PRODUÇÃO CIENTÍFICA

1
Prof. Ms, João Carissimi
Sem publicação, a ci!cia " mo#$a%
Gerar Piel
Segundo Santos (2000 p. 34), esre!er te"tos ient#fios $ %omuniar orretamente
dados orretos&. 'estaa(se então, a import)nia do rigor na utili*a+ão de t$nias e m$todos
de pes,uisa na produ+ão de te"tos ient#fios.
Sum&#io
-. .rtigo ient#fio........................................................................................... -
2. .rtigo(relat/rio............................................................................................ 2
3. 'isserta+ão.................................................................................................... 2
4. 0nsaio ient#fio............................................................................................ 3
1. 2nforme Cient#fio......................................................................................... 3
3. Monografia.................................................................................................... 3
4. Paper ou omunia+ão ient#fia.................................................................... 4
5. 6elat/rio........................................................................................................ 4
7. 6esen8a 9 Modelo -..................................................................................... 1
-0. 6esen8a 9 Modelo 2.................................................................................... 3
--. Sinopse e resumo........................................................................................... 5
-2. :ese............................................................................................................... 5

FOR'AS ()SICAS DE APRESENTAÇÃO DE TE*TOS
1% A#$i+o cie!$,-ico ( Santos, 2000 p. 4-)
;isa pu<liar resultados de um estudo. 0m<ora ten8a formato redu*ido (entre 1 e -0
p=ginas), $ sempre um tra<al8o ompleto, um te"to integral.
São geralmente utili*ados omo pu<lia+>es em re!istas espeiali*adas, se?a para di!ulgar
on8eimentos, se?a para omuniar resultados ou no!idades a respeito de um assunto, omo
ainda, para ontestar, refutar ou apresentar outras solu+>es de uma situa+ão ontro!ertida. @
semel8an+a das monografias, de!e onter uma introdu+ão, um orpo (om su<t#tulos, por$m
não om ap#tulos) e uma onlusão.
'o formato aonsel8ado de apresenta+ão de!em onstarA
• T,$ulo (su<t#tulo)B
• Au$o#.e/01
• C#"2i$o/ 2o./0 au$o#.e/0 (forma+ão, outras pu<lia+>es, ati!idades importantes
desen!ol!idas ou em desen!ol!imento relati!as ao assunto apresentado)B
-
'oumento ela<orado por Prof. João Carissimi 9 atuali*ado em -3C04C03 ar,ui!o produ+ão ient#fia.do
-
• Si!op/e ou #e/umo 2o $e3$o1
• I!$#o2ução1
• O co#po 2o a#$i+o (om su<t#tulos, por$m não om ap#tulos)B
• Co!clu/ão1
• Re-e#!cia/ biblio+#&-ica/ (o eleno dos materiais esritos utili*ados omo fontes de
informa+ão na onfe+ão do te"to, apresentados onforme normas da .DE:).
4% A#$i+o5#ela$6#io ou #ela$o 2e e3pe#i!cia (Santos, 2000 p.42)
:em a mesma finalidade e arater#stias gerais do artigo ient#fio. Como os relat/rios
em geral, o artigo(relat/rio resulta da inten+ão de pu<liar resultados de pes,uisas de ampo
ou de la<orat/rio.
F formato sugerido para o artigo(relat/rio de!e inluirA
• T,$ulo (su<t#tulo)B
• Au$o#.e/01
• C#"2i$o/ 2o./0 au$o# .e/01
• Si!op/e ou #e/umo1
• I!$#o2ução1
• Co#po 2o #ela$6#io (referenial te/rio, metodologia e materiais, apresenta+ão dos
resultados, an=lise e interpreta+ão dos resultados, reomenda+>es e sugest>es, se for o
aso)B
• Co!clu/ão1
• Re-e#!cia/ biblio+#&-ica/%
7% Di//e#$ação (Santos, 2000 p. 37)
Para a o<ten+ão do grau aadGmio de Mestre e"ige(se uma disserta+ão. 'ependendo da
=rea ient#fia onde $ desen!ol!ida e da nature*a da in!estiga+ão, apresenta(se ou na forma de
relat/rio ient#fio ou de monografia.
. disserta+ão tem omo arater#stia prinipal o aprofundamento. F te"to de!e
identifiar, situar, tratar e fe8ar uma ,uestão ient#fia de maneira ompetente e profunda.
São arater#stias de uma disserta+ãoA
• Ser ela<orada por p/s(graduando, !inulado a um programa stricto sensu, de uma
esola superior de!idamente redeniadaB
• Situar(se dentro de uma =rea espe#fia de on8eimento, indiada pela institui+ão
tuteladoraB
• 'esen!ol!er(se so< a orienta+ão de um doutor aadGmio, aeito pela institui+ão
tuteladoraB
• 6e!elar dom#nio e apaidade de s#ntese de on8eimentos espe#fios e
aprofundados, dentro da =rea de on8eimentoCatua+ãoB
• Ser apresentada e defendida pu<liamente, ante uma <ana aadGmia de pelo
menos trGs doutores.
2
8% E!/aio cie!$,-ico (Santos, 2000 p. 41)
0nsaio $ o te"to ient#fio ,ue desen!ol!e uma proposta pessoal do autor a respeito de
um determinado assunto. 0m<ora enerre o pressuposto de on8eimentos ad,uiridos no meio
ient#fio omum, o ensaio pretende e"pressar a !isão do autor, at$ mesmo de forma
independente om rela+ão ao pensamento ient#fio e omum a respeito do assunto. Pode(se
pensar o ensaio ient#fio omo Hum on?unto de impress>es do espeialistaH. I laro ,ue o
!alor ient#fio do ensaio depende do respeito da omunidade ient#fia pela autoridade e pelo
not/rio sa<er do ensa#sta. . estrutura inteletual e gr=fia do ensaio $ idGntia J estrutura
inteletual e gr=fia da monografia ou do artigo ient#fio.
9% I!-o#me cie!$,-ico (Santos, 2000 p. 44)
Ktili*ado para omuniar resultados pariais de pes,uisas em andamentoB ou os
resultados finais de um est=gio de in!estiga+ão ient#fia, o informe ient#fio $ sint$tio.
'i!ulga as primeiras deso<ertas reali*adas, as difiuldades enontradas ou pre!istas,
desre!e proedimentos utili*ados, se?a de ampo, de la<orat/rio ou <i<liogr=fios. 'e!e
tam<$m inluir a data de reali*a+ão dos estudos e os resultados. Mant$m a estrutura
inteletual e gr=fia dos artigos ient#fios e artigos de relat/rio, em rela+ão aos elementos
neess=rios J informa+ão ,ue se ,uer transmitir.
.onsel8a(se o seguinte formato gr=fioA
• T,$ulo (su<t#tulo)B
• Pe#,o2o 2e #eali:ação 2a i!;e/$i+ação1
• Au$o#.e/01
• C#e2e!ciai/ 2o./0 au$o#.e/01
• Si!op/e1
• I!$#o2ução1
• Co#po (no formato relat/rio ou monogr=fio, onforme o aso)B
• Co!clu/ão (mesmo parial, se 8ou!er).
<% 'o!o+#a-ia (Santos, 2000 p. 34)
Monografia $ um te"to de primeira mão resultante de pes,uisa ient#fia e ,ue ont$m
a identifia+ão, o posiionamento, o tratamento e o fe8amento ompetentes de um
temaCpro<lema. 0ssenialmente anal#tia, em ,ue o o<?eto (o tema, o pro<lema) $ geralmente
<em delimitado em e"tensão, a monografia permite o aprofundamento do estudo.
Lundamenta(se na organi*a+ão e na interpreta+ão anal#tia e a!aliati!a de dados, onforme
o<?eti!os (lin8as de raio#nio) preesta<eleidos. . mat$ria(prima do raio#nio são os dados,
,ue <asiamente se onstituem de a"iomas ient#fios (!erdades aeitas por di!ersas
iGnias), da autoridade de autores onsagrados, ilustra+>es, testemun8os e, at$ mesmo, da
3
e"periGnia pessoal oerente do pes,uisador. F raio#nio $ desen!ol!ido de forma induti!a
(parte(se de e"periGnias e o<ser!a+>es partiulares para se 8egar a um prin#pio geral), ou
de forma deduti!a (parte(se de um prin#pio geral para !erifi=(lo em asos partiulares).
. estrutura geral das monografias $ omo segueA
I!$#o2ução ( Consta de e"posi+ão da import)nia ou rele!)nia do assunto, men+ão de outros
tra<al8os desen!ol!idos a respeito do tema, e"posi+ão dos o<?eti!os do tra<al8o.
Co#po 9 Con?unto de partes, geralmente nominadas omo ap#tulos, ?= plane?ados pr$(
ordenados na fase de pro?eto, omo o<?eti!os espe#fios.
Co!clu/ão ( Cont$m a s#ntese das id$ias esseniais desen!ol!idas em ada um dos
ap#tulos.HH Linali*a(se om o par=grafo onlusi!o, onde ?unta(se de forma a!aliati!a os
raio#nios desen!ol!idos dos ap#tulos om o o<?eti!o geral ,ue norteou a pes,uisa.
=% Pape# ou comu!icação cie!$,-ica (Santos, 2000 p. 43)
'estina(se a uma omunia+ão oral em ursos ongressos, simp/sios, reuni>es
ient#fias et. Cont$m em m$dia entre duas e de* p=ginas) estruturadas no modelo de artigo
ient#fio ou artigo(relat/rio, para posterior pu<lia+ão em atas e anais dos e!entos ient#fios
em ,ue foram apresentados. Podem apareer pu<liados na #ntegra ou na forma de resumos e
sinopses. 0m<ora onten8a a mesma estrutura inteletual dos artigos (introdu+ão, orpo e
onlusão), não apresenta su<di!is>esA $ um te"to unit=rio.
F formato reomendado de apresenta+ão $A
• T,$ulo (su<t#tulo)B
• Au$o# .e/01
• C#e2e!ciai/ 2o./0 au$o#.e/01
• Si!op/e1
• Te3$o (sem su<di!is>es, em<ora ten8a omo onteMdo uma introdu+ão, um orpo e
uma onlusão)B
• Re-e#!cia/ biblio+#&-ica/%
>% Rela$6#io ( Santos, 2000 p. 33)
6elatar $ <asiamente Hontar o ,ue se o<ser!ouH. I tipiamente o primeiro te"to
produ*ido ap/s uma pes,uisa de ampo ou de la<orat/rio. 0m<ora se?a mais omple"o do ,ue
uma resen8a, o relat/rio $ por nature*a desriti!o. I laro ,ue a onfia<ilidade e !alidade dos
relat/rios de pes,uisa dependem em grande parte do not/rio sa<er, da apaita+ão e do Hol8o
l#nioH do pes,uisador.
.s partes esseniais de um relat/rio de pes,uisa sãoA
I!$#o2ução ( 'esre!e(se a import)nia ou rele!)nia (soial, ient#fia ou aadGmia) do
assunto, omo foi pro<lemati*ado e ,uais são os o<?eti!os do autor.
Re-e#e!cial $e6#ico ( I o te"to resultante de le!antamento <i<liogr=fio, de ,ual,uer
e"tensão, ,ue india ao leitor o tratamento ient#fio atual do temaC pro<lema. 2nlui defini+ão
de oneitos, a men+ão de tra<al8os ?= reali*ados a respeito do assunto, a teoria ,ue d=
sustenta+ão ao tra<al8o reali*ado.
'e$o2olo+ia ( La*(se J desri+ão detal8ada e rigorosa dos proedimentos de ampo ou de
4
Lormas <=sias de apresenta+ão de te"tos la<orat/rio utili*ados, <em omo dos reursos
8umanos e materiais en!ol!idos, o uni!erso da pes,uisa, rit$rios para a sele+ão da amostra,
instrumentos de oleta, m$todos de tratamento dos dados et.
Ap#e/e!$ação 2o/ #e/ul$a2o/ ( São e"postos os resultados o<tidos e ordenados pGlos
o<?eti!os da pes,uisa. ;isto ressaltar normalmente os aspetos ,uantitati!os, $ omum a
utili*a+ão a<undante de gr=fios, ta<elas e Hpi**asH ,ue ilustrem esses aspetos.
A!&li/e 2o/ #e/ul$a2o/ ( I feita uma interpreta+ão anal#tia dos dados o<tidos, onsiderando
o referenial te/rio, ,ue posiionou o pro<lema pes,uisado, e os resultados a ,ue se 8egou.
Su+e/$?e/@#ecome!2aç?e/ ( São neess=rias ,uando a pes,uisa reali*ada !isa a solu+ão de
um pro<lema onreto ou a resposta a uma neessidade imediata.
Co!clu/ão 5 'e!em onstar, de forma sint$tia, os elementos desen!ol!idos no deorrer do
orpo do tra<al8o (id$ias esseniais do referenial te/rio, da metodologia, dos resultados, da
an=lise et.). Conlui(se omparando esses dados ao o<?eti!o geral ,ue norteou toda a
pes,uisa, esta<eleendo(se o ,uanto foi onseguido em rela+ão ao o<?eti!o proposto.
A% Re/e!Ba C 'o2elo 1 (Santos, 2000 p. 34)
'e modo geral, resen8ar onsiste em e"aminar e apresentar o onteMdo de o<ras
prontas, aompan8ado ou não de a!alia+ão r#tia. 0 tal!e* o n#!el mais elementar de
pes,uisa ient#fia, e arateri*a(se apenas omo pes,uisa e"plorat/riaB pois, em<ora possa
onter uma r#tia, o te"to <ase ?= est= pronto. Como tra<al8o de ponta, $ normalmente feita
por pessoas om s/lidos on8eimentos na =rea, ?= ,ue o tra<al8o de r#tia demanda Hol8o
l#nioH apurado. I, tam<$m, e"elente e"er#io iniial de autonomia inteletual, uma !e*
,ue o e"ame de o<ras ?= prontas oportuni*a treinamento de ompreensão e r#tia, al$m do
ontato mais apro"imado om <ons autores e om o pensamento ?= ela<orado, o ,ue, para o
iniiante, ser!ir= de modelo interessante de produ+ão ient#fia.
.s partes esseniais de uma resen8a sãoA
I2e!$i-icação
2a ob#a
C#e2e!ciai/ 2o
au$o#
Co!$eD2o Co!clu/?e/ C#,$ica
Li8amento,
,ue inluiA
autor, t#tulo,
imprenta
2
,
total de
p=ginas
resen8adas.
Fs r$ditosA
Lorma+ão,
pu<lia+>es,
ati!idades
desen!ol!idas na
=rea.
.s id$ias
prinipais,
pormenores
importantes,
pressupostos
para o
entendimento
do assunto.
Noali*a+ão
(onde se
enontram na
o<ra) e <re!e
e"plia+ão
das
onlus>es do
autor.
'etermina+ão
8ist/ria e
metodol/gia
(ient#fia,
?ornal#stia, did=tia)
da o<ra,
ontri<ui+>es
importantes, estilo,
forma, m$ritos,
onsidera+>es $tias.
Ouadro - 9 Carater#stias da resen8a 9 ela<orado por João Carissimi 9 -1C04C03
6esen8as podem ser feitas om o<?eti!os diferentes. .ssim sendo, um le;a!$ame!$o
biblio+#&-ico ou #e;i/ão 2e li$e#a$u#a, em ,ue, pelo e3ame c#,$ico e #e$#o/pec$i;o 2e
;&#ia/ ob#a/, proura(se demonstrar erto est=gio de desen!ol!imento em torno de um fatoC
fenPmeno (tema, pro<lema) denomina(se Hresen8a <i<liogr=fiaH. I !im tra<al8o
2
Q
1
omparati!o, e"elente <ase para o desen!ol!imento autPnomo de um tema, en,uanto !erifia
o tratamento ?= dado ao assunto por outros autores. Carateri*a(se pela ,uantidade e
di!ersidade das o<ras onsultadas. Cr#tia $ a Hresen8a de te"toH, geralmente feita por
espeialistas om Gnfase na r#tia. Pressup>e on8eimentos aprofundados na =rea. Ne!a em
onsidera+ão, al$m das id$ias le!antadas, a di!isão, a disposi+ão da o<ra, a estrutura, forma e
estilo do autor, m$todo de a<ordagem, linguagem empregada et.
1E% Re/e!Ba C 'o2elo 4 (.*e!edo 2000 p. 3-)
.preia+ão r#tia so<re determinada o<ra, a resen8a !isa inenti!ar a leitura do li!ro
omentado. :rata(se, geralmente, de um te"to urto para pu<lia+ão em peri/dios
espeiali*ados. Seu taman8o ser= determinado por ,uem o soliitar. Pode !ariar entre ino
mil (para ?ornais não espeiali*ados) e de* mil arateres (para pu<lia+>es ient#fias).
.s trGs se+>es prinipais da resen8a sãoA introdu+ão, resumo e opinião.
INTRODUÇÃO
Ea introdu+ão, ,ue de!e ser <re!e, proure onte"tuali*ar o assunto de ,ue trata o
li!ro. 'isuta a rele!)nia do assunto. .ssim, o leitor fia loali*ado no tempo e no espa+o. F
o<?eti!o da introdu+ão $ le!ar o leitor a ler a resen8a (não o li!ro).
RESU'O
Fupe(se, então, em resumir o li!ro. ;oG ter= a,ui duas op+>esA um resumo sem
r#tia a<erta ou um resumo om r#tia.
Eo resumo sem r#tia a<erta, !oG simplesmente apresenta as id$ias prinipais do
autor (?= maradas), onatenando(as e ordenando(as. 0las não de!em ser ?ogadas uma atr=s
da outraA sempre um par=grafo ou uma frase de!e ser relaionado om o ,ue !em antes e
depois. 0sta op+ão $ a de dom#nio mais f=il.
Eo resumo om r#tia, !oG ?= !ai e"erendo a sua opinião, mostrando os pontos
fal8os, re!elando as ideologias, destaando os pontos !=lidos, et. 0sta op+ão apresenta
inMmeras difiuldades, em<ora pare+a mais atraente.
Surge a,ui o pro<lema da ita+ão formalA elas de!em apareer, mas não em muita
a<und)nia. Eo aso do resumo om r#tia, as ita+>es normais (om aspas) oorrerão mais.
Sempre ,ue elas oorrerem, de!em ser seguidas de india+ão das p=ginas de onde foram
e"tra#das. Ouando 8= reela<ora+ão do te"to, esta india+ão não $ neess=ria.
OPINIÃO
.o analisar o li!ro, !oG reol8eu um !asto material. .gora, seleione este material,
ordene(o e o apresente em sua onlusão.
F li!ro tem alguma !alidadeQ
Oue tipo de !alidadeQ
F ,ue falta ao li!roQ
R= alguma originalidadeQ
. leitura $ agrad=!elQ
R= um sem(nMmero de aspetos ,ue !oG pode onsiderar. 0 esses aspetos tam<$m
de!em estar <em inter(relaionadas. Ouando for apontado algum senão, ser= Mtil indiar a
página, onde o leitor pode ir para onferir.
3
REDAÇÃO E APRESENTAÇÃO
. resen8a de!e ter um t#tulo, diferente do t#tulo do li!ro omentado.
. reda+ão de!e ser direta sem entret#tulosB a passagem de uma parte para outra de!e
fiar e!idente pela organi*a+ão interna da resen8a. . fol8a de rosto de!e onter todos os
elementos para a identifia+ão da resen8a. Veja Modelo l. . primeira p=gina do te"to de!e
ome+ar om uma referenia+ão ompleta da o<ra.
(.......)
ROTEIRO PARA A EFA(ORAÇÃO DE U'A RESENGA
ESTRUTURA GERAL
INTRODUÇÃO
Fs obHe$i;o/ da introdu+ão sãoA
S onte"tuali*ar o autor e sua o<ra no uni!erso ultural, mostrando a genealogia da o<ra
S interessar o leitor pela resen8a e pela o<ra em ,uestão
. introdu+ão de!e oupar entre 1E a 4EI 2a e3$e!/ão total da resen8a e onterA
S par=grafo de interesse
S onte"tuali*a+ão do autor e da o<ra
S par=grafo de transi+ão para o resumo
DESENVOLVIMENTO
Fs obHe$i;o/ do desen!ol!imento sãoA
S resumir (reesre!er sintetiamente) o onteMdo da o<ra
S destaar as lin8as entrais do pensamento do autor
F desen!ol!imento de!e oupar entre <EI e =EI 2a e3$e!/ão total da resen8a e onterA
S introdu+ão ( resumo do resumo, para mostrar as partes onstituti!as <=sias da o<ra.
S resumo ( s#ntese do pensamento do autor
S onlusão ( fe8o do resumo
S par=grafo de transi+ão para a r#tia.
CRÍTICA
Fs obHe$i;o/ da resen8a sãoA
S apreiar a o<ra, reomendando(a ou não ao leitor.
S fa*er sugest>es ao autor eCou editor (editora) da o<ra
. r#tia de!e ter entre 4E e 7EI 2a e3$e!/ão total da resen8a e onterA
S ?u#*o sint$tio so<re a o<ra
S e"plia+ão do ?u#*o
S sugest>es ao autor ( apreia+ão final (reomenda+ão de leitura)
. r#tia de!e onsiderar os seguintes itensA
- Jua!$o K e2ição
S errosCaertos ,uanto J re!isão te"tual
S inCe"istGnia (e atualidade) de #ndies, ilustra+>es et.
S apresenta+ão (apa, fol8as(de(rosto, impressão et...)
4
5 Jua!$o ao co!$eD2o
S errosCaertos ,uanto Js informa+>es !eiuladas (datas, nomes, estat#stias et.)
S seriedade da doumenta+ão (e"tensão, ,ualidade e atualidade das referGnias <i<liogr=fias
intermedi=rias e finaisB uso r#tio dos autores, riteriosidade das ita+>es et.
S inConsistGnias (ontradi+>es)
S disposi+ão do material (se,uGnia l/gia, organi*a+ão e,uili<rada et.)
S ,uanto Js id$ias
S di=logo om as id$ias <=sias do autor
S des!elamento ideol/gio de suas propostas e an=lise das suas onse,uGnias
S a!alia+ão dos argumentos apresentados
ASPECTOS FORMAIS
• t#tulo (riati!o, diferente do t#tulo da o<ra, <re!e e su<stanti!o) ao alto, no entro
S referenia+ão da o<ra onforme Js normas da .DE:, ao alto, J direita
S reda+ão direta sem entret#tulos, om a di!isão se e!ideniando pela organi*a+ão do te"to
S ita+>es formais indispens=!eis (tn loco: p=ginas indiadas entre parGnteses)
S fol8a(de(rosto <em disposta, om t#tulo da resen8a ao alto, autor da resen8a no entro,
finalidade do tra<al8o no entro, a<ai"oB institui+ão, loal e data <em a<ai"o.
11% Si!op/e e #e/umo (Santos, 2000 p. 4-)
São te"tos redu*idos. . sinopse $ um pe,ueno te"to (21 a 10 lin8as), geralmente
redigido pelo autor ou o editor de uma o<ra. . arater#stia essenial da sinopse $ a
apresenta+ão onisa dos tra+os gerais, das grandes lin8as da o<ra. Eormalmente !em
inserido no in#io dos te"tos pu<liados e $ muito Mtil para a reali*a+ão de le!antamentos
<i<liogr=fios.
F resumo, normalmente um te"to mais longo (-0T a 21T do te"to original), le!anta
as id$ias esseniais do te"to(<ase e de!e manter o esp#rito do autor. Prouram(se preser!ar as
inten+>es e Gnfases, tratando om mais detal8e a,uilo ,ue o autor trata mais longamente.
0n,uanto na sinopse se permite alguma interpreta+ão, no resumo proura(se guardar a<soluta
fidelidade ao te"to original.
14% Te/e . Sa!$o/, 4EEE p 8E0
Como ondi+ão para o<ter o grauU aadGmio de 'outor, <em omo os t#tulos
uni!ersit=rios de atedr=tio e de li!re(doente e"ige(se a defesa de uma tese. .ssim omo a
disserta+ão, a tese assume o formato ou de uma monografia ou de um relat/rio ient#fio,
onforme a =rea de iGnia ou a nature*a da in!estiga+ão desen!ol!ida.
Ca<e a uma <oa tese identifiar, situar, tratar e fe8ar uma ,uestão ient#fia de
maneira ompetente, profunda e in$dita. . arater#stia essenial de uma tese $ o ,ue ela
ont$m de in$dito em erta =rea de iGnia, e a,uilo om ,ue pode ontri<uir de forma no!a
para o on8eimento 8umano. F in$dito apresentado em uma tese tanto pode ser algo
ompletamente no!o, omo aspetos no!os de algo ?= !el8o.
São ainda arater#stias da teseA
5
• Ser ela<orada por p/s(graduandos, regularmente !inulados a um programa de
doutoramento de uma institui+ão de ensino superiorB
• 6estringir(se, nesta ela<ora+ão, a uma =rea espe#fia de onentra+ão, definida pela
institui+ãoB
• Ser produ*ida so< a tutela de um doutor orientadorB
• 6e!elar dom#nio e s#ntese de on8eimentos espe#fios e originais dentro da =rea de
on8eimentoCatua+ão em ,ue $ desen!ol!idaB
• :er o te"to apresentado e defendido pu<liamente, en,uanto a!aliado por uma <ana
aadGmia, onstitu#da de doutores (geralmente seis), orro<orados pela institui+ão
tuteladora.
60L06VEC2.S
ALEMEDO, 2srael Delo de. F pra*er da produ+ão ient#fiaB diretri*es para a ela<ora+ão de
tra<al8os aadGmios. 5W ed. São PauloA 0ditora Pra*er de Ner, 2000. Cap#tulo 2 9 6esen8as e
6e!is>es Di<liogr=fias. p. 3- a 34.
SANTOS, 6aimundo .ntPnio dos. Metodologia ient#fiaA a onstru+ão do on8eimento. 3.
0d. 6io de JaneiroA 'PX. editora, 2000. Cap#tulo 3 9 Lormas <=sias de apresenta+ão de
te"tos. p. 33 a 41
7

Sign up to vote on this title
UsefulNot useful