You are on page 1of 7

Informativo Nº: 198 Período: 9 A 13 DE FEVEREIRO DE 200

A! nota! a"#i div#$%ada! foram &o$'ida! na! !e!!(e! de )#$%amento e e$a*orada! +e$a
A!!e!!oria da! ,omi!!(e! Permanente! de -ini!tro!. n/o &on!i!tindo em re+o!it0rio!
ofi&iai! da )#ri!+r#d1n&ia de!te 2ri*#na$3
Corte Especial
AGRAVO. PEÇAS OBRIGATÓRIAS E NECESSÁRIAS.
O recurso foi interposto pelo INSS, irresignado com a decisão monocrática do Min. Relator que indeferiu
os embargos, aplicando-lhes a Sm. n. !"#-S$%. No &oto proferido nesse recurso, o Min. Relator
demonstrou a sedimenta'ão em torno do tema, para compro&ar que o S$% considera indispensá&eis, na
forma'ão do agra&o de instrumento, não somente as pe'as obrigat(rias, mas tamb)m aquelas que se
con&encionou chamar de necessárias ou teis. *or)m há &otos di&ergentes no sentido de que o Relator de&e
pro&idenciar as pe'as necessárias ou teis, de of+cio ou intimando o agra&ante para tanto. Outros &otos
aderem , posi'ão mais radical, que não admite a aus-ncia das pe'as necessárias e nem a con&ersão em
dilig-ncia para a .untada delas. / di&erg-ncia ) atual. 0mbora a posi'ão ma.oritária se.a em fa&or da
posi'ão mais radical, o certo ) que há ainda di&erg-ncia recente na .urisprud-ncia, o que merece o
pronunciamento da 1orte 0special. /ssim, a 1orte 0special, prosseguindo o .ulgamento e por maioria, deu
pro&imento ao agra&o regimental para que tenha curso os 0mbargos. /gRg nos 0R0sp 23#.!44-*R, Rel.
originário Min. 5eli6 5ischer, Rel. para ac(rdão Min. 0liana 1almon, .ulgado em !78787992.
Primeira 4e5/o
E6E,789E43 FORO E4PE,IA:3 PEDIDO3 PO44I;I:IDADE3 A2ENDI-EN2O3
No pedido inicial do MS, pretende-se a percepção da gratificação de habilitação militar
correspondente a Capital-de-Mar-e-Guerra, ou seja, referente a Curso Superior de Guerra Naval,
requisito atualmente obrigatrio para a promoção !quele posto" No S#$ foi deferida a segurança"
Cumprindo o julgado, a %nião promoveu o e&eq'ente, independente de ter ele feito o curso,
porque, seguindo a legislação da (poca em que deveria ter sido promovido, não havia esse pr(-
requisito" )ouve promoção por ficção" *ntretanto não ( poss+vel considerar e&istente um curso
que não era obrigatrio, no qual o militar poderia ingressar por sua vontade, e&clusivamente, e
ser aprovado ou não, a depender de seu desempenho pessoal" Considerar como cursada a
*scola Superior de Guerra fa, justiça ao acrdão, pois o curso não era pr(-requisito para
promoção, podendo o requerente t--lo feito se não tivesse havido seu desligamento" . obrigação
de fa,er, no entender da Min" /elatora, não especificada ou sequer discutida no acrdão em
e&ecução, não pode contemplar situação jur+dica sem base f0tica compat+vel" %m dos grandes
problemas das e&ecuç1es julgadas em foro especial ( e&atamente o comando gen(rico do
julgado, o qual enseja, muitas ve,es, dificuldade f0tica que compatibili,e o que foi pedido com o
que ( poss+vel atender" . #urma negou provimento ao agravo regimental para manter o
indeferimento do pedido" .g/g na 2et 3"345-67, /el" Min" *liana Calmon, julgado em 33858599:"
I-<VE: F7N,IONA:3 7NI=O3 IN2I-A8=O3 O;RI>A8=O DE FA?ER3
. segurança foi concedida para alienação de imveis funcionais" . %nião interp;s agravo
regimental que, entre outros argumentos, tra,ia o de que, não obstante os aspectos processuais
realçados, a venda do imvel não se consumou por falta do pressuposto essencial, a cargo das
autoridades coatoras, ou seja a regulari,ação do imvel pelo Ministro de *stado, que não foi
chamado a participar do processo" . Min" /elatora entendeu que, no caso, ningu(m quer se
responsabili,ar, institucionalmente, pelo cumprimento do julgado, desse modo não se pode e não
se deve falar mais em autoridade coatora e, sim, em responsabilidade pelo cumprimento de uma
decisão que, certa ou errada, transitou em julgado" Se assim não fosse, teria o absurdo de, por
via de ação ordin0ria, obter a e&ecução e, pelo mandado de segurança, dei&ar a crit(rio da
autoridade impetrada cumprir ou não a decisão judicial, o que constitui absurda concepção"
.ssim sendo, em se tratando de obrigação de fa,er, esta deve ser satisfeita no pra,o assinalado"
. #urma negou provimento ao agravo e, por oportuno, determinou, nos termos do art" 4<5 do
C2C, seja intimada a %nião para cumprir a obrigação de fa,er =ndash> regulari,ação do imvel
funcional a ser alienado =ndash> no pra,o de sessenta dias" .g/g no MS 5"?:9-67, /el" Min"
*liana Calmon, julgado em 33858599:"
7NIVER4IDADE DO 4I42E-A E42AD7A: DE EN4INO3 A72ONO-IA3
. orientação deste #ribunal ( no sentido de reconhecer como de compet-ncia federal as
quest1es envolvendo o ensino superior, ainda que relacionadas a universidades particulares" No
caso, não se trata de estabelecimento particular" . universidade ( p@blica e pertence !
organi,ação administrativa do Munic+pio, componente, portanto, do sistema de ensino do *stado,
como preceitua o art" 3A, BB, da Cei n" D"<D:83DD4" .s universidades estaduais e municipais
go,am de total autonomia para organi,ar e gerir seus sistemas de ensino EC783D??, art" 533F, e
seus dirigentes não agem por delegação da %nião" . apreciação de seus atos ( da compet-ncia
da $ustiça estadual" CC :9"4AD-SC, /el" Min" Castro Meira, julgado em 33858599:"
4e%#nda 4e5/o
DE4I42@N,IA3 RE,7R4O3 A,ORDO3 AO-O:O>A8=O3
G julgamento do recurso, que foi remetido ! Seção com o fito de se pacificar a jurisprud-ncia, j0
se havia iniciado e aguardava voto vista" Sucede que houve petição de desist-ncia por ambas as
partes que noticiava a homologação de transação entre elas" 6iante disso, a Seção, entendeu
homologar a desist-ncia ao fundamento de que ( poss+vel desistir do recurso at( que se termine
o julgamento" 2recedente citadoH /*sp 53?":54-S2, 6$ D83985999" Iuestão de Grdem no /*sp
JJ4"4?J-2/, /el" Min" Cesar .sfor /ocha, julgada em 33858599:"
,O-PE2@N,IA3 A;ONO3 ;ENEFB,IO3
. $ustiça do #rabalho ( competente para julgar a reclamatria proposta pelo empregado
aposentado contra seu e&-empregador e a entidade de previd-ncia privada, ação em que
pretende ver reconhecido o aumento da complementação do benef+cio, equiparando-o aos
ganhos dos empregados em atividade" . alegação de que o pagamento de abonos na verdade
camufla reajustes salariais não repassados aos inativos depende do espec+fico pronunciamento
da $ustiça obreira para lhe definir a nature,a jur+dica, isso sem falar no assentado entendimento
da jurisprud-ncia no sentido de que os direitos relacionados ao e&tinto contrato de trabalho,
mesmo aps a aposentação do obreiro, não dei&am de manter correlação com aquele contrato"
2recedentes citadosH CC 4"A39-2*, 6$ 538<83DD:> CC <:":JA-/$, 6$ 3A8485995, e CC 3D"?3?-
67, 6$ 3D8<85993" .g/g no CC <?"D3J-/$, /el" Min" .ldir 2assarinho $unior, julgado em
33858599:"
,D,3 FORO DE E:EI8=O3 E-PRE4A43
G provedor de internet e a empresa detentora da rede estadual de acesso litigam sobre o
contrato de prestação de serviço" 6iante do poderio econ;mico de ambas as partes, que o jui,
suscitado bem p;de divisar, e dos valores em discussão, pois s as astreintes alcançam de, mil
reais ao dia, a #urma entendeu que não h0 que se falar em dificuldade de acesso ao 2oder
$udici0rio por hipossufici-ncia" .ssim, deve prevalecer o foro de eleição para dirimir o lit+gio,
independentemente de se cuidar de uma relação de consumo assumida em contrato de adesão"
2recedentes citadosH CC <5"54?-S2, 6$ 3D8?85995> CC <5"5A9-S2, 6$ 338<85995> CC <5"5A<-S2,
6$ 398485995> CC <5":4D-S2, 6$ 3A8485995, e CC <J"393-S2, 6$ 348D85995" CC :9"559-S2, /el"
Min" .ldir 2assarinho $unior, julgado em 33858599:"
,O-PE2@N,IA3 AONORCRIO4 ADVO,A2B,IO43
. ação intentada pelo advogado empregado busca apenas o pagamento de percentual de
honor0rios advocat+cios e de sucumb-ncia percebidos pela sociedade de advogados" 6essarte,
não h0 pedido de reconhecimento de v+nculo empregat+cio ou de verbas rescisrias t+picas da
relação de emprego, o que afasta a compet-ncia da $ustiça #rabalhista" .g/g no CC <:"9:A-S2,
/el" Min" Castro 7ilho, julgado em 33858599:"
,D,3 FORO DE E:EI8=O3 E-PRE4A43
G provedor de internet e a empresa detentora da rede estadual de acesso litigam sobre o
contrato de prestação de serviço" 6iante do poderio econ;mico de ambas as partes, que o jui,
suscitado bem p;de divisar, e dos valores em discussão, pois s as astreintes alcançam de, mil
reais ao dia, a Seção entendeu que não h0 que se falar em dificuldade de acesso ao 2oder
$udici0rio por hipossufici-ncia" .ssim, deve prevalecer o foro de eleição para dirimir o lit+gio,
independentemente de se cuidar de uma relação de consumo assumida em contrato de adesão"
2recedentes citadosH CC <5"54?-S2, 6$ 3D8?85995> CC <5"5A9-S2, 6$ 338<85995> CC <5"5A<-S2,
6$ 398485995> CC <5":4D-S2, 6$ 3A8485995, e CC <J"393-S2, 6$ 348D85995" CC :9"559-S2, /el"
Min" .ldir 2assarinho $unior, julgado em 33858599:"
2er&eira 4e5/o
,ORRE8=O -ONE2CRIA3 POR23 N3 D1E1993F-PA43
. correção monet0ria dos benef+cios previdenci0rios pagos administrativamente por disposição
da 2ortaria n" A3:83DD<-M2.S deve incluir os e&purgos inflacion0rios, j0 que se trata de verba de
car0ter alimentar, devendo, pois, ser a atuali,ação mais condi,ente com a realidade"
2recedentes citadosH */*sp <<?"5A?-2B, 6$ 5<848599<, e */*sp <:3"4D:-2B, 6$ A8:8599<"
*/*sp <:4"A:?-2B, /el" Min" Caurita Ka,, julgado em 33858599:"
Primeira 2#rma
DEFI,IEN2E FB4I,O3 AG7I4I8=O DE VEB,7:O3 I4EN8=O3 IPI3
. #urma proveu o recurso da recorrente portadora de defici-ncia f+sica =ndash> .trofia Muscular
*spinhal 2rogressiva =ndash>, incapa, de dirigir ve+culos, que requereu ao 6elegado da /eceita
7ederal em MG o benef+cio de isenção do B2B" Mesmo que o automvel seja dirigido, em seu
favor, por outrem Eart" 3L, M 3L, da Cei n" ?"??D83DDJ, com a nova redação dada pela Cei n"
39"AJ:8599<F ( admiss+vel a referida isenção" /*sp J4A"?A<-MG, /el" Min" Cui, 7u&, julgado em
39858599:"
PRE,A2<RIO43 4EGHE42RO3 ,RIDI2O A:I-EN2AR3
#rata-se de precatrio e&pedido a t+tulo de honor0rios advocat+cios em ação de desapropriação,
na qual o *stado do /io de $aneiro foi condenado" 2or força do caput do art" A? do .6C#
=ndash> que ressalva a aplicação do seq'estro quando se tratar de cr(dito de nature,a alimentar
=ndash> não e&iste direito l+quido e certo ao impetrante, ve, que seu pedido ( fa,er o seq'estro
dos valores necess0rios ! satisfação de seu precatrio e dos que antecede, sem se referir a uma
quantia l+quida" . #urma negou provimento ao agravo regimental" .g/g no /MS 34"955-/$, /el"
Min" 7rancisco 7alcão, julgado em 39858599:"
OA;3 E42A>ICRIO3 E6A-E3
#rata-se de saber se aquele que requereu sua inscrição como estagi0rio junto ! G.N, aps a
publicação da Cei n" ?"D9483DD: E*statuto da G.NF, e concluiu o est0gio dentro do pra,o
assinalado pelo art" ?: da referida lei, tem ou não direito ! inscrição na Grdem como advogado,
sem a necessidade de prestar e ser aprovado em e&ame de ordem" 2rosseguindo o julgamento,
a #urma deu provimento ao recurso para negar ao recorrido sua inscrição na G.N, sem que
tenha sido previamente aprovado em e&ame reali,ado por aquela instituição" /*sp J9D"<49-/S,
/el" Min" 7rancisco 7alcão, julgado em 39858599:"
I-PO42O DE RENDA3 VER;A4 INDENI?A2<RIA43 2ER-O INI,IA:3
G termo inicial do pra,o prescricional para pleitear a restituição dos valores indevidamente
retidos na fonte, a t+tulo de imposto de renda incidente sobre f(rias, licenças-pr-mio, folgas e
abonos não usufru+dos, começa a fluir decorridos cinco anos contados a partir do fato gerador,
acrescidos de mais um q'inq'-nio, computados desde o t(rmino do pra,o atribu+do ! 7a,enda
2@blica para verificar o valor devido referente ao tributo" 2recedentes citadosH /*sp <<5"<?:-67,
6$ 3A8338599<> */*sp :55"5J<-67, 6$ 5?8338599<, e .g/g no /*sp :5<"55:-67, 6$ :83385995"
.g/g no /*sp <5A"3DD-67, /el" Min" 6enise .rruda, julgado em 39858599:"
DEFI,IEN2E FB4I,O3 AG7I4I8=O DE VEB,7:O3 I4EN8=O3 IPI3
. #urma proveu o recurso da recorrente portadora de defici-ncia f+sica =ndash> .trofia Muscular
*spinhal 2rogressiva =ndash>, incapa, de dirigir ve+culos, que requereu ao 6elegado da /eceita
7ederal em MG o benef+cio de isenção do B2B" Mesmo que o automvel seja dirigido, em seu
favor, por outrem Eart" 3L, M 3L, da Cei n" ?"D?D83DDJ, com a nova redação dada pela Cei n"
39"AJ:8599<F ( admiss+vel a referida isenção" /*sp J4A"?A<-MG, /el" Min" Cui, 7u&, julgado em
39858599:"
4e%#nda 2#rma
,RIDI2O ED7,A2IVO3 ,API2A:I?A8=O3 J7RO43
#rata-se, na esp(cie, do cabimento ou não da capitali,ação de juros no cr(dito educativo, ainda
que prevista no contrato, diante do art" :L do 6ec" n" 55"45483D<< ECei de %suraF" 2rosseguindo o
julgamento, a #urma negou provimento ao recurso por entender que o sistema jur+dico p0trio,
salvo e&pressa disposição de lei em contr0rio, veda o anatocismo, por ofensa ! Cei de %sura, de
acordo com a jurisprud-ncia assente" 2recedentes citadosH /*sp :44"A5D-S2, 6$ 3L8D8599<, e
/*sp :A3"<45-S2, 6$ J8J8599<" /*sp J<?"3:<-/S, /el" Min" *liana Calmon, julgado em
39858599:"
RE,7R4O3 2E-PE42IVIDADE3 PRO2O,O:O3 O72RO 2RI;7NA:3
. #urma não conheceu do agravo regimental em agravo de instrumento, considerando
intempestivo recurso protocolado por engano e dentro do pra,o, em outro #ribunal, em atenção
ao princ+pio da segurança jur+dica" /essaltou-se que a aferição da tempestividade d0-se com
base na data da entrada da petição no protocolo deste Superior #ribunal" .g/g no .g :94":A<-
S2, /el" Min" $oão Gt0vio de Noronha, julgado em 39858599:"
2er&eira 2#rma
K>ARAN2IDOR 4O:IDCRIOL3 O72OR>A 76<RIA3
Não h0 como se confundir a figura do Ointerveniente garantidor solid0rioO com a do avalista ou
fiador" 6essarte, não lhe são aplic0veis disposiç1es legais cab+veis ! fiança, o que afasta a
necessidade da outorga u&ria" 2recedentes citadosH /*sp 4"54?-MG, 6$ 598J83DD3, e /*sp
<"5<?-MG, 6$ 3D83383DD9" /*sp J<?"?<5-/S, /el" Min" Carlos .lberto Mene,es 6ireito, julgado
em 39858599:"
,ON2RA2O3 AN7:A8=O3 A2O 4I-7:ADO3 PR<PRIA 2ORPE?A3
Gs recorrentes celebraram contratos de parceria pecu0ria, por(m querem sua anulação ao
fundamento de que praticaram ato simulado, tratando-se, em realidade, de contratos de m@tuo
com juros usur0rios, a conhecida Ovaca-papelO" *ntão o #ribunal a quo afastou a anulação,
lastreando-se no princ+pio de que ningu(m pode vir a ju+,o para alegar a prpria torpe,a Enemo
auditur propriam turpitudinem allegansF" Nesta instPncia, a #urma, prosseguindo o julgamento,
entendeu que os recorrentes poderiam requerer, em ju+,o, a anulação daquele ato simulado,
determinando a remessa dos autos ao #ribunal a quo para que proceda ao julgamento da
apelação" Q necess0rio admitir que um dos contratantes requeira a anulação do ato simulado
com fraude ! lei para que se faça cessar a prpria fraude e se aplique a lei turbada" .notou-se,
tamb(m, que o novo Cdigo Civil não mais distingue a simulação inocente da fraudulenta e nem
pro+be que um dos contratantes alegue a simulação em defesa contra o outro Eart" 34A do
CC85995F" 2recedentes citadosH /*sp 5"534-S2, 6$ 3L8A83DD3> /*sp 3D4"<3D-MS, 6$ :8D85999,
e /*sp <<3"599-MS, 6$ 598J85995" /*sp ::3"D9<-S2, /el" Min" NancR .ndrighi, julgado em
39858599:"
AR3 VIO:A8=O3 :EI3 AP:I,A8=O3 O72RA :E>I4:A8=O3
2rosseguindo o julgamento, a #urma entendeu que, se a ação rescisria foi ajui,ada em ra,ão
da violação de determinada lei, não pode o julgador acolher o pedido para afastar a coisa julgada
ao argumento de violação de outra legislação, diversa da que o autor alega" Gutrossim entendeu
que não se aplicam os dispositivos do C6C ao ato jur+dico perfeito reali,ado antes de sua
vig-ncia Eart" 33? do C6CF" *6cl nos *6cl no /*sp 3J4"<53-S2, /el" Min" .nt;nio de 20dua
/ibeiro, julgados em 39858599:"
,ONDO-BNIO3 DE4PEJO3 DE,I4=O3 -AIORIA3
G recorrido busca o pagamento de indeni,ação dos co-propriet0rios, visto que foi obrigado a
desocupar o imvel comercial comum, onde mantinha a sede de sua imobili0ria, em ra,ão do
desinteresse dos demais cond;minos em manter a locação e a proced-ncia da conseq'ente
ação de despejo" Bsso posto, a #urma entendeu que não h0 como se interpretar o despejo do
recorrido como abuso de direito por parte dos demais cond;minos, visto que a decisão pela
desocupação, alienação do imvel e e&tinção do condom+nio foi tomada pela maioria Eart" 4<A, M
3L, do CC83D34F, frente ao valor +nfimo do aluguel pago e da manifesta animosidade entre as
partes" Note-se que o imvel va,io em regra ( vendido mais facilmente do que o locado e o
preju+,o decorrente da não utili,ação do imvel alcança todos os cond;minos, guardada a
proporção de cada quinhão" .ssim, resta ao recorrido apenas subordinar-se ! decisão da
maioria" /*sp 43<"D<3-S2, /el" Min" Castro 7ilho, julgado em 39858599:"
G#arta 2#rma
,ON2RA2O3 RE4I:I8=O3 ,O-PRA E VENDA3 PER,EN27A:3 RE2EN8=O3 PAR,E:A4
PA>A43
. #urma proveu em parte o recurso, ao entendimento de que, havendo resilição de contrato de
compra e venda de imvel, por impossibilidade de adimplir o valor das prestaç1es, ( abusiva a
retenção acima de 5JS das quantias pagas pelo compromiss0rio comprador" 2recedentes
citadosH */*sp JD"?A9-S2, 6$ D83585995> /*sp 3D4"<33-MG, 6$ 3D8?85995> /*sp JD"454-S2, 6$
583585995, e /*sp 53?"9<5-MG, 6$ 5J8?8599<" /*sp J9?"9J<-MG, /el" Min" .ldir 2assarinho
$unior, julgado em 39858599:"
4eMta 2#rma
2RAN4A8=O PENA:3 -ENOR PO2EN,IA: OFEN4IVO3 PRERRO>A2IVA3 -P3
. Cei n" 35"5JD85993, no seu art" 5L, par0grafo @nico, ampliou o rol dos delitos considerados de
menor potencial ofensivo, derrogando o art" 43 da Cei n" D"9DD83DDJ" .ssim devem ser
considerados de menor potencial ofensivo, para efeito do art" 43 da Cei n" D"9DD83DDJ, os delitos
que a lei comine, no m0&imo, pena detentiva não superior a dois anos, ou multa, sem e&ceção"
Cogo, na esp(cie, est0 caracteri,ado crime de menor potencial ofensivo, suscet+vel de transação
penal de prerrogativa e&clusiva do Minist(rio 2@blico" 2recedentes citadosH /)C 3:"3:3-S2, 6$
D848599<, e )C 5J"3DJ-S2, 6$ <9848599<" )C 5:"3:?-S2, /el" Min" 2aulo Medina, julgado em
39858599:"