O esporte e a violência

_______________________________________________________ O fator gerador da Capoeira foi justamente a necessidade do negro escravo desvincular-se da violência por qual era exposto, precisava de algo dentro de suas limitações capaz de dar uma alternativa ou uma solução para este problema. Capoeira, consiste numa dança luta com emprego de golpes disfarçada em brincadeira, com balanço dos braços, ora num arremesso oportuno dos pés, ora num golpe giratório expressados com harmonia de todo o corpo. Vendo que esta luta criava condições para se tornar instrumento de resistência, sem pestanejar o negro usou da Capoeira a sua reação a dominação dos senhores de engenho em sua privação da liberdade. Nota-se que esta luta geradora de liberdade mostra-se atualmente com capoeiristas se agredindo . Isto gera razões para a preocupação da forma que a Capoeira foi submetida aos processos de seu desenvolvimento. A Capoeira, quando iniciou-se transitava entre a beleza da arte, pura e bela, e, na arte do guerreiro para a defesa e liberdade. Até hoje, o seu desenvolvimento é um misto de arte pura e bela e um instrumento de guerreiro . Assim, pergunta-se: Como os capoeiristas das rodas de Capoeira vêem essa nobre arte? Ela, a Capoeira, é para eles a mágica da expressão corporal ou o elemento contundente da expressão da Violência? Foi verificado uma relação existente entre o aumento da violência e o ensino aprendizado da mesma com a negligência de certos monitores ao transmitir seus saberes, a super valorização dos grupos de Capoeira, enfatizando que teus trabalhos como os melhores, a democratização da violência urbana, tudo isto pode estar fazendo esta constante da prática da violência nas rodas de Capoeira. O capoeirista conserva em si a natural agressividade, a necessidade de conquista, a força que o empurra para a luta. Que fazer com esta força? Sublimá- lá. Os aspectos envolvidos na violência dentro da roda de Capoeira, são diversos e problemáticos, podemos levantar uma série de questões que tornarão elementos importantes para repensarmos sobre o destino da Arte que virou esporte.
Texto: DE PAULA, Luiz Carlos. Foto Carybé www.capoarte.com.br

Pg-01