You are on page 1of 7

1

Ano Letivo 2013/2014

Filosofia da ciência




Trabalho realizado por:
- Cátia Fonseca nº6 11º E
- Rafaela Miranda nº22 11ºE


Disciplina: Filosofia
Professora Sara Raposo
2

Tópicos a abordar
 Teoria do geocentrismo:
- As principais ideias defendidas:
 A teoria geocêntrica é uma visão a respeito do sistema
cosmológico, segundo a qual a Terra seria o centro do
universo.
 As principais ideias defendidas são que a Terra é estática,
ocupa o centro do universo e que à sua volta moviam-se
os restantes planetas e estrelas, incluindo o Sol,
descrevendo orbitas circulares.
- Defensores da teoria:
 O primeiro defensor desta teoria foi Aristóteles sendo
também, mais tarde, defendida por Cláudio Ptolomeu.
 Ptolomeu defendia assim que a Lua, Mercúrio, Vénus, o
Sol, Marte, Júpiter e Saturno giravam à volta da terra.
 Esta teoria, aceite pelos teólogos medievais, foi a que se
considerou como verdadeira até ao século XVI quando,
finalmente, Nicolau Copérnico conseguiu derrubá-la.

- Como se explica a durabilidade desta teoria?
 Esta teoria perdurou durante tanto séculos devido à
influência e aprovação da Igreja e às ideias que
vigoravam na época. A Igreja defendeu esta teoria, pois
esta relacionava-se com as passagens da Bíblia e conferia
ao homem um lugar de destaque na criação divina. Como
o poder da Igreja se sobrepunha a qualquer outro, todos
aqueles que não aceitavam ou tinham ideias diferentes
3

eram automaticamente perseguidos e julgados pela
Igreja Católica.

 Teoria do heliocentrismo:
- As principais ideias defendidas:
 Esta defendia que o Sol estava no centro do universo e
todos os planetas giravam à sua volta, fazendo um
movimento de translação. O Sol é, assim, o centro do
universo e somente a Lua gira em volta da Terra.

 Quando Ptolomeu tentou explicar as trajetórias circulares
com o centro na Terra, Copérnico defendeu a teoria
heliocêntrica, considerada a base da moderna
astronomia.
- Defensores da teoria:
 Nos inícios do século XVI, Copérnico - após vários cálculos
matemáticos e observações - concluiu que a Terra gira em
torno do seu eixo, contrariando assim, a teoria de
Ptolomeu.

 Ao descobrir o eixo de rotação da Terra, explicou o
porquê da existência das noites e dos dias e
simultaneamente o movimento do sol e das estrelas.

- O porquê de muitas pessoas resistirem a aceitar o
heliocentrismo.
 Muitas pessoas, nomeadamente da Igreja Católica, não
aceitaram desde logo esta teoria pelo facto de as
conclusões de Copérnico irem contra o ensinamento dos
4

sentidos e das teorias dos antigos. Além disso, negavam as
afirmações da Bíblia e punham em causa alguns dogmas
religiosos, o que levou à reprovação da Igreja.

- Qual o lugar da Terra e do Homem no universo? Porquê?
 À luz dos conhecimentos atuais, sabemos que o universo é
vasto e indefinido e que são muitas as respostas que
pretendem dar uma melhor explicação para o
compreendermos.

 Sabemos que o nosso sistema solar é composto por 8
planetas e que todos eles se movimentam em torno do Sol
e em torno de si mesmo, ou seja, em torno do seu próprio
eixo. O lugar da Terra não é, como o geocentrismo
defendia, pois esta não se encontra no centro do universo.

 O modelo heliocêntrico de Copérnico foi o que conseguiu
dar uma explicação mais próxima da verdade e permitiu a
outros estudiosos determinar a distância entre um planeta
e o Sol.

 Contudo, o Sol também não está no centro do universo,
pois como já referimos o universo é bastante vasto e
indefinido e vários estudos afirmam que, do ponto de vista
gravitacional, o centro do Sistema Solar está afastado do
Sol e assim este não é, exatamente, o centro.

 Os cientistas preocupam-se em descobrir como o mundo
funciona e explicar determinados fenómenos. Mas as
ideias científicas não são verdades definitivas porque os
5

cientistas procuram descobrir novos factos e novas teorias
para os explicar. O que garante a fiabilidade das ideias
científicas são as evidências que as sustentam. No
entanto, os factos que hoje são aceites para justificar
certas teorias podem vir a ser rejeitados no futuro.

 Experiência interativa do Museu da Eletricidade:
- “Quanto maior a intensidade da corrente, maior
luminosidade “:
 Nesta experiência interativa percebemos que ao rodarmos
o botão para aumentar ou diminuir a intensidade da
corrente, a luminosidade da lâmpada era diferente. Ou
seja, quando aumentávamos a intensidade da corrente, a
lâmpada emitia uma luz cada vez mais forte. No entanto,
quando a intensidade da corrente diminuía,
consequentemente, a luz da lâmpada era mais fraca. Isto
acontecia, pois ao rodarmos a manivela a temperatura
aumentava, portanto a luz era mais forte.

- Explicação do problema em causa:
 Como a física explica, uma lâmpada é composta por uma
ampola de vidro fina e no seu interior possui um gás inerte
e também por um filamento fino. A corrente elétrica
percorre esse filamento que ao aquecer devido à
temperatura chega à incandescência, produzindo assim a
luz branca com tons levemente amarelados que
observamos. As temperaturas que ocorrem no filamento
são superiores a 2000ºC. Portanto, é a partir do filamento
6

que é produzida a luz da lâmpada devido às substâncias
que existem nesses filamento e na ampola de vidro.

- Explicação do fenómeno a partir do senso comum.
 O senso comum é um conhecimento adquirido de forma
espontânea pela experiência do quotidiano e visa a
responder às necessidades humanas mais imediatas. São
muitos os problemas e as questões que o senso comum
coloca e a que a ciência pretende responder. Muitas das
explicações científicas surgiram da necessidade de
resolver os problemas que se colocavam ao nível do senso
comum.
 As explicações dadas pelo senso comum são todas muito
superficiais, pois não nos permitem compreender os
fenómenos em causa. Por exemplo, alguém que tentasse
responder ao porquê das lâmpadas emitirem uma luz
forte, não saberia responder de forma a explicar o
fenómeno em si mas daria uma explicação baseada nas
experiências passadas que teve, observando que quanto
mais tempo tivesse ligado, a intensidade da luz seria cada
vez mais forte. Faria uma inferência, baseada numa
indução, e supunha que aconteceria sempre assim.
- A explicação científica e a explicação do senso comum:
 As explicações dadas pela ciência e pelo senso comum são
muitas vezes contrárias, mostrando que não existe
continuidade entre estes dois tipos de conhecimento.
Ainda que a ciência responda a alguns problemas
colocados pelo senso comum, as explicações científicas
7

contradizem as do senso comum, permitindo assim
mostrar que as explicações do senso comum não são
verdadeiras e desmentir algumas ideias sem fundamento
racional.
Bibliografia
http://duvida-metodica.blogspot.pt/2009/05/algumas-diferencas-entre-o-
senso-comum.html
http://duvida-metodica.blogspot.pt/2009/07/como-e-que-uma-crianca-
decide-tornar-se.html
http://saberciencia.tecnico.ulisboa.pt/artigos/o-que-e-a-ciencia-04.php
http://saberciencia.tecnico.ulisboa.pt/artigos/o-que-e-a-ciencia-05.php
http://saberciencia.tecnico.ulisboa.pt/artigos/o-que-e-a-ciencia-06.php
http://saberciencia.tecnico.ulisboa.pt/artigos/o-que-e-a-ciencia-07.php
http://saberciencia.tecnico.ulisboa.pt/artigos/o-que-e-a-ciencia-09.php
http://www.mundofisico.joinville.udesc.br/index.php?idSecao=1&idSubSe
cao&idTexto=2
http://meioambiente.culturamix.com/noticias/geocentrismo-e-
heliocentrismo