You are on page 1of 2

M192 – Matemática II

1
o
Teste 24 de março de 2014 Duração: 1hr30m (sem tolerância)
Nome completo
Curso No. mecanográfico
Total
Instruções: O teste tem que ser resolvido nos espaços indicados nesta página e verso. Esta folha é devolvida ao
professor no fim do teste. Não é permitido o uso de calculadoras e os telemóveis têm que estar desligados. Em todas
as questões envolvendo os espaços vetoriais reais R
2
, R
3
e R
4
, assuma que estão munidos das operações usuais.
Exercício 1 (0,5 val) Considere o espaço vetorial R
3
e os seguintes subconjuntos:
U = {(x, y, z) ∈ R
3
| x −3z = 0 e x = y = z} e V = {(x, y, z) ∈ R
3
| x
2
= y
2
}.
Assinale a única afirmação correta:
A.

U é subespaço vetorial de R
3
mas V não é. B. V é subespaço vetorial de R
3
mas U não é.
C. U e V são subespaços vetoriais de R
3
. D. Nem U nem V são subespaços vetoriais de R
3
.
Exercício 2 Considere em R
3
o subespaço E = G({(1, 2, 3), (1, 2, 4)}) gerado pelos vetores (1, 2, 3) e (1, 2, 4).
(a) (0,75 val) Assinale a única afirmação correta:
A.

E = {(x, y, z) ∈ R
3
| y = 2x}. B. E = {(x, y, z) ∈ R
3
| y = 2x e x = 0}.
C. E = {(x, y, z) ∈ R
3
| y = 2x e x = 1}. D. E = {(x, y, z) ∈ R
3
| z = 2y}.
(b) (0,75 val) Uma base de R
3
que inclui os vetores (1, 2, 3) e (1, 2, 4) é: (complete sem justificar)
Por exemplo, ((1, 2, 3), (1, 2, 4), (1, 0, 0)) .
Exercício 3 (0,75 val) Seja S = G({(1, 0, 0, 2), (0, 2, 3, 4), (1, 2, 3, 6)}) o subespaço de R
4
gerado pelos vetores
u = (1, 0, 0, 2), v = (0, 2, 3, 4) e w = (1, 2, 3, 6). Assinale a única afirmação correta:
A. u, v e w são linearmente independentes. B.

dimS = 2.
C. dimS = 3. D. S = R
4
.
Exercício 4 (0,75 val) Considere o espaço vetorial R
3
[X] dos polinómios de grau menor ou igual a 3 e o subespaço
W = {p ∈ R
3
[X] | p(0) = 0 = p(1)}. Assinale a única afirmação correta:
A.

dimW = 2. B. (X
2
−X, X
3
−X
2
, X
3
−X) é uma base de W.
C. (X, X
2
, X
3
) é uma base de W. D. (1, X, X
3
) é uma base de W.
Exercício 5 Considere as bases B = ((1, 0, 0), (0, 1, 0), (0, 0, 1)) e C = ((1, 0, 0), (0, 1, 0), (0, 1, 1)) de R
3
e a aplicação
linear f : R
3
→R
3
cuja matriz relativamente a estas bases é
M
B,C
(f) =


1 −2 −1
0 2 1
−1 0 −1


.
Complete sem justificar:
(a) (0,75 val) f(x, y, z) = (x −2y −z, −x + 2y, −x −z)
(b) (0,5 val) ker(f) = {(0, 0, 0)}
(c) (0,5 val) im(f) = R
3
1
Exercício 6 Considere as bases B = (b
1
, b
2
, b
3
) e C = (c
1
, c
2
, c
3
) de R
3
e a matriz
M
B,C
(id) =


2 0 −2
−2 3 −1
2 3 1


.
(a) (0,75 val) (Complete sem justificar) As coordenadas de b
1
+b
2
na base C são: (2, 1, 5)
(b) (0,75 val) Assinale a única afirmação correta:
A.

M
C,B
(id) =
1
6


1 −1 1
0 1 1
−2 −1 1


. B. M
C,B
(id) =
1
6


1 0 −2
−1 1 −1
1 1 1


.
C. M
C,B
(id) =


1 −1 1
0 1 1
−2 −1 1


. D. M
C,B
(id) =
1
6


1 −1 2
0 1 0
−2 −1 −2


.
Exercício 7 Considere a aplicação linear f : R
3
→ R
3
definida por f(x, y, z) = (3x, x + 2y, x + 3z), (x, y, z) ∈ R
3
.
Assinale em cada alínea a única afirmação correta:
(a) (0,75 val)
A. f é injetiva mas não sobrejetiva. B. f é sobrejetiva mas não injetiva.
C. f não é injetiva nem sobrejetiva. D.

f é bijetiva.
(b) (0,75 val)
A. 0 é valor próprio de f. B. (1, 0, 0) é vetor próprio de f.
C.

(0, 1, 0) é vetor próprio de f. D. f é diagonalizável.
Exercício 8 (0,75 val) Considere R
3
munido do produto escalar usual e S o seguinte subespaço vetorial de R
3
:
S =

(x, y, z) ∈ R
3
: 3x + 4y = 0

. Indique, sem justificar, uma base ortonormada de S:
Por exemplo,

4
5
, −
3
5
, 0

, (0, 0, 1)

.
Exercício 9 (0,5 val) Indique, justificando no local assinalado, se a afirmação seguinte é falsa ou verdadeira:
{(x, y, z) ∈ R
3
| x +y = 0 e 2y +z = 0} ∪ {(x, y, z) ∈ R
3
| x −y +z = 0} é um subespaço de R
3
.
F V Justificação:
Os vetores (1, −1, 2) e (1, 1, 0) pertencem ao conjunto indicado; no entanto a sua soma
(1, −1, 2) + (1, 1, 0) = (2, 0, 2)
não pertence a esse conjunto. Logo o conjunto indicado não é fechado para a soma de vetores e consequentemente
não é um subespaço de R
3
.
Exercício 10 (0,5 val) Dado f : R
3
→R
3
um endomorfismo diagonalizável, pode concluir que f ◦f é diagonalizável?
Deve justificar convenientemente a resposta.
Sim. Seja B = (u
1
, u
2
, u
3
) uma base de R
3
formada por vetores próprios de f. Digamos que f(u
i
) = λ
i
u
i
para
i = 1, 2, 3, onde λ
i
∈ R. Então
f ◦ f(u
i
) = f(f(u
i
)) = f(λ
i
u
i
) = λ
i
f(u
i
) = λ
2
i
u
i
.
Logo u
i
é um vetor próprio de f ◦ f e B é uma base de R
3
formada por vetores próprios de f ◦ f. Conclui-se
portanto que f ◦ f é diagonalizável.
2