You are on page 1of 37

CURSOS ON-LINE – PORTUGUÊS – CURSO REGULAR

PROFESSORA CLAUDIA KOZLOWSKI

CONECTIVOS – PREPOSIÇÃO E CONJUNÇÃO


Olá, pessoal
Na aula passada, lancei um desafio – encontrar uma letra de música que
contivesse o pronome relativo CUJO usado de forma apropriada.
Um herói conseguiu! Parabéns, Rômulo Faria!
A letra é da música “A Foto da Capa”, do CD “Paratodos”. Já adivinhou o
autor???
Tinha de ser: Chico Buarque!!!
Segue a letra para a nossa análise:
O retrato do artista quando moço
Não é promissora, cândida pintura
É a figura do larápio rastaqüera
Numa foto que não era para capa
Uma pose para câmera tão dura
Cujo foco toda lírica solapa
Era rala a luz naquele calabouço
Do talento a clarabóia se tampara
E o poeta que ele sempre se soubera
Claramente não mirava algum futuro
Via o tira da sinistra que rosnara
E o fotógrafo frontal batendo a chapa
É uma foto que não era para capa
Era a mera contracara, a face obscura
O retrato da paúra quando o cara
Se prepara para dar a cara a tapa

O foco da câmera solapa (destrói ou oculta, esconde) toda lírica (poesia,


beleza) em virtude da dureza (rigidez) daquela. A relação de subordinação entre
os dois elementos (foco da câmera) abona o emprego do pronome relativo
CUJO.
Lindo isso, não é?
Nossa busca, no entanto, não terminou. Quem encontrar outras letras de música
com o pronome CUJO empregado corretamente, pode apresentá-las no fórum ou
mandá-las por “e-mail” para mim. Vamos enriquecer nossa aula.
Hoje nosso assunto será a função e o emprego dos conectivos – conjunções e
preposições.
Ao lado dos pronomes, esses elementos são responsáveis por estabelecer o nexo
entre os vocábulos de uma oração e entre as orações, períodos e parágrafos em
um texto.
Serão apresentados os conceitos de um e de outro para, ao fim, exercitarmos
com questões de prova que exploram esse conhecimento.

www.pontodosconcursos.com.br 1
CURSOS ON-LINE – PORTUGUÊS – CURSO REGULAR
PROFESSORA CLAUDIA KOZLOWSKI

PREPOSIÇÃO
CONCEITO
Palavra invariável que, colocada entre duas outras, faz com que uma se torne
membro da outra, criando-se um elo de subordinação.

Casa da mãe Joana

Cadeira de ferro

Vida de cão

Útil a todos

Preciso de ajuda

Na aula sobre sintaxe de regência (Aula 5), já vimos essa relação entre
subordinante (ou antecedente: casa, cadeira, vida, útil, preciso) e
subordinado (ou conseqüente: da mãe Joana, de ferro, de cão, a todos, de
ajuda)

As preposições não possuem, isoladamente, um significado. Elas atribuem


circunstâncias aos elementos a ela ligados. Veja os diversos sentidos que a
mesma preposição (com) pode exprimir:

Dirija com calma. (modo)

Ele cortou-se com a faca. (instrumento)

Fomos ao cinema com nossos amigos. (companhia)

Aquela escultura foi feita com argila. (matéria)


Agora compare a seguinte oração com os exemplos apresentados:
Concordo com você.
Ao contrário das demais frases, em que a preposição introduz uma
circunstância, nessa, a preposição com foi exigida pelo verbo.
Assim, ora as preposições são usadas com valor semântico, de modo a exprimir
certas circunstâncias aos elementos oracionais (como na função de adjunto
adverbial), ora por exigência gramatical, como na função de objeto indireto.
CLASSIFICAÇÃO DAS PREPOSIÇÕES
As preposições podem ser:
ESSENCIAIS – são palavras que, desde sua origem, são usadas como
preposição: a, ante, até, após, com, contra, de, desde, em, entre, para,
perante, por, sem, sob, sobre, trás.
Todos estão contra a mudança do horário.

www.pontodosconcursos.com.br 2
CURSOS ON-LINE – PORTUGUÊS – CURSO REGULAR
PROFESSORA CLAUDIA KOZLOWSKI

ACIDENTAIS – palavras de outras classes gramaticais que “por acidente” são


usadas como preposição: durante, mediante, conforme, segundo,
consoante, que.
Tenho que sair.
Nós os temos como irmãos.
Fugiu durante a noite.
Veja uma interessante questão de prova que explorou esse conceito de
preposição acidental.

(ESAF/AFRF/2002.1)
O homem é moderno na medida das senhas de que ele é escravo para ter
acesso à vida. Não é mais o senhor de seu direito constitucional de ir-e-
vir. A senha é a senhora absoluta. Sem senha, você fica sem seu próprio
dinheiro ou até sem a vida. No cofre do hotel, são quatro algarismos; no
seu home bank, seis; mas para trabalhar no computador da empresa,
você tem que digitar oito vezes, letras e algarismos. A porta do meu carro
tem senha; o alarme do seu, também. Cada um de nossos cartões tem
senha. Se for sensato, você percebe que sua memória não pode ser
ocupada com tanta baboseira inútil. Seus neurônios precisam ter
finalidade nobre. Têm que guardar, sim, os bons momentos da vida.
Então, desesperado, você descarrega tudo na sua agenda eletrônica, num
lugar secreto que só senha abre. Agora só falta descobrir em que lugar
secreto você vai guardar a senha do lugar secreto que guarda as senhas.
(Alexandre Garcia, Abre-te sésamo, com adaptações)
c) Respeitam-se as regras de regência da norma culta ao empregar a
preposição de em vez de que na expressão verbal “Têm que” (l.10).

Este item está CORRETO.


Uma locução verbal pode apresentar, entre o verbo principal e o auxiliar, uma
preposição (acabei de chegar, chego a tremer, acabo de fazer, tenho de aceitar).
No meio da locução, no lugar da preposição, foi usada a palavra que: “ter que
guardar”. Segundo a norma culta, deveria ser “ter de guardar”. Esse “que”
(originalmente uma conjunção), por estar no lugar de uma preposição, recebe o
nome de “preposição acidental”. O mesmo acontece em “Eu a tenho como uma
irmã”, em que a palavra “como” (pronome, conjunção ou advérbio) está usada
no lugar de uma preposição (“Eu a tenho por uma irmã”).

Em locuções prepositivas, a última palavra é sempre uma preposição essencial.


(abaixo de, acima de, a fim de, junto a, de acordo com, devido a ...).
As preposições também podem surgir isoladamente, conhecidas como sintagmas
avulsos preposicionados (Com sua licença, por favor). Pode-se entender,
todavia, que o antecedente, nesses casos, foi omitido.

www.pontodosconcursos.com.br 3
CURSOS ON-LINE – PORTUGUÊS – CURSO REGULAR
PROFESSORA CLAUDIA KOZLOWSKI

PREPOSIÇÃO EM ADJUNTO ADVERBIAL


Vimos na aula passada que pode ocorrer a elipse (omissão) da preposição,
especialmente em adjuntos adverbiais de tempo “Neste/Este fim de semana, irei
ao litoral”, “Chegarei (no) domingo.”, “A lista dos aprovados sairá (n)esta
semana ainda.”.
Contudo, se o adjunto adverbial vier sob a forma de oração, há divergência
doutrinária.
Alguns julgam ser uma questão de conveniência, mas a posição majoritária é
pela OBRIGATORIEDADE do emprego da preposição antes do pronome relativo
correspondente.
Encontramos, inclusive, uma questão de prova que corrobora esse
posicionamento:

(ESAF/AFC STN/2002)
Marque o item sublinhado que representa impropriedade vocabular, erro
gramatical ou ortográfico.
Em vista da crescente conscientização sobre a necessidade de preservar o
patrimônio cultural, tem havido muitas discussões sobre a proteção da área do
entorno(A) ou do envoltório(B)do bem imóvel tombado. Há, principalmente,
divergências quanto à sua(C) dimensão adequada ou ideal e ao momento
que(D) passa a ser protegida.(E)
(Baseado em Antônio Silveira R. dos Santos)
a) A
b) B
c) C
d) D
e) E

Na opção D, gabarito da questão, o pronome relativo que (cujo referente é o


substantivo momento) cria, na oração adjetiva que inicia, uma estrutura
equivalente a “a área passa a ser protegida no momento”. Percebe-se, assim, o
valor adverbial da expressão sublinhada, exigindo o emprego da preposição em
(em + o = no).
Por isso, essa preposição “em” deve anteceder o pronome relativo “que”, que
representa a palavra momento – “... momento em que passa a ser protegida.”.
Com relação ao item c (correto), a locução “quanto a” uniu-se ao artigo que
antecede “sua dimensão”, formando “quanto à sua dimensão”. Como vimos
na aula de crase, seria facultativo o emprego do artigo definido antes do
possessivo - “(a) sua dimensão” - e, por conseguinte, a acentuação – “quanto a
(à) sua dimensão”.

www.pontodosconcursos.com.br 4
CURSOS ON-LINE – PORTUGUÊS – CURSO REGULAR
PROFESSORA CLAUDIA KOZLOWSKI

PREPOSIÇÃO EM COMPLEMENTOS NOMINAIS E VERBAIS


A preposição pode anteceder um complemento nominal ou um complemento
verbal. Quando esse complemento vem sob a forma oracional, podemos adotar
os seguintes posicionamentos.
Em relação à omissão da preposição em complementos verbais (objeto
indireto oracional), a posição majoritária da doutrina é de aceitar a omissão
de preposição antes da conjunção.
Veja uma questão de prova em que isso ocorreu:

(ESAF/AFRF/2003) Julgue a assertiva abaixo em relação aos aspectos


gramaticais.
e) Não nos esqueçamos que a construção do autoritarismo, que marcou
profundamente nossas estruturas sociais, configurou o sistema político
imprescindível para a manutenção e reprodução dessa dependência.

Este item da questão foi considerado CORRETO.


O verbo esquecer-se (OLHA A AULA DE REGÊNCIA AÍ, GENTE!!!) –
pronominal – é transitivo indireto, regendo a preposição de (Não se esqueça de
mim.).
Contudo, como o seu complemento indireto está sob a forma oracional (“que a
construção do autoritarismo...”), é possível a elipse (omissão) da preposição.

Assim, em determinadas construções verbais (convencer-se, lembrar-se,


esquecer-se, assegurar-se, duvidar, concordar, discordar, torcer), a preposição
poderia ser omitida no complemento verbal oracional:
“Concordamos (com) que todos devem ser aprovados.”
“Duvidamos (de) que alguém venda mais barato.” (essa era a propaganda das
Casas Sendas, no RJ; alguém aí se lembra disso?).

Então, com objeto indireto oracional, a preposição pode ser omitida. Beleza!
Agora, a norma culta prevê que, quando a preposição é exigência de um nome
(adjetivo, substantivo abstrato ou advérbio) e o complemento está sob a forma
oracional, a preposição deve anteceder a conjunção integrante que dá início ao
complemento nominal:
“Tenho a convicção de que estamos no caminho certo.” (“Tenho a convicção
disso.” - alguém tem convicção de alguma coisa)
“Somos favoráveis a que todos sejam nomeados rapidamente” (“Somos
favoráveis a isso.” - alguém é favorável a alguma coisa).

Em relação à omissão da preposição em complementos nominais, o assunto é


bastante controverso.
Há quem defenda a omissão da preposição em complementos nominais sob a
forma oracional.

www.pontodosconcursos.com.br 5
CURSOS ON-LINE – PORTUGUÊS – CURSO REGULAR
PROFESSORA CLAUDIA KOZLOWSKI

Celso Luft, em seu Dicionário Prático de Regência Nominal, observa que “é viável
a elipse da preposição antes do que” – Exemplo: “Estou certa que me hás de
compreender.” (Alguém está certo de alguma coisa = Estou certa de que...) .
Algumas bancas já deixaram clara a sua posição. A ESAF, por exemplo, até hoje,
sempre considerou um erro a omissão de preposição antes de uma oração que
complementa um nome (adjetivo, substantivo, advérbio).
Veja uma dessas questões:

(ESAF/AFT/2003) Julgue a correção gramatical da asserção abaixo.


c) Na América Latina, por exemplo, “a integração global aumentou ainda
mais as desigualdades salariais”, e há uma preocupação generalizada que o
processo esteja levando uma maior desigualdade no próprio interior dos
países. Essa desigualdade já alcançou os Estados em suas relações
assimétricas.

Este item foi considerado INCORRETO.


O substantivo preocupação, a depender do significado, pode reger diversas
preposições ou locuções prepositivas (com, para com, em, etc.). Uma delas é a
preposição de: Notei a sua preocupação de todos serem bem atendidos.
No segmento “há uma preocupação generalizada que o processo esteja
levando...”, faltou o emprego da preposição de antes da conjunção que.
Quem tem uma preocupação, tem preocupação de alguma coisa.
A forma correta seria: “há uma preocupação generalizada de que o processo
esteja levando...”.
Houve também outro erro de regência - a omissão da preposição a em “...esteja
levando a uma maior desigualdade no próprio interior dos países.”.
Contudo, isso não significa que a banca não possa mudar de idéia e, com base
na lição de Celso Luft, passe a aceitar um complemento nominal oracional sem
a preposição.
Por isso, caso apareça uma questão como essa, em que o complemento
nominal oracional estiver sem a preposição, tome cuidado: desenhe uma
caveira ao lado da opção e continue lendo a questão até o fim. Se não surgir
nada “mais errado”, essa deve ser a resposta.

MAIS ALGUMAS PECULIARIDADES NO USO DAS PREPOSIÇÕES.


Eu sei que já falamos sobre isso na aula passada, mas não custa nada reforçar o
ensinamento.
De acordo com a norma culta, o sujeito das orações reduzidas de infinitivo deve
estar separado da preposição – “Apesar de elas não saberem a matéria, tiveram
um bom resultado.”.
Modernamente, aceita-se a contração da preposição com o pronome ou artigo
do sujeito – “Está na hora da onça beber água.” (exemplo do mestre Evanildo
Bechara).

www.pontodosconcursos.com.br 6
CURSOS ON-LINE – PORTUGUÊS – CURSO REGULAR
PROFESSORA CLAUDIA KOZLOWSKI

CUIDADO!
Para analisar adequadamente a construção, devemos dispor os termos da
oração na ordem direta.
Lembra-se da pegadinha em que o Bill Gates caiu?
“Para ____ estar aqui é um prazer imenso.”
Como é mesmo que se preenche essa lacuna? Com “eu” ou “mim”?
Devemos perguntar ao verbo quem é o seu sujeito: o que é um prazer imenso?
Resposta: estar aqui.
Então, colocando os termos na ordem direta (SUJEITO – VERBO –
COMPLEMENTO):
“ESTAR AQUI (sujeito) é um prazer para ____ .”
Agora ficou mais fácil, não é? Após preposição, coloca-se um pronome oblíquo,
desde que esse pronome não seja o sujeito de uma forma verbal. Então,
devemos completar com mim. Na ordem original seria “Para mim estar aqui é
um prazer imenso.”. Uma vírgula após mim cairia bem, já que iria mostrar que
esse pronome não é o sujeito do verbo estar, que, aliás, é impessoal (“Para
mim, estar aqui é um prazer.”). Todavia, essa vírgula não é obrigatória (mas
isso é outro assunto...).
Preencha, agora, as lacunas das seguintes orações:
“O amor entre ____ e ____ morreu.” (eu / mim – tu / ti).
Como você completaria?
Vamos começar identificando o sujeito: quem/o que morreu? Resposta: o amor.
Bem, se após preposição, devemos empregar o pronome oblíquo, ficaria “O
amor entre mim e ti morreu.”.
“Entre ____ pedir e ____ fazeres, há grande distância.” (eu / mim – tu / ti).
Como fica agora?
Como o pronome que irá ocupar a primeira lacuna será o sujeito do verbo pedir.
Quem vai pedir? Resposta: eu. Então, só podemos colocar um pronome reto (é
quem exerce as funções de sujeito e de predicativo do sujeito - aula sobre
pronomes). O mesmo acontece com o sujeito do verbo fazer. Assim, a forma é
“Entre eu pedir e tu fazeres, há grande distância.”.

CONJUNÇÃO
DEFINIÇÃO
São vocábulos de função estritamente gramatical, utilizados para o
estabelecimento da relação entre dois termos na mesma oração ou entre duas
orações, que formam um período composto. Assim como a preposição, não tem
significado nem função sintática.
CONCEITOS FUNDAMENTAIS

www.pontodosconcursos.com.br 7
CURSOS ON-LINE – PORTUGUÊS – CURSO REGULAR
PROFESSORA CLAUDIA KOZLOWSKI

1. FRASE – É a unidade mínima de sentido completo na comunicação. Pode


ser simples (Fogo!) ou complexa, formada por diversas orações. Pode
conter verbo ou não.
2. ORAÇÃO – é a frase (ou elemento frasal) com estrutura que comporta
sujeito e predicado. Há verbo, explicito ou oculto.
Note a diferença entre frase e oração a partir dos seguintes exemplos:
Que mulher insuportável!
Aquela mulher é insuportável!
Na primeira, a opinião é apresentada de forma direta, sem verbo. Já na
segunda, a mesma opinião é apresentada sob uma estrutura oracional
(com sujeito e predicado).
3. PERÍODO – é a estrutura composta por uma ou mais orações, dividindo-
se, assim, em período simples e composto.
3.1 - Período Simples – apresenta a oração absoluta.
Estou muito feliz.
3.2 - Período Composto – apresenta mais de uma oração, que podem
estar em coordenação (independentes) ou em subordinação (uma exerce função
sintática na outra – relação de dependência).
Por que esta nomenclatura: subordinada e coordenada?
Pense bem – são coordenadas estruturas que não dependem uma da outra, ou
seja, caminham paralelamente. Já as subordinadas exercem influência uma na
outra, ou seja, uma estrutura exerce alguma função sintática (sujeito, objeto
direto, objeto indireto etc.) na outra estrutura, estabelecendo, assim, uma
relação de subordinação.

CLASSIFICAÇÃO DAS ORAÇÕES


Oração Absoluta – é a oração que forma um período simples. Há somente uma
oração no período. Por isso, é absoluta, vitaminada, poderosa... é única!
Orações Coordenadas – são orações independentes entre si. Não exercem
função sintática umas nas outras.
Por serem equivalentes, uma não é mais importante do que a outra. O que
difere é a presença de uma conjunção em uma delas.
Por síndeto, temos o conceito de “ligação, junção”. Por isso, chamam-se
assindéticas as orações que não são introduzidas por conjunção
(assindéticas Î “a” = prefixo de negação, ausência = sem síndeto Î não
possuem o elemento de ligação).
Conseqüentemente, as que recebem conjunção coordenativa se chamam
sindéticas.
As conjunções coordenativas podem ser aditivas, adversativas, alternativas,
conclusivas ou explicativas.

www.pontodosconcursos.com.br 8
CURSOS ON-LINE – PORTUGUÊS – CURSO REGULAR
PROFESSORA CLAUDIA KOZLOWSKI

Orações Subordinadas – são orações que, como o nome já diz, se


subordinam, ou seja, exercem função sintática em outra oração. Por isso,
falamos em oração principal e oração subordinada.
A oração subordinada exerce alguma função sintática na oração principal e pode
se ligar a ela por meio das conjunções. Essa função sintática pode ser própria de
um adjetivo (oração subordinada adjetiva), de um substantivo (oração
subordinada substantiva) ou de um advérbio (oração subordinada adverbial):
- Adjetivas – do mesmo modo que os adjetivos fazem referência a
substantivos (calça clara, roupa velha), os pronomes relativos se referem
aos substantivos presentes em orações antecedentes - são os referentes.
Por isso, os pronomes relativos dão início a orações subordinadas
adjetivas, que podem ser restritivas (restringir o conceito do substantivo)
ou explicativas (explicar seu conteúdo, alcance ou conceito).
PRONOMES RELATIVOS SEMPRE INICIAM ORAÇÕES SUBORDINADAS
ADJETIVAS.
- Substantivas - As orações subordinadas substantivas (também já
vimos) são iniciadas pelas conjunções integrantes.
Uma boa dica para identificar uma oração subordinada substantiva (e,
conseqüentemente, a conjunção integrante) é substituir a oração iniciada
pela conjunção pelo pronome substantivo ISSO. Veja estes exemplos:
1 - “Eu quero | que você me deixe em paz.” – “Eu quero ISSO.” –
Então, “que você venha” equivale a um substantivo (Eu quero
sossego./Eu quero paz.). É, portanto, uma oração subordinada
substantiva. A função sintática exercida pelo substantivo é objeto direto
(Alguém quer alguma coisa = Eu quero isso = que você me deixe em
paz), e por isso a oração se chama: oração subordinada substantiva
objetiva direta.
2 - “É preciso | que você preste bastante atenção.” – “É preciso ISSO.”
– “que você preste bastante atenção” é uma oração subordinada
substantiva. Como o pronome exerce a função de sujeito (Isso é preciso),
a oração se chama: oração subordinada substantiva subjetiva.
CONJUNÇÕES INTEGRANTES SEMPRE INICIAM ORAÇÕES
SUBORDINADAS SUBSTANTIVAS.

- Adverbiais - Finalmente, as orações subordinadas adverbiais são


iniciadas por uma conjunção adverbial, que pode expressar uma das
seguintes circunstâncias: causa, comparação, concessão, condição,
consecução, conformidade, finalidade, proporcionalidade,
temporalidade.
CONJUNÇÕES ADVERBIAIS SEMPRE INICIAM ORAÇÕES SUBORDINADAS
ADVERBIAIS
Esses conceitos fundamentais foram apresentados para que se compreenda o
papel das conjunções, que é o de ligar elementos dentro de uma oração ou ligar
orações entre si, formando períodos compostos.

www.pontodosconcursos.com.br 9
CURSOS ON-LINE – PORTUGUÊS – CURSO REGULAR
PROFESSORA CLAUDIA KOZLOWSKI

Não se preocupe com esses “nomes e sobrenomes” das orações. Aguarde a


próxima aula, sobre Períodos.

EMPREGO DAS CONJUNÇÕES


As conjunções podem ser usadas em orações coordenadas (conjunções
coordenativas) ou subordinadas (conjunções subordinativas).
DICA IMPORTANTE: NÃO SE CLASSIFICA UMA ORAÇÃO SOMENTE PELA
CONJUNÇÃO INTRODUZIDA POR ELA.
Deve-se observar o valor que essa conjunção emprega ao período para,
somente então, classificá-la.

CONJUNÇÕES COORDENATIVAS:
A conjunção que relaciona termos ou orações de idêntica função gramatical tem
o nome de COORDENATIVA.
O tempo e a maré não esperam por ninguém.
Ouvi primeiro e falai por derradeiro.

• ADITIVAS – possuem a função de adicionar termos ou orações de


mesma função gramatical – e, nem, não só... mas também (séries
aditivas enfáticas)
• ADVERSATIVAS – estabelecem uma relação de contraste entre os
termos ou orações – mas, contudo, todavia, entretanto, no entanto,
porém, enquanto
• ALTERNATIVAS – unem orações independentes (coordenadas),
indicando sucessão de fatos que se negam entre si ou que são
mutuamente excludentes (a ocorrência de um exclui a do outro) – ou,
ora, nem, quer, seja (repetidos ou não)
• CONCLUSIVAS – exprimem conclusão em relação à(s) oração(ões)
anterior(es) – pois (no meio da oração subordinada), portanto,
logo, por isso, assim, por conseguinte
• EXPLICATIVAS – a oração subordinada explica o conteúdo da oração
principal – pois (no início da oração subordinada), porque, que,
porquanto

CONJUNÇÕES SUBORDINATIVAS:
Denominam-se SUBORDINATIVAS as conjunções que ligam duas orações, uma
das quais determina ou completa o sentido da outra.
Eram três da tarde quando cheguei. (a oração exerce a função de advérbio de
momento)
Pediram-me que definisse o contexto da tese. (a oração exerce a função de
objeto direto do verbo PEDIR – Pediram-me isso.)

www.pontodosconcursos.com.br 10
CURSOS ON-LINE – PORTUGUÊS – CURSO REGULAR
PROFESSORA CLAUDIA KOZLOWSKI

Nas locuções conjuntivas, geralmente a última palavra é que.

As conjunções subordinativas dividem-se em: INTEGRANTES e ADVERBIAIS.


INTEGRANTES – são apenas duas (graças a Deus!) – que e se .
Elas sempre iniciam ORAÇÕES SUBORDINADAS SUBSTANTIVAS, ou seja,
orações que estão no lugar de um substantivo.
Por isso, exercem funções sintáticas próprias dos substantivos – sujeito, objeto
direto, objeto indireto, complemento nominal, predicativo do sujeito, agente da
passiva etc.
Aproveitando o exemplo já apresentado:
Pediram-me que definisse o contexto da tese.
O verbo pedir é bitransitivo na oração (Alguém pede alguma coisa a alguém.).
Isso significa que o verbo possui um complemento indireto (representado pelo
pronome “me”) e um complemento direto (representado pela oração “que
definisse o contexto da tese”).
Como a oração está no lugar de um substantivo (Pediram-me paciência.), é
uma oração subordinada substantiva.
ADVERBIAIS – iniciam orações subordinadas adverbiais. As circunstâncias
expressas pelas orações podem ser:
• CAUSAIS – a oração exprime causa em relação a outra oração –
porque, pois, que, uma vez que, já que, porquanto, desde que,
como, visto que, por isso que
• COMPARATIVAS – subordinam uma oração a outra por meio de
comparação ou confronto de idéias – que, do que (antecedidas por
expressões mais, menor, melhor, pior etc.), (tal) qual, assim
como , bem como
• CONCESSIVAS – apresentam idéias opostas às da oração principal –
embora, apesar de, mesmo que, ainda que, posto que, conquanto,
mesmo quando, por mais que
• CONSECUTIVAS – apresentam a conseqüência para um fato exposto na
oração principal – (tanto/tamanho(a)/ tão) que, de sorte que, de
modo que, de forma que, de maneira que
• CONFORMATIVAS – expressam conformidade em relação ao fato da
oração principal – conforme, segundo, consoante, como (no sentido
de conforme)
• FINAIS – apresentam a finalidade dos atos contidos na oração principal
– a fim de (que), para que, porque, que
• PROPORCIONAIS – expressam simultaneidade e proporcionalidade dos
fatos contidos na oração subordinada em relação aos fatos da oração
principal – à proporção que, à medida que, quanto mais (tanto),
quanto menos (mais/menos)
• TEMPORAIS – indicam o tempo/momento da ocorrência do fato
expresso na oração principal – quando, enquanto, logo que, agora
que, tão logo, apenas, toda vez que, mal, sempre que

www.pontodosconcursos.com.br 11
CURSOS ON-LINE – PORTUGUÊS – CURSO REGULAR
PROFESSORA CLAUDIA KOZLOWSKI

Para a prova, duas providências são necessárias:


- MEMORIZAR o significado de algumas dessas conjunções (especialmente as
sublinhadas, que não estão no nosso linguajar cotidiano);
- ANALISAR o contexto para identificar a circunstância expressa pela oração
subordinada. Não basta memorizar essa lista (aliás, essa providência é
infrutífera – memorize apenas as conjunções inusitadas). Útil é compreender as
circunstâncias em que devam ser empregadas.

TABELA DAS CONJUNÇÕES

ADITIVAS

ADVERSATIVAS

ALTERNATIVAS
COORDENADAS
CONCLUSIVAS

EXPLICATIVAS

INTEGRANTES (iniciam orações subordinadas


substantivas)

SUBORDINADAS CAUSAIS

COMPARATIVAS

CONCESSIVAS

ADVERBIAIS CONSECUTIVAS

(iniciam orações
subordinadas CONFORMATIVAS
adverbiais)
FINAIS

PROPORCIONAIS

www.pontodosconcursos.com.br 12
CURSOS ON-LINE – PORTUGUÊS – CURSO REGULAR
PROFESSORA CLAUDIA KOZLOWSKI

TEMPORAIS

Vamos ao treino? Bons estudos.


QUESTÕES DE FIXAÇÃO
1 - (NCE UFRJ / ADMINISTRADOR PIAUÍ / 2006)
“...[a droga é] usada pelo adolescente da periferia para viajar ao paraíso por
alguns instantes”; a alternativa abaixo em que a utilização de um desses
vocábulos apresenta o mesmo valor semântico presente nesse segmento
destacado do texto é:
(A) “se espalha para a multidão de gente pobre”;
(B) “o bacilo da tuberculose, que, por via aérea...”;
(C) “irá parar nos pulmões dos que passarem por perto”;
(D) “é provável que se organize para acabar com as causas”;
(E) “dirigidos por fundações privadas”.

2 - (NCE UFRJ / ADMINISTRADOR PIAUÍ / 2006)


TEXTO – A SAÚDE E O FUTURO
Dráuzio Varella – Reflexões para o futuro
Ficaremos sobrecarregados, pagando caro pela ignorância e irresponsabilidade
do passado. Acharemos inacreditável não havermos percebido em tempo, por
exemplo, que o vírus da Aids, presente na seringa usada pelo adolescente da
periferia para viajar ao paraíso por alguns instantes, infecta as mocinhas da
favela, os travestis da cadeia, as garotas da boate, o meninão esperto, a
menininha ingênua, o senhor enrustido, a mãe de família e se espalha para a
multidão de gente pobre, sem instrução e higiene. Haverá milhões de pessoas
com Aids, dependendo de tratamentos caros e assistência permanente. Seus
sistemas imunológicos deprimidos se tornarão presas fáceis aos bacilos da
tuberculose, que, por via aérea, irão parar nos pulmões dos que passarem por
perto, fazendo ressurgir a tuberculose epidêmica do tempo dos nossos avós.
Sífilis, hepatite B, herpes, papilomavírus e outras doenças sexualmente
transmissíveis atacarão os incautos e darão origem ao avesso da revolução
sexual entre os sensatos.
No caldo urbano da miséria/sujeira/ignorância crescerão essas pragas modernas
e outras imergirão inesperadas. Estará claro, então, que o perigo será muito
mais imprevisível do que aquele representado pelas antigas endemias rurais:
doença de Chagas, malária, esquistossomose, passíveis de controle com
inseticidas, casas de tijolos, água limpa e farta.
Assustada, a sociedade brasileira tomará, enfim, consciência do horror que será
pôr filhos em um mundo tão inóspito. Nessas condições é provável que se
organize para acabar com as causas dessas epidemias urbanas. Modernos
hospitais sem fins lucrativos, dirigidos por fundações privadas e mantidos com o
esforço e a vigilância das comunidades locais, poderão democratizar o
atendimento público. Eficientes programas de prevenção, aplicados em parceria
com instituições internacionais, diminuirão o número de pessoas doentes.

www.pontodosconcursos.com.br 13
CURSOS ON-LINE – PORTUGUÊS – CURSO REGULAR
PROFESSORA CLAUDIA KOZLOWSKI

Então virá a fase em que surgirão novos rebeldes sonhadores, para enfrentar o
desafio de estender a revolução dos genes para melhorar a qualidade de vida
dos que morarem na periferia das grandes cidades ou na imensidão dos campos
brasileiros.
A alternativa em que a preposição destacada tem valor semântico de meio é:
(A) “para acabar com as causas dessas epidemias”;
(B) “aplicados em parceria com instituições internacionais”;
(C) “passíveis de controle com inseticidas”;
(D) “mantidos com o esforço e a vigilância das comunidades locais”;
(E) “Haverá milhões de pessoas com Aids”.

3 - (NCE UFRJ / INPI - ANALISTA MARCAS / 2005)


“... sob novo signo.”; nesse segmento o autor empregou corretamente a
preposição sob; o item abaixo em que houve troca entre sob/sobre é:
(A) Sob esse aspecto, a economia vai mudar;
(B) A economia foi analisada sob vários pontos de vista;
(C) A industrialização virá sob um novo governo;
(D) O congresso vai discutir sob política econômica;
(E) A industrialização foi feita sob pressão de grupos.

4 – (NCE UFRJ / ARQUIVO NACIONAL Agente Adm./ 2006)


“Havia controvérsias quanto à veracidade dos fatos”; a forma abaixo que
ALTERA o sentido original desse segmento do texto é:
(A) quanto à veracidade dos fatos, havia controvérsias;
(B) em relação à veracidade dos fatos, existiam controvérsias;
(C) no que diz respeito à veracidade dos fatos, havia controvérsias;
(D) afora a veracidade dos fatos, havia controvérsias;
(E) quanto à veracidade dos fatos, controvérsias havia.

5 - (NCE UFRJ / AGER)


TEXTO – NÃO
Salomão Rabinovich (Psicólogo)
A adolescência tem características particulares. São próprias dela a prepotência,
a luta pela auto-afirmação, a sensação de que se pode tudo. Mas é sabido que,
nessa fase da vida, somos inexperientes, inseguros, mais desatentos e um tanto
desengonçados. Os jovens ainda estão em fase de crescimento, e o
desenvolvimento biológico ainda não está completo. Por todos esses motivos,
não é recomendável dar a carteira de motorista a um menor de 18 anos. O
Brasil é campeão mundial de acidentes de carro. O trânsito em nossas grandes
cidades é caótico e violento. Os motoristas com idade entre 18 e 25 anos são os

www.pontodosconcursos.com.br 14
CURSOS ON-LINE – PORTUGUÊS – CURSO REGULAR
PROFESSORA CLAUDIA KOZLOWSKI

que mais correm e por isso a incidência de acidentes é maior nessa faixa etária.
Desde o início do ano, temos o novo Código de Trânsito Brasileiro que vem
sendo criticado por ser rigoroso demais, e é nesse contexto que se deseja dar a
carteira de motorista aos maiores de 16 anos. Para quê? Não é possível esperar
dois anos para começar a dirigir?
Ser contra esse projeto de lei não é ser contra os jovens. Quando um
adolescente vota, ele pode até estar fazendo uma escolha errada, mas ainda
assim terá aprendido a exercer sua cidadania. Com um voto, porém, ele não vai
morrer nem matar – o que pode acontecer se estiver dirigindo um carro. As
vítimas, suas famílias e as pessoas que causaram acidentes sabem como é
doloroso conviver com isso, principalmente quando um jovem morre ou fica
inválido. Para ser contra a carteira de motorista para maiores de 16 anos, basta
visitar os hospitais das grandes cidades e ver o estrago que a morte de um
adolescente causa. Já temos muitos problemas para resolver em relação ao
trânsito e aos jovens brasileiros. Não precisamos de mais esse.
O item em que o emprego da preposição em destaque está preso a uma
necessidade gramatical e não de sentido é:
(A) “...a sensação DE que se pode tudo”;
(B) “POR todos esses motivos...”;
(C) “DESDE o início do ano...”;
(D) “PARA quê?”;
(E) “Ser CONTRA esse projeto de lei...”.

6 - (FGV / ICMS MS - Fiscal de Rendas / 2006)


Podemos ser operados com anestesia, suavizar dores com analgésicos.
As duas ocorrências da preposição com no trecho acima expressam,
respectivamente, o sentido de:
(A) meio e modo.
(B) meio e meio.
(C) modo e meio.
(D) modo e modo.
(E) companhia e instrumento.

7 - (NCE UFRJ / Inspetor de Polícia / 2001)


“Há poucos dias, assistindo a um desses debates universitários que a gente
pensa que não vão dar em nada, ouvi um raciocínio que não me saiu mais da
cabeça.”; o comentário correto sobre esse segmento do texto é:
a) os três quês do texto pertencem à idêntica classe gramatical;
b) a expressão a gente, por dar idéia de quantidade, deve levar o verbo para o
plural;
c) a forma verbal vão deveria ser substituída pela forma vai;

www.pontodosconcursos.com.br 15
CURSOS ON-LINE – PORTUGUÊS – CURSO REGULAR
PROFESSORA CLAUDIA KOZLOWSKI

d) a forma verbal vão dar transmite idéia de possibilidade;


e) a última oração do texto restringe o sentido do substantivo raciocínio.

8 - (UnB CESPE/Banco do Brasil/2002)


De olho no que julgam ser a maior oportunidade de negócios nos próximos anos
em todo o mundo, as empreiteiras brasileiras articulam a formação de grandes
consórcios a fim de disputar com mais chances de vitória as licitações para a
ampliação do canal do Panamá. O lobby que o presidente Fernando Henrique
Cardoso fez pessoalmente em março, durante visita ao Panamá, é uma clara
manifestação de que as empresas brasileiras contam com boas chances de
serem escolhidas.
Daniel Rittner. “Ampliação do canal do Panamá atrai empreiteiras”. In: Valor
Econômico, 3/5/2002, p. A12.

Na linha 6, preservam-se o sentido textual e a correção gramatical ao se


substituir o pronome relativo “que” por qual, desde que também seja alterada a
preposição “de” para da.

9 - (FGV / ICMS MS - Fiscal de Rendas / 2006)


Curiosamente, no momento em que os marxistas (e, com eles, a esquerda em
geral) sublinhavam a significação crucial dos valores, da ética, a direita assumia
a centralidade da economia e passava a acreditar que possuía a chave da
compreensão correta (e da solução) dos problemas que nos afligem no
presente.
Assinale a alternativa correta quanto à classe gramatical e função sintática,
respectivamente, das ocorrências da palavra QUE grifadas no trecho acima.

CLASSE GRAMATICAL FUNÇÃO SINTÁTICA


(A) pronome relativo adjunto adnominal
conjunção integrante objeto direto
pronome relativo sujeito

(B) conjunção integrante complemento nominal


conjunção subordinativa sem função sintática
conjunção integrante objeto direto
(C) preposição sem função sintática
pronome relativo objeto indireto
conjunção integrante sem função sintática
(D) conjunção integrante sem função sintática
conjunção subordinativa objeto indireto
conjunção subordinativa objeto direto

(E) pronome relativo adjunto adverbial


conjunção integrante sem função sintática

www.pontodosconcursos.com.br 16
CURSOS ON-LINE – PORTUGUÊS – CURSO REGULAR
PROFESSORA CLAUDIA KOZLOWSKI

pronome relativo sujeito

10 - (FCC / ICMS SP / 2006)


Nem uma nem outra nasceram do acaso, mas são antes produtos de uma
disciplina consciente. Já Platão a comparou ao adestramento de cães de raça. A
princípio, esse adestramento limitava-se a uma reduzida classe social, a
nobreza.
Considere as afirmações que seguem sobre o fragmento transcrito, respeitado
sempre o contexto.
I. A conjunção mas pode ser substituída, sem prejuízo do sentido original, por
“entretanto”.
II. O advérbio Já introduz a idéia de que mesmo Platão percebera a similaridade
que o autor comenta, baseado na comparação feita pelo filósofo entre “cães de
raça” e “nobreza”.
III. A expressão A princípio leva ao reconhecimento de duas informações
distintas na frase, uma das quais está subentendida.
Está correto o que se afirma APENAS em
(A) I.
(B) II.
(C)) III.
(D) I e II.
(E) II e III.

11 – (FCC / ICMS SP/2006)


Escrito há cerca de setenta anos, / conserva a capacidade de atualização das
páginas escritas com arte e verdade.
Estaria explicitada a relação de sentido entre os dois segmentos destacados no
período acima caso iniciasse
(A) o primeiro segmento por Uma vez.
(B) o primeiro segmento por Porquanto.
(C)) o primeiro segmento por Ainda que.
(D) o segundo segmento por por isso.
(E) o segundo segmento por de tal modo.

12 - (BESC / ADVOGADO/ 2004)


Assinale a alternativa em que se tenha usado corretamente o porquê.
(A) Os perigos porque passamos fizeram-nos amadurecer.
(B) Porque todos vão ficar calados você também vai ficar?
(C) Não havia um por quê para a ausência da equipe.

www.pontodosconcursos.com.br 17
CURSOS ON-LINE – PORTUGUÊS – CURSO REGULAR
PROFESSORA CLAUDIA KOZLOWSKI

(D) Sem saber porque, todos ficaram atônitos.


(E) Eles não se manifestaram, porquê?

13 - (FGV/PREF.ARAÇATUBA/2001)
Assinale a alternativa correta quanto ao uso de "porque", "porquê", "por que",
"por quê".
A. Não saiu por que chovia.
B. Não sei por que brigamos.
C. Respondi por quê tinha certeza.
D. Porque você não correu?

14 - (FGV / ICMS MS – ATI / 2006)


Perguntei por que ele não tocava mais piano.
Assinale a alternativa correta acerca do uso do porquê na frase acima.
(A) A forma está correta, pois corresponde à preposição POR + o pronome
relativo QUE.
(B) A forma está correta, pois é uma conjunção, sendo, nesse caso, sempre
grafada como duas palavras.
(C) A forma está correta, pois equivale a "por qual razão", caracterizando uma
pergunta indireta.
(D) A forma está incorreta, pois a forma com duas palavras só se usa em
perguntas. O correto seria PORQUE.
(E) A forma está incorreta, pois, embora seja grafada com duas palavras, a
forma QUE deveria levar acento circunflexo.

15 - (ESAF/TRF/2002.1)
Assinale a opção que, ao preencher as lacunas, torna o texto sintaticamente
incorreto.
___________ na execução de programas sociais no Nordeste, ______ no
desenho das relações entre centros de pesquisa e empresas, um dos maiores
problemas sempre foi o de garantir que os recursos cheguem ao seu destino e
que sejam usados com inteligência.
a) Seja / seja
b) Tanto / quanto
c) Conquanto/ ou
d) Tanto / como
e) Quer/ quer

16 - (FGV / ICMS MS – TTI / 2006)

www.pontodosconcursos.com.br 18
CURSOS ON-LINE – PORTUGUÊS – CURSO REGULAR
PROFESSORA CLAUDIA KOZLOWSKI

O brasileiro é como eu ou você. Já não digo como o presidente, pois este nem
pecado tem, mas como eu, você ou o vizinho. O povo é bom e honesto. Como
demonstrou um programa para auxiliar famílias pobres do interior. Os pobres
não receberam a ajuda, que ficou com as famílias remediadas ou ricas mesmo.
E, quando alguém que não precisa recusa essa ajuda, a gente dá uma festa e
bota no jornal, apesar de ser acontecimento tão trivial.
(João Ubaldo Ribeiro. O Globo, 22/05/2005)
Em “Como demonstrou um programa para auxiliar famílias pobres do interior.”,
a palavra destacada apresenta noção de:
(A) causa.
(B) comparação.
(C) condição.
(D) conformidade.
(E) modo.

17 - (FGV / Ministério da Cultura /2006)


Mudou de idéia. Com 26 anos, percebeu que o hobby que tinha adquirido em
Nova York se convertera em paixão. No final de 2004, veio com sua família para
duas semanas de férias em São Paulo. "Como sempre tive muito interesse em
estudar a América Latina, fui ficando." Soube então de uma experiência
desenvolvida pelo colégio Miguel de Cervantes, criado por espanhóis, na vizinha
Paraisópolis.
(Gilberto Dimenstein. Folha de São Paulo, 12/04/2006)
O vocábulo Como (L.3) introduz idéia de:
(A) causa.
(B) comparação.
(C) concessão.
(D) conseqüência.
(E) explicação.

18 - (FUNDEC / TRT 2ª Região / 2003)


Fazendo-se a junção de pensamentos expressos nos dois períodos do terceiro
parágrafo “nas últimas décadas vem se formando ali um cinturão de miséria (...)
_____ a região ostenta índices de desenvolvimento humano tão desesperadores
quanto o de alguns dos países mais atrasados da África” (linhas 17-23), com o
cuidado de se manter o sentido original, poderiam ser usados os conectivos
abaixo relacionados, EXCETO:
A) de modo que;
B) tal que;
C) tanto que;
D) posto que;

www.pontodosconcursos.com.br 19
CURSOS ON-LINE – PORTUGUÊS – CURSO REGULAR
PROFESSORA CLAUDIA KOZLOWSKI

E) de sorte que.

19 - (FCC / BANCO DO BRASIL / 2006)


Somos todos da mesma espécie, mas o que encanta uns horroriza outros.
Caso o período acima iniciasse com a frase O que encanta uns horroriza outros,
uma consecução coerente e correta seria:
(A) dado que somos todos da mesma espécie.
(B) embora se tratem todos da mesma espécie.
(C) haja vista de que somos todos da mesma espécie.
(D)) conquanto sejamos todos da mesma espécie.
(E) posto que formos todos da mesma espécie.

20 - (ESAF/TRF/2003) Leia o texto abaixo para responder à questão 07.


O panorama da sociedade contemporânea sugere-nos incontáveis abordagens da
ética. À medida que a modernidade — ou a pós-modernidade — avança, novas
facetas surgem com a metamorfose do espírito humano e sua variedade quase
infinita de ações. Mas, falar sobre ética é como tratar da epopéia humana. Na
verdade, está mais para odisséia, gênero que descreve navegações acidentadas,
lutas e contratempos incessantes, embates de vida e morte, ilusões de falsos
valores como cantos de sereias, assédios a pessoas e a propriedades, interesses
contraditórios de classes dominantes figuradas pelos deuses, ora hostis ora
favoráveis. As aventuras de Ulisses sintetizam e representam o confronto de
ideais nobres e de paixões mesquinhas. Não obstante narram-se também feitos
de abnegação, laços de fidelidade entre as pessoas e suas terras, lances de
racionalidade e emoção, a perseverança na reconquista de valores essenciais. Os
mitos clássicos são representações de vicissitudes humanas e situações éticas
reais.
Em relação ao texto, assinale a opção correta.
a) Em “sugere-nos”(l.1) o pronome enclítico exerce a mesma função sintática do
“se” em “narram-se”(l.10).
b) Ao se substituir “À medida que”(l.2) por À medida em que, preservam-se as
relações semânticas originais do período.
c) A preposição “com”(l.3) está sendo empregada para conferir a idéia de
comparação entre “novas facetas”(ls.2-3) e “metamorfose do espírito
humano”(l.3).
d) A expressão “Na verdade, está mais para odisséia”(l.4-5) e as informações
que se sucedem permitem a inferência de que “epopéia”(l.4) não traria a noção
de dificuldades, fracassos.
e) O período permaneceria correto se a preposição na expressão “confronto de
ideais”(ls.9-10) fosse, sem outras alterações no período, substituída por entre.

21 - (ESAF/TRF/2003)

www.pontodosconcursos.com.br 20
CURSOS ON-LINE – PORTUGUÊS – CURSO REGULAR
PROFESSORA CLAUDIA KOZLOWSKI

A ciência moderna desestruturou saberes tradicionais, e seu paradigma


mecanicista, que encara o mundo natural como máquina desmontável, levou a
razão humana aos limites da perplexidade, porquanto a fragmentação do
conhecimento em pequenos redutos fechados se afasta progressivamente da
visão do conjunto. A excessiva especialização das partes subtrai o conhecimento
do todo. Daí resulta a dificuldade teórica e prática para que o espírito humano se
situe no tempo e no espaço da sua existência concreta.
(José de Ávila Aguiar Coimbra, Fronteiras da Ética, SãoPaulo: Senac, 2002)
Em relação ao texto, julgue a assertiva abaixo.
- Ao se substituir a conjunção “porquanto”(l.3) pela conjunção porque, as
relações sintáticas e semânticas do período são mantidas.

22 - (ESAF/Oficial de Chancelaria/2002)
Assinale a opção em que uma das duas sugestões não preenche corretamente a
lacuna correspondente.
A diplomacia defende e projeta no exterior os interesses nacionais,
_____1______que ela procura melhorar a inserção internacional do país que
representa. ____2____ ela não cria interesses ____3_____pode projetar o que
não existe. O país que se encontra por trás da diplomacia é o único elemento
_____4________ela pode operar.______5________, a diplomacia só poderá
responder adequadamente às transformações do cenário internacional se essas
transformações forem, de alguma forma, internalizadas pelo país.
(Adaptado de www.mre.gov.br, Comissão de Relações Exteriores da Câmara dos
Deputados)
a) 1 - da mesma forma / do mesmo modo
b) 2 - Entretanto / Todavia
c) 3 - nem / tão pouco
d) 4 - a partir do qual / com base em que
e) 5 - Por isso / Por conseguinte

23 - (ESAF/Gestor Fazendário MG/2005)


A economia brasileira apresentou um bom desempenho ano passado,
incentivada, principalmente, por anterior queda nos juros e pelo crescimento das
vendas do país no exterior. ____(a)___este ano, um desses motores está
ausente. ___(b)___ o Banco Central, para combater a inflação, vem elevando
seguidamente a taxa básica, hoje situada em 19,25% ao ano. ____(c)____, os
juros altos estão contribuindo para frear o crescimento econômico, mas não a
inflação._____(d) _____o ganho com a queda da inflação é pequeno, se
comparado à perda no crescimento econômico. Não se defende por meio dessa
comparação, o aumento da produção a qualquer custo. _____(e)_____o
objetivo é expor a atual ineficácia do aumento dos juros sobre a inflação. O
outro motor importante para o crescimento de 2004 (as exportações
brasileiras), no entanto, continua presente este ano, com ótimo desempenho.
(Inflação e crescimento. Opinião.Correio Braziliense, com adaptações)

www.pontodosconcursos.com.br 21
CURSOS ON-LINE – PORTUGUÊS – CURSO REGULAR
PROFESSORA CLAUDIA KOZLOWSKI

Desconsiderando o emprego de letras maiúsculas e minúsculas, assinale a opção


que, ao preencher a lacuna, mantém o texto coeso, coerente e gramaticalmente
correto.
a) Haja vista que
b) Apesar de
c) Entretanto
d) Embora
e) Tão pouco

24 - (ESAF/Assistente de Chancelaria/2002)
Assinale a opção em que ao menos um dos conectivos propostos para preencher
a lacuna provoca incoerência textual ou erro gramatical.
O Brasil é um país grande, diversificado _____(a)_____ visto como uma
promessa que parece nunca se realizar. O potencial existe, _____(b) _____ há
algo bloqueando o Brasil. Acho que é uma combinação de fatores como o
sistema político e o modo de trabalhar do cidadão, pouco engajado nos
problemas da sociedade, ______(c) _____ é muito freqüente o brasileiro eleger
políticos por seu nível de popularidade, sem avaliar seus programas e ações. É
um país muito importante para a economia mundial, _____(d) _____ sermos
sempre decepcionados. É, ______(e) _____, um desafio delicado entender por
que as coisas não acontecem rapidamente no Brasil.
(Michel Porter, Veja, 5/12/2001, com adaptações)
a) e / mas
b) entretanto / mas
c) já que / pois
d) embora / apesar de
e) contudo / portanto

GABARITOS COMENTADOS DAS QUESTÕES DE FIXAÇÃO


1–D
A preposição para pode assumir, dentre outros, os seguintes valores:
- em relação ao espaço, direção: Ele vai para Curitiba.
Note que há uma significativa distinção do verbo acompanhado da preposição
para em relação ao mesmo verbo acompanhado da preposição a. No primeiro
caso, apresenta-se um valor de permanência (Vou para Curitiba = Vou ficar um
longo tempo em Curitiba) muito maior do que no segundo (Vou a Curitiba – Vou
passar um tempo em Curitiba.).
- tempo: Ele deixou o trabalho para segunda-feira.
- de finalidade: Ele não responde para não se aborrecer.

www.pontodosconcursos.com.br 22
CURSOS ON-LINE – PORTUGUÊS – CURSO REGULAR
PROFESSORA CLAUDIA KOZLOWSKI

A preposição empregada no segmento do enunciado tem valor adverbial,


apontando a finalidade do uso da droga: para “viajar” ao paraíso (note o valor
transitório da preposição “a” nessa oração – viajar ao paraíso = “vai, mas volta
logo”). O sentido da preposição “para” é a finalidade.
Esse mesmo sentido é apresentado na estrutura da opção d: “é provável que se
organize para acabar com as causas” (para = a fim de)
Já a preposição por pode apresentar os seguintes aspectos (dentre outros):
- caminho, percurso: Ele anda pelos campos.
- de tempo: Por um minuto, pensei em você.
- circunstancial: Ele contou tudo, tim-tim por tim-tim (de modo). Pelas mãos
do escultor, surge a obra (de meio).
- agente da passiva - A instituição foi administrada por ela no ano passado.

Na expressão “por alguns instantes”, há a indicação de tempo. Isso não se


repete nas demais opções:
- b – pelas vias aéreas (meio);
- c – por perto (proximidade).
- e - a preposição introduz o agente da passiva: (são) dirigidos por fundações
privadas.

2–C
Para identificar a construção que indica “meio”, será válida a troca da preposição
por pela expressão “por meio de”.
Uma opção que poderia suscitar dúvidas seria a de letra d: mantidos com o
esforço e a vigilância das comunidades locais. Contudo, a expressão introduzida
pela preposição não apresenta os “meios”, como seria em “mantidas com
recursos do governo federal = por meio dos recursos”. Ela denota o “apoio” com
que os hospitais poderiam contar.
Só há uma opção em que aquela troca é possível: c - “passíveis de controle [por
meio de] inseticidas”.

3–D
Há significativa distinção entre as preposições sob e sobre. A primeira (sob)
significa “debaixo de” e pode ser usada em expressões como “sob esse aspecto,
sob uma condição, sob o domínio de, sob o governo de” – sempre com a idéia
de subordinação.
Já a preposição sobre pode exprimir valor de “acima de” (posição), “a respeito
de” (assunto), dentre outras acepções.
Por isso, o gabarito é a letra d: alguém discute “a respeito de” alguma coisa.
Então, a preposição adequada seria sobre: “O congresso vai discutir sobre
política econômica”.

www.pontodosconcursos.com.br 23
CURSOS ON-LINE – PORTUGUÊS – CURSO REGULAR
PROFESSORA CLAUDIA KOZLOWSKI

4–D
Construída a partir da contração da preposição “a” com o advérbio “fora”, a
expressão “afora” (escrita assim mesmo, tudo junto) pode ser classificada como:
- um advérbio: “Viajando pelo mundo afora, na cidade que não tem mais fim”
(letra de “À Francesa”, de Cláudio Zoli e Antônio Cícero, sucesso de Marina Lima
– quem tem cerca de 30 anos certamente se lembra dessa, não é?)
- uma preposição, com valor de:
¾ “além de”: Afora os percalços do caminho, encontramos também
pessoas ingratas.
¾ “exceto, salvo”: Encontramos dificuldade no caminho, afora neste
trecho que foi reformado.
Por isso, está empregada de forma inapropriada na opção d.

5–A
As preposições podem ser usadas para apresentar circunstâncias (em adjuntos
adverbiais) ou em função de exigências gramaticais (objeto indireto,
complemento nominal, agente da passiva).
Em “a sensação de que se pode tudo”, a regência do substantivo sensação
exige a preposição de. Essa é a resposta.
Nas demais ocorrências, a preposição introduz elementos circunstanciais à
oração.

6–C
Para não errar, tenha em mente que a preposição com atribui circunstância de
meio quando puder ser substituída pela expressão “por meio de”.
Vamos testar:
- “Podemos ser operados por meio de anestesia...”
Isso não faz sentido algum!
“Com anestesia” é o modo pelo qual o sujeito será operado. Para identificar
essa circunstância mais facilmente, imagine um dentista perguntando ao seu
cliente: “como o senhor deseja ser tratado, com ou sem anestesia?” – ou seja,
“de que modo quer ser tratado?”.
- “... suavizar dores por meio de analgésicos”
Agora, sim! Os analgésicos serão os meios pelos quais as dores serão
suavizadas.
Assim, as circunstâncias apresentadas são, respectivamente, de modo e de
meio.

7–E

www.pontodosconcursos.com.br 24
CURSOS ON-LINE – PORTUGUÊS – CURSO REGULAR
PROFESSORA CLAUDIA KOZLOWSKI

Agora, iremos tratar da diferença entre PRONOME RELATIVO e CONJUNÇÃO


INTEGRANTE.
A primeira, já vimos, inicia uma oração subordinada adjetiva.
A segunda, uma oração subordinada substantiva.
Mas, como fazer essa distinção na oração? Afinal de contas, a palavra QUE pode,
dentre outras coisas, ser um pronome relativo (chamado de pronome relativo
universal) ou uma conjunção integrante.
Será pronome relativo quando tiver um referente, ou seja, um substantivo ou
pronome substantivo pertencente à oração anterior ao qual irá se referir (por
isso, o termo “referente”).
Já como conjunção integrante, não. Por ter valor de substantivo, essa oração
pode, regra geral, ser substituída pelo pronome ISSO.
Vamos aos exemplos:
O rapaz que conheci viajou.
Esse período é composto por duas orações.
Oração 1: O rapaz viajou (principal) – que rapaz é esse?
Oração 2: que conheci (oração subordinada)
A palavra que está no lugar do substantivo rapaz (Eu conheci o rapaz).
Então, essa palavra é mesmo um pronome relativo.
A “oração 2” é uma oração subordinada adjetiva e exerce a função sintática de
adjunto adnominal, pois atribui ao substantivo rapaz uma característica (não é
qualquer rapaz, mas o “rapaz que conheci”).

Eu reconheço que errei.


Esse período também é composto por duas orações.
Oração 1: Eu reconheço (principal)
Oração 2: que errei. (oração subordinada)
A segunda oração poderia ser substituída pelo pronome ISSO: Eu reconheço
isso.
Essa palavra que é, portanto, uma conjunção integrante e a oração é uma
oração subordinada substantiva.
Alguém reconhece alguma coisa. No lugar de “alguma coisa”, está a oração.
Ela exerce a função sintática de objeto direto da oração principal (Eu reconheço
isso = “que errei”). Por isso, é chamada de “oração subordinada substantiva
objetiva direta”. Já estamos começando a nos acostumar com essa
nomenclatura, que será objeto de estudo do próximo encontro.
Vamos, agora, analisar os “quês” que surgiram no enunciado.
“Há poucos dias, assistindo a um desses debates universitários que a gente
pensa que não vão dar em nada, ouvi um raciocínio que não me saiu mais da
cabeça.”

www.pontodosconcursos.com.br 25
CURSOS ON-LINE – PORTUGUÊS – CURSO REGULAR
PROFESSORA CLAUDIA KOZLOWSKI

Como disse o esquartejador, “vamos por partes” (horrível essa, mas não pude
resistir):
“... um desses debates universitários que a gente pensa que não vão dar em
nada”
Vamos substituir o pronome pelo substantivo correspondente e colocar na ordem
direta:
A gente pensa que esses debates universitários não vão dar em nada.
O primeiro “que” está no lugar de “esses debates universitários”.
Já o segundo (a gente pensa que...) inicia uma oração que poderia ser
substituída pelo pronome isso:
A gente pensa ISSO. (Sim, o verbo pensar também pode ser transitivo direto –
consulte um bom dicionário de regência verbal, no caso de dúvida).
É, então, uma conjunção integrante.
2) “... ouvi um raciocínio que não me saiu mais da cabeça”
O que não saiu mais da cabeça? Resposta: um raciocínio.
Em seu lugar, foi empregada a palavra que (que não me saiu mais da cabeça).
Ela é, portanto, um pronome relativo.
Assim, segundo a ordem de aparecimento, os três “quês” são:
Pronome relativo / conjunção integrante / pronome relativo.
Vamos, agora, analisar as opções:
a) ERRADA – eles não pertencem à mesma classe gramatical: o segundo é uma
conjunção integrante, enquanto que os outros são pronomes relativos.
b) ERRADA – a expressão a gente exige o verbo no singular, mesmo que
indique várias pessoas.
c) ERRADA – a análise que fizemos já nos permite afirmar que o sujeito da
locução verbal “vão dar” é “debates universitários” (A gente pensa que esses
debates universitários não vão dar em nada.).
d) ERRADA – essa locução verbal equivale a “darão”, com o verbo no futuro do
presente indicando fato futuro e certo, e não uma possibilidade (verbo no futuro
do pretérito ou no modo subjuntivo).
e) CERTA – a oração “que não me saiu mais da cabeça” restringe o alcance da
palavra raciocínio. É uma oração subordinada adjetiva restritiva.
As orações subordinadas adjetivas podem ser restritivas ou explicativas.
Veja o seguinte exemplo:
Meu primo que é paulista esteve aqui.
Pergunto: quantos primos eu tenho?
De acordo com essa oração, certamente mais de um. Não houve pausa entre a
primeira oração (meu primo esteve aqui – oração principal) e a oração
subordinada adjetiva que se refere a “primo”. Assim, essa oração adjetiva tem

www.pontodosconcursos.com.br 26
CURSOS ON-LINE – PORTUGUÊS – CURSO REGULAR
PROFESSORA CLAUDIA KOZLOWSKI

valor RESTRITIVO. De todos os primos que tenho, o que é paulista esteve


aqui. O mineiro, não esteve; o baiano também não.
Agora, mudo a oração adjetiva, colocando-a entre vírgulas:
Meu primo, que é paulista, esteve aqui.
Quantos primos eu tenho, segundo essa construção? Só um – o paulista.
Isso porque a oração, com pausa, é EXPLICATIVA. Ela poderia ser omitida, afinal
a informação é dispensável: meu primo esteve aqui (eu só tenho um e ele é
paulista!).
Esses conceitos serão abordados novamente em aulas futuras.

8 – Item INCORRETO
A banca examinadora tentou enganar você, hem? Sugeriu simplesmente a troca
de um “de que” por um “da qual”. Se você não fosse tão esperto(a), teria caído
diretinho, não é mesmo?
Ainda bem que você voltou ao texto e percebeu que esse “que” não era um
pronome relativo, mas uma conjunção.
(Foi exatamente isso que aconteceu, não é?!?!?!?!...rs...)
Vamos analisar a construção.
O lobby que o presidente Fernando Henrique Cardoso fez pessoalmente em
março, durante visita ao Panamá, é uma clara manifestação de que as
empresas brasileiras contam com boas chances de serem escolhidas.
Vamos simplificar: “O lobby (...) é uma clara manifestação DISSO ”.
Mas “DISSO” o quê? Resposta: “de que as empresas brasileiras contam com
boas chances de serem escolhidas”.
Toda a oração complementa o substantivo “manifestação”. Sua função sintática
é, portanto, complemento nominal.
Como pudemos substituir toda a oração pelo pronome ISSO (conjugado com a
preposição “de” formando DISSO), a oração é subordinada substantiva
completiva nominal, e a palavra “que” é uma conjunção integrante.
A essa altura do campeonato, você já deve ter decifrado o enigma dessa
nomenclatura: oração subordinada substantiva completiva nominal.
- oração subordinada (exerce função sintática na oração anterior);
- substantiva (está no lugar de um substantivo);
- completiva nominal (exerce a função sintática de complemento nominal).

9–E
Já aprendemos a distinguir um pronome relativo de uma conjunção integrante.
Essa questão é uma ótima oportunidade de vermos, também, a função sintática
que podem ser exercidas.

www.pontodosconcursos.com.br 27
CURSOS ON-LINE – PORTUGUÊS – CURSO REGULAR
PROFESSORA CLAUDIA KOZLOWSKI

Primeira providência - verificar se o "que" se refere a algum termo


antecedente (PRONOME RELATIVO) ou inicia uma oração substantiva (que pode
ser substituída por "ISSO" - CONJUNÇÃO INTEGRANTE).
1º. "no momento em que" - esse "que" se refere a 'momento' - PRONOME
RELATIVO (nesse momento)
2º. "passava a acreditar que possuía a chave" - passava a acreditar NISSO –
CONJUNÇÃO INTEGRANTE
3º. "compreensão dos problemas que nos afligem" - "que" se refere a
"problemas"- PRONOME RELATIVO (os problemas nos afligem).
A ordem é, portanto, pronome relativo / conjunção integrante / pronome
relativo.
Vamos, agora, às opções - as letras a e e são as únicas que apresentam essa
disposição (Já temos 50% de chances de ganhar o ponto!!!).
Vamos, agora, analisar a função sintática dos termos.
A conjunção integrante não exerce função sintática nenhuma – é só um
conectivo (como nos indica o título da aula de hoje). Assim, podemos eliminar
também a opção a, que indica a função de objeto direto.
Não caia nessa pegadinha!!!
Para começar, o verbo acreditar é transitivo indireto – Alguém acredita em
alguma coisa. Como o objeto indireto está sob a forma oracional, a preposição
pode ser omitida (espero que você ainda se lembre dessa lição, hem????).
Só que quem exerce a função de objeto indireto não é a conjunção, mas toda
a oração que foi iniciada por ela: “(em) que possuía a chave da compreensão
...”.
Os pronomes relativos, sim, exercem funções sintáticas nas orações adjetivas
que iniciam:
1º. "no momento em que" - esse "que" se refere a 'momento' - refere-se a uma
informação circunstancial (momento) - sua função é ADJUNTO ADVERBIAL.
3º. "compreensão dos problemas que nos afligem" - "que" se refere a
"problemas" - os problemas nos afligem - a função é a de SUJEITO.
A ordem seria, portanto: adjunto adverbial / sem função sintática /
sujeito, confirmando, assim, a resposta: letra e.

10 – C
I – A partir deste item, veremos que não se pode afirmar a classificação de uma
conjunção sem verificar o valor que ela atribui ao período.
Oração 1 = Nem uma nem outra nasceram do acaso
Oração 2 = São antes produtos de uma disciplina consciente
Note que não há divergência entre as duas orações. Pelo contrário, elas se
completam: “não nascem do acaso Î são produtos de uma disciplina
consciente”.
Assim, o valor da conjunção mas para o período é de ADIÇÃO.

www.pontodosconcursos.com.br 28
CURSOS ON-LINE – PORTUGUÊS – CURSO REGULAR
PROFESSORA CLAUDIA KOZLOWSKI

Portanto, essa assertiva está INCORRETA.

II – Note que o vocábulo “Já” equivale a “por sua vez”: “Já Platão a comparou
ao adestramento de cães de raça” = “Platão, por sua vez, a comparou ao
adestramento de cães de raça”.
É estabelecida, portanto, uma relação contrária entre as orações – um afirma
isso; outro, por sua vez, afirma aquilo. São argumentos que se encontram em
direções opostas.
Por isso, está INCORRETA a afirmação de que o pensamento do autor se
assemelha ao de Platão.

III – Existe uma diferença entre a expressão “A princípio” e “Em princípio”.


A primeira equivale a “primeiramente”, “em primeiro lugar”.
Já a segunda significa “em tese”, dependente de confirmação posterior.
Ao afirmar que “a princípio, esse adestramento limitava-se a uma reduzida
classe social, a nobreza”, podemos supor que, posteriormente, o “adestramento”
se estendeu a outras classes sociais. É essa a informação que está
subentendida.
Por isso, está CORRETA a afirmação do item III.

A partir da próxima questão, vamos analisar o valor de algumas conjunções


“cabeludas”.

11 - C
As conjunções “uma vez que”, “por isso”, “porquanto”, “de tal modo” atribuem à
oração subordinada um valor causal (“por esse motivo”)
Contudo, as orações “Escrito há cerca de setenta anos” e “conserva a
capacidade de atualização das páginas escritas com arte e verdade” estão em
campos semânticos opostos: o primeiro indica antiguidade (“escrito há setenta
anos”), enquanto que o segundo, sua atualidade (“conserva a capacidade de
atualização”).
Em virtude disso, a conjunção que se presta a unir as duas orações é “ainda
que”, de valor concessivo, ou seja, liga orações que apresentam idéias
contrárias.

12 – B
Em vários livros voltados para concursos públicos há listas e mais listas sobre o
“porque” e suas formas (separado com acento, separado sem acento, junto
com acento, junto sem acento).
Primeiro devemos entender o motivo da acentuação do vocábulo.

www.pontodosconcursos.com.br 29
CURSOS ON-LINE – PORTUGUÊS – CURSO REGULAR
PROFESSORA CLAUDIA KOZLOWSKI

Quando o pronome ou a conjunção está no início ou no meio do período,


normalmente a palavra é átona, chegando, por regionalismo, a ser pronunciada
como “porqui”.
Todavia, no fim do período, recebe ênfase e passa a ser forte, tônica. É por isso
que, nessa posição, recebe o acento circunflexo (por quê). Também é
acentuado o substantivo porquê, que, na mudança de classe gramatical, passou
a ter uma tonicidade que, na forma de pronome ou conjunção, não tinha.
Em resumo: recebe acento circunflexo o vocábulo tônico, quer pronome
interrogativo no fim da frase (“Eu preciso saber por quê.”), quer substantivo
(“Ele não sabe o porquê da demissão.”).

Assim ,em resumo, se for:


- substantivo - (o/um/este)- é junto e com acento: porquê
- conjunção (explicativa ou causal), é junto, sem acento – porque.
- pronome relativo (que) acompanhado de preposição (por) - é
separado e pode ser substituído por “pelo qual” e flexões: “Há
muitas razões por que [pelas quais] tanta gente presta concurso
público.” – por que.
- preposição + pronome interrogativo (em pergunta direta ou
indireta), ele é separado e apresenta a idéia de “por qual motivo /
por qual razão”: “Não sei por que você não veio.” / “Por que você
não veio?” / “Você não veio por quê?” (recebeu acento por ser
tônico) – por que.
Usa-se essa forma também como complemento de expressões como
eis, daí e em outras em que esteja implícita a palavra “motivo” – “Eis
por que (motivo) eu não irei à festa.” / “Estive doente, daí por que
(motivo) não fui à festa.” / “Não há por que (motivo) você se aborrecer
comigo.”.

Vamos, agora, analisar as opções.


A) O pronome relativo que substitui o substantivo “perigos”, enquanto que a
construção exige a preposição por: “Nós passamos por perigos”. Como é uma
preposição + pronome relativo, escrevem-se separadamente: Os perigos por
que passamos.
B) Cuidado com a pegadinha! O “porque” não é um pronome interrogativo que
forme uma oração interrogativa. Essa ordem da oração nos leva a imaginar isso!
Na verdade, colocando na ordem direta, a oração interrogativa seria: “Você
também vai ficar (calado) porque todos vão ficar calados?”.
Ou seja, em virtude de/ pela razão de / pelo motivo de todos ficarem
calados, você também ficará? Esse “porque” é uma conjunção causal, devendo
ser grafada assim: porque. Por isso, está certa a grafia desse vocábulo.
Realmente, essa questão foi muito maldosa!

www.pontodosconcursos.com.br 30
CURSOS ON-LINE – PORTUGUÊS – CURSO REGULAR
PROFESSORA CLAUDIA KOZLOWSKI

C) Agora, esse “porquê” é um substantivo. Prova disso é que está acompanhado


de um artigo indefinido: um porquê. Assim, deve ser grafado com acento e tudo
junto: porquê.
D) Nessa oração, está subentendida a palavra “motivo”: “Sem saber por que
(motivo), todos ficaram atônitos”. Nesse caso, trata-se de uma preposição
acompanhada de um pronome interrogativo, devendo ter a grafia separada –
por que. Como o pronome está no fim da oração, recebe também um acento
circunflexo por ser tônico: Sem saber por quê, todos ficaram atônitos.
E) Temos, aí, uma pergunta. Por isso, o vocábulo deve ser separado, mantendo
o acento por ser tônico: Eles não se manifestaram, por quê?
Resolva, agora, a próxima, para fixar esses conceitos.

13 – B
A) A segunda oração apresenta o motivo pelo qual o sujeito da primeira oração
não saiu. Essa é uma conjunção causal, devendo ser grafada como uma única
palavra: Não saiu porque chovia Î causa: chovia / conseqüência: não saiu.
É muito tênue a linha divisória entre oração subordinada causal e a oração
coordenada explicativa.
Usando o exemplo acima, note a diferença entre estas duas orações:
Não saiu porque chovia. (causal)
Não saia, porque está chovendo. (explicativa)
Algumas dicas, colhidas aqui e ali, podem ajudar na classificação da oração.
Compilei-as aqui e vamos analisá-las, uma a uma:
I - na oração explicativa, normalmente há uma pausa, marcada no texto
por uma vírgula antes da conjunção (como se observa no segundo
exemplo); no entanto, se a oração principal for extensa, também é possível
o emprego da vírgula antes da conjunção causal (ou seja, essa dica não
ajuda muito...);
II - após orações no imperativo, as orações são explicativas (como
aconteceu na segunda oração): “Não venha, pois não estarei sozinha.”
(Essa dica funciona mesmo!);
III - enquanto a oração coordenada explicativa é independente da oração
assindética (até mesmo por ser coordenada), a oração subordinada causal
exerce a função sintática de adjunto adverbial na oração principal (Esse é o
conceito e, por isso, foi mencionado. No fundo, não ajuda muito.);
IV - se for possível a troca do “porque” pelo “que”, a oração é explicativa.
Comparemos: “Não saiu porque estava chovendo.” – não posso substituir
pelo que = é causal. / “Não saia, porque está chovendo.” – posso
substituir pelo que (“Não saia, que está chovendo”) Î é explicativa.
(Essa dica merece nota 7 – muitas vezes funciona mas pode furar...).
Na próxima aula, voltaremos a analisar essa diferença.
Por ora, com a aplicação do método IV, confirmamos o valor causal da oração.
Não seria possível a troca do “porque” pelo “que”.

www.pontodosconcursos.com.br 31
CURSOS ON-LINE – PORTUGUÊS – CURSO REGULAR
PROFESSORA CLAUDIA KOZLOWSKI

Esse “porque” é, portanto, causal.


Voltemos às demais opções.
B) Está CORRETA a construção. Note que está subentendida a palavra “motivo”:
Não sei por que (motivo) brigamos.
Assim, escreve-se separadamente.

C) Mais uma vez, temos uma conjunção causal. Na segunda oração, apresenta-
se o motivo de não ter respondido (oração principal): Respondi porque tinha
certeza. Assim, a palavra deve ser escrita juntinha – porque.

D) Essa é uma oração interrogativa direta, devendo estar separado: Por que
você não correu?

14 – C
Essa é para encerrar essa série de “porquês”.
Veja como o examinador exige que o candidato conheça o motivo da grafia, e
não saia por aí decorando listas sem sentido.
Temos uma pergunta indireta, em que está subentendida a palavra “motivo” ou
“razão”. Assim, devemos escrever separadamente: Perguntei por que
(motivo/razão) ele não tocava mais piano.

15 - C
Enquanto que as sugestões das opções a, b, d e e são conjunções alternativas
ou comparativas, a conjunção “conquanto” é concessiva (equivalente a
“embora”, “apesar de”), o que prejudicaria a coesão textual.

16 – D
Não dá certo decorar – é preciso entender. Veja os diversos valores da
conjunção como.
Em “O brasileiro é como eu ou você”, o “como” tem valor comparativo.
Já no período em destaque, poderia ser substituída pela conjunção “conforme”:
“Conforme demonstrou um programa para auxiliar famílias pobres do interior”.
Assim, apresenta noção de conformidade – opção d.
Veja, agora, a questão seguinte.

17 – A
Agora, esse mesmo vocábulo apresenta a seguinte idéia: “Porque sempre tive
muito interesse em estudar a América Latina [por esse motivo], fui ficando”
O valor da conjunção como é de causa, motivo, razão – conjunção causal.

www.pontodosconcursos.com.br 32
CURSOS ON-LINE – PORTUGUÊS – CURSO REGULAR
PROFESSORA CLAUDIA KOZLOWSKI

Note a relação de causa e conseqüência entre as duas orações:


Causa Î sempre tive muito interesse em estudar a América Latina
Conseqüência Î fui ficando

18 – D
“Posto que” é uma das “cabeludas”. Ela é equivalente a “ainda que”, “embora”,
“mesmo que”.
Esta locução conjuntiva não pode ser usada no sentido de porque, visto que, ou
seja, não atribui valor de causa, mas de concessão (idéia contrária).
A banca examinadora explorou exatamente essa forma que, na linguagem
coloquial, tornou-se comum, sem obter abono da norma culta.
Trate logo de sublinhar essa expressão em seu material e guardar na memória –
posto que equivale a embora.
As demais atribuem à segunda oração um valor consecutivo:

CAUSA CONJUNÇÃO CONSEQÜÊNCIA


de modo que A região ostenta
Formação de um tal que índices de
cinturão de Î Î desenvolvimento
miséria tanto que humano
de sorte que desesperadores

19 - D
A idéia entre as duas orações é contrária. Deve-se usar, portanto, uma
conjunção adversativa ou concessiva. Por isso, foi corretamente usada a
conjunção conquanto.
Ela é parecida com a que vimos anteriormente: porquanto (questão 11)
As duas são raramente usadas e poderiam levar a alguma confusão.
Então, seus problemas acabaram!!!!
Vamos traçar um paralelo entre elas (que são parecidas) para guardar seus
significados:
Porquanto – por causa de (causal ou explicativa)
Conquanto – concessiva
Gostou do método de memorização? Ah, não... então, invente o seu!
Voltando à análise da questão.
O enunciado exige que se observe, também, a correção gramatical da proposta.
Estão incorretas as demais sugestões pelos motivos que se seguem.

www.pontodosconcursos.com.br 33
CURSOS ON-LINE – PORTUGUÊS – CURSO REGULAR
PROFESSORA CLAUDIA KOZLOWSKI

(A) A conjunção “dado que” atribui um valor causal à oração (uma


vez que, por causa de), quando o que se busca é um valor
concessivo ou adverso.
(B) O erro não está na conjunção, mas na flexão do verbo “tratar”
que, acompanhado do pronome “se”, forma sujeito
indeterminado: “embora se trate da mesma espécie”.
(C) Além de ser inapropriado o emprego de “haja vista que” (cujo
valor é causal), houve um erro ao acrescentar uma preposição
“de” à expressão (haja vista de que ?!?!).
(E) A conjunção “posto que”, corretamente utilizada por ter caráter
concessivo, exige que o verbo seja conjugado no subjuntivo
(“posto que sejamos todos da mesma espécie”). Acertou na
conjunção (concessiva), mas errou na conjugação verbal.

20 - D
Essa questão envolvia diversos assuntos: vocabulário, emprego de pronomes,
preposição, conjunção.
Enquanto ‘epopéia’ traz somente a idéia de uma luta, ‘odisséia’ indica uma série
de dificuldades bem mais complexas do que em uma simples luta. Está correta,
portanto, essa afirmação da letra d.
As incorreções das demais opções são:
a) Em “sugere-nos”, o pronome exerce a função sintática de objeto indireto.
Para a análise, não adianta a troca do pronome nos por “a nós”, uma vez que
os pronomes ele(s), ela(s), nós e vós, quando oblíquos, são obrigatoriamente
precedidos de preposição. Há duas formas de se comprovar a função direta ou
indireta dos pronomes me, te, se, nos e vos – trocar o pronome pelo nome
(por exemplo: “sugere ao analista incontáveis abordagens da ética”) ou análise
da regência do verbo (sugerir alguma coisa a alguém). Assim, verificamos que a
função sintática é de objeto indireto.
Já o pronome “se” em “narram-se também feitos de abnegação” é apassivador –
o verbo narrar é transitivo direto, existe a idéia passiva (feitos são narrados) e
está acompanhado do pronome “se”. Portanto, a afirmação está incorreta.
b) Não existe a conjunção “à medida em que”; existem as conjunções “à
medida que” (proporcional) e “na medida em que” (causal).
c) A preposição “com”, na passagem, equivale a “a partir de” – origem: “novas
facetas surgem com a/a partir da metamorfose do espírito humano e sua
variedade quase infinita de ações.”.
e) Se houvesse a troca da preposição de pela preposição entre, seria necessária
a retirada da preposição de antes de “paixões mesquinhas” – “representam o
confronto entre ideais nobres e de paixões mesquinhas”. Como a opção indica
não ser necessária mais nenhuma alteração, está incorreta a proposição.
Cuidado em questões como essa. Para que a troca de um elemento por outro
seja válida, a banca deve indicar, também, as demais alterações necessárias
para que a substituição não incorra em erros gramaticais.

www.pontodosconcursos.com.br 34
CURSOS ON-LINE – PORTUGUÊS – CURSO REGULAR
PROFESSORA CLAUDIA KOZLOWSKI

21 - Item CORRETO.
Para facilitar a memorização, sugerimos a forma porquanto = por causa. Só
que essa conjunção também pode apresentar valor explicativo.
Este item está correto, pois a conjunção porquanto, seja com valor causal ou
explicativo, é equivalente à conjunção porque.

22 - C
Todas as opções são válidas, por estarem adequadamente grafadas e
empregadas, exceto a que apresenta o advérbio tampouco, que equivale a
“também não” ou “muito menos”. Foi empregado com erro na grafia.
“Tão pouco”, combinação do advérbio de intensidade (tão) com o (também)
advérbio “pouco”, remete à idéia de “pequena quantidade” – “Nunca comi tão
pouco!” ou “Tenho tão pouco interesse em assistir ao ‘Big Brother’ que prefiro
estudar Português!”.
Não é aceita pela norma culta a colocação da conjunção nem (que significa “e
não”) antes desse advérbio (“nem tampouco”), por este já apresentar valor de
negação (também não).
Vamos aproveitar a “deixa” para tratar de algumas palavras especiais, que
podem ser classificadas como advérbios de intensidade, adjetivos ou pronomes
indefinidos: bastante, pouco e muito.
O que irá nos auxiliar na identificação da classe gramatical é o conceito
apresentado na aula de apresentação – se são variáveis ou invariáveis.
Como vimos, os advérbios são palavras invariáveis, enquanto que os
adjetivos e os pronomes se flexionam em gênero e/ou número.
Veja só:
ADVÉRBIO ADJETIVO PRON.INDEF.
(invariável) (variável) (variável)
POUCO Você tem estudado Não se aborreça com Tenho poucos livros
pouco. essa coisa pouca desse assunto (em
(pequena). quantidade pequena)
BASTANTE Você tem estudado Tenho livros Tenho bastantes
bastante. bastantes (que livros (em grande
bastam / suficientes) quantidade).
MUITO Você tem estudado - Tenho muitos livros.
muito.

23 - C
No terceiro período do texto, informa-se que “o Banco Central, para combater a
inflação, vem elevando seguidamente a taxa básica” de juros. Na oração
seguinte, iniciada pela lacuna (c), afirma-se que os juros altos não estão freando
a inflação.

www.pontodosconcursos.com.br 35
CURSOS ON-LINE – PORTUGUÊS – CURSO REGULAR
PROFESSORA CLAUDIA KOZLOWSKI

Essas duas afirmações situam-se em campos semânticos opostos:

O BC AUMENTA JUROS PARA OS JUROS ALTOS NÃO ESTÃO



FREAR A INFLAÇÃO FREANDO A INFLAÇÃO

Por isso, deve-se empregar uma conjunção adversativa, como “entretanto”. A


sugestão apresentada na opção c está CORRETA.
As demais opções estão incorretas.
a) Nessa lacuna, deve-se empregar uma conjunção de valor adversativo
(entretanto, todavia, contudo), e não a locução adverbial “haja vista”, que
corresponde a “considerando, tendo em vista”. Sobre a flexão desta expressão,
lembramos que o vocábulo “vista” permanece invariável, enquanto que o verbo
pode ficar no singular (acompanhado ou não de preposição) ou concordar com o
termo subseqüente (“Haja vista os resultados / Haja vista aos resultados /
Hajam vista os resultados”).
b) A oração iniciada por esta lacuna irá apresentar uma explicação para a
afirmação presente no período anterior (“um desses motores está ausente”). Por
isso, não pode ser empregada a conjunção “apesar de” – concessiva. Deve-se
optar por uma conjunção explicativa: em virtude disso, por isso, assim.
d) O emprego da conjunção “embora”, além de causar erro na flexão verbal do
verbo ser – “Embora o ganho (...) é pequeno” (correto = seja), prejudicaria a
coesão textual em virtude da ausência de uma oração principal. O mais
apropriado seria empregar expressões como “além disso”, “ademais”, de forma
a introduzirem informações adicionais à passagem anterior.
e) Não existe a conjunção “tão pouco” (DE NOVO!!!!), mas o advérbio
“tampouco” que equivale a “muito menos”, “menos ainda”, impróprio para a
passagem.

24 - D
As conjunções embora e apesar de, a despeito de estarem situadas no mesmo
campo semântico, levam o verbo a conjugações distintas. Enquanto que a
conjunção ‘apesar de’ exige o verbo no infinitivo (sermos), a conjunção
‘embora’ leva a flexão verbal ao subjuntivo (sejamos).
Provocou-se, portanto, erro de natureza gramatical (conjugação verbal) o
emprego da conjunção “embora”.
Em relação às demais opções:
a) O valor da conjunção é verificado na construção. No primeiro período do
texto, a idéia adversativa (que tanto pode ser apresentada pela conjunção e
quanto pela mas) reside na oposição entre os adjetivos “grande” e
“diversificado” (adjetivos favoráveis ao Brasil) e o fato desfavorável de ser
“uma promessa que parece nunca se realizar”. Assim, essa conjunção e tem
valor adversativo, como em: “Ela queria que eu fosse e eu não fui (= mas eu
não fui)”. Logo, qualquer das duas conjunções poderia ser empregada nessa
lacuna.
b) Na segunda lacuna, as duas opções empregam valor adversativo ao período:
entretanto / mas.

www.pontodosconcursos.com.br 36
CURSOS ON-LINE – PORTUGUÊS – CURSO REGULAR
PROFESSORA CLAUDIA KOZLOWSKI

c) Na terceira, justifica-se o pouco engajamento do cidadão ao fato de ele não


avaliar os programas e as ações dos políticos (como essa questão é atual, não é
mesmo???) e, com isso, elege-os de acordo com sua popularidade. Assim, tanto
pode ser usada a conjunção já que como pois.
d) Apesar a importância do país na economia mundial, nós, brasileiros, sempre
sofremos decepções (nem me fale nisso...). Esse valor adversativo tanto pode
ser apresentado pela conjunção “embora” quanto pela apesar de. O problema
foi de conjugação verbal. Já vimos que este item está INCORRETO.
e) No último período, pode-se apresentar uma conclusão, com o emprego da
conjunção “portanto” ou estabelecer uma idéia contrária ao fato de ser um país
tão importante, a partir do emprego da conjunção “contudo”. As duas
conjunções seriam válidas.

Bons estudos e até a próxima!

www.pontodosconcursos.com.br 37