorrer do tempo;

• Remuneração do capital: retorno ou remuneração do capital aplicado no investimento;

•Salário de tripulação: corresponde ao pagamento de motoristas, cobradores, ajudantes etc., bem como
seus respectivos encargos sociais;

Gerenciamento de Transporte e Frotas – Unidade 5 – Sistema de Informação Gerencial (Custos)

• Licenciamento;

• Seguros. Custos Variáveis

• Combustíveis e lubrificantes;

• Lavagem;

• Material rodante (pneus, câmaras, recapagens);

• Peças, acessórios, material para oficina, mão-de-obra de manutenção.

 Custos Indiretos

•Pessoal de armazéns, escritórios e respectivos encargos sociais;

•Impressos, publicidade;

•Aluguéis de armazéns e escritórios;

•Comunicações;

•Impostos e taxas legais;

•Construção, conservação e limpeza;

•Viagens e estadias;

•Despesas financeiras;

•Despesas diversas.

Fatores que Influenciam os Custos

• Quilometragem desenvolvida: O custo por Km diminui à medida que o veículo roda, pois o custo fixo é
dividido pela quilometragem. Deve-se obedecer à velocidade econômica de operação do veículo;

• Tipo de tráfego: Tendência de maior gasto nos trechos urbanos;

• Tipo de via: Superfície de rolamento, condições de conservação, topografia etc.;

• Região: O custo sofre influência dos salários, impostos, preço dos combustíveis etc.;

• Porte do veículo: Veículos de maior capacidade, desde que bem aproveitada, tendem a ter um menor
custo por tonelada/quilômetro ou passageiro/quilômetro;

Gerenciamento de Transporte e Frotas – Unidade 5 – Sistema de Informação Gerencial (Custos)

• Desequilíbrio nos fluxos: É menos crítico no transporte de passageiros, pois tem uma característica
pendular (quem vai, volta), diferentemente no que ocorre no transporte de cargas.


Métodos de Cálculo dos Custos Operacionais

Método dos Custos Médios Desagregados

•Baseia-se em parâmetros médios de consumo, não sendo sensível a variações específicas de velocidade e
carregamento dos veículos, nem das condições físicas e de tráfego das rodovias;

•Apesar de ter limitações, tem como principais méritos a praticidade e o cálculo desagregado por
componente de custo – depreciação, combustíveis, pneus, salários, manutenção etc.;

•Requer informações sobre preços unitários e parâmetros de consumo por parte dos veículos. Outros
Métodos

•Método do comprimento virtual

•Método do HDM-IV







Gerenciamento de Transporte e Frotas – Unidade 5 – Sistema de Informação Gerencial (Custos)







 Remuneração do Capital

• Também conhecida como custo de oportunidade;

• Para o setor de transporte público de passageiros, na operação de serviços regulares, existe um controle
por parte dos órgãos públicos gestores, os quais estabelecem tais custos segundo a política tarifária vigente
e de modo a preservar a saúde financeira das empresas;

• Para o transporte de cargas, quem define esses custos é o empresário, em conformidade com o mercado,
considerando também os riscos existentes;

• Uma questão importante também é determinar qual o valor a ser adotado para o investimento;

• A remuneração do capital será o produto do valor do investimento pelo custo de oportunidade.

 Depreciação e Remuneração em um Único Cálculo

•A quantia que será sistematicamente cobrada pelos serviços prestados deve ser tal que o montante
acumulado até o fim da vida útil do investimento, mais o valor residual porventura existente, iguale ao
custo de aquisição do bem, mais os juros devidos pelos n períodos:

Gerenciamento de Transporte e Frotas – Unidade 5 – Sistema de Informação Gerencial (Custos)



 Custos de Manutenção

•A política de manutenção da empresa tem relação direta com a vida útil dos equipamentos;

•Para efeito contábil, as despesas com manutenção são divididas em inspeção, manutenção preventiva,
manutenção corretiva, limpeza e material de oficina;

•Os custos que podem ser capitalizados no ativo fixo são as reformas e os recondicionamentos, já que
contribuem para prolongar o tempo de utilização dos veículos;

•Para um controle efetivo dos custos de manutenção, é importante que, para cada serviço de manutenção a
ser efetuado, haja uma documentação que sirva para autorizar e acompanhar a execução do serviço.




Controle de Custos

 Operacionais Importância

Gerenciamento de Transporte e Frotas – Unidade 5 – Sistema de Informação Gerencial (Custos)

• Devido à diversidade de variáveis envolvidas na formação dos custos operacionais, não é possível
calcular um custo e considerá-lo como padrão, havendo a necessidade, então, de acompanhamento dos
custos;

• A importância tem aumentado devido ao controle de tarifas por parte do governo, no caso do transporte
de passageiros, bem como à grande exigência de preços baixos no serviço de transporte de cargas por
parte dos contratantes;

• O exato conhecimento dos custos operacionais é indispensável para o sucesso de várias atividades:
 Decisão sobre terceirização;

 Decisão sobre o momento mais adequado para a renovação da frota;

 Negociação de tarifas;

 Adotar flexibilidade de preços para enfrentar concorrência.


 Itens a serem controlados

•Diversos componentes dos custos operacionais devem ser controlados, utilizando-se de formulários
padronizados para facilitar o controle:

 Depreciação;

 Salários;

 Despesas em viagens;

 Gastos com combustíveis e lubrificantes;

 Consumo de pneus;

 Peças e oficinas.

• A partir do levantamento de custos e receitas associadas ao uso do veículo, pode-se determinar a sua
rentabilidade, seu nível de eficiência e, a partir disso, pode-se tomar decisões mais rápidas e seguras;

• O desenvolvimento de um bom sistema de controle de custos operacionais constitui um elemento
essencial a uma gestão de frotas eficiente e eficaz.




Gerenciamento de Transporte e Frotas – Unidade 5 – Sistema de Informação Gerencial (Custos)




Mapa Estratégico de uma Empresa de Transporte (BSC)

Quais devem ser os indicadores de desempenho para os objetivos de cada perspectiva?

•Perspectiva Financeira

•Perspectiva dos Clientes

•Perspectiva dos Processos

•Perspectiva do Aprendizado e Crescimento

Exemplos de Indicadores de Desempenho

• Perspectiva Financeira

 Custo operacional

 Faturamento bruto

 Retorno sobre investimento (ROI)

•Perspectiva dos Clientes

 Nível de satisfação dos clientes;
Gerenciamento de Transporte e Frotas – Unidade 5 – Sistema de Informação Gerencial (Custos)


 Porcentagem de entregas no prazo;

 Perspectiva dos processos;

 Produtividade por veículo;

 Índice de utilização da frota;

 Idade média da frota.


Gerenciamento de Transporte e Frotas – Unidade 5 – Sistema de Informação Gerencial (Custos)