You are on page 1of 9

LEI Nº 11.

788 DE 25/09/2008 - (texto integral da Lei em vigor)
Dispõe sobre o estágio de estudantes, altera a redação do art. 428 da
Consolidação das Leis do Trabalho - CLT, aprovada pelo Dereto-Lei n!
".4"2, de #! de $aio de #%4&, e a Lei n! %.&%4, de vinte de de'e$bro
de #%%() revoga as Leis n!s (.4%4, de * de de'e$bro de #%** e 8.8"%,
de 2& de $arço de #%%4, o parágra+o ,nio do art. 82 da Lei n! %.&%4,
de 2- de de'e$bro de #%%(, e o art. (! da .edida /rovis0ria n! 2.#(4-
4#, de 24 de agosto de 2--#) e dá outras provid1nias.
2 /3456D47T4 D8 34/9:L6C8. ;aço saber <ue o Congresso 7aional dereta
e eu saniono a seguinte Lei=
CAPÍTULO I
DA DEFINIÇÃO, CLASSIFICAÇÃO E RELAÇÕES DE ESTÁIO
A!". 1º 4stágio > ato eduativo esolar supervisionado, desenvolvido
no a$biente de trabalho, <ue visa ? preparação para o trabalho
produtivo de eduandos <ue este@a$ +re<Aentando o ensino regular, e$
instituições de eduação superior, de eduação pro+issional, de ensino
$>dio, da eduação espeial e dos anos +inais do ensino +unda$ental,
na $odalidade pro+issional da eduação de @ovens e adultos.BstrongC
D #! 2 estágio +a' parte do pro@eto pedag0gio do urso, al>$ de
integrar o itinerário +or$ativo do eduando.
D 2! 2 estágio visa ao aprendi'ado de o$pet1nias pr0prias da
atividade pro+issional e ? onteEtuali'ação urriular, ob@etivando o
desenvolvi$ento do eduando para a vida idadã e para o trabalho.
A!". 2º 2 estágio poderá ser obrigat0rio ou não-obrigat0rio, on+or$e
deter$inação das diretri'es urriulares da etapa, $odalidade e área
de ensino e do pro@eto pedag0gio do urso.
D #! 4stágio obrigat0rio > a<uele de+inido o$o tal no pro@eto do
urso, u@a arga horária > re<uisito para aprovação e obtenção de
diplo$a.
D 2! 4stágio não-obrigat0rio > a<uele desenvolvido o$o atividade
opional, aresida ? arga horária regular e obrigat0ria.
D &! 8s atividades de eEtensão, de $onitorias e de iniiação
ientF+ia na eduação superior, desenvolvidas pelo estudante, so$ente
poderão ser e<uiparadas ao estágio e$ aso de previsão no pro@eto
pedag0gio do urso.
A!". #º 2 estágio, tanto na hip0tese do D #! do art. 2! desta Lei,
<uanto na prevista no D 2! do $es$o dispositivo, não ria vFnulo
e$pregatFio de <ual<uer nature'a, observados os seguintes re<uisitos=
6 - $atrFula e +re<A1nia regular do eduando e$ urso de eduação
superior, de eduação pro+issional, de ensino $>dio, da eduação
espeial e nos anos +inais do ensino +unda$ental, na $odalidade
pro+issional da eduação de @ovens e adultos e, atestados pela
instituição de ensino)
66 - elebração de ter$o de o$pro$isso entre o eduando, a parte
onedente do estágio e a instituição de ensino)
666 - o$patibilidade entre as atividades desenvolvidas no estágio e
a<uelas previstas no ter$o de o$pro$isso.
D #! 2 estágio, o$o ato eduativo esolar supervisionado, deverá ter
ao$panha$ento e+etivo pelo pro+essor orientador da instituição de
ensino e por supervisor da parte onedente, o$provado por vistos nos
relat0rios re+eridos no iniso 6G do aput do art. *! desta Lei e por
$enção de aprovação +inal.
D 2! 2 desu$pri$ento de <ual<uer dos inisos deste artigo ou de
<ual<uer obrigação ontida no ter$o de o$pro$isso arateri'a vFnulo
de e$prego do eduando o$ a parte onedente do estágio para todos os
+ins da legislação trabalhista e prevideniária.
A!". $º 8 reali'ação de estágios, nos ter$os desta Lei, aplia-se aos
estudantes estrangeiros regular$ente $atriulados e$ ursos superiores
no /aFs, autori'ados ou reonheidos, observado o pra'o do visto
te$porário de estudante, na +or$a da legislação apliável.
A!". 5º 8s instituições de ensino e as partes edentes de estágio
pode$, a seu rit>rio, reorrer a serviços de agentes de integração
p,blios e privados, $ediante ondições aordadas e$ instru$ento
@urFdio apropriado, devendo ser observada, no aso de ontratação o$
reursos p,blios, a legislação <ue estabelee as nor$as gerais de
liitação.
D #! Cabe aos agentes de integração, o$o auEiliares no proesso de
aper+eiçoa$ento do instituto do estágio=
6 - identi+iar oportunidades de estágio)
66 - a@ustar suas ondições de reali'ação)
666 - +a'er o ao$panha$ento ad$inistrativo)
6G - ena$inhar negoiação de seguros ontra aidentes pessoais)
G - adastrar os estudantes.
D 2! H vedada a obrança de <ual<uer valor dos estudantes, a tFtulo de
re$uneração pelos serviços re+eridos nos inisos deste artigo.
D &! 2s agentes de integração serão responsabili'ados ivil$ente se
indiare$ estagiários para a reali'ação de atividades não o$patFveis
o$ a progra$ação urriular estabeleida para ada urso, assi$ o$o
estagiários $atriulados e$ ursos ou instituições para as <uais não
há previsão de estágio urriular.
A!". %º 2 loal de estágio pode ser seleionado a partir de adastro
de partes edentes, organi'ado pelas instituições de ensino ou pelos
8gentes de 6ntegração.
CAPÍTULO II
DA INSTITUIÇÃO DE ENSINO
A!". 7º 5ão obrigações das instituições de ensino, e$ relação aos
estágios de seus eduandos=
I - celebrar termo de compromisso com o educando ou com seu representante ou
assistente legal, quando ele for absoluta ou relativamente incapaz, e com a parte
concedente, indicando as condições de adequação do estágio à proposta pedagógica do
curso, à etapa e modalidade da formação escolar do estudante e ao horário e calendário
escolar
II - avaliar as instalações da parte concedente do estágio e sua adequação à formação
cultural e profissional do educando III - indicar professor orientador, da área a ser
desenvolvida no estágio, como responsável pelo acompanhamento e avaliação das
atividades do estagiário
I! - e"igir do educando a apresentação periódica, em prazo não superior a seis meses,
de relatório das atividades
! - zelar pelo cumprimento do termo de compromisso, reorientando o estagiário para
outro local em caso de descumprimento de suas normas
!I - elaborar normas complementares e instrumentos de avaliação dos estágios de seus
educandos
!II - comunicar à parte concedente do estágio, no in#cio do per#odo letivo, as datas de
realização de avaliações escolares ou acad$micas%
/arágra+o ,nio. 2 plano de atividades do estagiário, elaborado e$
aordo das & Itr1sJ partes a <ue se re+ere o iniso 66 do aput do
art. &! desta Lei, será inorporado ao ter$o de o$pro$isso por $eio
de aditivos ? $edida <ue +or avaliado, progressiva$ente, o dese$penho
do estudante.
A!". 8º H +aultado ?s instituições de ensino elebrar o$ entes
p,blios e privados onv1nio de onessão de estágio, nos <uais se
eEpliite$ o proesso eduativo o$preendido nas atividades
progra$adas para seus eduandos e as ondições de <ue trata$ os arts.
(! a #4 desta Lei.
/arágra+o ,nio. 8 elebração de onv1nio de onessão de estágio
entre a instituição de ensino e a parte onedente não dispensa a
elebração do ter$o de o$pro$isso de <ue trata o iniso 66 do aput
do art. &! desta Lei.
CAPÍTULO III
DA PARTE CONCEDENTE
A!". 9º 8s pessoas @urFdias de direito privado e os 0rgãos da
ad$inistração p,blia direta, autár<uia e +undaional de <ual<uer dos
/oderes da Knião, dos 4stados, do Distrito ;ederal e dos .uniFpios,
be$ o$o pro+issionais liberais de nFvel superior devida$ente
registrados e$ seus respetivos onselhos de +isali'ação
pro+issional, pode$ o+ereer estágio, observadas as seguintes
obrigações=
I - celebrar termo de compromisso com a instituição de ensino e o educando, zelando
por seu cumprimento
II - ofertar instalações que tenham condições de proporcionar ao educando atividades de
aprendizagem social, profissional e cultural
III - indicar funcionário de seu quadro de pessoal, com formação ou e"peri$ncia
profissional na área de conhecimento desenvolvida no curso do estagiário, para orientar
e supervisionar at& '( )dez* estagiários simultaneamente
I! - contratar em favor do estagiário seguro contra acidentes pessoais, cu+a apólice se+a
compat#vel com valores de mercado, conforme fique estabelecido no termo de
compromisso
! - por ocasião do desligamento do estagiário, entregar termo de realização do estágio
com indicação resumida das atividades desenvolvidas, dos per#odos e da avaliação de
desempenho
!I - manter à disposição da fiscalização documentos que comprovem a relação de
estágio
!II - enviar à instituição de ensino, com periodicidade m#nima de , )seis* meses,
relatório de atividades, com vista obrigatória ao estagiário%
/arágra+o ,nio. 7o aso de estágio obrigat0rio, a responsabilidade
pela ontratação do seguro de <ue trata o iniso 6G do aput deste
artigo poderá, alternativa$ente, ser assu$ida pela instituição de
ensino.
CAPÍTULO I&
DO ESTAIÁRIO
A!". 10º 8 @ornada de atividade e$ estágio será de+inida de o$u$
aordo entre a instituição de ensino, a parte onedente e o aluno
estagiário ou seu representante legal, devendo onstar do ter$o de
o$pro$isso, ser o$patFvel o$ as atividades esolares e não
ultrapassar=
I - - )quatro* horas diárias e .( )vinte* horas semanais, no caso de estudantes de
educação especial e dos anos finais do ensino fundamental, na modalidade profissional
de educação de +ovens e adultos
II - , )seis* horas diárias e /( )trinta* horas semanais, no caso de estudantes do ensino
superior, da educação profissional de n#vel m&dio e do ensino m&dio regular%
0 '1 2 estágio relativo a cursos que alternam teoria e prática, nos per#odos em que não
estão programadas aulas presenciais, poderá ter +ornada de at& -( )quarenta* horas
semanais, desde que isso este+a previsto no pro+eto pedagógico do curso e da instituição
de ensino%
0 .1 3e a instituição de ensino adotar verificações de aprendizagem periódicas ou finais,
nos per#odos de avaliação a carga horária do estágio será reduzida pelo menos à metade,
segundo estipulado no termo de compromisso, para garantir o bom desempenho do
estudante%
A!". 11º 8 duração do estágio, na $es$a parte onedente, não poderá
eEeder 2 IdoisJ anos, eEeto <uando se tratar de estagiário portador
de de+ii1nia.
A!". 12º 2 estagiário poderá reeber bolsa ou outra +or$a de
ontraprestação <ue venha a ser aordada, sendo o$puls0ria a sua
onessão, be$ o$o a do auEFlio-transporte, na hip0tese de estágio
não obrigat0rio.
0 '1 4 eventual concessão de benef#cios relacionados a transporte, alimentação e sa5de,
entre outros, não caracteriza v#nculo empregat#cio%
0 .1 6oderá o educando inscrever-se e contribuir como segurado facultativo do 7egime
8eral de 6revid$ncia 3ocial%
A!". 1#º H assegurado ao estagiário, se$pre <ue o estágio tenha
duração igual ou superior a # Iu$J ano, perFodo de reesso de &-
ItrintaJ dias, a ser go'ado pre+erenial$ente durante suas +>rias
esolares.
0 '1 2 recesso de que trata este artigo deverá ser remunerado, quando o estagiário
receber bolsa ou outra forma de contraprestação% 0 .1 2s dias de recesso previstos neste
artigo serão concedidos de maneira proporcional, nos casos de o estágio ter duração
inferior a ' )um* ano%
4rt% '-1 4plica-se ao estagiário a legislação relacionada à sa5de e segurança no
trabalho, sendo sua implementação de responsabilidade da parte concedente do estágio%
CAPÍTULO
DA FISCALI'AÇÃO
A!". 15º 8 $anutenção de estagiários e$ deson+or$idade o$ esta Lei
arateri'a vFnulo de e$prego do eduando o$ a parte onedente do
estágio para todos os +ins da legislação trabalhista e prevideniária.
0 '1 4 instituição privada ou p5blica que reincidir na irregularidade de que trata este
artigo ficará impedida de receber estagiários por . )dois* anos, contados da data da
decisão definitiva do processo administrativo correspondente%
0 .1 4 penalidade de que trata o parágrafo '1 deste artigo limita-se à filial ou ag$ncia em
que for cometida a irregularidade%
CAPÍTULO &I
DAS DISPOSIÇÕES ERAIS
A!". 1%º 2 ter$o de o$pro$isso deverá ser +ir$ado pelo estagiário ou
o$ seu representante ou assistente legal e pelos representantes
legais da parte onedente e da instituição de ensino, vedada a
atuação dos agentes de integração a <ue se re+ere o art. "! desta Lei
o$o representante de <ual<uer das partes.
A!". 17º 2 n,$ero $áEi$o de estagiários e$ relação ao <uadro de
pessoal das entidades onedentes de estágio deverá atender ?s
seguintes proporções=
I - de ' )um* a 9 )cinco* empregados: ' )um* estagiário
II - de , )seis* a '( )dez* empregados: at& . )dois* estagiários
III - de '' )onze* a .9 )vinte e cinco* empregados: at& 9 )cinco* estagiários
I! - acima de .9 )vinte e cinco* empregados, at& .(; )vinte por cento* de estagiários%
0 '1 6ara efeito desta <ei, considera-se quadro de pessoal o con+unto de trabalhadores
empregados e"istentes no estabelecimento do estágio%
0 .1 =a hipótese de a parte concedente contar com várias filiais ou estabelecimentos, os
quantitativos previstos nos incisos deste artigo serão aplicados a cada um deles%
0 /1 >uando o cálculo do percentual disposto no inciso I! do caput deste artigo resultar
em fração, poderá ser arredondado para o n5mero inteiro imediatamente superior%
0 -1 =ão se aplica o disposto no caput deste artigo aos estágios de n#vel superior e de
n#vel m&dio profissional%
0 91 ?ica assegurado às pessoas portadoras de defici$ncia o percentual de '(; )dez* das
vagas oferecidas pela parte concedente do estágio%
A!". 18º 8 prorrogação dos estágios ontratados antes do inFio da
vig1nia desta Lei apenas poderá oorrer se a@ustada ?s suas
disposições.
A!". 19º. 2 artigo 428 da Consolidação das Leis do Trabalho - CLT,
aprovada pelo Dereto-lei n! ".4"2, de #! de $aio de #%4&, passa a
vigorar o$ as seguintes alterações=
@4rt% -.A %%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%
0 '1 4 validade do contrato de aprendizagem pressupõe anotação na Barteira de
Crabalho e 6revid$ncia 3ocial, matr#cula e freqD$ncia do aprendiz na escola, caso não
ha+a conclu#do o ensino m&dio, e inscrição em programa de aprendizagem desenvolvido
sob orientação de entidade qualificada em formação t&cnico- profissional metódica%
%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%
0 /1 2 contrato de aprendizagem não poderá ser estipulado por mais de . )dois* anos,
e"ceto quando se tratar de aprendiz portador de defici$ncia%
%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%
0 E1 =as localidades onde não houver oferta de ensino m&dio para o cumprimento do
disposto no 0 '1 deste artigo, a contratação do aprendiz poderá ocorrer sem a freqD$ncia
à escola, desde que ele +á tenha conclu#do o ensino fundamental@% )=7*
A!". 20 2 artigo 82 da Lei n! %.&%4, de 2- de de'e$bro de #%%(, passa
a vigorar o$ a seguinte redação=
@4rt% A.% 2s sistemas de ensino estabelecerão as normas de realização de estágio em sua
+urisdição, observada a lei federal sobre a mat&ria%
6arágrafo 5nico% )7evogado*%@ )=7*
A!". 21º 4sta Lei entra e$ vigor na data de sua publiação.
A!". 22º 3evoga$-se as Leis n! (.4%4, de * de de'e$bro de #%**, e n!
8.8"%, de 2& de $arço de #%%4, o parágra+o ,nio do art. 82 da Lei n!
%.&%4, de 2- de de'e$bro de #%%(, e o art. (! da .edida /rovis0ria n!
2.#(4-4#, de 24 de agosto de 2--#.
Fras#lia, .9 de setembro de .((A 'AE1 da Independ$ncia e '.(1 da 7ep5blica%
<GIH I=IBI2 <G<4 J4 3I<!4
?ernando Kaddad
4ndr& 6ei"oto ?igueiredo <ima
Cli<ue a<ui para aessar a Cartilha 4slareedora sobre a Lei do
4stágio, publiada pelo .T4 - .inist>rio do Trabalho e 4$prego.
Anotação do estágio na Carteira de Trabalho
* O Ministério de Trabalho e Emprego, por meio do ofício irc!lar n"#
$%&'()&*)E*&MET de $+&$,&,---, manifesto! entendimento no sentido da
n.o obrigatoriedade de a empresa cedente do est/gio o! de agentes de
integra0.o efet!arem a anota0.o do est/gio na arteira de Trabalho a
)revid1ncia *ocial (T)*) dos estagi/rios contratados"
INSTRUÇÕES PARA A FISCALI'AÇÃO DO ESTÁIO
2f#cio Bircular 37C n1 ''LA9 de (M%(M%A9 e
alterações da 37C n1 ((ALAE de .M%(E%AE
Jo: 3ecretário de 7elações do Crabalho
4o: Jelegado 7egional do Crabalho 4ssunto: Instruções para a ?iscalização de Nstágios
)Nncaminha*
3enhor Jelegado:
Nstamos encaminhando a !%3a% para distribuição aos fiscais do Crabalho, instruções
para a fiscalização das normas contidas na <ei no% ,%-M-, de (E de dezembro de 'MEE,
regulamentada pelo Jecreto n5mero AE%-M-, de 'A de agosto de 'MA., que dispõem
sobre o estágio de estudantes de estabelecimentos de ensino superior e de ensino
profissionalizante do .o% grau e supletivo% Cal medida visa impedir que as empresas
utilizem o trabalho do estudante sem a caracterização de estágio e sem o competente
registro, no caso da comprovação da relação empregat#cia% 2 ?iscal do Crabalho, ao
constatar a presença de estagiário, deve solicitar os seguintes documentos para e"ame:
1 ACORDO DE COOPERAÇÃOI6nstru$ento LurFdioJ elebrado pela 4$presa
IonedenteJ e a 6nstituição de 4nsino a <ue pertene o 4studante.
Geri+iar=
'%' - a qualificação e assinatura dos acordantes )empresa e instituição de ensino*
'%. - as condições de realização do estágio
'%/ - a compatibilização entre as atividades desenvolvidas pelo estagiário e as condições
acordadas
'%- - a qualificação do 4gente de Integração que, eventualmente, participe da
sistemática do estágio, por vontade e"pressa das partes%
2 TER(O DE CO(PRO(ISSO DE ESTÁIOentre a 4$presa IonedenteJ e o
estudante, o$ interveni1nia obrigat0ria da respetiva 6nstituição de
4nsino. Geri+iar=
.%' - a qualificação e assinatura das partes )empresa e estudante* e da Instituição de
ensino interveniente
.%. - a indicação e"pressa de que o termo de compromisso decorre do 4cordo de
Booperação
.%/ - o n5mero da apólice de seguro contra acidentes pessoais, na qual o estagiário
deverá estar inclu#do durante a vig$ncia do termo de compromisso do estágio, e o nome
da companhia seguradora
.%- - o curso do estudante e a compatibilização do mesmo com as atividades
desenvolvidas na empresa
.%9 - a data de in#cio e t&rmino do estágio
.%, - a qualificação do agente de integração, caso ha+a participação deste na sistemática
do estágio%
# CON&)NIO ENTRE A E(PRESA E O AENTE DE INTERAÇÃO, <uando +or
onstatada a partiipação deste no proesso, onde estarão aordadas as
ondições de relaiona$ento entre eles.
$ A CARTEIRA DE TRA*AL+O E PRE&ID)NCIA SOCIAL DO ESTAIÁRIO,
ob@etivando a veri+iação das anotações do estágio.
-%' - a anotação do estágio deverá ser feita nas páginas de @anotações gerais@ da BC63
do estudante, pela J7C ou por instituição devidamente credenciada pelo Otb para tanto,
com as indicações constantes do item
-%. - destas anotações, devem constar claramente o curso, ano e instituição de ensino a
que pertence o estudante, o nome do concedente )empresa* e as datas de in#cio e t&rmino
do estágio%
2 ;isal do Trabalho, aso onlua pela desarateri'ação de estágio,
deverá eEigir <ue a situação do estudante, o$o e$pregado da e$presa,
se@a regulari'ada. 7a hip0tese de lavratura de auto de in+ração,
deverão ser $enionados no orpo do auto os ele$entos de onvição do
vFnulo e$pregatFio.
Carateri'ando o estágio, o ;isal li$itar-se-á ao eEa$e dos
dou$entos relaionados. Muando se tratar de estudantes estrangeiro,
regular$ente $atriulado e$ instituição de ensino o+iial ou
reonheida, os dou$entos soliitados pela +isali'ação para eEa$e
serão os $es$os
% 4tenciosamente
6l#nio 8ustavo 4dri 3arti
3ecretário de 7elações do Crabalho
4stagiários pode$ via@arN
8s viagens são per$itidas a estagiários, por>$ so$ente <uando são
relevantes aos neg0ios da e$presa e ? +or$ação pro+issional do
estudante. 8l>$ disso=
O as viagens não pode$ pre@udiar o u$pri$ento da @ornada esolar do
estagiário)
O assi$ o$o nas de$ais atividades do estágio, deve haver u$a
orrelação direta entre as tare+as do estagiário e$ viage$ e a sua
rotina aad1$ia. /ortanto, viagens para atividades <ue e$ nada
ontribuirão para a sua +or$ação IeE.= entrega de dou$entosJ não são
reo$endáveis)
viagens para treina$entos, PorQshops, partiipação e$ reuniões de
trabalho relaionadas o$ a +or$ação aad1$ia do estagiário são
possFveis e onstitue$ u$a boa oportunidade de treina$ento)
O não há eEig1nia de <ue o estagiário se@a ao$panhado por u$
e$pregado nas suas viagens. 7o entanto, onsiderando <ue a e$presa >
plena$ente responsável por ele, > onveniente <ue se@a reebido por u$
representante da Gale no loal de destino)
O visitas ? loalidades re$otas não são proibidas, $as os risos
inerentes ? atividade, obvia$ente, au$enta$. 8ssi$, > dese@ável <ue se
evite eEpor os estudantes a risos)
O a e$presa > responsável por todas as despesas de viage$, inluindo
proedi$entos de vainação)
O o estagiário deve estar se$pre segurado ontra aidentes pessoais)
O onsiderando <ue a 4$presa > inteira$ente responsável pelo estudante
nas viagens, a Gale deverá ustear eventuais despesas $>dias de
urg1nia.
Mual o papel do pro+essor orientador da instituição de ensinoN
2 pro+essor orientador deve ser da área a ser desenvolvida no estágio,
e será o responsável pelo ao$panha$ento e avaliação das atividades do
estagiário.
Mue$ deverá ser o supervisor do estagiário da parte onedenteN
2 supervisor do estagiário da parte onedente deve ser +unionário do
seu <uadro de pessoal, o$ +or$ação ou eEperi1nia pro+issional na
área de onhei$ento desenvolvida no urso do estagiário Iiniso 666
do art. %! da Lei ##.*88B2--8J.
2 supervisor da parte onedente pode orientar e supervisionar at>
<uantos estagiáriosN
2 supervisor da parte onedente so$ente pode orientar e supervisionar
at> #- Ide'J estagiários si$ultanea$ente Iiniso 666, do art. %! da
Lei ##.*88B2--8J.
8 atividade a ser eEerida pelo estagiário deve estar relaionada o$
a sua +or$ação eduaionalN
5i$, o estágio deve estar relaionado o$ a +or$ação eduaional do
estagiário, ou se@a, deve ser o$patFvel o$ o pro@eto pedag0gio do
seu urso ID #! do art. #! da Lei ##.*88B2--8J.