You are on page 1of 11

(Viola Spolin

)
Todas as pessoas são capazes de atuar no palco. Todas as pessoas são capazes de
improvisar. As pessoas que desejarem são capazes de jogar e aprender a ter valor no
palco.
Aprendemos através da experiência, e ninguém ensina nada a ninguém. Isto é válido
tanto para a criança que se movimenta inicialmente chutando o ar, engatinhando e
depois andando, como para o cientista com suas equações.
Se o ambiente permitir, pode-se aprender qualquer coisa, e se o indivíduo permitir, o
ambiente lhe ensinará tudo o que ele tem para ensinar. “Talento” ou “falta de talento”
tem muito pouco a ver com isso.
Devemos reconsiderar o que significa “talento”. É muito possível que o que é
chamado comportamento talentoso seja simplesmente uma maior capacidade individual
para experienciar. Deste ponto de vista, é no aumento da capacidade individual para
experienciar que a infinita potencialidade de uma personalidade pode ser evocada.
Experienciar é penetrar no ambiente, é envolver-se total e organicamente com ele. Isto
significa envolvimento em todos os níveis: intelectual, físico e intuitivo. Dos três, o
intuitivo, que é o mais vital para a situação de aprendizagem, é negligenciado.
A intuição é sempre tida como sendo uma dotação ou uma força mística possuída
pelos privilegiados somente. No entanto, todos nós tivemos momentos em que a
resposta certa “simplesmente surgiu do nada” ou “fizemos a coisa certa sem pensar”. Às
vezes em momentos como este, precipitados por uma crise, perigo ou choque, a pessoa
“normal” transcende os limites daquilo que é familiar, corajosamente entra na área do
desconhecido e libera por alguns minutos o gênio que tem dentro de si. Quando a
resposta a uma experiência se realiza no nível do intuitivo, quando a pessoa trabalha
além de um plano intelectual constrito, ela está realmente aberta para aprender.
O intuitivo só pode responder no imediato — no aqui e agora. Ele gera suas dádivas
no momento de espontaneidade, no momento quando estamos livres para atuar e inter-
relacionar, envolvendo-nos com o mundo à nossa volta que está em constante
transformação.
Através da espontaneidade somos re-formamos em nós mesmos. A espontaneidade
cria uma explosão que por um momento nos liberta de quadros de referência estáticos,
da memória sufocada por velhos fatos e informações, de teorias não digeridas e técnicas
que são na realidade descobertas de outros. A espontaneidade é um momento de
liberdade pessoal quando estamos frente a frente com a realidade e a vemos, a
exploramos e agimos em conformidade com ela. Nessa realidade, as nossas mínimas
1 11 1º ano º ano º ano º ano A experiência criativa A experiência criativa A experiência criativa A experiência criativa mar/08 mar/08 mar/08 mar/08 Cibele Cibele Cibele Cibele
Nome: Nome: Nome: Nome: Nº: Nº: Nº: Nº: Turma: Turma: Turma: Turma:
Artes Artes Artes Artes
partes funcionam como um todo orgânico. É o momento de descoberta, de experiência,
de expressão criativa.
Tanto a “pessoa média” quanto a “talentosa” podem ser ensinadas a atuar no palco
quando o processo de ensino é orientado no sentido de tornar as técnicas teatrais tão
intuitivas que sejam apropriadas pelo aluno. É necessário um caminho para adquirir o
conhecimento intuitivo. Ele requer um ambiente no qual a experiência se realize, uma
pessoa livre para experienciar e uma atividade que faça a espontaneidade acontecer.
Este texto é um curso planejado para tais atividades. O presente capítulo tenta auxiliar
tanto o professor como o aluno a encontrar a liberdade pessoal no que concerne ao
teatro.
SETE ASPECTOS DA ESPONTANEIDADE
JOGOS
O jogo é uma forma natural de grupo que propicia o envolvimento e a liberdade
pessoal necessários para a experiência. Os jogos desenvolvem as técnicas e habilidades
pessoais necessárias para o jogo em si, através do próprio ato de jogar. As habilidades
são desenvolvidas no próprio momento em que a pessoa está jogando, divertindo-se ao
máximo e recebendo toda a estimulação que o jogo tem para oferecer — é este o exato
momento em que ela está verdadeiramente aberta para recebê-las.
A ingenuidade e a inventividade aparecem para solucionar quaisquer crises que o jogo
apresente, pois está subentendido que durante o jogo o jogador é livre para alcançar seu
objetivo da maneira que escolher. Desde que obedeça às regras do jogo, ele pode
balançar, ficar de ponta-cabeça, ou até voar. De fato, toda maneira nova ou
extraordinária de jogar é aceita e aplaudida por seus companheiros de jogo.
Isto torna a forma útil não só para o teatro formal, como especialmente para os atores
interessados em aprender improvisação, e é igualmente útil para expor o iniciante à
experiência teatral, seja ele adulto ou criança. Todas as técnicas, convenções etc., que os
alunos-atores vieram descobrir lhes são dadas através de sua participação nos jogos
teatrais (exercícios de atuação):
O jogo é psicologicamente diferente em grau, mas não em categoria, da atuação
dramática. A capacidade de criar uma situação imaginativamente e de fazer um papel é
uma experiência maravilhosa, é como uma espécie de descanso do cotidiano que damos
ao nosso eu, ou as férias da rotina de todo o dia. Observamos que essa liberdade
psicológica cria uma condição na qual tensão e conflito são dissolvidos, e as
potencialidades são liberadas no esforço espontâneo de satisfazer as demandas da
situação
1
.
Qualquer jogo digno de ser jogado é altamente social e propõe intrinsecamente um
problema a ser solucionado — um ponto objetivo com o qual cada indivíduo deve se
envolver, seja para atingir o gol ou para acertar uma moeda num copo. Deve haver
acordo de grupo sobre as regras do jogo e interação que se dirige em direção ao objetivo
para que o jogo possa acontecer.
Os jogadores tornam-se ágeis, alerta, prontos e desejosos de novos lances ao
responderem aos diversos acontecimentos acidentais simultaneamente. A capacidade
pessoal para se envolver com os problemas do jogo e o esforço despendido para lidar
com os múltiplos estímulos que ele o provoca, determinam a extensão desse
crescimento.
O crescimento ocorrerá sem dificuldade no aluno-autor porque o próprio jogo o
ajudará. O objetivo no qual o jogador deve constantemente concentrar e para o qual toda
ação deve ser dirigida provoca espontaneidade. Nessa espontaneidade, a liberdade
pessoal é liberada, e a pessoa como um todo é física, intelectual e intuitivamente
despertada. Isto causa estimulação suficiente para que o aluno transcenda a si mesmo —
ele é libertado para penetrar no ambiente, explorar, aventurar e enfrentar sem medo
todos os perigos.
A energia liberada para resolver o problema, sendo restringida pelas regras do jogo e
estabelecida pela decisão grupal, cria uma explosão — ou espontaneidade — e, como é
comum nas explosões, tudo é destruído, rearranjado, desbloqueado. O ouvido alerta os
pés, e o olho atira a bola.
Todas as partes do indivíduo funcionam juntas como uma unidade de trabalho, como
um pequeno todo orgânico dentro de um todo orgânico maior que é a estrutura do jogo.
Dessa experiência integrada, surge o indivíduo total dentro do ambiente total, e aparece
o apoio e a confiança que permite ao indivíduo abrir-se e desenvolver qualquer
habilidade necessária para a comunicação dentro do jogo. Além disso, a aceitação de
todas as limitações impostas possibilita o aparecimento do jogo ou da cena, no caso do
teatro.
Sem uma autoridade de fora se impondo aos jogadores, dizendo-lhes o que fazer,
quando e como, cada um livremente escolhe a autodisciplina ao aceitar as regras do
jogo (“desse jeito é mais gostoso”) e acata as decisões de grupo com entusiasmo e
confiança. Sem alguém para agradar ou dar concessões, o jogador pode, então,
concentrar toda sua energia no problema e aprender aquilo que veio aprender.
APROVAÇÃO/DESAPROVAÇÃO
O primeiro passo para jogar é sentir liberdade pessoal. Antes de jogar, devemos estar
livres. É necessário ser parte do mundo que nos circunda e torná-lo real tocando, vendo,
sentindo o seu sabor, e o seu aroma — o que procuramos é o contato direto com o
ambiente. Ele deve ser investigado, questionado, aceito ou rejeitado. A liberdade
pessoal para fazer isso leva-nos a experimentar e adquirir autoconsciência (auto-
identidade) e auto-expressão. A sede de auto-identidade e auto-expressão, enquanto
básica para todos nós, é também necessária para a expressão teatral.
Muito poucos de nós são capazes de estabelecer esse contato direto com a realidade.
Nosso mais simples movimento em relação ao ambiente é interrompido pela
necessidade de comentário ou interpretação favorável por uma autoridade estabelecida.
Tememos não ser aprovados, ou então aceitamos comentário e interpretação de fora
inquestionavelmente. Numa cultura onde a aprovação/desaprovação tornou-se o
regulador predominante dos esforços e da posição, e freqüentemente o substituto do
amor, nossas liberdades pessoais são dissipadas.
Abandonados aos julgamentos arbitrários dos outros, oscilamos diariamente entre o
desejo de ser amado e o medo da rejeição para produzir. Qualificados como “bons” ou
“maus” desde o nascimento (um bebê “bom” não chora) nos tornamos tão dependentes
da tênue base de julgamento de aprovação/desaprovação que ficamos criativamente
paralisados. Vemos com os olhos dos outros e sentimos o cheiro com o nariz dos outros.
Assim, o fato de depender de outros que digam onde estamos, quem somos e o que
está acontecendo resulta numa séria (quase total) perda de experiência pessoal.
Perdemos a capacidade de estar organicamente envolvidos num problema, e de uma
maneira desconectada funcionamos somente com partes do nosso todo. Não
conhecemos nossa própria substância, e na tentativa de viver (ou de evitar viver) pelos
olhos de outros, a auto-identidade é obscurecida, nosso corpo e a graça natural
desaparece, e a aprendizagem é afetada. Tanto o indivíduo como a forma de arte são
distorcidos e depravados, e a compreensão se perde para nós.
Ao tentarmos nos salvaguardar de ataques, construímos uma fortaleza poderosa e nos
tornamos tímidos, ou então lutamos cada vez que nos aventuramos sair de nós mesmos.
Alguns, nesta luta com a aprovação/desaprovação, desenvolvem egocentrismo e
exibicionismo; outros desistem e simplesmente seguem vivendo. Outros ainda, como
Elsa no conto de fada, estão eternamente batendo nas janelas, tocando campainhas e
lamentando “Quem sou eu?” O contato com o ambiente é distorcido. Autodescoberta e
outros traços exploratórios tendem a ser atrofiados. Ser “bom” ou ser “mau” torna-se
um modo de vida para aqueles que precisam da aprovação/desaprovação de uma
autoridade — a investigação, assim como a solução dos problemas, tornam-se de
importância secundária.
Aprovação/desaprovação cresce do autoritarismo que, com o decorrer dos anos,
passou dos pais para o professor e, finalmente, para o de toda a estrutura social (o
companheiro, o patrão, a família, os vizinhos etc.).
A linguagem e as atitudes do autoritarismo devem ser constantemente combatidas
quando desejamos que a personalidade total emerja como unidade de trabalho. Todas
palavras que fecham portas, que têm implicações ou conteúdo emocional, atacam a
personalidade do aluno-ator ou mantêm o aluno totalmente dependente do julgamento
do professor, devem ser evitadas. Uma vez que muitos de nós fomos educados pelo
método da aprovação/desaprovação, é necessário uma constante auto-observação por
parte do professor-diretor para erradicar de si mesmo qualquer manifestação desse tipo,
de maneira que não entre na relação professor-aluno.
A expectativa de julgamento impede um relacionamento livre nos trabalhos de
atuação. Além disso, o professor não pode julgar o bom ou o mau pois que não existe
uma maneira absolutamente certa ou errada para solucionar um problema: o professor,
com um passado rico em experiências, pode conhecer uma centena de maneiras
diferentes para solucionar um determinado problema, e o aluno pode aparecer com a
forma cento e um, que o professor até então não tinha pensado
2
. Isto é particularmente
válido nas artes.
O julgamento por parte do professor-diretor limita tanto a sua própria experiência
como a dos alunos, pois ao julgar, ele se mantém distante do momento da experiência e
raramente vai além do que já sabe. Isto o limita aos ensinamentos de rotina, às fórmulas
e outros conceitos padronizados, que prescrevem o comportamento do aluno.
E mais difícil reconhecer o autoritarismo na aprovação do que na desaprovação —
particularmente quando um aluno solicita aprovação. Isto lhe dá autoconhecimento, pois
uma aprovação do professor indica que foi feito algum progresso, mas um progresso em
termos do professor, não em termos do aluno. Portanto, ao desejar evitar a aprovação,
devemos nos precaver para não nos distanciarmos a tal ponto que o aluno se sinta
perdido, ou que ele julgue que não está aprendendo nada.
A verdadeira liberdade pessoal e a auto-expressão só podem florescer numa atmosfera
onde as atitudes permitam igualdade entre o aluno e o professor, e as dependências do
aluno pelo professor e do professor pelo aluno sejam eliminadas. Os problemas
propostos no livro ensinarão ambas as coisas.
Aceitar simultaneamente o direito do aluno à igualdade na abordagem de um
problema e sua falta de experiência coloca uma carga sobre o professor. Esta maneira de
ensinar parece a princípio mais difícil, pois o professor deve sempre se colocar fora das
descobertas dos alunos sem interpretar ou forçar conclusões. Contudo, isto pode ser
mais recompensador para o professor, porque uma vez que os alunos-atores tenham
realmente aprendido através da atuação, a qualidade da performance será de fato muito
alta.
Os jogos e exercícios para solução de problemas contidos neste manual ajudarão a
diminuir o autoritarismo e, na medida em que o treinamento continua, ele desaparecerá.
Com o despertar do sentido do eu, o autoritarismo é eliminado. Não há necessidade do
status dado pela aprovação/desaprovação na medida em que todos (professor e aluno)
lutam pelo insight pessoal — com a consciência intuitiva vem um sentimento de
certeza.
A mudança do professor como autoridade absoluta não ocorre imediatamente. Levam-
se anos para construir atitudes, e todos temos medo de abandoná-las, uma vez
incorporadas. O professor encontrará seu caminho se nunca perder de vista o fato de que
as necessidades do teatro são o verdadeiro mestre, pois o professor também deve
aceitar as regras do jogo. Então ele facilmente encontrará sua função de guia, pois
afinal o professor-diretor conhece o teatro técnico e artisticamente, e suas experiências
são necessárias para liderar o grupo.
EXPRESSÃO DE GRUPO
Um relacionamento de grupo saudável exige um número de indivíduos trabalhando
interdependentemente para completar um projeto, com total participação individual e
contribuição pessoal. Se uma pessoa domina, os outros membros têm pouco
crescimento ou prazer na atividade, não existe um verdadeiro relacionamento de grupo.
O teatro é uma atividade artística que exige o talento e a energia de muitas pessoas —
desde a primeira idéia de uma peça ou cena até o último eco de aplauso. Sem esta
interação não há lugar para o ator individualmente, pois sem o funcionamento do grupo,
para quem iria ele representar, que materiais usaria e que efeitos poderia produzir? O
aluno-ator deve aprender que “como atuar”, assim como no jogo, está intrinsecamente
ligado a todas as outras pessoas na complexidade da forma de arte. O teatro
improvisacional requer relacionamento de grupo muito intenso, pois é a partir do acordo
e da atuação em grupo que emerge o material para as cenas e peças.
Para o aluno que está iniciando a experiência teatral, trabalhar com um grupo dá
segurança, por um lado e, por outro lado, representa uma ameaça. Uma vez que a
participação numa atividade teatral é confundida por muitos com exibicionismo (e
portanto com o medo de se expor), o indivíduo se julga isolado contra muitos. Ele luta
contra um grande número de “pessoas de olhos malevolentes”, sentadas, julgando seu
trabalho. O aluno se sente constantemente observado, julgando a si mesmo e não
progride.
No entanto, quando atua com o grupo, experienciando coisas junto, o aluno-ator se
integra e se descobre dentro da atividade. Tanto as diferenças como as similaridades
dentro do grupo são aceitas. Um grupo nunca deveria ser usado para induzir
conformidade, mas, como num jogo, deveria ser o elemento propulsor da ação.
O procedimento para o professor-diretor é basicamente simples: ele deve certificar-se
de que todo aluno está participando livremente a todo o momento. O desafio para o
professor ou líder é ativar cada aluno no grupo respeitando a capacidade imediata de
participação de cada um. Embora o aluno bem dotado pareça ter sempre mais para dar,
mesmo se um aluno estiver participando do limite de sua força e usando o máximo de
suas habilidades, ele deve ser respeitado, ainda que sua contribuição seja mínima. Nem
sempre o aluno pode fazer o que o professor acha que ele deveria fazer, mas na medida
em que ele progride, suas capacidades aumentarão. Trabalhe com o aluno onde ele está,
não onde você pensa que ele deveria estar.
A participação e o acordo de grupo eliminam todas as tensões e exaustões da
competição e abrem caminho para a harmonia. Uma atmosfera altamente competitiva
cria tensão artificial, e quando a competição substitui a participação, o resultado é a
ação compulsiva. Mesmo para os mais jovens, a competição acirrada conota a idéia de
que ele deve ser melhor do que qualquer outro. Quando um jogador sente isso, sua
energia é despendida somente para isto, ele se torna ansioso e impelido, e seus
companheiros de jogo tornam-se uma ameaça para ele. Se a competição for tomada
erroneamente como um instrumento de ensino, todo o significado do jogo será
distorcido. A atuação permite que uma pessoa responda com seu “organismo total
dentro de um ambiente total”. A competição imposta torna essa harmonia impossível,
pois ela destrói a natureza básica da atuação no palco ocultando a auto-identidade e
separando um jogador do outro.
Quando a competição e as comparações aparecem dentro de uma atividade, há um
efeito imediato sobre o aluno que é patente em seu comportamento. Ele luta por um
status agredindo outra pessoa, desenvolve atitudes defensivas (dando “explicações”
detalhadas para as ações mais simples, vangloriando-se ou culpando outros pelas coisas
que ele faz) assumindo o controle agressivamente ou demonstrando sinais de
inquietude. Aqueles que acham impossível levar a cabo com uma tensão imposta, se
tornarão apáticos e mostrarão sinais de fastio para se aliviarem. Quase todos mostrarão
sinais de fadiga.
A competição natural, por outro lado, é parte orgânica de toda atividade de grupo e
propicia tensão e relaxamento de forma a manter o indivíduo intacto enquanto joga. É a
estimulação crescente que aparece na medida em que os problemas são resolvidos e que
outros mais desafiantes lhe são colocados. Os companheiros de jogo são necessários e
bem recebidos. Essa competição natural pode se tornar um processo para maior
penetração no ambiente.
Com a dominação de cada problema caminhamos para uma compreensão mais ampla,
pois uma vez solucionado o problema, ele se dissolve como algodão doce. Quando já
dominamos o engatinhar, nos pomos em pé, e quando nos levantamos começamos a
andar. Esse aparecimento e dissolvição infinitos de fenômenos desenvolve uma visão
(percepção) cada vez maior com cada novo conjunto de circunstâncias. (Veja todos os
exercícios de transformação.)
Se quisermos continuar o jogo, a competição natural deve existir onde cada indivíduo
tiver que empregar maior energia para solucionar consecutivamente problemas cada vez
mais complicados. Estes podem ser solucionados, então, não às custas de uma outra
pessoa, com a terrível perda emocional pessoal que o comportamento compulsivo
ocasiona, mas trabalhando harmoniosamente com outros para aumentar o esforço ou
trabalho de grupo. É só quando a escala de valores toma a competição como grito de
guerra que decorre o perigo: o resultado final — sucesso — torna-se mais importante do
que o processo.
A utilização de energia em excesso para solucionar um problema é muito evidente
hoje. Embora seja verdadeiro que algumas pessoas que trabalham com energias
compulsivas façam sucesso, na maioria dos casos já perderam de vista o prazer na
atividade e se tornam insatisfeitas com suas realizações. Assim acontece porque se
dirigirmos todos os nossos esforços para a obtenção de um objetivo, corremos um grave
perigo de perder tudo aquilo no qual baseamos nossas atividades cotidianas. Pois
quando um objetivo é superimposto numa atividade ao invés de emergir a partir dela,
sempre nos sentimos enganados quando o alcançamos.
Quando um objetivo aparece fácil e naturalmente e vem de um crescimento e não de
uma força compulsiva, o resultado final, seja ele um espetáculo ou o que quer que seja,
não será diferente do processo que levou a esse resultado. Se somos treinados somente
para o sucesso, devemos usar tudo e todas as pessoas para esse fim, podemos então
trapacear, mentir, trair e abandonar toda vida social para alcançar sucesso. O
conhecimento teria uma exatidão maior se viesse da estimulação do próprio
aprendizado. Se procurarmos somente o sucesso, quantos valores humanos não serão
perdidos? E quanto não estaremos privando a nossa forma de arte?
Portanto, ao desviar a competição para o esforço de grupo, lembrando que o processo
vem antes do resultado final, libertamos o aluno-ator para confiar no esquema e o
ajudamos a solucionar os problemas da atividade. Tanto o aluno bem dotado, que teria
sucesso mesmo sob altas tensões, como o aluno que tem poucas chances de ser bem-
sucedido sob pressão, mostram uma grande liberação criativa e os padrões artísticos nas
sessões de trabalho, se elevam quando a energia livre e saudável entra sem restrições na
atividade teatral. Uma vez que os problemas de atuação são cumulativos, todos são
aprofundados e enriquecidos por cada experiência sucessiva.
PLATÉIA
3

O papel da platéia deve se tornar uma parte concreta do treinamento teatral. Na
maioria das vezes, ele é tristemente ignorado. Tempo e idéias são gastos com o lugar do
ator, do cenógrafo, do diretor, do técnico, do administrador etc., mas ao grupo maior
para o qual seus esforços estão voltados raramente é dada a mínima consideração. A
platéia é considerada como um bando de xeretas a ser tolerado pelos atores e diretores,
ou como um monstro de muitas cabeças que está sentado fazendo julgamentos.
A frase “esqueça a platéia” é um mecanismo usado por muitos diretores como meio de
ajudar o aluno-ator a relaxar no palco. Mas essa atitude provavelmente criou a quarta
parede. O ator não deve esquecer sua platéia, da mesma forma como não esquece suas
linhas, seus adereços de cena ou seus colegas atores!
A platéia é o membro mais reverenciado do teatro. Sem platéia não há teatro. Cada
técnica aprendida pelo ator, cada cortina e plataforma no palco, cada análise feita
cuidadosamente pelo diretor, cada cena coordenada é para o deleite da platéia. Eles são
nossos convidados, nossos avaliadores e o último elemento na roda que pode então
começar a girar. Ela dá significado ao espetáculo.
Quando se compreende o papel da platéia, o ator adquire liberdade e relaxamento
completo. O exibicionismo desaparece quando o aluno-ator começa a ver os membros
da platéia não como juízes ou censores ou mesmo como amigos encantados, mas como
um grupo com o qual ele está compartilhando uma experiência. Quando a platéia é
entendida como sendo uma parte orgânica da experiência teatral, o aluno-ator ganha um
sentido de responsabilidade para com ela que não tem nenhuma tensão nervosa. A
quarta parede desaparece, e o observador solitário torna-se parte do jogo, parte da
experiência, e é bem recebido! Este relacionamento não pode ser instilado no ensaio
final ou numa conversa no último minuto mas deve, como todos os outros problemas,
ser tratado a partir da primeira sessão de trabalho.
Quando existe um consenso de que todos aqueles que estão envolvidos no teatro
devem ter liberdade pessoal para experienciar, isto inclui a platéia — cada membro da
platéia deve ter uma experiência pessoal, não uma estimulação artificial, enquanto
assiste à peça. Quando a platéia toma parte neste acordo de grupo, ela não pode ser
pensada como uma massa uniforme a ser empurrada ou atrelada pelo nariz, nem deve
viver a vida de outros (mesmo que seja por uma hora), nem se identificar com os atores
e representar através deles emoções cansadas e gratuitas. A platéia é composta de
indivíduos diferenciados que estão assistindo à arte dos atores (e dramaturgos), e é para
todos eles que os atores (e dramaturgos) devem utilizar suas habilidades para criar o
mundo mágico da realidade teatral. Este deveria ser um mundo onde todo problema
humano, enigma ou visão, possa ser explorado, um mundo mágico onde os coelhos
possam ser tirados da cartola, e o próprio diabo possa ser invocado.
Somente agora os problemas do teatro atual estão sendo formulados em questões.
Quando nosso treinamento de teatro puder capacitar os futuros dramaturgos, diretores e
atores a pensar no papel da platéia como indivíduos e como parte do processo chamado
teatro, cada um com direito a uma experiência significativa e pessoal, não será possível
que uma forma de teatro totalmente nova emerja? Bons teatros improvisacionais
profissionais já apareceram diretamente desta forma de trabalho, encantando platéias
noite após noite com experiências teatrais originais.
TÉCNICAS TEATRAIS
As técnicas teatrais estão longe de ser sagradas. Os estilos em teatro mudam
radicalmente com o passar dos anos, pois as técnicas do teatro são técnicas da
comunicação. A existência da comunicação é muito mais importante do que o método
usado. Os métodos se alteram para atender às necessidades de tempo e espaço.
Quando uma técnica teatral ou convenção de palco é vista como um ritual e a razão
para sua inclusão na lista das habilidades do ator é perdida, então ela se torna inútil.
Uma barreira artificial é estabelecida quando as técnicas estão separadas da experiência
direta. Ninguém separa o arremesso de uma bola do jogo em si.
As técnicas não são artifícios mecânicos — um saco de truques bem rotulados para
serem retirados pelo ator quando necessário. Quando a forma de uma arte se torna
estática, essas “técnicas” isoladas, que se presume constituam a forma, estão sendo
ensinadas e incorporadas rigidamente. O crescimento tanto do indivíduo como da forma
sofre, conseqüentemente, pois a menos que o aluno seja extraordinariamente intuitivo,
tal rigidez no ensino, pelo fato de negligenciar o desenvolvimento interior, é
invariavelmente refletida em seu desempenho.
Quando o ator realmente sabe que há muitas maneiras de fazer e dizer uma coisa, as
técnicas aparecerão (como deve ser) a partir do seu total. Pois é através da consciência
direta e dinâmica de uma experiência de atuação que a experimentação e as técnicas são
espontaneamente unidas, libertando o aluno para o padrão de comportamento fluente no
palco. Os jogos teatrais fazem isto.
A TRANSPOSIÇÃO DO PROCESSO DE APRENDIZAGEM PARA A VIDA
DIÁRIA
Quando o artista cria a realidade no palco, sabe onde está, percebe e abre-se para
receber o mundo fenomenal. O treinamento teatral não se pratica em casa (é fortemente
recomendado que nenhum texto seja levado para casa para ser decorado mesmo quando
se ensaia uma peça formal). As propostas devem ser colocadas para o aluno-ator dentro
das próprias sessões de trabalho. Isto deve ser feito de maneira que ele as absorva e
carregue dentro de si para sua vida diária.
Por causa da natureza dos problemas de atuação, é imperativo preparar todo o
equipamento sensorial, livrar-se de todos os preconceitos, interpretações e suposições,
para que se possa estabelecer um contato puro e direto com o meio criado e com os
objetos e pessoas dentro dele. Quando isto é aprendido dentro do mundo do teatro,
produz simultaneamente o reconhecimento e contato puro e direto com o mundo
exterior. Isto amplia a habilidade do aluno-ator para envolver-se com seu próprio
mundo fenomenal e experimentá-lo mais pessoalmente. Assim, a experimentação é a
única tarefa de casa e, uma vez começada, como as ondas circulares na água, é infinita e
penetrante em suas variações.
Quando o aluno vê as pessoas e as maneiras como elas se comportam quando juntas,
quando vê a cor do céu, ouve os sons no ar, sente o chão sob seus pés e o vento em sua
face, ele adquire uma visão mais ampla de seu mundo pessoal e seu desenvolvimento
como ator é acelerado. O mundo fornece o material para o teatro, e o crescimento
artístico desenvolve-se par e passo com o nosso reconhecimento e percepção do mundo
e de nós mesmos dentro dele.
FISICALIZAÇÃO
O termo “fisicalização” usado neste livro descreve a maneira pela qual o material é
apresentado ao aluno num nível físico e não-verbal, em oposição a uma abordagem
intelectual e psicológica. A “fisicalização” propicia ao aluno uma experiência pessoal
concreta, da qual seu desenvolvimento posterior depende, e dá ao professor e ao aluno
um vocabulário de trabalho necessário para um relacionamento objetivo.
Nossa primeira preocupação é encorajar a liberdade de expressão física, porque o
relacionamento físico e sensorial com a forma de arte abre as portas para o insight. É
difícil dizer por que isso é assim, mas é certo que ocorre. Esse relacionamento mantém
o ator no mundo da percepção — um ser aberto em relação ao mundo à sua volta.
A realidade só pode ser física. Nesse meio físico ela é concebida e comunicada através
do equipamento sensorial. A vida nasce de relacionamentos físicos. A faísca de fogo
numa pedra, o barulho das ondas ao quebrarem na praia. A criança gerada pelo homem
e pela mulher. O físico é o conhecido, e através dele encontramos o caminho para o
desconhecido, o intuitivo. Talvez para além do próprio espírito do homem.
Em qualquer forma de arte procuramos a experiência de ir além do conhecido. Muitos
de nós ouvimos os movimentos do novo que está para nascer, mas é o artista que deve
executar o parto da nova realidade que nós (platéia) impacientemente esperamos. É a
visão desta realidade que nos inspira e regenera. O papel do artista é dar a visão. Sua
crença deve ser preocupação nossa, pois que é de natureza íntima e privada do ator. Não
devemos nos preocupar com os sentimentos que o ator utiliza no palco.
Estamos interessados somente na comunicação física direta
4
; os sentimentos são um
assunto pessoal. Quando a energia é absorvida num objeto físico não há tempo para
“sentimentos”. Se isto parece rude, esteja certo de que insistir no relacionamento
objetivo (físico) com a forma de arte traz uma visão mais clara e uma maior vitalidade,
pois a energia retida no medo de se expor é liberada na medida em que o aluno
reconhece que ninguém está interessado em saber onde ele escondeu o cadáver.
O ator pode dissecar, analisar e desenvolver até mesmo um caso em torno de seu
papel se ele for incapaz de assimilar e comunicá-lo fisicamente, terá sido inútil para a
forma teatral. Não liberta seus pés nem traz o fogo da inspiração aos olhos da platéia. O
teatro não é uma clínica. Não deveria ser um lugar para se juntar estatísticas.
O artista capta e expressa um mundo que é físico. Transcende o objeto — mais do que
informação e observação acuradas, mais do que o objeto físico em si. Mais do que seus
olhos podem ver. A “fisicalização” é um desses instrumentos.
Quando o ator aprende a comunicar-se diretamente com a platéia através da
linguagem física do palco, seu organismo como um todo é alertado. Empresta-se ao
trabalho e deixa sua expressão física levá-lo para onde quiser. No teatro de
improvisação, por exemplo, onde pouco ou quase nenhum material de cena, figurino ou
cenário são usados, o ator aprende que a realidade do palco deve ter espaço, textura,
profundidade e substância — isto é, realidade física. É a criação dessa realidade a partir
do nada, por assim dizer, que torna possível dar o primeiro passo, em direção àquilo que
está mais além.
O ator cria a realidade teatral tornando-a física.

___________________
4
“Comunicação direta” da maneira como é usada neste texto refere-se a um momento
de percepção mútua.

G:\Editoração\Ped2008\Artes\EM\Texto Teatro.doc