You are on page 1of 3

Superintensivo OAB 1ª Fase – AULA 1 – Processo Penal

• Inquérito Policial

Inquérito Policial é o conjunto de diligência realizada pela polícia
investigativa para apuração da autoria afim de que o titular da ação penal
possa ingressar em juízo;

Natureza Jurídica: O IP é dotado de natureza administrativa. Por dois
motivos, quais sejam:

1. Procedimento Preparatório que antecede a ação penal;

2. IP é instaurado pela Polícia Judiciária órgão vinculado ao Poder
Executivo e não ao Poder Judiciário;

Quanto a finalidade do IP é apurar a infração penal e sua autoria
fornecendo, elementos de informação (são os elementos colhidos na fase
investigativa acerca da materialidade e da autoria da infração, sem a
participação dialética das partes) para que o titular da ação penal possa
ingressar em juízo.

• Características:

1. Discricionariedade: isto significa que a autoridade policial
(delegado) pode atender ou não diligências requeridas pela vítima ou
investigado;

Exceto: Exame de corpo de delito vide art. 184, CPP. Isto significa
que se a vítima ou o investigado requerer a realização do exame de corpo de
delito nessa hipótese o delegado está compelido (obrigado) a realizar.


2. IP deve ser escrito (art. 9°, CPP). Atos produzidos oralmente
devem ser reduzidos a termo, p. ex.: depoimento de uma testemunha;

3. IP é essencialmente sigiloso, este sigilo todavia não se estende
nem ao juiz do caso, nem ao membro do MP que nele atua;

Advogado pode ter acesso aos autos do IP? Esta questão
sempre foi muito controvertida, mas o STF coloca um ponto final na
discussão ao editar a Súmula Vinculante n. 14. Nesta súmula o Supremo
garante, sim ao advogado acesso aos autos do IP, mas garante acesso às
informações que já foram introduzidas / incorporadas nos autos do
inquérito policial. Diligências sigilosas que ainda estejam em andamento
o advogado não tem acesso sob penal de frustrá-las.

4. Oficiosidade: Em regra, a autoridade policial tomando
conhecimento da existência de uma infração penal deverá instaurar o IP de
ofício.

Exceções:

a) Crimes de Ação Penal Pública Condicionada;

b) Crimes de Ação Penal Privada;

5. Indisponibilidade: Significa que o delegado não pode arquivar
autos do inquérito. Para esta possibilidade não existe exceção. O IP é
arquivado por decisão homologatória judicial por promoção do MP, ou seja, o
IP é arquiva pelo juiz a requerimento do MP.

6. IP é Inquisitivo/Inquisitório ou Inquisitorial: Significa que o IP
não se desenvolve sob o crivo do contraditório ou da ampla defesa. Isto
significa que as partes não produzem provas no inquérito, nem o indiciado tem
a oportunidade de defesa.

Como as partes não produzem provas, como o investigado não tem
oportunidade de defesa a presença de advogado é meramente facultativa.

Exceção: a única exceção é o inquérito policial instaurado pela
Polícia Federal visando a expulsão de estrangeiro.

7. Dispensabilidade: O IP é meramente informativo, ou seja, ele não
é imprescindível para a propositura da ação penal, p. ex.: inquérito
parlamentar.