Tabela matriz - 1ª parte da tarefa, conforme indicações do Guia da Sessão –Helena Fernandes

Conhecimento na área Domínio Competências do professor bibliotecário Aspectos críticos que a Literatura identifica Qualificado Lider transformacional Prospectivo Mentor do "staff" Web master Competente em TIC Avaliador de eficácia Conhecedor de dilemas locais específicos de aprendizagem Colaborativo/ Integrador do programa de biblioteca para sua solução (dos
dilemas locais)

Biblioteca escolar Pontos fortes Formação contínua (RBE) e outras em BE e TIC; Abertura a novas formações e desenvolvimento de competências; Conhecedora de dilemas locais específicos de aprendizagem; Abertura total à colaboração; Promotora de formação Bom Fraquezas Multiplicidade de funções desenvolvidas Empenho excessivo na motivação/apoio/ formação do utilizador, descuidando a avaliação de resultados potencialmente mais motivadores e transformadores de práticas Falta de maior persistência nos contactos directos com Oportunidades Coordenação a tempo inteiro Elemento do C. Pedagógico Algum reconhecimento da importância do papel da Biblioteca no contexto escolar Apoio da equipa Reconhecimento pelo Director da Escola da dificuldade na promoção da mudança. Ameaças Acumulação excessiva de funções (por ausência prolongada da funcionária com formação) Falta de formação prática/directa em auto-avaliação da BE Pressão pelas expectativas do Projecto a tempo inteiro Necessidade de criar/reformular políticas/documen Desafios. Acções a implementar Promover a mudança de mentalidades Atrair a colaboração dos docentes/depart amentos que vise a instituição de formas comuns de actuação devidamente regularizadas e com expectativas de avaliação da sua eficácia

Demonstrador da eficácia da sua intervenção Promotor de aprendizagem

Conhecimento na área colaborativa Incentivador/ crítico construtivo Criador de oportunidades e processos Professional de informação/formador activo Conhecedor de “Teoria de aprendizagem e Métodos pedagógicos” relacionamento e empatia com a comunidade Disponibilidade total para apoio individual ou trabalho em equipa visando processos comuns de actuação/tranforma ção. Gosto pela actualização constante de conhecimentos/auto -formação Motivação especial pelas funções de C. Bib. docentes/grupos disciplinares para implementar as intervenções de aprendizagem que sejam eficazes ( a prática baseada em evidências) que mostrem o papel da BE nas metas de aprendizagem da escola; Dificuldade na mudança de mentalidades dos professores que persistem no conceito da BE apenas como CRE, e não a valorização da “construção do conhecimento” que aí se tenta

Biblioteca escolar Alunos do 2º ciclo facilmente motiváveis para iniciativas da BE Professores de A.Projecto mais abertos a iniciativas de formação com a BE e potenciais difusores de vantagens de boas práticas. tos reguladores da vida da Be

Conhecimento na área promover.

Biblioteca escolar

Organização e Gestão da BE

A biblioteca escolar é conectividade, envolvimento, interactividade promotores de construção do conhecimento. A sua acção deve reflectir -se em evidências

Lugar aprazível Frequência constante de utilizadores Horário com cobertura dos maiores tempos livres dos alunos Espaço de formação Apoio/colaboração curricular Prestação de serviços Equipa multidisciplinar

Escassez de horas para a equipa que se dedica mais ao apoio directo e dificulta o desenvolvimento de outras dinâmicas.

Horário escolar em regime Horário a tempo normal(pouca inteiro disponibilidade de tempos para Recursos frequência livre) informáticos de empréstimo ainda Professores pouco não frequentadores e implementados motivadores de frequência

Professores da equipa que dinamizam recursos e materiais nos seus tempos livres em casa

Tempo diminuta para reunião conjunta de membros da equipa A falta da funcionária inviabiliza a disponibilidade da coordenadora para tarefas de promoção da BE, construção de materiais de apoio, acções de colaboração mais constantes. Falta de compreensão da natureza e as dimensões do papel do professor Bibliotecário

Aplicação dos instrumentos de avaliação da RBE Recolha sistemática de evidências Procurar destacar a importância do professor bibliotecário estar envolvido em práticas baseadas em evidências que mostram o seu papel nas metas de aprendizagem da escola

Conhecimento na área CD-Rom desactualizados face às características dos novos PCs Colecção organizada com base na CDU e disponibilizada para fácil localização Catalogação informatizada e disponibilizada on line e na RBEP A bibliotecária ser o único elemento da equipa com conhecimentos necessários à catalogação Parte lúdica de fundos multimédia (música/cinema) com poucos recursos) Ausência duma avaliação sistematizada da colecção Dificuldade em reunir com alguns departamentos.

Biblioteca escolar

Gestão de recursos de informação através de estruturas e redes virtuais. Recursos - os essenciais para a missão da Biblioteca, com qualidade, avaliados pela adequação ao currículo, adequados aos utilizadores, enriquecedores e promotores de literacias

Vídeo projectores em todos as salas de aula e Biblioteca Equipamento informático e audiovisual razoável Falta de tempo para catalogação

Proceder à avaliação da colecção Recolha de sugestões junto dos departamentos para necessidades de requisição Recolha de sugestões junto aos alunos

Gestão da Colecção

A BE como espaço de conhecimento e aprendizagem.

A BE promove a transformação da informação em

A BE tem trabalhado sistematicamente

Projecto TEIP

Sobrecarga de reuniões e pouca disponibilidade

Formação de professores no âmbito das

Conhecimento na área
conhecimento O sucesso é determinado pela qualidade do trabalho desenvolvido e não pelo nº de colaboradores;

Biblioteca escolar com os professores de A. Projecto com reuniões conjuntas e individuais visando a literacia da informação; tem recebido turmas e colaborado nas estratégias de pesquisa, fornecendo folhetos de apoio necessário a várias actividades. Vai articulando actividades comuns com alguns departamentos No projecto TEIP, foi incluida uma acção da responsabilidade da BE promotora da articulação curricular Promoção da

Trabalho colaborativo e articulado com Departamentos e docentes.

A BE deve incentivar o desenvolvimento dos alunos com críticas construtivas Promover recursos para aprendizagem colaborativa. ; cultivar a comunidade inclusiva envolvendo directamente os alunos na descoberta de conhecimentos, que lhes permitam transformar os conhecimentos e experiências anteriores, e assumir a responsabilidade pela aprendizagem
Competências de

Pouca abertura de alguns docentes a tentativas /experiências de mudança na articulação curricular possível com a BE

extra para trabalho colaborativo com a BE Ausência duma politica educativa interna que definisse competências comuns a desenvolver por ano de escolaridade (transversais) a nível de literacia de informação

potencialidades dum trabalho colaborativo

Formação para a

Falta de formação

Sem funcionária

Motivar o 3º

Conhecimento na área leitura e para as literacias
informação e literacia de informação devem proporcionar construção do conhecimento pessoal

Biblioteca escolar leitura:“O melhor leitor do período”leitura domiciliária. Distribuição de poesia na comunidade em geral –“Folhas Soltas”- biografia e poema dum poeta Actividades articuladas com o Dep de Línguas e PNL “Biblioteca aberta à noite” a realizar com a RBEPdivulgação do catálogo aos Enc. de Ed. com convite presencial Exposições por autor/temáticas de livros Hora do conto Concursos temáticos da BE Colaboração do mais específica (menos académica) para a promoção/dinami zação da leitura Diminuição de alunos , do 7º ao 9º ano, com presença na BE, voluntária ou não. a falta de tempo de promoção de actividades de leitura ciclo (alunos e professores) para uma maior colaboração com a BE

Conhecimento na área departamento de CHS – leitura obrigatória dum livro por ano com preenchimento de ficha (Geog/História)
As TIC converteram-se em potentes ferramentas ao serviço da formação no processo de ensinoaprendizagem BE promotoras de estratégias educativas BE gestoras/avaliadoras de conteúdos para a aprendizagem BE divulgadoras de guias temáticos face ao utilizador BE formadoras e orientadoras de investigação em espaços virtuais E-learning A prática baseada em evidências proporciona

Biblioteca escolar

Formação dos elementos da equipa em TIC Actividades de apoio individual ao utilizador Formação de professores se solicitada

Ausência de uma pasta de favoritos organizada tematicamente ou de acordo com as áreas curriculares Instabilidade nas ligações à NET Falta de formação de professores em geral que possibilitem a utilização dos recursos informáticos da BE na aula Falta de práticas habituais de

Estabilidade esperada com a Internet (fibra óptica) Mini formação de professores em TIC Promover a leitura /literacia com recursos mais motivadores para certos alunos Pedir a colaboração de

BE e os novos ambientes digitais.

Falta de orientação/formaç ão de alunos que rentabilize a apetência para estes recursos, desenvolva a sua postura crítica face à informação e os capacite na restrição de resultados desejados.

Continuar a solicitar aos departamentos a indicação de sites (avaliados) de forma a se constituir uma base de dados para pesquisa de informação

Gestão de evidências/

Inquéritos da RBE Estatísticas de

Novidade da prática de recolha

Promover a colaboração

Conhecimento na área implementar intervenções de aprendizagem que são eficazes. Reúne elementos de prova pertinente e sistemática sobre as dimensões de ensino e aprendizagem que são importantes para a escola. recolha de evidências utilização Grelhas de observação (RBE) Falta de tempo para reflexão conjunta da equipa

Biblioteca escolar de evidências possibilitadora de desconfiança das intenções da BE junto de turmas/professor Falta de formação em autoavaliação

avaliação.

professores na observação e registo de competências a desenvolver em trabalho colaborativo

com professores/dep artamentos Aplicar a AA da BE

Gestão da mudança SÍNTESE BE – mais um desafio: das competências de informação/ eliteracia de informação para a construção do

Factores de sucesso Reconhecimento em C. Pedagógico do novo desafio da BE a tempo inteiro Disponibilização gradual para práticas colaborativas de alguns grupos de docência Cobertura horária de tempos livres mais

Obstáculos a vencer Falta de acções de formação disponibilizadas pelo ME para membros da equipa Disponibilização da bibliotecária para tarefas de animação , formação e articulação curricular.

Acções prioritárias Definir a política da Colecção Atribuição temporária duma nova funcionária a tempo inteiro Enriquecimento da colecção (multimédia) e actualização de

Conhecimento na área disponíveis (alunos) Funcionária a tempo inteiro e com formação Apoio da RBEP Apoio da RBE Formação em bibliotecas escolares reconhecida como prioritária na Comunidade escolar

Biblioteca escolar

conhecimento

certas áreas.