You are on page 1of 7

PLL: Conceito e Aplicações

Alunos: Pedro Cavaglieri e Renato Godinho

1) Conceito:

O PLL (phase-locked loop; em português, malha de sincronismo de fase) é um sistema de
realimentação negativa cuja operação está estreitamente vinculada à modulação em frequência.
Basicamente, consiste de um multiplicador, um filtro e um VCO (voltage controlled oscillator; em
português, oscilador controlado por tensão), conectados em conjunto na forma de um sistema de
realimentação (figura 1). O VCO é um oscilador senoidal cuja frequência é determinada pela tensão
que lhe é aplicada por uma fonte externa.


Fig. 1. Modelo básico de um PLL.

Suponhamos que ajustemos inicialmente o VCO de forma que, quando a tensão de controle for
zero, duas condições sejam satisfeitas:
1. A frequência do VCO é definida de maneira precisa na frequência da portadora não modulada
!
!
.
2. A saída do VCO tem um deslocamento de fase de 90º em relação à onda portadora não
modulada.
Suponhamos que o sinal de entrada aplicado ao PLL seja um sinal FM definido por
!!!! ! !
!
!"#!!!!
!
! ! !
!
!!!!
em que !
!
é a amplitude da portadora. O ângulo !
!
!!! se relaciona à mensagem !!!! através da
integraldo po
!
!
!!! ! !!!
!
!!!!!"
!
!

em que !
!
é a sensibilidade à frequência do modulador. Seja a saída do VCO no PLL definida por
!!!! ! !
!
!"#!!!!
!
! ! !
!
!!!!
em que !
!
é a amplitude. Com a tensão de controle !!!! aplicada à entrada do VCO, o ângulo !
!
!!! se
relaciona a !!!! pela integral
!
!
! ! !!!
!
! ! !"
!
!

em que !
!
é a sensibilidade à frequência do VCO, medida em !!"!!!.
O objetivo do PLL é gerar uma saída do VCO !!!! que tenha o mesmo ângulo de fase (com
exceção da diferença fixa de 90º) que o sinal FM de entrada !!!!. Como o ângulo de fase !
!
!!! que
caracteriza !!!! depende do sinal !!!!, recuperando !
!
!!! podemos estimar !!!!. De outra forma, o
PLL pode servir para o caso em que o ângulo !
!
!!! representa um deslocamento de fase indesejável
causado por flutuações no canal de comunicação. Nesse caso, deseja-se rastrear !
!
!!! de modo a
produzir um sinal que possua a mesma fase e utilizá-lo na detecção coerente.

2) Modelo não-linear do PLL

De acordo com a figura 1, o sinal FM !!!! que chega e a saída do VCO !!!! são aplicados ao
multiplicador, produzindo duas componentes:
1. Uma componente de alta frequência, representada pelo termo de frequência dobrada:
!
!
!
!
!
!
!"#!!!!
!
! ! !
!
!!! ! !
!
!!!!
2. Uma componente de baixa frequência representada pelo termo de frequência diferença:
!
!
!
!
!
!
!"#!!
!
!!! ! !
!
!!!!
em que !
!
é o ganho do multiplicador, medido em !!
!!
!.
O filtro do PLL é um filtro passa-baixas, e sua resposta à componente de alta frequência será
desprezível. O VCO também contribui para a atenuação dessa componente. Portanto, descartando-se a
componente de alta frequência (isto é, o termo de frequência dobrada), a entrada para o filtro será
reduzida para
! ! ! !
!
!
!
!
!
!"# !
!
!
em que o termo !
!
!!! é o erro de fase, dado por
!
!
!!! ! !
!
!!! ! !
!
!!! ! !
!
!!! ! !!!
!
!!!!!"
!
!

O filtro opera sobre o eixo !!!! para produzir uma saída !!!! definida pela integral de convolução
!!!! ! !!!!!!! ! !!!"
!
!!

em que !!!! é a resposta do impulso do filtro.
Finalmente, é possível obter uma equação íntegro-diferencial não linear como o descritor do
comportamento dinâmico do PLL:
!!
!
!!!
!"
!
!!
!
!!!
!"
! !!!
!
!"#!!
!
!!!!!!! ! !!!"
!
!!

em que !
!
é um parâmetro de ganho de malha definido por
!
!
! !
!
!
!
!
!
!
!

O diagrama de blocos da figura 2 ilustra esse modelo não-linear. Nesse modelo, o multiplicador é
substituído por um subtrator seguido de uma não-linearidade senoidal, e o VCO é substituído por um
integrador.


Fig. 2. Modelo não linear do PLL.

3) Modelo linear do PLL

Quando o erro de fase !
!
!!! é zero, diz-se que o PLL está com fase travada (phase-lock). Quando
!
!
!!! é pequeno, podemos usar a aproximação
!"#!!
!
!!!! ! !
!
!!!
que tem uma precisão de 4% para !
!
!!! menor que !!! !"#. Nesse caso, diz-se que o sistema está
próximo ao bloqueio de fase, e a não linearidade senoidal da figura 2 pode ser desconsiderada. Desse
modo, podemos representar o PLL pelo modelo linearizado da figura 3. De acordo com esse modelo, o
erro de fase !
!
!!! se relaciona com a fase de entrada !
!
!!! pela equação íntegro-diferencial linear
!!
!
!!!
!"
!
!!
!
!!!
!"
! !!!
!
!
!
!!!!!! ! !!!"
!
!!

Aplicando a transformada de Fourier na equação acima, temos
!
!
!!! !
!
! ! !!!!
!
!
!!!
A função !!!! é dada por
!!!! ! !
!
!!!!
!"

em que !!!! é a função de transferência do filtro. !!!! é chamada função de transferência de malha
aberta do PLL. Suponhamos que, para todos os valores de ! dentro da banda base, nós façamos a
magnitude de !!!! ser muito maior que um. Assim, verifica-se que !
!
!!! se aproxima de zero. Ou
seja, a fase do VCO se torna assintoticamente igual à fase do sinal de entrada. Sob essa condição, o
PLL é estabilizado, e o seu objetivo é, portanto, satisfeito.


Fig. 3. Modelo linear do PLL.

De acordo com o diagrama de blocos apresentado, vemos que !!!!, a transformada de Fourier da
saída do PLL !!!!, se relaciona com !
!
!!! por
!!!! !
!
!
!
!
!!!!!
!
!!!
Podemos escrever então
!!!! !
!"
!
!
!!!!!
!
!!!
Finalmente,
!!!! !
!
!"
!
!
!!!!!
! ! !!!!
!
!
!!!
Se o ganho de malha aberta do PLL é muito grande, isto é, !!!! ! ! na banda de interesse,
podemos aproximar a expressão acima por
!!!! !
!"
!
!
!
!
!!!
O que, no domínio do tempo, é equivalente a
!!!! !
!
!!!
!
!!
!
!!!
!"

Desse modo, dado que a magnitude da função de transferência de malha aberta seja muito grande
para todas as frequências de interesse, o PLL pode ser modelado como um diferenciador cuja saída é
escalonada pelo fator
!
!!!
!
. Assim, como !
!
!!! ! !!!
!
!!!!!"
!
!
, fica claro que
!!!! !
!
!
!
!
!!!!
A complexidade do PLL é determinada pela função de transferência do filtro. A forma mais simples
é obtida quando !!!! ! !, isto é, quando não há filtro, e o PLL resultante é referido como um PLL de
primeira ordem. Uma importante limitação de um PLL de primeira ordem é que o parâmetro de ganho
de malha !
!
controla tanto a largura de banda do sistema quanto a banda de frequências de captura
(banda de frequências para o qual o sistema permanece sincronizado em fase com o sinal de entrada). É
por essa razão que um PLL de primeira ordem é raramente utilizado na prática.

4) Circuitos comuns
A utilização do PLL na prática é feita com circuitos integrados. O mais comum é o NE567, cujo
diagrama esquemático se encontra na figura 4.


Fig. 4. Circuito integrado de um PLL.

Um circuito básico para a utilização desse CI é o da figura 5, que funciona como demodulador FM.


Fig. 5. Aplicação básica do NE567.

Além de receptor FM, o PLL pode ser aplicado em várias outras modulações. As figuras a seguir
mostram outras aplicações relevantes do NE567.


Fig. 6. Demodulador PWM com NE567


Fig. 7. Decodificador para DTMF.


Fig. 8. Indicador de frequência para aplicações na indústria.