Time Advance

One of the biggest challenges in Planning, Designing and even Optimization of Mobile Networks is to
identify where the users are, or how they are distributed.

Although this information is essential, it is not so easy to be obtained. But if we have and know how to use
some counters related to this kind of analysis, everything is easier.
For GSM, we have seen that we can have a good idea of the location (distribution) of users through the
measures of TA (Timing Advance), as we detailed in a tutorial about it.
Today we are going a little further, and know the equivalent parameters in other technologies, such as
WCDMA (and LTE).

Goal
Learn the Performance Indicators related to the users distribution in a multi-technology mobile network, and
also learn how to use these indicators together in analysis.

TA in 2G (GSM)
We've aready talked about TA in GSM in another tutorial, so let's just remember the most important
concept.
TA (Timing Advance) allows us to identify the distribution of 2G (GSM) users regarding its serving cell,
based on signal propagation delay between the the UE's and the BTS. The GSM mobile (from now on, we
will call here UE too - as in 3G) receives data from BTS, and 3 time slots later sends its data. It is sufficient
if the mobile is close to the BTS, however, when the UE is far away, it must take into account the delay that
the signal will have to go through the radio path.
So: the UE sends the TA data together with other measures for the necessary time adjustments to be made.
In this way, we indirectly get a map with the distribution of users, or their probable location area,
corresponding to the coverage area of the cell, with a minimum and maximum radius. The following figure
shows this more clearly, for an antenna with 65 HBW, and maximum (1) and minimum (2) radius.


And in 3G and 4G (WCDMA, LTE), does we also have TA?
The expected question here is: does we have TA in 3G/4G? The answer is Yes, but in WCDMA the name is
another, it is called Propagation Delay. (In LTE, we have both parameters - TA and PD).
So, let's learn a little more about it.

Propagation Delay in 3G (WCDMA)
As we've told, in 3G the corresponding parameter to TA in 2G (GSM) is the Propagation Delay. With this
parameter, we can estimate the distance between the UE and the serving cell, in the same way as we do in
GSM.
But in 3G it has some different characteristics. To begin with, 3G measurements are made by the RNC, and
not by the UE.
In one recent 'RRC and RAB' tutorial we have seen how an RRC connection is established, where the UE
sends a 'RRC CONNECTION MESSAGE' message. When the RNC receives this message, it sends another
message back to NodeB, to set up a Radio Link ('RADIO LINK SETUP REQUEST') (1). This message
contains the Information Element with the Propagation Delay data, that is, the delay that has already been
checked and adjusted to allow transmissions and reception synchronization.


As already mentioned, the information does not come from the UE as in GSM, but is the information that
the RNC already has to make the communication possible: the information of this delay, the Propagation
Delay Information Element (IE) is sent every 3 chips.
So let's do some math.
 We know that the WCDMA has a constant rate equal to 3.84 Mcp chip/s.
 We also know (we consider) that the speed of light is 300,000 km/s.
In 1 second I have 3.84 M chips, in how many seconds I have 3 chips? Answer: 0.26 ps (pico seconds).
As we have seen that the information is sent every 3 chips, the total is 3 x 0.26 = 0.78 ps ps, which is the
Propagation Delay time granularity.
And now let's translate this minimum value into Distance: If I run 300,000 miles in 1 second, what distance
I run in 0.78 ps? Answer: 234 meters.


In other words, have the Propagation Delay with granularity of 234 meters!
Note: it is important to know that this distance information is available to the system not only in the
establishment of the call, but also during the entire existence of it.

Round Trip Delay - Round Trip Time (RTT)
When we talk about Propagation Delay, there's another very important concept, related to the subject and
used in several other areas that involve communication between two points: the Round Trip Delay & Time.
Let's understand what it is with an example. Imagine a simple communication between two people, where
the first say 'Hi', and the second one also answers 'Hi'.


In an ideal world, first person speech travels up to the second one, taking a certain amount of time (t1), and
the speech of the second person returns with a time (t2). So, we have a total time elapsed from when the first
person said 'hi' till he received the other guy's answer. This time is the Round Trip Time, or the time at
which a signal travels a route until the response is received back at the source.
Bringing this analogy to an UE and a NodeB, we have the image below.

:: RTT = (t1 + t2)
In fact, the approach above is very close to real. But we have to consider also the time in which the receiver
takes to 'process' the information, or the time it takes to respond after receiving the information.
Considering then this 'latency' time (TL), the RTT is so as:

:: RTT = (t1 + t2) + TL

So, we understand then what is RTT. But how do I use it?
This information is very important to the system, and can be used for several purposes. One of them for
example, can be also to find UE's locations. Our goal today is to know all means to find the location
information of the UE's, remember?
Well, this is another method (in addition to the counters, as we shall see soon). When the NodeB sends a
message to the UE it knows exactly what time is. And then, when it receive a response from the UE, it also
knows exactly that other time!
So, it just do the subtraction of the times to find the RTT, and calculate the distance! Note: the time used for
the calculation is half of the RTT as the RTT is the round-trip path. In this case, the latency time on the
receiver is 'disregarded'.
With this distance information we can draw a circle with the likely area where the UE is. And if it is being
served by various cells, the intersection of the circles of each one of them gives us a more accurate
positioning (it is what we call 'Triangulation'). And these calculations are even more accurate when other
information is used togheter, such as 'CellID', MCC, RNC, LAC and Call Logs (CHR), with much more
detailed information.


But let's go back to the case where we only use the information of Propagation Delay - that is our focus
today - and that already gives us sufficient allowance for several very interesting analysis.

TA and PD (Propagation Delay) counters
The Propagation Delay information are (also) available in simple form of Performance counters.
These types of counters are available in pre-set ranges according to each vendor. The ranges vary from 1
Propagation Delay to several 'grouped' Propagation Delay.
For example in Huawei have some TA ranges in GSM, and other PD ranges in WCDMA (Note: Huawei
calls these propagation delay counter s as TP instead of PD). For an 'ideal' scenario, we would have counters
for 'each' Propagation Delay.


Actually, that's not what happens, because as we told before, they may be grouped into ranges. Note: the
reason for this is not the case, but really too many ranges may even disrupt analysis.
TP (Propagation Delay WCDMA in Huawei) has 12 ranges.


In the above figure we have PDTA from 0 to 11.
 For TP_0 the UE is between 0 and 234 meters from NodeB;
 For TP_1 the UE is between 234 and 468 meters from NodeB;
 ...
 For TP_36_55 the UE is between 8.4 and 13.1 km from NodeB;
 And for TP_56_MORE the UE is more than 13.1 km from NodeB.
In the GSM (Huawei) have the same concept.


Note: See however that the amount of ranges here (GSM) is much bigger, and only begin to be grouped
from 30 (from almost 17 km!).
With the counters organized in so different ways, be grouped by different ranges granularities, different
distance (550 m for GSM and 234 m for WCDMA) it is very difficult to analyze the propagations, or rather,
it is almost impossible to compare them...
And so what does we do, since we need to analyze the distribution of the UE's in a generic way, doesn't
matter if it is using 2G or 3G?
The solution that we found in telecomHall was to make an 'approach', that is, a way to be able to see where
we have more concentrated UE's, no matter if at the time they are using 2G or 3G. Even because, this
'distribution' among Technologies and Carriers depends on several factors, such as selection and handover
parameters, and also physical adjustments of radiant system. But the 'concentration' of users does not
depend on these factors: the total amount of users in a particular area is always the same!


To this, the module 'Hunter Propagation Analyzer' uses a methodology and 'particular' counters, allowing to
do this approach: we have created a range, and called it PDTA. As the 3G (Huawei, which we are using as
an example) has less ranges - only 12, we made the initial PDTA definition based on it. The result can be
seen in the table below.


Of course this approach or 'methodology' is not perfect, but in practice the outcome is very efficient. In
addition, if you need a more detailed analysis (for example if you need to know with more accuracy than the
approach presented here) just look to the original table, which contains each counter in its standard range in
original granularity.
For other vendors, the ranges may be different, but the methodology is always the same.
In Ericsson for example, the Propagation Delay WCDMA counter is 'pmPropagationDelay', and it is
collected by the RNC just like in Huawei.
It has 41 bins, being the first to indicate the maximum delay in chips (Cell Range), and other (1 to 40) to
inform the number of samples in the period, referring to the percentage of the maximum Cell Range.
When the UE try to connect at one point greater than the Cell Range it will fail.
Regarding to bins, the distribution goes from 0 to 100%, as the rule below:
 bin1: samples between 0 and 1% of Cell Range (for example, if the Cell Range is 30 km, bin1 has
the samples between 0 and 300 m from NodeB);
 bin2: samples between 1% and 2% of Cell Range;
 …
 bin40: samples between 96% and 100% of Cell Range.
And the 'adjust' of PDTA can be done the same way, depending on your need.
Conclusion: Different vendors have different propagation counters, and in different formats - but the
information is always the same! In all cases we can do the calculations that bring the analysis to the same
comparison universe, with the benefits that we've illustrated above.

Distribution of Radio Link Failure (GSM) and EcNo (WCDMA)
Okay, we've seen today how to check the distribution of UE's on 2G and/or 3G networks based on its
counters. But in addition, we have also other equally interesting information!
In GSM, in addition to PDTA, we were able to count Radio Link Failures. And this gives us a great
opportunity of crossing this information with the amount of Call Drops! The rule is simple: the point we
have a lot of Radio Link Failures, 'much' probably we also have a lot of Dropped Calls! The relation is
straightforward.
And in WCDMA, in addition to PDTA, we also have the average value of EcNo, that indicates the average
quality of a given cell/region!
Note: In Huawei, for the average value of Ec/No for each TP, take the counter value and use the formula:
EcNo = (value - 49) / 2.

TA in 4G (LTE)
As well as in 2G and 3G, we were also able to get the UE's distribution information in LTE. The concepts
applied are the same as already seen before, we can only point out that in LTE we have both TA and PD.
As today's tutorial is already quite extensive, we will finish this part here, but with the certainty that if you
assimilated what was presented, without any major problems you will be able to extend this information to
your specific scenario.

Practical Analysis
After having seen - even with a little more detail - the concepts of propagation (including Failures in GSM
and EcNo in WCDMA), we will see some possible analysis that we can do in practice.
We have already said that the professional who has experience on this kind of analysis can improve enough
to network Indicators as Retainability and Accessibility. But how he manages to do this?
Simple: with the propagation analysis, it is possible to identify cells that are with their much greater
coverage than planned/expected - 'overshooting' cells, especially if they are reaching places where we have
other cells with better signal level!


In this case, we have pilot pollution, interference and high transmit power. As a result, increase of
Establishment Failures and Call Drops, both in overshooting cell, as in the other where it is interfering.
In addition, we can discover cells that have their coverage area in the same direction (sector), but that have
very different concentration (for example in the case of 3 WCDMA carrier, where one Carrier can be with
the highest concentration of users closer to the cell, and another with this concentration away – don't worry,
we will see examples below and will be easier to understand).
This difference of distribution/concentration can be seen between the multi-technologies of the sector, for
example, if the GSM coverage is much smaller than the WCDMA and vice versa. In this case, it serves as a
great call for adjustments of tilts and azimuth between the antennas in this sector.


Practical analysis – Worksheets and Charts
Using data from simple counters, we already have excellent ways of analysis like charts and graphs. For
example, the following is a complete view of a particular sector of our network (all cells of all technologies
and all carriers). Note that the simple thematic distribution obtained with Excel Conditional Formatting
already gives us a clear vision of this sector.


Filtering only for the contribution ('PDTA_P') of each cell, we can see clearly that a sector (Hxxx21) is with
its coverage beyond the expected (1).


In addition, we were able to match (1) failures (now filtering by 'ECNORLFAIL_P'), showing the
immediate need for actions in this sector.


Practical Analysis - Maps
In addition to the simple analyses on charts and tables, we can geo-reference it, with a direct relationship
with the coverage area. For demonstration, we create some dummy PDTA data of our network. Note: A real
network has much more cells, but with these few sample data we can show the main points of analysis.
Continuing, we will then see the PDTA data of 4 examples sites plotted.
To analyze the PDTA distribution in Google Earth, we use a report generated by the 'Hunter GE
Propagation Analyzer' module*, and so we need to know the criteria that we are using: in this report, the
heights (1) from each region (PDTA of 0 to 11) represent the percentage of samples in that region. And the
colors (2) represent the Quality: EcNo to UMTS, and Radio Link Failure % for GSM. *Note: you can build
your reports in Google Earth and/or Mapinfo, just follow and apply the concepts presented here to your own
tools/macros.


The data are grouped in 'Folders', with the first level being the sector (1) (a specific direction for all cells of
all technologies and carriers). At the second level, we have the ranges (2) of PDTA percentage (how many
samples from total cell samples we have in each region). And in the third level we have cells/PDTA (3).


Also equally important is the definition of the range used in the generation of the data, and consequently in
the legend. Note that we use the same coloring scale for EcNo and Radio Link Failure. So, no matter if the
coverage is GSM or UMTS - for example if the region is Red, we know it's bad! (Or WCDMA EcNo worse
than -16 dB, or GSM Radio Link Failure more than 50%!).


Knowing these details, we can do some demonstrations. Giving a zoom in a more extensive area, we see
that we have multiple cells with coverage in places where they should not be covering. Of course, these
points have a few samples, but with vary bad quality, as we see in the region shown below (1) - ranges
mostly Pink, Red and Orange.


Analyzing specific cells, for example 'AAN', we see that the same coverage area is much larger than it
should (overshooting cell), both the GSM (1) and UMTS (2) are more than 4 km of the serving cell.


In this case, we have another interesting point, also seen below: most of the users in the region (1) are
served almost exclusively by GSM. Now in region (2) almost all users use WCDMA. This is another point
of optimization: these coverages should be, as far as possible, 'proportional'.


Another example: the 'ABU' site is a typical case of need of urgent action, for example by increasing the
tilt's of overshooting cells. Too many samples at more than 4 km, and with poor quality. As these are cells
of an urban area, and in addition we have other cells serving that distant locations, it is recommended to
increase tilt, and later run a new analysis.


The opposite of what we saw above is also possible: we can identify cells that have a very good coverage
area (in this case, a more contained area), and with excellent quality levels (Green and Blue).


We could go on demonstrating several other analyses that are possible using the data presented here today.
However, the best way is that you use these incredible resource in your analysis, because with no doubt it
represents a big help.
Many people try to optimize the network based on parameter changes only. But we saw that in many cases
like above, there may be situations where the most recommended is physical intervention (adjusting of
Antenna, Height, Azimuth, Tilt, etc...).
No doubt the analysis presented in this tutorial are essential to the improvement of any mobile network, and
if you so far haven't used, it's a good time to start.

Conclusion
We learned today an important concept used in many areas of mobile 2G/3G/4G networks: the propagation
delay, used as a tool for assessment of the geographical distribution of users.
The measures are the Timing Advance, that in GSM is measured by the UE, and Propagation Delay, that in
UMTS is is calculated by the RNC. Both allow us to estimate the distance of the UE until the serving cell,
consequently allowing several analysis, exemplified above.
The TA in GSM has a granularity of 550 meters, and the Propagation Delay in WCDMA has granularity of
234 meters. Using these measures, we can 'see' exactly where network users are distributed at a level of
cell/carrier/technology in each region.
In addition, we have other measures, also mapped by region: EcNo for WCDMA and Radio Link Failure for
GSM.
All these measures together with other network information (Radiant Systems, Azimuths, Tilts, etc ...) give
a huge help to the telecom professional for analysis and optimizing tasks with significant results for the
improvement of the quality of the entire network.

O que é Tilt Elétrico e Mecânico em Antenas (e como usar)?

A eficiência de uma rede celular depende diretamente de uma correta configuração e ajuste dos sistemas
irradiantes: suas antenas de transmissão e recepção.
E uma das principais otimizações do sistema baseia-se no correto ajuste dos tilts das mesmas, ou seja, a
inclinação da antena em relação a um eixo. Consequentemente, direcionamos a irradiação mais para baixo
(ou mais para cima), concentrando a energia na nova direção desejada.
Quando a antena é inclinada para baixo, chamamos de ‘downtilt’, que é a utilização mais comum. Se a
inclinação for para cima (casos muito raros e extremos), chamamos de ‘uptilt’.
Nota: Por essa razão, sempre que nos referirmos a tilt daqui por diante neste tutorial estaremos falando de
‘downtilt’. Quando nos referirmos especificamente a ‘uptilt’, usaremos essa nomenclatura explicitamente.
O tilt é utilizado quando desejamos reduzir interferência e/ou cobertura localizada, fazendo com que cada
célula atenda apenas a sua área projetada.


Embora este seja um assunto complexo, vamos tentar entender de forma simples como tudo isso funciona?

Antes: Diagrama de Irradiação da Antena
Antes de falarmos sobre tilt, é necessário falar de um outro conceito muito importante: o diagrama de
irradiação das antenas.
O diagrama de irradiação de uma antena é uma representação gráfica de como o sinal se irradiará por aquela
antena, em todas as direções.
Fica mais fácil entender vendo um exemplo de um diagrama 3D de uma antena (no caso, uma antena
direcional com abertura horizontal de 65 graus).


A representação mostra de forma simplificada o ganho do sinal em cada uma destas direções. A partir do
ponto central de um eixo X, Y e Z, temos o ganho indicado em todas as direções.
Se olharmos o diagrama dessa antena ‘de cima’, e também ‘de lado’, veríamos algo como o mostrado a
seguir.


Esses são os diagramas Horizontal (visto de cima) e Vertical (visto de lado) da antena.
Mas embora essa visualização seja boa para entendermos melhor o assunto, na prática não trabalhamos com
os diagramas 3D, e sim com a representação 2D dos mesmos.
A mesma antena acima, então pode ser representada da forma a seguir.


Geralmente os diagramas apresentam linhas e números para nos ajudar a verificar o comportamento exato
em cada uma das direções.
 As ‘linhas retas’ nos informam a orientação (azimute) – como os números 0, 90, 180 e 270 nas
figuras acima.
 E as ‘curvas’ ou ‘círculos’ nos informam o ganho naquela direção (por exemplo, o círculo maior
informa onde a antena consegue um ganho de 15 db).
De acordo com o tilt aplicado, teremos então uma modificação desse diagrama, ou seja, afetamos a área de
cobertura. Por exemplo, se inclinarmos a antena mostrada acima com 10 graus de Tilt Elétrico, os diagramas
passam a ser como mostrados abaixo.


O mais importante aqui é entender bem esse ‘conceito’, e conseguir visualizar como seria o modelo 3D, a
partir dos diagramas Horizontal e Vertical.


Agora sim, o que é Tilt?
Certo, agora então podemos falar especificamente sobre Tilt. Vamos começar relembrando o que é o Tilt de
uma antena, e qual a sua finalidade.
O tilt representa a inclinação, ou ângulo da antena em relação ao seu eixo.


Como vimos, quando aplicamos um tilt, alteramos o diagrama de irradiação da antena.
Numa antena padrão, sem Tilt, o diagrama é formado como vemos na figura a seguir.


Existem dois tipos possíveis de Tilt (que podem ser aplicados em conjunto): o Tilt Elétrico, e o Tilt
Mecânico.
O tilt mecânico é bem fácil de ser entendido: inclinando a antena, através de acessórios específicos no
suporte da mesma, sem alterar a fase do sinal de entrada, o diagrama (e consequentemente as direções de
propagação do sinal) é modificado.


No caso do tilt elétrico, a modificação do diagrama é obtida da modificação das características de fase do
sinal de cada elemento da antena, como vemos abaixo.


Observação: o tilt elétrico pode ter um valor fixo, ou pode ser variável, ajustado geralmente através de um
acessório como uma haste ou parafuso com marcações. Esse ajuste pode ser manual ou remoto, nesse último
caso sendo conhecido como ‘RET’ (Remote Electrical Tilt) – normalmente um pequeno motor ligado ao
parafuso/haste de regulagem faz o trabalho de ajuste do tilt.
Sem dúvida a melhor opção é utilizar antenas com tilt elétrico variável, e com possibilidade de ajuste
remoto, pois dá muito mais flexibilidade e facilidade ao Otimizador.
Entretanto estas soluções são normalmente mais caras, e por isso as antenas com tilt elétrico variável
manual são mais comuns.
Assim, se você não tiver orçamento para antenas com RET, escolha pelo menos antenas com tilt elétrico
variável manual – somente quando não tiver escolha opte pelas antenas com tilt elétrico fixo.

Alterações nos Diagramas de Irradiação: depende do Tipo de Tilt
Já vimos então que quando aplicamos um tilt (elétrico ou mecânico) à uma antena, temos alteração da
propagação do sinal irradiado, pois alteramos o diagrama 3D como vimos anteriormente.
Só que essa variação é diferente dependendo do tipo de tilt: elétrico ou mecânico. Sendo assim, é muito
importante entender como o sinal irradiado é afetado em cada um dos casos.
Explicar esses efeitos através de cálculos e definições de db, ganhos e nulos no diagrama é possível. Mas as
figuras a seguir mostram de forma bem mais simplificada, como se comporta a abertura horizontal da antena
quando aplicamos tilt elétrico e mecânico.
Veja como fica o diagrama de irradiação Horizontal para uma antena com abertura horizontal de 90 graus.


Naturalmente, dependendo da abertura horizontal da antena, teremos outras figuras. Mas a idéia, ou o
‘comportamento’ é o mesmo. Abaixo, temos o mesmo resultado para uma antena com abertura horizontal de
65 graus.


Nosso objetivo com as imagens acima é que você compreenda como cada tipo de tilt afeta o resultado final
na cobertura – um dos objetivos mais importantes desse tutorial.
Mas a melhor forma de verificar esse conceito na prática é através da verificação da cobertura final que cada
um produz.
Para isso, então vamos tomar como referência uma predição bem simples de uma célula de exemplo. (Esses
resultados poderiam também ser obtidos através de um Drive Test detalhado na área de cobertura da célula).


Em seguida, vamos gerar mais 2 predições: a primeira com apenas tilt mecânico de 8 graus. E a segunda
apenas com tilt elétrico de 8 graus.


Analisando os diagramas para os dois tipos de tilt, bem como os resultados das predições (esses resultados
também são comprovados em medidas de drive test) percebemos que:
Com o tilt mecânico, a área de cobertura na direção central é reduzida, porém a área de cobertura
nas direções laterais são aumentadas.
Com o tilt elétrico, a área de cobertura sofre uma redução uniforme na direção do azimute da antena,
ou seja, o ganho é reduzido uniformemente.
Conclusão: As vantagens de um tipo de tilt em relação a outro então estão diretamente ligadas a sua
aplicação – quando uma das duas características acima for mais desejada/necessária.
Mas de forma geral, o conceito básico da aplicação de tilt é que quando aplicamos o tilt a uma antena,
melhoramos o sinal nas áreas próximas ao site, e pioramos (reduzimos a cobertura) em locais mais distantes.
Ou seja, quando estamos ajustando o tilt buscamos um sinal o mais forte possível nas áreas de interesse
(onde o tráfego deve ser cursado), e da mesma forma, um sinal o mais fraco possível além das fronteiras da
célula.
É claro que tudo depende das ‘variáveis’ envolvidas como ângulo de tilt, tipo e altura da antena e também
da topografia e obstáculos existentes.
De forma aproximada, mas que pode ser usada na prática, os ângulos de tilt podem ser estimados de forma
simples atráves do cálculo do ângulo vertical entre a antena e a área de interesse.
Ou seja, escolhemos um ângulo de tilt de tal forma que as áreas de cobertura desejadas estejam conforme o
diagrama vertical.
É importante comparar:
 o ângulo da antena em direção à área de interesse;
 o diagrama vertical da antena.
Também devemos levar em conta os nulos da antena. Esses pontos nulos nos diagramas das antenas não
devem estar direcionados em áreas importantes.
Como formula básica, temos:


Angle = ArcTAN (Height / Distance)
Nota: a altura e distância devem estar na mesma unidade de medida. Além disso, vale a pena lembrar
que este cálculo é aproximado pois não considerada clutter, diferenças altimétricas e obstáculos, por
exemplo.

Recomendações
A principal recomendação a ser seguida na aplicação de tilts, é usar com cautela. Embora o tilt reduza a
interferência, também pode reduzir a cobertura, principalmente em locais indoor.
Ou seja, devem ser feitos cálculos para prever o resultado, e se isso significar perda de cobertura, deve ser
reavaliado o tilt.
É uma boa prática definir alguns mesmos valores típicos (padrão) de tilt a serem aplicados na rede, variando
apenas em função da região, tamanho padrão da célula, alturas e tipos de antenas.
É recomendado que esses valores não sejam muito agressivos: é melhor começar com um tilt pequeno em
todas as células, e depois ir fazendo os ajustes conforme necessário para melhorar a cobertura/interferência.
No caso de tilt mecânico, lembre-se que a abertura horizontal fica mais larga, o que pode representar um
problema na relação C/I em relação a cobertura das células vizinhas.
Sempre faça uma verificação no local, após a alteração de qualquer tilt, por menor que tenha sido. Isso
significa avaliar a cobertura e qualidade na área da célula alterada, e também na região afetada. Lembre-se
sempre que um problema pode ter sido eliminado… mas outro pode ter surgido!

Documentação
A documentação é uma atividade muito importante em todas as atividades da área de telecomunicações.
Mas essa importância é maior ainda quando falamos em documentação do sistema irradiante (incluindo os
tilts).
É de extrema importância saber exatamente ‘o que’ temos atualmente em cada célula da rede. E igualmente
importante, saber ‘porque’ determinado valor foi alterado, ou otimizado.
Profissionais que não seguem essa regra frequentemente precisam realizar retrabalhos por diversas razões –
e simplesmente porque as alterações não foram documentadas corretamente.
Por exemplo, se um determinado tilt foi aplicado para remover o sinal interferente de um grande cliente, o
mesmo deve voltar ao valor original quando o plano de frequência for corrigido, melhorando a qualidade.
Outro caso por exemplo é se o tilt foi aplicado devido a problemas de congestionamento. Após o setor ser
ampliado (TRX, Portadoras, etc…), esse tilt deve retornar ao valor anterior, alcançando uma maior área de
cobertura geral, e consequentemente, gerando maior receita.
Um outro caso ainda é quando temos a ativação de um novo site: todos os sites vizinhos devem ser
reavaliados – em relação aos tilts e também dos azimutes.
É claro que cada caso deve ser avaliado de acordo com as suas características – e só assim tomar a decisão
de valores finais de tilt. Por exemplo, se houver um obstáculo grande como um prédio na frente de uma
antena, aumentar o tilt poderá acabar eliminando o sinal completamente.
Em todos os casos, o bom senso deve prevalecer, avaliando o resultado através de todas as ferramentas
possíveis, tanto de cálculos (como Predições) como de coletas (Drive Test) e KPI’s.

Valores Práticos
Como já deu para perceber, não existe uma regra, ou valor padrão para os tilts de uma rede.
Mas considerando os valores mais encontrados na prática, valores razoáveis são:
 Ganho 15 dBi: tilt default entre 7 e 8 graus (sendo 8 graus para células menores).
 Ganho 18 dBi: tilt default entre 3.5 e 4 graus (novamente, sendo 4 graus para células menores).
Esses são valores equivalem cerca de 3 a 5 dB de perda no horizonte.
Nota: o tilt default é ligeiramente maior em células menores, porque estas são células estão em áreas mais
densas, e uma perda de cobertura ligeiramente menor não terá tanto efeito quanto em células maiores. E em
casos de células muito pequenas, o tilt é praticamente obrigatório – caso contrário corremos o risco de
criarmos áreas com cobertura muito deficiente nas bordas das mesmas devido aos nulos da antena.
É mais fácil controlar uma rede quando todas as células tem aproximadamente o mesmo valor em quase
todas as antenas: com um valor pequeno ou mesmo sem tilt aplicado a todas as células, temos um perda de
cobertura praticamente desprezível, e um bom nível de C/I.
Assim, podemos nos preocupar - e focar - apenas nas células mais problemáticas.
Quando for aplicar tilts em antenas, faça de forma estruturada, de passos em passos, como 2 ou 3 graus –
documente e acorde isso com sua equipe.
Como já mencionamos, o tilt mecânico é variado geralmente através do ajuste de dispositivos (1) e (2) que
prendem as antenas aos suportes.


Já o tilt elétrico pode ser variado por exemplo através de hastes ou parafusos, geralmente localizados na
parte inferior da antena, que ao serem deslocados, definem um tilt correspondente à antena.


Por exemplo na figura acima, temos uma antena dual (duas bandas de frequência), e naturalmente, 2 hastes
(1) e (2) que são movimentados, e possuem um pequeno visor (3) indicando o tilt elétrico correspondente –
um para cada banda.


E quais as aplicações?
Nas definições vistas até agora, já foi possível perceber que as aplicações dos tilts são várias, como
minimizar a sobreposição indesejada de células vizinhas, melhorando por exemplo as condições de
handover. Também aplicamos o tilt para retirar interferência localizada e aumentar a capacidade de tráfego,
e também em casos onde desejamos alterar o tamanho de determinadas células, por exemplo quando vamos
inserir uma nova célula.


Resumindo: o mais importante é entender o conceito, ou efeito de cada tipo de tilt, para poder aplicar da
melhor forma possível em cada situação.


Dicas Finais
O assunto que envolve tilt é bem mais abrangente do que tentamos demonstrar aqui hoje, mas acreditamos
seja suficiente para entender os conceitos básicos.
Uma dica final é em relação a aplicação de tilts em antenas com mais de uma banda.
Isso porque em diferentes bandas de frequência, temos diferentes perdas de propagação. Por esse motivo,
antenas que permitem mais de uma banda tem diferentes diagramas de propagação, e principalmente,
diferentes ganhos e ranges de tilt elétrico.
E qual o problema disso?
Bom, suponha como exemplo uma antena que tenha a banda X, mais baixa, e uma banda Y, mais alta.
Analisando as características dessa antena específica, você verá que os ranges de tilt elétrico são diferentes
para cada banda.
Por exemplo, para uma mesma antena dual podemos ter:
 Banda X: tilt elétrico variável de 0 a 10 graus.
 Banda Y: tilt elétrico variável de 0 a 6 graus.
O ganho da banda mais baixa é sempre menor, mais ou menos ‘compensando’ a perda menor que essa
banda possui em relação à outra. Dessa forma, conseguimos uma área de cobertura aproximadamente igual
em ambas as bandas – isso naturalmente, quando utilizamos os tilts ‘equivalentes’.
Tudo bem, mas no exemplo acima, os tilts máximos são 10 e 6. O que seria tilt equivalente?
Então, a dica é a seguinte: preste sempre atenção à correlação dos tilts entre antenas com mais de uma banda
sendo transmitida!
A sugestão é manter uma tabela auxiliar, com a correlação desses valores previamente definidos.
Assim, para o tilt elétrico de uma determinada célula:
 Banda X ET=0 (sem tilt), então Banda Y ET=0 (sem tilt). Ok.
 Banda X ET=10 (máximo tilt possível), então Banda Y ET=6 (máximo tilt possível). Ok.
 Banda X ET=5. E aí? Pela correlação, Banda Y ET=3!
Obviamente, essa relação não é sempre uma ‘regra’, pois depende dos diagramas de cada banda, e de como
cada um vai atingir as áreas de interesse.
Mas serve como atenção para não acabar aplicando o tilt total em uma banda (Y ET=6), e o ‘mesmo’ (X
ET=6) em outra banda – porque embora tenham o mesmo ‘valor’, na verdade não são ‘equivalentes’.
Após você definir essa tabela de correlação para as suas antenas, distribua a mesma para as equipes de
antenistas – assim, quando em campo, sempre que eles tiverem que alterar um tilt de uma banda,
automaticamente já sabem o tilt aproximado que deve ser ajustado na(s) outra(s).


E como verificar as alterações?
Também já dissemos anteriormente que as verificações, ou os efeitos dos ajustes de tilt podem ser
verificados de diversas formas, como através de drive test, predições de coberturas, medições no local -
áreas de interesse, ou também através de Contadores ou Indicadores de Performance - KPI.
Falando especificamente em relação às verificações através de Contadores de Performance, além dos
Indicadores diretamente afetados, uma interessante e eficiente forma de verificação é através dos contadores
de Distância.
No GSM por exemplo, temos indicadores de TA (Número de MR por TA, Número de Radio Link Failure
por TA).
Nota: Já falamos sobre TA aqui no telecomHall, e se você tiver mais interesse no assunto, clique aqui para
ler o tutorial.
Esse tipo de verificação é muito simples de ser feito, e os resultados podem ser avaliados de forma bem
clara.
Por exemplo, podemos ter a verificação do efeito de um tilt aplicado a um determinado setor através dos
contadores tratados em uma planilha do Excel.


Através da informação de TA de cada célula, sabemos até onde a cobertura de cada uma está atingindo.
Assim, após alterarmos um determinado tilt, basta exportar os novos dados de KPI (TA), e comparar onde
se encontra a nova área de cobertura (e também as novas distribuições/concentrações de Tráfego).
Uma outra forma, talvez ainda mais interessante, é a plotagem desses dados de forma georeferenciada, por
exemplo no Google Earth. A partir dos dados da tabela de contadores, e de uma tabela auxiliar com as
informações físicas dos setores (cellname, coordenadas, azimute) podemos ter um resultado bem mais
detalhado, permitindo a verificação bem precisa do resultado.


Diversas outras informações interessantes podem ser obtidas do relatório (mapa) acima.
Ao clicar em algum ponto, temos a informação do tráfego no mesmo. A legenda de cores também nos
auxilia nessa tarefa. Por exemplo, nas regiões em volta dos pontos vermelhos, temos um tráfego cursado
entre 40 e 45 Erlangs. Na mesma lógica, pontos amarelo claro cursam entre 10 e 15 Erlangs de acordo com
a legenda – veja que clicamos e podemos ver que naquele local específico, temos 12.5 Erlangs.


Uma outra informação que agrega valor, também obtida ao clicar em qualquer ponto, é o percentual de
tráfego naquele local específico. Por exemplo, no ponto amarelo clicado, temos 12.5 Erlangs, ou 14% de um
total de 88.99 Erlangs que aquela célula cursou (somando todos os pontos).


Também como informação interessante, temos a verificação de locais bem distante do site, onde temos sites
cursados. Na análise, o projetista deve levar em conta se a cobertura é rural ou não. Caso seja uma cobertura
rural, a mesma pode ser mantida (depende da estratégia da empresa). Já casos como esse em sites
localizados em cidades, muito provavelmente são espúrios de sinal, e devem ser removidos – por exemplo
com a aplicação de tilt!


A obtenção das tabelas e mapas processados acima serão objeto do nosso próximo tutorial ‘Hunter GE TA’,
mas não são complicadas de serem obtidas manualmente – principalmente os dados no Excel, que já
permitem extrair bastante informações e ajuda.


Conclusão
Hoje conhecemos as principais características dos tilts aplicados em antenas.
Uma boa escolha dos tilts mantém os níveis de interferência da rede sob controle, e consequentemente
proporciona melhores resultados.
A aplicação de tilt sempre resulta em perda de cobertura, mas o que deve-se ter sempre em mente é se a
cobertura reduzida deveria estar lá ou não!
Conhecendo bem o conceito de tilt, e principalmente entendendo os diferentes efeitos do tilt elétrico e
mecânico, você terá condições de alcançar os melhores resultados em sua rede.
Como sempre, não podemos de fazer aquele nosso último pedido de sempre: se você gostou desse tutorial,
por favor compartilhe com os seus amigos: assim você nos incentiva a continuar publicando novos artigos
como esse! Obrigado!