You are on page 1of 2

SANDEL, Michael J. Justiça, O que é fazer a coisa certa?

[tradução de Heloisa Matias e Maria
Alice Máximo]13 ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2013.p. 9-42.


Michael J. Sandel é professor da Universidade de Harvard, onde leciona
filosofia política desde 1980.
O seu desempenho em " Justiça", o curso mais popular de Sandel em Harvard,
frequentado anualmente por milhares de levou o jornalWashington Post a
nomear Michael Sandel como “provavelmente o mais proeminente professor
universitário dos Estados Unidos”.
A obra acadêmica de Sandel foi traduzida para mais de uma dezena de
idiomas em diversos países e os artigos de sua autoria têm aparecido em
publicações de interesse geral de grande renome como The Atlantic
Monthly e The New York Times.
Seu livro mais popular é “Justiça: O que é Fazer a Coisa Certa”. Em seu livro
mais recente, “O que o Dinheiro não Compra” (será lançado em agosto no
Brasil pela Civilização Brasileira), Sandel explora os dilemas morais de uma
sociedade capitalista e as escolhas que as pessoas enfrentam diariamente.
Outras obras de fôlego incluem “Liberalismo e os Limites da Justiça”, “Os
Descontentes com a Democracia”, “Filosofia Pública: Ensaios sobre a
Moralidade na Política” e “O Caso contra a Perfeição: Ética na Era da
Engenharia Genética”.
Sandel foi reconhecido pela Associação Americana de Ciência Política em
2008 por sua carreira de excelência no ensino. Nos Estados Unidos, Sandel
participou do Conselho Presidencial sobre Bioética e é membro da Academia
Americana de Artes e Ciências e do Conselho de Relações Exteriores.
No capítulo I o autor traz o título fazendo a coisa certa no qual traz que “o
argumento a favor das leis relativas ao abuso de preços e contra elas giram em
torno de três idéias: aumentar o bem-estar, respeitar a liberdade e promover a
virtude (...) A ganância é um defeito moral, um mal de ser, especialmente
quando torna as pessoas indiferentes ao sofrimento alheio. Mas do que um
defeito pessoal ela se contrapõe à virtude cívica”.
“Aristóteles ensina que a justiça significa dar às pessoas o que elas merecem.
E para determinar quem merece o quê, devemos estabelecer quais virtudes
são dignas de honra e recompensa”.
“Nos nossos dias, a maioria das discussões sobre justiça é a respeito de como
distribuir os frutos da prosperidade ou os fardos dos tempos difíceis e como
definir os direitos básicos do cidadão”
Na política contemporânea, teorias baseadas na virtude são frequentemente
identificadas como os conservadores culturais e a direita religiosa. A ideia de
legislar sobre a moralidade é um anátema para muitos cidadãos de sociedade
liberais, vistos que oferece o risco de derivar para a intolerância e a coerção”.
“A vida em sociedades democráticas é cheia de divergências entre o certo e o
errado, entre justiça e injustiça (...). Como, então, podemos racionar claramente
no disputado terreno da justiça e da injustiça, da igualdade e da desigualdade,
dos direitos individuais e do bem comum? Este livro tenta responder esta
pergunta”.